A história será a prisão perpétua dos criminosos da ditadura

Crônica

Em 31 de março de 1964 teve início um dos períodos mais infames da história da humanidade. Eu tinha cinco anos. Meu pai abandonara a minha mãe havia pouco tempo e por isso eu e ela fomos viver com seus pais. Como o meu avô estivesse definhando devido a um câncer nos pulmões a família optou por uma prática comum à época, em São Paulo: residir em hotel.

Vivíamos no elegante hotel Danúbio, na avenida Brigadeiro Luiz Antonio, com suas termas que atraíam a nata da elite paulistana. Lembro-me de mãe e avó acendendo velas e rezando naquela tarde que ficou cravada em minha memória. Lembro-me de que estavam assustadas. Lembro-me do som dos tiros do lado de fora e de como a tensão delas me aterrorizou.

Lembro-me de como a minha família, que repudiava o golpe, só falava do assunto em privado. E de como, mesmo estando dentro de casa, só conversava aos sussurros. Pequeno como era, durante ainda alguns anos acreditei que “os generais” – como mamãe chamava a ditadura – poderiam ver o que eu fazia até quando estivesse no banheiro.

Alguns poucos anos depois, a minha família foi expulsa de um restaurante porque,  por minha mãe ter me negado uma sobremesa ou um refrigerante – não me lembro bem –, como bom moleque pirracento comecei a repetir, uma vez após outra – e em alto e bom som –, a palavra proibida: “comunista”.

Oito anos depois, em 1972, ainda residindo no mesmo hotel e agora adolescente, fizera amizade com Daniel,  que residia na rua Major Diogo.  Tinha quatro anos a mais do que eu e se tornara companheiro de pedaladas pela cidade. Nossas bicicletas se encontraram uma vez e não se separaram mais…

Até que fossem separadas.

Daniel era negro. Vivia em um cortiço com a família. Quando nossas bicicletas se encontravam ali na rua Martiniano de Carvalho e saíamos pedalando pela cidade, ele sempre me falava de um movimento em que se engajara para “lutar contra a repressão”, a qual, apesar de então estar diminuindo, ainda era intensa.

Uma vez, fui com Daniel ao colégio Equipe participar de um encontro de conspiradores contra a ditadura. Ouvi falarem em tortura, em mortes. Fiquei apavorado. Era um adolescente. Tinha 13 anos. Tive muito medo. Contei para a minha família, que ficou furiosa com o convite que recebi e me proibiu de ver meu amigo.

Por algum tempo, obedeci. Depois acabei me revoltando com a proibição. Fui procurá-lo, mas sua família havia se mudado e o próprio Daniel nunca mais fora visto. O dono da adega na rua Humaitá, onde Daniel sempre tomava “um goró” antes de sairmos pedalando, disse-me, aos sussurros, que “os homens” o tinham levado…

Era, então, 1973. Agora, tinha 14 anos. Não entendia, ainda, o por que de tudo aquilo. Como era hábito da família ler o Estadão, que assinávamos, comecei a buscar nas páginas do jornal alguma informação mais inteligível sobre por que acontecia tudo aquilo no país. Todavia, nada encontrava. O fato é que o Brasil que aparecia no jornal era um país de mentira.

Nunca mais parei de ler jornal. Percebi, tão jovem, que é preciso estar informado, ainda que mal informado, porque da informação distorcida pode partir a busca da verdade. E  nunca parei de me sentir culpado por ter me omitido, mesmo sendo um mero adolescente à época em que tantos deram as suas vidas pela democracia.

Chegou 1989, ano da verdadeira redemocratização, com a primeira eleição direta para presidente desde o início dos anos 1960. Haviam se passado quase 30 anos desde que este país pudera votar. Finalmente havíamos nos libertado do jugo daqueles vermes que colocaram o país de joelhos.

Vi os mesmos jornais e televisões que jogaram o país na ditadura agora tentando manipulá-lo por outros meios. Quando Collor surgiu e aqueles veículos começaram a bombardear Lula, logo percebi que estavam ajudando a dar outro golpe no país.

Todavia, estava empenhado em sustentar mulher e três filhos. Com dificuldade, porque aqueles foram anos terríveis para o Brasil. Assisti à farsa montada pela Globo e companhia e que redundou na eleição de alguém cuja palavra picareta eu podia ler na testa, quando ele aparecia na tevê.

Durante a campanha eleitoral de 1989, comecei a discutir política no trabalho. Entretanto, logo recebi recado da gerência da empresa de que esta não aceitava “agitação política” e que não tolerava empregados “petistas”. Vejam só. Como precisasse do emprego, calei-me de novo.

Mas, desta feita, foi por pouco tempo. Logo percebi que precisava ser livre e ousei dar um passo: pedi demissão e fui trabalhar por conta própria. Uma coisa levou a outra. Ganhei até mais dinheiro do que quando era empregado e acabei fundando o meu próprio negócio, com mais dois sócios, em 1991.

Livre, comecei a escrever ao jornal que me introduziu nas grandes questões de interesse público. E o que me surpreendeu foi que começou a publicar algumas de minhas cartas de leitor. Mas percebi, também, que o Estadão só me publicava quando não batia muito de frente com as suas idéias reacionárias de ex-mural de recados da ditadura.

Quando a internet chegou ao Brasil, em meados da década de 1990, e o Estadão começou a publicar os endereços de e-mail dos leitores, tive a ideia de ir formando uma lista com esses endereços, aos quais escrevia textos contrariando a linha editorial do jornal ultraconservador. Minha lista de emails chegou a ter mais de mil pessoas.

Em 2005, tive a idéia de criar este blog. Dois anos depois, com leitores desta página fundei o Movimento dos Sem Mídia. Mais dois anos e o jornal Folha de São Paulo esbofeteia o país publicando um editorial que afirmou que a ditadura militar brasileira não teria sido uma ditadura, mas uma ditabranda.

Chegara a hora de fazer o que não fizera na juventude. Agora quarentão, resgataria aquele menino de treze anos assustado com o regime dos generais.

Através do blog, convoquei o primeiro ato de protesto do pós-redemocratização das vítimas da ditadura contra um dos jornais que ajudaram a jogar o país nela. Em 7 de março daquele ano, através de convocação deste blog, pelo menos meio milhar de cidadãos se reuniu diante do jornal Folha de São Paulo para protestar contra aquele editorial indigno.

O ato foi tão forte, tão significativo, com presença maciça de movimentos sociais, da UNE, da CUT, do Fórum de Presos Políticos, do Tortura Nunca Mais etc., que, no dia seguinte, a Folha reconheceu, em nota, o equívoco de seu editorial.

—–

Folha de São Paulo

8 de março de 2009

Manifestação contra Folha reúne 300 pessoas em frente ao jornal

Militantes fazem desagravo a professores, que não comparecem a evento

DA REPORTAGEM LOCAL

Cerca de 300 pessoas participaram ontem pela manhã de manifestação contra a Folha em frente à sede do jornal, na região central de São Paulo.

O ato público tinha o duplo objetivo de protestar contra editorial publicado pelo jornal no dia 17 de fevereiro, que usou a expressão “ditabranda” para caracterizar o regime militar brasileiro (1964-1985), e prestar solidariedade aos professores Maria Victoria Benevides e Fábio Konder Comparato. Nenhum dos dois estava presente.

A Folha publicou no “Painel do Leitor” 21 cartas sobre o assunto, 18 delas críticas aos termos do editorial, entre as quais as assinadas por Benevides e Comparato. Segundo escreveu este último, o autor do editorial e o diretor de Redação que o aprovou “deveriam ser condenados a ficar de joelhos em praça pública e pedir perdão ao povo brasileiro”.

Em resposta, o jornal classificou a indignação dos professores de “cínica e mentirosa”, argumentando que, sendo figuras públicas, não manifestavam o mesmo repúdio a ditaduras de esquerda, como a cubana.

Desde então, além de cartas, o jornal vem publicando artigos a respeito da polêmica, alguns dos quais com críticas ou reparos à própria Folha.

O protesto de ontem foi organizado pelo Movimento dos Sem-Mídia, idealizado pelo blogueiro Eduardo Guimarães. O público era composto na sua maioria por familiares de vítimas da ditadura, estudantes e sindicalistas ligados à CUT.

*

Folha avalia que errou, mas reitera críticas

DA REDAÇÃO

O diretor de Redação da Folha, Otavio Frias Filho, divulgou ontem as seguintes declarações:

“O uso da expressão “ditabranda” em editorial de 17 de fevereiro passado foi um erro. O termo tem uma conotação leviana que não se presta à gravidade do assunto. Todas as ditaduras são igualmente abomináveis.

Do ponto de vista histórico, porém, é um fato que a ditadura militar brasileira, com toda a sua truculência, foi menos repressiva que as congêneres argentina, uruguaia e chilena -ou que a ditadura cubana, de esquerda.

A nota publicada juntamente com as mensagens dos professores Comparato e Benevides na edição de 20 de fevereiro reagiu com rispidez a uma imprecação ríspida: que os responsáveis pelo editorial fossem forçados, “de joelhos”, a uma autocrítica em praça pública.

Para se arvorar em tutores do comportamento democrático alheio, falta a esses democratas de fachada mostrar que repudiam, com o mesmo furor inquisitorial, os métodos das ditaduras de esquerda com as quais simpatizam.”

Otavio Frias Filho

—–

Quando assisti ao vídeo dos jovens que, em São Paulo e no Rio de Janeiro, durante esta semana foram apupar os velhacos torturadores que foram comemorar os próprios crimes nos clubes militares, senti que ao ter criado este blog, o Movimento dos Sem Mídia e ao ter convocado o ato contra a Ditabranda, de alguma forma me redimi de minha omissão pretérita.

Será aplicada à ditadura e aos seus integrantes vivos e mortos uma pena da qual jamais conseguirão se evadir. Com o empenho tardio de pessoas como eu, com a Comissão da Verdade e, acima de tudo, com a disposição desses jovens valentes que o vídeo acima mostra, a história será a prisão na qual os criminosos da ditadura cumprirão pena para sempre.

193 comments

  • O MEGALOPINICO dos Civitas, o Reinaldo Azevedo, tá feliz da vida por que o chefinho dele, o PoliCRÁPULA Jr. é chamado de “foda” pelo Cachoeira. O tí(o)tere da Abril sabe, mas finge desconhecer, que conversas desse tipo são PREVIAMENTE combinadas, é um álibi para caso a tramóia venha a público. Portanto, tí(o)tere, pode chamar seu chefinho de foda. Mas mais foda somos nós, que não caimos nesse engodo da Abril.

    • Parece que o cabeção ta querendo é acabar com Policarpo, o texto dele deixa claro a intimidade do Policarpo com a organização do Cachoeira, por que será?

      • Já ouviu falar em álibi prévio?

        Pois é, os mafiosos são mestres na arte de fornecer o dito cujo aos que os auxiliam na integração com as instituições legais.

        Policarpo é “phoda”, mesmo, providenciou o atestado como garantia, para poder prestar e receber, os caudalosos serviços.

        Está em dúvida?
        Cheque em qual telefone foi feita a gravação, se nos “especiais” americanos ou se em um de uso normal dos mafiosos.

        Simples assim.

  • Discordo, Eduardo. Não há que se falar em “omissão pretérita” ou “empenho tardio”. Vc era uma criança. Seja menos implacável consigo mesmo…

    • Eu tinha quase um metro e setenta, pesava 65 quilos, e outros como eu foram, Valeria. Jamais me perdoei por não ter aceitado a convocação do Daniel.

      • Também discordo. Ficar se culpando não adianta nada, pelo contrário, só nos deixa preso em uma situação sobre

        a qual não tinhamos condições de fazer melhor. Eu sou mais velho que você e minha ficha só caiu quando vi o Lula

        pela primeira vez na tv, num programa da TV Tupi, acho quem em 77. Quando você era adolescente não adiantava

        queimar etapa, você tinha que viver a sua juventude. O que faz TODA DIFERENÇA É O QUE ESTAMOS FAZENDO

        AGORA.

      • Você era jovem demais para ter aceito o convite do Daniel naquela época. Talvez você tenha aceito e deixado para a época oportuna. Quem garante que você estaria aqui agora para contar essa história? Não houve omissão alguma. Houve impossibilidade. O que você faz hoje pela democracia é muito maior do que você pudesse ter feito naquela época, com tão pouca idade. Não se culpe pelo que não fez ou pelo que acha que poderia ter feito. Orgulhe-se do que você faz hoje e pelo que ainda poderá fazer pelo futuro da nossa democracia, ainda tão fragilizada. A resistência contra o pensamento autoritário, como legado da ditadura, ainda se faz necessária. Isso você tem feito com grandeza de caráter, com inteligência e muita coragem.

          • Eduardo, concordo inteiramente com a Maria Luiza, voce é e esta sendo importante aqui e agora. Tive a a oportunidade de conversar com um jovem que participou da manifestação em frente ao clube militar do rio que fez o seguinte comentario:…” quase não tinha pessoas com mais idade na manifestação…”.Eduardo, isto por um lado é positivo, porém precisamos nos juntar a estes jovens na rua e deixar um pouco a comodidade do teclado, tenho , tambem, 53 anos e preciso seguir o seu exemplo de luta que transcende o conforto do lar, voce é hoje um jovem revolucionário de 53 anos, mais com a etica e a disposição da juventude, voce não usa a cinica maturidade que muitos utilizam para justificar a omissão hipocrita e canalha, encastelados nos seus gabinetes. Parabens, e vamos nos juntar aos jovens como jovens.

      • Exerça o perdão sobre você mesmo…Não se preocupe, nada dá errado por acaso…Compreender isso é SABEDORIA…Até o sentimento de culpa, estava te capacitando para a tarefa futura. Que, não por acaso, é AGORA! Foi o que intui ao ler o post…Abraços e beijo na Victória!

  • Naquele momento,você não tinha compreenção do que acontecia.Muito jovem,não era a hora.A história te deu uma outra luta, uma outra revolução para liderar.Pela sensibilidade e coragem,você intuiu e agarrou lindamente essa causa.Viviamos ,e infelizmente ainda vivemos, em uma outra ditadura.que calava a nossa voz,e torturava a nossa alma.Você e outros companheiros e companheiras da blogpro , vieram da voz e espaço de luta e mobilização a milhares de pessoas,que estavam oprimidas por essa mídia burra e vendida.Cada um tem seu momento,Edu.O seu é agora,e você sabe como te admiramos, e precisamos de sua coragem nessa batalha.

  • Edu, muitos de nós existimos hoje por causa de gente como o senhor, que nos deu voz e vez.
    O governo Lula não esmoreceu por causa de gente como o senhor. O senhor contribuiu para o Brasil ser o que é hoje. Tudo, sem deflagrar um só tiro. Apenas com palavras. Essa é a verdadeira revolução…
    Sem querer desmerecer aqueles que foram obrigados a pegar em armas pelos idos de 60 e 70 e morreram lutando. Nossos heróis.
    Todos contribuíram para o que o Brasil é hoje, pós Lula. E vamos que vamos, pois os golpistas ainda estão na ativa tentando dar um novo golpe, branco e midiático. A luta continua…

  • O senhor foi resguardado para o momento Lula. Sem o senhor, PHA, Azenha, Nassif e todos os demais blogueiros sujos o governo Lula teria esmorecido diante dos golpistas. A luta continua com Dilma.

  • É tão triste a história que voce conta que cala fundo no coração e na mente. A imagem que ilustra este post tem o retrato pendurado de um desaparecido político que conheci quando estudante, era JOSÉ ARANTES. Se me permite vou falar dele porque é necessário ter a dimensão do que perdemos com a ditadura. Era um estudante de física, como tantos outros, inteligente é pouco, inteligentíssimo como tantos outros; amava o Brasil seu povo sua história e queria um país mais integrado, justo, culto, humano, como tantos outros; sabia que a geopolítica norte americana para a América Latina promovia uma integração espoliativa e por isso, como tantos outros que se organizaram politicamente, denunciava e enfrentava o nacionalismo de fachada que mergulhou o país no obscurantismo de quase 30 anos. O horror dos porões da ditadura seifou uma geração de intelectuais da melhor estirpe

  • Independente deles serem ou não punidos oficialmente, o fato de a América do Sul ter eleito líderes de centro-esquerda é um grande castigo aos torturadores e seus apaniguados.

