Katia Abreu, Joaquim Levy e o garotinho que pôs fogo na casa

Análise

reaças

 

 

Quando meu terceiro filho tinha 4 anos – hoje tem 27 –, certo dia encontrou, no quarto das irmãs, um objeto que o fascinava: uma caixa de fósforos. Estava sobre a cama de uma das meninas por alguma dessas razões inexplicáveis. Sobre a mesma cama também havia uma colcha rendada, recém-saída do varal.

O garotinho, os fósforos e a colcha foram ingredientes de uma quase tragédia.

Curioso como toda criança de quatro anos, meu filho começou a riscar fósforos até que um dos palitos incandescentes caiu sobre a colcha altamente inflamável. Vendo o fogo aumentar, o menininho fechou a porta do quarto das irmãs e foi ter com elas e com a mãe na sala, onde assistiam tevê.

Eu estava trabalhando, naquele dia, e minha mulher tinha acabado de buscar as crianças na escola. Dera almoço a elas e depois ficaram assistindo “sessão da tarde”. Enquanto o fogo comia solto no quarto das meninas, meu filho tratava de beijar a mãe, talvez tentando atenuar o castigo que intuía que sobreviria por ter tocado fogo na colcha.

Em alguns minutos, minha mulher e filhas começaram a sentir cheiro de queimado e, inicialmente, atribuíram-no à fritura dos bifes que havia pouco tinham degustado. Logo, porém, a fumaça começou a escapar por debaixo da porta do quarto.

Minha mulher se aproximou, girou a maçaneta, a porta se abriu e por pouco uma língua de fogo não lhe lambeu o rosto – ela desviou a cabeça instintivamente.

Apesar de ninguém ter se ferido, o prejuízo foi total. Perdemos tudo. Móveis, eletrodomésticos, roupas… Tivemos que ficar 15 dias num hotel para montar a casa de novo.

Conto esse episódio porque lembrei dele quando comecei a ver a escandalização de vários setores da esquerda e dos movimentos sociais ante a suposta nomeação da senadora pemedebista Katia Abreu para o Ministério da Agricultura.

Em verdade, essa imagem vem me assolando desde junho de 2013, quando setores da esquerda foram às ruas fazer coro aos ataques da extrema-direita ao governo Dilma e ao PT.

Com frequência, a esquerda me parece aquele menininho de quatro anos que toca fogo em uma colcha sem ser capaz de refletir que aquela “arte” pode incendiar a casa toda ou, muito pior, matar sua família ou a si mesmo.

Mentes infantis têm pouca capacidade de reflexão…

Desde o início do ano, a Câmara dos Deputados já rejeitou 12 pedidos de impeachment de Dilma Rousseff, de acordo com o site Congresso em Foco. No período eleitoral, três solicitações foram apresentadas. Todos os pedidos foram rejeitados pelo mesmo motivo: inconsistência jurídica. Porém, foram feitos.

No Google, a expressão “impeachment de Dilma” soma 564 mil resultados. Durante o dia do segundo turno da eleição presidencial (26/10), os programas de “análise política” das grandes redes de tevê mostraram vários “analistas” falando sobre impedimento da presidente da República.

O candidato derrotado Aécio Neves e até pseudo aliados do governo Dilma, tal como o peemedebista Eduardo Cunha, falam em impeachment sem parar. O jornal O Estado de São Paulo, sem meias palavras cravou no título de seu editorial: “Crime de responsabilidade”. Ou seja: o fundamento jurídico para o impeachment.

O jornalão paulista em cuja sede formou-se o golpe de Estado de 1964 não esperou o fim das investigações da Operação Lava-Jato para formular a tese de que Dilma e Lula “tinham que saber” de um esquema de corrupção que atravessou décadas sem que jamais governo algum tivesse investigado.

Aliás, para a golpista família Mesquita governantes só têm que saber de casos de corrupção quando são governantes de esquerda – jamais esse pasquim reacionário disse que o governador Geraldo Alckmin ou o ex-governador José Serra “tinham que saber” do cartel do metrô que fez do sistema de transporte urbano da capital paulista o que é hoje.

Além do golpismo açulado pela Operação da Polícia Federal supracitada, de algumas semanas para cá surgiu outro “caminho” para derrubar o governo recém-eleito. A entrega da análise das contas de campanha de Dilma para um dos maiores inimigos do PT, o ministro do STF Gilmar Mendes.

Por fim, milhares de tarados de extrema-direita estão nas ruas pedindo golpe militar abertamente enquanto agridem qualquer pessoa que, por alguma fatalidade, decidiu vestir uma peça de roupa vermelha e teve o azar de passar perto deles naquele dia.

No fim da semana passada, vazou para a imprensa a mera hipótese de a senadora Katia Abreu e o secretário do Tesouro do governo Lula Joaquim Levy serem convidados para o pilotar, respectivamente, o Ministério da Agricultura e o Ministério da Fazenda.

A esquerda se desesperou. Setores do próprio PT, movimentos sociais etc. começaram a alegar “decepção”, “desalento” etc. O MST chegou a ocupar uma propriedade em protesto. Isso porque não há anúncio oficial nenhum dessas nomeações de ministros, até o momento em que escrevo.

Imagine, leitor, se as nomeações fossem oficiais…

Se tais nomeações se concretizarem, suspeito de que, tal qual nas “jornadas de junho” ou nos protestos contra a Copa, grupos de esquerda compartilharão as ruas com a extrema-direita para acuar o governo.

Assim como em meados de 2013 e de 2014, a direita saberá aproveitar a infantilidade da esquerda e se unirá a ela nas ruas, salivando diante da fragilidade política do governo agora aumentada.

As possibilidades de golpe “paraguaio” não são desprezíveis, ainda que não seja tão fácil. Tudo dependerá de a esquerda não ficar “decepcionada” e “desalentada” a ponto de abandonar o governo por ter nomeado dois ministros no âmbito de uma coalização que tem participação de partidos de direita como PMDB ou PP, entre outros.

Sem essa coalizão com partidos moderados de direita, a extrema-direita, ora unida umbilicalmente ao PSDB, estaria no poder. E não seria igual a setores da direita estarem na coalizão de Dilma, apesar do que muitos partidos de esquerda mais radicais diziam.

Na reta final do segundo turno da eleição presidencial, importantes lideranças de partidos de esquerda que se opuseram aos governos do PT desde 2005 apoiaram publicamente a reeleição de Dilma por saberem que se Aécio vencesse teríamos no Brasil um governo que massacraria os movimentos social e sindical.

Marcelo Freixo e Jean WIllys, do PSOL, ou Guilherme Boulos, do MTST, ou João Pedro Stedile, do MST, por exemplo, apoiaram publicamente a reeleição de Dilma por saberem que nunca passou de conversa infantil aquela história de que PT e PSDB são “a mesma coisa”.

O fato incontestável, é o seguinte: a esquerda brasileira é fraca. Não tem votos.

Outro dia, li artigo da ex-candidata a presidente pelo PSOL Luciana Genro na Folha de São Paulo. No texto, ela, que negou apoio a Dilma no segundo turno, martelou a tese de que PT e PSDB seriam “a mesma coisa”. O mais engraçado é que se gabou de o seu partido ter “dobrado” a bancada na Câmara dos Deputados.

Por “dobrar” a bancada, leia-se passar de três deputados para cinco…

Em São Paulo, a vitória estrondosa de Geraldo Alckmin e do seu PSDB – que fará os paulistas terem um Poder Executivo imune à fiscalização de uma oposição arrasada – ocorreu devido às tais jornadas de junho e protestos contra a Copa.

Entenda, leitor: a população paulista – e, sobretudo, a paulistana – queria um governo que impedisse os grupos que, em meados de 2013 e 2014, torturaram a cidade com protestos, incêndios etc., tornando infernal a volta de trabalhadores para casa após uma extensa jornada de trabalho.

Enfim, o que está em jogo no Brasil, hoje, é a continuidade da democracia. Se a direita não for aplacada, dará o golpe. E terá sucesso. Os EUA reconhecerão o golpe no mesmo dia. Provavelmente, também a União Europeia.

O MST, por exemplo, deveria lembrar que foi sob o governo “social-democrata” do PSDB que ocorreu o massacre de Eldorado dos Carajás (1996), que encontrou grande apoio da mídia tucana, dos Estadões da vida e do próprio governo FHC.

Katia Abreu é um horror. Joaquim Levy, uma desgraça. Contudo, sinto-me mais seguro com eles trabalhando em um governo do PT do que em um governo do PSDB, onde poderiam pôr para fora todas as suas taras reacionárias enquanto o presidente da República aplaudiria.

Dilma e o PT dão aval de que a coalizão integrada por partidos de centro-direita não mergulhará de cabeça nos horrores direitistas. Dilma chefiará Abreu e Levy.

Se a esquerda não quer que os partidos conservadores que venceram a eleição junto com o PT influam e tenham participação no governo que ajudaram a eleger, poderia tratar de amadurecer, de entender que o Brasil é um país conservador, ainda. A esquerda precisa parar de agir como meu filho, 23 anos atrás.

Talvez, e só talvez, concessões à direita aplaquem o golpismo, evitando um caos político, social e econômico que se instalaria no país se os planos golpistas da mídia e do PSDB forem levados adiante.

As possíveis nomeações de Levy e Abreu talvez aplaquem dois setores que constituem o motor golpista no país: os ruralistas e os bancos. Se esses se conformarem com a continuidade do PT no poder, Dilma ganhará tempo para que o país atravesse a crise.

No que diz respeito à economia, a presidente conseguirá, apesar de Levy, evitar que o custo dos ajustes que a economia sofrerá recaiam exclusivamente sobre os trabalhadores. Levy poderá ser o principal ministro da economia, mas a chefe dele será Dilma Rousseff. Assim como de Katia Abreu.

194 comments

  • Excelente análise da atual realidade política brasileira. Cabe citar Lênin duas vezes: “Esquerdismo, doença infantil do socialismo” e “Às vezes é necessário dar um passo atrás, para depois dar dois adiante”.

  • Quem seriam os ministros dos sonhos do Eduardo para a fazenda e a agricultura?

    Os votos para deputados federais refletem melhor a posição ideológica dos eleitores. Os partidos que formaram a coligação que reelegeu a presidente Dilma tiveram 49,4 milhões de votos no primeiro turno, ao PT couberam apenas 27,3% ou 13,5 milhões. Os partidos que vocês chamam de direita e a apoiaram (PMDB, PP, PR e PSD) juntos alcançaram 57,7 % ou 28,5 milhões.

    A Dilma foi reeleita por um grupo de partidos e não apenas pelo PT e aliados à esquerda. Sem o apoio da Kátia Abreu, do Jáder Barbalho, do Renan Calheiros, do Pezão, do Eduardo Paes, do Kassab e etc será que ela venceria?

    No primeiro turno a Dilma recebeu 43,2 milhões de votos, quase dez milhões a mais que receberam todos os partidos de esquerda somados, incluindo nesses 33,7 milhões a votação recebida pelos partidos participantes do Foro de São Paulo e que apoiaram outros candidatos, como o PSB com 6,2 milhões e o PPS com 1,9 milhão.

    O governo do PT que vocês querem não recebeu todos os votos dados à Dilma, em nenhum momento ela disse que o seu governo seguiria o programa do partido. A proposta de governo, aliás, em nenhum momento ficou clara o suficiente o posicionamento ideológico para o eleitor, apenas que seria mais do mesmo em termos financeiros para o votante.

    Um discurso recheado com as propostas que vocês desejam verem implementadas a teria derrotado. Ou vocês acham que os eleitores típicos do PMDB, PP, PR e PSD são militantes do PT e do PC do B? Eles votaram na Dilma por medo do aumento do desemprego e do arrocho salarial, e não apoiando o confisco da propriedade privada, a perseguição aos latifundiários, a legalização das drogas e do aborto e a entrega de ainda mais territórios ao índios ou quilombolas.

    • Concordo, Jorge. A esquerda no Brasil está muito fragilizada e o PT praticamente é um partido ornamental, de péssimo gosto, aliás. A esquerda come sardinha e arrota salmão. Pensam que têm algum poder. A única luz que eu vejo é a vontade do Cid Gomes de iniciar a congregação da esquerda, independente de partido político no início, em torno de uma agenda propositiva para apoiar o governo. O resto é tapar os buracos que a Dilma, o Lula e o PT foram deixando pelo caminho nos últimos anos. Estas nomeações para ministério nada mais são do que isto: tapa-buracos. Será que vai mudar alguma coisa nas comunicações e regulação da mídia? Foi aí que essa situação de crise extrema começou e foi alimentada pela dissidia do governo. Dizia Einstein, o idiota é aquele que ao cometer um erro, insiste em repetir sempre a mesma coisa.

  • Muito sensato, como sempre, o seu artigo. É mais ou menos como entregar os anéis, para preservar os dedos. Mas será que em troca teremos uma Reforma Política que acabe de vez com o financiamento privado de campanhas eleitorais e a regulação da mídia que democratize, que torne mais plural esse setor? A Presidente até agora não sinalizou nessa direção e isso é, de fato, desalentador.

  • Eduardo, concordo e discordo. Concordo integralmente com Levy, mas não concordo com Kátia Abreu. O governo Dilma, sob a ótica fiscal, precisa de arrumação. Na agricultura e no agronegócio, por que se precisa da Kátia mesmo? Ela não seria uma Ronaldo Caiado de saias? Não me convenci de que ela seria necessária para um bom relacionamento com o agro-negócio. Não é possível que não haja outros nomes bons também.

    • A Katia Abreu representa dois coelhos numa cajadada só. O agronegócio que é o que impediu o PIB de não crescer absolutamente nada, e o PMDB de centro-direita. Se a sua nomeação ajudar a não eleição do Eduardo Cunha para presidente da câmara, já teria valido a pena. Um aliado confiável na presidência torna quase impossível a abertura de processo de impeachment

  • Concordo plenamente, mas penso que Dilma tem também que neutralizar a mídia, através de pronunciamentos periódicos mostrando as realizações de seu governo, que são sistematicamente escondidas, distorcidas e manipuladas. Dessa forma o povo teria conhecimento constante das VERDADEIRAS notícias e a presidenta deixaria de ser a mulher invisível em que foi transformada. Isto faria muito mais efeito do que propagandas de Caixa Econômica, Banco do Brasil e Petrobras, por exemplo.

  • É tudo o que penso.
    Democracia em jogo e o jardim de infancia brigando para ver quem vai primeiro descer o escorrega.
    Deus me livre
    As jornadas de junho só foram possiveis graças ao MASSACRE do mensalão. A carnificina televisionada atiçou a besta em cada um dos incautos de plantão.
    Tantas e tantas pessoas que eu conhecia e pareciam moderadas soltaram a frança quando o Dirceu foi preso.
    Hoje mais distante converso com essas pessoas e não vejo mais aquela loucura de 2013.

    DILMA PRECISA DE TEMPO

    É só isso, tempo para desarmar a bomba que Joaquim Barbosa e cia fizeram à DEMOCRACIA.

    Quanto ao Toffoli, só Jesus na causa. Não esperou nem 24 horas para fazer o sorteio de uma vaga que a casa civil nem sabia que estava em vacancia e como bem se diz, não deveria colocar o nome de ministros temporários como Gilmar Mendes no sorteio.

    Tudo muito suspeito.

    • Jose Carlos Lima.
      Após ler o texto do Eduardo e ficar babando de “inveja”
      pelo excelente texto, abro o link que vc exibiu e fico
      quase que arrasado. Agora compreendo mais sobre as
      recentes nomeações da Dilma. Tentar evitar riscarem
      o fosforo sobre a colcha.

  • Parabéns Eduardo, como diz o Paulo Henrique Amorim: “Dilma é a Presidenta e não foi reeleita no primeiro turno com um diferença de dez milhões de votos”.

    Juízo PT ! Juízo Esquerda ! Juízo Blogosfera Progressista!

    Eu estaria em estado de horror se o Papa Francisco fosse para a Fazenda, Chico Xavier para o BC e Madre Teresa de Calcutá para a Agricultura, com Aécio na Presidência?

    Gente, Dilma foi reeleita, alôôôô…. !!!

    Juízo pessoal !!!

