Empreiteiras que roubaram Petrobrás também roubaram metrô de SP

denúncia

lava jato capa

 

O vice-presidente Michel Temer e o PMDB apresentaram na noite da última quarta-feira suas defesas ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) na principal ação em que o PSDB pede a cassação da chapa vencedora da eleição presidencial de 2014 — a chamada ação de impugnação de mandato eletivo.

O PSDB acusa a campanha presidencial da coligação PT-PMDB de receber doações oficiais de empreiteiras envolvidas na Lava-Jato como forma de distribuição de propina de contratos com a Petrobras. A defesa de Temer e de seu partido argumenta que a Operação Lava-Jato é um assunto para ser discutido na Justiça criminal e não no TSE.

O documento da defesa peemedebista aponta ainda que as doações recebidas pela campanha de empreiteiras investigadas na Lava Jato não configuram caixa 2 e não são irregulares, como sustenta o PSDB. E destaca que o partido autor da ação também recebeu quantias “vultosas” dessas mesmas empresas.

Abaixo, trecho da defesa de Temer e de seu partido:

Doação recebida e declarada de pessoa jurídica com capacidade contributiva, independente do que diga um delator, não é caixa dois. Até porque, como visto, o partido autor foi agraciado com vultosas quantias das mesmas empresas, logo, não há mau uso da autoridade governamental pelos representados, afastando o possível abuso de poder político“.

A argumentação dos tucanos e da mídia amiga é a de que o dinheiro doado à coligação PT-PMDB seria “sujo” por conta de que essas empreiteiras doadoras roubaram a Petrobrás, que é administrada pelo governo petista. Desse modo, a doação a Dilma-Temer foi feita por interesse em negociatas com a estatal.

O caradurismo dessa argumentação chega a ser sobrenatural. Sabe por que, leitor? Porque a empresas citadas na operação Lava Jato são conhecidas como “As quatro irmãs”. São elas Odebrecht, OAS, Camargo Corrêa e Andrade Gutierrez. E se prestaram serviços para empresa administrada pelo governo federal, também prestaram serviços para governos do PSDB.

E o que é pior: existem escândalos envolvendo essas empreiteiras no âmbito de governos do PSDB como o governo de São Paulo.

Desse modo, se suspeitam que essas empreiteiras deram dinheiro à campanha a presidente da coligação PT-PMDB por conta de favores que o governo federal prestou a elas ao lhes dar contratos com a Petrobrás, por que não suspeitar de que essas mesmas empreiteiras deram dinheiro à campanha a presidente de Aécio Neves por conta dos favores prestados por governos do PSDB ao dar contratos a essas mesmas empreiteiras em governos estaduais como o de São Paulo, por exemplo, onde corre solto o escândalo do cartel do metrô?

Vamos relembrar. A Odebrecht, por exemplo, entre outras empreiteiras investigadas pela Lava Jato, foi alvo de denúncia do Ministério Público por suspeita de formação de cartel em São Paulo para a construção da Linha 5 do Metrô. E, em 2012, o Ministério Público do Estado de São Paulo ofereceu denúncia formal à Justiça.

A denúncia foi formulada pelo promotor de Justiça Marcelo Batlouni Mendroni, do Grupo de Atuação Especial de Repressão à Formação de Cartel e à Lavagem de Dinheiro e de Recuperação de Ativos (GEDEC). Foram denunciados, entre outras, a Construtora Norberto Odebrecht Brasil S/A, a Construtora OAS Ltda e a Construtora Queiroz Galvão S/A.

Todas essas empresas foram acusadas pela Lava Jato de corromperem executivos da Petrobrás. E os políticos ligados à Petrobrás foram denunciados e presos. Não se tem notícia de nada igual envolvendo os políticos ligados ao metrô de SP, que também teve negociatas com as mesmas empreiteiras.

De acordo com a denúncia do MP, as empreiteiras dividiram contratos dos trechos 3 a 8 da linha 5 do Metrô, direcionando a licitação da obra. Para o Ministério Público, as empresas sabiam previamente qual delas seria a vencedora de cada um dos trechos em licitação porque combinaram o preço que seria apresentado por cada concorrente do grupo.

Incrivelmente, esse esquema funcionou durante quase todo o período que o PSDB governa São Paulo, que, ano passado, completou 20 anos.

Apesar de a mídia e o PSDB tentarem vender a ideia de que essas empreiteiras só começaram a fazer negociatas com empresas públicas ligadas ao governo do PT, há provas de que elas fazem negociatas com governos de partidos de oposição ao governo federal, como o governo de São Paulo.

Ora, por que, então, as investigações da Lava Jato não se preocupam com a roubalheira que essas empreiteiras promovem também em governos estaduais, já que o Ministério Público de São Paulo não faz o serviço direito? Afinal, se há ligações federais das empresas corruptoras, pela lei o caso sai da esfera estadual e vai para a esfera federal.

A resposta é simples: a investigação sobre o braço paulista da Lava Jato não anda por que os investigadores são militantes do PSDB, como prova episódio envolvendo alguns deles, como o delegado Igor Romário de Paula, da Delegacia Regional de Combate ao Crime Organizado.

lava jato 1

De Paula tornou-se conhecido nacionalmente durante a eleição presidencial de 2014. Matéria do Jornal O Estado De São Paulo arrolou esse delegado como membro de um grupo de delegados da Lava Jato que insultava Dilma Rousseff e Lula no Facebook e fazia proselitismo político-partidário em favor do então candidato a presidente Aécio Neves.

Confira, abaixo, a matéria. O post prossegue em seguida.

lava jato 2

O trecho final da matéria do Estado figura sob o subtítulo “Sem resposta”. Diz o trecho que “Os comandos da Polícia Federal no Paraná, onde atuam os policiais da Lava Jato, e em Brasília, sede do órgão, não comentaram as manifestações dos delegados nas redes sociais no período eleitoral”.

Ora, comentar o que? A PF emitiria uma nota dizendo “Sim, quem investiga o PT é militante do PSDB e toda essa investigação contra o partido do governo tem cunho meramente político-partidário”?

Não restaria outra coisa para a PF responder, se tivesse que responder. Qualquer coisa que dissesse além disso seria uma mentira escandalosa e facilmente identificável.

Que outra prova, portanto, alguém precisa de que a Lava Jato é uma farsa destinada a dar um golpe de Estado disfarçado e, o que é pior, afundando a economia e promovendo dor e sofrimento para 200 milhões de brasileiros?

Como este post prova de forma cabal e insofismável, há um golpe de Estado em curso no país. Não existem mais instituições sérias com credibilidade para julgar quem quer que seja. Tudo o que está sendo feito pelo Judiciário, pela PF e pelo MP está sob suspeita – que, aliás, está mais para certeza.

Como reagir a essa farsa que é a Lava Jato, que está promovendo tanto sofrimento para o povo brasileiro ao paralisar a economia e gerar inflação?

Essa é a grande questão que o Brasil tem que discutir. Não existe meio de acabar com esse crime de lesa-pátria pelas vias institucionais, pois elas estão corrompidas pelo golpismo.

Essa discussão terá que ser feita. Cedo ou tarde. Melhor seria se fosse mais cedo, antes que os efeitos desse golpe político atinjam ainda mais o povo brasileiro.

73 comments

  • Só o povo na rua para fazer frente ao golpe mas o povo precisa de lideranças que os motive a sair de casa, alguém q perca o pavor q tem do pig e explique (dando homes aos bois), tudo q está acontecendo. Näo temos esse líder, ou, essa líder. E Como já dizia Chacrinha: “quem nâo se comunica se trumbica”.

  • Eduardo, concordo plenamente contigo. Há de se ter um contragolpe urgente. Antes tarde do que nunca. Mas infelizmente com essa presidente, que não tem pulso, não espero grande coisa. Lula errou em não ter voltado em 2014.

    • É isto mesmo, para o o Homem de Preto da Vara de Guantánamo não interessa investigar nada sobre o partido que ele apoia: o PSDB incorruptível. Mas esse fascista até usa a Teoria do Domínio do Fato contra os petistas, pois a literatura permite.

      • Discordando, nem a literatura permite. O que existiu no mensalão foi uma excrecência sobre a teoria: Dirceu e Genoíno foram crucificados por uma teoria que o próprio autor Claus Roxin não avalizou por considerar inaceitável no processo, nem como adaptação.

    • Porque os delegados são concursados e tem todos os seus direitos. Quem deveria tomar outra atitude e impedir essa partidarização da PF é o ministro da justiça, o Zé Devagar Cardozo, um petista-tucano, mas até hoje ele ainda não assumiu o ministério da justiça. E não sei se assumirá tal pasta.

  • Estão em xeque todos os financiamentos de campanha para governador porque em todos os estados houve repasse das 4 empresas citadas independentemente de partidos políticos, porque no fundo as “4 irmãs” estão pouco ligando para política porque o que interessam são os contratos com estados e municípios o governo federal é apenas a cereja do bolo.
    A lava jato já fez dois anos que só aniquilaram a economia brasileira.
    As grandes mídias numa linha editorial pessimista catastrofista, tanto faz quebrar as empresas desde que tirem o PT só espero que sobre alguém para apagar a luz.
    Nessa linha catastrofista embarcou grande parte do empresariado brasileiro investindo num mundo paralelo surrealista onde em se apagando a TV tudo volta ao normal.

  • Se alguém tem dúvida sobre os que atacam a cidadania brasileira e beijam o chão pisado e escarrado pelos capitalistas que após sugarem a Europa, agora com medo da juventude pro-Sanders na América Central, os vampiros buscam a jugular Latina, eu não tenho. Afirmo que, hoje, no Brasil que amo e amarei, há uma única instituição séria que se chama “PUEBLO”. “Soy Loco Por Ti América!”.

  • Dizer o quê de tudo aqui apresentado e provado. Nada. Não há como rebater, amigo Edu. Assino embaixo tudo o que você argumenta, pondera e afirma.

  • Os tucanos são o câncer do Brasil, eles acabam com tudo. Usam da influência que tem no judiciário, Ministério Público, Polícia Federal para dar golpe, já que pelo voto PSDB não vence.