    Assim mesmo, é preciso que a Comissão da Verdade, mesmo não tendo os poderes que gostaríamos, faça um relatório com nomes dos torturadores e os que os apoiaram.

  • Estes jovens me deram uma esperança nova. Há alguns posts eu havia pedido que o pessoal protestasse contra os festejos da milicada estadunidense, o máximo que eu podia fazer, pois morando em Ressaquinha, e ainda com obrigações profissionais em Carandaí (cidade vizinha) não poderia nem mesmo comparecer. Houve como uma transmissão de pensamento. Mesmo que não tenham lido meu comentário, fizeram o que eu tinha vontade de fazer. BENDITA E CORAJOSA JUVENTUDE!

  • Caro Edu,

    Compreendi completamente seus sentimentos, pois também são os meus. Sou mais velho que você e ainda me pergunto porque levei tanto tempo para reagir, dizer claramente o que penso deste golpe, de toda a hipocrisia que sustentou o período, de toda a farsa montada, dos interesses escusos dos civis que se aproveitaram da ausência mínima de poderes constitucionais.

    Falo para os meus botões, que a minha precária educação infanto/juvenil, o local em que cresci e o bombardeio da mídia não me permitiram entender antes toda a podridão e a canalhice de que participou e se beneficiou da ditadura. Mas ainda assim, não me convenço, falta algo. Hoje, maduro, cabelos brancos, leitor assíduo do seu blog e de outra dezena “suja”, tem uma conduta que me parece adequada a sociedade. Procuro esclarecer os que ainda não entenderam as raízes dos nossos maiores problemas, muito deles até mesmo anteriores a ditadura. Mas ainda falta algo.

    Tenho profunda admiração pela sua obra, sobretudo porque, mesmo tendo seus sentimentos e provavelmente os mesmos desejos, me julgo incapaz de fazer algo do tamanho que você faz.

    Na verdade, neste momento, vendo você lamentar não ter podido acompanhar Daniel, sinto-me ainda menor, pois você já resgatou sua dívida (mesmo que você pense que ainda não) e eu ainda me sinto culpado.

    Tenho uma questão sempre presente quanto a este sentimento de dívida: jamis ouvi alguém que tenha participado de atos abomináveis demonstrar arrependimento – porque será?

    • Cada um faz o que pode, companheiro. Cada um sabe das próprias dificuldades. Hoje é fácil militar. E é o que os dois fazemos aqui neste blog. Sempre digo isso quando recebo ameaças: duro era fazer qualquer coisa naquela época. Hoje, não consigo mais sentir medo. Senti todo ele quando era muito jovem. Acho que fiquei vacinado.

    • “Tenho uma questão sempre presente quanto a este sentimento de dívida: jamis ouvi alguém que tenha participado de atos abomináveis demonstrar arrependimento – porque será?”

      Pq são todos psicopatas e megalomaníacos, ponto. Jamais sentirão arrependimento, pois nada sentem. E jamais admitirão que estavam errados.

    • Existe um outro grupo caro Svibra,que também me causa estranheza.Antigos amigos ,que agora encontro, alguns que militavam outros não,mas todos eram de esquerda. Agora todos estão bicudos ,embora alguns neguem,mas os discursos soltam penas azuis.Da maneira que falam do PT da esquerda e especialmente do lulopetismo , me levou a um pensamento ,que não sei se é muito duro.Parece ,que viviam aquele momento porque era bacana ser de esquerda,mas no fundo não tinham nenhum idealismo.Quando caiu o muro de Berlim,ficaram mais soltinhos.Agora quando surgiu o mensalão liberou geral,já não era preciso gostar do Lula ,acabou de vez a nescessidade de respeitar o passado.Podiam colocar todo o seu amor pela vida burquesa livremente.Como se de alguma forma ,se libertassem para curtir suas mordomias sem culpa.O que é uma bobagem.

    • A coragem desses manifestantes é no mínimo muito maior do que a que esses “velhinhos” tiveram ao estuprar filhas diante de pais amarrados, espancados e sob a mira de suas armas, muitas vezes para arrancar deles o que não sabiam. E os pais dos que foram protestar não tinham a tropa de choque que foi lá proteger esses pobres velhacos carcomidos pela própria maldade.

      • Primeiro, quem sabe se realmente algum daqueles que lá estavam cometeu tais crimes? Afinal todos os que passavam eram igualmente tratados, não havia, portanto, tratamento seletivo. Segundo, você mesmo disse os pais daqueles e não aqueles que lá estavam não tinham a tropa de choque para defende-los ademais, esta só entrou em ação quando uma das principais artérias do RJ foi bloqueada. Se tal ato fosse nos anos 1970, quando realmente existiam risco, concordaria com você. Também não sei por que utilizar aspas tal artifício, criado por Weber, seve para amenizar ou relativizar conceitos e o que havia lá eram sim velhinhos em sua grande maioria. Terceiro, qual é o problema em se realizar uma reunião pacífica em local privado? Onde está a liberdade de expressão? defendê-la quando concordamos com as idéias exaradas é muito fácil, penso que todos tem o direito de se reunir e debater temas dentro das regras da democracia.

        • Protestar contra a expressão dos outros TBM é liberdade de expressão.

          Ou será que ela deixou de ser uma liberdade pra ser um privilégio do seu grupinho d criminosos?

          Aliás, quem mais iria a uma reunião de militares aposentados pra comemorar a usurpação do poder, a negação da liberdade de expressão a todo o povo, as torturas, os estupros, os assassinatos, o terrorismo, s enão tivessem participado e não sentissem a menor vergonha de tê-lo feito?

          Quem não participou daquela baderna CERTAMENTE teria vergonha de comemorá-la ao lados de criminosos.

          Diferentemente de alguns que, hoje, não sentem a menor vergonha de defender a impunidade desses criminosos.

          • Protestar sim ,mas não constranger daquela forma. Se eles estivessem na praça XV ou em qualquer outro lugar tudo bem, mas aquilo foi a mais pura expressão do autoritarismo passa a ideia de que só pode manifestar-se quem concorda comigo e os outros não. Alguns próceres do humanismo também achavam que protestar a favor era permitido é só assistir as magníficas exibições que ocorrem na Coreia do Norte . Somente muita miopia ideológica para não entender isso. Quanto sua afirmação de que seriam “meu grupinho de criminosos” informo que nasci depois de 1985, portanto, não participei de qualquer crime que o governo militar tenha cometido. E um dos participantes, Heitor de Paola, foi membro da Ap e foi inclusive preso mais informações aqui http://www.heitordepaola.com/publicacoes_materia.asp?id_artigo=937. Eu também poderia afirmar que todos os militantes do PSOL, PT, PSTU, PCO, PCdoB são criminosos, afinal todos apoiam o regime cubano e quem iria a uma manifestação dessas a não ser aqueles que efetivamente participaram dos atos repressores do comunismo? Quanto ao senhor Roberto Pereira aí abaixo matou a pau por quê. Não vi em que passagem o blogueiro refutou minha colocação, ele apenas desviou o foco afirmando que quem compareceu ao clube não passaria de um criminoso. Afirmo novamente que a ação de apupar octogenários, participando de um grupo de centenas de manifestantes, não denota valentia, isso é inverter totalmente o conceito de coragem.

          • Livre manifestação não quer dizer arrojar cusparadas em terceiros, isso é falta de educação. Na minha casa me ensinaram isso desde pequenininha. A você não? Assim como livre manifestação não quer dizer agredir um doente de câncer na rua a pauladas, como fizeram com Mario Covas. A Liberdade de um cidadão vai até onde começa a do outro. Sei que é uma linha tênue e que alguns não conseguem se equilibrar nela. Para os que não sabem, em Londres, no Hide Park, há um cantinho destinado às pessoas que querem se manifestar contra o que acham errado. Qualquer coisa. Lá a livre expressão de pensamento funciona plenamente, desde que não agrida fisicamente outrem. Deveríamos adotar a mesma coisa por aqui, mas, aí aparece a tal linha tênue da qual falei.

          • “Protestar, mas não constranger”. Gozado vc se precupar com isso, já que aqueles que defende sequer se incomodaram em constranger – eles simplesmente matavam, torturavam e estupravam mesmo.

            Não que isso importe, é claro. Mesmo o pior dos seres humanos tem o direito de não ser agredido, e a palhaçada do “olho por olho” é coisa da turminha de vcs da direita.

            Mas quando foram agredidos? Ao serem chamados de assassinos? Não, já que é exatamente o que são. Ao serem “constrangidos” a ouvir a verdade gritada em seus pobres ouvidinhos? Certamente que não, a menos que se alegue que os gritos lhes feriram os sentimentos, a pele de cobra e o coração de pedra.

            É realmente interessante que eles não tiveram os “sentimentos feridos” ao estuprar pessoas na frente dos esposos e pais. Mas agora vc quer impedir as pessoas de despejarem sobre eles a ventania que eles mesmos semearam apelando para essas “sensibilidades”. Afinal, como exposto, é a única “violência” sobre a qual se pode falar.

            Mas o mais ridículo disso tudo é que gente como vcs dois, de alma minúscula, jamais disseram uma palavra condenando os atos criminosos desses animais, mas apenas reclamam deles terem que ouvir a verdade gritada com a voz de uma geração posterior à que eles calaram brutalmente.

            Teve gente naquela manifestação que perdeu os pais, mas vcs só vêem o sofrimento dos “pobres coitados” dos “velhinhos” assassinos – e que sentem ORGULHO do que fizeram.

            E, pior, ainda tentam mudar de assunto falando em Cuba, como se fosse possível comparar o que ocorreu em durante uma REVOLUÇÃO armada e na esteira de um sem número de tentativas de invasões militares estrangeiras, com o que ocorreu no Brasil. Situações absolutamente incomparáveis, de natureza e essência diversas, ocorridas em tempos diferentes e em contextos absolutamente desconexos, mas nada disso importa pra quem quer apenas – e desesperadamente – mudar de assunto.

            E não importa se vc nasceu em 85 ou ontem. Se vc defende os torturadores, estupradores, usurpadores e assassinos de 64, vc É da “turminha” deles.

            E se eles tem o direito de comemorarem seus atos criminosos e sua impunidade vergonhosa, com o único objetivo de confrontar, afrontar, provocar, muito maior direito nos assiste de condená-los por tudo o que fizeram. E na cara deles, sim, chamando-os daquilo que são.

        • Todos que estavam lá ,concordam e apoiam todos os crimes, tortura e abusos cometidos na ditadura.Quando aconteceu o golpe ,você ainda poderia dizer que alguns não iriam concordar.Mas depois do ocorrido, ainda comemorar,é afrontar a todos que respeitam a vida e a democracia.Foram lá para zombar das famílias que procuram seus parentes que foram barbaramente torturados ,e até hoje estão desaparecidos.

        • Concordo em parte. Fica difícil separar, passadas quase quatro décadas, quem, como Sergio Macaco, recusou-se a participar dos crimes de tortura e assassinato daqueles que cometeram atos iníquos contra pessoas. Considere que estes ultimos jamais admitirão suas covardias e foi pensando neles que, ao assistir o video, exclamei aquela conclusão antológica; filhos da puta também envelhecem.

        • Os que ainda teimam em defender uma ditadura de 21 anos, as torturas e os assassinatos de pessoas indefesas, provocando acintosamente uma sociedade que hoje vive em paz e em democracia, têm sim que arcar com essas manifestações de protesto. Se não que fiquem em casa sossegados.

    • Velhinhos? Onde foi que vc viu “velhinhos”.

      Eu só vi assassinos, estupradores, torturadores e terroristas se borrando de medo agora que não tem mais as forças armadas pra bancar seu sadismo patológico.

        • Ah, tá. Vc achou que estava vendo fotos de um asilo de idosos.

          Lamento acordá-lo de seu sono, mas aquele era o antro dos ditadores e aqueles que estavam lá, na realidade, eram criminosos velhos e sujos, a escória da escória da espécie humana, que sentia prazer em provocar sofrimento aos “inimigos” em nome da própria megalomania e privilégios.

          Gente que acobertou, autorizou, permitiu e até mesmo participou de estupros individuais e do estupro coletivo do país.

          É esse o tipo de gente que vc vê como “coitados” – gente que o teria torturado por ousar defender os velhinhos de verdade que foram submetidos às suas barbáries. E hoje estariam comemorando o fato de terem feito isso e não apenas saído impunes, mas sendo defendidos, pois este é um país de trouxas.

        • A diferença que nem vc nem o outro Zé Ruela conseguem entender é que não é questão de machismo ou de coragem.

          É questão de justiça. Um conceito sobre o qual vcs não entendem porcaria nenhuma.

          Os criminosos militares, estupradores, torturadores, ususpadores, traidores e assassinos MERECEM ser humilhados, como uma vez humilharam todo um país, pois jamais foram responsabilizados e punidos por seus crimes e FUGIRAM covardemente da responsabilidade com uma lei feita sob a mira de suas metralhadoras.

          E gente como vc ainda tem a cara de pau de reclamar da “falta de coragem” de quem chama esses cães daquilo que eles são.

          Vão catar coquinho.

    • Ô Carlos, você não sabe o que está falando. Um amigo, o Teo, blogueiro progressista ligado ao PCdoB esteve no protesto. Contou que os policiais agrediram os estudantes, inclusive meninas de 16 anos, com armas taser, de borracha, spray de pimenta e descarga elétrica. Mesmo assim não se intimidaram e protestaram ainda com mais ênfase.
      Não está vendo esse rapaz no chão? Assista o vídeo, ele levou choque elétrico mesmo depois de imobilizado no chão

  • Tinha 11 anos qdo se deu o golpe. A única coisa que lembro era o medo.
    Minha mãe fez o meu pai queimar todos os seus livros sobre o comunismo.
    Outra coisa que me marcou, foi a foto de uma estudante, encostada numa porta de aço, de um comércio no centro de São Paulo, a perna dela sangrava…

    Qdo via na TV ou nos jornais fotos de comícios ou de eleições para presidente, ficava triste e pensava: qdo terei a oportunidade de votar para presidente? qdo vou poder participar de um comício ou de uma passeata?

    Só em 1982, já engajada no PT é que tive a oportunidade se sentir um pouquinho o gosto da democracia.

    Mas, a luta por eleições diretas para presidente, continuava. Participei do ato que reuniu mais de 1 milhão de pessoas, no centro de SP. Que coisa mais linda… mas, depois veio a frustração porque a emenda não foi aprovada.

    Em 1989, é claro que fiz campanha prô Lula. Me lembro daquele último debate… desliguei a TV e disse a mim mesma: o Lula perdeu a eleição! Foi muita sujeira que a mídia fez contra ele. Principalmente a globo.

    É necessário mostrar aos jovens, o que foi viver numa ditadura.
    Estou muito feliz em ver os jovens promovendo a Comissão da Verdade.
    Essa juventude, tem mais chance que nós mais velhos, influenciar outros jovens, há querer passar a limpo, o período negro da ditadura.

  • Criminosos apenas para você. Para mim e para a maior parte dos brasileiros, os militares reformados são os verdadeiros heróis do Brasil. Os homens que impediram que o Brasil hoje fosse uma Cuba.

    Estou conversando aqui com alguns amigos. Estamos pensando em ir ao Rio fazer uma homenagem a esses grandes brasileiros. Se os comunistas podem fazer protestos, nós também podemos homenagear os militares. Pena que eu moro longe do Rio e de São Paulo, os centros em que essas homenagens teriam a repercussão merecida.

