Inveja da Argentina? Conheça o “Efeito Tango”

Crônica

A expressão “Efeito Tango”, largamente usada no Brasil nas décadas de 1980 e 1990, caiu em desuso por aqui, no século XXI. Todavia, continua sendo produto de um fato: o estágio político e social mais avançado da Argentina sempre fez do país vizinho, para nós, uma espécie de “eu sou você amanhã”, bordão que remete a uma propaganda de vodka da época.

Na peça publicitária dos anos 1980, um homem bem-vestido e penteado olhava para o espelho, antes de sair para a “balada” à noite, e  se via irreconhecível, com cara de ressaca. Então perguntava à imagem: “Quem é você?”. E ela respondia: “Eu sou você amanhã”.

A propaganda era de uma marca de vodka que pretendia convencer as pessoas de que, optando por ela, evitariam a ressaca no dia seguinte. A peça ficou tão famosa que deu origem ao chamado “Efeito Orloff”, aplicado às mais variadas situações em que a história de um país parecia repetir-se no outro.

Nos anos 1990, quando o Brasil se contorcia em sucessivas crises, a adoção de planos econômicos por aqui que reproduziam programas similares argentinos adotados antes de nós, com base na propaganda do “Efeito Orloff” gerou a expressão “Efeito Tango”. Isso porque, política e economicamente, Brasil e Argentina, apesar das diferenças culturais, sempre acabam espelhando-se um no outro.

A redemocratização argentina e os planos econômicos Austral e Menen vieram antes da redemocratização brasileira e dos planos Cruzado e Real, só para ficar em exemplos mais evidentes do “Efeito Tango”.

Nesta segunda-feira, o mundo ainda analisa, estupefato, a dimensão da vitória de um movimento político que, à exemplo do “lulismo” da mídia brasileira, a mídia argentina chama de “kirchnerismo “. Cristina Fernández de Kirchner e seu grupo político obtiveram uma vitória arrasadora nas eleições gerais de domingo último, com vitória de governadores “kirchneristas” em todas as províncias, menos na de San Luís.

Como entender uma vitória que, aqui no Brasil, só começou a ser prevista pela imprensa local há muito pouco tempo apesar de que, na Argentina, há muito se sabia que derrotar Cristina Kirchner seria praticamente impossível?

Qualquer pesquisa que se fizer sobre o que a mídia brasileira dizia da situação política argentina em anos anteriores, antes da morte de Néstor Kirchner, revelará um quadro de decadência desse mesmo “kirchnerismo” que, ontem, acabou com a oposição e com a imprensa argentina, uma imprensa igualmente golpista e partidarizada que emula a brasileira ipsis-litteris.

Os brasileiros vimos assistindo ao mesmo filme em relação à Venezuela, na imprensa local. Desde o referendo revogatório de agosto de 2004, quando Hugo Chávez pôs seu mandato à disposição do povo e foi mantido no poder, que a mídia brasileira, a cada eleição naquele país, sempre diz que a popularidade dele está em decadência. Quando chega a eleição, porém, ele vence de lavada.

Todavia, de todos os processos de soerguimento das nações sul-americanas durante a década passada no âmbito da ascensão de governos de centro-esquerda, talvez o processo argentino seja o mais bem-sucedido por ter promovido não só distribuição de renda, diminuição da pobreza e crescimento econômico, como no Brasil, mas por ter democratizado a mídia sem que eclodisse a terceira guerra mundial.

Na Venezuela, na Bolívia e no Equador, outros países que experimentaram políticas públicas de cunho social-democrata, porém aliadas a forte crescimento econômico, distribuição de renda e inclusão social, o custo de desconcentrar a propriedade de meios de comunicação e de estabelecer regras para eles como as que existem para todos os outros setores da sociedade, foi mais alto, gerando conflitos políticos que levaram esses países à beira de golpes de Estado.

O Brasil é o único país sul-americano governado sob esse modelo distributivo e desenvolvimentista de centro-esquerda que não avançou um mísero milímetro na questão da democratização da comunicação. Só que os outros países da região em que vige esse modelo, com exceção da Argentina, mergulharam em graves crises políticas, enquanto que o Brasil conseguiu a paz dos cemitérios ao se curvar ao oligopólio midiático.

Cristina Kirchner soube fazer o país avançar e se desenvolver mesmo ao custo de alguma inflação. E, assim, mostrou ao seu povo que aquela história de que era sempre preciso pisotear o povo para resolver problemas econômicos era balela dos ricos destinada a empurrar os custos de programas econômicos para os pobres.

Enquanto isso, no Brasil, vemos a mídia estender uma verdadeira ditadura sobre o país, com seus tribunais de exceção em que os seus inimigos políticos são sacrificados e o governo ao qual essa mídia se opõe fica paralisado. Já na Argentina, o governo fez uma campanha publicitária imensa que mostrou ao povo a quem servia o Grupo Clarín (a Globo argentina) et caterva.

A “ley de médios” pôs a Argentina em um estágio político equivalente ao de países nórdicos. O povo argentino descobriu que a comunicação de massas é uma arma política que vinha sendo usada para manter no poder políticos que atuam como despachantes dos mais ricos, e que esses veículos defendem os interesses das corporações.

A comunicação se desconcentra a passos largos, no país vizinho. Nos últimos meses, centenas de novas concessões de rádio e televisão foram distribuídas e não se tem notícia de censura alguma. A direita continua infestando seus veículos de comunicação com ataques incessantes contra o governo. Só que, agora, a esquerda também fala.

Se você ficou com inveja, leitor, não fique. Há toda uma tradição de o Brasil reproduzir – social, cultural, política e economicamente – a Argentina. A única diferença, por lá, é a de que ninguém tem coragem de dizer que os avanços do país se devem ao ex-presidente Carlos Menem, como fazem aqui em prol de FHC. E essa tradição tem até nome: “Efeito Tango”.

  • Marcelo Cordeiro

    Caro Eduardo,
    Desejo muito que você esteja, mais uma vez, certo. Mas aquelas bananas do post anterior me parecem mais coerentes com nosso horizonte político… Pelo menos a curto prazo.

    • eduguim

      Nem me fale…

  • Leonardo

    Torço para que seja verdade…

  • Mariana Silveira

    Como dizia uma professora argentina de relações internacionais, a Argentina gosta de ser a Europa dos trópicos, por conta de muita ascendência italiana e espanhola. Não sei se ela é, mas o que sei é que, lá, eles lêem muito mais do que aqui.