  • Buáaaaaaaaaaaaaa, buáaaaaaaaaaaaaaaaaaa, buáaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa. Chore não , Dudu. Chore não , Dudu. O petê não vai acabar não. Ele só não vai eleger um presidente nunquinha, mas nunquinha mais ! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      • ♫ Um palpite, Edu. Nem publique coisas assim. São obra de moleques com a palma da mão peluda, que continuam na frente ao teclado entre uma desengomada e outra, antes de acessar novamente um site pornográfico e desengomar outra, até ficarem contentinhos…

      • Caro Eduardo
        Corta logo esse tal Marcos Souza, é mais um troll tucano, que frequenta outros blogues, falando besteiras.
        Que ele volte para o rei e seus idiotas.
        Saudações

    • Nunquinha mesmo, desde 2002 o PSDB nunca mais alcançou a presidência da república e nunquinha mesmo vai assumir.

      E como nunquinha os tucanos irão reassumir a presidência da república via voto popular, esses fascistas e criminosos tucanos tem que usar de coxinhas fascistas e idiotizantes, da imprensa criminosa e antinacional do PIG e de juízes pilantras e desonestos como o seu herói: o Homem de Preto da Vara de Guantánamo para derrubar, dar o golpe paraguaio para assumir a presidência. Mas isto será nunquinha! Pois esses criminosos do PIG, do PSDB e coxinhas fascistas e imbecilizantes não vão conseguir.

  • Caro Eduardo
    A corrupção era uma das formas com que se construiu o Brasil.
    Portanto, não há lugar em que ela não esteja, e desarmar toda essa rede, não é interesse da casa grande.
    O interesse da casa grande é desarticular quem combate e desviar a atenção sobre isso.
    Moro e cia são alguns dos defensores da casa grande.
    Saudações

  • É uma judiação.

    Quanta injustiça com gente tão honesta, correta e trabalhadora.

    Haverá justiça para todos aqueles que roubaram dinheiro do povo.

    Todos eles serão julgados, condenados, presos e impedidos de exercer qualquer atividade pública.

    Deus nos ouça e tenha piedade de nós.

  • Então Edu, truco!!!
    Se as instituições trabalham pelo golpismo, o que está fazendo o tal do Zé? Não está na hora de uma nova postura?
    É outra, não adianta nada ficar falando aqui que os tucanos são corruptos. O que precisa é fazer às instituições voltarem minimamente ao rumo, e isto se faz, minimamente, com a mão de quem comanda o país. Chega de covardia e republicanismo, é preciso coragem. Fale com o PT, com o instituto Lula. Não pode acontecer com o país o mesmo de 54 e 64.

  • A ópera-bufa protagonizada pelo medíocre MP continua a todo vapor. Na mídia , Aloysio 300 Nunes acusa o PT de ter achacado uma das empreiteiras para favorecer campanha de Dilma, citando delação de um vice-presidente solto recentemente. Mas a mesma míRdia divulgou uma delação que afirmava que o chato achacador era o Aécio. Deve ser então o Aércio aegiptis. Precisamos combater essa praga.

  • Como diz O Mino Carta em muito de seus textos. Até o reino mineral já sabia disso. Os governo Lula e Dilma, querendo ser mais realistas que o rei e se julgando republicanos, passaram a chocar o ovo da serpente. Um republicanismo idiota que até o reino mineral saberia onde iria chegar. O MP está sendo utilizado para obter um objetivo, levar os sem votos novamente ao poder.
    Será que o republicanismo tamanho de Lula e Dilma espera que as regras criadas por eles para nomear o procurador geral, vão se manter as mesmas? Que a polícia política federal, sob um governo tucano, terá como diretor geral, um petista? Como agora se tem um tucano?
    Tanto o governo Lula como o governo Dilma, quando foram denunciados petistas, os abandonaram a própria sorte. Hora nenhuma defenderam José Dirceu, José Genuíno, Delúbio, entre outros. Tudo porque são republicanos.
    “Primeiro, os nazistas vieram buscar os comunistas, mas, como eu não era comunista, eu me calei. Depois, vieram buscar os judeus, mas, como eu não era judeu, eu não protestei. Então, vieram buscar os sindicalistas, mas, como eu não era sindicalista, eu me calei. Então, eles vieram buscar os católicos e, como eu era protestante, eu me calei. Então, quando vieram me buscar… Já não restava ninguém para protestar.”
    Agora caiu em cima do Lula, a Dilma ensaia uma defesa de Lula, mas nada tão sério, pois, é preciso manter o republicanismo latente nas veias. Depois que conseguirem desmoralizar o Lula, Dilma não terá quem a defenda? E, aí, é só bater na porta do planalto e convidá-la a sair, bom se não para ser presa.
    Na vida e na política, não espaço para deslealdade e covardia. Mas o PT insiste nisso. Estão cavando a própria sepultura. Depois, não reclame. Não colhemos nada além daquilo que plantamos.

  • diga aos direitosos, que não é chororo. É raiva mesmo, da falta de enfrentamento da doutora. Estamos numa situação em que ou os líderes assumem a sua responsabilidade, ou…bem, não quero nem pensar!

  • O Brasil.

    Infestado de epidemias, moro no mesmo bairro desde 1997, até 2005, nunca tinha visto alguem com dengue ou mesmo estas outras porcarias, mas este ano a coisa ficou feia , só na minha rua 2 mortos dizem que é dengue, no bairro conta-se nos dedos quem não pegou isso, a tal febre então só na semana passada 3 vizinhos meus estavam no hospital.

    Dai parei pra pensar, e analisar, em 2000, foram no Brasil todo aproximadamente 300 mil casos em todo o Brasil, ontem conversando com uma prima que é médica aqui no rio de janeiro ela me disse que só no mês de janeiro aqui no estado do RJ, os números já passam de 200 mil casos, ela trabalha num posto de saúde aonde por dia são mais de 20 novos casos.
    Qual a causa disso?
    Simples falta de investimento, por parte do governo federal, se comparado o ano de 2000 com o de 2015 o aumento do investimento nessa área aumentou 20%, quando o correto seria 1000% no mínimo.
    Porque não foi investido esse percentual?
    Com a palavra Eduardo Guimaraes.

  • A imprensa mafiosa do PIG diz que doações ao PT são criminosas, mas doações ao PSDB são doações legais, sendo que os doadores são as mesmas empresas.
    OAS doa ao PSDB-SP e isto não é crime, mas OAS doar para o PT-SP é crime. Está é a nossa imprensa criminosa ou quadrilha mafiosa, capitaneada pelos Marinhos, Frias, Civitas, Mesquitas e seus satélites repetidores (Rede Bandalha, Rede Record Evangélica, por exemplo).

  • No tempo do finado ACM, dizia-se que existia 3 tipos de justiça no Brasil: a honesta, a desonesta e a baiana!

    ACM fez história como coronel. Deixou seu legado para os tucanos que souberam aparelhar o MP dos estados onde governam, a PF e inúmeros juizados de Primeira Instância, que é onde as ações morrem de acordo a seus interesses.
    Quais estados? Paraná, São Paulo e Minas Gerais…
    Coincidentemente, estados do Moro, Alckmin/Serra e Aécio.

    O PT foi republicano demais. Tivesse lembrado de ACM, não estaria sendo ofendido dessa forma!

    • Se tivesse exigido o fim da Bolsa PIG e promovido a democratização dos meios de comunicação, além de não agir de forma republicana na indicação de nomes importantes para o STF e STJ.

  • Caro Edu,
    não o quanto de problemas acarretaria para você, mas que tal abrir um espaço em seu blog para esse tipo de discussão? Quem sabe possa surgir algum tipo de ideia para uma ou mais iniciativas, individuais ou coletivas, nesse sentido?
    Grande abraço.

  • Os delegados da PF escrevem no Facebook como se fossem aqueles militantes ou simpatizantes anônimos da direita que invadem os “blogs sujos” disseminando ódio.

    Todo o texto da justiça brasileira foi trocado por exemplares da Veja e por posts do Reinaldo Azevedo. “Está na mídia” foi uma expressão bastante usada pelos ministros do STF na época do mensalão, como se quisessem dizer: “existem provas”.

    Não existe mais presunção de inocência: se é petista, se é “comunista”, prende.

    O pior de tudo é que não são militantes pagos pelo PSDB, são pessoas apaixonadas, são ideólogos da direita exercendo cargos importantes na justiça.

    O que temos agora é um Estado-Midiático-Policialesco-Fascista.

    A única pessoa que teria poder para denunciar isso é a Dilma, mas ela ainda parece ter esperança de que a classe média e média baixa que gosta do JN a respeite. A Dilma porque os jornais replicam o que ela fala, pois é presidente ainda. Mas e o medo?

    • Rodrigo,

      será que seriam apenas “ideólogos apaixonados de direita”, que não são pagos? E mais: existe isso?
      Tenho por mim que ideólogo de direita pago é pleonasmo. O único valor que esta gente conhece é o dinheiro.

      E se não houvesse dinheiro sujo distribuído, qual a necessidade de criar empresa fantasma com endereço de moradia funcional, para comprar ap em Miami? Fosse dinheiro limpinho, fruto de trabalho honesto, com devido imposto pago, não haveria nenhuma necessidade de ilicitudes.

  • O PT liberou a investigação da corrupção.

    Sabendo ou não, colocou raposas a cuidar do galinheiro.

    É o povo assiste a tragégia ao vivo, graças `a internet.

    O povo vê com os próprios olhos quem é quem.

    O povo percebe quando é traído e assim começará a pensar!

    A máfia se desvendará, é são minoria insignificante!

    O povo vai exigir a verdade, e os jovens terão que acordar!

    Não há mais desculpas para serem ignorantes e barulhentos em público!

  • A verdade é que o combate à corrupção nunca foi a preocupação real desses moralistas sem moral. E isto precisaria ficar claro para a população. Trata-se de uma armação, um golpe mesmo, com formação de quadrilha, uso de concessões públicas de rádios e TVs para manipular a opinião pública de forma descarada. Eles zombam de instituições como STF, ou de governos eleitos e até do próprio legislativo. Generalizam o discurso de que a política não presta, enquanto promovem seus heróis sem votos.