  • Li cobras e lagartos sobre tudo isso. Primeiro que tudo ainda está em processo; nada foi decidido. Segundo, deixa a mídia deitar e rolar, gastar papel, expecular… Terceiro, queiram ou não, Dilma se reelegeu, Lula está ao seu lado forte e saudável. É tudo que precisamos neste momento. Do alto dos meus 53 anos de vida, nunca vi tamnha calmaria como a que vivemos hoje. Até a Petrobras fará deste limão, uma gostosa limonada, creiam!
    Douglas Quina
    Mogi Guaçu – SP

  • Parabéns, Edu. Sempre muito sensato. Lembrei da expressão. “Entregar os anéis para salvar os dedos”. Assim que passar o furacão é só botar esses dois na rua.

  • Edu, sua análise é irretocável, parabéns!!!
    A nós cabe agora cobrar de Dilma uma única coisa: que ela aprenda que seu governo precisa se comunicar com o povo e que na SECOM e Ministério das Comunicações indique pessoas competentes para tal, esse é a espinha dorsal, o golpe tentado parte dessa área estratégica.

    • Nem uma coisa nem outra, Wagner.

      Sua analise de que está tudo igual é furada porque hoje a democracia está consolidada e as instituições brasileiras fortalecidas.

      Eu aposto que você perde.

  • Edu, eu vou repetir o que comentei no Facebook pois discordo da forma como a “militância caduca” (é como eu chamo a militância brucutu que quer negar qualquer crítica, mesmo as justas, ao PT) lida com a comunicação com o pessoal descontente, mesmo quando essa “militância caduca” tem razão.

    Eu só acho que a chiadeira ou crítica à Dilma, ao PT ou ao Lula (que tem parte nesse governo) tem procedência quando sair a indicação de ministros pras pastas as quais o PT, no caso, a Dilma, pode mexer de acordo com o que pensa, onde as pastas principais são a das Comunicações (Secom inclusa), Justiça, Cultura e alguma outra, mais as da Fazenda, Bacen e Min. do Planejamento.

    A chiadeira em torno da Katia Abreu foi infantil sim, foi mais movida pelo simbolismo que ela representa do que algo racional, mas amostras de irracionalidade (infantilidade) a esquerda brasileira (parte dela) vem dando já há muito tempo, não a toa que um sujeito brucutu, com discurso ridículo, como o Bolsonaro consegue ser o mais votado no Rio, no QG onde o PSOL fez aquele estardalhaço em 2013 nas marchas até 2014 quando houve a morte do cinegrafista da Bandeirantes.

    Mas a do Levy não acho inapropriada e é infinitamente mais grave que esse negócio de Katia Abreu. Esse cara é um liberaloide, Chicago Boy da mesma laia do Armínio Fraga e Gustavo Franco:
    http://noticias.portalbraganca.com.br/economia/mercado-financeiro-esta-na-espectativa-da-confirmacao-de-joaquim-levy-e-dos-demais-membros-da-nova-equipe-economica.php

    Ao invés dessa esquerda infantil ficar mirando no alvo errado, pois a pasta da Agricultura é do PMDB, não adianta essa esquerda fazer beicinho e ignorar o sistema político problemático do país ao qual essa mesma esquerda não tentou modificar nada, absolutamente nada, favorecendo a eleição dessa corja reacionária pro congresso nacional, deveriam ter criticado o cara supostamente da Fazenda, aí entenderia, mas não, implicam com a Katia Abreu pelo simbolismo da UDR, Caiado e cia.

    É falta de norte.

    E complementando, só acho legítimo a crítica ou chiadeira se a Dilma errar a mão pras Comunicações, Justiça e cia que é onde ela pode indicar quem ela quer, e deveria tirar o PT de SP, pois o tucanismo do PT de SP foi um dos responsáveis pelo quase naufrágio nacional do PT e do próprio encolhimento do PT em São Paulo, com consequências que você vê mais fortemente que o pessoal que não tem esse quadro de votação de reaças em peso como houve na eleição de SP pro PSDB e afins.

    Se a Dilma escolher um Paulo Bernardo 2, um Cardozo 2 e gente desse naipe em ministérios onde o PT pode mexer, aí sim acho a crítica e chiadeira legítima, antes disso é choro de criança mesmo, imaturidade e falta de compreensão do sistema político brasileiro que levou a essa projeção pífia da esquerda (ou forças progressistas) no congresso nacional.

    Não quero isolar o PSOL, espero que a mudança de postura de parte do PSOL no segundo turno dessa eleição venha pra ficar, mas o que na prática eles (e o resto da esquerda radical) ganharam com essa estratégia Kamikaze de radicalização que representou um aumento de 2 deputados (pífio) contra a eleição do congresso mais reaça desde 1964. É essa visão bizarra que eles têm do processo eleitoral? Começa por não dar a devida importância à eleição pro congresso achando que tudo se resume à eleição presidencial e por aí vai.

    • Baterei ainda nessa tecla da “militância caduca” mais vezes. Acho o tom de defesa desse pessoal uma calamidade, foi isso que levou o PT ao isolamento, não só a postura da Dilma etc. A postura prepotente, intolerante de parte da militância em nem se abrir a discussão porque tem medo ou não sabe contestar/rebater gente da esquerda mais imediatista demonstra falta de preparo político e um comportamento de torcida de time de futebol, que em política costuma ter o efeito devastador dos coxinhas (afasta gente normal de junto por não aguentar extremismo).

      Eu usei os argumentos acima e fui lido sem problema, outros partiram pra demonização do PSOL e afins e só criaram mais antagonismo contra o PT. Acho que essa postura da militância tb está em disputa no momento, a militância que consegue dialogar versus aquela que se encosta e fica com o discurso de torcida pra quem já pensa do mesmo jeito, esse pessoal foi extremamente nocivo na campanha eleitoral desse ano, como disse de outras vezes, me aborreci pra valer com essas pessoas e uma parte era do PT de SP, o que mostra que a queda do Padilha e do PT em SP não se deveu, nem de longe, a uma estratégia certa do PSDB e sim a esses rachas internos que ficaram mais flagrantes com o chilique da dona Marta Suplicy.

  • Depois que Gorbachev entregou o mundo numa bandeja aos EEUU, estes grupelhos radicais de esquerda precisam saber que já não ha mais espaço para eles nos dias de hoje. Não adianta espernear. Vão perder tempo. Até Chico Alencar não sabe “o que fazer”. Com perdão da palavra, são um bando de inconsequentes que presta excelente ajuda à extrema direita, querendo ver o circo pegar fogo. Lenine, quando viu que precisava acalmar a furia dos financistas externos, nomeou para sua equipe o banqueiro do Czar. E agora fica nossa esquerdinha, antiquada, fora de epoca e de moda a torpedear a presidente. O grande Allende, diante das forças de esquerda que o combatiam, disse com muita propriedade que o socialismo não se implanta com decretos. Já esta de bom tamanho se a presidente conseguir diminuir as desigualdades, levar progresso e desenvolvimento para o norte nordeste e tornar maior e mais solida a classe média. Tudo o mais que vier de positivo já é lucro.

  • A direita tem (e usa muito bem) seus meios/veículos de pressão para impor sua agenda ao governo. A esquerda usa o que tem e talvez peque por não criar meios alternativos. Mas o governo deve se equilibrar entre as duas pressões, que me parecem legítimas. O governo precisa mostrar ação, enfrentamento político, enfim, governar. Estudar e apresentar um pacote de ações para garantir e ampliar as conquistas da Classe C. Reconquistando a Classe C, especialmente a do Centro-Sul, o apoio popular será tão forte que acaba esse golpismo que está no ar e a base política reduz as cobranças estridentes. Na série de textos abaixo há uma reflexão neste sentido. O que a Classe C precisa? Recomendo a leitura.

    http://reino-de-clio.com.br/Pensando%20BR3.html

    http://reino-de-clio.com.br/Pensando%20BR2.html

    http://reino-de-clio.com.br/Pensando%20BR.html

  • Edu, concordo integralmente com seu texto. Vou inclusive publicar em nossa página Não Te Contaram. Um aspecto dessa conjuntura política, no entanto, me convence de que temos que urgentemente pressionar o governo para melhorar sua comunicação. Não dá pra esperar que esse ódio e repulsa ao PT, Lula e Dilma avance mais do que já avançou. Aliás, acho até que esperamos demais. O Planalto precisa dar sinais claros de que agora terá uma estratégia de comunicação com a Sociedade. Melhor: o Planalto precisa dar exemplos na sua própria atitude com relação à imprensa e aos profissionais (todos) que se dedicam a levar informações ao povo. Isso já devia ter começado no dia da reeleição, pois não depende de mais ninguém, não depende de nenhum outro Poder. Depois que o ódio se instala, fica muito mais difícil, senão impossível, revertermos a situação. E não pode ser diferente, uma vez que todo ódio é insano e impermeável a fatos, argumentos e ao bem senso. Penso que temos que pressionar por isso, ressaltando sempre que, estamos DEFENDENDO ESTE GOVERNO, porque ele também é NOSSO.

    Sobre isso, segue um texto publicado na página Não Te Contaram.
    Um abraço e nunca é demais lhe parabenizar pelo trabalho que desempenha.

    https://www.facebook.com/naotecontaram/posts/466607266810360

  • concordo edú,estou notando que quem está colocando esse terror da abreu e o levy é a própria mídia golpista e a esquerda caindo na dela.temos que aceitar que a direita é muitomais esperta e organizada que a esquerda por isso quase perdemos .A A´Dilma sabe o que está fazendo , mineirinha , sei que ela te ouve , ligue sempre e converse com ela , vc é nosso profeta. ADOREI a foto do premio do movimento negro. ABRAÇOS jussara.

  • Dilma Rousseff é a presidenta legitimamente eleita e ela escolhe quem ela quiser. E, quem aceitar sabe de antemão que terá de prestar contas a ela. Katia Abreu pode não ser a ministra dos sonhos, mas conhece o assunto e saberá se comportar dentro dos ritos protocolares. Melhor ela estar do nosso lado do que na oposição fascista tucana.

  • Eduardo, tem outro detalhe sobre a possível indicação da Katia Abreu para o ministério da agricultura,(uma coligada, a gente querendo ou não ) a coligação no estado dela, que a elegeu para o senado, tem como suplente um afiliado do PT, portando se ocorrer essa indicação, Kátia sai do senado e entra neste mesmo senado um Petista.

  • Edu, com todo o respeito que tenho aos blogs ‘sujos’, o seu é o que mais me identifico. Sempre fui PT mas não sei se sou esquerda ou extrema esquerda…o PT nunca me enganou, eu sei como funciona os bastidores de Brasília. E até o aperto de mão do Lula como o Paulo Maluf eu entendi..não se governa sozinho. O radicalismo não me representa. Muita saúde para que vc continue nos deliciando com os seus textos. peço licença a sua esposa para te mandar um beijão.

  • Não concordo com nenhuma das duas indicações. Embora ainda não tenham sido nomeados pela Presidenta me parece que o banqueiro não entende de produção, mola do desenvolvimento e a ruralista não entende de direitos sociais, amortecedor das penúrias da vida dos “sem posses”. Como fazê-los entender as diretrizes que o governo deseja é a missão da nossa Presidenta. Será um árduo trabalho tendo em vista o histórico de cada um dos possíveis ministros.

  • Edu, tudo bem! Entendo seu ponto de vista. Mas você mesmo fez um post dizendo que esperava a Dilma mais à esquerda, se espelhando na Luciana Genro. A Dilma pode até pensar em nomear esses ministros para acalmar os golpistas, mas será que isso é realmente o melhor? Do mesmo jeito que com a mídia. É melhor tentar acalmá-la, ceder aos seus interesses? Esse pessoal é golpista mesmo e não faz parte do time. São inimigos que “estão” do lado do governo. O PMDB é assim: é governo com o PT, mas se Aécio ganhasse eles governariam com o PSDB do mesmo modo. Acho que a Dilma tem que fazer as mudanças necessárias e parar de fazer concessões à direita. Lógico que isso nada tem a ver com a jornada de junho que, concordo com você, foi e seria novamente usada pelos golpistas de plantão. Mas acho que o MST tem que pressionar sim! Se os movimentos de esquerda não pressionarem, o governo fica refém da pressão da direita.

      • Não só isso, Edu. É preciso ter em mente que a centro-direita avançou no Congresso e na sociedade. Sem uma boa relação com esse novo parlamento mais conservador, mesmo que não tenha impeachment, o governo ficará acuado de todos os lados, e se arrastará até 2018.
        Só discordo que 2013 pode se repetir com aqueles protestos esquizofrênicos, fascistas ao lado de anarquistas. Pode haver é violência entre os grupos dessa vez.
        O povo não quer radicalismo e a Dilma tem que representar esse equilíbrio. Pelo que vejo ela começou a fazer política de gente grande. Cabeça no lugar e boa avaliação de cenário

  • Prezado Eduardo:

    “Se tais nomeações se concretizarem, suspeito de que, tal qual nas “jornadas de junho” ou nos protestos contra a Copa, grupos de esquerda compartilharão as ruas com a extrema-direita para acuar o governo.”

    Essa é a grande diferença entre Soldado e General. Enquanto aquele se preocupa unicamente com o combate o general tem que se preocupar tambem com a estratégia. Enquanto o combate se dá no campo, a estratégia se dá na mente. É por isso que quase todo general na antiguidade jogava xadrez para treinar a mente.

  • Sou obrigado a discordar. Se for para ficarmos fazendo governo conservador em nome da democracia, melhor estarmos fora do governo, até para não sermos confundidos com os inimigos do progresso, essa tarefa, deixo de bom grado aos PSDB’s da vida. Ou construimos acordos para avançar na modelagem de uma nação evoluída, com respeito pleno a cidadania, ou deixamos que o povo se canse dos que lhe tiram a oportunidade de ter uma VIDA. Se é para fazer isso, que não sejamos nós.

  • Edu, com essa guinada á direita se houver Dilma perde a esquerda e o PT perderá mais parlamentares nas próximas eleições, na atual ele perdeu 20 Deputados Federais muitos da melhor estirpe..se não houver o contraponto à esquerda no Governo Dilma II,tipo nomear Rosseto para o MDA e outros, nada mais será que uma nova “carta aos brasileiros” , rendição total ao “deus mercado”..permita-me discordar.
    Abraços

  • Obrigada, Eduardo, pelas suas análises. Elas sempre me acalmam. Concordo com você. Nós que elegemos Dilma temos que ter um pouco de paciência e mais confiança em nossa Presidenta. Já basta a oposição com suas criticas. Pela amor de Deus. Especialmente neste momento, a nossa Presidenta precisa de todo nosso apoio. Abraços,

  • Eduardo.
    Que pena você não ter um jornal de boa circulação para que muita gente,
    mais que nos blogs, embora hoje sejam de grande “circulação” tivesse acesso ás suas
    analises.
    Que senhor texto texto! Parabéns.

    (meu dia começa bem melhor que ontem ouvindo o besteirol)

  • Mais que Levy para economia, Katia para agricultura e a indicação daquele que será o Ministro das Comunicações, embora reconheça o quanto vai ser difícil implantar a Lei dos médios no país, se torna necessário alguma regulamentação, não aguento mais viver nessa campanha de difamação contra o PT, contra o Lula e a Dilma, alguma coisa precisa ser feito. Quanto ao mais concordo com vc, vai-se os anéis ficam-se os dedos, já dizia minha avó

  • Para aqueles que não percebem a REAL E IMPRESCINDÍVEL necessidade do governo de manter a estabilidade e seu poder, neste momento em que o golpe está sendo costurado, indico que leiam O Príncipe de Maquiavel. É um show de realidade política. Devemos nos unir e apoiar nossa Presidenta, que de boba não tem nada.

  • Imagine se o Trabuco tivesse aceitado o convite.
    Os prato dos pobre ia ficar sem comida”!”
    Foi ela que disse.
    Lamentável essa esparrela entre o discurso pré-eleitoral e as atitudes atuais.