    • Desculpe-me o detalhe mas a Argentina não pode ser a Europa dos trópicos, simplesmente porque ela está localizada ao sul (e bem ao sul) do trópico de Capricórnio, não se localizando portanto na região tropical do planeta. Na verdade está em uma região temperada, assim como a própria Europa.
      Acho que você quis dizer que a Argentina se considera e é considerada a Europa da América Latina.
      Por sinal em alguns aspectos, não todos, é mesmo.
      Tenho grande simpatia pelos nossos vizinhos argentinos e considero a Argentina um belo País. Quando dizem que é a Europa da América Latina eu entendo de uma forma positiva.

  • Marcelo Silva

    a máfia da midia aqui é bem maior q lá, mas a gente chega lá. tb o povo lá lê mais q aqui, e nao le só as manchetes. Ainda bem q temos a internet, q os tucanos querem limitar c o AI5 digital. Um abraço, Edu.

  • Dimas Antonio Granado de Pádua

    Nada de inveja dos hermanos,muito pelo contrario.Temos é que ter a humildade de aprender com eles.E aprender nunca é demais.Se Cristina enfrentou o PIG,Dilma tambem pode enfrentar.Basta ter a humildade suficiente de aprender,como ja disse.

  • Edu, como “argentino-brasileña” espero que vc esteja certo mais uma vez, e acho que está.
    Só que,não se engane, na Argentina a “ley de medios” passou, mas ainda falta muito para que seja realmente uma lei. Abraço.

    • eduguim

      Eu sei, está sendo contestada na Justiça, mas se comparar com o que acontece aqui…

      • Neuza Fernandes

        Caro Eduardo e Amigos

        Minha filha mora em Buenos Aires há mais de dez anos. Por essa razão tenho acompanhado bem a questão midiática por lá.Minha filha é jornalista e há seis anos, com um grupo de professores de jornalismo,de sociologia e de economia da universidade pública,participou de uma séria pesquisa sobre a mídia argentina.
        Por meio dessa pesquisa foram identificados os grupos econômicos que geriam o setor e também as grandes corporações financeiras e econômicas que estavam por trás de cada órgão de imprensa. Identificaram também as ligações de cada órgão com países estrangeiros e órgão de inteligência desses países, bem como com organizações internacionais de vários tipos. E , naturalmente, levantaram as vinculações partidárias de cada órgão. Os resultados evidenciaram que toda a grande mídia servia aos interesses de grandes coorporações e partidos da direita. As honrosas exceções – como o excelente jornal Página 12,que hoje está ótimo – passaram a ser prestigiadíssimas pela esquerda e progressistas. O Página 12 atualmente tem uma vendagem muito boa e está cada vez melhor.
        http://www.pagina12.com.ar/diario/principal/index.html
        Essa pesquisa foi amplamente divulgada pela Telesurtv e, à medida que os Kirchner foram transformando a TV pública argentina ( que hoje tem SETE ( 7) canais e está excelente ) houve divulgação interna.
        Acredito que no Brasil deveria imediatamente ser feito algo similar.
        A luta popular pela Ley de Médios na Argentina foi corajosa e intensa. O povo participou e continua participando, já que lá continua a mesma desproporção na área de informação. A Ley de Médios passou, graças principalmente a grande pressão popular e ao fato do Congresso ser de muito melhor qualidade que o nosso. Os Kirchner pouco poderiam fazer se não houvesse o elevado nível de politização do povo argentino.
        Acredito que esse elevado nível se deve em grande parte ao fato de que o nível educacional na Argentina é muito melhor do que o nosso e não a questões de origem étnica. Porque em estados brasileiros da Região Sul do Brasil encontramos origem étnica similar porém um nível de politizaçÃo bem rastaquera.
        Os argentinos e os Kirchner realmente abriram caminhos e merecem todas as homenagens. Mas o grande herói é o Povo Argentino. E o grande mérito dos Kirchner é governar com isso na cabeça e no coraçÃo.
        Viva Cristina! Viva o Povo Argentino! Viva a América Latina unida contra a barbárie do imperialismo!

        • jaciara

          Neuza,

          Só vou discordar de você em um ponto. Falta educação ao povo brasileiro para entender o que acontece no Brasil. Isso não é uma verdade absoluta, falo porque sou de classe media e meus sobrinhos estudaram sempre em escolas particulares de boa qualidade, fizeram universidade, frequentam bons lugares, mais politicamente são uns desinformados, ainda ontem tive uma grande decepção com eles, repetindo como papagaios de pirtata o que a midia diz. Não sei exatamente onde está o nosso maior problema, mas não é só a falta de educação.

          • Neuza Fernandes

            Jaciara
            Também tenho jovens sobrinhos bem alienadinhos.
            Considero que os jovens das classe média e alta aqui no Brasil,tendem mesmo a terem essa posição “apolítica”ou de direita , como você assinala. portanto, acho que você está coberta de razão.Talvez as novas gerações tenham ficado muito fascinadas com os mantras do neoliberalismo,com as ilusões criadas pela propaganda,com o estilo de vida consumista aceito e incentivado pelos pais e pela sociedade em geral.,etc
            Mas o que acho que faz a diferença na Argentina é a educação pública gratuita e de qualidade.Isso desde os tempos da Evita e do Perón. Assim, os filhos das classes trabalhadoras,que pela própria situação de classe ficam mais afeitos a viver com os pés no chão e encarar a realidade de frente,ao receberem uma educação de qualidade, enquanto ouvem , de seus pais, os relatos do que se passou na Argentina nos últimos trinta anos,têm condições de avançar políticamente. E como pelo menos 70% da população argentina pertence à classe trabalhadora você tem esse fato refletido no resultado eleitoral das eleições de ontem.
            Se somarmos os votos de Cristina( mais de 53 %) ao do candidato da FAP,o ótimo candidato socialista Hermes Binner(17%) temos exatamente os 70%.
            Nessa análise a gente vê que as provïncias ( lá tem 23 províncias e um Distrito Federal) onde se concentra a população mais pobre foram aquelas que mais votos deram à Cristina.
            http://revistaforum.com.br/idelberavelar/2011/08/15/na-argentina-esmagadora-vitoria-do-kirchnerismo-declarado-morto-por-miriam-leitao-em-2010/
            Ela só perdeu em uma pequena província. Fez impressionante maioria no Congresso. E o vice, Armando Boudou, é do mesmo partido que Cristina.Ou seja, uma chapa puro-sangue.
            Um outro fato importante dessa eleição é o excelente desempenho do excelente candidato da FAP, o socialista ( de verdade) Hermes Binner. Que já foi convidado por Cristina a participar do Governo.
            Está bom demais, não é mesmo?
            Um abraço.

        • Neuza, se puder, mande-nos um link desse estudo. Isso é um tesouro sociológico, político e antropológico!!