    O Brasil está sendo enganado por um golpe midiático, já que meia dúzia de barões da mídia e seus lacaios têm total monopólio e carta branca para dizerem o que bem entendem de forma impune. Enquanto a presidenta da república e um ex-presidente que se tornou liderança mundial são caçados e não têm instrumentos de comunicação direta com a população, eles, que não foram eleitos por ninguém, que nunca fizeram nada de bom para o povo brasileiro, mandam e desmandam, impõem a agenda do ódio e do fracasso e promovem operações midiáticas que funcionam como estado paralelo acima da lei e das instituições.

    Etão usando esses mauricinhos da justiça, da PF e do MP, todos oriundos de uma classe média recalcada e cheia de ódio ao povo pobre. Todos eles anti-petistas não pelo zelo à coisa pública – até porque blindam e protegem os maiores canalhas do Brasil -, mas pelo fato de o PT e Lula e Dilma terem incluído milhões de pessoas pobres nas universidades, nos aeroportos, no asfalto, enfim, na disputa de mercado que antes ficava restrita a uma minoria. Não que isso seja o melhor dos mundos, mas, para setores da classe média e da elite com mentalidade colonialista, o lugar dos mais pobres teria que ser sempre a senzala.

    Estão criando um tal clima de terror e fiasco econômico e político que ficará fácil para um mauricinho como Aécio Neves ou um aventureiro – para dizer o mínimo – como Eduardo Cunha realizarem todos os confiscos de direitos dos trabalhadores que se fizerem necessários para aumentar os lucros de banqueiros, além de entregarem as riquezas do país, como o pré-sal, para grupos de rapina estrangeiros.

    E tudo será justificado como sendo por culpa do PT, Lula e Dilma, da corrupção criada no Brasil a partir do governo Lula – e que obviamente nunca antes existira. É esta a narrativa colocada em prática por essa tropa, quadrilha, máfia, que pretendem roubar os sonhos de mudança do povo brasileiro.

    Estão destruindo a nossa democracia, ante à passividade ou até á cumplicidade de instituições que deveriam reagir, como STF, OAB, além do congresso nacional e da própria presidência da república. Só quem não quer ver ou já fora totalmente lobotomizado pela mídia não percebe a armação golpista que vem sendo executada no Brasil dia após dia. São dezenas de rádios, jornais e revistas, além das TVs, com seu batalhão de comentaristas pagos para dizerem uma nota só, um assunto apenas: morte ao PT, a Lula, ao governo Dilma. Tudo isso sintonizado com ações espetaculosas da operação Lava-jato, que ganhou um poder sobrenatural de prender seletivamente e sem condenação alguma aqueles que interessam ao plano diabólico montado; de vazar seletiva e impunemente aquilo que deveria ser mantido em sigilo; de investigar e condenar somente aqueles que interessam aos donos da Casa Grande, poupando os caciques tucanos e afins.

    Ora, isso não é democracia e chega a ser pior até do que a ditadura, porque, ao contrário da ditadura, que todos sabíamos se tratar de um golpe de força que subtraiu a legalidade, agora não, o novo golpe assume ares de legalidade, confunde-se com liberdade de imprensa plena, quando na verdade se trata justamente do oposto, ou seja, da ausência de liberdade de expressão por parte da maioria, da usurpação da Carta Constitucional e do seu principal mandamento segundo o qual todo poder emana do povo e será exercido através de pessoas eleitas pelo povo.

    O que estamos assistindo é um cerco de uma minoria golpista a um governo eleito pela maioria, incapaz de reagir, de se defender e de mostrar ao povo brasileiro o caminho da resistência ante ao bombardeio imposto. Oxalá um movimento formado pelas pessoas mais lúcidas, especialmente pelas amplas massas que dependem de políticas públicas para se contrapor ao poder do capital, consiga dar um basta ao golpismo em curso no Brasil e retomar o verdadeiro protagonismo dos de baixo. Não podemos ser derrotados por este golpe judicial-policialesco-midiático, que subtrai a vontade popular para servir aos de cima.

  • Caro Eduardo, mais uma vez, parabéns pelo brilhantismo de seu artigo.
    Temos que mostrar força para derrubar esse golpe. Inir forças. Vejo muita gente lutando de forma isolada contra golpistas que se uniram. Não podemod desistir!
    É uma luta desigual sim, pois além de tudo, eles têm a mídia golpista que prolifera mentiras, boatos e desinformação, contaminando a sociedade.
    Abraço!

  • Verdade, são as mesmas empreiteiras..

    ..as mesmas que inclusive roubaram nas obras da COPA e da OLIMPÍADA, nas usinas hidrelétricas e nuclear, nas concessões de portos, aeroportos, VLTs, BRTs, metrôs e submarino, vistorias automotivas e estradas federais e estaduais, por exemplo

    ..são as que nos cobram altíssimos retornos e pedágios que inviabilizam tanto o consumidor como o pequeno empresário ..que drenam e concentram riquezas..

    ..as mesmas empresas que financiam praticamente TODOS os grandes e médios partidos

    ..por isso, por ter coragem de enquadrar MUITOS DESTES meliantes que, muitos, sequer sabem ver o MAL que fizeram e fazem a este país (com seus preços e retornos exagerados, com seus salários aviltados e deformações de mercado por seus cartéis e monopólios acalentados), que por este dado devemos comemorar o que vem ocorrendo na Lava Jato que abriu frente a estes “fornecedores do estado”

    em tempo ..tudo isso em que pese meu posicionamento de que não são propriamente as “empreiteirAs” as culpadas, mas o modelo político e os empreiteirOs sócio proprietários ..daí que defendo que as “empresas” sejam poupadas, seus proprietários expropriados.

  • A falta que faz não termos um espaço para o DEBATE.

    Infelizmente as comunidades virtuais e seus espaços se mostraram INCAPAZES de promover o bom debate ..ao contrário ..hoje, por suas facilidades e radicalismo, o que vemos são movimentos se fechando neles mesmos e em suas paixões cegas

    Se vc não pensa como eu, dane-se, tá fora, censurado e derrubado, desconstruído e exilado, praticam a maioria dos que, quando em minoria ou fraquejados, clamavam por mais entrosamento, comunhão e liberdade de expressão ..que pena !!

    Estivéssemos nós muito mais preocupados em debater IDÉIAS e não em defender somente homens, quem sabe já teríamos maturidade pra trazer a este espaço um Armínio Fraga com suas “verdades”

    E por se falar nele ..hoje Armínio falou novamente ao Estadão e foi reverberado no 247

    ..disse que a crise HOJE é muito mais grave e extensa do que a dos anos 90 (no mundo), que muito nos chega importada de outras terras (verdade) ..disse que faria muita coisa diferente do que vem sendo feito (mas não entregou)..

    ..falou que serviu ao BC de Fernando Collor como diretor (e ao de THC como presidente) ..disse que Levy errou ao aceitar ser ministro e que P.Bernardo carece de “credibilidade”, pois em tese este representaria um modelo que falhou

    Armínio falou e não foi contestado ..PIOR, deu lições decima duma fama, tal qual a de Delfim Neto, que NÃO se justifica caso ele fosse confrontado com seus próprios resultados enquanto ele mesmo estava no comando

    que pena ..pena que os grupos não se propõe a debater ..fosse isso e Armínio poderia vir aqui pra se defender

    Defender-se por exemplo da CONSTATAÇÃO de que EM SEU TEMPO (embora não fosse o presidente da República) o país colheu desesperança, recessão, desemprego, INFLAÇÃO e maxi desvalorização, desequilíbrio nas contas internas e EXPLOSÃO nas externas com direito a 3 intervenções internacionais na nossa economia durante quase todo o reinado do príncipe THC …coisa que hoje em dia, tirando as intervenções que deixaram de existir, só vieram a ocorrer ciclicamente na economia, mais precisamente a partir de 2014/15 ..e isso pela conjunção dada por uma Lava Jato, uma CRISE DO PETRÓLEO e das commodities, fora ainda do exame da Samarco/Vale e da oposição ter conseguido – com ajuda da BASE – aplicar o quanto pior melhor durante um ano ininterrupto, por exemplo..

    ..FRAGA aqui poderia se defender da acusação de que com ele a inflação pelo IGPdi, no governo Collor, quando ele era diretor do BC, que a inflação chegou a 1.478% em 1990, ou, que já em 1991 (livre dos efeitos do governo de Sir Ney) o mesmo índice batera por 2 meses consecutivos em 25% (ao MÊS), fechando em 476% naquele ano..

    pois é ?! quem sabe se Fraga viesse aqui ele poderia nos explicar que, apesar da economia Internacional em seu tempo não estar tão descarrilhada, ele poderia tb dizer de como pôde ter chegado a 26% de inflação NUM ÚNICO ANO, o de 2002, percentual que com DILMA só foi acumulado após QUATRO ANOS do 1o mandato (e que mesmo em 2015, com um Maxi desvalorização, tal índice chegará a “módicos” 10% aa)

    Então, que pena, que pena ..que pena TAMBÉM que este espaço tenha preterido a defesa de idéias em troca de se resumir na defesa de homens e partidos políticos

    NÃO !!! não que tal defesa não seja importante ..mas é que em só se fazendo dela, pouco ou NENHUM outro espaço sobra pra tentarmos DESMISTIFICAR, desmentir, esclarecer a população – principalmente de jovens – sobre o tanto de MENTIRAS, mitos e BESTERIAS que determinados personagens insistem em se inventar sobre um passado que JAMAIS existiu

    ..e ainda por cima ao final Fraga disse estar muito mais desesperançado hoje do que ontem

    ..sei lá, vai ver é a idade, a calvície e´/ou a crise existencial que sempre acaba nos apanhando, né mesmo ?!