  • Edu, quer dizer então que cabe à esquerda referendar quaisquer ações do governo para evitar um golpe?
    Lamento discordar, amigo.
    O governo foi eleito sob o signo da mudança e é legítimo que as forças progressistas – que asseguramos a reeleição da presidenta com uma mobilização só comparável à de 89 e 84 – pressionem o governo em busca de nossas pautas.
    Quer dizer então que nossa sina é sermos reféns da tal governabilidade, contentando-nos com as migalhas de mudanças?
    Definitivamente, não. Não há mudança sem embate e não podemos, ao primeiro grito enrolar nossas bandeiras e voltar para baixo da saia da mamãe.
    Tem mais: Essas indicações, se confirmadas, garantirão a fidelidade da base aliada? Ou, apesar das Katias Abreus, Levys e Kassabs (que será nomeado, com certeza), ainda teremos um golpista Eduardo Cunha na presidência da Câmara, contrariando um acordo e o costume?
    Não, meu caro, acho que dessa vez vc está completamente enganado. As concessões que Dilma fizer não garantirão um mísero apoio á direita e afastará a esquerda. E daí, quando o golpe vier (parlamentar e/ou judicial), não terá a esquerda nas ruas para defende-la.
    É preciso que Dilma saiba fazer a leitura do momento histórico. O modelo Lulista de distribuir renda sem impor perdas ao capital está exaurido e é preciso dar o próximo passo. Mais saúde, educação, distribuição de renda, reforma agrária, regulação da mídia e reforma política com plebiscito. Dilma deve montar um ministério comprometido com essas pautas, deixar claro para a tal base aliada que quem não apoiar esses temas no Congresso será tratado como oposição e buscar apoio nas ruas. De verdade.
    Essas nomeações, logo no começo do governo, são um péssimo sinal, indicam, mais uma vez, a capitulação sem luta e se depos disso tudo ainda tivermos Eduardo Cunha na presidência da Câmara, teremos um governo de joelhos ante ao parlamento e a derrota em 2018 será certa – e merecida.

    • Concordo! A direita amarra o Governo e depois, nas eleições, vai esculachar o mesmo! Basta lembrar que muitos PMDBistas apoiaram Aécio. Se o Governo não for bem o PT vai cair ainda mais nas próximas eleições. Se não enfrentar agora, vai correr um risco grande!

  • Edu, excelente análise. E cada dia que passa fica mais claro o significado das jornadas de junho.
    A esquerda tem que debruçar sobre isto e aprender. Já tivemos muitos momentos históricos no Brasil em que a desunião da esquerda se mostrou a melhor tática da direita.
    Como contraponto, só acho que o governo tem que estar mais presente na mídia, para o contraditório. Isto tem que ser uma mudança de perfil no segundo governo da Dilma.
    Espero que venha.
    De novo parabéns pela analise. Abraço

  • Acho que Kátia Abreu e Joaquim Levy, que comecei a conhecer agora, são sapos que teremos que engolir para poder governar. E o maior sapo, para mim, é um petista: José Eduardo Cardoso.

  • Edu ,você deveria enviar esse post a todos os movimentos sociais que ajudaram Dilma a se reeleger . As vezes é necessário que alguém nos mostre coisas que nosso radicalismo não nos deixa enxergar . Beijos em Vitória e muita saúde.

  • Como sempre, texto excelente mas o maior problema, a meu ver, não está na nomeação de A, B ou C. Está no vazamento (e sabemos bem por quem) para a mídia (de oposição) dos nomes dos possíveis ou até prováveis escolhidos. O perfil de alguns dos citados, claro, desagrada setores da esquerda, por sinalizar a possibilidade de uma guinada ao sentido contrário ao prometido na campanha. Embora às vezes a esquerda aja como o garotinho de 4 anos, precisamos entender que a sua atitude é consequência, justamente, do tratamento que recebe, como se fosse o tal garotinho e não merecesse explicações e justificativas antecipadas. Em resumo, continua o governo insistindo no seu maior erro deste primeiro mandato, a absoluta falta de comunicação com as bases militantes e com o povão que aprova a sua política social. Enquanto Dilma der ouvidos e seguir a assessoria de pessoas que dariam a vida por sair nas páginas amarelas ou receber elogios no JN, desagradará a quem, de fato a elegeu.

    • Ia falar exatamente isso, caro Edson. O problema não são os nomes, é a forma que está sendo feito. Tudo leva crer que Dilma vai governar num estilo Lula do primeiro mandato, em que dosava um ministro mais consrvador com outro mais progressista.
      Só que era para ela anunciar todos ao mesmo tempo, com um mais a esquerda compensando esses aí. Só que vazam tudo, e o pig já tratou de indispor o governo com a esquerda “incendiária”. Até o Merval elogiou o Levy! Isso é estranho, pode crer.
      A Dilma começou a fazer político com P maiúsculo, agora falta acertar a comunicação, que é inexistente!

  • Parabéns pelo texto, Edu. Parabéns, sobretudo, por conseguir manter a lucidez num momento tão tenso quanto este que estamos vivendo na política brasileira. Mal saímos das eleições e enquanto a direita tenta, por todas as formas, “jurídicas” ou “publicitárias” derrubar um governo legitimamente eleito, parte da esquerda, que votou em Dilma, engole a isca jogada pela direita e começa a arrepender-se de ter dado apoio a um governo que, afinal, “nem é assim tão distinto do PSDB”. Todos nós sabemos quão fácil é colocar o sino no gato. Difícil é decidir quem vai fazê-lo. Demos nossos votos a Dilma, mas, de fato, parece que não temos confiança na sua capacidade de governar. A governabilidade está por um fio e nós não fazemos senão balançar este mesmo fio porque todos nós sabemos qual o melhor ministro para tal ou qual pasta. Só a Dilma é que parece boba e faz tudo errado. Claro que sem nosso apoio, nossa confiança e, sobretudo, nossas exigências e nossa combatividade, ela não poderá levar seu projeto de governo adiante. Para fazê-lo ela precisa ter certeza de que conta com nosso apoio. A que se comprometeu, de fato, Dilma? Que não aumentaria o desemprego e nem cairiam os salários. Nada, até agora, nos leva, concretamente, a duvidar que o prometido será cumprido. Que lutará pela redução da desigualdade social. Só as menininhas (inteligentes), mas mimadas, é que acham que se faz isto batendo o pezinho. Ou nós ainda não nos demos conta de que a tarefa mais importante do PT no governo é o desmonte da máquina criada e alimentada pela ditadura? O que foi o governo do FHC (sobretudo o segundo turno) senão o domínio absoluto do ACM? Esta limpeza custa muito caro e se faz muito lentamente. Mas o retorno à imundice é rápido e doloroso.

  • Mensalão do PSDB? Privataria das Teles? Lista de Furnas? Operação Castelo de Areia? Operação Satiagraha? Carlinhos Cachoeira? Trensalão do metrô de São Paulo? NADA DISSO INTERESSA. O que interessa é não melindrar a direita. Enquanto isso, o Partido da imprensa Golpista vai colando o rótulo de corrupto nos petistas, E SÓ NOS PETISTAS. Mesmo que não seja possível o golpe para impedkr a posse da Dilma, o PT chegará em 2018 COMO O PARTIDO MAIS CORRUPTO DO BRASIL. Não tenho duvidas que Tarso Genro perdeu a eleição no RGSul já por causa desse rótulo. Acooooordeeeemmm ou a eleição de 2018 vai para o saco.

  • Algumas pessoas acham que conseguem resolver o Brasil com um parágrafo de achismos superficiais e que é fácil ser presidente da república e fazer um governo perfeito, desconsideram as inúmeras vitórias e avanços do PT e se concentram só nos problemas, no lado vazio do copo. Pensam que sabem mais do horizonte de Dilma Roussef e seu governo do que ela mesma, parecem treinadores de ocasião em copas do mundo, que se fossem os comandantes da seleção, o Brasil não perderia nunca. Falar é fácil, quero ver tomar iniciativas pra tentar mudar as coisas efetiva e permanentemente, antes de sair por ai achando que conseguem fazer mais e melhor. É muita falta de noção da complexidade dos problemas nacionais, respeitem a Presidenta, por que antes de mais nada ela teve a coragem de dar a cara a tapa. Eu aprendi a confiar nela, por que sei o tanto que ela trabalha e se dedica pra transformar esse país que tem uma das elites e grupos de mídia mais covardes que se tem notícia no mundo. E quem acha que ela faz concessões à direita por que está afrouxando sua ideologia na verdade não conhece ela. abs

  • Logo logo Dilma nomeia José Serra pra secretaria geral da presidência. Se é pra ter governabilidade, qualquer coisa serve.
    Agora, o que mais me impressiona no comportamento político de Dilma, é ela não ter dado a mínima para os movimentos sociais no seu governo, mas na eleição buscou socorro neles, e principalmente na militância. Sinto-me totalmente traído.
    Vi um comício de Lula na campanha onde ele dizendo vamos fazer isso e aquilo disse “reforma agrária”. Pegou mau. Foi apelação, mas saiu automático, não teve como esconder. Quer dizer, no discurso vale tudo, no governo muda tudo.
    A equipe econômica não tem a menor importância pois a política básica é sustentar os bancos e isso não vai mudar. É a espinha dorsal da economia. Se der, continuamos a dar umas migalhas pra população. É só ver os resultados. Educação básica, saúde (e se não tivéssemos o pré-sal não ia ter recursos mais?), , segurança (Dilma, pare de colocar a culpa nos estados, por favor, tome atitude) e transporte, o que tivemos nesses dose anos? Muito pouco. E pare de comparar com os tucanos. Qualquer governo decente mesmo teria feito enormes esforços políticos para se garantir os investimentos para essas áreas tão calamitosas. Qualquer coisa que se faça é melhor que os tucanos Dilma.
    Lula e Dilma não fizeram nada de mais nessas áreas. Isto é fato. Fizeram muito pouco. Tudo continua uma calamidade. Já são 12 anos! E olha que 12 anos com crescimento econômico, imagine se não fosse assim.
    E Kátia Abreu na Agricultura é só formalização da política JÁ adotada há anos.
    Em suma, pra mim, Dilma não foi honesta. Não tem como traduzir isso de outra maneira, Eduardo.
    O PT acabou há muito tempo.
    Aliás, alguém seria capaz de dizer quantas vezes ouviu de Dilma as palavrinhas “Partido dos Trabalhadores”? Eu já havia observado isso há muito tempo. Tudo é feito para se ganhar a eleição. Falta de personalidade e esperteza da parte dela.
    E outra coisa importante é muitas pessoas criticam os ministros ruins como se eles fossem os proprietários de suas pastas e Dilma não teria como interferir em suas políticas e atitudes incompetentes. Estranho isso. Se como você, Eduardo, terminou o texto dizendo que a chefe é Dilma, logo, a chefe do Bernardo e do José Cardoso é Dilma, correto?

  • Mas tem uma má notícia nesse início de governo, Edu. Soube que a Franklin brigou feio com a Dilma. Uma perda lamentável, a área de comunicação será chave no segundo mandato. Franklin foi o criador da melhor inciativa oficial na internet, o site Muda Mais. E agora?

  • Não acho saudável quando se começa a justificar qualquer coisa que o governo faça. Não é saudável inclusive ao próprio governo. Lembro que Dilma não ganhou a eleição por ser de direita, mas sim por apresentar um discurso social de esquerda e por ter tomado um rumo de defesa das políticas sociais durante a campanha. Foi esse discurso, não o contrário, que a fez vencer apertadamente (pelo menos em termos úméricos, porque sabemos o valor da vitória diante de mídia, Marinas, viúvas, e que tais). O tal do Levy talvez seja defensável, mas Katia Abreu não tem retórica que justifique. Nem dentro do PMDB ela tem tanto prestígio assim, é uma recém chegada apenas. A nomeação de uma sujeita dessas passa a nítida impressão de que o PT só recorre a um discurso de esquerda para ganhar eleição. Depois faz todos de trouxas e deixa a direita governar. Como, na verdade, ninguém é trouxa, a fatura será cobrada na próxima eleição e os adversários, é lógico, terão a faca e o queijo na mão para explorar a contradição. Quem não o faria? Acusaram a Marina Silva de se aliar a Caiados e afins, no que estavam certíssimos, porque eles representam o que há de mais atrasado no Brasil, e agora, surpresa!!!!, eles estarão no governo. Crítica é importante, o papel de justificar tudo não é de um bom aliado, é de bajuladores pouco comprometidos. Não estou, de forma alguma, dizendo que esse é seu caso, mas temos que tomar cuidado com esse tipo de coisa.

  • Edu, este tema ainda está longe de qualquer analise ou debate, visto que ainda não saiu os nomes oficiais, e os motivos técnicos e políticos que levarão a escolha de cada um. Qualquer coisa antes disso não passarão de meras conjeturas e especulações pura e simplesmente.

    E mais uma vez, parabéns por mais um de seus belos textos !!

  • Edu, entendo tudo o que você diz e digo mais: apoiamos Dilma, a despeito de sua coligação para lá de ampla, um verdadeiro balaio de gatos que incluía o PSD, se não me engano o partido da Kátia.
    Por outro lado, não resta dúvida que, em razão dos motivos que você elencou, vivemos uma situação da mais absoluta chantagem. E chantagem só é realmente vencida quando a ela se corre o risco de dizer um “não”. Ou o chantagista recua, pois no fundo não é bem o que ele quer, ou ele bota para quebrar de uma vez, o que no caso em comento seria uma tragédia.
    De qualquer forma, Dilma tem uma lição do primeiro mandato, reconhecida por ela naquela entrevista a vocês blogueiros: ela tentou ser simpática à mídia e à oposição: festinha da Folha, cartinhas pra FHC etc. Ela reconheceu que foi tudo perda de tempo, desgaste de imagem etc.
    Como resolver? Eu ficaria no meio do caminho. Manteria o convite à Kátia, até porque ela é de partido da coligação: é hipocrisia demais ficarmos esperneando, ainda que tenhamos bons motivos para não gostar.
    Quanto à Fazenda, jamais chamaria o tal Levy para o cargo de ministro, convidando-o para outro posto-chave qualquer, mas sem a simbologia daquele cargo. O Nelson Barbosa me parece perfeito: economista respeitado, não é “engolidor de criancinhas” do PT, está na equipe do ótimo ministro Guido Mantega, já está ambientado com o estilo e desejos de Dilma.
    Se for o caso de dobrar o tal mercado, Barbosa, com seu estilo, conseguiria.
    Se, a exemplo da mídia e da oposição, o mercado não estiver disposto a dar trégua para Dilma, acenos com Chicago’s boy não serão suficientes.

    • Como dito pelo Edu, Katia Abreu (ex-PSD) foi para o PMDB, o que reforça mais ainda o argumento de que é hipocrisia ficar chorando com eventual nomeação dela.

  • Apontado como solução para os problemas fiscais do Brasil, Joaquim Levy coleciona uma série de indicadores piores no período que foi secretário do Tesouro do que Arno Augustin. Em abril de 2006, último ano que Levy esteve a frente do Tesouro, o prazo médio dos títulos do Tesouro emitidos foi de 24,4 meses, muito abaixo dos 51,8 meses de Arno em setembro. O custo médio da Dívida Pública Federal passou de 14% nos tempos de Levy, mas tem se mantido em torno de 11% nos últimos meses. Além disso, a relação dívida/pib é menor hoje (35,93%) do que ao final da gestão Levy (47,7%).

  • Recado da Chefe:

    “Vou continuar coerente com o que penso para o Brasil e para os brasileiros nos últimos 12 anos. O voto que recebi é pela inclusão social, pelo emprego, pela estabilidade política e econômica, mais investimento em infraestrutura e modernização do País e, sobretudo, votos para mais investimento em educação”.

    Dia 20/11/2014 na Conferência Nacional de Educação (Conae).

  • Edu, excelente texto, compreendo também que tudo é civilizável, porém, entretanto, toda via, minha cota de civilidade se esgotou com o advento Marina, Aécio, Agressões em situacionistas, pedido de golpe por meia dúzia, o pig, juízes direitistas, etc… etc… etc… Concordo do você quando diz que, quem manda é Dilma, facto.
    E eu pergunto: Mas quem governa?… Afinal, basta dar uma olhadinha assim meio de lado para o ministro zé, pois bem! Sabedor de tudo isso, e me preparando para o pior, prefiro apagar o fogo com um balde de gasolina; e ai, talvez, entendam o recado.

    PS.: Não vejo ninguém, mas ninguém mesmo! do PT Rechaçar com veemência as barbaridades publicadas no PIG diuturnamente. É brincadeira, né não?

    Fazendo uma analogia ao garotinho que pôs fogo na casa, precisamos descobrir o nome desse garotinho, para passar um corretivo antecipado; para ele não fazer arte.

  • Concordo plenamente com seu ponto de vista, meu caro Eduardo. Só não concordo com os nomes escolhidos, como nunca concordei com o Afif Domingos, são óbvios demais. O Presidente Lula fez o mesmo em seu início de governo, aplacou o furor reacionário da mídia PIG, mas foi muito mais sutil com os nomes escolhidos na ocasião.