          • Fernando Ferreira

            Roberto, boa pedida, ia solicitar o mesmo link

        • Carlos Eduardo Luz

          É verdade Neusa nós brasileiros somos pouco politizados e vou te dar um exemplo: Existe um abaixo assinado na internet para um projeto popular para a lei de mídia, no entanto são poucos o sites e blogs ditos sujos que colocaram um link a disposição, para colher assinaturas. Aí fica difícil não é?

          • pedro

            E o Azeredo vai tentar aprovar o AI-5 DIGITAL na quarta feira, se nada fizermos depois é só chorar na cama, ele vai aproveitar que todos estarao de olho na audiencia folha de sp versus blog falha de sp e vai dar o bote, temos que infernizar a comissao de ciencia e tecnologia para exigirmos que essa excrescencia seja sepultada. Nao ao AI-5 DIGITAL!

        • Este foi o melhor post que já li neste blog sucio…
          E a contribuição da Neuza fica à altura do post. Sem emocionalismos tolos, basta analisar o processo de cada país para vermos o quanto estamos ainda atrasados em termos de consciência cívica e política perante os argentinos.
          Não se trata de nos “culpar”. A Argentina foi um dos países mais ricos do mundo nas primeiras décadas do séculos passado (embora ditatorial), sofreu a terrível ditadura de 1976, errou várias vezes no ciclo Alfonsín-Menem-de la Rúa e outros, mas a própria gravidade da crise levou aos Kirchner, que iniciaram o reerguimento do país.
          É preciso registrar que muitos argentinos têm inveja do Brasil porque temos ainda um BNDES, uma Petrobrás, um BB e uma CEF. São instrumentos de política econômica que eles perderam nos anos Menem e nós quase perdemos com o discípulo de Menem e de Fujimori, Fernando Henrique Cardoso, O Deslumbrado.
          A histórica vitória de domingo (somados os votos de Cristina aos do candidato socialista, cerca de 75% dos argentinos votaram na Esquerda!) assegura o prosseguimento dos avanços, não sem tropeços, e o isolamento da direita que, lá como cá, é golpista e violenta.
          Estou, e acho que todos estamos, felizes com a escolha dos irmãos argentinos. Oxalá o exemplo nos atinja, como as frentes frias que vêm do Sul…

  • rosanA

    Oxalá você esteja certo. Creio que o que poderá ser o ponto deflagrador para que isso aconteça foi a tentativa de golpe, mal sucedida, graças a firmeza do ministro e seu partido, propalada por Veja e outros no episódio do Ministério dos Esportes. A hora é agora!

  • Abel Duarte

    Torçamos e trabalhemos para que o efeito “Orloff” aconteça o mais breve possível!!!

  • José do Ceará

    Esses grupos midiáticos representam ,como se sabe, as forças mais retrógradas e reacionárias da sociedade e tem no psdb seu aliado incondicional.Os avanços obtidos nos últimos 08 e 10 meses são ,a meu ver, irreversíveis.Daria para imaginar de uma ora para outra o Brasil ficar sem os recursos do bolsa familia que auxilia na segurança alimentar de milhoes de familias por esse País afora ? Embora a elite faça cara feia para tudo que é em beneficio do proletariado, eles não tem coragem de pregar contra o programa(a exceção de uns poucos idiotas).As inúmeras universidades que foram criadas ,como também as diversas escolas profissionalizantes distribuídas nesse país são irreversíveis. A tucanalha não gosta de pobre estudando e isso está ficando claro para o povão que ver seus filhos alcançando a universidade, coisa impens[ável na época nefasta dos bicudos.Eduardo, a diferença entre as 02 administrações é muito grande.Os tucanos nada construíram nos 08 anos em que estiveram no poder. Quem é capaz de falar uma obra/programa deles que tenha revolucionado a sociedade como o prouni ou o bolsa familia ? As universidades ,na época tucana não dispunham sequer de papel higi~enico .;Quem ,além de alienados ou reacionários quereria a volta disso ? Nossa missão é denunciar tais diferenças que é o que realmente interessa.A ascensão social e econômica é visível, principalemnte,nas regiões mais deprimidas economicamente.(Norte/Nordeste).Essas populações não votarão em tucanos e isso é muito importante para a derrocada desses atrasados neoliberais;*(só eles não percebem que o neoliberalismo faliu…)

  • Guanabara

    Excelente seu texto. Agora, se vai acontecer realmente por aqui… admito que não estou tão otimista. Mas a análise da mídia que faz campanha, tentando emplacar a ideia de decadência de governos progressistas é perfeita. Aí podemos ver como, realmente, não é jornalismo. É torcida, chegando, em certos casos, à campanha difamatória.

  • Juliano Santos

    O Lula avançou um milímetro, Edu, ao democratizar as verbas publicitárias oficiais. Talvez tenha sido até um pouco mais de que um milímetro, tendo visto a reação do Civita nos revelado pelo José de Abreu.
    Mas realmente até agora da Dilma, nada.
    O Brasil é mais devagar que a Argentina, né? É a diferença do samba para o tango. Aqui é como canta o Martinho da Vila: É devagar, é devagar, devagarinho. O tango é mais ríspido, com gestos rápidos e repentinos, né isso?

  • Beatrice

    Desculpe-me mas democraticamente discordo.
    O BRASIL está muito distante da realidade atual da Argentina e o que é pior,
    caminha na direção oposta.
    Tenho inveja sim.
    Tenho muita inveja de um país que honra sua história e arranca das entranhas
    as mortes, os desaparecidos, numa luta sem fim.
    Tenho muita inveja de um país que derrubou constitucionalmente no Legislativo e no Judiciário,
    com todo o empenho possível do Executivo
    as leis que asseguravam a impunidade dos genocidas militares.
    Tenho muita inveja sim de um país que tem seu destino nas suas mãos e não permite
    que os desvios de caminho qe eventualmente sofra venham a ser permanentes ou destruam as gerações.
    Tenho muita inveja sim, do país que ontem honrou a memória de Néstor e elegeu com votação expressiva Cristina Fernandez de KIRCHNER.

    • eduguim

      Não dá pra discordar pelo menos do presente. O futuro não parece promissor? Não. Mas tem o Efeito Tango…rs

  • Fabio Amaral Di Fini

    Me parece positiva nessas eleições argentinas, a ascensão de Hermes Binner como segunda força política do país. Binner é um socialista de boa estirpe, com boa história pregressa e sem raízes populistas ou ligação com a burocracia sindical. Ficou em segundo lugar, muito distante da margem atingida por Cristina Kirchner, que ganhou de lavada; entretanto, me parece uma força nova e promissora, de esquerda, para a política argentina. Novos ares, finalmente, no mofado panorama político argentino? Esperemos que sim. A Argentina merece!