    ..francamente, lamentável

    https://www.youtube.com/watch?v=KTGMDtTXnJI

  • Edu, na cabeça desmiolada dos coxinhas essas 4 empreiteiras são “honestas” quando trabalham para os governos do PSDB mas são “desonestas” quando trabalham para os governos do PT. É só ver o que está acontecendo em S.Bernardo do Campo, cidade próxima de onde moro. A OAS está executando uma obra na cidade, o tal projeto Drenar, para aliviar os problemas com as enchentes que há anos prejudica SBCampo na época em que temos muita chuva. Só que esta obra está parada por problemas com repasse de verba do governo federal, já que ela é uma obra que faz parte do PAC. Aí vem o jornal Diário do Grande ABC (DGABC) e desce o sarrafo nessa obra destacando que a empreiteira responsável é a OAS envolvida na “Vaza Jato”, para alegria dos coxinhas daqui da região. E não adianta comentar que a OAS também presta serviço ao metrô de SP. Para os coxinhas tendo a OAS trabalhando para o PSDB tudo bem, o que não pode é o PT trabalhar com ela. Pura hipocrisia dessa gente. Agora, gostaria de comentar sobre um post publicado no blog do jornalista Miguel do Rosário com o título “Banditismo midiático ameaça juízes do STF”. Neste post cita o caso do Ministro do STJ, sr. Sebastião dos Reis, que andou dando declarações de que é contra os vazamentos seletivos na Lava Jato. Por conta disso o sr. Sebastião virou alvo da bandidagem golpista, segundo o post. Hoje ele está sendo alvo de um procedimento aberto no STF sob a suspeita de venda de sentença judicial. Pois é, conforme diz Miguel do Rosário, “não é por outra razão que nenhum juiz do STJ ousa contestar os arbítrios de sérgio moro ou dar habeas corpus a algum réu”. “Trombou” com o juiz moro, virá alvo de intimidação, ameaças e chantagens. É o clima do medo que está imperando no país. Só mesmo a força do povo para acabar com isso.

  • São todos um monte de lixo. Lula, Aécio, Dilma, Collor…
    As empreiteiras de sempre…. Corruptas por excelência.

    Acho que não há esperança para o Brasil. Mas se quiserem tentar, precisa ser algo novo.

  • Tem que responsabilizar todos, todos, sem exceção. Quem tiver se deixado levar por práticas de corrupção, seja do PT ou do PSDB, seja Lula ou Aécio, Seja Serra ou Dirceu, todos devem ser responsabilizados. O que não pode acontecer é o povo brasileiro achar normal e apoiar a corrupção da esquerda pelo fato de a direita ter sido corrupta também. No dia que o Brasil chegar a esse ponto perdemos a nossa democracia.

  • Tem que responsabilizar todos, todos, sem exceção. Quem tiver se deixado levar por práticas de corrupção, seja do PT ou do PSDB, seja IuIa ou Aécio, Seja Serra ou Dirceu, todos devem ser responsabilizados. O que não pode acontecer é o povo brasileiro achar normal e apoiar a corrupção da esquerda pelo fato de a direita ter sido corrupta também. No dia que o Brasil chegar a esse ponto perdemos a nossa democracia.

    Tem que responsabilizar todos, todos, sem exceção. Quem tiver se deixado levar por práticas de corrupção, seja do PT ou do PSDB, seja IuIa ou Aécio, Seja Serra ou Dirceu, todos devem ser responsabilizados. O que não pode acontecer é o povo brasileiro achar normal e apoiar a corrupção da esquerda pelo fato de a direita ter sido corrupta também. No dia que o Brasil chegar a esse ponto perdemos a nossa democracia.

    • Brinquinho,

      O que não pode acontecer, é o povo brasileiro achar normal, e apoiar a corrupção da direita, pelo fato de que algum criminoso de carteirinha, que foi perdoado e régiamente compensado para tanto, declare que tenha ouvido dizer que a esquerda teria sido corrupta também.

      O Brasil já chegou nesse ponto…

  • Edu,

    Só esse tal Mr. Mouro que não sabe disso. Aliás, não é que não sabe, finge que…
    Esse esquema existe no Brasil desde que os portugas cá aportaram. Ê o famoso ” toma lá e dá cá” . Agora quando a gente julga com espírito fascista a justiça vai pra baixo do tapete.

  • Já que o assunto é roubo, essa matéria do Nassif é imperdível. Longa para ser postada aqui na íntegra, mas muito didática. Veja o título: O condomínio Solaris pode ter sido o Riocentro da Lava Jato

    O condomínio Solaris pode ter sido o Riocentro da Lava Jato

    Atualizado em 14/02/2016 – 09:48
    Luis Nassif

    A operação descobriu um elefante – a Mossack Fonseca – e agora não sabe como escondê-lo para não comprometer os Marinho.

    Pois é, o Moro queria foder o Lula (ainda quer) com a história do triplex, e sem querer chegou aos irmãos Marinho. Uma história incrível! Eis o link da matéria:

    http://jornalggn.com.br/noticia/o-condominio-solaris-pode-ter-sido-o-riocentro-da-lava-jato#comment-842945

  • Interessante essa corrente que está sendo repassada no Facebook. Seria um bom exercício refletirmos nisso.

    Soluções de esquerda para 10 problemas nacionais:

    1) Só os pobres e negros são presos no Brasil

    ( ) prende tambem os criminosos brancos e ricos

    (X) solta os criminosos pobres e negros

    2) Pobre paga muito imposto

    ( ) diminui os impostos dos pobres

    (X) aumenta os impostos dos ricos

    3) As escolas públicas são ruins e as privadas são boas

    ( ) privatiza as públicas e distribui vouchers pros pobres

    (X) estatiza as privadas e espera que as classes média e alta também se sintam incomodadas e ajudem na luta pela tão esperada educação gratuita e de qualidade (via Tico Santa Cruz)

    4) Objetificação do corpo da mulher

    ( ) mostrar que as mulheres têm cérebro, fazendo coisas notáveis

    (X) formar grupos de mulheres para protestarem peladas na rua

    5) Menores de idade cometendo crimes bárbaros

    ( ) cadeia!

    (X) escola. Cadeia não recupera ninguém e só serve pra satisfazer a terrível ânsia de vingança das elites

    6) Homofobia

    (X) cadeia!

    ( ) escola. Cadeia não recupera ninguém e só serve pra satisfazer a terrível ânsia de vingança das elites

    ?????????????????? (via Jean Wyllys )

    7) Polícia Federal cada vez mais perto de Lula, e PT desmoralizado pelos escândalos de corrupção

    ( ) tentar provar a inocência do PT e do homem mais honesto do mundo (kkkkkk)

    (X) dizer que o PSDB também rouba e que Eduardo Cunha é corrupto

    8) Desemprego crescente

    ( ) parar de atrapalhar a vida dos empresários (*lembrando que o dono da lanchonete da esquina também é empresário)

    (X) “Vão pra Miami mesmo, coxinhas. Não precisamos de vocês!”

    9) O dinheiro dos outros acabou

    ( ) corta despesas, vende o avião, desfaz parte das loucuras do governo anterior, passa 2 dias no Fórum de Davos da maneira mais econômica possível, e volta com garantias de $ 80 bilhões em investimentos estrangeiros

    (X) mantém a máquina pública inchada, o avião, compra talheres de prata, vai passear em Paris com 900 assessores, distribui mais crédito e passa o ano inteiro tentando convencer o Congresso a aprovar o 93° imposto do país, enquanto aumenta outros por decreto

    10) Dilma quebrou o país

    ( ) ‪#‎foraDilma‬

    (X) ‪#‎DilmaMudaMais‬

  • Tudo que se refere ao PT é criminalizado pelo PIG, quando não o é, também, pelas “operações” da PF e do MP. O lobby, por exemplo, é uma atividade lícita, tanto aqui quanto nos EUA. Nosso maior lobista parece ter sido Mario Garnero, que tinha uma agenda com o nome e telefone de milhares de investidores do mundo todo. O PIG não fala mais em lobby: parece que a atividade deixou de existir. O dono do sítio de Atibaia, que também é proprietário de mansão na Ilha dos Macacos, em Angra dos Reis, nunca foi chamado de lobista. Insinua-se que pode ser “laranja” do Lula. O PIG e seus aliados criminalizam, também, as doações eleitorais, claro que se destinadas ao PT. Isso pode prejudicar e acredito que já está prejudicando muito o partido. O PT fica sem dinheiro e os políticos migram para outras siglas. Alguns prefeitos do PT, em São Paulo, estão de malas prontas para embarcar na arca do Alckmin. O de Itupeva já embarcou. PS: essa matéria do Estadão é muito boa. Não tinha conhecimento dela porque só assino a Folha digital. Parabéns pelo post.

  • Quem construiu o Parque Gráfico de O Globo, financiado pelo BNDES e inaugurado pelo presidente FHC, foi a Odebrecht, envolvida até o pescoço na Lava Jato. É que a Odebrecht só é desonesta quando trabalha para o PT… Confira nos links:

    http://www.monitormercantil.com.br/index.php?pagina=Noticias&Noticia=166205

    http://piniweb.pini.com.br/construcao/noticias/obras-em-duque-de-caxias-rj-86398-1.aspx

    https://www.youtube.com/watch?v=tBgAwH0G2hY

    PS: Qual empreiteira construiu o Projac, cidade cenográfica da Globo? Procurei e não consegui achar… Alguém sabe?!

  • olha só ..enquanto presidente do TJ de SP este cara cobrava disciplina e austeridade enquanto renovava e MANTINHA uma frota de mais de 1,5 mil veículos pro judiciário do estado ..fora ser um defensor ardente de tudo quanto é tipo de penduricalho exclusivo pra esta camarilha de rabulas que sequer dão conta dos seus próprios trabalhos (que demoram décadas, isso quando, quando se concretizam)

    ..e agora, como secretario da educação, olha só o que ele vem falando

    caracas, esta nem mama Vana cumpadi ??!!

    http://www.naosalvo.com.br/secretario-da-educacao-de-sao-paulo-tem-inveja-idealismo-isis/

  • Estou lembrando que querem investigar a obra de transposição das águas do rio São Francisco. Vê-se que é uma investigação política, por causa do grandioso sucesso. Estamos vivendo num estado de exceção. As pessoas perseguidas vivem atemorizadas. E assustadas dizem que estão à disposição “da vara superior a todas as coisas.” Não há aquele que a conteste que não seja execrado. O que acho pior é que parte do Supremo, que tem um postura democrática, vê isso tudo e se omite e se cala. Eu queria ver um ministro do Supremo denunciado tal e qual muitos dos que estão detidos. Qual seria a reação do colegiado? Nassif tem falado sobre esta operação corajosamente. Não é possível que numa sociedade democrática uma pessoa possa ser encarcerada sob suspeitas. E outras esperando serem detidas também da mesma forma.

