Absolvam as chuvas de verão

Opinião do blog

Os alagamentos e deslizamentos que o Brasil vê acontecer não são causados pela intensificação da atividade pluviométrica, mas por incompetência e descaso dos governos estaduais e municipais. Com certa responsabilidade até do governo federal, que não atua sobre a inaptidão de certos Estados e municípios.

Tem chovido muito em várias partes do Sul e do Sudeste há quase uma semana, mas só se vê desastres em algumas cidades, enquanto que outras, muitas vezes limítrofes, não são afetadas. Tudo por falta de planejamento e de providências das cidades atingidas.

Tomemos Curitiba – onde me encontro a trabalho desde terça-feira – como exemplo. Tem quase a mesma altitude de São Paulo (está, apenas, a cerca de 200 metros acima). O relevo é ondulado como o da capital paulista e as duas cidades têm clima subtropical. E aí terminam as semelhanças.

Venho me surpreendendo com a ausência de enchentes, nestes dias que estou passando aqui. Assim como com o cuidado ambiental e o planejamento urbanístico, a racionalidade do sistema de transportes, tudo isso aliado ao maior índice de veículos particulares por habitante em todo país.

Curitiba deveria ter congestionamentos, e não tem; deveria ter alagamentos, e não tem; deveria ser poluída, e não é – apesar da grande frota automotiva e de tantas indústrias na região. Por tudo isso, é considerada a capital com a melhor qualidade de vida do Brasil, tendo a quinta maior economia entre elas.

A diferença está no nível de consciência política e de educação da população autóctone. Aqui jamais se aceitaria, ano após ano, uma conversa fiada como a de que aconteceram inundações por conta de chuvas mais intensas. Políticos de todos os partidos que governaram ou governam tratam a população com maior respeito, pois sabem que é atenta.

Em São Paulo, a população, mesmo a mais rica, conforma-se com as tragédias que as chuvas causam por falta de ações do Estado, e se deixa enganar pelas comparações que a mídia faz com regiões como as serras fluminenses, onde as mortes e desastres causados pelas chuvas têm origem na topografia e não na falta de estrutura das cidades.

Áreas para absorção das águas pluviais, limpeza de esgotos e manutenção das calhas dos rios e córregos, se fossem feitas com efetividade bastariam para solucionar os problemas paulistanos. Todavia, a população local ou culpa a si mesma pelas enchentes ou as aceita como um fato da vida.

A manipulação do povo de São Paulo pela mídia me mata de vergonha pela burrice popular que impera em minha cidade. Sinto dizer, mas é a verdade. E não diria se não fosse, sendo natural da capital paulista e filho, neto, bisneto e tetraneto de paulistanos.

Ontem (quarta-feira), grande parte da imprensa continuava enganando a população ao atribuir o caos ao volume de chuvas e ao comparar as desgraças locais com as que ocorreram em regiões serranas do resto do país, fenômeno que nada tem que ver com os alagamentos paulistanos.

Mas, para não ficarmos só em São Paulo, vamos reconhecer que é criminosa a passividade de administrações estaduais e municipais de outras partes do país, tanto quanto em São Paulo. Quem não sabe que habitar encostas oferece risco em regiões de clima subtropical, nas quais as chuvas se impõem nesta época do ano?

Estou plenamente convencido de que essas tragédias provocadas pelos alagamentos urbanos e por deslizamentos de encostas só terão fim quando as populações das regiões atingidas passarem a boicotar políticos e partidos que governem e, ao fim do governo, não tenham, no mínimo, reduzido drasticamente as desgraças pluviais.

—–

PS: vários amigos-leitores curitibanos estão me convidando para me juntar a eles em jantares ou happy hours. Estou muito feliz e honrado. Infelizmente, porém, estou nesta magnífica cidade acompanhando um cliente estrangeiro, tendo que ciceroneá-lo juntamente com a diretoria da indústria que represento.

Todos os meses venho a Curitiba. Quase sempre, para reuniões com a minha representada. Assim, acabo tendo mais tempo livre. Frequentemente, venho mais de uma vez por mês. Estou certo, pois, de que não faltarão oportunidades de me reunir com essas pessoas simpáticas e acolhedoras desta cidade fantástica.

Espero que voltem a me convidar em outra viagem que faça a Curitiba, quando, certamente, poderíamos nos reunir todos e fazer uma bela confraternização dos leitores deste blog. Desta vez, porém, está sendo impossível mesmo.

Um abraço a todos os leitores e leitoras de Curitiba.

111 comments

    • Pois é,
      A tentativa de culpar a população ou as chuvas pelas enchentes em São Paulo chega a ser patética.
      Coleta de lixo deficiente, falta de manutenção na rede pluvial e um completo descaso com o sofrimento das famílias atingidas são só alguns dos atos desta tragédia que é a administração do Estado de São Paulo e de sua capital.

  • Pois é, não é da chuva a culpa pelos alagamentos de São Paulo, nem pelos deslizamentos na região serrana do Rio. Faltou e falta prevenção em ambos os casos.
    O problema é que isso não é dito pelo pig. Acompanhei parte da cobertura da tragédia da região serrana. E a todo tempo, eles falam nas responsabilidades das autoridades. O noticiário é permeado por “editoriais’ que “se indignam com o descaso do poder público, da falta de políticas públicas e etc. E fizeram, inclusive, uma acusação direta ao ex-ministro do Lula Gedel Vieira Lima, que teria destinado 1 % das verbas de prevenção de catastrófes naturais ao Rio, enquanto que 50% a sua terra, Bahia.
    Está errado? Não, muito pelo contrário. Mas quando chega na vez de São Paulo, os “editoriais” somem. Nada de cobranças de políticas públicas. Só se ouve chuva, chuva, chuva. Nunca, até agora, ouvi o pig pronunciar “asseoramento do Tiete”. Ninguém que só se “informa” pelo pig sabe que o Serra retirou parte substanciual das verbas das obras do Tiete para alocá-las para coisas mais eleitoreiras, como publicidade por exemplo.
    As cagadas do Gedel são noticiadas ao vivo e a cores para todo Brasil e as dos tucanas vão para baixo do tapete. E os paulistanos sentem o fedor, mas não sabem daonde vem

  • Querido Edu, peço licença para postar a minha revolta com o que esta mídia bandida está fazendo contra o grande Presidente Lula .
    Eu não tenho mais adjetivos para estes caras que se lambuzaram no Governo do Grande Lula e agora viram as costas as ações mais criminosos que a mídia bandida faz para desconstruir a imagem do nosso inesquecível Presidente Lula .

    Veja a manchete do Jornal lixo, que panfleteia nas bancas aqui do RJ :

    ” Governo federal prometeu, mas não repassou um centavo contra desastres à Região Serrana do Rio ”

    E não surge um dirigente Petista para rebater esta putaria .

    CANALHAS ! CANALHAS ! VERMES ! TRAÍRAS ! HIPÓCRITAS !

  • No caso do Rio, os pobres constroem nas encostas porque não tem opção. Os ricos, porque acham chique. E a prefeitura e o governo do estado foram, no mínimo, lenientes com essa situação.

    No caso de SP, não houve desassoreamento do rio Tietê em 2007, 2008 e 2009, embora o serviço tenha sido parcialmente pago às empresas pelo governo do estado. Muito estranho…

    Além disso, em SP, vários reservatórios do alto Tietê foram privatizados. E os donos da água não querem abrir as comportas preventivamente antes das chuvas pois, para essas empresas, a água é uma mercadoria que vendem à Sabesp (a companhia de distribuição de água de SP). Assim, se recusam a jogar a mercadoria fora. Deixam os reservatórios com 50% ou mais da capacidade antes das chuvas. Quando chegam as monções, são obrigadas pelas circunstâncias a abrir as comportas de maneira atabalhoada, inundando muitas cidades. Aconteceu isso em 2010. E, agora, novamente. O governo de SP praticou privataria no manejo da água. Deu no que deu.

    • E olha que no jornal aqui de minha cidade, Diário do Grande ABC, em Santo André, saiu uma notícia com uma desculpa esfarrapada da SABESP se eximindo de toda e qualquer culpa com relação a inundação ocorrida na cidade Franco da Rocha. Não adianta, a SABESP sempre vai se omitir quando ocorre esse tipo de tragédia. Ela nunca vai assumir a culpa.

    • No jornal aqui da minha cidade, Diário do Grande ABC, em Santo André, saiu uma notícia da SABESP dando uma desculpa esfarrapada se eximindo de toda e qualquer culpa na tragédia que ocorreu na cidade de Franco da Rocha. Não adianta, a SABESP nunca vai assumir a culpa pelas inundações que ela provoca nas cidades, como ocorreu no ano passado em Atibaia. E o pior é que o PIG acoberta toda essa safadeza …

  • Edu é um prazer tê-lo como visita na nossa cidade, espero que volte muitas vezes. Mas mudando de assunto vi agora a pouco na Falha/UOL que está circulando um manifesto dos católicos anti-Dilma, relacionado ainda a tal lenga-lenga sobre o aborto. Realmente essa gente tem muito ódio mesmo.