  • Avelino

    Caro Eduardo
    Nem ouso pensar que existe luta de classes sociais e que a mídia faz parte dela, se não, pensaria também, que as balas são as reportagens disfarçadas dessa classe social, que dizem não existir.
    Mas ainda “bem” que não existe mais luta de classes.
    CK conseguiu se reeleger, agora temos que reeleger Dilma. Ninguém falou que seria fácil.
    Saudações

  • Fernando

    Batrice concordo com você…que inveja da Argentina e de seu povo, lá tem esquerda de verdade…aqui a nossa treme de medo do PIG….acompanhei pela Telesur o discurso da Cristina….nossa!!!!!!….

  • Maria Luiza

    Há uma grande diferença entre a Argentina e o Brasil. Lá o nível educacional é muito mais elevado e o nível de politização nem se compara com o do Brasil. Já estive quatro vezes em Buenos Aires e não houve uma só vez em que eu não tivesse visto grandes manifestações nas ruas. É claro que isso não acontece todos os dias e é óbvio que foi coincidência, mas as manifestações que presenciei naquele país eram enormes, sem violência. Coisa de gente politizada. Muito diferente daqui, infelizmente.

    • Desculpe-me falar, mas dizer que as manifestações políticas na Argentina não tem violência não corresponde bem á verdade. Estive em Buenos Aires e na Praça de Maio tinham barricadas de aço feitas pela polícia para que os manifestantes da Praça não chegassem perto da Casa Rosada durante as manifestações. As barricadas, na verdade cercas de aço reforçadas, estavam todas amassadas por pauladas e pedradas de manifestantes.
      Concordo que os Argentinos tem uma tradição de politização muito maior que os brasileiros e que o nível educacional médio da população é bem maior, mas também não vamos dourar a pílula. Interessante que em minha visita à capital argentina cruzei com passeatas contra e à favor da Cristina Kirchner e seu marido (na época ainda vivo). Nas TVs e nos jornais havia muitos ataques a ela, assim como no Brasil. A situação que eu presenciei lá era muito menos estável que a situação atual no Brasil. Por isso mesmo não esntendo a situação política brasileira como favorável a um golpe de Estado de qualquer tipo.
      O que há aqui é uma ânsia golpista muito forte por parte da imprensa, mas não há condição de implementar nenhuma aventura golpista.
      A mídia corporativa é hoje a maior ameaça à democracia brasileira, mas isso não quer dizer que a democracia brasileira esteja sob ameaça imediata.

  • Um ex embaixador nosso por lá, creio que foi o azambuja, um tipo punhos de renda mas cara de vasta cultura disse que na argentina a historia “se escreve por rupturas”, e no Brasil “por sinteses” coisa que eles seriam incapazes historicametne de realizar.
    Pode ser.
    Mas cá pra nós eu ainda penso que não ha sinteses possiveis quando se trata de misturar a água e o oleo por exemplo. Ou uma sintese entre Pieter Botha e Nelson Mandela, não tem como.

    • eduguim

      boa reflexão

  • Augusto

    É preciso reconhecer que a Argentina sempre foi um país muito à frente do nosso em termos civilizatórios. Não é à toa que ela deveria encabeçar a América Latina.

  • tiago

    Já na Argentina, o governo fez uma campanha publicitária imensa que mostrou ao povo a quem servia o Grupo Clarín (a Globo argentina) et caterva.

    Que coisa linda…

    A Argentina parece que esqueceu rápido de demais o que aconteceu com ela no fim dos anos 90 e começo do milenio. Estão rumando com todo vapor a mais uma moratória, o governo está torrando as reservas do banco central, das pensões e assim em diante. Se a crise mundial ano que vem realmente se agravar como alguns prevem, as coisas vão ficar muito feias pra Argentina

    • Dimas Antonio Granado de Pádua

      Tiago não passa de mais um idiota manipulado pelo PIG.

  • Paulo B

    A Folha tentou impedir a vitória de Cristina ao fazer matérias como as que fez aquui para derrotar Dilma, ou seja, distorcendo as relações que haviam entre Cristina e combatentes da ditadura no governo daquele país.
    Incrível a imprensa tupiniquim ao tentar espalhar seus tentáculos por paises vizinhos.

    • Pedro Soto

      S o Clarín e o La Nación não conseguiram, seria a Folha que iria conseguir?

  • Paulo B

    Uma bela lição para o Chile e um alerta para todos nós.
    O governo tem que continuar avançando, inclusive fazer a abertura dos meios de comunicção de forma que acabe a reserva de mercado neste setor e se permita a concorrência e diversidade de idéias, o que será bom para os jornalistas que se formam, pois como está só há o pig como opção.

    Paulo B

  • Dimas Antonio Granado de Pádua

    Em que pese o efeito Lula sobre o processo de desconcentração de renda,o Brasil ainda tem muito que caminhar para se tornar plenamente uma nação desenvolvida.Sem uma educação pública de qualidade,sem professores condignamente remunerados,teremos um povo acomodado que faz as alegrias de uma elite vagabunda.Porque a Argentina é diferente?Porque o povo Argentino tem aquilo que falta à media dos brasileiros:consciencia politica,coragem de botar a cara para bater,coisa que brasileiro está longe de ter.Já disse e volto a dizer e estou convicto de estar com a razão(e não gostaria):a media dos brasileiros é covarde,alienada e bastante acomodada.A era Lula trouxe para a classe media cerca de trinta ou quarenta milhões de brasileiros,mas não basta o contingente de classe media ter aumentado,porque em contrapartida não houve aumento da consciencia politica por parte dessa nova classe media cujo unico objetivo é consumir e consumismo de produtos de alta tecnologia,aquisição de tvs a cabo não traz necessariamente uma percepção aguda do entorno,do meio ambiente em que vige tal classe media.Somente quando aliarmos crescimento economico com distribuição de renda mais educação pública de qualidade em tempo integral,estaremos dando inicio à nossa caminhada rumo ao primeiro mundo.Por enquanto o que vemos é o pão e circo,em que a massa(aí vai a palavra massa no sentido pejorativo mesmo)politicamente desmobilizada,inerme,manipulada,doutrinada,alienada está feliz em ser uma idiota útil.Porque o brasileiro,em sua maioria,tem se mostrado,um diota,não inocente,mas bastante util,principalmente para uma midia descompromissada com o pais e com a ética.

    • ines

      A tv publica poderia ser muito utilizada com programas de entrevistas, debates e com jornalismo de qualidade que nao existe nas tvs comerciais, pena que NAO temos tv publica dessa qualidade.

  • Francisco-Niterói

    Eduardo, neste instante temos no site da carta capital notícias que o PM “vai entregar provas”. Ou seja, ninguém diz que ou ele entrega pra policia as provas ou param de ouví-lo. A constatar que a carta capital não esta devendo nada à veja neste episódio.