  • O MP abrindo processo contra as nossas empresas e a favor de outros paises – em outros paises – e não podemos leva-los presos.
    Mas sera bom. Quando terminarem de enviar o ultimo emprego do pobre brasileiros para outros paises sera a virada. Sai de baixo.

  • Pena que você levou tanto tempo para enxergar o que eu já via DESDE O PRIMEIRO SEGUNDO EM QUE ESSA FARSA COMEÇOU, UMA NOVA FARSA COMO A DO “JULGAMENTO DO MENSALÃO”(ALIÁS, MORO FOI ASSESSOR DE UM DOS GLORIOSOS MEMBROS DO STF, PORTANTO FOI UM DOS RESPONSÁVEIS PELAS PÉROLAS DE CRETINICE QUE SAÍRAM DALI. GENIALIDADES COMO “NÃO TENHO PROVAS PARA CONDENAR DIRCEU, MAS A LITERATURA ME PERMITE”… SERÁ QUE PRECISA DESENHAR PARA EXPLICAR MAIS ALGUMA COISA!!!!!!!!!???). Mas voltando às conclusões atrasadas, foi uma grande pena você não enxergar isso como eu, desde o início desse golpe. Provavelmente, sua cegueira veio de que alimenta ilusões quanto à “leis” e “instituições”, enxerga-as pela aparência e não vê a essência delas e de sua existência, garantir o domínio de uma classe sobre as outras. Não vê que é assim que funcionam e que, mesmo aquelas “leis” impostas pela força das lutas dos oprimidos, destinadas a beneficiá-los, estão sobre o crivo das “instituições” e dos “julgadores”, todos controlados pela classe dominante. Serão aplicadas em “julgamentos” onde as “interpretações” são dadas por “julgadores” conservadores até a alma.(os “julgadores” não são membros da classe dominante, os donos do poder não fazem o serviço “menor”, mas a eles servem por pertencerem à classe média conservadora, que sonha em ser patrão, acredita que é, e pensa exatamente igual a quem lhe ferra e despreza). O que se consegue de vitória institucional não é pelas instituições “funcionarem em si”, mas PELA LUTA DE CLASSES, A LUTA CONCRETA(MANIFESTADA NAS RUAS) OU A CERTEZA DE QUE UMA SOCIEDADE MOBILIZADA REAGIRÁ E NÃO ADMITIRÁ AQUILO. Ora, se o Governo do PT vinham fazendo genuflexões aos conservadores há muito tempo, não ousando apropriar-se das parcelas do estado a que tinham direito concedido pelo voto(deixando de nomear progressistas para os Tribunais Superiores e MP), é evidente que eles foram percebendo o que já intuíam desde o início, que sua truculência não seria enfrentada pelo PT e conseguiriam esmagá-lo usando as instituições que continuavam a controlar. Tentaram na farsa do “mensalão”, acreditaram que seria o suficiente, mas não conseguiram e ainda viram Lula reeleger-se após a farsa congressual e Haddad vencer após o show no STF. Por isso, em sintonia com uma grande armação destinada a toda a América Latina(como já disse anteriormente, há casos semelhantes, na Argentina, Venezuela, Equador, Uruguai, Bolívia), começaram um grande complô destinado a derrubar Dilma, que saiu do plano meramente institucional e ganhou as ruas nas “manifestações” fascistas de 2013, mas manteve sua base institucional com a Lava Jato. VOCÊ ACHA MESMO QUE UM JUIZINHO DE PROVÍNCIA FARIA TODOS OS ABSURDOS QUE MORO FAZ E ENFRENTARIA TODOS OS TRIBUNAIS SUPERIORES COM AS VIOLAÇÕES ÀS REGRAS QUE ELES MESMO USAM SE NÃO TIVESSE ALGO MUITO MAIOR POR TRÁS DE SI, OS INTERESSES DA CLASSE DOMINANTE E DOS EUA. Moro é um sujeito limitado intelectualmente(basta assistir aos vídeos de qualquer audiência da lava Jato, facilmente percebemos isso), esses procuradores são um bando de fanáticos com a cultura de “concurso público, um deles é um extremista religioso. Acha mesmo que esses sujeitinhos conseguiriam tudo isso sozinhos!!!!!!!!!!????????? Eles não têm poder e nem competência(aquela “inteligência para a artimanha) para isso. É evidente (e o escândalo da NSA -revelações de Eduard Snowden – juntamente com os documentos do Weakeleks; nos provam isso), que os EUA espionam a Petrobrás desde sempre e resolveram usar as informações que tinham no momento certo, em conluio com nossa classe dominante, através de alguém arregimentado pelos senhores para servi-los. E QUER ALGUÉM MELHOR DO QUE MORO, QUE JÁ ERA “DA CASA” DESDE OS TEMPOS DA FARSA DO MENSALÃO. A prova do poder que está por trás de toda essa gente é tão escancarada que só ela pode explicar O FATO DE DELEGADOS DA POLÍCIA FEDERAL INCORREREM NA FALTA MAIS ELEMENTAR DE UM FUNCIONÁRIO PÚBLICO, CRITICAR SEUS CHEFES PUBLICAMENTE, PREVISTA EM LEI, E NADA SOFREREM. E ELES CRITICARAM A CHEFE SUPREMA, A PRESIDENTA DA REPÚBLICA. Se não acredita em mim, pergunta a qualquer agente da Polícia Civil de uma delegacia de subúrbio o que aconteceria se ele criticasse o delegado que o comanda numa rede social!!!!!!!????? SERIA SUSPENSO E RESPONDERIA A PROCESSO IMEDIATAMENTE. ENTÃO NÃO PODE CRITICAR UM DELEGADO DE SUBÚRBIO, MAS PODE CRITICAR A PRESIDENTA!!!!!!!!!!!!!!! Faça-me o favor, ou enxergamos que há forças de classe muito poderosas por trás disso ou teremos que mandar todo o PT fazer análise para curar-se do masoquismo. E como enfrentar essas forças de classe, as quais o Governo cedeu há muito tempo, desde que Lula começou essa merda de “republicanismo” e a nomear reacionários para os Tribunais Superiores. COM A MESMA FORÇA DELES, SÓ QUE EM SENTIDO CONTRÁRIO. OU SEJA, COM LUTA DE CLASSES!!!!!!!!!! MAS DA NOSSA CLASSE, DOS OPRIMIDOS, E USANDO NOSSA FORMA DE LUTAR QUE CONHECEMOS, INDO ÀS RUAS. Ao invés de escrever posts sobre a Lava Jato, escreva uma Carta, junto com outras organizações e pessoas progressistas, e envie ao mundo, às organizações internacionais de Direitos Humanos que atuam na ONU e à imprensa livre. Denuncie o golpe de estado em curso no Brasil e dê nome aos líderes desse golpe. Ou seja, diga que Moro, os procuradores do MP, a PF, a mídia, a Globo querem derrubar um Governo eleito, destruir seu líder máximo(Lula) e acabar comas forças progressistas através de uma “investigação” falsa, que agride todos as prerrogativas do estado de direito(conseguidas por força da lutas dos oprimidos)e direcionada com o intuito de criminalizar sem provas concretas apenas o lado do Governo, enquanto esconde quaisquer indícios ou provas contra o PSDB, principal partido conservador do Brasil. E PRINCIPALMENTE VAMOS DIZER ISSO, DE FORMA SIMPLES, NAS RUAS. COMEÇANDO NO DIA 17 E INCENDIANDO ESTE PAÍS, DIZENDO AOS BRASILEIROS QUE MORO E A GLOBO QUEREM DESTRUIR LULA PARA COLOCAR O PSDB NO PODER NOVAMENTE E ASSIM RETIRAR DIREITOS DOS TRABALHADORES E ENTREGAR O PRÉ-SAL(ESSE É O PRINCIPAL MOTIVO DE TUDO)AOS EUA, ACABANDO COM A SAÚDE E A EDUCAÇÃO DOS BRASILEIROS. VAMOS DIZER ISSO NAS RUAS. SE FIZERMOS ISSO, ELES RECUARÃO E COMEÇAREMOS A VIRAR O JOGO CONTRA ESSES FASCISTAS.

  • Executivos da Andrade Gutierrez , uma das grandes empreiteiras denunciadas na operação Lava Jato , ficaram eufóricos quando na apuração parcial da eleição de 2014 Aécio estava na frente . Além de terem contribuído para financiar a campanha do candidato tucano , também estavam demonstrando gratidão pelo motivo da Aécio ter deixado a referida Construtora se apropriar da CEMIG.

  • Nenhuma empreiteira roubou coisa nenhuma, isso é invencionice de procurador analfabeto que não sabe a diferença entre sobrepreço e propina. Nem a Petrobras nem ninguém foram roubados, quem causou o prejuízo bilionário a Petrobras foram aqueles infelizes da Lava Jato. Ficar levantando esse tipo de acusação mentirosa contra os empresários brasileiros é fazer o jogo dos vendilhões que querem destruir as empresas nacionais para se apropria de nossas riquezas.

  • A assim voam os tucanos: Desde o propinoduto e o caso Alstom até a ‘máfia da merenda’, reportagem lista 16 escândalos que os tucanos habilmente abafaram na imprensa e na Câmara.