  • Boa Antonio Carlos, os nossos dirigentes petistas estão acostumados a imitarem os sapos, só se locomovem arrastando a bunda no chão, por isso somos os únicos da américa do sul que não teve coragem de punir os bandidos da nossa ditadura como fizeram nossos hermanos Argentinos, não é só sabermos o que fizeram no passado, más sim estarmos cientes do que poderão torturar, matar, prender no futuro e com o aval de brasileiros covardes e canalhas, já se deparou com as mordomias dos militares e detrenimento aos civís???

  • Aqui em SP, especialmente na cidade de SP, os que se auto titulam “bem informados, bem formados, letrados, cultos”, na verdade, politicamente falando, são um bando de IDIOTAS, BURROS, ALIENADOS, AMESTRADOS .

    Realmente Eduardo, dá raiva, vergonha, revolta por acreditarem e saírem espalhando aos quatro cantos que a culpa é de São Pedro, como o incompetente do Kassab disse um dia desses.

      • Meu amigo,
        morei 13 anos em Curitiba e pude ver incontáveis alagamentos por lá.
        procure se informar melhor…

        além disso o PT tem uma senadora paranaense e inúmeros deputados petistas

      • Anselmo, é apenas questão de pensar no que é melhor para a comunidade e não para o partido A ou B e muito menos para político A ou B. O povo de Curitiba tem senso do que é “bem público” e que, a maioria do povo brasileiro ainda não tem, inclusive você, eu e muitos que ficamos aqui apenas nos indgnando com A, B ou C e não fazemos p—- nenhuma.

  • Permita-me uma correção: não são “serras cariocas” , mas serras fluminenses. Os trágicos desabamentos aconteceram fora da cidade do Rio.

  • Sem querer reduzir a dimensão de mais uma tragédia das enchentes no Rio, culminando com centenas de morte, mas a cobertura da mídia é descompensada. A situação paulista é bem mais grave que a retratada nas páginas de Folha, Estadão e o Globo principalmente. Uma cobertura realista não suprime informações e dados vitais. Acima de tudo é uma irresponsablidade. Pelas vidas perdidas, irresponsabilidade das autoridades que não tratam da prevenção. Pelas notícias, irresponsabilidade da mídia, que até na desgraça, demonstra suas preferências.
    http://easonfn.wordpress.com

  • A TV Globo, no Bom Dia (?) Brasil, mostrou mais uma vez a sua cara conversadora e militante do PSDB. Fez uma matéria querendo dizer que o problema das enchentes são recorrentes na Serra do Estado do Rio de Janeiro, mostrando no vídeo as datas dos acontecimentos. Me explica porque essa concessão pública não faz isso com São Paulo ? A única metrópole brasileira que sofre todo o ano com as mesmas enchentes.

    O enólogo ancora, Renato Machado, para piorar a situação descrevia as cidades serranas, atingidas pelas enchentes, com o verbo no passado. Acredito piamente que a TV Globo é contra a cidade do Rio de Janeiro. Não passam de órfãos do Carlos Lacerda.

  • Ainda bem que vc iniciou a despolitização do assunto.

    Portanto vamos verificar alguns fatos:

    Governo federal prometeu, mas não repassou verba contra desastres para Região Serrana do Rio
    Publicada em 13/01/2011 às 00h58m O Globo

    RIO – Apesar das recorrentes tragédias causadas pelas chuvas, o governo federal mantém a tradição de investir pouco – e bem menos do que promete – para evitá-las. Embora tenha previsto R$ 425 milhões para o Programa de Prevenção e Preparação para Desastres em 2010, o Ministério da Integração Nacional só aplicou R$ 167,5 milhões, ou 39% (inclusive os restos a pagar, ou seja, as despesas de anos anteriores honradas depois). Os dados constam de levantamento do Contas Abertas no Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo (Siafi).

    O Estado do Rio recebeu apenas 0,6% da bolada distribuída (R$ 1 milhão), aplicados na capital, em Rio Claro e em Volta Redonda. Outro dado do Siafi mostra que o governo federal deixou de repassar recursos até para as cidades atingidas na Região Serrana .

    Os R$ 450 mil previstos para “apoio a obras preventivas de desastres/contenção na estrada Cuiabá (Petrópolis)” – área destruída pelas chuvas – não foram liberados. Para Nova Friburgo, a estimativa de repasse era de R$ 21,7 milhões para “obras de pequeno vulto de macrodrenagem”, mas os recursos não chegaram.

    – O orçamento de prevenção a desastres com enchentes deveria ter o seu cumprimento rigorosamente obrigatório. Infelizmente, o governo federal coloca essas dotações na vala comum dos programas fictícios – disse o deputado federal Otávio Leite (PSDB), que fez o levantamento sobre a Região Serrana no Siafi.

    Além de não aplicar o previsto, o governo gastou mais em 2010 para reparar os danos provocados pelos desastres do que o investido em prevenção. O Programa de Resposta aos Desastres e Reconstrução, por meio do qual são liberadas as verbas após a ocorrência de tragédias, destinou R$ 2,3 bilhões a todo o país, ou 14 vezes o que foi aplicado em prevenção. Neste caso, o Rio foi o segundo mais contemplado, com R$ 377 milhões para 32 cidades. Fica atrás de Pernambuco (R$ 380 milhões).

    Do PAC, só 21% foram aplicados
    Estado que emplacou os dois últimos ministros da Integração – os peemedebistas Geddel Vieira Lima e João Santana -, a Bahia obteve mais da metade do montante (R$ 84,6 milhões) destinado à prevenção. Esta disparidade na distribuição do dinheiro já havia sido apontada, à época das tragédias no Rio, em 2010, em relatório do Tribunal de Contas da União (TCU). Após auditoria, o órgão não encontrou critérios técnicos para orientar o rateio, com ênfase na Bahia.

    Outras ações também apresentam baixa execução orçamentária, como o Programa de Drenagem Urbana e Controle da Erosão Marítima e Fluvial, tocado por mais de uma pasta. Em 2010, estavam previstos R$ 1,011 bilhão, mas só R$ 163 milhões foram pagos (16%), segundo o Siafi (neste caso, não estão incluídos os restos a pagar). Os projetos inscritos no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) somam R$ 760 milhões, mas só 21% saíram do caixa.

    O Rio foi o estado mais contemplado com verbas do programa, com R$ 84,7 milhões. Mesmo assim, recebeu apenas 30% da dotação inicial (R$ 274 milhões).

    O Ministério das Cidades, responsável pela maioria das ações, não comentou os números. Limitou-se a apresentar o valor total dos contratos do PAC Drenagem, assinados entre 2007 e 2010 (R$ 5,55 bilhões). O secretário nacional de Defesa Civil, Humberto Viana, disse que, no ano eleitoral, por restrições legais, o governo teve de segurar despesas.

    • Caro Campineiro (ex-Cristhoph), não leio O Globo, nem quando a matéria é postada aqui no blog do Edu. Mas é evidente que esses ministros do PMDB que infestam as administrações federais desde a redemocratização, não são confiáveis.
      O problema é que o pig não informa coisas básicas, como por exemplo, as regiões para serem contempladas por essas verbas tem que apresentar projetos de prevenção, que abarquem as contenções das encostas, drenagens, entre outras medidas.
      É preciso lembrar que são as prefeituras que são responsáveis pela ocupação do solo urbano e rural, o famoso habita-se. Nada disso é explicado pelo pig. O que a gente vê são os prefeitos aparecerem como vítimas também.
      O que o pig ignora também, é a questão do desassoreamento do Tiête, paralizado pelo Serra, e também a questão da privataria apontado pelo Locatelli.
      Não leio a Folha nem pagando, por isso se você pudesse fazer o favor de tentar achar isso em algum lugar de suas páginas, eu agradeceria muito. Aí talvez a gente possa reconhecer que o pig também cobra dos governos tucanos por suas responsabilidades

      • São fatos apresentados pelo jornal O Globo, se vc não o le, então não tem o que disutir.

        Quanto a ter ou não ter projeto executivo etc.etc. certamente vc poderá colocar artigos que possam comprovar sua argumentação.

        Assim teremos ponto e contra ponto

        • Deve tá de gozação. Apontar uma reportagem para comprovar o que estamos criticando se a acusação aos meios de comunicação é justamente dá ênfase a catástrofe do Rio e minimizar a de São Paulo. É muita cara de pau de pau mesmo.

        • Você deve ser um brincalhão, não é mesmo? Ou então um bobalhão. Pensa que está se dirigindo a otários que engolem esses argumentos risíveis?
          Acha mesmo que algum leitor aqui poderia pensar que basta um prefeito qualquer, ou seu preposto, de alguma cidade atingida por catástrofe se dirigir a Brasília, procurar o Lula, e receber dele um cheque, ou quem sabe em espécie, no valor combinado para cobrir as despesas com a tragédia?
          Tolinho!
          Só mesmo para leitores do Globo, amestrados por eles e FSP, Estadão, etc., ou, pago por eles.