  • O 1º suplente da senadora Kátia Abreu, eleito agora em 2014, é Donizete Nogueira, filiado ao PT. Esse suplente assume a vaga no senado enquanto Kátia estiver no Ministério. Imagina um processo de impeachment. Quem julga são os senadores. Isso sem falar nas votações da reforma política, democratização da mídia… Cada voto a nosso favor é decisivo. Já deu pra entender ou ainda preciso fazer um desenho?

  • Não entendo isso, em vez de reclamar o povo deveria estar feliz que a Katia Abreu passou para o lado do bem. O próprio Jesus disse que há mais alegria nos céus por um pecador arrependido do que por 99 justos.

  • Eduardo, concordo parcialmente com seu ponto de vista. Entendo que, enquanto poder, a presidenta Dilma não poderia agir de forma diferente. Não é possível governar um país como o Brasil prescindindo de parte – significativa – de representantes de segmentos da sociedade que o compõe, especialmente quando esses segmentos detêm os meios de produção e são fortemente ligados aos meios de comunicação, que formam a opinião de grande parcela da população especialmente nas classes populares e que ainda mantêm essa população subjugada à crença de que o capital é que gera trabalho e não o contrário. Entretanto, enquanto cidadão razoavelmente politizado, defensor das políticas de inclusão social e distribuição de renda que esse governo proporcionou nos últimos 12 anos, sou crítico à indiferença do mesmo quanto à comunicação e proximidade com aqueles segmentos que não sejam militantes de “fé-cega, faca amolada” que defendem intransigentemente o Partido dos Trabalhadores. Aqueles que não são filiados, mas passam boa parte do tempo no trabalho, nas redes sociais, nas universidades defendendo valores socialistas e, no limite, progressistas, ficam “pendurados na brocha” quando veem anúncios como esses citados (ainda não oficializados, é certo). Dá a impressão que esse governo vai continuar andando em círculos, recuando ou se calando quando afrontado, acuado pela mídia e pelo capital sem levar o contraditório à população, sem coragem de levar a cabo as reformas que precisam ser feitas e pelas quais ansiamos desde a sua ascensão ao poder, tais como a reforma agrária, o fim do trabalho escravo, das mortes de lavradores e indígenas, a reforma política, a democratização da mídia, etc. Como serão os ministeriáveis das Comunicações, da Justiça e da Secretaria de Comunicação Social? Do mesmo nível dos que nos fizeram passar o maior sufoco, vendo a iminência da direita retomar o poder em outubro último?
    Não acredito que os partidos de esquerda mais radicais venham a fazer as besteiras que fizeram em 2013, ninguém é tão louco de levantar a bola duas vezes para a direita; não creio que velhos ex-militantes, como eu, venham a tramar contra o governo da presidenta Dilma, mas que dá uma raiva e uma vontade danada de “largar o osso” de sua defesa, ah, isso dá!

    • Pedro Costa, você resumiu o que tentei comentar lá no começo, só que acabei me extendendo (de novo).

      Essa questão da militância cega e truculenta que trata partido como time de futebol é séria, transcrevo o trecho:

      “sou crítico à indiferença do mesmo quanto à comunicação e proximidade com aqueles segmentos que não sejam militantes de “fé-cega, faca amolada” que defendem intransigentemente o Partido dos Trabalhadores. Aqueles que não são filiados, mas passam boa parte do tempo no trabalho, nas redes sociais, nas universidades defendendo valores socialistas e, no limite, progressistas, ficam “pendurados na brocha” quando veem anúncios como esses citados (ainda não oficializados, é certo)”

      Eu já comentei aqui pro Edu que até “campanha” de um desses xiitas (ou vários, pois são mais de um), pedindo e mandando que não postassem nada do Edu, do Rovai, do Vianna etc eu já cheguei a ver, porque discordaram de alguma coisa, daí criam um “index” e tentam pilhar qualquer discussão ou impor à força um ponto de vista, criando atritos com gente que apoia Dilma. Se criam atrito com quem apoia o governo e não é filiado ao PT (eu não sou), imagina com aquele pessoal mais idealista, que está ressabiado com o governo como irão se comunicar com esse pessoal? Não vão se comunicar, além disso estão queimando o partido e o governo Dilma e o governo tem culpa na questão da mídia e comunicação. Se eu me abuso com esse pessoal e sempre votei no PT, imagina quem nem tem simpatia pelo PT o que pensa ao se deparar com comentários dessa militância cega sem autocrítica.

      Vou aguardar o anúncio do governo sobre a pasta da Comunicação, Secom e Justiça, aí sim vamos ver se cabe certas críticas ou não, até lá não acho anormal a escolha dessa Katia Abreu pruma pasta do PMDB (ela é do PMDB) ligada ao agronegócio e afins, não é quem eu quero governando, mas existe a imposição real das urnas e das forças políticas que compõem o governo que força a isso. Não tenho problema em acatar uma escolha desse tipo desde que o governo não apunhale pelas costas na questão da mídia e do Ministério da Justiça, aí sim a coisa pega.

  • Parece que todos os blogueiros progressistas resolveram defender as escolhas da Dilma para o Ministério. Todos argumentando que quem vai mandar de fato é a Dilma.
    Ganhei muitos votos pra Dilma dizendo que o Aécio iria aumentar juros, a gasolina e governar para o mercado. Tudo que o governo Dilma fez em menos de um mês. Agora sou eu que tenho que ficar dando explicações.
    Já que é a Dilma que vai mandar, que tal vocês pararem de criticar o Paulo Bernardo das Comunicações e o Zé Eduardo da Justiça. Afinal, a culpa não é deles, já que é a Dilma que manda, certo?
    Pelo menos assim ficaria mais coerente.

  • Tem a ver com a necessidade tb de dividir o campo inimigo, claro. Sun Tzu ja sabia.
    Teria a ver tambem com nossa dilma ter terminado de ler um puta volume sobre getulio vargas..
    E tem a ver sem duvida com a nossa debilidade politica. A qual tem causas conhecidas.

  • O que falta realmente é Comunicação por parte do PT com os seus militantes e apoiadores. A comunicação no Governo Dilma não existe! Daí o resultado é: Governo que não se comunica os militantes que se estrumbicam e são taxados de “Direitistas”.

  • “Katia Abreu é um horror. Joaquim Levy, uma desgraça. Contudo, sinto-me mais seguro com eles trabalhando em um governo do PT do que em um governo do PSDB, onde poderiam pôr para fora todas as suas taras reacionárias enquanto o presidente da República aplaudiria.”

    Disse tudo…

  • Caro Edu.
    Sou um dos fundadores do PT na minha cidade no final dos anos 80. Devido a alguns problemas locais, me afastei um pouco do grupo daqui, mas continuei nas campanhas nacionais e estaduais. Não gosto nada da direita do nosso país (imagine no interior…), mas entendo que não há, ainda, condições de prescindir de certos elementos conservadores no Legislativo. Gostaria de saber quais as propostas que essa esquerda “esquentada” apresenta para vencer a maioria conservadora no Congresso. Quantos projetos “de esquerda” mesmo conseguiram aprovar sem apoio de alguns conservadores? Quantos votos conseguem arregimentar para os seus projetos polêmicos? Nem conhecem os nomes do restante da equipe e já se eriçam. Ministros podem ser trocados a qualquer momento , caso não aceitem as determinações da Presidência. Acho que muitos dos que agora criticam, ou não são petistas mesmo ou não estão preparados para a luta que se desenha. Política exige atuação constante.
    Parabéns por sua postura equilibrada (por mim, já esperada)!
    Grande abraço

  • Concordo com seu post, Edu. E corroborando com ele o PHA escreveu um post na mesma linha: “O Conversa Afiada apoia a Kátia”. Em outros tempos eu torceria o nariz para essa indicação mas vendo que ela, apesar de ser da ala ruralista, passou a ser mais palatável que o Caiado, inclusive não concordando com o ódio que este destila contra o governo federal. Lembro que Kátia, no início do governo Lula exercia uma oposição ferrenha contra o governo federal mas, ao que parece, essa sua oposição abrandou a tal ponto que hoje pertence ao PMDB e, portanto, faz parte da base aliada do governo Dilma. E é como PHA diz: o MST vai ter que saber conviver com Kátia.
    .

  • A estratégia dos partidos de extrema esquerda é conhecida há muito tempo. Querem forçar o PT a ir mais para a esquerda, isto é, querem conduzir o processo político. O PT não pode abrir mão do papel de diretor desse processo. Não se pode deixar conduzir pelo PSOL e que tais. Do contrário, fará o papel de João Goulart, que se deixou conduzir pela extrema esquerda e acabou no que todos se recordam. Claro que o governo tem de abrigar, em alguns ministérios, integrantes de partidos aliados. O PT, para governar sozinho, teria de chegar ao poder no bojo de uma revolução. Não estamos em 1930, nem em 1964. Para esclarecer melhor, o ano corrente é 2014, até o fim de dezembro, ou até prova em contrário. Os dirigentes do Ministério da Agricultura, nos governos do PT, têm sido indicados pelo PMDB. Roberto Rodrigues, que ocupou o cargo de 2002 a 2006, manifestou apoio à candidatura de Aécio Neves. Reinhold Stephanes, que foi ministro nos Governos de Fernando Henrique Cardoso e Fernando Collor de Mello, assumiu a pasta em 2007. Depois veio Wagner Rossi, estritamente ligado à elite e ao agronegócio. Aí foi a vez de Mendes Ribeiro, também indicado pelo PMDB. Nenhum deles, diga-se de passagem, foi menos conservador que Kátia Abreu.

  • Porque não dar um ministério pro Bolsonaro? E outro pro Feliciano?
    Na lógica do blogueiro é melhor Katia et caterva serem ministros do governo do que estarem em outro governo. Juro que não entendi, afinal nós elegemos Dilma porque não queríamos essa turma, não foi isso? E agora é melhor ter essa turma conosco? Lógica torta essa, hein?

  • EDU: Seu texto é excelente. O mesmo ocorreu com Paulo Francis. Ele denunciou a roubalheira na Petrobras em 1997. Ao invés de exigir a apuração das mutretas daquela época, procura-se demonstrar que o jornalista e escritor era de esquerda e se transformou em extrema direita, o que é verdadeiro. No entanto, eu procurei levar a denúncia dele aos leitores e contestar a impunidade daquela época. No caso em tela, procura-se mais em criticar a escolha desse prováveis ministros. Desconheço se esses mesmos críticos, fizerem restrições a alguns desses nomes, quando eles foram nomeados pelo Lula. Se não protestaram naquela época, é estranho que protestem agora. O importante é quem dirige. É o que penso. Quanto ao meu pensamento sobre Paulo Francis, preocupei não com ele, mas com a sua gravíssima denúncia, que na época ficou impune. Veja o que escrevi:
    Escândalo na Petrobras iniciou em 1997 (Governo FHC)
    Jasson de Oliveira Andrade
    A Operação Lava Jato (corrupção na Petrobras), com a prisão, pela primeira vez, de corruptores (empreiteiros) escandalizou o Brasil. A impressão que se tem é que tudo começou agora. Na verdade, o início do escândalo deu-se em 1997, no governo de Fernando Henrique Cardoso. A diferença, como salientou a presidenta Dilma, é que agora está sendo apurado, o oposto do que ocorria no passado quando se escondia a sujeira debaixo do tapete. É o que veremos a seguir, com a denúncia, em 1997, do jornalista e escritor Paulo Francis, autor de vários livros.
    Ricardo Melo, em artigo na Folha (16/11), ao analisar o escândalo, escreveu: “Sempre é bom lembrar. Em 1997, o jornalista Paulo Francis denunciou esquema de roubalheira na Petrobras num programa de TV. O presidente da empresa, Joel Rennó, em vez de tomar alguma providência, abriu processo de US$ 100 milhões contra Francis. (…) Tampouco ocorreu ao governo de então – primeiro mandato de FHC – realizar qualquer esforço investigativo para coibir práticas conhecidas por gente da alta roda e mesmo empresários medianos. Era mais fácil intimidar o jornalista com uma multa impagável do que apurar (sic). Como efeito colateral, o esquema contava silenciar a imprensa em geral. Sabe-se como tudo acabou”. Luciano Martins Costa, em 17/11/2014, no artigo “Paulo Francis não morreu”, disse: “A prisão de 24 altos executivos, entre os quais quatro presidentes de grandes empresas e um ex-diretor da Petrobras, coloca nas mãos da Justiça o material necessário para aprofundar (sic) as investigações sobre a corrupção”. Adiante ele recorda o que ocorreu com o escritor após sua denúncia sobre a corrupção na Petrobras: “O jornalista Franz Paul Heilborn, que assinava sua coluna nos jornais e se apresentava na TV como Paulo Francis, morreu menos de um mês depois de ser informado por seus advogados de que não tinha como se defender no processo movido pela Petrobras na corte de Nova York. Como havia acusado sem provas, baseado em fontes que não podia revelar, entrou em depressão e sofreu um estresse que causou sua morte por ataque cardíaco, segundo revelou sua mulher, a jornalista e escritora Sonia Nolasco. (…) Os fatos que agora vemos expostos nos jornais demonstram que sua denúncia tinha fundamento”, terminando assim seu texto: “Os jornais não poderão seguir com seu joguinho de mostra-e-esconde. O fantasma de Paulo Francis vai assombrar as redações”. Já o jornalista Sérgio Augusto, no Aliás (caderno do Estadão), em 23/11, também recorda: “Há quase 20 anos, o jornalista Paulo Francis denunciou, no programa Manhattan Connection, que “todos os diretores da Petrobras”, punham dinheiro na Suíça. Apesar do alerta em off de Lucas Mendes (“olha que dá processo”), Francis não tirou o dedo do gatilho. (…) Lucas suspeitou certo: deu galho. Não contra a quadrilha vagamente apontada por Francis (o que só poderia ocorrer se o então presidente da Petrobras, Joel Rennó, tivesse mandado investigar a procedência das acusações e as tivesse comprovado), mas contra o acusador. (…) Rennó afinal venceu a parada. Mas não nos tribunais”. Sergio Augusto conclui seu texto: “A Operação Paulo Francis demorou 17 anos para se concretizar. “Lava-Jato” é apenas seu nome fantasia”.
    E a Operação Paulo Francis será investigada? Duvido. Os acusados, creio, ficarão impunes, diferentemente do que ocorre com a Lava-Jato…
    JASSON DE OLIVEIRA ANDRADE é jornalista de Mogi Guaçu (novembro de 2014)

  • Sociedade conservadora + sistema capitalista + Vice Michel Temer do PMDB em tese não precisa de fósforo. Temo mais o PMDB como vice do que Kátia e Levy como ministros. Outro vice de um partido mais a esquerda daria outro sentido ao “impeachment”… O PMDB como vice de Dilma e autocombustao não precisa da faísca do fósforo.

  • Edu, que interessante a história, eu também era fascinada por caixa de fósforos quando era criança e já quase botei fogo na casa, foi por pouco.

  • E se esses nomes foram plantados pela mídia golpista ou pela própria direita no desejo de que Dilma nomeie essas pessoas? e se for um balão de ensaio solto pelo PT para que esses setores reacionários tanto da mídia como da direita parem por enquanto de encher o saco.

  • Pra vcs que acham que indicar Katia Abreu e o representante do neoliberalismo puro pra fazenda vai “acalmar” a direita e evitar o impeachment só digo uma coisa:

    Lembrem em quem o Sarney votou. Na hora ‘H’ a direita que Dilma parece querer conquistar vai fazer a mesma coisa.

    A direita não quer concessão, a direita quer o poder de volta nas próprias mãos sem intermediários.

    Indicar essa gente é um tiro no pé. Quem salvou Dilma no segundo turno não foi o latifúndio – aliás naquela região o PT perdeu feio. Muito menos os banqueiros.

    Alienem quem REALMENTE poderia ir pra rua brigar pela legalidade e vcs se entregam de bandeja aos golpistas. Será que não entendem que entregar os anéis pra essa gente não basta?

    Acha que fazer um Lula 1 doze anos depois val acalmar essa turma quando acrise bater com força por aqui e alguém tiver que pagar a conta?

    Depois não reclamem quando pra rua só forem os lobões. Quem vai pra rua brigar por Katia Latifúndio e Levy Mercado Financeiro?