    Tatiana Carlotti

    Mais um escândalo envolvendo governos tucanos veio à tona. Desta vez, a acusação é o superfaturamento em contratos para o fornecimento de merenda escolar à Secretaria de Educação e mais 22 prefeituras do estado de São Paulo. Em delação, na “Operação Alba Branca”, dirigentes da Cooperativa Orgânica Agrícola Familiar (COAF) citaram o deputado Fernando Capez (PSDB-SP), presidente da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp), e o ex-chefe de gabinete da Casa Civil do Governo Alckmin, Luiz Roberto dos Santos, o Moita, como participantes do esquema. Ambos negam.

    Segundo denúncia do Ministério Público Estadual (MPE), o superfaturamento chegava a 25% no valor de cada contrato firmado entre a cooperativa e o setor público. O dinheiro era escoado do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). O MPE aponta, ainda, o pagamento de propina pela Coaf para burlar a disputa com outras cooperativas no fornecimento da merenda. A fragilidade na fiscalização do Governo Alckmin já havia sido denunciada pelo Tribunal de Contas da União (TCU). Em artigo publicado no Diário do Centro do Mundo e republicado aqui, na Carta Maior, Mauro Donato detalha o esquema.

    Denúncias relativas à “Máfia da Merenda” não são de hoje. Em 2000, as empresas de Sérgio de Nadai, De Nadai Alimentação e Convida Alimentação, foram tema de investigação por contratos sem licitação durante o Governo Covas. Em 2009, a Convida Alimentação estava na lista das empresas do cartel para o fornecimento de alimentos. Aliás, a denúncia citava até mesmo a participação do cunhado de Alckmin, Paulo César Ribeiro, no direcionamento de contratos de uma das empresas envolvidas no cartel, a Verdurama.

    Em 2012, o MPE denunciou o cartel da merenda à Justiça, apontando fraudes em licitação em 57 municípios paulistas, entre 2001 e 2011. Apesar de todas as denúncias, como destaca a reportagem da Carta Capital, de 14.01.2016, nos últimos anos (2001 a 2015) foram fechados vários contratos entre a empresa de Sérgio de Nadai e as secretarias do Governo Alckmin – Educação, Planejamento e Saúde – totalizando R$ 75 milhões em vendas.

    Com apoio da mídia e folgada maioria entre os parlamentares na Alesp, os tucanos têm trânsito livre para comandar e derrubar investigações e CPIs na Casa legislativa. Uma verdadeira “operação abafa” como comprova o destino dos principais escândalos envolvendo os governos de Mário Covas (1995 a 2001), Geraldo Alckmin (2001-2006 / 2011 até hoje) e José Serra (2007 a 2011). Confiram alguns:

    1 – Crise no abastecimento de água. Ocultamento de informações e da real situação da crise de abastecimento de água em São Paulo, durante a disputa eleitoral de 2014. Os gastos com publicidade saltaram, enquanto se mantinha o discurso da ausência de racionamento, à revelia do que atestava a população nas periferias. Ficou patente a má gestão e a omissão dos governos Alckmin e Serra diante dos alertas sobre riscos no Sistema Cantareira, como, por exemplo, o alerta da Fundação de Apoio à USP, em 2009 (FSP, 13.03.2014). Em meio à crise, também foi denunciado, pelo MPE, o favorecimento de 13 empresas de engenharia em contratos realizados pela Sabesp, entre 2008 a 2013, no escopo do programa de redução de perdas de água no estado (OESP, 21.05.2014).

    Com ativos privatizados na Bovespa e na Bolsa de Nova York, em março de 2015, Alckmin anunciou o pagamento de uma dívida de R$ 1 bilhão para cobrir os rombos financeiros da “estatal”. A crise escancarou a quem realmente serve a “estatal” tucana. Criada na Câmara Municipal de São Paulo, a CPI da Sabesp defendeu a necessidade de criação de uma autoridade fiscalizadora municipal para monitorar a política de saneamento básico. Autoridades tucanas permanecem intocáveis. Alckmin, inclusive, foi agraciado com o “Prêmio Lucio Costa de Mobilidade, Saneamento e Habitação”. O documentário “O escândalo da Sabesp” produzido pelo Diário do Centro do Mundo detalha as irregularidades na “estatal” tucana.

    2 – Socorro à Folha, Estadão e Veja. Gastos de mais de R$ 3,8 milhões na compra de 15.600 assinaturas da Folha, Estadão e Veja, utilizando-se verbas do orçamento da Secretaria de Educação. As assinaturas foram destinadas às escolas da rede estadual de ensino em um projeto chamado “sala de leitura”, como mostra a reportagem publicada por Altamiro Borges do Centro de Mídia Barão de Itararé.

    3 – Propinoduto tucano. O esquema envolvendo multinacionais da área de transporte sobre trilhos em sucessivos governos tucanos – desde 1998 – veio à tona em meados de 2012. Documentos encaminhados pela Justiça Suíça ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) apontavam fraudes em licitações de trens e metrôs, pagamento de propina, superfaturamento de obras e subcontratação de empresas derrotadas em concorrências. O escândalo só foi descoberto porque a Siemens estava sendo investigada pela Justiça suíça. Reportagem da Isto É (16.08.2013) apontava que na delação da multinacional, foram citados nomes de várias autoridades tucanas, como os secretários de Transporte Metropolitano, José Luiz Portella (Governo Serra) e Jurandir Fernandes (Governo Alckmin). Entre 2008 e 2013, segundo reportagem da Rede Brasil Atual, mais de 15 representações haviam sido encaminhadas aos ministérios públicos Estadual e Federal pela oposição paulista. Entre os indiciados até agora estão os executivos das empresas envolvidas.

    4- Pedágios abusivos e concessões de Rodovias. Irregularidades e distorções nos contratos de concessão das rodovias de São Paulo, gerando preços exorbitantes na cobrança dos pedágios – o estado cobre a mais alta taxa no país. Em maio de 2014, durante a CPI dos Pedágios na Alesp, além dos preços elevados, a oposição colocou em suspeita contrações de consultorias pela Agência de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp), que representavam 2/3 da receita da agência. Também foi questionada a prorrogação de contratos firmados em 1998 – assinada em aditivos no final de 2006 – permitindo às concessionárias o direito de estenderem concessões, com base em novos tributos que passaram a incidir após a assinatura dos contratos. Presidida pelo tucano Bruno Covas (PSDB-SP) – e com maioria da base aliada – a CPI foi esvaziada e concluiu não haver nenhuma irregularidade nos contratos.

    5 – Nova Marginal Tietê. Em 2012, no escopo das investigações sobre o bicheiro Carlinhos Cachoeira, o ex-diretor da Dersa, Paulo Vieira de Souza, mais conhecido como Paulo Preto, tornou-se suspeito por contratos firmados entre a Dersa e a Delta Construções. Quando da denúncia, Alckmin afirmou sobre os contratos à Folha: “Nem sei se tem, se tem são ínfimos”. Porém, levantamento do blogTransparência SP apontava que, de 2002 a 2011, a Delta Construções havia fechado pelo menos 27 contratos com empresas e órgãos públicos do governo do Estado de São Paulo.
    Entre os contratos suspeitos: a ampliação da Nova Marginal Tietê. Com valor previsto em R$ 1 bilhão, em 2008; a obra superou o valor de 1,75 bilhão, sem estar concluída. A Delta venceu a concorrência do segundo lote da Nova Marginal Tietê, recebendo aditivos de R$ 71 milhões que despertaram denúncias no MPE. Entre os suspeitos, estava seu ex-diretor-executivo Fernando Cavendish, suspeito de ter fraudado a concorrência. Parlamentares da oposição ao governo paulista também protocolaram um requerimento no Ministério Público para investigar o aumento dos valores na obra da empreiteira, denunciando outros consórcios entre órgãos públicos do estado e a Delta: um total de R$ 800 milhões – R$ 664 milhões celebrados na gestão Serra e R$ 140 milhões na gestão Alckmin.

    6 – Rodoanel 1. Em 2010, durante as investigações da Construtora Camargo Corrêa, no escopo da Operação Castelo de Areia, a PF encontrou um pen drive e documentos que indicavam o pagamento de propina pela empreiteira a autoridades tucanas. Reportagem da revista Época (14.05.2010) apontava que entre os nomes citados pela PF estavam Arnaldo Madeira, ex-chefe da Casa Civil (Governo Alckmin), responsável pela checagem das obras do Rodoanel e do Metrô; Luiz Carlos Frayze David, presidente do Metrô entre 2003 e 2007; e o ex-diretor da Dersa, Paulo Preto. Coordenador do programa de governo de Aécio Neves na última eleição, Madeira negou ter recebido dinheiro ou doações de campanha da empreiteira. Luiz Carlos saiu do governo 40 dias após o acidente nas obras da Estação Pinheiros. Já o ex-diretor da Dersa, Paulo Preto – acusado naquele ano de ter desaparecido com cerca de R$ 4 milhões da campanha de Serra – foi demitido oito dias após a inauguração do trecho sul do Rodoanel. No dia 5 de abril de 2011 a operação Castelo de Areia foi anulada pela 6ª Turma do Superior Tribunal de Justiça.

    7 – Rodoanel 2. Emnovembro de 2009, três vigas de um viaduto em obras no trecho sul do Rodoanel caíram sobre a Rodovia Régis Bittencourt, na cidade de Embu. Técnicos do TCU haviam soltado um laudo, em abril daquele ano, denunciando superfaturamento na construção do trecho sul do Rodoanel, incluindo compras com valores, em média 30% acima do orçamento. O laudo apontava, também, alteração de métodos construtivos pelas empresas para reduzir custos: por exemplo, a diminuição do número de vigas utilizadas. A oposição tentou emplacar uma investigação, denunciando a “pressa” do então governador José Serra em inaugurar o Rodoanel em março de 2010, ano eleitoral. Dois anos depois, o TCU aceitou as explicações dadas pelo Governo do Estado e pela Dersa, comandada à época, por Paulo Preto.