      • HOOO JULIANO , esse campineiro sabe muito bem de tudo isso que vc falou, ele é muito bem informado , é uma pena que o mau caratismo dele seja muito maior que sua propria inteligencia , por isso nao dou credidto algum ao que esse ex , ex ex sei la o que , fala e todos aqui deveria fazer o mesmo .abço

        • Longe de mim querer defender ministro do PMDB, mas vejamos o que o neoliberalismo fez no Brasil:
          Em Niterói, após o desabamento no Morro do Bumba, verbas prometidas não chegavam. O Globo, sempre ele, cobrava o tempo inteiro sem ouvir os dois lados. Custou a aparecer a explicação: o governo federal só pode repassar verbas com projetos prontos, valor, detalhamentos, etc. A prefeitura de niterói tinha recebido poucas verbas pois houve o desmonte do serviço público: faltava engenheiros, arquitetos, etc. para fazer os projetos. Descoberto isto, o assunto sumiu de pauta.
          na hora da tragédia a direita faz o clamor ou esconde, de acordo com o partido atingido, mas se esquece que no fundo no fundo tudo tem a ver com o estado mínimo.
          em cada caso, deve ser procurado saber qual projeto foi apresentado, se havia um corpo técnico pra fazê-lo ou se foram contratadas as “famosas consultorias”. Em resumo: sempre o pano de fundo é o desmonte do serviço público.

        • Sobre meu caráter vc não tem autorização nem competência para emitir opinião.

          Se não tem como colaborar com a discussão do tópico é melhor se abster de ficar agredindo as pessoas que freqüentam este espaço.

        • “edy aquino”, eu sou de esquerda e não concordo com “Christoph (Ex Campineiro)” em muitas coisas. Tenho discordâncias ideológicas e políticas dele. Chamar o cara de mal caráter, aí você exagerou. Tenho amigos de direita que ao falar de política a gente discute e não se agride. Estes meus amigos são pessoas boas e de um grande coração. Vamos só rebater seus comentários, mas não agredí-lo.

    • Na mesma página o globo fala no emprego de 417 milhões, parte provniente de recursos do governo federal ( mas não quantifica!)
      Os bem informados e os de boa fé sabem que os recursos da União só podem ser liberados mediante a apresentação de projetos, planejamento de obras, especificações do que vai ser executado, atc. A reportagem não se refere a nenhum projeto apresentado pelas municipalidades ou governo estadual relacionados com os eventos em foco.
      Já com relação às obras do Pac e do minha casa minha vida, alguns projetos foram apresentados, os recursos liberados e os pagamentos veem sendo feitos segundo as etapas concluidas.
      As obras de saneamento sofrem do mesmo mal: não aparecem os projetos. Decorre daí a não execução orçamentária.
      Ver, portanto, a mídia cinicamente atribuir culpa ao governo federal, quando conhece as razões da indisponibilidade das verbas federais e poupar governos estaduais e prefeituras ( Rio, São Paulo, Santa Catarina, Alagoas , Pernambuco, Minas….só pra falr dos ùltimos anos) é de espantar.
      Mas as ocupações das encostas instáveis e das margens de rio são feitas correntemente aos olhos das prefeituras. Como prever verbas, arrumar recursos para tanta desfaçatez?

      • Exatamente, Mello. É muito fácil por a culpa no governo e dizer: o Lula não deu dinheiro. Papo furando em muitos e muitos e muitos casos, as Prefeituras é que não apresentam projetos tecnicamente defensáveis. Não é só uma questão de pedir a grana, tem que fundamentar. Agora, talvez o governo da presidenta Dilma possa criar algum tipo de treinamento / mecanismo para facilitar o aprendizado da formatação desses projetos. Finalizando, quem acredita piamente no PIG é super mal informado. Simples assim.

    • Também “deu” no Globo:

      ” O Globo: Serra é agredido por petistas no Rio
      21 de Outubro de 2010

      Em caminhada na Zona Oeste, candidato é atingido na cabeça por uma bobina lançada por manifestante

      Fabio Brisolla

      O candidato José Serra, do PSDB, enfrentou ontem o momento mais tenso desde o início de sua campanha pelas ruas do país. Em uma caminhada pelo calçadão de Campo Grande, na Zona Oeste do Rio, o passeio de Serra com sua comitiva foi bloqueado por sindicalistas e militantes do PT. Com camisetas e bandeiras do partido da candidata Dilma Rousseff, os manifestantes tentaram intimidar Serra com insultos e, depois, brigaram para se aproximar à força do candidato tucano. ”

      Deu no Globo. Tá dado.

      • Pois é

        Ja são 427 mortos no RJ e a unica coisa que se quer discutir aqui é o PIG, o caráter do Campineiro a bolinha na cabeça do Serra e acusações muito graves de verbas roubadas pelo governador de SC

        Voltarei só no prox post.

        Aqui em Campinas tivemos muito menos problemas, mas temos algumas áreas com reais dificuldades.

        A ação de ajuda será realizada no Domingo.

        Cada uma faz a sua parte como quer.

          • O que me revolta são 427 mortos por incompetência dos governos.

            Não tenho partido quando se trata de deixar seu cidadãos morrerem por falta de competência.

          • Exatamente, Campineiro (ex-Cristoph), Mas que governos? Não é o federal, ou seja, o Lula, como o pig quer convencer os incautos.
            A prevenção dessa catástrofe estava nas mãos dos prefeitos dessas cidades.
            Nem sei de que partidos são. Parece que o de Petrópolis é do PT. Não interessa, é culpado também.
            Agora te pergunto, caro ex-etc, a culpa é do Lula, porque o Sergio Cabral é seu aliado? É isso que estás afirmando?

  • Como diz PHA,a Globo culpa Lula pelo o que esta acontecendo no Rio ,e Deus pelo o que acontece em São Paulo.
    Vcs acham que o governo Federal não repassou verbas ?
    Qta leviandade desta midia.Querem sangrar Lula eternamente ,não o deixarão em paz até após seu falecimento .
    Turba horrorosa.

    • O mesmo aconteceu em Santa Catarina na tragédia das enchentes, Lula repassou R$ 1,3 e o dinheiro desapareceu, o então governador Luiz Henrique e hoje eleito Senador por SC diz não saber, mais o povo sabe, deve ter surrupiado a dinheirama para se eleger, Lula foi cobrado pelos desabrigados durante a campanha eleitoral e Lula confirmou a remessa do dinheiro, pediu providências para saber aonde o dinheiro foi parar. Acho que esses governadores não fazem obras para conter as enchentes, fazer casas populares para tirar as pessoas das encostas, das áreas de riscos por que eles é que ganham com essas tragédias,vidas e sonhos perdidos, por que sabe que o dinheiro vai chegar, é a tragédia anunciada e quem ganha?

  • Fico indignado com o PIG a cada hora que vejo a cobertura das enchentes em São Paulo e na região Serrana no Rio! Pois em nenhum momento cobram as autoridades locais, é uma complacência e proteção de prefeitos e governadores de fazer vergonha! Mas aplicam-se a cobrar o governo federal questionando o que está fazendo pelas enchentes! Ora! São zilhões de reais todo ano repassados aos Estados e municípios para aplicar em infra estrutura, não me venha com esta agora de culpar o Governo Federal de ficar com braços cruzados, pois quem está cruzando os braços são os governos municipais e estaduais! Santa paciência com este PIG!

  • Edu bem vindo à minha capital e obrigada pelos elogios, mas quero lhe dizer que não é tudo maravilha não, pois quem mora na periferia como eu sabe bem que Curitiba ainda não é o modelo que dizem ser, se você tivesse mais tempo eu o convidaria para ir tomar um café em minha casa e assim você ia ter um idéia do que é as periferias de Curitiba, mas é claro que não dá nem para comparar com os problemas de sampa Curitiba realmente é um céu, mas pela sua popularidade inferior a sampa deveria ser melhor, onde moro tem mais de 300 famílias vivendo em áreas de risco e sofre todo ano com esse problema de enchentes em 2008 o governo Federal liberou 12 milhões para que o prefeito Beto Richa retirasse aquelas famílias desta terrível condição e fazer o assoriamento do rio onde vivem essas famílais, mas a verba veio e foi usada para outros fins um deles campanha eleitoral e as famílais continuam lá, então como você vê Curitiba poderia ser bem melhor e não é por puro descaso dos governos com as preriferias. Esse caso que eu te relatei é no Bairro do Sítio Cercado na Vila 23 de Agosto à beira do Rio Padilha. Mas a luta continua e eu luto muito para que Curitiba seja realmente modelo para o Brasil e quiçá para o mundo.
    Bom trabalho e tenha sucesso na Capital do Paraná.

  • Edu,

    O que falta aqui em Sampa é PLANEJAMENTO.
    Antes da redentora ( 64), São Paulo esboçou um planejamento. Os milicos acabaram com essa esperança. Erundina tentou de novo e foi espezinhada pela mídia.
    Logo a natureza tomou a frente e o que não foi feito por bem o será pela força das águas.
    A natureza tem seus motivos….

  • Muito obrigado pelo elogio a nossa capital, porém na periferia é bem diferente do centro, nada comparado ao que tem ocorrido no Rio e em SP.
    “Políticos de todos os partidos que governaram ou governam tratam a população com maior respeito, pois sabem que é atenta.” Embora a população realmente tenha combrado de políticos, não é o que se observou nos anos de mandato do ex – Jaime Lerner. Esse não respeitou nem seus pares de Curitiba, governou para poucos, foi um fiasco, só propaganda.

  • Perdoe-me, Eduardo, mas morei em Curitiba durante um ano e já vi pontos de alagamento. Nada que se compare ao caos que é São Paulo, mas eles existem. Alguns deles perto de onde morei naquela época, o bairro Seminário. Mas o transporte público é excelente, dá gosto não ter carro, e o sistema de terminais é muito bem servido e fácil de utilizar. Além disso, o próprio adensamento populacional de Curitiba (fruto do belo planejamento urbano) fazendo com que a maior parte da população fique perto das principais vias (assim sendo, perto do sistema de transporte público) faz com que os congestionamentos sejam bem menores.