  • Dimas Antonio Granado de Pádua

    Enquanto a media do brasileiro não tiver vergonha na cara o pig(com letras minusculas mesmo) vai continuar deitando e rolando.Enquanto o brasileiro não tiver a minima consciencia de dignidade,principalmente os paulistas,o pig vai continuar pautando e peitando o governo principalmente se esse governo implementar politicas que contrariem frontalmente os interesses das elites e corporações a que essa midia delinquente serve.

  • Remindo Sauim

    Eduardo, no início da década de 80, no final do século passado, o então maior império de comunicação do Sul do Brasil, resolveu desafiar o então Governador Amaral de Souza, chamando-o de “coqueirinho”, fazendo menção a sua pequena estatura, num dos editoriais no jornal Folha da Tarde, de Porto Alegre. O Governador apenas pegou o telefone e mandou o Banrisul cobrar as dívidas da empresa do dr. Breno Caldas. Sem se levantar da cadeira, o mandatário estadual terminou com o reinado da Cia. Jornalística Caldas Junior no Estado do Rio Grande do Sul. Esta briga de governo com grupos de comunicações a gente sabe como termina.

  • Marcos Antonio Mocellin

    Que seja bem vindo esse “efeito tango” então!

  • Edmundo Bernardo

    Uma pergunta a todos e principalmente ao Eduardo: O que aconteceria com o Governo Dilma se ela ordenasse a Todos os Ministérios, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e principalmente a Petrobrás para que suspenda toda a Publicidade Oficial aos órgãos do PIG?
    Um grande abraço, meu caro Eduardo.

    • eduguim

      Não rola, seria ilegal. Seria uso do poder do Estado para retaliação política. Poderia ser denunciado ao Ministério Público. O critério da distribuição de verbas tem que ser técnico.

      • Andrauss

        .
        Mas é importante avaliar qual é a máxima retaliação possivél…
        .
        Bombar as rádios e TVs federais…cobrar dívidas…mudar a destinação de verbas COMO UM TODO para não haver desfavorecimento.. criar nova destinação de verbas com outros critérios, também igualitários e técnicos… Usar o horário do PT, outros em rede nacional para comunicação direta….
        .
        Seja como for não se ganha uma guerra sem um bom general e sem vontade de vencer…
        .
        VOLTA FRANKLIN MARTINS !!!!
        .

      • Remindo Sauim

        Mas poderia pelo menos cobrar as dívidas deles com o INSS, IR, IPI e outros.

      • Fernando Ferreira

        Eduardo a distribuição tem que ser técnico?
        Antes da chegada do Lula ao governo, digo Franklim Martins ao ministério, não era técnico?
        As principais famílias que controlam a imprensa ficava com 90% ou mais da propaganda.
        Que falta faz o Franklim para pulverizar por todo o Brasil essa propaganda, menos das estatais que não tem nada a haver com o ministério da qual foi ministro.
        Um exemplo é o governo de São Paulo, propagandas sem concorrência para Folha,Estadão e Veja, será que tb é técnico?

  • Vivian

    Sem uma conscientização popular,podemos tirar a cavalgadura das interpéries,pois a tuberculose é certa. A regulamentação da mídia requer atitude,dar o primeiro passo.Isso,Cristina tem de sobra.Além de contar com um povo culturalmente superior a média do povo brasileiro.Nossa mídia ainda nada de braçada,porque o povo brasileiro não se respeita.Sem falar que a grande maioria sequer percebe que é manipulado.É com isso que a mídia conta.Nesse caso,é necessário que Dilma venha a público e fale com todas as letras,quem são os inimigos do Brasil e porque eles assim agem.São criminosos e assim devem ser tratados.

    • ines

      SE nossa tv publica fosse igual à da Argentina estaríamos muito melhor porque a tv é o veículo mais acessado pelo povo, mas tem que ser atraente como a da Argentina, mas nem isso o governo quer fazer, ok a lei de midia só com pressao popular, mas e a tv e radio publica? É duro de reconhecer mas o governo de Lula e o de Dilma nao querem uma tv publica de qualidade, querem que todos os problemas deles sejam resolvidos pela militancia que está proibida de dormir porque o pig produz crises incessantemente, logo a militancia e todos os eleitores devem estar a postos para defender o governo, que nao se defende, 24 horas por dia, preparem-se para o lerê lerê eterno se depender da inacao desse governo e do pt.

  • Ronaldo Sanches

    Do blog do Esmael.

    Orlando Silva ganha musculatura na guerra contra a mídia golpista
    24 de outubro de 2011 – 16:24 – Comente agora

    Caso de Orlando Silva reforça a necessidade de regulação da mídia no país.
    O Partido da Imprensa Golpista (PIG) tentou derrubar o ex-presidente Lula, em 2005, ao inventar que o governo dele fazia pagamentos a deputados para obter apoio no Congresso Nacional. A isso a velha mídia batizou de “mensalão”.

    O denunciante do “esquema”, o ex-deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ), em recente depoimento no Supremo Tribunal Federal (STF), jurou que o “mensalão” nunca existiu e que a denúncia feita por ele era apenas uma “retórica” parlamentar.

    O PIG pediu desculpas a Lula pela campanha golpista? Que nada. O ex-presidente chorou diante das câmeras, na despedida do cargo, ao se lembrar do preconceituoso ódio da velha mídia.

    Mas o tiro saiu pela culatra

    No que pese as tentativas da imprensa derrubá-lo, Lula deixou o governo com 90% de aprovação. A artilharia pesada do PIG, que nada provou, gerou efeito contrário daquele que esperava: vitimizou o ex-presidente e o blindou do denuncismo.

    Outro caso de insucesso de golpe ocorreu na vizinha Argentina, que reelegeu a presidenta Cristina Kirchner neste domingo. Responsável pela aprovação da Ley de Medios, que regula a mídia naquele país, a presidenta atravessou intacta os últimos anos mesmo sob bombardeio intenso da imprensa. Ou melhor, o povo argentino a consagrou nas urnas com 54% dos votos.

    Orlando Silva fortalecido

    O ministro do Esporte, Orlando Silva, do PCdoB, também atravessa uma espécie “Rubicão” e, ao que parece, começa avistar a outra margem mais fortalecido do que nunca. O exagero nas denúncias contra o “Negão”, como os amigos o chamam, transformaram-no em mártir de uma luta contra a mídia golpista. Os ataques ao comunista aceleraram as discussões sobre a regulação do setor no país. Ele poderá ser uma das principais estrelas no I Encontro Mundial de Blogueiros, que ocorrerá neste final de semana em Foz do Iguaçu (PR).

    As denúncias do policial militar João Dias Ferreira, de que Orlando teria recebido dinheiro na garagem do Ministério, publicadas na revista Veja, até agora não foram provadas. O semanário de acusador passou a ser acusado pelo ministro e pelo PCdoB de cometer uma fraude.