    • Quem foi pra rua brigar por Dilma? Até agora, não vi uma só manifestação de apoio a ela. Além disso, o que você prefere, movimentos sociais na rua ou votos no Congresso? Não conhece a democracia representativa, acha que só tem um poder. O Brasil não é governado só pelo Executivo. E se os movimentos sociais não forem pra rua defender Dilma, vão ser os primeiros a se ferrar. Se derrubarem a chapa de Dilma no TSE, entra Aécio. Se derrubarem a Dilma via impeachment, entra Michel Temer. Ambos vão esmagar o MST, por exemplo. Sugiro que não abandonem Dilma.

  • Ser coerente não é atear fogo na casa. A nomeação ( já consumada) é para “acalmar” os ruralistas canalhas , infiltrados em todos os partidos? Tudo bem! Então , queremos saber quem será nomeado para “acalmar” os sem terra, os sem tetos e os sem nada, que APOIARAM E VOTARAM na Dilma? Ou é só a direitalha que precisa ser “acalmada”?

  • Bom texto Edu. Acho que as coisas não podem ficar só com os políticos. Tenho tentado montar um grupo aqui no Rio de Janeiro para, juntos, fazermos alguma coisa para assegurar o mandato da presidente eleita.
    Muitas coisas podem ser feitas, mas, em grupo após discussão e participação de todos. Está faltando passeata de apoio à Dilma. Por que aqui no Rio de Janeiro, ninguém iniciou uma passeata de apoio? Por que ninguém começou a discutir sobre a verdadeira audiência da Globo? Na realidade, a audiência da Globo é fictícia, pois, se formos almoçar no Centro do Rio, notamos que os televisores ligados estão na Globo. Por que? Por que não ter um grupo saindo a estes restaurantes e pedindo para mudarem de canal? Precisamos começar a fazer alguma coisa antes que seja tarde demais. Eduardo vc está autorizado a fornecer meu e-mail a quem se interessar a discutir estes assuntos. Grande abraço.
    Luiz Felipe

  • Porém, a presidenta precisa deixar claro “Para onde pretende ir e…Até onde….”
    E isto exige uma comunicação mais eficiente e direta com a maioria da população.
    Sem isto, mesmo que ela esteja caminhando mais a esquerda ( com Katia ou sem )
    o PIG sempre deturpará sua tendência, mostrando o contrário.
    E nisto, os grupos de esquerdas ainda são , por demais, imaturos. Pois analisam a
    realidade apenas pelo seu prisma ideológico e, o pior, tendo como base a grande
    Mídia Golpista.
    Parte desta esquerda fez eco e gritou até mais alto quando a grande mídia encampou
    a prisão de Zé Dirceu e José Genuíno, desrespeitando a jurisprudência e todos os tramites
    legais. Em nenhum momento avaliaram as consequências para própria esquerda.
    Creio que uma pequena parcela além de infantil, ainda acredita que serão os condutores
    das verdadeiras “mudanças” no mundo contra o capitalismo. Não levam em conta a
    diversidade, complexidade e contradições históricas.
    A esquerda precisa amadurecer para cobrar sim da Dilma seu projeto e estratégia claros.
    Mas precisa saber agir com cautela, pois a desunião dela é a verdadeira força da Direita que,
    quantidade, é uma minoria….

  • Os que se sentem “decepcionados” e/ou “traídos” (os que são sinceros e não os tucanos disfarçados, claro) precisam entender que NÃO estamos numa democracia, mas sim numa oligarquia.

    O Executivo é o único poder efetivamente democrático no país, apenas tolerado pelos verdadeiros detentores do poder, enquanto não tocar nas bases que sustentam esse poder: imprensa, legislação eleitoral e judiciário.

    A mera intenção de tocar nesses pontos já foi suficiente pra desencadear a reação da oligarquia. E, pra abafá-la, é preciso apaziguar alas da oligarquia e conquistar setores independentes do legislativo. Daí essas indicações “decepcionantes”.

    Ninguém em sã consciência pode dizer que gosta desses nomes (e, em geral, da própria necessidade de dar as mãos a setores oligarcas da sociedade, especialmente os mais conservadores). Mas se alguém disser que preferia ter um executivo diretamente som controle da oligarquia a apaziguá-la, pode chamar o SAMU, pq é caso de hospício.

    Quando há uma oligarquia tão arraigada no poder, é absolutamente necessário remover seu poder. E só há duas formas de fazê-lo: através de uma revolução ou minando esse poder ao longo de anos e anos até que seja possível atacar diretamente o que o sustenta.

    Revolução, no Brasil, não rola, ponto. Se alguém ainda tem essa esperança, pode esquecer. O único caminho é o que foi adotado pelo PT há 12 anos e que PODE, agora, resultar em um ataque direto – o primeiro desde Jango! – às bases de poder da oligarquia: imprensa, judiciário e leis eleitorais.

    Vale a pena abrir mão dessa possibilidade por causa desse ou daquele ministro? Em vez de reclamar de nome de ministro, é muito mais útil continuar martelando a necessidade da reforma política, oras!

    E alguém duvida que o suposto vazamento desses nomes não foi feito exatamente pra esvaziar a reforma? Assim como os pedidos de impeachment não tem outro objetivo senão sufocá-la?

    Agora, se algum dos “decepcionados” e “traídos” tiverem uma ideia melhor de como lidar com a oligarquia, sou todo ouvidos. Até que surja uma solução melhor pro problema, continuo apoiando o que está sendo feito.

    E não me sinto nem um pouco traído ou decepcionado, pois quem não sabia que o caminho seria longo e tortuoso, lamento, era muito tapado. Quem esperava um solução unilateral, mágica e rápida, uma revolução pacífica sem poder algum e sem oposição da oligarquia precisa urgentemente rever seus conceitos imediatamente.

  • Edu,

    Vc assistiu o vídeo “SerNegra”
    Creio que dá para fazer uma boa relação entre seu texto
    e o debate entre “Jean Willys” e um grupo esquentado
    ( semelhante alguns da esquerda ) , fazendo uma boa
    reflexão. Sou Negro, me assumo como Negro…., mas
    boa parte dos negros, assim como dos grupos de esquerda
    parecem agir com infantilidade, com uma necessidade de
    se afirmarem somente pela negação generalizada do “outro”
    Se este “outro” não concordar um pontinho sequer meu…”não é mais negro”
    “não mais de esquerda”.
    Adorei ainda a intervenção de uma Professora de Valência….
    Apesar de ser longo vale a pena assistir

  • Prezado Eduardo Guimarães,

    Visito com frequência este blog, mas apesar de gostar muito, participo muito pouco.

    Nesta semana acabei, involuntariamente, participando em função de uma polêmica com outro comentarista.

    Seu novo post, apenas reforça minha posição nesta polêmica.

    Permita-me reproduzir e assinar, em baixo, o seguinte trecho de seu post:

    Com frequência, a esquerda me parece aquele menininho de quatro anos que toca fogo em uma colcha sem ser capaz de refletir que aquela “arte” pode incendiar a casa toda ou, muito pior, matar sua família ou a si mesmo.

    Mentes infantis têm pouca capacidade de reflexão…

    Em determinados momentos, saber distinguir entre o adversário momentâneo do inimigo mortal é uma questão imperativa.

    Infelizmente falta à militância de esquerda em geral, e à petista, em particular, um pouco mais de cultura histórica. A práxis é importante, mas o conhecimento da história política não pode ser desprezado.

    Havia dentro do PT, não sei se ainda existe, um programa de formação de quadros. Acho essencial que esse programa seja mantido e aperfeiçoado. Se e quando Lula falecer, o PT poderá ficar perdido.

  • O processo de politização das pessoas talvez tenha que passar por um período de ‘perda de ingenuidade’ para que se possa refletir sobre o que é poder e como exercê-lo. Nossos anseios mais puros( porque não ingênuos?) nos remetem sempre à época em que a direita adorava e ‘admirava’ o PT. Porque perdia sempre e não ameaçava o símbolo do poder: o governo federal. Uma vez na busca do poder, Lula – nada ingênuo – promove seu vice -empresário, moderado, meio conservador – à personificação de que o governo seria exercido para todos os brasileiros, não apenas para sua base, que não o sustentaria. E assim tem-se que tentar arregimentar novas alianças que, talvez, assumam os objetivos de um governo socialista. Pode dar com ss burros n’água? Evidente. Não podemos é nos esquecer que a história do país não nos fez criar um pensamento socialista denso, em que vejamos objetivamente um modo socialista de governar. Nossos costumes, nossas lembranças, nossos valores, nossa história, nosso subconsciente, tudo é conservador e, as vezes, impregnado da tal ‘síndrome de vira-lata’, que nos impede sempre de seguir em frente. Creio que nós que votamos e apoiamos o PT e Dilma, temos que, como neste espaço, sempre trocarmos idéias para continuar tendo e oferecendo chances ao Brasil para que se melhore a qualidade de vida da população e a qualidade do país. Uma dica para para reflexão e talvez quebra dessa ingenuidade é ler ou assistir a série ‘Game of Thrones’ com espírito crítico, na qual, de maneira crua e cruenta podemos aprender como, na forma das piores paixões humanas, é perseguido e exercido o poder.

  • O governo possui maioria sólida e confiavel no Congresso ?

    Então para governar urge apoios .

    O bom senso exige que mesmo com maioria absoluta é salutar compor.

    É a eterna dificuldade dos petistas em entender ações como essa.

    Antes eram totalmente contrários as coligações, mas o Lula entendeu da necessidade .

    Olha que não acredito em eleições para resolver os graves problemas do Brasil .

    Dilma, está correta .

    Tem gente se comportando como a trotskista Genro .

  • Edu,

    Tudo começou com Heloisa Helena que com seu destempero verbal, tratava o governo como “gangue” e outros adjetivos, tão ao gosto da classe média. Esse grupo, que saiu pela esquerda e se subordinou a direita contra o governo. Depois vieram Erundina, Marina e outros que sabiam não ter cacife para ocupar postos no executivo. São de extrema direita pelo ódio e agem como uma criança que para ver a chama brilhar poem a democracia em perigo.

  • Disse tudo, Eduardo: A esquerda brasileira é extremamente infantil, egocêntrica e politicamente imatura. Isso me desanima muito e, acredito, a muitos outros. Com uma esquerda assim, para quê direita?

  • Os deputados federais têm donos

    Por Genaldo De Melo

    Definitivamente não conseguimos mais uma vez melhorar o quadro no Congresso Nacional, pois na sua configuração além do mesmo apresentar-se ainda mais conservador em 2015, ainda teremos uma esmagadora bancada de deputados que representam interesses de nada mais nada menos que 10 grandes empresas do mercado nacional. Simplesmente os dez maiores doadores de campanha nas ultimas eleições participaram financeiramente da campanha com 360 deputados eleitos, ou seja, as dez empresas que mais doaram dinheiro elegeram 70% dos futuros deputados.

    Não seremos inocentes ao ponto de achar que os interesses do povo serão mais importantes do que os interesses de quem financeiramente apoiou a grande maioria dos deputados no Congresso Nacional. Quando um indivíduo ou um grupo econômico gasta tanto dinheiro para eleger um deputado ou grupo de deputados, o que se espera destes é que os mesmos façam o papel de representar os interesses daqueles outros, principalmente na articulação para participação elementar em licitações públicas.

    É constrangedor observar que homens e mulheres que são sérios e querem contribuir politicamente com o desenvolvimento de nossa sociedade nunca conseguem se eleger para de fato representar os interesses de uma sociedade para todos, porque não tem dinheiro para gastar nas campanhas eleitorais. Enquanto isso, lobistas profissionais são financiados pelo setor privado para representar não os interesses do povo, mas interesses particulares.

    Entre os financiadores de campanha formam-se na nova Câmara dos Deputados várias bancadas de interesses. Destacam-se entre as bancadas empresariais a bancada do bife, a bancada dos bancos, a bancada da construção civil e a bancada da mineração. Interessante nisso tudo, é que a bancada que sempre representou e brigou naquela que em tese deveria ser chamada de casa da cidadania, pelos direitos dos trabalhadores/as brasileiros diminuiu quase pela metade. Nisso se deduz que a força dos empresários aumentou, enquanto que a força do povo diminuiu.

    A maior bancada presente na próxima legislatura é a chamada bancada do bife, representada pelas empresas do grupo JBS, ou seja, aquelas empresas que são proprietárias dos maiores frigoríficos do país, e que tem em seu quadro os mesmos sócios. Esse grupo representou em doações R$ 62,2 milhões para 21 dos 28 partidos que terão representação em 2015 na Câmara dos Deputados, ou seja, 162 deputados dos que foram eleitos em outubro último tiveram em suas campanhas dinheiro do grupo JBS.

    Os bancos também não ficaram de fora do processo eleitoral, pois formam a segunda maior bancada empresarial. O grupo Bradesco apoiou 113 deputados eleitos de 16 partidos políticos diferentes, doando R$ 20,3 milhões. Ficando à frente do banco Itaú que contribuiu para a eleição de 84 novos deputados também de 16 partidos políticos, gastando menos com R$ 6,5 milhões. Ambos os bancos aqui citados financiaram 42 deputados ao mesmo tempo, sendo que enquanto o Bradesco privilegiou as direções partidárias o banco Itaú preferiu apoiar diretamente os candidatos eleitos.

    O grupo Vale tornou-se na Câmara dos Deputados a terceira maior bancada empresarial da Casa. Foram 85 deputados eleitos, de 19 partidos políticos que receberam nada mais nada menos do que R$ 17,7 milhões. Um fato curioso das doações da empresa nessas eleições foi os R$ 800 mil reais doados ao candidato Luís Fernando Faria reeleito pelo Partido Progressista de Minas Gerais, que já foi o presidente da Comissão de Minas e Energia da Câmara. Deputado este privilegiado por doações de sete das dez grandes empresas campeãs em doações nas últimas eleições.

    Outra bancada de destaque na próxima legislatura é a da construção civil, que teve como destaque em doações a OAS, a Andrade Gutierrez, a Odeblecht, a UTC Engenharia e a Queiroz Galvão. A OAS ajudou financeiramente com R$ 13 milhões para eleger 79 deputados de 17 partidos políticos diferentes, como por exemplo, o PT, o PSDB e o PMDB. A Andrade Gutierrez gastou o mesmo valor para contribuir com a eleição de 68 deputados, enquanto a Odebrecht R$ 6,5 milhões para eleger 62 deputados, a UTC Engenharia doou R$ 7,2 milhões para ajudar 61 dos deputados eleitos, e a Queiroz Galvão deu R$ 7,5 milhões para ajudar a eleger 57 deputados. Aqui é bom lembrar que os deputados que receberam doações são de vários partidos diferentes e de ideologias também diferentes, considerando ainda as sobreposições.

    Não podemos deixar de registrar que a AMBEV (proprietária das marcas Antártica, Brahma, entre outras) que também como a JBS lidera o mercado de produtos de consumo popular no Brasil contribuiu financeiramente com nada mais nada menos do que R$ 11,7 milhões para ajudar a eleger 76 deputados de 19 partidos políticos diferentes. A chamada bancada do churrasco com está sendo considerada para a próxima legislatura que recebeu dinheiro tanto dos frigoríficos como das cervejarias somam 25 nobres deputados federais.

    Inferindo sobre esses fatos, por mais que formadores de opinião queiram apresentar-se como contrários a idéia de uma Câmara dos Deputados atrelada ao jogo de interesses dos grandes financiadores das campanhas eleitorais de outubro último, os fatos apresentados, e incontestáveis, por si só serão sempre o contraponto. E contra fatos não existem argumentos plausíveis!

    Desse modo, precisamos sim, discutir nesse país a reforma política, porque senão jamais teremos poderes independentes. Assim continuaremos sempre tendo um Estado em função de poucos, não cumprindo nunca a esperança de um Estado Nacional para todos os brasileiros.

    Fonte: http://genaldo40.blogspot.com

  • Caríssimo Edu,

    Permita-me tentar algumas críticas ao seu texto. Principalmente no que se refere à “infantilidade” da “extrema esquerda”.

    Muito se fala da Carta ao Povo Brasileiro, do Lula em 2002, ou, como dito pela extrema esquerda, “Carta ao Povo Banqueiro”. Mas pouco se fala de onde veio aquela carta. Aquela carta foi precipitada no Encontro Nacional do PT em 2001 em Recife. Onde ali ficou claro o que seria a coalizão do governo Lula com o PL de José Alencar e votações que mais pareciam vias de fato para que se mantivesse ou retirasse a palavra “socialismo” do relatório final.