  • Alo Eduardo: Benvindo a Curitiba, uma cidade boa para se morar, mas como a Lúcia Adélia colocou em cometários acima, tem ainda muitos problemas a resolver, principalmente nas periferias onde temos os mesmos problemas de qualquer cidade do país. Abraços e espero na próxima estadia sua aqui, que voce tenha mais tempo para que possamos nos encontrar em algum lugar e confraternizar com os companheiros internautas de Curitiba.

  • Eduardo e demais leitores já está tudo acertado, a tragédia do Rio de Janeiro é culpa da Dilma e Lula e a de São Paulo é de São Pedro. Viva o PIG. Vejam aí o absurdo.

    Augusto: Globo surta e culpa Lula pelas tragédias das chuvas
    No dia 11 passado, escrevi um post — que repercutiu em toda a blogosfera —, com o título “Alaga São Paulo: imprensa continua atuando de forma irresponsável!”. Neste post demonstrei como as Organizações Serra (Globo, Folha, Estadão e Veja, entre outros) se omitiam de cobrar dos governos tucanos e do DEM, no Estado de São Paulo, suas responsabilidades pelas tragédias que se seguem após cada chuva intensa, normal no verão.

    Por Augusto da Fonseca, no blog Festival de Besteiras na Imprensa
    Profeticamente, escrevi o seguinte parágrafo: “Daqui a pouco, as Organizações Serra vão inventar um jeito de mostrar que tudo isso que ocorre anualmente em São Paulo é culpa do Lula e será culpa da Dilma.”

    Não deu outra! O jornal O Globo – a rede Globo em geral – que passou estes últimos dois meses atribuindo às chuvas a culpa pelas seguintes enchentes, alagamentos, transbordamentos de rios em São Paulo, precisou de apenas dois dias de tragédia no Rio para fazer o quê? Colocar a culpa de todas as tragédias no Governo Lula!!!

    O Globo surtou de vez, ou será que os Marinho acham que um leitor medianamente esclarecido vai aceitar que as obras de contenção e de prevenção de encostas e a repressão à ocupação irregular das mesmas é culpa do governo federal? Será que O Globo pensa que o seu leitor é burro o suficiente para não saber que o governo federal não tem atribuição para fazer nada disso, que são atribuições das prefeituras e dos governos estaduais???

    O Globo não sabe que o governo federal tem recursos financeiros para estados e municípios mas que só pode liberá-los mediante existência de projetos, o que raramente ocorre? Quem tem atribuição para fazer mapeamento de risco? A prefeitura ou o governo do estado.

    Quem tem atribuição para reprimir as ocupações ilegais ou de risco nas encostas (incluindo a ocupação dos riscos nos morros da Zona Sul do Rio)? A prefeitura e o governo do estado. Quem tem atribuição para construir obras de contenção de encostas? A prefeitura ou o governo do estado. Quem tem atribuição para construir obras de amortecimento das enxurradas? A prefeitura ou o governo do estado.

    O governo federal, somente se solicitado e mediante projeto adequado, somente pode liberar algum recurso financeiro mas o grosso desses recursos têm que vir dos cofres das Prefeituras e dos Governos dos Estados.

    ***

    Tenham certeza de que a rede Globo vai bater bumbo o dia inteiro na responsabilidade do Lula por tudo o que está acontecendo no Rio. Tudo o que ela tinha que ter feito em São Paulo e não fez. Essa conjugação de omissão em relação a São Paulo e de exacerbação da luta política contra os governos Lula e Dilma dá toda a razão ao Paulo Henrique Amorim que os classifica como imprensa golpista.

    Esse é o único objetivo do Globo: derrubar a Dilma, já que não conseguiu derrubar o Lula. Nesse intento, esperem atuações patéticas do Jabor, da Míriam, do Merval, do Bonner, do Waack, do Piotto e de outros militantes do movimento “Derruba a Dilma“.

    Para concluir, é importante ressaltar a minha posição. Eu não critico apenas o Serra e o Kassab. Ao contrário, eu sempre digo que o papel da chuva é chover, o papel dos governantes é eliminar ou minimizar os efeitos das chuvas intensas e das prolongadas, mas tão importante quanto, o papel de uma imprensa sadia – e não golpista – é informar corretamente e cobrar dos governantes – especialmente dos prefeitos e governadores – ações preventivas, com investimentos volumosos, mas também com ações de emergência, quando a tragédia ocorre.

    • Isso mesmo, você disse mais e melhor que eu na minha resposta ao Cristoph Campineiro.
      Só um adendo, o tipico leitor do O Globo acredita sim. Podemos considerar que é uma espécie de vitima das “enchentes’ de desinformação que assolam as páginas do jornalão

    • Sobre as construcoes nas encostas das Serras,escutei hoje no canal Esportv que houve tentativa de impedir -las que foi barrada pela justica.Alguem sabe alguma coisa a respeito?

    • Lucia, o leitor de São Paulo (A esmagadora maioria, pois elegem quem, ano após ano?) não tem nada de esclarecido, e irão, sim, culpar o governo federal pelas tragédias que já ocorrem há pelo menos 50 anos. E nós sabemos que Lula governa desde os anos 60, né não??

  • O descaso é endêmico.

    Não é possível que ninguem faça nada

    Piscinões para Franco da Rocha-SP não saem do papel

    São Paulo – Dos 41 piscinões previstos para diminuir as cheias nas cidades de Franco da Rocha, Francisco Morato e no bairro de Perus, na zona norte de São Paulo, apenas um foi construído. Os reservatórios foram planejados na revisão do Plano de Macrodrenagem da Bacia do Alto Tietê, para armazenar 4,6 milhões de m³ de água na Bacia do Médio Juqueri. O único piscinão pronto, contudo, em Francisco Morato, tem capacidade para 200 mil m³.

    Na revisão, ainda estão previstos a canalização e a construção de parques lineares em 34 quilômetros de sete córregos e rios. Outra medida apontada como prioritária é a criação de um pôlder com capacidade para 4 mil m³ e sistema de bombas.
    O diretor da Região Metropolitana da Sabesp, Paulo Masato, disse ontem que a falta de investimentos em canalizações é fator fundamental para que Franco da Rocha mantenha-se vulnerável às fortes chuvas. “Existem projetos e obras no Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE) para a região. A canalização do Juqueri é decisiva para reduzir os danos à cidade”, disse. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    • Ex-Campineiro, a especulação imobiliária e a corrupção nas prefeituras não deixam sair nada do papel não importa o governo petista, tucano. É tudo uma questão de “GRANANCIA”.

  • É com muito pesar e desolação que assistimos à tragédia na região serrana do Rio.
    Mas todos sabemos que é preciso aprovação e autorização da prefeitura local para se construir uma casa.E o que se noticia é que naquela região a maioria das construções eram irregulares.

    Infelizmente, o jeitinho brasileiro também mata…

  • Prezado Eduardo:Quem tem culpa pelas tragédias que estão acontecendo de maneira mais frequente no Brasil ? 1° – O município, mais especificamente os vereadores que ou por incompetência ou por venalidade recebe proprinas e é bom que se diga, altas, para aprovarem leis de uso de solo, código de construção, código de postura, sabendo que aquilo vai causar transtorno ou tragédias com as que estamos vendo ultimamente. 2º O poder executivo municipal(prefeito e secretários), mais especificamente o prefeito, pois ele foi eleito pelo povo, os secretários apenas nomeados que não atuam de modo duro e constante na fiscalização dos loteamentos e construções a fim de impedir que os mesmos sejam violados.O poder legislativo federal incapaz de apresentar leis com um maior rigor para uso do solo.O poder executivo federal que não pressiona prefeitos e governadores para aplicarem uma legislação abusiva e que vise impedir que situações desse tipo volte a acontecer. O povo pobre que não tem recursos para comprar terreno em áreas menos crítica e sujeito a calamidades.O povo rico que constroe casas em áreas de risco, mais é chique morar ali e sabendo que não será incomodado pela prefeitura e se acontecer dá-se um jeito junto a algum secretário ou vereador ou secretário.Ao poder judiciário, mais especificamente o ministério público que não pune os infratores em tempo hábil e pesado para servir de exemplo.Resumindo : A coisa é feita para não funcionar ou em outras palavras ” Quem for podre que se quebre”.Se houvesse punição estas coisas poderiam até acontecer, mas com menos dor e tristeza.

  • Prezado Eduardo,

    Acompanho tuas postagens há algum tempo e fiquei um admirador pela tua coragem e pela tua capacidade de se indignar. Lendo o post vi que vc. representa empresas e deve viajar muito. Gostaria de te encontrar qdo. estiveres em Recife. Sou engenheiro.

    Um abraço

  • Caro Eduardo.

