Impeachment não é golpe, o golpe está na forma como querem usá-lo

Análise

golpe

 

Alguns dirão que os golpistas foram inteligentes ao usarem o mote dos antigolpistas de que “não vai ter golpe” para vender a ideia de que o impeachment de Dilma, especificamente, não seria “golpe” porque querem derrubá-la por meio de um instituto legal.

De fato, a Constituição nos diz que vivemos sob presidencialismo de mandato fixo em que autoridades dos três Poderes estão sujeitas ao impeachment. Essas autoridades, porém, só podem ser afastadas de seus cargos se cometerem o que a lei chama de “crimes de responsabilidade”.

A justificativa para impeachment de Fernando Collor de Mello, por exemplo, foi terem encontrado dinheiro sujo na reforma de uma propriedade dele (a “Casa da Dinda”) e na compra de um automóvel (o tal Fiat Elba).

O impeachment de Collor, portanto, não poderia ter sido mais justificado.

É lógico, é óbvio que impeachment é um instrumento legal. Porém, não é o instrumento que está sendo chamado de golpista, mas a forma como querem usar esse instrumento, ou seja, sem que estejam presentes os requisitos para ele ser aplicado.

Antes de prosseguir, façamos uma analogia simples para que todos possam entender por que um instrumento legal está sendo usado de forma ilegal.

A demissão de funcionários por “justa causa” é facultada a qualquer empresa. Demissão por “justa causa”, portanto, é legal. Só que para usar esse instrumento o funcionário tem que ter cometido algum ato de má fé.

Qual foi o ato de má fé que Dilma Rousseff cometeu? Collor reformou sua propriedade e comprou um automóvel com dinheiro extorquido de empresários por PC Farias. E Dilma, o que foi que ela fez que justifica ser demitida “por justa causa”?

Nada. Dilma não cometeu crime de responsabilidade. Querem derrubá-la porque utilizou uma prática contábil para pagar programas sociais que todos os seus antecessores usaram e que, enquanto você lê este texto, milhares de prefeitos e muitos governadores estão usando.

Dilma pegou empréstimos bancários por alguns dias para pagar a manutenção de programas sociais (Bolsa Família, Minha Casa, Minha Vida etc.).

É mole ou quer mais, leitor?

E derrubar Dilma por causa disso não é golpe? Vão se catar, golpistas.

É por isso que a Comunidade das Nações está bastante preocupada com a situação política do Brasil e, assim, organismos multilaterais como a Organização dos Estados Americanos (OEA), a Comissão Econômica para América Latina e o Caribe (Cepal) e o Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) estão emitindo comunicados criticando a proposta de impeachment de Dilma.

As centenas de milhares de pessoas nas ruas protestando, as entidades todas que repudiam a pretensa derrubada da presidente e a classificam como golpe estão construindo narrativa que irá prevalecer para sempre na história deste país se houver esse golpe, de que Dilma Rousseff terá sido derrubada sem razão justificável, por conta de manobra contábil que antecessores como Lula, Fernando Henrique Cardoso e tantos outros usaram sem que contra eles tenha sido sequer cogitado usar o instituto do impeachment.

Nesse contexto, as consequências seriam funestas. Os golpistas não têm noção do que irão desencadear se tiverem sucesso. Teriam que lidar com o descrédito do Brasil como democracia e com uma onda de greves e protestos.

A instabilidade política vai continuar, mas, agora, será empreendida pelo outro lado. O novo regime tratará de reprimir manifestações contra si que o regime anterior sempre tolerou, exacerbando a sensação da comunidade internacional quanto ao caráter golpista e antidemocrático da instalação desse novo regime.

Um governo Michel Temer aplicaria desmonte de programas sociais e supressão de direitos trabalhistas, com volta da privataria. Tudo isso trataria de mostrar ao pais o engano fatal que cometeu.

Nesse momento, o país lembrará de um fato altamente positivo sobre os governos do PT que o jornal Folha de São Paulo admitiu em editorial publicado neste sábado, 26 de março de 2016.

Diz o editorial:

“(…) A equidade melhorou [no Brasil] na medida em que os salários na base da pirâmide social cresceram mais que os outros. De 2003 a 2014, a renda dos 10% mais pobres aumentou 130% acima da inflação, contra apenas 30% na camada superior.