    O blog obteve informação nesta segunda-feira (24) sobre os áudios enviados pelo policial à Polícia Federal. São treze conversas captadas ilegalmente, mas nenhuma compromete o ministro acusado pela mídia golpista. Aliás, o próprio PIG rachou diante da ausência de provas contra “Negão”. A TV Globo cobra de Veja os documentos contra Orlando Silva. A briga é feia.

    No Palácio do Planalto e nos setores mais conscientes do PT firmou-se a convicção de que os disparos contra o ministro do Esporte visam atingir a presidenta Dilma Rousseff. O alvo imediato – Orlando – seria apenas um caminho tático para os golpistas chegarem ao objetivo estratégico: derrubar o governo do PT. Por isso a intervenção de Lula no episódio, ao pedir que o PCdoB e o ministro resistissem firmes à onda denuncista.

    Ao objetivo do PIG derrubar o governo de Dilma, somam-se os interesses econômicos contrariados da FIFA e da CBF, aliados de primeira hora dos jornalões.

    Nesta semana, o ministro Orlando Silva vai comandar no Congresso Nacional as discussões acerca da Lei Geral da Copa de 2014. Ou seja, depois de dez dias insistente bombardeio, definitivamente, colocará os pés na outra margem do “Rubicão”.

    Haverá trégua nessa guerra? O PCdoB de Orlando Silva acredita que não e se diz preparado para todos os horrores dessa verdadeira carnificina de honras.

  • ProfeGélson

    Pois é…

    Policial reconhece ”que não tem provas” contra ministro.

  • O atual governo brasileiro tem a real dimensão dos problemas a serem enfrentados, disso eu tenho certeza , todavia, diferente da Argentina, as condições subjetivas não permite uma ação de ruptura com o que está estabelecido, no entanto as condições objetivas estão postas. Pode parecer um paradoxo, mas quando vemos mais de 51% de apoio popular para o governo Dilma chego a conclusão que essa aceitação não teria reflexos em apoio a uma lei que venha a moralizar o setor dos meios de comunicação, como aconteceu na Argentina.

    O povo brasileiro não está preparado para uma discussão neste nível simplesmente porque dos 51% que apoiam Dilma muito mais da metade esta preocupada em simplesmente sobreviver, e posso ir mais longe sem medo de errar, esta massa (que denominamos quinto estado) não consegue ler e entender textos simples e tão pouco elaborar opiniões um pouco mais complexa, e para finalizar aqueles que têm condições de entender situação estão do lado daqueles que querem derrubar o governo. Então como diz o dito popular: Devagar com o andor que o santo é de barro.

    Isso não quer dizer que o assunto da moralização dos meios de comunicação não deva ser debatido, sim… Vamos ampliar o debate e fortalecer as idéias na internet através dos blogs, e muito mais importante, difundir a questão através do face book que é uma arma comunicacional infimamente sub utilizada pelos blogueiros progressistas, pois o face book tem uma maior abrangência a mais rapidez na difusão das ideias.

    • Laine

      Walquer
      A Dilma segundo a última pesquisa de opinião do IBOPE, divulgada há 15 dias, tem 71% de aceitação boa e ótima.
      O Governo ,como um todo, é que tem 51%.
      Também no tempo do Lula era sempre assim. Ele tinha uma aceitação sempre muito melhor do que a do Governo, como um todo.

  • Carlos Eduardo Luz

    Aí eu pergunto: Se a mídia tem este poder todo por que não elegeu o Serra?

    • Fernando Ferreira

      Não confundamos eleição com a criação de crises.
      O PIG tem o Instituto Millenium para coordenar e dar embasamento a qualquer mentira criada, eles repercutem para dar veracidade á mentira e é nesse Instituto onde tudo é coordenado.
      Presidenta Dilma, faça como o Obama fez, qdo disse que a FOX era um partido político e que não ia dar mais enterevista para esse partido da mídia (FOX).
      O principal quinteto da mídia quer que o seu governo passe pelos mesmos problemas(crises) que Lula passou.
      Por que prestigiar veja, folha, estadão, globo e seus colonistas, se o objetivo deles é criar crises permanentes.
      Os ministros que eles consideravam corruptos, após a saída do ministério deixaram-os de lado, deixaram de ser?
      Chama o Franklim para lhe assessorar, está precisando de um jornalista ativo e combativo.

  • Carlos Eduardo Luz

    Enquanto isto a Dilma e o Lula inauguram em Manaus a segunda maior ponte do mundo, com 3.595m, sobre o Rio Negro. Ví o vídeo do discurso dela, teve que interromper o discurso pois o pova gritava ;;; Dilma…Dilma…

  • Junior

    Tentei deixar uma mensagem questionando os posts do Reinaldo Azevedo, que todos conhecem como um reacionário que não aceita opinião contrária.
    Realmente ele não publicou meus comentários. Então coloquei mais um comentário que ele não publicará, mas acaba sendo uma homenagem minha aos blogs verdadeiramente democráticos.
    Aí vai:
    {Reinaldo, você não devia escrever só para os que têm a mesma opinião que você. Você deveria tentar “abrir os olhos” daqueles que não seguem suas palavras.
    Falar para um público único é como comer pão-com-pão, sem qualquer recheio. Você não saboreia a diversidade de pratos que existem e não ganha nada com isso, pois todos já têm opinião formada, iguais as suas, você não precisa convencer ninguém.
    O bom formador de opinião deve aceitar a exposição do contraditório e a pluralidade de idéias. Estes são os primeiros passos do díficil excercício que um verdadeiro democrata deve se dispor a fazer.
    Filtrar os comentários e publicar apenas os daqueles que falam em uníssono, demonstra que seu blog não é plural e democrático.
    Portanto, de minha parte digo: continue a se deliciar com seu pão-com-pão que eu vou preferir os banquetes de outros blogs que publicam minhas opiniões, mesmo que contrárias.}

    • Dimas Antonio Granado de Pádua

      Bem,pelo menos vc mandou seu recado,porem,o rei da escoria,o detrito mór,Reinaldo Azevedo,não publicará seu comentario,porque ele está muito alem do nivel intelectual daquelas pessoas que costumam publicar comentarios naquele antro.Sinceramente?Não ser publicado naquele aterro sanitario que é o Blog do Rei do esgoto é um certificado da qualidade de seu comentario e um reconhecimento do seu bom nivel cultural.Saudações.

  • Pedro Soto

    Sob qualquer interpretação que possa ser feita, esta grande vitória da Cristina Kirchner representa um alento e um estímulo ao mandato da presidente Dilma.
    Além de permanecer com uma aliada de peso na região, Dilma vê comprovado o sucesso de um modelo econômico similar ao brasileiro com evidentes resultados eleitorais.