    Moro em Curitiba desde 1970. Naquela época qualquer chuva alagava, pricipalmente, o centro da cidade. Certa ocasião fiquei 2 dias sem sair do Hotel próximo a Praça Zacarias devido ao alagamento.
    Felizmente a canalização foi feita e hoje precisa chover e muito para alagar aquele local. Parabéns a administração da época.
    Porém, os bairros periféricos, da mesma forma que S.Paulo, continuam sofrendo muito com enchentes e inundações.
    Da próxima vez que voce vir a Curitiba venha nesta mesma época (Janeiro/Fevereiro) e vá visitar os bairros fora do eixo Central e os bairros nobres, ou seja , a periferia. Voce poderá constatar os mesmos problemas das grandes cidades; buracos, pavimentação precária (quando há), valetas a céu aberto, lixo, mato, boeiros entupidos, etc..etc…etc…
    Adotei Curitiba como minha cidade (ou fui adotado) mas não é esta maravilha toda…..muita propaganda mostrando apenas o lado nobre da cidade e nós que moramos na periferia como ficamos??

    ps. tente andar na LINHA VERDE entre 7 horas da manhã e 7 horas da noite….um congestionamento só.

  • EDU

    SINTO-ME ENVERGONHADO QDO TE VEJO ESBANJAR CIDADANIA(NO CASO DA FOLHA) E AO MESMO TEMPO POUCAS PESSOAS NUM UNIVERSO TAO GRANDE TE COPIAREM. PARABENS!
    A DILMA TEM QUE ENTENDER(E A EQUIPE TB) QUE ELES TAO SOMENTE REPRESENTAM UM PROJETO E NAO DEVEM SAIR DA TRAJETORIA. E E VERDADE: TEM, SIM, QUE DEFENDER O LULA DESDE O PRIMEIRO MOMENTO E ATE AS ULTIMAS CONSEQUENCIAS.
    POR FAVOR VE UM VIDEO QUE COLOQUEI NO YOUTUBE_PODRES DO PSDB_EM TUA HOMENAGEM TB.
    GRANDE ABRACO, AMIGO.

    WILSON

  • A enchente pode ser abolvida, o que não tem absolvição é o capitalismo. Tudo isso tem uma longa história que hoje se tornou um grande desafio e um pesado fardo. A retificação dos rios de São Paulo associada à montagem do sistema hidrelétrico, nas primeiras décadas do Século XX, interferiu decisavemente no funcionamento da Bacia do alto Tietê. Pari passu, essas intervenções foram sendo acompanhadas de um vigoroso processo de especulação imobiliária que acabou por subtrair a várzea aos rios. O portifólio dos ricos paulistas (herdeiros do café) foi gigantescamente ampliado com o processo de valorização das várzeas para usos urbanos. E, empresas estrangeiras (LIGHT) puderam capitalizar seus investimentos e até mesmo fazer formação de capital às custas da expropriação das populações tradicionais: os caipiras de São Paulo.
    Hoje, o sistema de represas tem outras finalidades mas o escoamento superficial tem que levar em conta as estruturas remanescentes.
    Além do mais, agora, a questão do escoamente abriga a necessidade de manter represas vazias para receber um volume crescente de água ao mesmo tempo que permanecem cheias porque a água é um bem econômico, (conf.Lucatelli privataria) é mercadoria.
    Não parece faltar conhecimento sobre os rios e várzeas de São Paulo. Há muitos e muitos estudos sobre a drenagem superficial etc…A questão como sempre é política. No passado não havia como enfrentar a Light ( operava em regime de concessão) que garantiu para si o monopólio dos rios e várzeas na perspectiva do suprimento dos transportes urbanos e energia para indústrias etc…Na atualidade a urbanização geradora de enormes problemas é também geradora de polpudos contratos garantidos até por acordos de governo. Continua sendo necessário pensar no Estado e nas classes sociais.
    No mais, é melhor não termos ilusão com Curitiba. A segregação dos pobres é uma lei.

  • Dá nojo, repulsa de assistir aos telejornais mostrando as desgraças do povo, padecendo por conta destes desastres ambientais, que poderiam ser evitados, caso tivéssemos governantes responsáveis, comprometidos com o bem estar social da população, além de uma mídia imparcial, que atuasse em prol das verdades factuais . Imprensa está, que mente, omite, engana, para obter vantagens para sí e para os grupos , conglomerados, que também se locupletam da desgraça do povo. Para mim, todas as esferas governamentais são responsáveis por mais um ano de caos nestas regiões, e de quebra o povo também, que não sabe cobrar seus direitos, usar sua cidadania.
    Conheço Curitiba, e o que você relata, é a pura verdade. Fiquei impressionada com a organização, limpeza dos logradouros. Qualidade de vida é o que não falta a Curitiba. também tive o privilégio de conhecer vários interiores do Paraná, e é impressionante a qualidade de vida dos habitantes. Segue o mesmo padrão de Curitiba. Ponta Grossa, Campo Mourão, Prudentópolis, Pitanga, Maringa, Guarapuava e Londrina.
    Sei que também existe a questão cultural, mas é de tirar o chapéu para o povo do Paraná.

  • Eduardo, acabei de assistir no RJTV (da Globo), um engenheiro da COPPE/RJ, falando sobre as enchentes. Segundo ele, não há, hoje, obras de contenção que jeito quando ocorre esse tipo de fenomeno. Ele comparaou as chuvas de Sampa com as ocorridas na Região Serrana do Rio e constatou que eles foram trinta vezes maiores que aí e que o maior problema esta na ocupação desordenada do solo, pois as construções mais atingidas foram as ribeirinhas, totalmente irregulares. Junte tudo isso e o constante desmatamento para a cosntrução de condomínios de luxo, isso sim culpa das “otoridades”. Devemos encarar o problema de frente, sem isentar ninguém, pois todos têm a ficha suja nesse quesito.

  • Srs Governadores e Prefeitos do Rio de Janeiro e São Paulo, por favor sejam éticos, se é que ainda tem e assumam que estas tragédias que estão acontecendo não é de hoje e que vocês são os PRINCIPAIS CULPADOS PELAS MORTES DESTES BRASILEIROS.
    Quanto a essa M…. de PIG , formada por GLOBO, ESTADÃO , VEJA FOLHA , ETC , a POPULAÇÃO BRASILEIRA QUE ABORTEM ESTES MEIOS DE COMUNICAÇÃO QUE NÃO SERVEM PARA NADA .

  • “DENÚNCIA NO BLOG DO GAROTINHO: A hipocrisia das Organizações Globo na hora da tragédia
    janeiro 13th, 2011 | Autor: Sandra de Andrade
    BLOG DO GAROTINHO
    A hipocrisia das Organizações Globo na hora da tragédia
    Reprodução da capa de O Globo

    Numa hora dessas o mais importante é a solidariedade. Não é hora de fazer política. Mas também é uma indignidade usar de hipocrisia, como fazem os veículos das Organizações Globo.

    A capa de O Globo mostra a demagogia numa hora dessas. Cobra das autoridades federais verbas para a prevenção de tragédias, para a contenção de encostas. Essa cobrança mereceria os meus aplausos se fosse pra valer.

    Mas não dá pra esconder, que em outubro do ano passado, o governador Sérgio Cabral desviou R$ 24 milhões do FECAM (Fundo Estadual de Conservação do Meio Ambiente), para a contenção de encostas e obras de drenagem e deu para a Fundação Roberto Marinho, conforme poderão relembrar, na reprodução abaixo. Eu fiz a denúncia no blog, no dia 20 de outubro de 2010 e não saiu uma linha na imprensa.

    Então não venham de hipocrisia. Os mesmos veículos das Organizações Globo que estão cobrando investimentos públicos – o que é emergencial, é claro – escondem que a fundação dos seus patrões, a família Marinho pegou R$ 24 milhões, dados por Cabral, que era para terem sido usados na prevenção de enchentes e contenção de encostas. É tudo lastimável.”

    PRECISA-SE DIZER MAIS O QUE?

  • Sr. Eduardo, a matéria está no link abaixo, sob o título “Verba para prevenção de tragédias vai parar na Fundação Roberto Marinho” lá estão: Marlene Ramos, Pezão, Cabral, José Roberto Marinho e Régis Fichtner. Está no blog da Dilma http://blogdadilma.blog.br/

    http://www.blogdogarotinho.com.br/MostraFoto.aspx?nome=20110113_blogfundrobettomarinho.jpg

    no dia 20 de outubro de 2010 e não saiu uma linha na imprensa.
    Numa hora dessas o mais importante é a solidariedade. Não é hora de fazer política. Mas também é uma indignidade usar de hipocrisia, como fazem os veículos das Organizações Globo.

    A capa de O Globo mostra a demagogia numa hora dessas. Cobra das autoridades federais verbas para a prevenção de tragédias, para a contenção de encostas. Essa cobrança mereceria os meus aplausos se fosse pra valer.

    Mas não dá pra esconder, que em outubro do ano passado, o governador Sérgio Cabral desviou R$ 24 milhões do FECAM (Fundo Estadual de Conservação do Meio Ambiente), para a contenção de encostas e obras de drenagem e deu para a Fundação Roberto Marinho, conforme poderão relembrar, na reprodução abaixo. Eu fiz a denúncia no blog, no dia 20 de outubro de 2010 e não saiu uma linha na imprensa.

    Então não venham de hipocrisia. Os mesmos veículos das Organizações Globo que estão cobrando investimentos públicos – o que é emergencial, é claro – escondem que a fundação dos seus patrões, a família Marinho pegou R$ 24 milhões, dados por Cabral, que era para terem sido usados na prevenção de enchentes e contenção de encostas. É tudo lastimável.