    De qualquer forma, é bom saber que não ficaremos parados. E não adianta chorar, vocês não podem mudar a história.

    • Maior parte dos brasileiros? Saiu de onde essa informação? Da sua cabeça. A maior parte dos brasileiros não só abomina a ditadura como elegeu aquele que hoje é o maior símbolo de contestação a ela. Duas vezes. E, na terceira, elegeu aquela que ele indicou. Vocês estão relegados à lata de lixo da história. Mas espero que não só. Têm que ser punidos, nem que seja pela revelação dos vossos crimes ao país e ao mundo.

      • Bem, não é o que eu vejo aqui quando converso com as pessoas. Converso muito sobre este assunto com pessoas de todo o tipo e elas são unânimes em apoiar a Revolução. Todos, sem exceção, principalmente as pessoas que viveram essa época. Todas apoiam incondicionalmente os militares. O seu problema é que você só entrevista aquele pessoal que não sai do sindicato dos bancários, com boina vermelha e camisa com foto do Che Guevara. Aí não tem jeito, só vai dar gente contra mesmo. Lógico, foram os que saíram derrotados da luta e até hoje não engolem a derrota. Mas vá ao centão de São Paulo, fale com o povo que não tem partido nem ideologia e pergunte o que eles pensam sobre a Revolução. Mas antes esclareça a essas pessoas que era aquilo ou o comunismo, que era a Revolução ou Cuba. Pode ter certeza, todos serão a favor. Eu ainda não encontrei ninguém que ficasse contra.
        Quanto a punição, não vai acontecer coisa nenhuma. Você sabe muito bem disso. É preciso esclarecer os leitos: não haverá punição alguma. O Supremo já decidiu que a Lei da Anistia é constitucional. A Corte já pôs uma pedra sobre este assunto, já pôs uma pá de cal sobre este tema. Acabou! Vocês perderam!

        • Como v. sabe o que acontece no “centão”(??) de S.Paulo se você escreveu que mora longe? Os militares golpistas sempre seguraram a vaca para que os civis golpistas tirassem o leite. A fúria deles é por causa disso. Foram usados, muito bem usados. Apanharam no lombo e sairam de cena quietinhos, com o rabo entre as pernas. E são tão estúpidos que até hoje não perceberam isso.

        • Augusto, para tua informação, a maioria dos oficias não apoiou o golpe na democracia, não que fossem defensores do João Goulart, mas serem homens de honra, verdadeiros militares, que jamais se levantariam contra seus iguais. Lamarca foi um simbolo, mas não foi o único, você nem ao menos entende disso, pois foi apenas capacho de ditadores, um bando de civis canalhas que usaram a força desses bando de imbecis, que se diziam militares, pra implantarem o terror e conseguirem se locupletar com as riquezas de nossa nação, foi apenas e tão somente pilhagem, nada mais do que isso!!!

      • Além disso, Eduardo, não se pode descartar um novo levante. Esta hipótese sempre esteve e sempre estará posta na agenda do Brasil. Afinal de contas, a paciência do povo tem limites. Eu, particularmente — você sabe — apoiaria sem hesitar…

        • Pois é, valentão de internet, estaremos na trincheira em frente.
          Mas não queiram usar os soldados, cabos e sub-oficiais cujas famílias e filhos hoje podem estudar em universidades, comprar automóveis, viajar de avião, freqüentar o Barra Shopping e almoçar no Outback, graças aos governos do Lula e da Dilma.

        • Estou lendo fora do Brasil, e aqui já é Primeiro de Abril. Você comemora bem a data, hein “Augusto”? Não preciso de mais nenhuma mentira ou trote hoje. Valeu! kkkkkkk

        • Que pena, Augusto, como você disse, morar longe do Rio!
          Eu fui militar no Rio na época da ditadura e vi muita gente que a defendia depois ser pisoteado e esmagado como uma barata. Acho que você seria apenas mais uma insignificante barata!!
          O cidadão civil não tinha voz, era debochado e sofria de todo tipo de discriminação por quem usava uma farda militar.
          Não participei de nada disso mas fui testemunha de muitos abusos que relatados hoje seriam chocantes pra quem não viveu esse período.
          Se você aprova isso acho que você está defendendo quem praticava esses atos e gostaria de ter oportunidade de fazer o mesmo.talvez um enrustido, como era obrigatório aos soldados das SS, escolhidos a dedo!!
          Isso não surpreende ninguém, pois instinto criminoso é uma coisa comum a muitas mentes desequilibradas e frustradas por ter passado pela avida sem vivê-la e sem ter chegado a lugar nenhum.
          Acho que você é simplesmente mais um frustrado, quem sabe, !!
          Ainda espera acontecer um novo levante?
          Atualmente eu só tenho visto os burros levantarem o rabo para despejar… hummmm!
          Mas ainda tem muita gente abrindo a boca e despejando muita sujeira!!!!!
          Vai baixar em outra, cara, aqui não é o teu lugar!!!!

          • Apoiado Antenor. Era isso mesmo que eles faziam. E digo mais, são traidores à Pátria pois permitiram que os norte-americanos fizessem o levantamento aerofotogramétrico do território nacional. Logo, não há segredo nenhum sobre o Brasil que a U.S.ARMY não saiba. Por isso, que uma senhora, ligada ao Partido Democratas, ouviu de um norte-americano: – por que vocês não nos dão a Amazônia para nós? Nós a conhecemos melhor do que vocês.

            CENAS DA DITADURA MILITAR EM MINAS I – CENTRO DE JUIZ DE FORA

            Alguns estudantes de Direito da UFJF aguardavam o ônibus que os levaria ao campus, e conversavam animadamente. Eis que chega um oficial do Exército e dispara a seguinte frase:

            – entre paisanos eu me sinto com um santo em casa de prostitutas (o termo que ele usou foi a abreviatura vulgar desta palavra)

            CENAS DA DITADURA MILITAR EM MINAS II – FÓRUM DE SANTOS DUMONT

            Os militares invadiram o Fórum daquela cidade para exigir a condenação de um ”comunista”. Advogado amigo meu saíra antes da invasão para fazer seu lanche da tarde. Quando voltou, um soldado do Exército chegou-lhe a metralhadora contra a barriga. No gabinete do Juiz, os soldados com uma metralhadora apontada para a cabeça do magistrado o fizeram condenar o sujeito. O juiz então o condenou pelo crime de peculato culposo (detalhe: só pode ser cometido por mais de uma pessoa) com direito a sursis etc. Os militares, que não entendem nada do linguajar jurídico saíram festejando com tiros para cima. Quando o Fórum foi desocupado, o juiz disse ao advogado do condenado. Não recorra senão a minha sentença será reformada em instância superior e o seu constituinte ficará prejudicado.

            O Juiz depois dessa virou alcoólatra.

            Não refiro nomes, pois a maior parte dos protagonistas já faleceu, inclusive o advogado amigo que me narrou tudo. São fatos verídicos. Estes dois fatos ocorreram com dois a três anos de diferença entre eles.

        • Caramba Augusto… Agora deu medo aí desse seu comentário…
          Pois pelo que me consta não há no mundo um exemplo de
          ditadura capitalista que tivesse dado certo, e da mais a mais
          Cuba demonstrou claramente que uma ditadura comunista em
          um país de terceiro mundo pode dar bons resultados, muito mais
          do que numa ditadura capitalista como o Haiti por exemplo.

          Agora caro Augusto, se você tiver o mínimo de informação,
          poderá notar que o capitalismo está ruindo em todos os lugares, e
          só está resistindo aqueles países que aplicam na política e na
          economia os princípios socialistas, e assim, – PRESTA ATENÇÃO
          AUGUSTO, NO QUE EU ESTOU DIZENDO !!! – se em 1963 os
          grupos políticos, econômicos, religiosos e empresariais, mais
          reacionários do Brasil, não tivessem se associado aos estados unidos,
          e derrubado um governo legalmente constituído com certeza o Brasil
          não estaria nesta precárias condições que se encontra hoje.
          – PRESTA ATENÇÃO AUGUSTO !!! – Aqueles que hoje festejam a
          revolução foram os mesmos que levaram o Brasil ao buraco,
          quebrando a economia, pois no governo militar foi criando uma casta
          de políticos que institucionalizaram a corrupção em todos os níveis no Brasil.

          Agora Augusto -CONTINUA PRESTANDO ATENÇÃO MOÇO !!! – , a
          tendência no planeta é a implantação do socialismo, não há saída, pois
          agora já esta devidamente comprovado que a usura é maléfica e provoca a
          miséria, e tanto Cuba quanto a China mostram que o socialismo é mais justo,
          e o Brasil vai provar para ao mundo que é possível o socialismo em um pais
          democrático. E pode acreditar que indivíduos como você não
          vai impedir que tal aconteça.

          • Se você gosta tanto de Cuba, vá para lá. Não perca tempo. Já disse aqui, pago a passagem de todo mundo, mas tem de ir pra ficar, pra nunca mais voltar.

            A tendência do mundo é o socialismo???? Amigo, corra para um médico imediatamente, você não está passando nada bem.

            Até Cuba se rendeu e está patrocinando reformas econômicas.

            Socialismo??? Na China???

            Mas é bom para dar muita risada aqui. Nossa, que comédia!

            Você é maior comédia!

          • Confirmando o que diz João Paulo.
            A CIA estabeleceu no Brasil extensa rede, com o apoio de latifundiários comerciantes, industriais, amatilhando os radicais da direita, para atos de terror e sabotagem. As organizações de extrema direita da época: Ação de Vigilantes do Brasil, Grupo de Ação Patriótica, Patrulha da Democracia (promovia a formação de 15 “democratas” nos locais de trabalho, edifícios, bairros, clubes e até nas igrejas), Mobilitação Democrática Mineira e outras surgiam e operavam em todos os Estados, como forças para-militares, espécie de milícias fascistas. Foi em Minas onde esses bandos mais se desenvolveram, à sombra da Polícia Militar, cujo adestramento, estava a cargo da CIA. “A dor certa, no lugar certo, na intensidade certa, para o efeito desejado” era o lema do fascista Daniel (Dan) Mitrione, um dos adestradores. Foram esses Acordos de Cooperação Técnica (Ponto IV), firmados com os Estados Unidos, que permitiam a penetração e o contrôle das polícias estaduias do Brasil pelos estadunidenses.

        • Augusto,

          o único levante que vcs ainda podem fazer é aquele com a ajuda do viagra…e olhe lá.

          Militares nunca levantaram nada nesse país. Nunca tiveram poder pra levantar coisa alguma. Sem apoio externo, sem conjuntura favorável (ao estilo guerra-fria) etc., nunca sairiam dos quartéis, nem pra desfile de 7 de setembro.

          E mais que isso, o papel demolidor das instituições em função do capital, o golpe de 64 já fez. Hoje não precisa mais de cão de guarda para instituir a educação privada, a saúde privada, o monopólio das comunicações e tudo o mais que a ditadura fez, ou melhor, que os fantoches de farda fizeram em prol do capital. Hoje estamos tentando consertar o estrago, mas vai demorar décadas ainda.,

          Então, só sobrou mesmo o viagra pra vc levantar. No mais, o Eduardo está certo: vcs são página virada da história. Estão no limbo, pois o grande capital não precisa mais de vcs agora. O grande capital tem meios mais eficientes e mais “limpos”…não precisa mais de golpistas de direita na América Latina. Estão descartados totalmente. Hoje, qualquer rede de TV tem muito mais poder e serve bem melhor aos interesses do capital que qualquer general 4 estrelas e sua trupe. Vcs perderam sua função social de golpista pro Faustão e pra novela das 8. Olha que coisa! Ajudaram a construir sua propria cova dentro da história.

          Por sorte, as FAs brasileiras aos poucos vai se limpando de suas tralhas. Espero que junto com os novos caças, os novos submarinos e os novos equipamentos que estão sendo adquiridos agora, venham também novas mentalidades e que entenda-se de uma vez por todas qual é o papel real das FAs numa democracia (coisa que o clube militar não sabe e nem nunca soube).

          Militar não tem que ficar caçando ninguém, nem comunista e nem capitalista…militar tem que se subordinar ao poder civil eleito democraticamente e ponto final. É assim que agem as forçar armadas de primeiro mundo e não essas tralhas terceiro mundistas de farda (que se um dia enfrentasse um exército de primeiro mundo, não sobrava nem o cotuno, seriam dizimadas em dois segundos, como foram os milicos argentinos frente ao exército profissional da Inglaterra em 1982. Golpista só sabe cantar de galo contra estudante e dona de casa, na hora do vamo ver, meia dúzia de tropas de elite de Royal Navy colocou de quatro todo o “poderoso” exército golpista argentino, os “paladinos da liberdade contra o comunismo”…ah! tenha dó! Nem pra defender uma porcaria de uma ilha esses militares golpistas argentinos tinham condição, que dirá falar em nome de valores como a liberdade…e aqui no Brasil teria sido a mesma coisa…pois tanto na Argentina como no Brasil, golpistas lutaram e lutariam sozinhos, sem apoio da sociedade…e não se ganha guerra nenhuma assim) que ainda se tem por aqui, no Brasil e na América latina.

    • Quem quer mudar a história são tipos alienados como vc.

      Heróis são aqqueles que se sacrificam pelo bem dos outros. Não aqueles que sacrificam os outros pelo bem próprio.

      Mas imagino que cada um tenha os heróis que merecem. Os seus são torturadores, estupradores, terroristas e usurpadores que permanecem impunes e jamais sacrificaram uma gota de suor que fosse pelo bem do país. muito pelo contrário, foram os que detiveram o crescimento, concentraram as rendas, se dobravam e abaixavam, desavergonhadamente, as calças para os estadunidenses e seu capital.

      Usavam do discurso infantil e primário do medo imbecil que vc repete até hoje.

      Felizmente, ao contrário dos seus delírios patológicos, a imensa maioria dos brasileiros não mais crê na lavagem imunda que esses pulhas serviram ao povo através de suas ferramentas de propaganda, e abomina completamente tudo o que eles representavam.

      Apenas os nazistas, como vc, ainda acham que esses cães foram “heróis” de qualquer coisa.

      Heil Hitler e anauê pra vc!

        • Cuba só está desse jeito por causa e unicamente do bloqueio estadunidense, seu energúmeno! Os mafiosos e herdeiros do F. Batista que acharam asilo nos USA se vingaram. Vá lá e veja a punjança de um povo altivo, que embora não possua os bens materiais a que temos acesso, são infinitamente mais cultos que você!

    • HAHAHAHAHA !!! Augusto é o cara !

      ” Pena que eu moro longe do Rio e de São Paulo, os centros em que essas homenagens teriam a repercussão merecida.”

      Que pena que mora longe, hein Augusto ? Eu também fiquei triste por você. Mas gostei do escapismo. Assim é fácil.

      Mas Augusto me explica uma coisa. Você se declara um anti-comunista portanto é à favor do capitalismo e da “livre iniciativa”. Está na hora de você assumir que vive num país capitalista e trabalhar mais para comprar passagens de avião. É preciso manter vivo seus ideais.

      “De qualquer forma, é bom saber que não ficaremos parados.”

      Pois é rapaz, vá para a academia fazer um pouco de exercício.

      “E não adianta chorar, vocês não podem mudar a história.”

      Felizmente você também não pode mudar a história. E tal como está no título os criminosos terão a prisão perpétua da história. Mesmo que não haja tempo de encarcera-los ainda em vida.

      Torcida é uma coisa, burrice é outra.

    • Que conversa fiada mais rastaqüera, essa de dizer que o Brasil tornar-se-ia uma nova Cuba. Muda o disco, ô atrasado.
      Um ano depois do golpe, a ditadura foi fragorosamente derrotada nas eleições para governador, você sabia? Se não, vai se informar.

        • Eleições indiretas pra o executivo.

          Será que nem disso vc sabe?