    O que fica faltando, na realidade, é a implantação da necessária regulação dos meios de comunicação, em virtude, principalmente, da menor conscientização política do povo brasileiro.

  • Avelino

    Caro Eduardo
    Enquanto ficamos só brigando com a mídia, e nada mais justo, os governo Lula/Dilma continuam tentando construir um outro Brasil, que nós também não estamos vendo.
    Maior ponte estaiada do País é inaugurada no Amazonas

    http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/am/ponte-rio-negro-e-inaugurada-no-amazonas/n1597316052079.html

    Saudações

    • Ines

      Vai passar na maravilhosa tv publica que temos, essa noticia dentro daquele maravilhoso jornal que mostra todos os lados do Brasil? Aquela tv que alcança todo o país vai passar isso aí e grande parcela dos brasileiros serao informados dos feitos e obras do governo, porque nas tvs comerciais darao uns 10 segundos dessa noticia, se derem, e gastarao uns 15 minutos falando mal dela, ainda bem que temos tv publica não é?

      *disco arranhado repetindo o mantra da tv publica, e vou continuar, sinto muito.

  • Maria Luiza

    Excelente entrevista:
    Juiz critica monopólios na mídia e aponta manipulação em cobertura da RBS
    http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=18788

  • Alberto Santos Neto

    Pelo andar da carruagem, a tendência é piorar. O PIG está jogando pesadíssimo e ninguém está reagindo. Não temos nenhum político (o Brizola foi o único) que tenha a coragem (longe disso) e a liderança que os Kirchner tinham e continuam tendo na Argentina. Continuaremos a ser o que sempre fomos, um gigante adormecido, cujo povo (também adormecido), não dá a mínima para qualquer assunto que não seja futebol e novela, e isso a Globo fornece. Nós brasileiros estamos, realmente, em uma situação vexatória, já que temos e sempre tivemos tudo para ser um grande país, porém, nossas elites (e os que se acham CLASSE MÉDIA e são manipulados pelas elites) representadas pelas famílias Marinho, Frias, Mesquitas, Siróstikis e outras donas de conglomerado midiático não querem, não admitem e não suportam que o povo deste país, tenha sequer o direito de sonhar com um futuro melhor para si e seus descendentes.

  • Gerson Carneiro

    Dilma tem duas opções:

    Ou dança um tango; ou dança na boquinha da garrafa.

  • Luiz Monteiro de Barros

    Estou exultante. É como se eu a tivesse elegido. Alias eu a elegi!!

    America Latina, berço de uma nova civilização. Esplendor da raça ibero americana, miscigenada com todos os povos, indígenas, negros, como nenhuma outra. Brasil o pais mais rico em termos de recursos naturais entre eles a incidência dos raios solares. A indignidade desumana da desigualdade de renda familiar no Brasil, CLAMA AOS CEUS, e os céus tem respondido. Tudo dentro digamos de acordo com nosso passado saudável ou doentio. (ação e reação coletivos)

    Por isso todo o dia na seqüência de abertura dos blogs na minha lista de favoritos o Pagina 12 da Argentina, antecede o blog do Edu. Ele e eu participamos de um evento sobre meios de comunicação no Maksoud da Paulista e o jornalista argentino explicava anos (3 acho eu) antes da aprovação da ley de los medios a conscientização do povo.

    Acessar o Pagina 12 tem sido sempre uma dose de estimulo.

    O efeito tango na verdade para mim é a corrente de pensamento “soprada” por energias do novo ciclo que já começou não importa em que ano.

    O fato de no interregno dos ciclos as energias se agigantam sem violar o livre arbítrio dai a insensatez do PIG. Eles vivenciam isso. Lembro do Serra dizendo que MERCOSUL era inviável. Serra acredita nisso ainda mais porque dificultava a competição. Preferia acordo bilateral (Quis comprar não sei o que da China e não pode devido o acordo no MERCOSUL)

    Eles exprimem os valores invertidos do velho ciclo. Tudo. Campanha contra a corrupção (quem é a favor da corrupção?) sem corruptores. Até o boçal do Boris dizia “é uma vergonha – e a CPI dos corruptores”. Veja o caso Orlando Silva o policial é o corruptor e o PIG-PSDB não escreve nada alias o acolhem.

    Pensando bem nosso único adversário cumprindo a sua missão estratégica, pois acaba nos obrigando a participar, a fazer uma escolha; são os meios de comunicação

    Somos intuídos por aquelas energias. Agora para cumprir este dever é preciso sentir a volúpia cidadã, satisfação extrema, fazer a leitura do que acontece no planeta principalmente na America Latina.

    Para contrabalançar as noticias negativas da mídia PIG pois são só estas que veiculam mesmo quando não são da área política. Datenas, Rafinhas, etc que coleciono frases, reflexões para sempre me sentir estimulado. Como estas

    Uma corrente de pensamento se fortalece, há um sincronismo nos fatos, o paradoxo Dirceu e Orlando saírem fortalecidos.

    Inconsciente coletivo, forma pensamento, imaginário popular.

    Julian Assange do Wikileaks “Vivemos tempos extraordinários”

    Ricardo Amorim “Tudo conspira a favor do Brasil. O Brasil é um país “condenado” a dar certo” (inexorabilidade que trás compromissos. Evidente que contribuo financeiramente para o consenso cósmico, etc)

    Mauro Santayana na “Revista do Brasil” de “O parto de uma nova idade” do março 2011

    Trecho final;
    “Está surgindo uma nova idade no mundo: o sistema de poder, dominado pelos banqueiros, que faz e desfaz governos, controla a ciência e a tecnologia, determina a vida e a morte de povos inteiros, começa a ser visto em seu horror pelas grandes massas. O que virá depois, não sabemos– mas as dores do parto desse novo tempo já se fazem sentir”

    Wanderley Guilherme dos Santos -A avalanche de indicadores positivos durante o governo Lula soterrou o pessimismo

    O paradoxo “ A guerra tem sido a guerra econômica. Foi “preciso” (A lei, Deus escreve certo com linhas tortas) que o capitalismo-mercado terminasse com o socialismo-Estado forte, para que ele mesmo se defrontasse com seus erros. Perdeu a polaridade. Se o socialismo foi a imposição da solidariedade, o capitalismo a idolatria da libertinagem do egoísmo . No campo econômico imperará a fraternidade e não a liberdade pois esta se refere a espiritualidade.(Antroposofia)

    Immanuel Walerstein antecipa a derrocada do capitalismo, no fim ele nos provoca
    “o que surgirá em seu lugar pode ser melhor (mais igualitário e democrático) ou pior (mais polarizado e explorador) do que temos hoje em dia.