  • a matéria está no link abaixo, sob o título “Verba para prevenção de tragédias vai parar na Fundação Roberto Marinho” lá estão: Marlene Ramos, Pezão, Cabral, José Roberto Marinho e Régis Fichtner. Está no blog da Dilma http://blogdadilma.blog.br/

    http://www.blogdogarotinho.com.br/MostraFoto.aspx?nome=20110113_blogfundrobettomarinho.jpg

    no dia 20 de outubro de 2010 e não saiu uma linha na imprensa.
    Numa hora dessas o mais importante é a solidariedade. Não é hora de fazer política. Mas também é uma indignidade usar de hipocrisia, como fazem os veículos das Organizações Globo.

    A capa de O Globo mostra a demagogia numa hora dessas. Cobra das autoridades federais verbas para a prevenção de tragédias, para a contenção de encostas. Essa cobrança mereceria os meus aplausos se fosse pra valer.

    Mas não dá pra esconder, que em outubro do ano passado, o governador Sérgio Cabral desviou R$ 24 milhões do FECAM (Fundo Estadual de Conservação do Meio Ambiente), para a contenção de encostas e obras de drenagem e deu para a Fundação Roberto Marinho, conforme poderão relembrar, na reprodução abaixo. Eu fiz a denúncia no blog, no dia 20 de outubro de 2010 e não saiu uma linha na imprensa.

    Então não venham de hipocrisia. Os mesmos veículos das Organizações Globo que estão cobrando investimentos públicos – o que é emergencial, é claro – escondem que a fundação dos seus patrões, a família Marinho pegou R$ 24 milhões, dados por Cabral, que era para terem sido usados na prevenção de enchentes e contenção de encostas. É tudo lastimável.

  • Caro Edu,

    morei em Curitiba 10 anos, agora resido numa cidade do interior paranaense. A capital do Paraná aparentemente é aquela maravilha, encanta os olhos de todo brasileiro, lembro falarem muito bem desde os anos 70 quando era criança.

    Curitiba quase sempre foi comandada por uma elite aristocrata e burguesa, foi uma cidade pensada para realizar o ego da classe média que odeia os pobres, índios, negros, ciganos etc.

    Passou por um planejamento de criar formas de mandar os imigrantes (na sua maioria do interior do estado, principalmente deste norte que eram pessoas que trabalhavam nos cafezais e com a queda de produçaõ foram para a capital). Os terrenos de Curitiba foram superfaturados pelas imobiliárias e pelos grandes proprietários, desta forma obrigavam os pobres morarem nas cidades metropolitanas. Algumas áreas da capital que ainda tem pobres ficam mais próximas da cidade-industrial, para atender àquelas indústrias.

    Semana retrasada Curitiba teve inúmeras inundações, parte do centro e principalmente nas periferias onde os pobres sofreram com muitas perdas. As cidades metropolitanas sofreram muito também, inclusive houve mortes, mas a imprensa local desconsidera isso.

    Classificaram Curitiba como uma capital corretamente ecológica, mas tem todos os seus rios completamente poluídos, crianças e jovens em grande quantidade nas ruas se drogando, isso é publico é só andar pelas ruas do centro.

    Curitiba é uam cidade feito de mentiras e a maioria do seu povo acredita nisso. A maiorias dos curitibanos são arrogantes, egoístas e ferraram todo os estado ao elegerem o Beto “neoliberal-playboyzinho” Richa como governador.

  • eduardo

    A resposta abaixo foi dada neste post a um leitor que apresentava uma matéria do Globo sobre o repasse de verbas federais. Acontece que quem lê o Globo e repassa as informações nele contidas muitas vezes não faz uma filtragem devida. Sendo assim, gostaria muito de passsar para todos um fato que aconteceu aqui em Niterói e que é fundamental conhecermos nesta batalha contra esta imprensa deturpadora. Assim, contra matérias dizendo que o governo federal não repassou verbas, devemos cobrar que todas as facetas do problema sejam abordadas. Então vamos ao caso:

    Longe de mim querer defender ministro do PMDB, mas vejamos o que o neoliberalismo fez no Brasil:
    Em Niterói, após o desabamento no Morro do Bumba, verbas prometidas não chegavam. O Globo, sempre ele, cobrava o tempo inteiro sem ouvir os dois lados. Custou a aparecer a explicação: o governo federal só pode repassar verbas com projetos prontos, valor, detalhamentos, etc. A prefeitura de niterói tinha recebido poucas verbas pois houve o desmonte do serviço público: faltava engenheiros, arquitetos, etc. para fazer os projetos. Descoberto isto, o assunto sumiu de pauta.
    na hora da tragédia a direita faz o clamor ou esconde, de acordo com o partido atingido, mas se esquece que no fundo no fundo tudo tem a ver com o estado mínimo.
    em cada caso, deve ser procurado saber qual projeto foi apresentado, se havia um corpo técnico pra fazê-lo ou se foram contratadas as “famosas consultorias”. Em resumo: sempre o pano de fundo é o desmonte do serviço público.

  • A mídia só não culpava a natureza quando a prefeitura era ocupada por Marta ou Erondina, era de dar pena quando se lia os jornais ou assitia o Datena. Agora eles culpam o Lula e a Dilma. Que nojo!!!!!!

  • Colegas do Cidadania, o que está acontecendo especialmente no estado do Rio de Janeiro, mas em menor escala também em outras regiões do Brasil, é uma tragédia terrível. Fiquei chocado ao ver na TV as tristes cenas de Friburgo, Teresópolis e Petrópolis. Pessoas que além de perderem tudo que tinham, perderam vários membros de sua família nessa inenarrável tragédia. A questão que se coloca no momento, a meu ver, é: “O que fazer para evitar que novas tragédias como essa ocorram?” Acredito que a gravidade da situação requer um gigantesco pacto entre os governos federal, estadual e municipal, o empresariado e a população em geral. Somente uma aliança que tivesse tal abrangência poderia viabilizar uma ação programada, tendo lugar nos mais diversos níveis e visando não apenas as questões eminentemente técnicas de contenção das encostas e desassoreamento dos canais de escoamento da água, mas também uma verdadeira mudança de paradigma em termos de ocupação dos espaços urbanos e no âmbito educacional, junto à população. Acredito que essa seja a única maneira de evitar que se repitam os muitos erros que, somados, resultaram nessa verdadeira hecatombe. Resta ver se temos políticos suficientemente preocupados com o povo, a ponto de propor um programa como esse, que fatalmente demandaria grande quantidade de recursos, enorme trabalho, muitíssima dedicação, etc. Acredito que prosseguir com as tradicionais ações pontuais numa situação como essa, seria “chover ainda mais no molhado”… Com a palavra, nossos dirigentes. Que mostrem a que vieram!

  • Chirstoph (ex-Campineiro), isso aqui não “deu” no Globo, mas é verdade.

    ” A diferença entre a Austrália e o Brasil
    TRAGÉDIAS DE VERÃO

    O TERMÔMETRO DA RESPONSABILIDADE PÚBLICA

    da Carta Maior

    Na Austrália, cidades importantes estão submersas; populações foram alertadas com dias de antecedências; regiões inteiras foram evacuadas. O número de vítimas é residual. No Brasil, uma tromba d’agua (imprevisível?) matou 270 pessoas na região serrana do Rio em praticamente 24 horas. Em SP, um temporal de 54 mm dissolveu a gestão tucana na enxurrada . Em todo o país, o mapeamento das áreas de risco está desatualizado e ações preventivas são pontuais. Sem planejamento, a administração pública bóia na enxurrada como saco de lixo à deriva. As populações, porém, se afogam. Em SP, Serra investiu no ala(r)gamento da Marginal; não deu prioridade à limpeza do rio. A Marginal alargada alagou. Desde 1998, foram construídos 43 dos 134 piscinões previstos para a Grande São Paulo. Das 22 ações antienchentes incluídas no orçamento de 2010, 14 receberam recursos abaixo do estipulado; entre elas, cinco registraram investimento zero. O orçamento de publicidade da prefeitura demotucana quase dobrou em relação a 2009. Foi cumprido integralmente. Um homem morreu afogado em plena avenida Nove de Julho, no centro da capital, na chuva da 2º feira. O PSDB governa o estado mais rico da federação há 16 verões.

    (Carta Maior; Quinta-feira, 13/01/2011) “

  • Quando um Jornal que faz parte de um grupo midiático recebe verbas públicas destinadas ao combate aos deslizamentos e às enchentes não pode ter moral para criticar um ex-presidente. E outra: a falha estava fazendo questão, na sua maldade peculiar, de dizer que forte militar comprou um freezer com VIDRO ANTI-EMBAÇANTE e um secador de cabelos e ainda uma panela de PRATA. Evidentemente que sua intenção maléfica e jogar o ex-presidente e sua família contra o povo.

  • Em São Paulo as enchentes são culpa do Estado. No Rio, é culpa da topografia. Voce é apenas mais um picareta da imprensa, que por achar que tem um blog é melhor que os picaretas da grande imprensa.

  • A cobertura das enchentes nas áreas serranas do Rio feita pelo Jornal Nacional hoje foi escândalosa.