          Cuba tbm tem eleições indiretas pra presidente, e mesmo o sistema deles é mais democrático do que o que aqui havia. Afinal, o presidente precisa ser indicado (e NÃO se candidatar) e eleito diretamente primeiro como um representante, pra depois ser indicado (e NÃO se candidatar) a presidente.

          Nem isso os militares brasileiros fizeram. Pra ser presidente, bastava ser indicado pelos generais e os “representantes do povo” (que precisavam de autorização militar pra se candidatarem pra começo de conversa) assinava embaixo sob a mira dos fuzis.

  • “Nenhuma cláusula oficial ou secreta acordada com quem quer que seja, nenhuma lógica de contenção das esquerdas, pode juridicamente e politicamente legitimar o terrorismo de Estado. A idéia de Estado e o respeito da soberania popular por parte destes grupos eversivos são, sob estes aspectos, idênticos aos regimes da Cortina de Ferro que eles diziam antagonizar. Para os setores implicados com a ditadura militar, aquele periodo não deve mais fazer parte do presente. Querem uma contemporaneidade que se nutra do não contemporâneo, onde a mídia, o show business e os marqueteiros inspirem-se plenamente, deformando, assim, nossos vínculos com aquele passado, sobretudo com o passado político. Querem liberar-se ”daquilo” para atuarem livremente nos espaços da globalização sob os auspícios de um eterno presente. O que não der para esconder no armário da vergonha pode ser transformado em memória oficial, institucionalizada. A Comissão da Verdade é mais do que necessária.

  • O Golpe de 64 foi a pagina mais infame da historia do Brasil.Foi um atraso de mais de vinte anos que ceifou lideranças politicas e o sonho de gerações que acreditavem num Brasil melhor.

    • Então você não conhece a história do Brasil. Não sabe que tivemos um período em que escravizamos negros, não sabe dos assassinatos do conde D¨Eu na guerra do Paraguai, da indigna e covarde deportação de Olga Prestes, dos assassinatos a sangue frio na revolução de trinta e mais , muito mais.
      Fui pesquisar o tal “período infame” e devo dizer que, apesar de não compactuar com os crimes contra a pessoa perpetrados por fascínoras do regime, encontrei isso;
      A Petrobrás aumentou a produção de 75 mil para 750 mil, construção de 4 portos e recuperação de outros 20, Eletrobrás, Nuclebrás , Embratel e Telebrás (antes, não havia ‘orelhões’ nas ruas nem se falava por telefone entre os Estados), usinas Angra I e Angra II, Desenvolvimento das Industrias Aeronáutica e Naval (em 1971 o Brasil foi o 2º maior construtor de navios do mundo).
      Pró-álcool, construção das maiores hidrelétricas do MUNDO: Tucuruí, Ilha Solteira, Jupiá e Itaipú ,exportações cresceram de 1,5 bilhões de dólares para 37 bilhões; o país ficou menos dependente do café, cujo valor das exportações passou de mais de 60% para menos de 20% do total.
      CNPq, FINEP, CAPES, INPS, IAPAS, DATAPREV, LBA, FUNABEM, FUNRURAL ,Programa de merenda escolar , FGTS, PIS, PASEP, EMBRAPA, EBTU, Implementação do Metrô em São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Recife e Fortaleza .
      INFRAERO, criação e modernização dos aeroportos brasileiros (Galeão, Guarulhos, Brasília, Confins, Campinas – Viracopos, Salvador, Manaus, implementação dos Pólos Petroquímicos, bacia de Campos , Polícia Federal, código Tributário Nacional, código de Mineração; Zona Franca de Manaus
      IBDF, INDA – Instituto de Desenvolvimento Agrário, Banco Central, SFH – Sistema Financeiro de Habitação , BNH , 13º salário, SUDAM . Reforma Administrativa, Agrária, Bancária, Eleitoral, Habitacional, Política e Universitária, rede ferroviária ampliada de 3 mil e remodelada para 11 mil Km;
      Frota mercante de 1 para 4 milhões de TDW, Corredores de exportações de Vitória, Santos, Paranaguá e Rio Grande, matrículas do ensino superior de 100 mil em 1964 para 1,3 milhões em 1981, abertura da Transamazônica com instalação de agrovilas, rodovia Belém-Brasília, Ferrovia do Aço (de Belo Horizonte a Volta Redonda), Ponte Rio-Niterói, rodovia Rio-Santos

      • Ué, mas vocês da direitalha não vivem dizendo que as estatais são o atraso do Brasil?
        Petrobrás, Eletrobrás, Vale do Rio Doce, Companhia Siderúrgica Nacional foram obras do Getúlio Vargas.
        Indústria automobilística, rodovias, aeroportos, portos, etc., do Juscelino.
        Eles não precisaram torturar e matar ninguém para isso.

      • 1974, Brasília, dez anos após a conquista do Brasil

        A economia está passando muito bem. As pessoas, muito mal. As estatísticas oficiais dizem que a ditadura militar ransformou o Brasil numa potência econômica, com um alto índice de crescimento do produto interno bruto. As estatísticas dizem que o número de brasileiros desnutridos passou dos vinte e sete milhões para setenta e dois milhões, dos quais treze milhões são tão maltratados pela fome que já nem conseguem correr.

        Retrato do Brasil, cadernos, São Paulo, Editora Três, 1984.

        ——-
        A época do Médici foi a da “modernização” e das exigências do capital trasnacional em desenvolver uma “cultura de massa”. Era o período da integração nacional nas telecomunicações e dos orelhões (com a obrigatoriedade da GLOBO, empresa privada, de veicular a ideologia oficial).
        Esse ”falso milagre” foi imposto pelo Banco Mundial e FMI. Os generais estavam no governo para solecitarem empréstimos e fazerem o interesse do capital internacional. O Povo brasileiro foi marginal nesse processo. Essa dívida astronomica foi o Lula quem pagou.

        • O que os militares golpistas souberam fazer muito bem foi endividar o pais.concentrar a renda,tornar o Brasil campeão de desigualdade social,fomentar a criminalidade do colarinho branco(já que a grande corrupção foi a tonica dos governos militares e quem se lembra do dossie Baumgarten ou das tais polonetas sabe do que estou falando),prender,torturar e matar quem pensasse de maneira diferente.Nisso tudo os golpistas foram imbativeis.

          • pelamordedeus DIMAS ..pára

            vc tem certeza que derivou dum espermatozóde que venceu a luta evolutiva de outros 10 milhões de vocês no útero materno ..eu hein?

            será que tu vieste de inseminação então ?

      • Pinochet também foi realizador. Toda a infraestrutura moderna do Chile foi construída por ele, mas foi um ditador e violador dos direitos humanos. E isto o povo não perdoa. E não tem de perdoar mesmo.
        Vocês tentaram fazer o nome em cima dos planos de governo do Juscelino, e não conseguiram. A Transamazônica não chegou ao fim. Pinochet pelo contrário construiu uma ”transamazônica” chilena, a Carretera Austral.

  • Eu discordo da ideia de que o conhecimento da verdade será suficiente pra puní-los com uma espécie de prisão domiciliar. Como vemos nos exemplos que aqui aparecem, tem muita gente que, ao saber da verdade, irá apenas incensá-los como heróis e vê-los como “velhinhos”.

    Mais, pelo vídeo, vemos que a PM está pronta pra disparar bombas contra quem os assediar. E não dá pra dizer que a PM está errada, pois a justiça de mão própria é SEMPRE errada e injusta, e a punição deles deveria ser providenciada pelo Estado, e não pelos particulares. Não deveríamos “ter” que puní-los dessa forma, pura e simplesmente. É pra isso que o Estado existe, afinal de contas!

    E um belo começo de punição seria cassar todas as pensões desses crápulas. Além de jamais terem pago pelo que fizeram, ainda recebem milhares de reais por mês do erário, como se tivessem sido servidores públicos, e não os usurpadores que foram.

      • Não. É evidente (e explícito no comentário) que não estava me referindo aos atos cometidos pela PM na manifestação – que foram absurdos, diga-se de passagem -, mas sim à reação a uma hipotética e futura situação onde algum grupo ou indivíduo resolva fazer justiça com as próprias mãos e a PM tenha que intervir pra impedir.

        Preciso desenhar com mais detalhes, ou já deu pra entender que vc, mais uma vez, perdeu uma excelente oportunidade de ficar calada?

  • O golpe de 64 não foi pra “combater comunismo” coisa nenhuma. Isso foi só o pretexto, porque o objetivo específico era um só: concentrar renda. E quem discordasse era taxado de “radical”, e quem resistisse era “terrorista”. Para todos estes a repressão era brutal.

    Resultado: as favelas do Rio e SP cresceram mil vezes, enquanto as áreas rurais do Nordeste ficaram desertas.

    • Ah, é? E os comunas? Lutavam para que? TODAS as organizações que praticaram terrorismo eram de esquerda e seus membros treinados em Cuba, URSS, Albânia e China.

      • Ô neocapachão de americano,

        O golpe foi dado pelas elites pra concentrar renda. Você acha que aquele processo inflacionário instaurado durante a ditadura, foi o quê, senão um instrumento eficiente e cruel de concentração de renda, ô neobobalhão manipulado pela redebobo?

        Tome tento, porque vergonha na cara, se tomou, não fez efeito em você.

  • Tenho o maior orgulho de poder dizer que eu estava lá em frente a FOLHA também! Obrigado Eduardo por ter nos dado a oportunidade da manifestação, ou melhor, das manifestações!

  • Eduardo Guimarães,

    Há um personagem bíblico, o Profeta Amós, que teve uma intervenção breve na trajetória de enfrentamento das injustiças em Israel.

    Contudo, a brevidade não desmereceu jamais o vigor da sua crítica e a importância que ela possuia. Tanto é que seu feito está registrado dentre os escritos proféticos e foram ensinados desde séculos antes de Cristo até hoje, alcançando difusão tanto entre os judeus quanto entre os cristãos, já passados quase uns 25 séculos.

    E há outra referência bíblica, sobre os trabalhadores da última hora, em que o Evangelho ensina que a eles devem-se os mesmos soldos que aos demais, um texto que muitas pessoas tem enorme dificuldade em compreender.

    Lembro-me de meu pai deixar panfletos minusculos em ônibus, em Campinas, em 1974, para que trabalhadores os pudessem encontrar… ele deixava de um em um, a cada viagem que fazia para ir trabalhar. Eu não entendia bem, tinha 8 anos, mas fazia igual a ele. Quando tinha chance de andar de ônibus, sentava-me em alguma cadeira e deixava um panfletinho, dos que pegava escondido em casa. Não tenho idéia se algum dia algum deles foi encontrado: mas era como meu pai fazia, então eu fazia também. Depois, fui com ele a algumas reuniões, não entendia o que diziam. Mas eu ia. Gostava disso.
    Em 1978, surgiram as greves dos metalúrgicos… e eu adorava, tinha 12 anos, e não entendia ainda. Mas ficava fascinado. Mataram o Santo Dias e meu pai foi à São Paulo, para a missa, celebrada por Dom Paulo. E eu me revoltei porque ele não me levou. Minha redenção começou em 1982, quando fui ajudar a pintar muros para a campanha do Lula a governador. Desde então, a luta se transformou em sentido de vida, lógica para todas as minhas dúvidas, razão e explicação para os acontecimentos. Deu-me inteligência e sentido. Participei de muitas lutas, muitos processos, estive com muitos desses atuais e passados líderes nacionais: Plínio de Arruda, Irma Passoni, Waldemar Rossi, Luiza Erundina, José Dirceu, Gushiken, Dom Pedro Casaldáliga, João Pedro Stedile, Frei Betto, José Graziano da Silva, Pepe Vargas, Paul Singer, Paulo Teixeira, Simão Pedro Chiovetti… a lista é grande e não cabe aqui. De vez em quando cito ou escrevo sobre eles em meu blog http://www.unipress.blog.br.

    Hoje, sinto que ainda me faltam conhecer vários desses expoentes da dignidade e da transformação do país, um deles, o grande e genial líder do Movimento dos Sem Mídia, sr. Eduardo Guimarães, cujo brio e lucidez são nobres e de um tirocínio perfeito, típico dos grandes profetas.

    Espero poder, um dia, encontrá-lo pessoalmente, para agradecer por tudo o que você tem feito, tão forte e fecundo.

    Um abraço!

  • Alo Eduardo: Parabéns pelo texto e reconhecendo que deixou de lutar com os heróis brasileiros que resistiram a essa época horrivel de ditadura, tortura e censura ocorrida no Brasil, apesar de saudosistas idiotas como esse dito Augusto que vem aqui no blog vomitar suas ” verdades”, verdades essas que mataram milhares de jovens brasileiros. Eu também sinto esse remorso por ter sido tão alienado naquela época, apesar de ser mais velho que voce. Mas nunca é tarde para reparar nosso passado, pois a luta continua e como diz o nosso reacionario Augusto, nós tambem estamos de olho vivo, prá que nunca mais se repita o periodo de trevas que o Brasil passou. Saudações.

  • Discordo do Pierri,o mais sensato seria colocar uma canga no pescoço de cada um desses militares delinquentes e golpistas,introduzi-los em uma jaula,para que fossem exibidos nas praças públicas das principais cidades do pais,não só como assassinos covardes,mas principalmente como verdadeiras aberrações da natureza.Depois do que,passariam o restante de suas malditas vidas enjaulados a pão e água.

    • Comentário mais estupido ! Em caso de golpe de estado, seja de esquerda, seja de direita, são tipos como você os primeiros a se apresentarem para torturar.

      • Mais canalha é vc,Orlando,e isso não me surpreende tendo em vista vc não passar de um baba ovos da direita assassina.Não sei como celerados como vc conseguem dormir a noite tendo cometido tantos crimes em nome de um suposto perigo vermelho que nunca existiu.Agora é verdade que se naquela época tivesse realmente sido vitoriosa uma improvavel revolução comunista e se eu já tivesse idade suficiente,gostaria de ver pessoas como vc sendo fuziladas.

  • Eduardo, a única coisa que eu fiz foi comparecer, aos 15 anos de idade, com alguns colegas de colégio, ao inesquecível comício de 13 de março de 1964.
    19 dias depois chegou a noite negra.

    • Esses reaças acham que grana é tudo. Você acha que tem grana que cure a dor no corpo e na alma de quem foi torturado?
      Cara você não tem a menor idéia do que é ser torturado. Física e moralmente. Se tivesse, não falaria uma estupidez dessa
      Recomendo que assista ao filme “Batismo de Sangue” que mostra a flagelo de Frei Tito, torturado pelo famigerado delegado Fleury

    • “Bolsa terrorista” é a pensão que os terroristas, torturadores, assassinos e estupradores de 64 que, além da vergonhosa impunidade, ainda recebem até hoje?

      Certamente que não. Gente como vc acha certo que esses criminosos sejam sustentados pelo dinheiro público, e só reclama da indenização àqueles que foram efetivamente torturados, presos ilegalmente, violentados, etc por eles.

      • vamos devagar

        Vc conhece Dom Paulo Evaristo Arns ?

        pois é ..à época, diante dos FATOS, se antecipando a qq reivindicação, ele teve a CORAGEM de listar 2 mil torturados e desaparecidos

        pois bem ..passado mais de 10 anos, após aprovarem a ajuda pras pessoas e famílias que efetivamente foram prejudicadas por aquelas ações violentas e ultrajantes ..mais de VINTE MIL aparecerem e se fizeram jus de receber a tal aposentadora

        interessante hein ? ..se eu não morasse no BRASIL e não conhecesse muito de nossa história diria até que a maioria tem direito ..mas, como aqui é o país que nasci e que conheço penso que muitos sequer entraram numa delegacia …re re re re ..tem teta gorda na parada companheiro

        http://www.youtube.com/watch?v=XIGvgZyscXU

        • Ah, falácia velha…

          Não são apenas os torturados e os parentes dos desaparecidos que tem direito à indenização.