    8 – Caso Alstom. Em 2008, documentos da Justiça suíça, enviados ao Ministério da Justiça do Brasil, evidenciavam o pagamento sistemático de propinas pela empresa francesa a autoridades dos governos tucanos. Entre 1998 a 2001, o dinheiro foi repassado por empresas offshore (paraísos fiscais), em troca da assinatura de contratos no setor energético paulista. Um dos engenheiros da Siemens apontava o sociólogo Claudio Mendes, assessor de Covas e secretário-adjunto de Robson Marinho (Casa Civil), como intermediário nas negociações. À frente da Secretaria de Energia, na época dos contratos, estiveram David Zylbersztajn, genro do ex-presidente FHC; o deputado Andrea Matarazzo; e Mauro Arce, ex-secretário estadual dos Transportes. José Serra se esmerou para bloquear a CPI,impedindo que as ligações entre Alstom e Governo fossem investigadas ou mesmo discutidas.

    A multinacional francesa fechou um acordo na Justiça, aceitando pagar R$ 60 milhões para se livrar do processo. Robson Marinho, um dos fundadores do PSDB e chefe da Casa Civil de Covas, permanece como o réu na ação do Ministério Público, como destaca a Folha de S. Paulo (22.12.2015).

    9 – CPI da Eletropaulo. Privatizada em 1998, a Eletropaulo foi vendida para o consórcio Lightgás, liderado pela AES Corporation, por R$ 2 bilhões – parte do valor financiado pelo BNDES. À frente da negociação, estava o governador Geraldo Alckmin, na época presidente do Programa Estadual de Desestatização (PED) do Governo Covas. Após a demissão de metade dos funcionários da estatal e das suspeitas sobre o baixo valor da venda, parlamentares da oposição tentaram instalar uma CPI. Apenas em 2008, após o escândalo Alstom vir à tona, ela pode ser instalada. Além do baixo preço da venda, os deputados denunciavam (veja aqui) ilegalidades formais e improbidade administrativa praticada pelo BNDES na concessão do empréstimo. Os parlamentares também pediam que se incluísse a Alstom no bojo das investigações. A CPI foi encerrada naquele, sem mencionar a multinacional francesa em seu relatório. Em 2013, nova tentativa de investigação foi enterrada pelos deputados da situação na Alesp.

    10 – Cartões de Pagamento. Em 2008, no auge das denúncias sobre cartões corporativos do Governo Federal, a Folha de S. Paulo trouxe uma matéria apontando que o Governo Serra havia gastado R$ 108,3 milhões em cartões de pagamento de despesas. A denúncia motivou o primeiro pedido de CPI da bancada petista naquele ano, enterrada pela situação na Alesp. Três anos depois, outra reportagem do jornal, afirmava que em dez anos, o Governo paulista gastara R$ 609 milhões em cartões de pagamento. “O valor é 70% maior que o registrado pelo governo federal no período”, afirmava o texto.

    11 – Cratera do Metro. Em novembro de 2004, começaram as obras da Linha 4 – Amarela do Metrô, com previsão de inauguração em 2008. Em janeiro de 2007, porém, ocorreu um desmoronamento vitimando sete pessoas e abalando a estrutura de vários imóveis na região. Dados do Sindicato dos Metroviários, à época, apontavam a existência de 11 acidentes desde o início das obras na Linha 4, um deles com vítima fatal. Em junho de 2008, laudo do Instituto de Pesquisa Tecnológicas (IPT)denunciava aexecução inadequada do projeto, culpando o Consórcio Via Amarela pelo acidente. Em agosto de 2008, o laudo final do Instituto de Criminalística (IC) apontava falhas na fiscalização do Metrô. O processo foi lentamente arrastado pela Justiça paulista. Reportagem da Rede Brasil Atual, em 2014, denunciava a impunidade e o fato de ninguém ter sido julgado pelas mortes.

    12 – Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU). A Operação Pomar, deflagrada em 2007, apontava um esquema de superfaturamento e fraudes em licitações para construção de casas em 23 municípios paulistas. A partir do exame do livro-caixa da empreiteira FT Construções,entre os suspeitos estavam prefeitos, vereadores, empresários, diretores da CDHU e o ex-secretário de Habitação de Alckmin, Mauro Bragato, absolvido pelo Conselho de Ética da Alesp.

    Em novembro de 2007, o Legislativo paulista chegou, inclusive, a mudar pareceres do TCE que indicava irregularidades em quatro obras das gestões Alckmin e Covas. O novo parecer doTCE foi elaborado por Bruno Covas (PSDB), neto do ex-governador que afirmara ser obrigação do Legislativo analisar os casos julgador irregulares pelo TCE, referendando ou reformando a decisão. Houve uma CPI da CDHU, mas sob a presidência do deputado José Augusto (PSDB) e sem dar o prazo necessário às investigações, como demandavam os parlamentares da oposição, ela foi encerrada em 2009.

    13 – CPI das obras do Tietê. Em 2005, o rebaixamento da calha do Tietê foi tema de várias reportagens questionando os gastos acima de R$ 1 bilhão, a partir de aditivos e acréscimos aos valores iniciais do empreendimento. O acerto prévio pelo financiamento do JBIC (banco japonês), garantia que não seriam toleradas elevações de preços superiores ao limite legal de 25%. O Governo Alckmin, porém, fez alterações no contrato da obra, contratou consultorias, aumentando os valores iniciais em 148%, como denunciava reportagem da FSP. A oposição tentou instaurar uma CPI, mas jamais conseguiram.

    Além das suspeitas de irregularidades, como detalha Henrique Costa, no artigo As tragédias anunciadasdo Rio Tietê, neste site (15.05.2011), após a entrega da obra de ampliação da calha do Tietê, técnicos alertaram que a eficiência da obra (que custou quase R$ 2 bilhões) dependia, fundamentalmente, da limpeza da calha do rio. O sucessor de Alckmin no Estado, José Serra não deu atenção ao alerta: retirou do rio apenas 200 mil m3 de resíduos, quando a média anual necessária deveria ficar entre 400 e 600 mil m2.

    14 – Nossa Caixa. Esquema de favorecimento da Nossa Caixa – banco estadual na época e terceiro maior banco público do país – para distribuição de verbas públicas para deputados ligados à base aliada do Governo Alckmin. A denúncia dizia respeito a irregularidades nas verbas publicitárias do banco, que operou por um ano e meio com contratos vencidos (R$ 28 milhões no total) com duas agências de publicidade: Colucci & Associados Propaganda Ltda. e Full Jazz Comunicação e Propaganda Ltda. O gerente de marketing Jaime de Castro Júnior foi afastado e uma sindicância interna encaminhada ao Tribunal de Contas Estadual. Em posse dos documentos, a Folha de S. Paulo publicou uma reportagem – Banco estatal beneficiou aliados de Alckmin (23.03.2006) – afirmando que o Palácio dos Bandeirantes “interferiu para beneficiar com anúncios e patrocínios” deputados da base aliada na Assembleia Legislativa. Com a quebra do sigilo da correspondência de Castro Júnior, foi revelado que os pedidos de benefício haviam partido de Roger Ferreira, então assessor-chefe de comunicação de Geraldo Alckmin, e também assessor da presidência da Nossa Caixa. Ele atuou nas equipes de marketing das campanhas presidenciais de Fernando Henrique Cardoso e José Serra. Geraldo Alckmin exonerou Roger Ferreira após as denúncias. Duas tentativas de se convocar uma CPI sobre o assunto foram abafadas.

    15 – Aeroporto Fantasma. Em 2005, o governo Alckmin investiu pesado em obras no aeroporto Antônio Nogueira Junior, em Itanhaém, com 85 mil habitantes à época. Batizado de “aeroporto fantasma”, o movimento médio de passageiros naquele ano não ultrapassou 5 pessoas por dia. O total gasto pelo governador na obra chegou a R$5,5 milhões, com direito a uma pista capaz de receber até mesmo um Boeing 737, como denunciava a Folha de São Paulo. Tentativa de investigações foram abafadas pelos tucanos.

    16 – Compra de votos. Em julho de 2005, reportagem da Folha de S. Paulo trazia à tona uma conversa telefônica entre os deputados estaduais Romeu Tuma Jr. (PMDB-SP) e Paschoal Thomeu (PTB-SP), às vésperas da eleição do novo presidente da Alesp. Entre os candidatos estava Rodrigo Garcia (PFL), apoiado por Tuma Jr. e Edson Aparecido (PSDB), apoiado por Alckmin. Na gravação, Thomeu afirmava que votaria em Edson Aparecido, alegando que suas “seis firmas” estavam em situação muito difícil e mencionava a venda de terras para a CDHU. Dizia ainda que o governador em pessoa havia lhe prometido ajuda. Confrontado com a gravação, o deputado afirmou que a conversa foi uma desculpa que inventou para não magoarTuma, como apontava a reportagem do jornal.
    Dada a quantidade de escândalos, a reportagem continua.
    Via: GGN Por: Carta Maior .
    Isto realmente é muito grave! Às instituições de direito legais em nosso País estão corrompidas, vamos precisar de ajuda internacional, nosso MP, MPF, STJ e polícia federal estão mancomunados em um grande golpe junto a partidos da oposição, empresas da iniciativa privada e a mídia golpista.

  • Com certeza essa lava jato tem propósito de tudo, mas nenos de investigar corrupção. Leiam esse texto que excelente análise o Rafael faz.
    Lava Jato, mostra a sua cara!

    ​Por Rafael Castilho*​

    Acerta quem percebe que a operação Lava Jato, com todo seu contorcionismo jurídico, atende a propósitos políticos, cumprindo tarefas preestabelecidas, que vão muito além do suposto espírito apaixonado de paladinos da moralidade pública, imbuídos do desejo de combater a corrupção no Brasil.

    Erra quem presume que a “missão política oculta” da Lava Jato seja apenas a de destituir o PT do poder e impedir a eleição de Lula em 2018.

    Olhando com alguma atenção, perceberemos que é muito mais que isso.

    No governo anterior ao de Lula, os grandes bancos controlavam o sistema político partidário e instituições governamentais quase que sem concorrência. Ou seja, tinham importância relativa muito maior nas doações de campanhas para eleições nacionais, estaduais e municipais do que ocorreu até a última eleição.