    Digo isso porque, como radical que me considero, também me considero e a meus amigos radicais muito longe da “infantilidade”. A Carta ao Povo Brasileiro apenas chancelou o “pacto” – acho até que a famosa carta assustou mais a direita do que a esquerda. Fica uma reflexão: a famosa Carta ainda é atual após 12 anos, ou mesmo 16, de governos de coalizão supostamente liderados pelo petismo? Que o PT é muito mais competente que o PSDB para administrar esse pacto não nos resta dúvidas. A ironia dessa contradição é que a “direita raivosa” prefere lucrar um pouco menos com o Armínio Fraga do que mais com o Meireles ou Tombini. E isso não é obra da infantil extrema esquerda.

    A nomeação da Katia Abreu também não é nada surpreendente. Nesse ponto sua análise é bastante contundente e correta. Seria quem? Zé Rainha? Daí a ficarmos calados para não “fazer coro” com a direita é um posicionamento, me desculpe, muito superficial. É realmente a extrema esquerda quem faz coro com a direita?

    Agora é necessário comentar uma passagem sua: “ …. essa imagem vem me assolando desde junho de 2013, quando setores da esquerda foram às ruas fazer coro aos ataques da extrema-direita ao governo Dilma e ao PT”. Isso NÃO é verdade, Edu. Setoriais do PSTU e PCO foram literalmente espancados quando tentaram “fazer coro” em SP e RJ. Você mesmo postou algumas fotos no blog. Aqui em Brasília, durante as “jornadas”, vi setoriais LGBT do PSOL convivendo pacificamente e com demandas muito bem definidas: à época a pauta era a derrubada do Feliciano da presidência da CDH. Talvez por isso não apanharam…Talvez.

    Se a extrema esquerda realmente tivesse o poder de tocar fogo como o seu filho o fez, talvez estaríamos resistindo à um golpe da direita contra o PSOL, contra o PSTU, PCB, PCO e por aí vai. Mas estamos, há 12 anos e indo pra 16, resistindo à um golpe contra o PT da Carta ao Povo Brasileiro! O programa desse ciclo petista é, como visto lá em 2001, realmente o de administrar o presente, não de transformá-lo. Virá “nova” Carta em 2018? A segunda vez a história acontece como farsa, disse um barbudo aí…

    A Lava-Jato é o novo Mensalão, versão 2.0, maior e turbinado. O próprio Gilmar Mendes já se adiantou para falar isso. Você está correto. Mas é a “infantilidade” da extrema esquerda que está gestando isso nos intestinos da PF, MP e Judiciário? O “aceno” de Dilma à esquerda é isso, um aceno eleitoral e nada mais, como bem disse um comentarista seu há pouco.

    Acho que há um problema teórico a ser resolvido no seu texto, Edu. Você acha a esquerda infantil, fraca, mas debita nessa mesma esquerda a exploração da fragilidade política desse governo. Fragilidade essa que vem sendo tanto [des]costurada quanto desnudada há 12 anos. É sintomático do “pacto”, Edu, não de uma proposta de ruptura nossa. Não temos esse poder. Você consegue imaginar um presidente do calibre de Rafael Corrêa fazendo auditoria da dívida pública nesse país? Quantos anos precisamos de Dilma e Lula até nosso Rafael Corrêa? Não precisa ser personificado assim na figura do presidente, mas onde está esse programa? Não é na coalizão e nem acho que seja administrando Meireles e Tombini que chegaremos lá. Nesse ponto eu aceito a ingenuidade, a ingenuidade de Heitor antes de ouvir a resposta de Aquiles: “Não há pacto possível entre presa e predador!”. Depois de 24 anos de liderança petista na coalizão, o que você imagina que virá depois? Uma guinada à esquerda radical, isto implicando em ruptura com o rentismo? Depois de 24 anos o PT vai aderir à ruptura com ele mesmo? Para refletir…

    Você balizar a relação que o ciclo petista mantém com o MST com o massacre de Eldorado é de um despudor sem limites, me desculpe. Diga logo: “Se não for nossa completa omissão, é porrada e tiro do PSDB!”. Esse é o pragmatismo que vai governar 16 anos, talvez 24. O inimigo do PT não é a extrema esquerda, Edu. O inimigo do PT é justamente o descaso pelas demandas transformadoras de nossa sociedade. Bolsa-família com bolsa-banqueiro mais Selic campeã mundial, PRONATEC com sucateamento de Universidade Pública e por aí vai. Falar em PRONATEC, conheces o grupo Kroton? É apenas o maior grupo de empresas de educação privada do mundo. É para lá que está jorrando o dinheiro do PRONATEC.

    Está bom porque o PSDB é pior? Todos nós vivemos isso no segundo turno, do PT ao PCB. Isso é programa de governo? A resposta de Dilma é SIM! “Sim, isso é programa de governo e eis meu núcleo econômico”. A mediocridade do centralismo é tamanha que temos que comemorar um ministro, possivelmente petista, em pastas menores. PT e PSDB não são a mesma coisa. PSDB é incompentente, essa é a diferença!

    Por fim, me despeço com votos de sucesso e saúde. Apesar das críticas e do contraponto, que não pretendi ríspido nem ofensivo, ainda estamos do mesmo lado.

    Abraço, Edu!

  • Edu o problema é que Kátia faz parte da máfia Siqueira Campos no Tocantins, um imperador como a dinastia Sarney no Maranhão. Sao donos de tudo, radios, jornais, tvs, fazendas e mais fazendas. Corrupção é a palavra.
    Ela é mais suja que pau de galinheiro e só tem essa imagem de santa por aqui, porque nada contra ela e sua turma lá. Todo mundo diz que no Tocantins quem mandam sao eles até no judiciario.
    Kátia é uma carreirista na politica, daquelas malandras que pra sobreviver e estar perto do poder e nao ser alvo de investigação, faz de tudo até virar a casaca mudando de partidos para ficar no poder e conseguir uma boquinha. Ela pode ser um problema serio para Dilma ainda mais sabendo dessa nóticia dela convidando Dilma para ser madrinha de noivado… Vai Dilma caindo nessa que quando a midia atacar Katia vai sobrar no colo da Dilma por conta dessa intimidade.

    • Nada contra Katia aparece porque nenhuma investigaçao vai pra frente e a midia no Tocantins nao divulga nenhuma denuncia e como eles controlam as comunicaçoes lá , nada vaza.

      • Edu to escrevendo do tablet e enviei antes de terminar meu comentário. Queria acrescentar que morei no Tocantins por quase 10 anos de 94 até 2001 e na época meus pais andavam por dentro dos bastidores políticos no estado e ficavam sabendo de muita sujeira que rolava.

  • Dilma tem a minha confiança e o meu apoio. Administrar o País significa ter o olhar voltado para todos os setores e segmentos. Vale a máxima de que é melhor ter o inimigo por perto para ter a visão dos seus passos. E, para a esquerda reaça ou infantil, com amigos desse naipe, não precisa de inimigos. Dilma precisa de paz para refletir e iniciar o novo mandato, legitimado pelas urnas, queiram ou não os golpistas. O momento não é para despeito, ciumeiras ou o que for. Agora, nesse novo mandato, que a Dilma esqueça essa história do controle remoto e parta para a regulação da mídia, sob pena de a direita reaça assumir em 2018. Eu soube de pessoas que sempre votaram no PT, que no segundo turno mudaram o voto para o candidato da oposição. É eleitor que vem sendo contaminado diuturnamente pelo Pig. Gente que ouve o patrão criticar o PT, e que sofre ameaça de perder o emprego. Isso aconteceu e voltará a acontecer. Não sem razão, em muitas cidades administradas pelo PT, a Dilma não teve maioria dos votos. O PT precisa voltar às origens e a mídia, regulada.

    • Gostei da sua reflexão, equilibrada e madura. E quanto ao Edu, acho que suas colocações são válidas e pertinentes, mais do que nunca, no presente momento. Sei que para alguns, possa ser difícil engolir tais nomes, mas em nome da governabilidade e da paz necessária, devemos beber desse cálice.
      Não estou completamente antenado ao mundo da nossa política nacional, mas para onde for a Dilma, lá estarei eu.

  • A sua reflexão é válida.

    Principalmente, se formos analisar eventuais cenários após um golpe de Estado.

    Não acredito em golpe sem “tenentismo” , mas se isso acontecesse o fogo consumiria rapidamente avanços importantíssimos, obtidos nos últimos doze anos.

  • A Dilma nomear esse tal de Joaquim e a Katia Abreu

    lembra aquela conversa mole do Defim Neto nos anos 80:

    é preciso esperar o bolo crescer para dividir com todos.

    Hoje um jornalista da rádio Estadão falou que o tal do Joaquim

    é mais ortodoxo do que o Armirio Fraga.

    O PT tá virando um bando de barrigudo, preguiçoso, covarde e traidor.

    • Isso porque já são 12 anos de governo. Não fizeram a conscientização política, sempre atuaram para acalmar e não organizar a classe trabalhador e agora está pior do que 12 anos atrás, precisando governar com essa direita radical e mesmo assim não vai adiantar. Ou ela pensa que sendo boazinha eles vão desistir de dar o golpe? Alguém acha que a preocupação dessa gente é o ministro da fazenda? Ela pode colocar lá o Armínio Fraga que eles não vão dar sossego. Eles querem o poder minha gente. Ela “ainda” só tem o povo do lado dela e não adianta fazer concessões não. Já devia ter aprendido.

  • Olá Edu.
    Entende sua lógica, mas creio que a Dilma poderia fazer diferente.
    Quanto a análise de que a esquerda brasileira não tem votos , é perfeita. Também, ninguém gosta de ser chamado de esquerdista, pois não dá ibope. O bom é ser conhecido como contrário ao governo dos Petistas. Mas o que fazer, né?
    Essa esquerda, além de não ter votos é desunida, covarde e tem inveja dos outros segmentos da esquerda. Parecem com os países árabes que possuem dinheiro mais que suficiente para arrasar com Israel, mas só conseguem tomar porrada todos os dias.
    Abraços.

    • “Dias Melhores”, pior que isso, essa esquerda fractária não tem projeto político, econômico alternativo algum pro país. Se escoram ou se escoravam no antipetismo achando que se o PT sucumbisse eles iriam “tomar o lugar” do PT automaticamente ignorando totalmente a conjuntura política.

      O que se viu foram as forças reacionárias mobilizando o povo contra eles e aquele caos que eles estimularam e fizeram vista grossa ao mesmo, desde os Black Blocs até o “intocável” Movimento do “Passe Livre”, o dos 20 centavos. Chiam pelos 20 centavos mas nunca deram um pio contra o Alckmin e o tucanato. Visivelmente grupo ou radical demais, que acaba virando caricatura e servindo à direita, ou é grupo aparelhado pela direita tucana.

  • O que você diz é correto por um lado, mas também tem o seu aspecto de erro que não pode ser esquecido. Antes de explicar-me melhor, quero observar que todo o problema que vivemos hoje; o qual, pode ser definido como um novo emparedamento do Governo pelas forças conservadoras; deveu-se a não ter o PT em doze anos no Governo Federal, realizado a democratização dos meios de comunicação. É a concentração da opinião e da informação nas mãos de treze famílias oligárquicas, que impõem aos cidadãos uma única visão de mundo como se fosse a Verdade Universal, que permite aberrações como a formação de uma mentalidade fascista na Sociedade brasileira, principalmente na classe média, na qual uma horda de robôs descerebrados aceita acriticamente todos os despautérios fabricados pela mídia, entre eles a politização absurda da Operação lava Jato, transformada num panfleto político regado a divulgações parciais dos depoimentos, seletivamente escolhidas para atingirem o Governo. Dito isso, explico porque suas colocações são somente parcialmente corretas. É verdade que Dilma precisa contemporizar com o conservadorismo, afinal está acuada pela direita, mas também é verdade que ESSE GRAU DE CONTEMPORIZAÇÃO PRECISA SER ADEQUADAMENTE ESTUDADO PARA NÃO VIRAR RENDIÇÃO E ANTES DE TUDO DEVERIA VIR APÓS, E SOMENTE APÓS, UMA AÇÃO OFENSIVA QUE COLOCASSE O GOVERNO DILMA NOVAMENTE NO PROTAGONISMO POLÍTICO(ELE JÁ ESTEVE NESSE PROTAGONISMO ALGUMA VEZ?). Assim, antes de nomear Kátia Abreu e Joaquim Levy, Dilma deveria vir a público falar da politização da lava jato, deveria nomear um Ministro da justiça com pulso, que afastasse os delegados aecistas(falta funcional suficiente para serem afastados e punidos eles cometeram) e deveria por em debate a democratização dos meios de comunicação, usando exemplos como o golpe da Veja(em que pé está o processo contra a revista?)e os estudos da UERJ sobre a parcialidade midiática. Só depois disso é que poderia-se pensar em conversar com os conservadores. O caminho que defendo parece mais difícil? Talvez na aparência, contudo muito mais difícil é portar-se como uma conservadora, perder o apoio das forças de esquerda, e não ganhar jamais o dos conservadores, já que pode ter certeza, Dilma pode vestir-se de Mírian Leitão, elogiar o latifúndio, mas jamais será de fato apoiada pelos conservadores, sequer conseguirá abrandar-lhes o espírito golpista(que ficará ainda maior quando a perceberem fraca), e só conseguirá que, entre uma conservadora “metamorfoseada” e um in natura, a direita apoie, e o povo decepcionado escolha, o conservador “natural”. Quer um exemplo disso? Foi essa “contemporização” que garantiu a derrota da Concertación no Chile, já que os chilenos cansados das “contemporizações” da Concertación, decepcionaram-se com a força de esquerda e acabaram por dar o poder a um reacionário in natura como Sebastián Piñera. Pode-se alegar que Lula fez concessões iguais ou maiores nos seu Governos, principalmente no primeiro, MAS O MOMENTO POLÍTICO ERA OUTRO, LULA PEGOU UM PAÍS ARRASADO E DILMA TEM UM PAÍS QUE, EMBORA COM BAIXO CRESCIMENTO DO PIB E ALGUNS PROBLEMAS MÍNIMOS NAS CONTAS EXTERNAS, VIVE UMA SITUAÇÃO FISCAL EXCELENTE, COM RESERVAS NAS CASAS DAS TRÊS CENTENAS DE BILHÕES DE DÓLARES E COM A RIQUEZA DO PRÉ-SAL EM PLENO CRESCIMENTO, PRONTA PARA ESTIMULAR A INDÚSTRIA NACIONAL. Além do que, temos um Mercado Consumidor excelente, formado pela Classe C(maior do que muitos países do mundo)e chegamos a um momento que, ao contrário dos Governo Lula, principalmente o primeiro, o país não está recuperando-se de uma ressaca neoliberal, mas atingiu uma encruzilhada em sua política de reformismo moderado, no qual esse reformismo ou deixa de ser moderado, e ataca as estruturas de nosso atraso, ou recuará para o de sempre, a modernização conservadora, tão ao gosto de nossas elites, que consiste em adaptar o Brasil às novas formas da exploração capitalista internacional, mantendo nosso país na periferia do capitalismo. E por que chegamos a essa encruzilhada? Porque tanto nosso desenvolvimento , obtido através do reformismo moderado, nos dá forças para agora atacarmos as estruturas do nosso atraso, como também porque os que querem que continuemos subalternos, açularam-se ainda mais por perceberem que estamos perto de romper com as estruturas do atraso, que são ao mesmo tempo as que garantem o poder dessa minoria de exploradores, desejosa por manter o status quo. Portanto, reagirão para tentar impedir que rompamos com nossa posição subalterna, como também para anular todo o ganho obtido no reformismo moderado, para que assim não tenhamos mais como almejar a alteração de nossa inserção subalterna no Capitalismo Internacional, ou seja, não tenhamos como alterar as estruturas de nosso atraso. POR ISSO NÃO DÁ MAIS PARA CONTEMPORIZAR DE FORMA EXTREMA, O QUE SIGNIFICA CURVAR-SE AO CONSERVADORISMO, PORQUE CONTEMPORIZAR AGORA É DESTRUIR DEFINITIVAMENTE NOSSA CHANCE DE MUDANÇA, JÁ QUE É VOLTAR ATRÁS QUANDO ATINGIMOS UM MOMENTO DE DECISÃO, QUANDO CRIAMOS CONDIÇÕES PARA DE FATO NOS LIBERTAMOS DA DOMINAÇÃO A QUE ESTAMOS SUBMETIDOS NA ORDEM ECONÔMICA INTERNACIONAL. Pode-se dizer que nessa tentativa de libertação podemos ser derrotados e entrarmos em um retrocesso? É verdade, podemos, mas também podemos conseguir de fato tornar o Brasil um país independente e soberano, o que só ocorre com a libertação econômica de nosso papel de periferia capitalista. Contudo, se partindo para a mudança podemos perder e retroceder, mas também temos chances de ganhar, recuando é que só perderemos, já que após as Kátias Abreus e Levys da vida, acabaremos por virar um “FHC de estrela” no que concerne às escolhas para os rumos do país, com Dilma refém da direita e cedendo cada vez mais ao capital, principalmente no que for essencial para manter o controle completo do Capitalismo Financeiro sobre os rumos do Brasil, sendo premiada por uma vitória esmagadora da direita em 2018. Não sou a favor de “manifestações” contra o Governo vindas da esquerda, mas também não podemos ficar calados. Pressões políticas, como o Manifesto pela Implantação do Programa vencedor, que pode ser assinado em carta Maior, são passos importantes nesse luta política para puxar Dilma para a esquerda, já que se escolher novamente o retrocesso como diretriz, o PT fará o triste papel de virar definitivamente uma Concertación brasileira, levando o Brasil para mais uma etapa da fatal “modernização conservadora”, ou seja mais do mesmo na perpetuação de nosso atraso. Para começar essa guinada, além da escolha de um desenvolvimentista para a Fazenda, Dilma deve recuperar o protagonismo político, falar muito e dar sua versão dos fatos; como também imediatamente mandar uma lei de Mídia para o Congresso, com ou sem chances de aprovar, deixando às forças populares a tarefa de conscientizar a população e pressionar a direita para aprová-la. Não dá para confundir negociação com genuflexão, é isso que o PT precisa entender. Vamos fazê-lo conscientizar-se.