          Qualquer cidadão que tenha sido preso ilegalmente, por exemplo, tem esse direito. Assim como os que foram exonerados do serviço público por perseguição, etc. Por isso a discrepância.

        • Romanelli, tenho um vizinho que foi expulso da aeronáutica quando estava para ser promovido (palavras dele) a sargento. Ele detesta Lula, PT e simpatiza com os “revolucionários e… recebeu a indenização em forme de promoção a oficial, não recordo a patente, que recebe de bom grado. Explica!

    • Armando Valadares não é aquele poeta pilantra que se fazia passar por paraplégico, para dizer que a polícia de Fidel Castro o fizera perder o movimento das pernas? E que os neobabacas de plantão acreditavam piamente nessa patranha? E que saiu de Cuba caminhando até o avião?

  • Sou mais velho do que você Edu (56).
    Fui criado em uma família que apesar de ser de Diamantina, terra de JK, eram todos udenistas.
    Mesmo assim quando falavam em política eram aos sussurros.
    Meu primeiro voto foi na Arena aqui em Belo Horizonte, influenciado pela minha tia.
    Só mais tarde fui acordando para a política e em todas as festas de família passamos (eu, minhas irmãs e cunhados) a fazer discursos inflamados, mas aí a ditadura já estava em decadência. Na minha primeira eleição para presidente não conseguimos convencer os mais velhos a votarem no Lula ,o que só conseguiríamos mais tarde quando da sua vitória.
    Sendo assim (como diz o Andre Lux) já fui um papagaio da direita e um filhote da ditadura. Quem dera eu ter a sua coragem, espírito de luta, e talento com as palavras.
    Você já faz muito por todos nós e pelo país e nos orgulhamos de você.
    Um grande abraço.

  • O que a politica delineada por João Goulart,bucava acima de tudo,era construir um pais altivo soberano e justo.E isso para as elites parasitarias era o cumulo dos absurdos,daí não só a participação nas conspirações que antecederam ao golpe,como seu financiamento e sustentação.Golpe alias planejado em Washington,com apoio logistico da quinta frota da marinha norte americana.E ainda tem gente que acredita que os cães hidrofobos que deram o golpe,são militares patriotas.Tão patriotas que um de seus principais representantes civis conhecido com Bob Fields(Roberto Campos)estava a serviço declaradamente de corporações financeiras multinacionais.Foram assassinos peçonhentos os tais cães hidrofobos que deram o golpe militar de 64.Chegam a ser grotescas figuras como esse Augusto.São palhaços ridiculos com as mãos sujas de sangue.

    • Isso mesmo, Dimas.
      Lincon Gordon: ”E’ uma ameaça aos nossos interesses no Brasil…Goulart acabou de anunciar a Reforma agrária, a nacionalização das refinerias e o fim da evasão de capitais para o exterior; e o embaixador o ataca. Da sua embaixada, enorme quantidade de dinheiro chove sobre os envenenadores da opinião pública e sobre aqueles que preparam o golpe. Todos os meios de comunicação defendem um manifesto que pede o golpe. Políticos e jornalistas invocam o messias de farda. A TV transmite filmes onde aparece o muro de Berlin dividindo as cidades brasileiras. A mídia exalta as virtudes do capital privado e a bravura dos militares, que impedem aos comunistas de roubarem a água. Nas avenidas das maiores cidades, a Marcha da Família com Deus pela Liberdade (organizada pela TFP). Gordon denuncia a conspiração comunista: o proprietário de terras Goulart é um traidor no momento de escolher entre a liberdade do dinheiro e a liberdade do cidadão.

      O governo golpista assinou um acordo que garantia aos investidores estrangeiros o reconhecimento de um status de extraterritorialidade. Reduziam-se impostos sobre os lucros; criavam-se grandes facilidades creditícias para os estrangeiros e contemporâneamente, anulavam-se todas as medidas tomadas pelo governo democratico de Goulart. O comando das Forças Armadas agiu vergonhosamente contra os interesses do Povo brasileiro. Tutelado por uma lei fascista de inspiração estadunidense conhecida por «lei de segurança nacional» que permitia sequestrar, prender, torturar, intimidir e reprimir os próprios cidadãos, Depois de degradar moral e socialmente o Povo brasileiro submetendo-o com violência, decidiram unilateralmente cancelar as proprias ações. Planejaram uma bomba no Rio Centro e saíram de cena.

    • papo inocente !!

      se hoje, com toda essa mídia o POVO não sabe o que se passa na cabeça de um abestalhado político, o que dirá naquele tempo ? ..a propósito, que modelo os ampararia, o de Jesus Cristo ?

      se nem sabedores da história muitos não sabem refletir, o que dirá de antes, quando muito tinham que tentar adivinhar o que viria

      sei sei ..e de quem ele era vice, de Janio ?! re re re re, diga-me com quem tu andas que te direi quem és ..depois de morto todos são santos

      EU QUERO, eu exijo ser ouvido sobre o querem fazer do país e da minha vida também ..se nem hoje dizem e assumem, ou querem OUVIR, a mim e a milhões, imagine antes, no tempo do DC8

      essa de revolução sem consulta nem aviso não é comigo, é golpe também

      http://www.google.com.br/imgres?q=Janio+Quadros&um=1&hl=pt-BR&sa=N&rlz=1C1SKPL_enBR450BR452&biw=1280&bih=906&tbm=isch&tbnid=XsxA6ta0pCJtsM:&imgrefurl=http://www.kuniyoshi.name/blog/index.php/mental/curiosidades&docid=Ueu9V53KNpdG4M&imgurl=http://www.kuniyoshi.name/blog/images/stories/Authors/janio%252520quadros%2525201.jpg&w=245&h=350&ei=qDd4T_SAJ_C00QGvqazjDQ&zoom=1&iact=hc&vpx=657&vpy=507&dur=1413&hovh=268&hovw=188&tx=90&ty=114&sig=107138781474328078117&page=1&tbnh=160&tbnw=112&start=0&ndsp=26&ved=1t:429,r:16,s:0

  • Tá tudo muito bem, eu só nunca entendi uma coisa: por quê civis afetados por ações da guerrilha nunca foram vítimas de compaixão por parte de vocês? Variás pessoas se feriram e até mesmo morreram em ações como assalto a bancos, explosões de bombas , e não receberam nunca qualquer tipo de ajuda ou indenização, ao contrário de alguns ”guerrilheiros” espertalhões. E então Edu, mártir dos comunistas armados, algo a dizer sobre isso. Ou pra vocês esses inocentes não passaram de baixas de guerra?

    • Engraçado esses caras. Falam das vítimas dos “terroristas”, mas nunca vemos suas fotos, nomes, nem seus sequer seus parentes aparecem.
      Onde estão essas pobres vítimas? Ninguém sabe, ninguém viu.

      • Com a internet é extremamente fácil responder ao Juliano. É só digitar ” vítimas do terrorismo brasileiro” no Google e aparecem pelo menos cem nomes com data de nascimento, estado de origem e modo como foram assassinados.
        Apesar de ser , antes de tudo, um legalista, tenho sérias restrições à lei da anistia. Tortura e assassinatos não devem ser crimes para esquecer ou perdoar. Ambos os lados precisam pagar pelos seus atos.

        • Na internet se acha de tudo, inclusive elefante que vôa e jumento com o nome de José Roberto. Com certeza houveram mortos do lado da repressão em trocas de tiro. Isso faz parte da guerra,
          O que não faz é torturar, estuprar e “desaparecer” o inimigo, sem que a família possa enterrar seu morto.

        • Sei, e vc acha que uma página que chame os guerrilheiros de “terroristas” é uma fonte confiável, não é mesmo?

          Ô dificuldade de enxergar o óbvio”!

          Mais, os criminosos miltares que restam ainda impunes julgaram e condenaram – e isso quando não assassinaram, torturaram e massacraram – os criminosos políticos da época. APENAS ELES restam impunes.

          Ou seja, esse papinho de que “tem que ser pros dois lados” não passa de uma desesperada tentativa de mudar o assunto, já que o que se deseja é a punição daqueles que sequer foram julgados por seus crimes.

      • Só um imbecil como você não viu fotos do Soldado Mário Kozel Filho, do Tenente Alberto Mendes Júnior e outros. Eu é que nunca vi fotos da Dilma depois de 30 dias de tortura- recorde mundial…

        • CENAS DA DITADURA MILITAR EM MINAS III – Barbacena

          Quando abriram a temporada de denúncias, três pessoas da cidade de Ressaquinha denunciaram o barbeiro Joaquim Esteves de Faria, que era uma pessoa inofensiva embora criticasse a religião e o capitalismo. Era ateu e comunista. O Exército, o prendeu e o deixou sob a guarda do Coronel Eurico de Alvarenga Mafra. A notícia de sua prisão caiu como uma bomba na cidade. Todos sabiam que Joaquim barbeiro era comunista, mas o sabiam inofensivo. Ele apenas externava a sua opinião.

          Sua família passou fome. Seus filhos foram discriminados na escola. Todo mundo tinha medo de entregar um pacote de arroz e outro de feijão para Dona Santa, sua esposa, com medo de serem enquadrados na Lei de Segurança Nacional por solidariedade a comunistas.

          Só que as pessoas mais representativas da cidade de Ressaquinha começaram a visitar o preso. Um certo dia, o Coronel Eurico deu de cara com o cunhado da sua sogra, o sr. Antônio Firmino de Souza, o capitalista do lugar. Noutras vezes ele encontrou com outros próceres, inclusive da política municipal, gente que havia apoiado a Revolução. E aí ficou sabendo da verdade. O senhor Joaquim Esteves de Faria foi libertado e o Inquérito Policial Militar instaurado contra ele não deu em nada.
          Ele mudou-se para Hermilo Alves, distrito do município de Carandaí. E faleceu recentemente. Várias pessoas de Ressaquinha ainda iam cortar o cabelo e fazer a barba com ele.

      • Ah claro, um um inocente é ferido pelo ato de alguém e o culpado é um terceiro, meu Deus. Vc é patético, não é a toa que seu ídolo é Fidel Castro. Quanto a nomes dessas pessoas, há vasta bibliografia sobre isso, larga a maconha e pesquise.

    • Primeiro, se alguém foi vítima desses ataques, foi vítima de um crime comum, cometido por indivíduos.

      Os que foram vítimas dos militares foram vítimas de um crime cometido pelo Estado.

      Vc tem ideia da diferença?

      É como argumentar que não “reclamamos” das vítimas de crimes que ocorrem todos os dias com o mesmo vigor.

      Segundo, além da diferença de qualidade, há uma enorme diferença de quantidade. Muitos, mas MUITOS mais foram vítimas do abuso do poder do Estado, em todos os níveis. Enquanto alguns indivíduos atingiram um punhado de pessoas de uma forma bastante específica, os criminosos de 64 atingiram TODO O PAÍS de forma geral.

      E isso sem falar da enorme quantidade de eventos “terroristas” forjados pelos golpistas de 64 – fatos públicos e notórios.

      Na verdade, a maioria dos que foram “vitimados” pelos “terroristas” nada tinham de inocentes, mas eram ligados ao aparato de terror estatal, apoiando e cometendo torturas e assassinatos.

      Os poucos inocentes que foram realmente vitimados precisam ser lembrados, é verdade. Mas é cuspir em seus rostos e memórias usá-los pra fingir que todas as ações violentas apenas atingiram inocentes, igualando-os aos verdadeiros terroristas que foram “justiçados” – e que, se não fossem, estariam vivos e impunes, vivendo do dinheiro publico, como tantos aí estão.

        • Ah, santa falácia… É tão evidente que me torra ter que responder o óbvio.

          Primeiro, nem todos os que foram presos, torturados, estuprados, assassinados, exonerados e perseguidos pelos militares cometeram qualquer crime. Muito pelo contrário, apenas um pequena, ínfima minoria deles realmente fez alguma coisa.

          E foram condenados e punidos.

          Segundo, não importa se cometeram ou não crimes. Tortura NÃO é pena, é violação de direitos fundamentais.

          Terceiro, quem recebe as indenizações teve seus direitos fundamentais violados pelo Estado da época. Foram torturados, estuprados, exonerados, perseguidos, etc de forma ilegal, imoral e injusta, ou perderam seus parentes pros assassinos covardes de uniforme.

          Preciso desenhar mais?

  • O Nordeste Cresce.gera empregos e Renda, só o PIG não vê.Em 2014,eles mudarão de idéia:

    Grupo alemão vai implantar fábrica de aerogeradores no Ceará
    Publicado: 31 de março de 2012 às 12:11 | Autor: Eliomar de Lima | Categoria(s): Brasil, Ceará, Economia | Sem Comentários

    O grupo alemão Furhländer vai lançar, às 11 horas da próxima terça-feira, a ordem de serviço para iniciar a construção de sua fábrica de aerogeradores. O empreendimento será localizada no Complexo Industrial do Porto do Pecém, na Rodovia CE 422- KM 10, em Caucaia (Região Metropolitana de Fortaleza).

    A assinatura da ordem de serviço terá a participação do ministro das Minas e Energia, Edson Lobão, do governador Cid Gomes e do deputado federal Antônio Balhmann (PSB-CE), que é o presidente da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Energia Alternativa no Congresso. São convidados do presidente da Fuhrländer, Joachim Fuhrländer.

    O investimentos é da ordem de R$ 45 milhões e deverá ficar pronto até dezembro deste ano. Segundo o grupo, deve gerar cerca de 300 empregos diretos e produzirá 20 aerogeradores por mês, que serão comercializados para todo o País.

  • Ao prezado Orlando Valisquez:
    O sistema Telebrás surgiu da necessidade de se propagandear os feitos do regime militar, haja visto que na Embratel, nas seções de transmissão de TV só entravam funcionários ‘devidamente autorizados’, sendo que em determinada época (que por coincidência foi a mesma da ditadura) havia até milicos fazendo guarda naqueles setores. Era uma espécie de censura ‘na marra’. Se o que tava circulando pelos canais de TV não agradava os verdinhos, cooooortaaaa!
    Se vc não lembra do Amaral Neto (o reporter….) dá uma pesquisada que talvez vc encontre. Era pura puxação de saco pro regime.
    A telefonia interestadual veio por tabela, até porque os milicos precisavam dela por questão de ‘segurança nacional’. Os satélites idem.
    Tem uma carteira de trabalho aqui na minha gaveta onde consta um registro com 18 (dezoito) anos de trabalho lá. O que não vivi e presenciei, soube através dos mais velhos lá dentro, portanto tenho conhecimento de janela sobre isso.
    E ademais, não dá pra justificar ditadura com isso, não. E depois, pra um direitista usar empresa estatal como argumento de eficiência, é porque tem alguma coisa errada aí, né merrmão!!!!

  • Ditadura nunca mais.