    O período do Governo FHC, ficou notabilizado pela priorização da agenda da estabilidade econômica. Não foi um período de grandes obras. O setor de construção, em especial, viveu um período de grave retração. O corte dos investimentos para cumprimento das “metas inflacionárias”, superávit primário, ou mesmo com as condições estabelecidas pelo Fundo Monetário Internacional para os empréstimos que socorriam os ataques especulativos contra a economia brasileira, custou caro para o país.
    Foi uma período marcado por um forte processo de desindustrialização, sobretudo nos grandes centros urbanos. Os investimentos em infraestrutura foram precarizados de maneira alarmante. O sintoma mais evidente e doloroso foi o alto índice de desemprego, porém, mais do que isso, a “Era FHC” foi marcada por forte desnacionalização da economia brasileira e a agenda neoliberal interrompeu (ou deu novo curso) à estratégia nacional de desenvolvimento, iniciada principalmente durante o governo do Presidente Getúlio Vargas.

    Até mesmo a Ditadura Militar brasileira (1964-1985), foi notabilizada por governos quase sempre desenvolvimentistas. Algo diferente do ocorrido nas ditaduras argentinas e chilenas, por exemplo.

    O primeiro Governo Lula foi marcado pelo esforço político inicial de se confirmar que o Brasil não seria uma filial local do chavismo. Nos últimos dias da campanha presidencial de 2002, a atriz Regina Duarte (uma das mais famosas do Brasil), apareceu na campanha do candidato José Serra dizendo que sentia medo de que o Brasil “virasse uma Venezuela”.

    Nos meses anteriores à chegada de Lula os mercados ficaram inquietos. O dólar subiu. Temia-se a fuga em massa de capitais.

    A escolha pelo rompimento com o “tripé econômico” de estabilização da moeda durante o Plano Real se mostrava arriscada e talvez impraticável. O Governo Lula já nascia sob desconfiança. Desde sempre dizia-se pelos cantos que Lula não teria condições de ficar no governo por mais de um ano. Que sua “instrução” seria insuficiente para permitir que ele governasse o Brasil. Que os setores mais conservadores da economia e da sociedade não aceitariam Lula no comando.

    Diante da impossibilidade (ou dificuldade) política de estabelecer mudanças drásticas e estruturais nos pilares que fundamentaram o neoliberalismo brasileiro (com todas as suas particularidades), o Governo Lula se dedicou a construir uma trégua com as elites econômicas, sobretudo com os grandes bancos e sistema financeiro, além de mobilizar sua coalizão de “base de apoio político”, enquanto estruturava os principais programas sociais que vieram posteriormente a se consolidarem como marcas do lulismo.

    Os programas sociais tinham dois objetivos principais. O primeiro era atenuar os efeitos da miséria histórica do Brasil, resgatando milhões de brasileiros da fome e da indigência. O segundo era, a partir da inclusão social e dos subsídios governamentais reativar a economia, gerando uma pressão positiva, aumentando a classe média e consequentemente o mercado interno consumidor.

    Também, sem fazer as modificações estruturais, absolutamente necessárias (e que custam caro até hoje), o governo optou, por meio do crédito, fomentar o mercado e aquecer a economia. Os maiores beneficiados foram os setores industriais de bens duráveis, agrícola e de pecuária, de construção, serviços, entre outros. Além de, obviamente, o aumento de poder econômico das classes médias.

    No segundo Governo Lula a economia melhorou. O desemprego chegou aos índices mais baixos da história. Ao raiar da “Crise de 2008”, o Brasil optou por seguir em “marcha forçada”. Prolongar os ganhos econômicos e sociais, ainda que o receituário neoliberal recomendasse o corte drástico nos investimentos do Estado.

    Agora, mais de meia década depois, sente-se o efeito da escolha política diante da crise. Mas quem disse que essa escolha foi errada? Quem garante que o Brasil estaria melhor com a retração da economia iniciada meia década antes? Quantos brasileiros, nesse meio tempo, puderam formar seus filhos ou comprar a casa própria?

    O resultado político da escolha de Lula foi a adesão dos amplos setores do desenvolvimentismo brasileiro. Foi, sem dúvidas, um grande momento.

    Lula forjou essa adesão. O BNDES trabalhou decisivamente para a consolidação dos “Campeões Nacionais” e depois dos “Campeões Mundiais”. Empresas brasileiras de diferentes setores, sejam elas da construção, agropecuária ou siderurgia. Mais do que isso, a estratégia da política externa brasileira caminhava de mãos dadas com o grande setor empresarial. Seja na “Cooperação Sul Sul”, na política brasileira para o Oriente Médio ou na formação dos BRICS, as multinacionais brasileiras tornaram-se parceiras estratégicas durante o Governo Lula.

    Isso não ocorreu sem críticas, denúncias e ilações que desencadearam de alguma maneira em muitas das investigações da Lava Jato.

    Em primeiro lugar é preciso dizer que, para além do discurso político sazonal, é preciso encarar o fato de que “é assim mesmo que funcionam os Estados”.

    Alguém imagina que isso seja diferente com os Estados mais desenvolvidos do mundo? Ao contrário, isso é muito mais agudo. Quem não se lembra quando o Brasil estava prestes a comprar os aviões caças de alta tecnologia para a FAB? O governo teria escolhido o Dassaut Rafale da França, quando Hillary Clinton, então Secretária de Estado, pegou o avião e veio até Brasília, nos idos de 2010, pressionar para a compra dos caças da empresa estadunidense Boeing. Esse é apenas um exemplo entre tantos outros. As embaixadas dos países desenvolvidos funcionam menos para as atividades políticas internacionais clássicas e mais como verdadeiros escritórios de representação das grandes empresas nacionais.

    Se desejamos construir Estados mais interessados em promover o bem comum e o bem-estar social, que nos empenhemos ao máximo nessa tarefa. Com todas as nossas energias. Porém, como o velho Marx já dizia, “o Estado é o comitê central da burguesia”.

    Pois é, continua sendo. A questão pragmática e, quem sabe, irrelevante é: de qual burguesia?

    Errada ou não (o tempo dirá), a escolha de Lula foi fomentar e aumentar a competitividade de certa parcela da burguesia nacional e tentar (talvez sem sucesso), associá-la a uma estratégia nacional de desenvolvimento.

    É possível dizer que o plano continha também a tentativa de dar direção a uma elite supostamente produtiva, ou seja, que gera empregos, renda e desenvolvimento, capaz de disputar a hegemonia do Estado com os setores monetaristas, especulativos e financeiros que controlam hoje a maioria dos sistemas políticos mundo afora, isso sem contar o controle sobre os grandes meios de comunicação em massa que são de sua propriedade e ponto final.

    Antes da Lava Jato, nas eleições de 2012, os bancos, investimentos, consórcios e seguros foram responsáveis por 6,8% do total de doações. Enquanto isso, as construtoras e o setor de agropecuária juntos foram responsáveis por 63,4% das doações legais contabilizadas (Fonte: prestação de contas dos partidos ao TSE e prestação de contas das campanhas de 2012).

    Essa conta é uma espécie de termômetro para saber quem tem hegemonia sobre o Estado. Não é uma conta exata. Não é uma ciência. Mas é um ótimo indicador de como as coisas mudaram nas últimas décadas.

    A operação Lava Jato, com suas idiossincrasias, particularidades, novidades e intempestividades, sob o arrepio das leis, deixa nítido e evidente o ataque frontal a toda essa articulação montada a partir do Governo Lula.

    O alvo não é somente Lula. As grandes empresas brasileiras que parecem estar correndo o risco de desaparecerem, são grandes competidoras mundiais. Concorrem com competitividade e até com vantagem estratégica no mercado mundial. Mais do que isso, são players decisivos nos processos decisórios de diferentes países da América Latina e da África. Caminham de mãos dadas com o Estado brasileiro em sua estratégia de política externa para o continente. São grandes doadoras de campanhas eleitorais também na Venezuela, Equador, Peru, Bolívia, Argentina, entre outros.

    Bilionários estão na cadeia. Isso não ocorre por mero procedimento institucional corriqueiro. Não é paisagem comum. Tampouco pode ser encarado como uma articulação política qualquer.

    Oxalá bilionários estivessem indo para a cadeia para que esse país pudesse se tornar mais justo e menos desigual. Antes essas forças da Justiça e da Polícia Federal fossem realmente interessadas em limpar o Brasil. Tomara sejam…

    Que todos os políticos corruptos, principalmente os que se diziam de esquerda e ludibriaram a fé do povo e passaram a servir aos interesses dos opressores, aceitando suborno ou organizando quadrilhas, apodreçam na cadeia e sirvam de exemplo!

    Porém, desafortunadamente, eu não acredito que seja este o principal resultado da Lava Jato. A espetacularização das investigações, o vazamento seletivo dos resultados, as estranhas delações superpremiadas e, principalmente, a seleção partidária de escândalos e denunciados, permitem conclusões decepcionadas quanto a nossa “operação mãos limpas”.

    Ao que parece, a Lava Jato está mais para uma ferramenta de ajuste de contas entre as elites pela hegemonia do Estado, quando não uma ação que atende interesses ocultos para a destruição da estratégia de desenvolvimento brasileiro e a chance que o Brasil teria para ser dono das próprias riquezas e do próprio destino. De servir como uma liderança internacional alternativa, pacífica e progressista.

    E também, é claro, para essa tarefa, torna-se necessário derrotar o lulismo e seu legado. Mais do que isso, impedir que as forças populares tenham capacidade política para combater as injustiças sociais, as desigualdades e fazer com que as riquezas nacionais finalmente estejam a serviço do nosso povo, sobretudo para as pessoas mais pobres, investindo em educação, para fazer desse país uma grande nação.

    Nesse momento, estão nos jogando uns contra os outros. Não percebemos quem é o real inimigo e entramos em uma guerra civil fria, com o Brasil interditado. Na política e também na economia. Nada anda. A caravana passa e mais uma vez podemos perder o trem da história.

    *​Rafael Castilho é Sociólogo, Pós-Graduado em Política e Relações Internacionais e em Gestão Pública. É Coordenador de Projetos da FESPSP e blogueiro do Blog do Rafael Castilho.

Deixe uma resposta