    OU SEJA, NOSSAS ESCOLHAS REALMENTE IMPORTAM. “QUANDO O SISTEMA ESTÁ ESTÁVEL, É RELATIVAMENTE DETERMINISTA. MAS, QUANDO PASSA POR CRISE ESTRUTURAL, O LIVRE-ARBÍTRIO TORNA-SE IMPORTANTE.”

  • Rita

    Infelizmente a maior parte da população não percebe o quanto a mídia é golpista. Tenho uma colega professora que dizia que não podíamos votar na Dilma porque ela não poderia ir aos EUA, pois lá seria presa e que além disso, ela havia liderado quadrilhas de assaltantes. Infelizmente a grande parte da população está despolitizada e acha que se interessar por política é subjetivo e/ou que todos são iguais. Eu não vejo perspectivas no Brail para a regulamentação da mídia. É necessário muito, muito trabalho e muita politização. Percebemos a falência do sistema neoliberal e vemos como medidas adotadas no Brasil amenizaram a crise para nós, e mesmo assim as pessoas ainda se iludem com a “idade de ouro” do FHC. Acho que a coisa tá feia.

  • Everaldo

    Bela análise, Edu. Mas essa troca Brasil/Aregentina é, no mínimo, curiosa. Estive Há pouco em B.Aires e ouví de amigos(jornalista, professor universitário), gente que já veio ao Brasil diversas vezes, o que eu já havia ouvido de muitos argentinos aquí( eu trabalho com turismo) muitas vezes: Uma certa inveja do Brasil por conta do Lula e da nossa – segundo eles – capacidade de mobilização e unidade em torno de um governante. Admiram como saímos da estagnação econômica e como cresceu o poder de compra da classe baixa. Quando retruquei que nós também os invejávamos – citei o caso da ‘ley de medios” e os estágio bem mais avançado deles em relação à punição dos envolvidos com a ditadura – me diziam que isso ainda era pouco comparado com o crescimento real que estávamos tendo e que a punição dos torturadores iria chegar por aquí tbm. Eu sigo tendo uma grande inveja deles por tudo que já se disse aquí… Mas eles eles dizem que sem Lula(acrescento Chavez) Não teríamos as condições para se fazer o que está se fazendo lá…! Espero que o ‘efeito tango’ siga. Talvez eles admitam um certo ‘efeito samba’ lá no país deles…!!

  • Gunter Zibell

    Você anda ótimo, Eduardo. Devia ter uma coluna no blog da CartaCapital… (Quer dizer, nem sei se vc gosta da revista, mas considere um elogio se pensarmos que é a melhor semanal.) Abs.

    • eduguim

      Claro, é um elogio. Abração

  • H.Pires

    A foto não poderia ser mais apropriada para mostrar o que esta acontecendo na Argentina. Como se diz no Judo, que belo golpe( Harai Goshi), é fatal para o oponente, cujo chão será o limite. Assim, Cristina Kirchner ta colocando, a direita midiatica de lá, no chão. Cristina esta se mostrando ótima faixa-preta. Poderia, presidenta Cristina Kirchner, dar umas aulas, iguais a essa, de JUDO para nossa PresidentA DILMA.

  • “acabou com a oposição e com a imprensa argentina, uma imprensa igualmente golpista e partidarizada que emula a brasileira ipsis-litteris”

    Caramba! Isso sim é que é um excelente exemplo de democracia e de valores democráticos! Um país sem oposição e sem imprensa livre!

  • Armando S Marangoni

    Eduardo,

    Quando leio verdades como essas, balizadas, históricas, humanas, fruto de um envolvimento só menor que o daqueles que participaram diretamente do processo, me anima e me deixa confuso.

    Confesso que não sei dizer porque, mas sinto certo temor das estratégias dos poucos que têm muito dinheiro para gastar com a “formação” de opiniões favoráveis aos seus valores.

    Poderia resumir esse temor pela ditadura da comunicação numa expressão: a verdade dita muitas vezes pode virar uma mentira, basta que não haja repercussões.

    Um abraço.

    • eduguim

      Grande frase

  • Carlos Henrique

    Torço para você está certo, mas muitas vezes chego a duvidar se algum dia atingiremos o estágio de evolução política da Argentina. O país democratizou os meios de comunicação; reformulou o Judiciário(uma das trincheiras do reacionarismo), demitindo Ministros da Suprema Corte, colocados pelo pilantra Menem, e que assumiram o papel de “guardiães” dos privilégios conservadores, deu uma banana para o Sistema Financeiro Internacional(privilegiando primeiro os interesses de seu povo); tem um forte sentimento nacional; possui uma população politizada e que detesta o imperialismo estadunidense. Só quando imagino a maravilhosa Ley dos Medios, que democratizou as comunicações, não calando ninguém; como você bem disse, a direita continua tendo diversos veículos midiáticos para expor seu projeto neo-liberal; mas permitindo que todos falassem, ou seja, acabou o pensamento único da mídia, a propriedade dos meios de comunicação foi democratizada para que outras forças sociais e ideologias, contrários ao pensamento conservador, tivessem seu direito de expressão,permitindo ao cidadão comum o direito democrático de ter acesso às diferentes interpretações da realidade nacional, e com isso escolher livremente qual deve apôiar. Pois bem, quando imagino esse avanço em comparação à frouxura do Governo Dilma, que além de sentar em cima da Ley dos Medios brasileira, ainda demite Ministros até mesmo se a cadelinha da família Marinho acusá-los, sinto uma decepção terrível! Infelizmente, ao contrário da Argentina e dos outros países da América Latina, tivemos uma independência que, além de atrasada, não ocorreu através de lutas, que envolvessem a participação popular. Tivemos uma “independência” boazinha, conciliada familiarmente, da qual o povo esteve alheio(está vendo como a conciliação é nefasta e só a luta educa!). Além disso, após a independência ingressamos numa patética Monarquia, enquanto nossos vizinhos viraram Repúblicas e desenvolveram ainda mais a participação popular. E para piorar, enfrentamos três séculos da monstruosa escravidão. Daí decorrem todos os males coletivos de nossa população, sua despolitização e sua vocação para a submissão. Essas são as causas que explicam, entre tantas semelhanças históricas e culturais, a diferença na evolução política, já percebida em vários outros acontecimentos, que separa o Brasil dos outros países da América Latina. E o pior é que atuação covarde das forças de esquerda, que não mobilizam a população para as grandes mudanças deste país, só ajudam a perpetuá-la. Sem contar a passividade, a vocação burocrática e “apolítica” do governo Dilma(como se ser “apolítico” também não fôsse uma forma de fazer política, só que conservadora) que também nos mostram o quanto estamos longe do efeito tango. E olha que nem falei da diferença de postura das duas presidentas.