    Lembrança dos crimes da ditadura militar: fazei isso em memória delas São mulheres de diferentes cidades do Brasil. Algumas amamentavam. Outras, grávidas, pariram na prisão ou, com a violência sofrida, abortaram. Não mereciam o inferno pelo qual passaram, ainda que fossem bandidas e pistoleiras. Não eram. Eram estudantes, professoras, jornalistas, médicas, assistentes sociais, bancárias, donas de casa. Quase todas militantes, inconformadas com a ditadura militar que em 1964 derrubou o presidente eleito. Foram presas, torturadas, violentadas. Muitas morreram ou desapareceram lutando para que hoje nós vivêssemos numa democracia. As histórias de 45 dessas mulheres mortas ou desaparecidas estão contadas no livro “Luta, Substantivo Feminino”, lançado quinta-feira passada, na PUC de São Paulo, na presença de mais de 500 pessoas. O livro contém ainda o testemunho de 27 sobreviventes e muitas fotos. Se um poste ouvir os depoimentos dilacerantes delas, o poste vai chorar diante da covardia dos seus algozes. Dá vergonha viver num mundo que não foi capaz de impedir crimes hediondos contra mulheres indefesas, cometidos por agentes do Estado pagos com o dinheiro do contribuinte. Rose Nogueira – jornalista, presa em 1969, em São Paulo, onde vive hoje. “Sobe depressa, Miss Brasil’, dizia o torturador enquanto me empurrava e beliscava minhas nádegas escada acima no Dops. Eu sangrava e não tinha absorvente. Eram os ‘40 dias’ do parto. Riram mais ainda quando ele veio para cima de mim e abriu meu vestido. Segurei os seios, o leite escorreu. Eu sabia que estava com um cheiro de suor, de sangue, de leite azedo. Ele (delegado Fleury) ria, zombava do cheiro horrível e mexia em seu sexo por cima da calça com um olhar de louco. O torturador zombava: ‘Esse leitinho o nenê não vai ter mais’”. Izabel Fávero – professora, presa em 1970, em Nova Aurora (PR). Hoje, vive no Recife, onde é docente universitária: “Eu, meu companheiro e os pais dele fomos torturados a noite toda ali, um na frente do outro. Era muito choque elétrico. Fomos literalmente saqueados. Levaram tudo o que tínhamos: as economias do meu sogro, a roupa de cama e até o meu enxoval. No dia seguinte, eu e meu companheiro fomos torturados pelo capitão Júlio Cerdá Mendes e pelo tenente Mário Expedito Ostrovski. Foi pau de arara, choques elétricos, jogo de empurrar e ameaças de estupro. Eu estava grávida de dois meses, e eles estavam sabendo. No quinto dia, depois de muito choque, pau de arara, ameaça de estupro e insultos, eu abortei. Quando melhorei, voltaram a me torturar”. Hecilda Fontelles Veiga – estudante de Ciências Sociais, presa em 1971, em Brasília. Hoje, vive em Belém, onde é professora da Universidade Federal do Pará. “Quando fui presa, minha barriga de cinco meses de gravidez já estava bem visível. Fui levada à delegacia da Polícia Federal, onde, diante da minha recusa em dar informações a respeito de meu marido, Paulo Fontelles, comecei a ouvir, sob socos e pontapés: ‘Filho dessa raça não deve nascer’. (…) me colocaram na cadeira do dragão, bateram em meu rosto, pescoço, pernas, e fui submetida à ‘tortura cientifica’. Da cadeira em que sentávamos saíam uns fios, que subiam pelas pernas e eram amarrados nos seios. As sensações que aquilo provocava eram indescritíveis: calor, frio, asfixia. Aí, levaram-me ao hospital da Guarnição de Brasília, onde fiquei até o nascimento do Paulo. Nesse dia, para apressar as coisas, o médico, irritadíssimo, induziu o parto e fez o corte sem anestesia”. Yara Spadini – assistente social presa em 1971, em São Paulo. Hoje, vive na mesma cidade, onde é professora aposentada da PUC. “Era muita gente em volta de mim. Um deles me deu pontapés e disse: ‘Você, com essa cara de filha de Maria, é uma filha da puta’. E me dava chutes. Depois, me levaram para a sala de tortura. Aí, começaram a me dar choques direto da tomada no tornozelo. Eram choques seguidos no mesmo lugar”. Inês Etienne Romeu – bancária, presa em São Paulo, em 1971. Hoje, vive em Belo Horizonte. “Fui conduzida para uma casa em Petrópolis. O dr. Roberto, um dos mais brutais torturadores, arrastou-me pelo chão, segurando-me pelos cabelos. Depois, tentou me estrangular e só me largou quando perdi os sentidos. Esbofetearam-me e deram-me pancadas na cabeça. Fui espancada várias vezes e levava choques elétricos na cabeça, nos pés, nas mãos e nos seios. O ‘Márcio’ invadia minha cela para ‘examinar’ meu ânus e verificar se o ‘Camarão’ havia praticado sodomia comigo. Esse mesmo ‘Márcio’ obrigou-me a segurar seu pênis, enquanto se contorcia obscenamente. Durante esse período fui estuprada duas vezes pelo ‘Camarão’ e era obrigada a limpar a cozinha completamente nua, ouvindo gracejos e obscenidades, os mais grosseiros”. Ignez Maria Raminger – estudante de Medicina Veterinária presa em 1970, em Porto Alegre, onde trabalha atualmente como técnica da Secretaria de Saúde. “Fui levada para o Dops, onde me submeteram a torturas como cadeira do dragão e pau de arara. Davam choques em várias partes do corpo, inclusive nos genitais. De violência sexual, só não houve cópula, mas metiam os dedos na minha vagina, enfiavam cassetete no ânus. Isso, além das obscenidades que falavam. Havia muita humilhação. E eu fui muito torturada, juntamente com o Gustavo [Buarque Schiller], porque descobriram que era meu companheiro”. Dilea Frate – estudante de Jornalismo presa em 1975, em São Paulo. Hoje, vive no Rio de Janeiro, onde é jornalista e escritora. “Dois homens entraram em casa e me sequestraram, juntamente com meu marido, o jornalista Paulo Markun. No DOI-Codi de São Paulo, levei choques nas mãos, nos pés e nas orelhas, alguns tapas e socos. Num determinado momento, eles extrapolaram e, rindo, puseram fogo nos meus cabelos, que passavam da cintura”. Cecília Coimbra – estudante de Psicologia presa em 1970, no Rio. Hoje, presidente do Grupo Tortura Nunca Mais e professora de Psicologia da Universidade Federal Fluminense: “Os guardas que me levavam, frequentemente encapuzada, percebiam minha fragilidade e constantemente praticavam vários abusos sexuais contra mim. Os choques elétricos no meu corpo nu e molhado eram cada vez mais intensos. Me senti desintegrar: a bexiga e os esfíncteres sem nenhum controle. ‘Isso não pode estar acontecendo: é um pesadelo… Eu não estou aqui…’, pensei. Vi meus três irmãos no DOI-Codi/RJ. Sem nenhuma militância política, foram sequestrados em suas casas, presos e torturados”. Maria Amélia de Almeida Teles – professora de educação artística presa em 1972, em São Paulo. Hoje é diretora da União de Mulheres de São Paulo. “Fomos levados diretamente para a Oban. Eu vi que quem comandava a operação do alto da escada era o coronel Ustra. Subi dois degraus e disse: ‘Isso que vocês estão fazendo é um absurdo’. Ele disse: ‘Foda-se, sua terrorista’, e bateu no meu rosto. Eu rolei no pátio. Aí, fui agarrada e arrastada para dentro. Me amarraram na cadeira do dragão, nua, e me deram choque no ânus, na vagina, no umbigo, no seio, na boca, no ouvido. Fiquei nessa cadeira, nua, e os caras se esfregavam em mim, se masturbavam em cima de mim. Mas com certeza a pior tortura foi ver meus filhos entrando na sala quando eu estava na cadeira do dragão. Eu estava nua, toda urinada por conta dos choques”. São muitos os depoimentos, que nos deixam envergonhados, indignados, estarrecidos, duvidando da natureza humana, especialmente porque sabemos que não foi uma aberração, um desvio de conduta de alguns indivíduos criminosos, mas uma política de Estado, que estimulou a tortura, a ponto de garantir a não punição a seus autores, com a concordância e a conivência de muita gente boa “em nome da conciliação nacional”. No lançamento do livro na PUC, a enfermeira Áurea Moretti, torturada em 1969, pediu a palavra para dizer que a anistia foi inócua, porque ela cumpriu pena de mais de quatro anos de cadeia, mas seus torturadores nem sequer foram processados pelos crimes que cometeram: “Uma vez eu vi um deles na rua, estava de óculos escuros e olhava o mundo por cima. Eu estava com minha filha e tremi”. Os fantasmas que ainda assombram nossa história recente precisam ser exorcizados, como uma garantia de que nunca mais possam ser ressuscitados – escreve a ministra Nilcea Freire, ex-reitora da UERJ, na apresentação do livro, que para ela significa o “reconhecimento do papel feminino fundamental nas lutas de resistência à ditadura”. Este é o terceiro livro da série “Direito à Memória e à Verdade”, editado pela Secretaria de Direitos Humanos (SEDH) em parceria com a Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. O primeiro tratou de 40 afrodescendentes que morreram na luta contra o regime militar. O segundo contou a “História dos meninos e meninas marcados pela ditadura”. Eles podem ser baixados no site da SEDH. O golpe militar de 1964 que envelhece, mas não morre, completa 46 anos nos próximos dias. Essa é uma ocasião oportuna para lançar o livro em todas as capitais brasileiras. No Amazonas, as duas reitoras – Marilene Correa da UEA e Márcia Perales da UFAM – podiam muito bem organizar o evento em Manaus e convidar a sua colega Nilcea Freire para abri-lo. Afinal, preservar a memória é um dos deveres da universidade. As novas gerações precisam saber o que aconteceu. A lembrança de crimes tão monstruosos contra a maternidade, contra a mulher, contra a dignidade feminina, contra a vida, é dolorosa também para quem escreve e para quem lê. É como o sacrifício da missa para quem nele crê. A gente tem de lembrar diariamente para não ser condenado a repeti-lo: fazei isso em memória delas. O professor José Ribamar Bessa Freire coordena o Programa de Estudos dos Povos Indígenas (UERJ), pesquisa no Programa de Pós-Graduação em Memória Social (UNIRIO). Mas a Folha de São Paulo, que apoiou o golpe e emprestava seus carros para os torturadores, disse que no Brasil teve uma “DITABRANDA” Postado por Marcos Inácio Fernandes

  • O cães hidrofobos que deram o golpe de 64,não merecem o respeito como se fossem simples velhinhos simpaticos cercados de netos.São apenas assassinos covardes que por não terem sido mortos antes,envelheceram.Nem mesmo o fato de terem cabelos brancos tornam tais canalhas mais dignos.Merecem uma canga no pescoço,focinheira para evitar que mordam e jaula,que é lugar proprio para animais selvagens.

      • Coitado deste lacaio…a cabeça de mosntro, de torturador e assassino dele está numa prisão perpétua.

        ” A história será a prisão perpétua dos criminosos da ditadura.”

      • Seu ZEROberto, uma linha é o máximo que os seus 2 neurônios lhe permitem escrever ? não dá para desenvolver um pouco mais o seu raciocínio tacanho e doentio ? não é à toa aquela pesquisa que diz que pessoas de ideologia de direita são menos inteligentes que os de esquerda, já viu isso ? vai pesquisar….

  • A Urubóloga não vai gostar dessa notícia:

    País terá mais de 12 mil grandes obras até 2016

    28/03/2012 07:13

    Até 2016, o Brasil terá 12.265 grandes obras, a maioria já em andamento, com investimentos públicos e privados estimados de R$ 1,48 trilhão. As áreas de petróleo e gás, de infraestrutura de transporte e de energia (hidrelétricas) são as que atraem os maiores aportes. Os dados são de levantamento da Associação Brasileira de Tecnologia para Equipamentos e Manutenção (Sobratema).

    Rio de Janeiro, São Paulo e Espírito Santo aparecem, nessa ordem, como os Estados que estão recebendo a maior parte dos investimentos. Isso por causa dos projetos relacionados à exploração de petróleo offshore na camada pré-sal. Levando em conta as obras que estavam em curso desde o ano passado, 10.482 ao todo, com investimentos alcançando R$ 1,37 trilhão, 57% dos aportes estavam no Sudeste.

    No mapa da distribuição das obras pelo Brasil, Minas Gerais, que não se beneficia diretamente dos investimentos em petróleo e gás, aparece em sétimo lugar. São 886 obras a partir deste ano e R$ 62,2 bilhões de investimentos.

    Embora muito visíveis, os investimentos em infraestrutura esportiva para a Copa do Mundo de 2014 e para os Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro, representam uma fatia entre 2% e 3% do total a ser investido no país nos próximos quatro anos, disse o consultor da Sobratema, Brian Nicholson. Ele foi o responsável pela pesquisa e apresentou os resultados ontem na capital mineira.

    Fonte: Valor Econômico

    30.03.2012

  • Parabéns Eduardo. Não sabia da retratação da folha ao uso do termo “ditabranda” e muito menos de sua participação na retratação.

  • Onde já se viu, só mesmo no Brasil é que vemos
    pessoas comemorando uma época de atraso.

    Eduardo não vale a pena se mobilizar para protestar
    contra esses indivíduos, pois isso lhes dá mídia. Se
    não fosse o protesto agora ninguém saberia que
    ainda existem velinhos saudosos do tempo em que
    assustavam as criancinhas que, como você, temiam
    que um general o visse no banheiro.

    Todavia os velinhos tem que ser devidamente
    monitorados, pois vai que num desvario saudosista
    eles resolvem sequestrar alguns carros tanques e
    sair por aí a intimidar criancinhas, Haja visto os
    comentários do Augusto lá em cima.

  • É uma tragédia o Brasil permanecer covarde em enfrentar o passado criminoso, pois o Brasil não é o criminoso, criminosos são aqueles brasileiros, cujos crimes hediondos tem que aflorar, cujas vítimas ainda desaparecidas tem que aparecer, e a justiça tem que condenar, os que mandaram torturar e os que torturaram, os que mandaram assassinar e os que assassinaram, aos que pediram ajuda e ajuda prestaram.

    O resto, é puro “armazém de secos e molhados”, onde gaiatos mal informados compram e vendem desinformação.

    Dá vergonha de ser brasileiro enquanto essa covardia permanecer.
    Comissão da Verdade JÁ!

  • Prezado eduardo: Em março de 1964 em tinha 21 anos e ainda era secundarista, pois, tinha que trabalhar durante o dia e frequentar o colégio central da Bahia(escola pública) se quizesse estudar. Sempre gostei do movimento estudantil.O mosteiro de São Bento, aqui em Salvador foi invadido duas vezes na sua vida; uma pelos holandeses e outra pela polícia da Bahia. Na noite da invasão muitos estudantes tiveram que dormir lá para não serem presos.eu não dormí, mas saí somente depois da meia noite com mais dois companheiros.Não me arrependo e até sinto saudades daquela agitação.
    As didaturas que se instalaram em redor do mundo nos anos 60, era a turma do tio SAM buscando mercado para seus produtos e garantir a sua influência política e econômica sobre as suas fontes de matéria-prima.Na noite de 31 de março de 1964, exatamente à 1:50 da madrugada, uma força tarefa da marinha americana recebeu ordens do estado maior conjunto de se deslocar secretamente para o Brasil e ficar ao largo do litoral de Santos(SP), esperando ordens da embaixada americana no Brasil.Essa força tarefa era composta de 11 navios-tanques, seis contra torpedeiros, um porta aviões com caças bombardeiros e um porta helicópteros para deslocar uma força de ataques dos marines, seis toneladas de armas leves e munição tambem foram preparadas na base de McGuire da USAF, em New Jersey para embarque em aviões de transportes C-135para os governadores e generias brasileiros( diga-se Ademar de Barros, Magalhães Pinto e Carlos Lacerda).o General Amaury Kruel(comandante do II exército -SP) exigiu que Goulart rompesse com a esqueda.Como o presidente recusou,à meia noite,Kruel deixou São Paulo e às 4:00 o II exército estava se deslocando para o Rio. E assim foi posto em prática a famosa operação Brother Sam, para desgraça do povo brasileiro e felicidade dos nossos irmão do Norte e alguns milhares de entreguistas desta terra .

  • Os idosos militares parecem agora figuras frágeis, mesmo assim eles têm que ser julgados pelas torturas e assassinatos que eles causaram.

    Pela regovação da lei de (auto)anistia de 1979 imposta pelos torturadores e assassinos em plena Ditadura Militar.

      • Na minha humilde imbecilidade percebi que, em 1979 o Brasil vivia uma Ditadura Militar. Nessa época eu tinha doze anos e ouvia a professora na sala de aula com medo de falar sobre o golpe militar dado entre 31 de março e 1 de abril de 1964.