    • Carlos, eu li tudo o que você escreveu.

      Atine, por favor, para o texto do Blog, quando o mesmo constata que essa esquerda, à qual você se refere, não tem votos.

      É verdadeira a constatação do Blog. A esquerda não tem votos.

      A prova está no fato de ser o nordeste o grande eleitor de Dilma e ser o mesmo nordeste aquele que vota simultaneamente no pior dos piores conservadorismos de direita.

      O que eu entendi, a partir do texto o Blog, é que Dilma fez um necessário balanço geral de toda a eleição. Eleição proporcional e eleição majoritária.

      E o balanço geral se reflete num ministério possível e não num ministério dos nossos sonhos.

      Estive em diversos sites que dão destaque ao tal “manifesto de intelectuais de esquerda”. Sinceramente, fico com a opinião que li aqui. Mais (matematicamente) ponderada, ao meu ver.

      A bancada do PT encolheu na Câmara e a bancada conservadora aumentou.

      É esse o fator que não está sendo levado em consideração pelos que assinam o manifesto e por pessoas , de indubitável boa índole, como você.

      A sanha golpista existe e é forte. Entretanto, como já expus acima, não me parece que sairá vitoriosa.

      Muito menos pela falta de conhecimento político da população e muito mais pelos cenários possíveis, após um eventual golpe de Estado. Ainda que através da “Lava Jato”, passando pelo pedido de impedimento com a tal ” devida fundamentação jurídica”.

      Quanto à sua escrita sobre uma possível leniência do Ministério da Justiça, eu também devo acalmá-lo.

      Não posso aqui fazer exclamações comprometedoras, mas posso fazer perguntas esclarecedoras.

      Uma exclamação comprometedora seria chamar os tais “delegados tucanos” de “falsos tucanos”. Mas, a pergunta esclarecedora é: será que o Ministério da Justiça não trabalha com a contrainformação ? Será que a inteligência não é a verdadeira arma do Executivo ?

      Uma exclamação comprometedora seria dizer que Dilma não tem força perante Cardozo. Mesmo depois de tudo o que aconteceu no caso do chamado mensalão.

      Mas, a pergunta esclarecedora é: será que um governo capaz de realizar feitos muito relevantes e estratégicos, com diversas equipes, trabalhando de forma concatenada e constantemente, com a participação ostensiva de representantes civis e militares seria o mesmo governo que “deixaria o barco correr frouxo” na questão dos vazamentos seletivos e na questão dos delegados tucanos ?

      Não seria um equívoco subestimar o governo a esse ponto ? Você não acha que a sensação de “leniência” não seria também compartilhada por toda uma equipe especializada do Executivo ?

      Na hipótese de serem mesmo os “delegados tucanos” e o juiz Moro pessoas precursoras de golpe, poderiam esses falar confortavelmente ao telefone e/ou se reunir sem serem devidamente “ouvidos” por Dilma ? Eles correriam esse risco ?

      Termino esse comentário , convocando-o à reflexão: Ao perceber uma rua deserta , num domingo de manhã…. veja a paz sem deixar de considerar a possibilidade de intensa atividade sob o asfalto.

      Valeu.

    • País arrasado que o Luíz Inácio pegou??
      País com os avanços do PLANO REAL e a ESTABILIZAÇÃO DA ECONÔMIA.
      Dá para reconhecer isto?

      Quem se junta com Maluf, Collor, Sarney, Renan, etc defender principios éticos e progressitas??
      Só que recebe “bolsas da vida” pode concordar com isso.

  • Difícil ter que engolir uma barbeiragem dessas pra não dizer outra coisa como estratégia política. Dilma desagradou numa tacada só o PMDB e o MST, além de inúmeras pessoas que acreditavam que ela sinalizaria com um mandato diferente. Infelizmente as escolhas do primeiro mandato que a quase levaram ao cadafalso parece que vão ser piores nesse início de governo. Ruim de comunicação, titubeando junto aos correligionários, e ainda insistindo num republicanismo ingênuo, Dilma começa um segundo mandato cheio de dúvidas e incertezas do discurso que as forças progressistas acreditaram. Vai pedir aos ruralistas apoio para as reformas ?

  • UM TANTO QUANTO EXAGERADA A ANÁLISE, MAS TEM LÁ SUAS RAZÕES, UMA VEZ QUE NA LUTA POLÍTICA TÊM-SE QUE LEVAR EM CONTA A CORRELAÇÃO DE FORÇAS.

    NO CASO ESPECÍFICO DA KÁTIA ABREU, ELA E O SEU PARTIDO APOIARAM A REELEIÇÃO DA DILMA.

    O GOVERNO TEM UM PROGRAMA QUE FOI APROVADO PELA MAIORIA DOS BRASILEIROS, E, ESTE SIM, DEVE SER REFORÇADO E DEFENDIDO PELOS MOVIMENTOS SOCIAIS.

  • Depois do que escreveu Paulo Henrique Amorim sobre a ausência da Presidenta na festa do Mino no mesmo dia da viagem para a Austrália tudo é possível. Instabilizar o Brasil como fizeram na “primavera árabe” que virou inverno árabe e mas recente na Ucrânia é sim, o que os EUA e outros espiões Europeus querem. Não aceitarão o Brasil dono do Pre-Sal e de tudo o que podemos ter e realizar. Nos querem eternos, admiradores dos parquinhos com bonecos de ratos, patos e outros patetas… Um Brasil soberano, não é admissível!!!

    • Rogério, isso é verdade. Travei embate com um tucaninho enrustido (ou nem tanto) no site do Nassif que fica o tempo todo negando o caráter imperialista, intervencionista nos EUA no mundo, numa atitude de má fé ou de ingenuidade extrema (não acredito nisso). Francamente, esses liberaizinhos enrustidos são mais erva daninhas que os ditos coxinhas (esses pelo menos a gente sabe o que pensam, mesmo sendo ujma porcaria).

      Agora, a Dilma tem parcela de culpa nisso, essa postura isolacionista dela (e não é a mídia que está dizendo, é minha opinião, eu temo essa postura dela, é uma pessoa séria mas no cargo que ocupa ela não pode se dar ao luxo de ter esse tipo de atitude, mesmo a contragosto) provoca problemas, e a teimosia em por exemplo não dar satisfação pra manutenção de um Cardozo à frente do Ministério da Justiça sem punir os caras da PF que vazam/vazaram informações da Lava-Jato, fora outras omissões desse ministro.

      Eu disse antes que só critico o ministério dela quando sair os nomes das pastas do PT, se vier outro Paulo Bernardo 2 a briga vai ser feia e não é o PIG quem irá criar isso, a campanha dela no segundo turno foi toda pautada por reforma política, financiamento público de campanha e regulação da mídia, essa última é a mais importante de todas pois sem mídia e comunicação você não muda absolutamente nada no país, a direita hoje é hegemônica culturalmente por um processo começado na vitória do Lula ainda em 2002. A escolha dos Gentili, Sheherazade e cia pra TV não foi algo “aleatório”, foi tudo feito de caso pensado pra empurrar qualquer mudança reformista no país pro ralo.

  • Poxa, Eduardo, gosto mto de vc, jornalista e cidadão, pai de família, q chega até a nós, outros, e dá ciência de seus particulares… Admiro mto a vc, como homem, pai, esposo, jornalista… Engraçado, parece q vc convive comigo, aqui, ao lado, faz mto tempo; tal a maneira como vc se revela como pessoa, íntegra e queridíssima. Mas, eu não posso concordar com vc.
    Eu entendo q o Lula foi eleito, depois de várias tentativas, pq concluiu estar acontecendo um momento político, pra tanto. E procurou a mídia, maldita, amistosamente, pra conversar sobre suas pretensões. Procurou as mais variadas lideranças, igualmente. Até com o Antônio Carlos Magalhães, o Lula, procurou apoio… Por fim, lançou aquela “carta aos brasileiros”, q ajudou, especialmente, a sua eleição, tão desejada. Mas, isso, foi naquela época. Hj, os tempos são outros, de fato; interna e externamente.
    Acontece, q eleito, precisava tomar posse; e, isso, poderia se tornar um passo à mais, impossível. Foi, então, q pariu o Meirelles, numa viagem de “férias” à Washington… E tomou posse.
    Mas, não poderia governar… Lembra q numa grde “demonstração” de força, nomeou a quem pensou e desejou, como Ministro… Só q no dia seguinte, a qualidade daquele ministério não correspondeu à amplitude q deveria ter sido a sua atuação. Acho. E foi qdo, a direita, via mídia, maldita, começou seu trabalho de desqualificação, diária… até os “finalmentes” do mensalão; ai, o prestígio do PT já quase não existia… Mta gente, ao meu redor, q havia votado no PT e no Lula, já estavam arrependidos… Até um certo número de nomes, petistas, pediram divórcio e fundaram um novo partido… Até, agora, depois disso tudo, sobrou a condenação da cúpula petista, sem qq atitude, firme, do Partido ou, mesmo, do Lula. Parece q se aceitou q o “lulapetismo” era, mesmo, um clube de arromba… Pelo menos foi o q li, antes das eleições, em um manifesto do clube militar, aqui no Rio, favorável á candidata Marina; manifesto assinado pelo general, apijamado, na função de presidente eleito do dito clube. Ora, Eduardo, os Governos do PT têm se mostrado reticentes com determinadas posturas, afirmativas. Nunca pensou em frear a mídia, maldita, em sua propaganda, sistemática, contra o Partido dos Trabalhadores e os governos trabalhistas… Tinha em mãos um projeto q completava com a obrigação do Congresso em elaborar um projeto lei complementar, à Constituição, à mais de 20 anos e nada… O governo tinha em mãos o projeto e o guardou numa gaveta, pra não aborrecer a mídia, oligárquica e mafiosa. Da mesma forma, os governos petistas nunca peitaram o Congresso, nunca tomaram qq atitude junto ao Poder Judiciário, pra se fazer valer como Poder Executivo, e ser considerado, na forma da lei. Por exemplo, uma coleção de Ministros foram afastados do cargo, ao primeiro alarme midiático de q estaria ocorrendo malfeitos… Uma fieira de nomes foram sacrificados sem culpa formada e não aconteceu, nada. Isso, soa como houvesse acontecido e o Executivo estivesse contemporizando… Por essas e outras, o general, apijamado, do clube militar, afirma q “temos de botar pra correr o lulapetismo, corrupto”. Afirma e o resultado é alguém, contemporizar, dizendo q o manifesto não existiu… Mas, nós, sabemos, mto bem, q é isso, mesmo, q naquele clube, golpista, se pensa desta forma… Tanto, q turmas de formandos na Academia Militar das Agulhas Negras, são diplomadas e levam nomes de antigos generais, presidentes, plantonistas. Sabe, Eduardo, em linhas gerais, o PT precisa mostrar pra q veio… Se eleito legislador, precisa trabalhar, com afinco, como legislador e defender os ideais de seu partido, a reputação de seus pares, da sigla; se eleito para o Executivo, precisa administrar, governar, com o programa, as idéias do partido, na mente, no coração e na garganta… Até no braço, se necessário. Já se passou daquele tempo, q era prudente, conversar e pedir apoio… da gentalha, dominante. São doze anos de trabalho, dignificante; não é pouca coisa, não. É preciso mostrar garra, pra continuar. Quem mto se abaixa, Eduardo, os fundilhos ficam à mostra… E o Partido dos Trabalhadores tem passado vitorioso, já. São doze anos de vitórias, não de safadezas, comuns, à maioria de oposição e das elites, conservadoras e negocistas… Eu não entendo a razão pela qual os executivos do PT, oriundos do Partido dos Trabalhadores não se fazem escutar pela sociedade, pelos eleitores, pela população, em fim. Eu não entendo, pq a Presidenta Dilma fica cheia de dedos pra fazer pronunciamentos, oficiais, via rádio e televisão, em horário nobre, qdo se faz necessário… O Presidente Hugo Chaves, sim, comparecia às rádios e tv’s, pra dizer q o presidente dos EEUU era um banana e estava dito… Foi e fechou a similar da rede mafiosa, grobu. A grita foi geral… Pelo “mundo desenvolvido” as sociedades protetoras dos animais, digo, dos jornalistas pulou, q pulou; mas, com o tempo… a tv, cretina, continuou fechadona… Na Venezuela faltam artigos como papel higiênico, sabonetes… Simplesmente, acho, não fabricam, mais… Aqui, aconteceu algo semelhante: eu entrava num supermercado e faltavam artigos os mais diversos… água sanitária, sabão em barra, até pão de forma. Os preços, no mesmo momento, começaram a variar… Será q as motivações, daqui, não seriam as mesmas, as lá, da Venezuela? Por lá, a perseguição é mais descarada e, aqui, a continuar essas boas maneiras… não vamos chegar a bons termos.
    Depois, Eduardo, como vc me assegura, q aqui, a população… falo o trabalhador, mesmo, não os mauricinhos/patricinhas, do junho “facebookista”, não irá reagir? Eu não quero ver o circo pegar fogo; mto menos estou me lixando, pra tanto… O q entendo e acho, é q o Governo precisa governar, como prometeu. A Presidenta Dilma tem de mostrar pra q foi eleita; não ficar se “arregando” pra essa turma de marginais, q saqueiam nosso Pais, desde sempre… São os q apontam pra corrupções, os corruptos/corruptores. E os órgãos de controle andam tão funcionais, q estão atrapalhando o “ganho” dessa matilha de lobos, fantasiados de cordeiros. A Presidenta precisa confiar em seus punhos, q não são poucos, assim… Nós precisamos contar, inclusive, com aqueles eleitores q anularam seus votos; basta fazer por onde; mostrando determinação. Como nomear um mauricinho, “made in USA” e uma “perua”, do agronegócio, assim, pra melar nosso desenvolvimento?
    Eu não posso concordar com vc meu caro.
    No próximo governo da Dilma não tem lugar pra Levy, pra Kátia Abreu, pra Palloci, pra Meirelles e outros mais, do tipo. Só cabe gente compromissada com o Brasil, com o desenvolvimento e o trabalhismo.
    Ao contrário, Eduardo, consequências desses procedimentos, canhestros, é q em São Paulo, o Alkiminho tem aquela votação. Ele não está com todo esse prestígio, não; é reação para as covardias do PT, o motivo da votação “maluca”, em São Paulo… Por lá, o eleitorado quer mais e mais… E recebeu, menos; quem recebeu mais, foram outros estados, como o Estado do Rio, Pernambuco… Depois, convenhamos, qdo o eleitor conseguiu distinguir a qualidade da resposta do governante aos seus anseios, votou no candidato correto, como votou no PT, como aconteceu em Minas Gerais. Em São Paulo, não acontecia um abandono, por assim dizer, afinal… O problema paulista é o PSDB e o conservadorismo; de um modo geral, o Sul Maravilha sempre recebeu as benesses, federais; não? Pelo menos, até os tempos do Lula… consolidado. Antes, candidatos do PT se elegeram; ou não foi?
    Desculpe, Eduardo – Abraço, fraterno

  • Sempre compreendi a necessidade de uma visão mais ampla(,) de conjunto em favor da tão propalada ‘governabilidade’ e/ou de um melhor governar ‘inclusivo’ de todos os setores da sociedade brasileira. Mas… Kátia Flávia “Exocet” Abreu simplesmente é intragável. Se acontecer, será sem o meu apoio. Ela vai implodir o governo, será um “Exocet” no Ministério. Como diria o Fausto Fawcett, Reaça Belzebu, Reaça Lucifer, Godiva do Sai-pra-lá.