    Foi sem dúvidas uma tragédia grande e muito triste. Eu me emocionei principalmente na parte em que a senhora é resgatada, mas daí jogar a culpa totalmente no governo federal como JN jogou depois de exibir toda aquela tragédia é um absurdo !

    Fazendo isso a Globo quer depois de comover a população incitar o ódio ao governo federal e ao PT.

    Quando fez a cobertura da enchente em São Paulo mal sequer tocou na responsabilidade das autoridades daqui, evitou ao máximo expor Alckmin e Kassab que só apareceram em breve segundos da edição do jornal para explicar que a culpa foi do “excesso de chuvas”

    • Nos anos 1990 eu cheguei a pensar coisas parecidas com estas que você hoje escreve, mas o dia-a-dia me forçou a reconhecer que estava completamente errado.

      Pena que parte disso tudo não passe de mera propaganda, de boa qualidade até, pois faz com que até pessoas providas de senso crítico acabem por acreditar nela…

      Talvez seja uma propaganda igual à da URSS que fez os comunistas acreditarem queaquilo lá era o paraíso e os capitalistas a considerarem o inferno durante 70 anos. Tanto uns como outros compraram tomates podres como se fresquinhos e recem colhidos fossem.

      Curitiba está legal porque a maior parte dos curitibanos está na praia.

      Eu sempre digo que a melhor época do ano para estar em Curitiba é no verão.

      A população autoctone não existe, pois foi massacrada pelos invasores portugueses e espanhóis que destruiram os índios e suas araucárias.

      Quem aqui vive atualmente é tudo forasteiro: descendentes de portugueses, espanhóis, alemães, ucranianos, italianos, poloneses, paulistas bandeirantes e outros bichos. que não tem a menor ideia de que seja o Brasil, a Europa ou a afundada SP.

      Consciência política? Só se for consciência fascista, que também é uma expressão de consciência política.

      Mas…., que consciência política é essa que faz uma cidade muy beneficiada por Lula e extremamente prejudicada por Serra (autor da lei que garante a cobrança de ICMS no estado consumidor e que tirou bilhões de reais de curitiba e do paraná) votar nos tucanos? Uma cidade que tanto criitca SP e vota em um paulista para presidente da república?

      Foi nesta cidade que surgiu o infâme adesivo contra Lula, aquele que mostrava uma mão esquerda com 4 dedos sob um sinal de trânsito que indica proibição (circulo com uma faixa transversal) .

      Nesta cidade o candidato tucano serrabaixo, contra o qual você tanta campanha fez, obteve 64% dos votos no segundo turno.

      Meu! como é possível defender Lula como você defende e afirmar que os curitibanos tem consciência polĩtica? Explica aí, porque não entendi nadica de nada.

      Esta é uma cidade que vive de aparências, de mentiras e de marketing. é uma cidade que se considera superior ao resto do Brasil. É uma cidade que se orgulha de não ter negros nem nordestinos. Que se acha branca, ariana, de primeiro (sic) mundo.

      É uma cidade onde há vários grupos neonazistas e que também acobertou velhos nazis, nunca molestados em seu refúgio no poś-guerra.

      Viver aqui não é fácil, como pode parecer a quem vem aqui a trabalho ou esporadicamente.

      Além disso tudo é preciso dizer que o afamado transporte coletivo vive lotado e não é tão eficiente assim para quem vive fora dos grandes eixos, das chamadas canaletas, perde muito tempo caminhando ou trocando de ônibus. Este mesmo afamado ssitema de transporte serviu para levar grande parte da população pobre para fora da capital paranaense, tanto é que Rafael Greca chegou a afirmar em 2010 que a toda reforma urbana de Curitiba as primeiras coisas que saem são os ratos e os pobres. E Greca sabe o que fala, pois era da turma do urbanismo demotucano, dos lerners, richas e outros.

      Sinceramente, gostaria muito de que Curitiba fosse como você descreve. Gostaria que as pessoas daqui fossem inteligentes e tolerantes. Mas não foi nada disso que aqui encontrei salvo raríssimas excessões que só confirma a regra..

      • Infelizmente é isso…

        Curitiba já foi bem melhor, lá pelos anos 80, qdo eu passava minhas férias na casa da minha vó (forasteiros do Rio Grande do Sul).

        Hj, qdo visito a cidade não a reconheço mais.
        Minha família é de decendentes de italianos, qdo uma tia resoveu casar com um negro, jogador de futebol minha vó (apesar de não pertencer às classes mais abastadas) quase teve um treco. Mas, pela idade que ela tinha e pela vida que teve, não poderia nunca ser recriminada, não conseguiria entender. O resto da família aceitou numa boa, aliás, ele foi um dos melhores tios que a gente teve!! Infelizmente faleceu ano passado.
        Dessa relação nasceu uma menina linda, que sofreu muito preconceito num dos mais conceituados colégios da cidade, talvez o mais famoso.
        Eu não acreditava qdo minha tia contava. Como meu pai é mineiro a convivência com negros semrpe foi normal, não existia diferença p nós, aliás o apelido da minha bisa era “Vovó Mulata”, pq será?

        Minha prima hj é casada e mora na cidade do meu tio, Vila Velha, ES. tem filhos lindos e é muito feliz lá. Pq será?
        Resumindo: a família da minha mãe mora toda em Curitiba, mas foge e muito ao padrão “curitiboca”: tenho primo casado com nordestina, tia que adotou criança negra (apesar de branquelos de doer), enfim…Eles não têm o famoso preconceito, mas, infelizmente, são exceções.
        Meu marido foi convidado p ser transferido pra lá, mas preferimos ficar na fronteira, longe até do Paraná…
        Tenho certeza q meu marido(carioca) não se acostumaria com CWB.

        Guardo a Curitiba da época das férias na casa da minha vó, qdo ela ainda era viva, entre 1975 até 1988…

        Infelizmente as referências se perderam e sempre a estranho qdo a visito.

        Mas, continua LINDA!!!

    • Caro Hans sua logica é tipica de um genio. Petropolis. Teresopolis e Nova Friburgo tambem não. Alias o estado de São Paulo é governado ha mais de 16 anos pelo seu querido PSDB, será que neste periodo ainda não deu tempo de fazerem alguma coisa em relação as enchentes cujas ações sejam de competencia do estado??? hann!!!! ja sei, é porque estão cuidando com carinho da manutenção do fantastico metro, que nunca dá problemas né???? Alias Hans, a periferia de Curitiba, com sua , cada vez maior população miseravel, tambem nunca foi adiministrada pelo PT.Poxaaa, meu amigo, o debate aqui é sério, voce até parece com o tal do Rodrigo, que sempre acha um jeito de falar mal do PT, será que voces são a mesma pessoa????

    • Primeira vez que ouço/vejo/contemplo uma afirmação como esta na minha vida.

      Caro Hans, você é um jênio.

      Tal qual seu tutor, José Cerra, você fez uma afimação brilhante.

      Periferias petistas são o grande mal deste país!

      A solução para as enchentes, logo, é tão fácil quanto sumária: eliminar as periferias petistas.

      Aí sim teremos um mal a menos no país.

  • Só lembrando: o governo federal só pode, por lei, destinar verbas para governos estaduais e prefeituras combaterem enchentes ou resolverem a questão da ocupação das encostas quando há projetos estaduais ou municipais específicos para isso, o que raramente ocorre.

  • Curitiba é uma cidade bonita com bom transporte urbano mas tem problemas homéricos.Não se iluda não.Quando chove pesado o povo sofre demais aqui também…..

  • Caro Eduardo!
    Muitos leitores já comentaram sobre Curitiba e discordaram da tua opinião sobre a cidade. Lamento Edu, mas vou somar com eles. Nasci e fui criado em Curitiba, dela migrando para Paranaguá aos 27 anos, por ter casado com uma parnanguara. Contudo vou constantemente à Curitiba e acompanho a evolução da cidade. Vc vê a cidade com os olhos de um visitante e por isso entendo os elogios que faz. Realmente é uma cidade bonita e agradável,limpa, bons parques, razoavelmente planejada e com bons administradores na Prefeitura. Agora, é uma cidade poluída, tem trânsito consgestionado, grandes alagamentos, sistema de transporte público ruim e defasado, em que pese as canaletas exclusivas dos ônibus expresso. A mídia em geral é uma desgraça. É uma cidade que privilegia o rodante em detrimento do andante. Basta sair do círculo central e vc vai sentir nos pés o que é ser pedestre em Curitiba. E o custo de vida, pela hora da morte. Sair de casa a noite, é preciso coragem ou escolta armada. No centro ou imediações, nem pensar. O índice de criminalidade é altíssimo.
    Finalizando, por mais que queiram dourar, Curitiba não é, em hipótese alguma, comparável a uma cidade do mesmo porte na Europa, EUA ou Canadá, como querem fazer crer alguns burgueses provincianos daqui. Sonham que moram no primeiro mundo.