        Eu, imbecil que sou, compreendi que o Brasil em 1979 vivia em plena Ditadura Militar, lembro também de ter ouvido o presidente Figueiredo dizendo que poderia prender e arrebentar os que exigissem liberdade e democracia.

        Vosmecê, com certeza, não é imbecil, é um dos velhinhos frágeis que torturaram e mataram pessoas durante a famigerada Ditadura de 1964.

        Vosmecê está livre porque pessoas como vosmecê pressionaram o Congresso Nacional a aprovar a lei que lhes interessava: perdoar os seus crimes.

        “A história será a prisão perpétua dos criminosos da ditadura”, este é o teu caso. Você está livre pelas ruas, mas está numa prisão pérpetua na sua cabeça de monstro, de torturador e assassino. Você só se livrará desta prisão perpétua na tua cabeça doente quando for julgado pela lei.

  • “1º de abril: Cordão da Mentira vai escrachar apoiadores da ditadura
    Depois dos assassinos e torturadores, agora é a vez dos apoiadores do golpe civil-militar de 1964 serem alvos de protestos.

    Passando por jornais, empresas e lugares simbólicos do apoio civil à ditadura, o Cordão da Mentira irá desfilar pelo centro da cidade de São Paulo para apontar quais foram os atores civis que se uniram aos militares durante os anos de chumbo.
    Os organizadores –coletivos políticos, grupos de teatro e sambistas da capital– afirmam ter escolhido o 1º de abril, Dia da Mentira e aniversário de 48 anos do golpe, para discutir a questão “de modo bem-humorado e radical”.
    Ao longo do trajeto, os manifestantes cantarão sambas e marchinhas de autoria própria e realizarão intervenções artísticas que, segundo eles, pretendem colocar a pergunta: “Quando vai acabar a ditadura civil-militar?”.
    O desfile do Cordão da Mentira acontecerá, portanto, neste domingo, 1º de abril, dia da mentira e do Golpe Militar de 1964. A concentração será às 11h30, na frente do Cemitério da Consolação.
    Venham todos e todas fantasiados para o Cordão da Mentira!
    Sugestões de fantasia: médico legista, advogado, político, padre, bispo, policial militar…e não esqueçam, nossas cores são o vermelho e o preto!
    O último ensaio será neste sábado, 31 de março, às 15h30, no Bar do Raí: Rua Dr. Vila Nova com Gen Jardim, na Vila Buarque.
    TRAJETO
    A concentração acontecerá às 11h30, em frente ao cemitério da Consolação.
    Em seguida, o cordão passará pela rua Maria Antônia, onde estudantes da Universidade Mackenzie, dentre eles integrantes do CCC (Comando de Caça aos Comunistas), entraram em confronto com alunos da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da USP. Um estudante secundarista morreu.
    Dali, os foliões-manifestantes seguem para a sede da TFP (Sociedade Brasileira de Defesa da Tradição, Família e Propriedade), uma das organizadoras da “Marcha da Família com Deus, pela Liberdade”, que 13 dias antes do golpe convocava o exército para se levantar “contra a desordem, a subversão, a anarquia e o comunismo”.
    Depois de passar pelo Elevado Costa e Silva –que leva o nome do presidente em cujo governo foi editado o AI-5, o mais duro dos Atos Institucionais da ditadura– o bloco seguirá pela alameda Barão de Limeira, onde está a sede do jornal Folha de S.Paulo. Segundo Beatriz Kushnir, doutora em história social pela Unicamp, a Folha ficou conhecida nos anos 70 como o jornal de “maior tiragem” do Brasil, por contar em sua redação com o maior número de “tiras”, agentes da repressão.
    A ação da polícia na Cracolândia, símbolo da continuidade das políticas repressivas no período pós-ditadura, bem como o Projeto Nova Luz, realizado pela Prefeitura de São Paulo, serão alvos dos protestos durante a passagem do cordão pela rua Helvétia.
    Finalmente, será na antiga sede do DOPS (Departamento de Ordem Política e Social), na rua General Osório, que o Cordão da Mentira morrerá.”
    http://www.viomundo.com.br/politica/cordao-da-mentira-escrachara-apoiadores-da-ditadura-em-1%C2%BA-de-abril.html

  • Estimado Eduardo,
    Você não deve ficar carregando esta culpa, o importante é que você abriu os olhos e hoje está prestando um excelente serviço à democracia. Sabe quando eu percebi que a ditadura era facínora? Só quando o General Geisel fechou o Congresso Nacional em abril de 1977 e criou a figura do senador biônico. Eu já estava com 24 (vinte e quatro) anos. É mole? Mas graças a Deus hoje tenho a consciência tranquila de fazer a minha parte, embora pequena mas compromissada com as pessoas oprimidas.
    Só voto na esquerda e torço para que os que torturaram e mataram pessoas que lutavam por um Brasil mais justo, sejam acusados um dia pela própria consciência.
    Um abração para você e toda a sua família.

  • Para quem vê velhinhos e liberdades de expressões como assunto para comentar este post, não realizou o grande significado do ato destes bravos jovens.

    Hoje, 300, no ano que vem 300 mil e nunca mais ouviremos gorilas arrogantes desafiarem a sua (deles) sagrada hierarquia, comemorarem atos criminosos, tramarem contra nossas instituições.

    Fim de festa. Finalmente o golpe terminou. Não esperava ver este dia ainda em vida.

    Parabéns aos que lá estiveram – ano que vem, também lá estarei, caso ainda pensem em algo desta natureza.

    A nova geração de militares, de quem tanto iremos depender diante das riquezas naturais no nosso solo e a quem honraremos se isto for necessário, precisam puxar o tapete destes “velhihos”, limpar a história da sua instituição, voltarem a jurar lealdade ao Brasil.

  • Alô Eduardo, está me ouvindo ?
    Ah! ok.
    Veja se o raciocínio está em linha correta.
    Pela quantidade de arapongas da Abin que o Cachoeira utilizou, seria fundamental tirar da direção o Dr. Paulo Lacerda, que estava tentando profissionalizar o órgão. Assim, o Cachoeira, teria na mão os arapongas para manipular e grampear quem ele quisesse. Além disso, mostraria o poder que detinha, pois estaria destituíndo o Diretor.
    Concluindo, o Cachoeira, mandava no Demóstenes, no Marcondes Perillo e na Abin.
    Faz sentido ou ultrapassei o número permitido de latinhas ?

  • Agora humor mesmo!

    Serra nega que tenha convidado Bento XVI para vice. Serra aplicou seu primeiro sermão enquanto candidato: “Atire a primeira bolinha de papel aquele que nunca pecou ou largou a prefeitura” APARECIDA – Após dar três pulinhos para São Longuinho em agradecimento por ter vencido, enfim, uma eleição, José Serra prometeu fazer o trajeto até sua casa de joelhos. Percorreu dois metros e, esbaforido, pegou um taxi. “Era só uma promessazinha. Não registrei em nenhum cartório”, disse, fazendo o sinal da cruz. Empolgado por ter conseguido 52% dos votos nas prévias do PSDB, Serra argumentou que o resultado deve ser encarado como uma resposta contundente e definitiva aos que o acusam de tergiversar em seu compromisso frente ao Palácio do Anhangabaú. “Se ninguém contesta quando venço com metade dos votos, por que reclamariam se dou meu trabalho por encerrado a meio caminho de cumprir o mandato integral?”, argumentou. Serra prometeu assinar um documento no qual se comprometerá a não deixar a Prefeitura até pelo menos abril de 2014, “excluindo-se a Semana Santa e o Carnaval”. Caso permaneça na capital durante tais feriados, será permitido que desconte os dias, adiantando assim a renúncia para meados de abril, “ou finzinho de março, na eventualidade de abrir uma vaga no Banco Mundial, OEA, OTAN, UNESCO, FMI, Mercosur, CBF, diretoria do Palmeiras, FIESP ou Big Brother Brasil”. Um apêndice do documento atestará que, se porventura a presidenta Dilma renunciar, o vice-presidente Temer decidir mudar-se para Miami ou Piracicaba e o ex-presidente Lula ainda não estiver com a saúde inteiramente restabelecida para poder apoiar a candidatura de Edison Lobão à Presidência da República, Serra também se permitirá deixar a Prefeitura, “mas não antes de pelo menos 72 horas de dedicação integral às questões que afligem o cidadão paulistano”, assegurou. Com um gesto solene, tomou um lápis e assinou o documento, não sem antes testar a eficácia da borrachinha na extremidade oposta do grafite. Com um hóstia na boca, o tucano explicou que decidirá, em breve, o nome de seu vice. “Gosto daquele rapaz do Vaticano, o João Paulo II. Ele é quase tão coroinha quanto eu”. Ao ser informado que João Paulo não era mais o Papa, demonstrou surpresa: “Mudou?”, perguntou a assessores. Após o vazamento da informação de que pretendia incorporar um Papa à sua chapa, Serra apressou-se em negar que tenha convidado Bento XVI: “Esse novo Papa tem cara de petista”, despistou, enquanto prometia despoluir o Tietê com água benta. Assustados com a quantidade de derrapadas nos discursos de José Serra, membros do PSDB tentam fechar alianças para diminuir o tempo de TV do candidato. “Estamos analisando a ideia de colocar o Silas Malafaia para dublá-lo”, explicou FHC.

  • Fora do assunto:
    Aqui em Rio das Pedras / SP, próximo a Piracicaba, nesta semana teve início a pulverização aérea da cana de açúcar, método utlizado pelas usinas para apressar a maturação da cana. Que produto é esse? Tem alguma coisa a ver com o veneno utilizado pelos americanos nas floretas do Vietnã? Bem que a Record / SP poderia enviar uma equipe de reportagem para investigar. Não acredito que a TVB queira fazer essa investigação (TVB é afiliada da Record em Campinas).
    PS.: Já fazem uns vinte anos que esses aviões bombadeiam veneno sobre os canaviais e por tabela, sobre a pessoas, já que a cidade é pequena e cercada de lavoura de cana.

  • JÁ QUE VAMOS JULGAR OS CRIMES MILITARES COMETIDOS NA ÉPOCA DA DITADURA, APESAR DA LEI DA ANISTIA, QUE TAL JULGAR ATOS DE TERRORISMO, SEQUESTROS, ASSASSINATOS COMETIDOS POR INTEGRANTES DO ATUAL GOVERNO, JUÍZES, FORMADORES DE OPINIÃO E REVANCHISTAS DE PLANTÃO???

    O GOLPE MILITAR FOI NECESSÁRIO E ACLAMADO PELO POVO NA ÉPOCA. LIVRAMOS O PAÍS DO COMUNISMO (QUIÇA UM DIA DOS COMUNISTAS!). OS BARBUDOS DE HOJE FALAM DA LUTA PELA DEMOCRACIA, QUANDO NA VERDADE BRIGAVAM PELA IMPLEMENTAÇÃO DA DEMOCRACIA CUBANA NO PAÍS.

    SÃO 475 DESAPARECIDOS POLÍTICOS NO BRASIL, EM CUBA ESTIMA-SE QUE TEMOS 115.127 DESAPARECIDOS DO NOBRE DITADOR FIDEL CASTRO. VAMOS! APLAUDAM OS CUBANOS, EXEMPLO PARA OS GOVERNANTES E PSEUDO-REVOLUCIONÁRIOS QUE INUNDAM AS NOSSAS UNIVERSIDADES!! VIVA LA REVOLUCION!!!

    PS – EU SEI QUE OS “JUSTIÇAMENTOS” COMETIDOS PELO CAMARADA FIDEL, ASSIM COMO OS COMETIDOS NO BRASIL FORAM POR UMA CAUSA NOBRE… HIPÓCRITAS!!!!

  • E MAIS!!! QUE A COMISSÃO DA VERDADE SEJA COMPOSTA POR INTEGRANTES DAS DUAS PARTES QUE PARTICIPARAM DA HISTÓRIA, OU TEREMOS SOMENTE MEIA VERDADE, ESTA JÁ VELHA CONHECIDA (ESCRITA PELA ESQUERDA REVANCHISTA) E IMPOSTA À TODOS QUE NÃO TIVERAM OPORTUNIDADE DE VIVER NAQUELA ÉPOCA.

    OU OS CAMARADAS TEM MEDO DO QUE PODE VIR À TONA CASO EXPOSTO À BARBÁRIE COMETIDA PELOS SOLDADOS VERMELHOS??

    LEMBREM-SE DA BÍBLIA DE VOCÊS, O MINIMANUAL DE MARIGHELLA!!! NESTA OBRA TEMOS OS MÉTODOS E EXEMPLOS DE “RESPEITO À VIDA” QUE SÓ O COMUNISMO É CAPAZ DE OFERECER.

    JOSEPH STALIN – 20 MILHÕES DE MORTES
    MAO TSE TUNG – 70 MILHÕES

    É, REALMENTE A DITADURA MILITAR DO BRASIL FOI UMA DAS PIORES!

    • Faltou Hitler – 46 milhões, sendo 30 milhões de soviéticos e 6 milhões de judeus.
      E todos os ditadores de direita – muito maiores em número do que os de esquerda.

      E o “saldo” de todas as guerras produzidas pelo capital. Como a do Iraque, pra ficar no exemplo maior e mais recente.

      E todas as pessoas que morreram de fome por causa do enriquecimento e privilégios de uns poucos.

      Esse é o “respeito” que o capitalismo tem com a vida: nem de revoluções ele precisa pra produzir massacres.

      Todo dia morrem pessoas sacrificadas em nome do capital. Esse capital matou mais gente do que todas as (outras) doenças juntas. É o verdadeiro flagelo da humanidade. E vc tem a cara de pau de condenar o “comunismo” por atos de alguns indivíduos, ditadores nem um pouco comunistas.

  • Caro Eduardo … até recentemente o site do Batalhão Tobias de Aguiar ostentava, com orgulho e satisfação, o papel da Rota na perseguição aos resistentes que pegaram em armas contra a ditadura e o terrorismo de estado implantados pelo golpe militar de 1964. Mesmo hoje, sob um regime democrático e de direito, qualquer um tem receio de uma abordagem dos “boinas negras” da Rota. Eles continuam agindo da mesma forma, truculenta e arbitrária. E, pior. De acordo com matéria do Jornal da Band sobre os relatórios reservados da Polícia Civil, os caras, de cima até em baixo, estão “prestando serviços” para o crime organizado. Hoje eles não botam mais bomba em banca de jornal. Ele botam em outros lugares.

  • LAMENTO ..mas acho que a intolerância esta novamente tomando conta ..no que depender de mim, estou fora

    O movimento de 64 não foi considerado dos “mais bárbaros” que a humanidade já viu ..a imensa mairoia de seus idealizadores já se foram ..destruíram, mas colocaram coisa nova tb no lugar

    Foi um movimento interno, contra uma democracia oligárquica, inconsequente, feita contra Jânios irresponsáveis e outros pequenos quadros bizarros ..mais político do que ideológico ..bastando lembrarmos aqui que ele cassou da direita à esquerda .. e que tinha em si uma forte base NACIONALISTA e de independência tb.

    sim, erraram, mas os outros também ..e TODOS, em nome de um armistício, foram anistiados, TODOS !!!!

    Agora, infelizmente, como vivemos, por FALTA DE ASSUNTO e de políticas sérias, vivemos um período de revanchismos, dissimulações grosseiras e de revisionismos, aqui sim, SEM PRECEDENTES, agora somos obrigados a ver sair da tumba tudo quanto é tipo de cadáver escolhidos a DEDO.

    Não, não me preocupa este passado ..a mim, me preocupam os PASSIVOS sociais que mesmo depois de quase 10 anos de governos progressistas, ou de 40 anos dos que lhes eram contrários, dos tais golpistas, ainda não solucionamos e nem saldamos ..e isso mesmo depois de sermos aclamados como a 6a economia do mundo.

    Não, não comungo desta visão distorcida que quer nos insuflar o ódio e a reparação ..reparação muitas vezes feitas por vivos inocentes por pecados de gente já morta.