    **

    ♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥

    ****

    *************.

    * . . . . **** . . . . Lei de Mídias Já!!!! **** … “Com o tempo, uma imprensa [mídia] cínica, mercenária, demagógica e corruta formará um público tão vil como ela mesma” *** * Joseph Pulitzer. **** … … “Se você não for cuidadoso(a), os jornais [mídias] farão você odiar as pessoas que estão sendo oprimidas, e amar as pessoas que estão oprimindo” *** * Malcolm X. … … … Ley de Medios Já ! ! ! . . . … … … …

  • No Chile, em 1973, o presidente Salvador Allende, temendo um golpe, nomeou o general Pinochet chefe das Forças Armadas. Uma semana depois, houve o golpe. Allende foi morto e Pinochet tornou-se o ditador sanguinario que a História registrou.

    No Brasil, em 1964, João Goulart era homem moderadíssimo, tentando apaziguar a direita. Houve o golpe.

    No Paraguai, recentemente, o moderadíssimo presidente Fernando Lugo foi deposto por um golpe.

    Não vou opinar sobre o acerto ou não de nomear Katia Abreu como ministra, pois não tenho elementos para tanto. Mas sei, pelas lições da História, que concessões à direita não apaziguam as forças ligadas ao capital financeiro. Apenas as deixam mais atiçadas. Essas mesmas forças se empenharam em derrubar Pallocci, um ministro dos mais à direita no então governo Lula.

    Concessões à direita resultam em retrocesso social, decepcionando a população. E a direita não se comove com essas concessões, continuando a destilar seu ódio golpista.

  • Edu meu camarada, estou muito confuso com tudo isso. Estava me preparando para a Guerra contra o golpe da oposicao/midia/judiciario e vem essa da Katia. Nao estou acreditando no que estou lendo. Nao e possivel que a Dilma va nomear essa criatura para seu governo. Tem que existir uma explicacao muito forte para isso. Para resumir , faco das palavras do Miguel do Rosario as minhas. Um abraco.
    ””Ela é um símbolo, uma mensagem política. Não havia necessidade do governo ferir tanto as suscetibilidades da esquerda. Há outros nomes do agronegócio, tão representativos como Katia, e mais competentes, que poderiam assumir o Ministério da Agricultura.”

  • Grande Eduardo !

    Para te ajudar a desenvolver o pensamento que você inicia nesta postagem eu posso afirmar que a Senadora Kátia Abreu nomeada ministra da Agricultura resultará no PT ter no Senado da República um dos mais fiéis e bem definidos homens de esquerda do partido, o Donizeti Nogueira.

    Para seus leitores terem uma visão por meio de fotos da atuação de Donizeti basta acessar esse link:

    https://www.google.com.br/search?q=donizeti+nogueira&espv=2&biw=1920&bih=979&tbm=isch&tbo=u&source=univ&sa=X&ei=45l0VJP2K4SlNoGqhKAM&ved=0CD4QsAQ

    As fotos podem dizer mais do que muitos textos, porque exemplificam o trabalho de quem sustenta o PT no Estado do Tocantins há muito tempo.

    E eu moro bem distante do Tocantins – dois mil quilômetros – mas tive o prazer de trabalhar ao lado do Donizeti há vinte anos quando conheci um militante da maior qualidade.

    E se o PT estava na chapa da Kátia Abreu, como primeiro suplente, porque não pode continuar essa experiência de parceria iniciada pelo brilhantismo do Donizeti Nogueira ao enxergar a necessidade de construir mais pontes com os setores que sempre resistiram ao PT, mas que passaram a ver a prática do partido em construir parcerias, em trabalhar com todos os setores que queiram somar?

    Acaso foi diferente da parceria de Lula com Blairo Maggi – o maior plantador de soja do mundo – e que em 2006 mudou de partido para apoiar a reeleição de Lula? E alguém conhece algum movimento do Maggi traindo a confiança do Lula? E eleito Senador da República junto com Dilma no primeiro mandato da presidenta o que faz Blairo Maggi? Apoia a reeleição de Dilma e diz: “Com uma possível vitória do Aécio, teríamos um governo mais monetarista, focado nos controles de inflação, em cortes de linhas de crédito de bancos mundiais”, e finaliza: “Sem ‘frescuras ideológicas’ vou apoiar a reeleição de Dilma”.

    O Brasil é um país de todos, já dizia o slogan de Lula e luta para ser um país sem miséria, no slogan de Dilma, e precisa incorporar todos os setores que amam o Brasil e os brasileiros, porque tucano odeia nosso povo e só quer entregar o país para forças estrangeiras.

    Não devemos temer quem quer trabalhar em parceria. Deveremos temer sempre quem nos apunhala pelas costas. E estes, estão ao nosso lado fingindo ser de esquerda, quando estão na verdade é colocando fogo na colcha rendada e correndo para o colo da mamãe – porque são crianças mentais. (Eduardo, me refiro às esquerdas, não ao seu filho, OK?).

    E pra terminar, leiam essa declaração e me digam qual foi o esquerdista que a pronunciou:

    “Não tenho dúvida nenhuma que Aécio sacrificaria a agricultura, em primeiro lugar, para conseguir atingir os índices da economia que ele projeta, eu conheço os governos tucanos, eles vão patrolar a gente, não tenho dúvida disso, porque já fizeram isso no passado. Com uma possível vitória do Aécio, teríamos um governo mais monetarista, focado nos controles de inflação, em cortes de linhas de crédito de bancos mundiais. O que eu quero dizer é que, se para conseguir os índices da economia tiver que aumentar as taxas de juros para os produtores rurais, e acabar com os programas de subsídios, eles farão isso imediatamente, não tenho dúvida disso.”.

    Pois bem, foi o esquerdista extremo e radical anti-tucano e temente das obras neoliberais tucanas….

    BLAIRO MAGGI.

    Querem comprovar? Eu não minto, mas tudo bem, vá lá no link: http://binicheskiopinioes.blogspot.com.br/2014/10/eles-vao-patrolar-gente-nao-tenho.html

    E subscrevo sua última frase, Eduardo, porque confio na presidenta Dilma, que sabe o que está fazendo:

    “Levy poderá ser o principal ministro da economia, mas a chefe dele será Dilma Rousseff. Assim como de Katia Abreu.”.

  • Da direita recebo a pecha de cúmplice da corupção, da esquerda garotinho incendiário!! Não tá fácil! Eu estou perdendo a paciência com os Partidos Políticos. Não sou filiado ao PT , nunca votei na direita e nunca votarei. Mas a minha confiânça no modelo de política do PT está se acabando ! Doze anos no poder e nunca vi um movimento sério do PT por reformas no País. A esquerda é fraca pra isso? Porque que quando o Lula venceu a sua segunda eleição com quase 70% de aprovação , com os Movimentos Sociais apoiando, ele não chegou pro povo, com sua inegável capacidade de se comunicar c as massas e dissesse: -Gente , temos um “pobrema” sério no Br que é a corrupção…” Teria apoio até de eleitores da direita. Tem sim gente conservadora que é honesta e sinceramente gostaria que se acabasse com a corrupção nesse país! Corrupção! essa palavra que parece que virou um mantra em nossos ouvidos. A gente ouve mais ela do que qualquer outra palavra no dia a dia.Até o nome dos filhos é menos lembrado! Ficou tão banal , que os desvios de dinheiro na BR para o PT , parece que não tem muita importância mais. , roubamos menos!
    E agora nesses últimos dias quando toda a militância estava pronta para ir às ruas combater o golpe , veio a ordem : Voltem pra casa que o Golpe já Passou! Fizemos de novo uma negociata e está tudo bem! Só a Kátia que irá nos acompanhar !
    Pra mim chega! Não vou sair da trincheira , mas vou militar junto aos Movimentos Sociais , é lá que se trava o verdadeiro combate pela democracia!

  • O país é um grande navio, mas com vários lemes. Cada um desses lemes se subdivide em vários lemes menores. Observamos que em outras situações Vários lemes foram entregues nas mãos do inimigo e vimos no que deu: corrupção.Aliás, tem até “petista” falso dentro do partido para pegar uma beirinha. Se perguntar: quem está governando o país ? Respondemos que é o PT. Quando os problemas estouram a culpa é de quem? É de quem venceu as eleições, a Dilma, o PT. Será que não é possível vigiar de pertinho as ações desses que são convidados a ser ministros para garantir a governabilidade ? Haveria uma maneira de coibir a corrupção antes dela acontecer? Ou será que se existir essa maneira não seria tão interessante ser ministro. É preciso deixar solto para que haja a corrupção?

  • Sinceramente,não tenho mais estômago para mais 4 anos de concessões . E as ruas avisaram ao PT,querem mudança. Portanto é hora da Dilma aproveitar o apoio da opinião pública e ir na tv informar que o ministro Gilmar Mendes está engavetando um processo importantissimo da reforma politica,há 7 meses,ganhando pontos com a opinião pública e enfraquecendo o ministro que trama um golpe para reprovar as contas de campanhas, impossibilitando o 2º mandato Dilma.Denunciar a Globo,a Veja e todos os crimes que a midia pratica há 12 anos,aproveitando para botar a regulação da midia na boca do povo e ganhar o apoio das ruas para as reformas, ganhando corpo politico no Congresso e na Camara. A presidente está com uma ótima imagem de gestora séria e honesta,o momento é muito favorável,esqueçamos acordos,concessões,como disse Roberto Locatelli,”No Chile, em 1973, o presidente Salvador Allende, temendo um golpe, nomeou o general Pinochet chefe das Forças Armadas. Uma semana depois, houve o golpe. Allende foi morto e Pinochet tornou-se o ditador sanguinario que a História registrou.
    No Brasil, em 1964, João Goulart era homem moderadíssimo, tentando apaziguar a direita. Houve o golpe.
    No Paraguai, recentemente, o moderadíssimo presidente Fernando Lugo foi deposto por um golpe.
    Concessões à direita resultam em retrocesso social, decepcionando a população. E a direita não se comove com essas concessões, continuando a destilar seu ódio golpista.

  • Concordo com cada palavra deste brilhante artigo de Eduardo Guimarães.É por causa da insensatez de muitos que se dizem de esquerda que a direita está saindo do armário com toda força,despudoradamente.Todos os petistas (nós) sabem que Lula só ganhou a presidência quando ele “mudou” o seu discurso e provou que podia dialogar com todos os setores da sociedade e da política.O Brasil é conservador politicamente.Nem bem Dilma vence uma das eleições mais acirradas de todos os tempos,setores da esquerda,ou os seus próprios eleitores já começam com o desprezível “fogo amigo”.Querem interferir na escolha dos ministros,sem mesmo entender direito o que a leva a incluir num provável ministério os nomes de Kátia Abreu e Joaquim Levy.Claro que eu também prefiro outros nomes bem mais alinhados com o que os eleitores de Dilma (em sua maioria) esperam do governo,principalmente no que tange às políticas sociais,mas é preciso entender que o momento é crítico e temos que confiar em Dilma e em sua equipe.A gente precisa continuar lutando por outros mecanismos de participação popular no governo,para que,democraticamente possamos seguir exercendo nossa cidadania em prol de um Brasil melhor e mais justo para todos.Mas agora,no momento,não dá pra ficar se posicionando contra a Dilma.Ela já têm milhões,sem nenhuma sensatez e amor ao país,que votaram no Aécio,sem nenhuma preocupação em saber sobre o verdadeiro desgoverno que ele fez em Minas.Defenderam e blindaram Aécio com unhas e dentes.Foi o antipetismo levado ao desvario e à irresponsabilidade cívica.Já passou da hora de termos um pouco mais de lucidez e não fazer coro à turma do “Fora Dilma”.Eu confio na candidata que ajudei a eleger.

  • Me desculpe Edu .. votei na Dilma pra evitar a volta dos tucanos, e junto comigo também votaram movimentos sociais que acreditavam em uma guinada à esquerda deste governo, mas nomear uma Senadora que recebeu o prêmio de Motosserra de Ouro, que propôs no Congresso emendas e projetos que defendem a proibição de demarcação de terras indígenas em áreas de conflito agrário ou fundiário e quer garantir crédito federal para qualquer produtor rural, mesmo para quem não respeite o Plano de Manejo Florestal Sustentável e os limites de desmatamento por área rural na Amazônia, uma mulher cujos familiares possuem envolvimento com o trabalho escravo …. só nos leva a crer que realmente quem terá voz e vez nesse governo continuará sendo os mesmos interesses de uma minoria que enfiou milhões de reais na campanha da Presidenta … daqui à alguns anos, o que teremos será uma crise alimentar e de abastecimento gigantesca, com alimentos que poderíamos ter com fartura , um contrassenso abismal para um país que possui a quantidade e qualidade de terras como o Brasil, em razão da prioridade do Brasil de exportar quatro produtos que sustentam o agronegócio … em termos de reforma agrária Dilma perde para Sarney e governos da ditadura militar .

    • Está bom de o amigo filiar-se ao PSDB. Afinal, que diferença há entre Katia e o ruralista Roberto Rodrigues, da era Lula? Ou entre Levy e Henrique Meirelles? Agora falar das doações de campanha de Dilma? Por que não falar de doações de campanha e ponto? Ou Dilma tem regras especiais de financiamento de campanha? Esse papo já encheu

      • filiar-me ao PSDB ? hahahahahahaha …. mais fácil me filiar ao PSOL …. pensei que poderia manifestar opiniões sem entrar nessa esfera de : vá se filiar ao psdb , seu reaça etc. … mas é assim, tudo em nome da governabilidade , coalizão e tudo mais ….

        • Sem as quais ninguém governa. Mas quem quer se filiar ao PSOLnão pensa em o partido ter um legítimo projeto de poder, mas, tão-somente, um projeto de grilo falante

  • Kátia Abreu era amante do Siqueira Campos. Todo mundo sabe disso. Ela é mais ruralista que todos os Caiados juntos. Como dizia o apóstolo Paulo, isso nem deveria ser nomeado entre nós. Levy é sem comentários. Dilma, ao contrário de Lula, se assessora de pessoas péssimas. Era melhor que o psdbosta tivesse ganho.

    • Melhor para quem, cara-pálida? Não engole Katia Abreu e Joaquim Levy? Veja o perfil de todos os ministros dos governos petistas desde 2003 que sua digestão será facilitada

  • e ainda tem mais : Indicação da senadora Kátia Abreu (PMDB-TO) para o Ministério da Agricultura, que dividiu o Agronegócio, desagradou o PMDB e revoltou os movimentos sociais, está provocando a retirada dos “esqueletos” da congressista do armário; em ação no TSE, Kátia Abreu é acusada pela Procuradoria Geral Eleitoral de usar a CNA para promover arrecadação ilícita de dinheiro em campanhas políticas de 2010; 600 mil boletos, no valor de R$ 100 cada, foram enviados para produtores rurais de todo o país, em pedido de doação a campanhas; medida beneficiou diretamente a eleição do filho, deputado federal Irajá Abreu (PSD); para procuradora Sandra Cureau, autora da ação, arrecadação impediu identificação dos doadores e “não é admitida na legislação eleitoral”; ação está com ministra Luciana Lóssio …

  • Divergências à parte , gostaria de agradecer o Blogueiro Edu Guimarães pela oportunidade de discutir as ideias abertamente , com a sinceridade que cada tema requer !

Deixe uma resposta