  • Nesse período, metade da cidade de Curitiba está nas praias. Os estudantes estão sem aulas. Venha em março e você vai conhecer a verdadeira Curitiba dos engarrafamentos, do trânsito caótico e burro (até às 17 horas pode trafegar e estacionar em algumas ruas. Depois , não, até às 20 h. Ai pode, mas às 7 da manhã não pode mais. E por aí afora). Tente pegar um ônibus nos horários de rush e fique 30 minutos dentro da estação – tubo apertado com mais 150 pessoas, daí quando o ônibus chega, chegam outros dois ou três juntos. Todos atrasados. Os demos/tucanos esculhambaram com a cidade; a administração pública é corrompida; a especulação imobiliária ergue prédios de 40 andares em ruas estreitas do centro velho; prédios são erguidos em fundos de vale à vontade; o Champagnat já virou um pombal, com prédios envelhecidos, uns colados nos outros, sem ventilação, sem iluminação, sem calor do sol. A classe média alta comprou apartamentos insalubres no Champagnatt, há 30 anos, e agora se mandou para a Eco Ville, novo point dos emergentes. Uma classe média mais ou menos tomou conta do Champagnat e não tem dinheirpo para dar manutenção nos esdifícios, que estão se deteriorando. A falta de luz e sol faz florescer o bolor nos apartamentos. A imprensa curitibana é chapa branca. A Assembéia legislativa está afundada em escândalos de roubalheira. O TC é cabide de empregos dos amigos e apaiguados políticos. o Tribunal de Justiça é um organismo rococó, que serve para dar empregos bem remunerados aos filhos e amigos da elite. O governador Beto Richa nunca trabalhou na vida, é um incompetente por completo, embora seja um sujeito simpático e divertidp. Ótima companhia para se ir à zona, por exemplo, mas um gestor incompetente e corrupto. O ex-governador Roberto Reuião foi outro incompetente e corrupto, dedicou mais esforços a arrumar a vida dos irmãos do que a qualquer outra atividade em prol do Estado. Os senadores Alvaro Dias e Flavio Asno são dois zeros à esquerda, um é uma boneca vaidosa, outro uma cavalgadura. O povo é gente boa, mas desinformado e preconceituoso, uns manés que guaim suas vidas pelo que lêem na Veja e assistem no Jornal Nacional. Cavalgaduras que não dedicam um minuto para buscar informações e se sentam à frente da TV passivamente para receber o que a Rede Globo lhes ministra. Enfim, essa é a Curitiba que não te mostraram. Eu vou muito bem, tenho apartamento confortável no Cabral, vou de casa ao meu escritório em 15 minutos de carro, se tiver trânsito, frequento bons restaurantes, possuo boas mulheres e bons cachorros. E acho muito engraçado quando um funcionário da minha empresa, um zé mané com quem cruzo no elevador ou num shopping, uma ou outra jovem senhora com quem divido alguns momentos de prazer e luxúria em um loft que reservo para esses pequenos prazeres chamam o presidente Lula de analfabeto e a presidente Dilma de assassina. Quanta pretensão e idiotice. Podia te ceder o loft nas vezes em que estiver em Curitiba, mas sinto que você é homem sério, casado e responsável.

  • É triste, mas a história se repete, é uma evidência
    Ver mortes e desabamentos sem poder tomar providência
    Petrópolis, Teresópolis e Nova Friburgo embaixo de lama
    O estado do Rio de Janeiro pede ajuda, implora, clama

    No ano passado, a tragédia foi no réveillon, nas ilhas de Angra, belas
    Igual: deslizamentos nas encostas, perdas e inúmeras sequelas
    Mas parece que Cabral, o governador, não sabe ou se esqueceu
    De férias na Europa? Como pode? Não agora! Entendeu?

    É momento de usar o que sobrou e se tem em mãos
    Já que, mais uma vez, faltaram políticas de prevenção
    Defesa Civil precisa reforçar a ação e conscientização
    Residências irregulares tem destino certo: desabarão

    Com a tragédia anunciada, Dilma confirma sua chegada
    O governador, já de volta, mostra o que restou das estradas
    FGTS, muito bem, será liberado para quem precisar
    E para aqueles que não tem mais onde morar

    Do Governo Federal virá um bilhão para reparos
    Para as famílias de 500 vítimas é difícil o amparo
    A reconstrução terá apoio de todos, amigos e parentes
    E se possível, senhor, uma estiagem de políticos negligentes

    (http://noticiaemverso.blogspot.com)
    twitter: @noticiaemverso

  • Eduardo, esqueça o que vc está vendo. A periferia é de doer! Os curitibanos estão todos na prais. Em março, quando voce vier vc vai ver o que é esta cidade.

    O convite está feito. Vamos bater um papo todos os seus leitores, aqui na Napolitana em sjpinhais.

    Abraço, js

  • Eduardo,

    Sinto muito, mas você foi sutilmente enganado pelo fenômeno Curitiba. Mas o consolo é que não está sozinho. Milhares de moradores desta cidade suportam alegremente os tormentos do cotidiano convencidos pelo chavão de que “Nossa Curitiba” é uma cidade “modelo” e “ecológica”.

    Eu gostava muito mais da cidade até os anos 80 quando teve início o projeto do Jaime Lerner de elevar o moral de Curitiba, e de tabela o seu também. Isto porque o curitibano tinha baixa estima, pelas declarações de que Curitiba era cidade dormitório de Floripa (é até hoje) e seus habitantes eram pouco sociavéis (hoje são minoria).

    Este tal de projeto foi baseado no uso intensivo do dinheiro público para propagando e compra de prêmios. Até uma novela da Globo o cara bancou. Bancou também uma entrevista “amarela” na Veja com um pseudo urbanista declarando que Curitiba era umas das três melhores cidades do mundo para se viver. É mole? E os ignorantes acreditaram e os espertos aproveitaram. E funcionou. Prova é que o cara tem prestígio até hoje, apesar das críticas dos urbanistas sérios, que são ignorados ou calados.

    A cidade tem aspectos positivos? Muitos. Ainda mais se comparar por baixo, com SÃo Paulo por exemplo. Mas está longe de ser a maravilha que se propagandeia. Talvez o seu interlocutor daqui só te leve no circuito Jaime Lerner.

    Além do que já foi mencionado nos posts anteriores vou acrescentar o seguinte:
    . A incrível poluiçao dos rios da cidade, trombeteada como ecológica;
    . O desmatamento tresloucado das áreas verdes pela especulação imobiliária;
    . O aumento da violência, com a contribuição das administrações estaduais;
    . A indústria da multa, com radares a torto e a direito, alguns escondidos, e a tomada do espaço urbano pela prefeitura transformado em vagas pagas, com direito a ser rebocado em caso de infração;
    . O declínio da cultura, com fechamento de museus, cinemas e espaços culturais;
    . A pavimentação das ruas, com o famigerado “anti-pó”, um asfalto de quinta categoria que não resiste a uma chuvarada;
    . A piora do trânsito, com a Prefeitura brincando de SimCity mudando as mãos de direção e os traçados das ruas e transferindo o problema de uma quadra para a próxima.

    Não vou continuar para deixar alguma coisa para os próximos manifestantes amantes da verdade.

    Para finalizar informo que estou com muito receio porque o prefeito playboy agora é o governador. A sua principal obra em Curitiba foi a tal da Via Verde, a transformação de uma via de trânsito expresso, a antiga BR-116, em um desastre urbanístico e social. Pergunte aos locais que não sejam da “elite”.

    Quando retornar faça como os ocidentais quando iam a Moscou no tempo da Guerra Fria. Despiste seu guia e circule com olhos críticos.

    Seja bem vindo . . .

  • “certa responsabilidade até do governo federal”?? Não sei se o sr. se lembra, mas no ano passado, no governo lula, 60% da verba destinada a obras de combate a danos causados pela chuvas foi destinada ao Estado da Bahia, onde o então Ministro Geddel seria candidato a governador. Santa Catarina recebeu pouco mais de 1% da verba e SP e RJ nada receberam. Me desculpe, mas a responsabilidade do gov. federal não é relativa.

  • O jornal Nacional se supera na canalhice: Acaba de mostrar uma repórter relatando uma reunião ministerial em Brasília para discutir a tragédia das chuvas. Na imagem que cobria o texto, mostraram Dilma e ministros rindo. Primário,, mas nojento.

  • Eduardo, a média de assassinatos em Curitiba é de 12 (doze) por fim de semana. Mesmo que fossem “acertos entre gangs/traficantes rivais” é sinal vermelho em qualquer cidade do mesmo porte.

  • Amigo, eu estava navegando aqui procurando por previsões climáticas, pois sou autônomo/ambulante, portanto preciso de tempo bom para trabalhar, mas enfim, não vem ao caso. Não poderia eu apenas passar por este blog sem deixar meu comentário infelizmente discordando com seu ponto de vista sobre a cidade em que nasci e na qual vivo até hoje, pois bem: 1°- Curitiba tem congestionamentos sim, é só você tentar passar pela Visconde de Guarapuava em horário de pico e pronto, ou então na Comendador Franco (Avenida das Torres) quando chove, é um transtorno. 2°- Alagamentos é o que mais acontece aqui nessa época do ano, mas você não vai encontrar isso em um bairro como o Batel, Bigorrilho ou Mercês, é claro. Como já disse, nasci e cresci aqui e não troco Curitiba por nenhum outro lugar do país. Conheço muito bem a minha cidade, conheço também os tantos políticos que passaram por aqui e pouco fizeram. Moro no bairro do Uberaba, tenho 30 anos e pouca coisa mudou nesses anos. Não vou criticar este ou aquele governo, porque isso é muito fácil fazer, mas dizer que esse pessoal trata a população com maior respeito, é cometer gafe. Fique com Deus.

Deixe uma resposta