    O MOVIMENTO DE 64 NÃO foi considerado banido e sequer esta CLANDESTINO !!! ..por isso, o que fizeram com os “velhinhos” foi uma VIOLÊNCIA, coisa de MOLEQUE manipulado mesmo.

    Lamento constatar isso, isso que os que se diziam vítimas deles agora querem fazer ..calá-los na violência, sem lhes dar chance de defesa, sem oferecer o diálogo para mostrarem-se efetivamente diferentes ..violência JUVENIL e irresponsável meio que querendo levá-los à clandestinidade para, quem sabe, eles terem um álibi para que eventual guerrilha recrudesça.

    Não, não! deste ambiente belicista, deste que sempre acaba por querer IMPOR a vontade de poucos sobre uma imensa maioria pacífica que só pede a Deus por poderem tocar suas vidas, deste eu estou fora.

    ps 1 – sim, me considero com princípios, práticas e conceitos socialistas ..mas um socialista ÉTICO, democrático, este que exige que o povo decida no voto o que efetivamente quer pra si (desde que o político seja cobrado a falar e a assumir o que quer e diz) ..e não o que destrambelhados ainda acham que sabem o que seria melhor pros outros.

    ps 2 – sim, eu tb fui da sua geração, e fui dos muitos que, inocente, apenas por pensar diferente, constantemente vi radicias IGNORANTES querendo me colocar pra correr, sob ameaça de surra e violência caso não quisesse pensar por suas cabeças ..tristes dias, e eu não mudei …e aqui a velha máxima, o que eu não queria pra mim, eu não posso hoje desejar aos outros tb

    abrá

    http://www.youtube.com/watch?v=ueHEhpEhIhY

    • Romanelli, quem lamenta sou eu de ver tanta asneira escrita nas suas linhas

      “O movimento de 64 não foi considerado dos “mais bárbaros” que a humanidade já viu ..a imensa mairoia de seus idealizadores já se foram ..destruíram, mas colocaram coisa nova tb no lugar.
      Foi um movimento interno, contra uma democracia oligárquica, inconsequente, feita contra Jânios irresponsáveis e outros pequenos quadros bizarros ..mais político do que ideológico ..bastando lembrarmos aqui que ele cassou da direita à esquerda .. e que tinha em si uma forte base NACIONALISTA e de independência tb.”

      Realmente, Romanelli, a CIA não participou do golpe, o governo estadunidense idem, os nossos militares também não foram doutrinados na academia de west point (até hoje) para seguir a ferro e fogo “o que é bom para os americanos é bom para o Brasil”.
      O que mais, vamos lá, Vargas, Jango, JK, Brizola e mais um montão de políticos de centro eram comunistas que comiam criancinhas e queriam implantar uma república comunista albanesa nessas plagas.

      A direita e os conservadores brasileiros, como vc, me ENVERGONHAM seja pela burrice de acreditar em tanta sandice ou mesmo pela desonestidade intelectual. Nosso país ao menos merece uma elite e conservaodres menos medíocres, vocês não evoluíram nada nos últimos 60, 70 anos, desde GV é a mesma ladainha e argumentação de dar dó !!! e ainda tem coragem de usar os comunistas como álibi desde aquela época.

  • Eduardo

    Não nos livramos dos vermes como diz você, eles ainda existem aos montes, em elites e grupelhos da sociedade que se acreditam acima das verdades expressas pelo voto democrático. O que de fato existe são vermes que vivem a comer da carne macia e tenra de um povo cordial, povo pacífico e sempre pronto a aceitar que imprensa e líderes ajudem a dar rumo a uma Nação.

    Hoje, com o advento da internet e as possibilidades abertas pelo meio, a sociedade sempre privada da informação justa e isenta, se vê premiada com a existência da pessoas como vocês blogueiros de direita e esquerda; realmente é espetacular poder garimpar as informações do passado recente e conhecer a história que, ainda com muitas sombras, começa a ser finalmente iluminada e expor as dimensões reais dos eventos.

    A grande vergonha desta sociedade, ainda que em mãos dos vermes que mencionou, ela um dia terá plena compreensão dos eventos. Eu, a partir da leis que vigia à época, não gosto de abrir minha mente ao que se diz sobre os militares e a tal ‘ditabranda’ da FSP. Dizer que nossa revolução foi de direita é uma vergonha e dizer que foi melhor que a cubana uma vergonha maior. Lá, foi uma revolução que implantou uma ditadura de esquerda em cima de uma anterior de direita – estado de exceção sobre outra de igual caráter – troca de bandeiras apenas. Aqui, o caso foi diferente, foi derrubar governo eleito democraticamente e que cumpria seus deveres de acordo com as leis vigentes; aqui foi apenas e simplesmente implantar algo parecido ao de Batista em Cuba, algo bem ao gosto dos americanos.

    O problema hoje dos militares, naqueles que se dizem saudosistas é, infelizmente, ter que partilhar a história com a verdade de terem sido vermes em meio a vermes. Triste é saber que, atrás de suas crenças e da maneira como foram manipulados, entregaram um país pior do que pegaram. Este é o fim histórico deles – deixaram de ser cidadãos embora militares, para serem apenas peças vulgares a serviço vermes maiores e, pior, a mando de interesses monetários e de uma nação terceira.

    • Imbecis que confundem socialismo com comunismo e, em seu prazer insólito, os usam como argumento, não deixam de ser somente imbecis, passam também a serem imbecis desprovidos da capacidade de abstrair, de imaginar que existem pessoas além da sua própria e limitada capacidade. Triste mesmo e saber que neste mundo de impacientes serviçais, existem aqueles que, possuindo tal capacidade, se prestam ao serviço de lamber genitálias dos verdadeiros imbecis.

  • Romanelli:

    “revanchismos, dissimulações grosseiras e de revisionismos”?
    Não tenho parentes ou amigos envolvidos em qqer destas barbaridades que foram feitas de 64 a 85, em nenhum dos lados.
    Mas tenho certeza de que foram BARBARIDADES que os ‘abacates’ cometeram, porque se assim não fosse, ninguém ia pegar em armas para tentar se livrar daquilo ali.
    Portanto, a galera que se acha em condições de dizer que tudo ocorreu dentro da legalidade, incluindo você, tem que parar pra pensar que borrachada (quando é de borracha, né?) nas costas dos outros é refresco.
    Alguém aí pra cima disse que o governo militar deixou bons frutos (um monte de empresas estatais, pontes, estradas, usinas, etc), mas outros que vieram antes também o fizeram sem ‘borrachadas’ no lombo de ninguém.
    Conclui-se, então, que, dava pra ter feito o tal milagre brasileiro dentro de outro contexto. Só que tal milagre, com exclusão social e concentração de renda só interessava a poucos. (você deve fazer parte destes poucos, eu creio, senão não estaria nesta defesa indefensavel).
    E de tudo que li aí pra cima. o melhor foi isto aqui:

    “O golpe de 64 não foi pra “combater comunismo” coisa nenhuma. Isso foi só o pretexto, porque o objetivo específico era um só: concentrar renda. E quem discordasse era taxado de “radical”, e quem resistisse era “terrorista”. Para todos estes a repressão era brutal.

    Resultado: as favelas do Rio e SP cresceram mil vezes, enquanto as áreas rurais do Nordeste ficaram desertas.”

    Nao sei onde tu moras, meu caro Romanelli, mas com certeza deve ter uma destas favelinhas bem perto de você, dado que de lá pra cá elas apareceram em todos os lugares (vide Paraisópolis em SP, p.ex.) E isto deve te aporrinhar um bocado…
    Lembre-se disto, na próxima vez que for defender a ‘ditabranda’ hehehe

    • Bastiani ..respeito tuas considerações, mas julgo que elas estão recheadas de equívocos e erros

      Primeiro, que pra quem viveu aqueles tempos sabe muito bem que a fase violenta se estendeu de 68-78, se tanto (a física, com tortura e guerrilha) ..no início, e final, com Castelo muito menos e com Figueiredo, me desculpe, não

      O desenvolvimento proferido naquela época foi com base no endividamento ou tomada de recursos externos, se preferir, pois à época, até o 1o choque do petróleo (feio pelos ÁRABES em represália ao estado Judeu) eles eram abundantes

      O país não tinha recursos pra manter sozinho seu crescimento e suprir suas carências (pior que hoje), sua população era predominantemente agrária ..a siderurgia chegara com a genialidade de Getúlio e a 2a fase da industrialização, com JK, mal se iniciara

      Da crise externa que nos pegou em 74 com endividamento atrelado a juros flexível é que tudo desandou (os EUA aumentaram os juros de menos de 5 para 25% aa pra vc ter uma ideia ..fomos em pouco tempo a default) ..minha família por exemplo foi a falência

      Inúmeros projetos que estavam em andamento pararam, e outros tantos cortes ocorreram ..aqui, em síntese, o princípio da favelização de nossas cidades (e 30 anos de pequenos saltos e SUB-emprego, até 2003) , estas que foram pegas no contra pé duma crise que as solapou no meio de uma onda de urbanização …onda que não cessou, e que mesmo depois de 30 anos do fim do regime, democratas liberais libertinos não souberam saldar (SP hoje conta com 2 mil favelas, e antes, até 78 – o 2o choque do petróleo – nem 50)

      e mais uma vez me desculpe, mas é uma tremenda duma BOBAGEM dizer que o pós golpe nos propiciou de mais crescimento do que com o desenvolvimentismo pré 82 (infelizmente isso não é verdade) ..mesmo pq antes tínhamos tudo por fazer ..e dia a dia nossa economia mais se sofistica, impondo-nos mais esforços para mantermos de “outros recordes”

      finalmente, SIM, politicamente muitos erraram, e não só os militares, de esquerda ou direita ..aliás, tipo hoje ..neste caso sempre costumo lembrar das declarações GRAVADAS de Mariguela que dizia que em nome da SUA REVOLUÇÃO iria mergulhar com seus atentados o país num mar de sangue (rvolução que ele NUNCA perguntou ao povo se ele queria)

      ..colega, aqui, desculpe, mas mesmo eu que tenho afinidades com a corrente dele (pró socialismo e intervenção ponderada do Estado), eu mesmo teria vontade de detê-lo, ainda mais por saber que a violência nunca foi e nunca será o melhor caminho pra se escolher ..principalmente se voltada contra INOCENTES só pra ver a coisa ferver

      abrá

      SIM, sou a favor da comissão da verdade, principalmente para que as famílias encontrem a paz e respostas que procuram ..já para a penalidade que alguns querem estabelecer, só pra um lado, aqui não, aqui pra mim isso foi assunto resolvido ..o que não pode pra mim, não pode pra você ..acordo feito se cumpre não se discute ..ou isso, ou é golpe e revanchismo TOSCO mesmo ..covardia de quem desfruta HOJE do poder

      http://www.youtube.com/watch?v=R7xRtSUunEY

      • Assista ao vídeo abaixo, o que você chama de revanchismo, chamo de respeitar acordos internacionais que foram assisnados: Ditadura/Terrorismo/tortura é crime inprescritível e quando praticado pelo estado é infinatamente imperdoável.

        http://youtu.be/0cY_khg-yLw

  • Eduardo,

    Nada a reprovar. Apenas seu despertar foi mais lento. Só isso. Triste mesmo e o que vejo hoje. Alguns companheiros que estão fazendo “caminho inverso”. Lutaram, arriscaram suas vidas e de suas famílias porque acreditavam na RESISTÊNCIA e agora , simplesmente, apelegaram-se.

    • Edu, nessa manifestação contra a ditabranda da Folha, um jornal que vergonhosamente colaborou com a ditadura militar brasileira e até hoje não fez sua ” mea culpa”, cumprimos, junto com centenas de cidadãos e dezenas de entidades da sociedade civil e de defesa de direitos humanos nossa função de cidadãos, para que tais barbaridades não mais se repitam.

      O Jornal Folha da Tarde (FT) do grupo folha era um porta-vóz dos militares, antecipavam até a publicação da morte de prisioneiros políticos que ainda estavam vivos nos porões do Doi-Codi.

      O Ivan Seixas é testemunha disso, pois preso num carro da tortura viu uma manchete na folha da tarde sobre a morte do seu pai, e quando chegou no DOPS viu seu pai ainda vivo, mas que seria morto no dia seguinte. Esse é o nível de cumplicidade do grupo Folha com as mortes no regime militar. Por esses fatos, os guerrilheiros chamavam esse jornal do grupo folha de Folha da Tortura, diziam que esse jornal era o de “maior tiragem” do Brasil, mas isso não porque que era o mais vendido, mas que era o que mais tinha policiais da repressão dentro da sua redação.

      Naquele ato, abortamos a infame tese da ditabranda, que na minha opinião visava dar um mote de campanha para a direita nas eleições presidenciais de 2010, criminalizando os companheiros que lutaram contra o regime militar (Dilma já era citada como possível candidata a presidencia) ao tentar implantar a infame tese que a ditadura brasileira tinha sido uma ditadura boazinha, leve e que não justificava os guerrilheiros terem pego em armas contra esse regime.

  • Ainda corremos o mesmo risco, de vermos um golpe militar depor um(a) presidente(a) eleito(a) e instaurar uma ditadura para “proteger o Brasil do comunismo”. E tudo com o patrocínio do Tio Sam. Na época da instauração da ditadura no Chile, Henry Kissinger disse, na maior cara dura: “não vamos ficar sentados assistindo a líderes comunistas serem eleitos na América do Sul”.

  • Vamos colocar as coisas em seus lugares. Nunca tivemos uma revolução, mas um golpe militar que tirou dos brasileiros seus direitos fundamentais violentando-os, torturando-os e finalmente matando-os. Se queremos colocar as coisas nos devidos lugares começaremos com os milicos cujo lugar é no quartel para o qual foram formados e não para administrar um país e o resultado foi o que tivemos, um país afundado em dívidas e mais atrasado do que nunca, o apoio que tiveram no princípio foi de empresários cujos interesses paravam em seus lucros em um sistema de troca-troca, tentem se lembrar de algum legado da ditadura e verão que se resumem principalmente a nomes em logradouros públicos ou algo que esteja ligado ao interesse internacional, leia-se norte-americano. Os militares brasileiros apenas serviram de fantoches aos interesses dos EUA e que depois de sentir o gosto do poder não queriam mais abandona-lo e tentaram mante-lo a qualquer preço, mesmo que esse preço significasse vidas de compatriotas.
    A história tem essa finalidade, nos mostrar onde acertamos ou erramos e nos dá a oportunidade de não repetir os mesmos erros, mas nos dá também a chance de punir os que se aproveitaram da ocasião para externar seus instintos mais bestiais.

  • Edu, companheiros,
    Naquela época fizemos tudo o que foi possível, dentro das enormes delimitações impostas pelo terrorismo do estado sob o AI-5.
    Se hoje temos aqui um debate livre, é porque a ditadura foi derrotada. Me orgulho de ter enfrentado o regime militar. Tenho no meu coração e na minha alma a marca honrosa de ter atitude, o ideal de uma sociedade mais justa.
    Para aqueles que defendem os anos de chumbo, entendam o seguinte:
    Era proibido emitir opiniões contrárias ao regime. Os riscos eram enormes, mas mesmo assim o fazíamos. Prisão, tortura, estupro, assassinato. Era o diálogo dos ditadores com quem discordava.
    Se houvesse nos dias de hoje a mesma conduta, os que aqui discordam estariam sujeitos à todo tipo de terror. Gospem no prato que estão comendo.

  • Chega a ser hilário o fato de que os trolls aplaudem o fato dos “velhinhos indefesos” terem se reunido para comemorar o que não fizeram, mas reclamam aqueles que os acusam pelo que efetivamente fizeram.

    Se não for piada ou a mais completa falta de vergonha na cara, só pode ser fruto de alguma patologia grave mesmo. Não tem outra explicação.

Deixe uma resposta