[Nota do editor: eis por que a elite odeia o PT]

Outros fatores foram importantes. O alargamento da cobertura da Previdência, o contínuo crescimento do salário mínimo e os programas de transferência de renda, como o Bolsa Família, ajudaram a espalhar renda em regiões de menor dinamismo econômico e reduziram a pobreza extrema (…)”

Claro que o objetivo do texto não é fazer justiça aos governos Lula e Dilma; o objetivo é dizer que “caiu a última bandeira” do PT, ou seja, de que caiu a última melhora que o partido promoveu na vida dos brasileiros.

Contudo, o editorialista, sem perceber, mostra o absurdo que é ignorar tudo de bom que os governos do PT promoveram neste país por conta de um único ano ruim. Durante 13 anos a vida do povo melhorou fortemente, razão pela qual o partido venceu 4 eleições presidenciais seguida. E em um único ano houve problemas.

Os problemas que o país teve em 2014 não decorrem da administração do país, mas de sabotagem. A Operação Lava Jato paralisou o setor da economia que movimenta mais dinheiro, o setor da construção pesada – estradas, portos, usinas hidrelétricas etc.

Com essa paralisação, um efeito dominó derrubou o resto da economia. É simples assim.

O golpe, portanto, como se vê não se resume a usar um instituto legal como o impeachment de forma ilegal; o golpe é ainda mais criminoso por ter sabotado o país para criar clima propício ao golpismo.

Os artífices desse processo são criminosos. Só conhecemos a face dos condutores desse processo criminoso, mas, um dia, haverá que identificar quem esteve por trás das famílias Marinho, Frias, Civita, Mesquita e dos Sergios Moro da vida.

Uma dica: essas eminências pardas do golpismo não devem nem falar português.

  • José Alayon

    Seus argumentos de são uma hipocrisia enorme. Um frase simples ” O errado é errado mesmo que todos façam.” Portanto tentar dizer que é golpe porque todos fazem um verdadeiro absurdo. A pergunta é: É crime de responsabilidade as práticas contábeis usadas ou não? A resposta é sim , foram cometidos crimes de responsabilidade. Se outros cometeram que sejam julgados e impedidos. Além disso há os crimes de obstrução da justiça e os crimes eleitorais. A cegueira ideológica dos defensores desta quadrilha que esta no poder desde 2003 é incrível.

    • mario filho

      A pratica contábil que Dilma utilizou foi utilizada por todos os anteriores e não há materialidade alguma , a não ser o denuncismo que indivíduos oportunistas se aproveitam para utiliza´los como provas–recortes de jornal, quá quá, quá – na acusação de obstrução da Justiça; confio mais na carta dos maiores juristas do país do que nessas palavras de um membro palpável da classe que vê no golpismo de estado uma maneira de valer seus interesses mesquinhos, individuais e segregatórios, terem legitimidade . NÃO CONVENCERÃO ! Serão combatidos, caso ousem contra o Estado de Direito , de TODAS as formas e seu prejuízo, meu caro defensor de ditaduras, sera maior do que pareces estar tendo com o PT.

      • Marcos Faria

        José Alayon, formou-se em direito onde? Pedaladas segundo o nobre jurista é crime de responsabilidade. Na minha humilde condição de leigo no direito, mas sempre curioso, será que o nobre jurista poderia nos informar até para podermos defender sua tese, onde está enunciado na constituição, CPC … que é crime.
        Pesquisei, mas não encontrei, talvez esteja nas entrelinhas e, por isso, só um grande jurista poderia indicar.

        • anac

          O rapaz é um ANALFABETO EM TODOS OS SENTIDOS.
          Portanto, não exija muito dele. Ele fala o que lê e ouve na imprensa GOLPISTA. Primeiro ele teria que saber que existe um principio da legalidade que rege o ordenamento judicio do Brasil.
          O princípio da legalidade é corolário da própria noção de Estado Democrático de Direito, somos um Estado regido por leis.
          De acordo com o art. 5º, inciso II, da Constituição Federal, “ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei”.

          O que se extrai do dispositivo é um comando geral e abstrato, do qual concluímos que somente a lei poderá criar direitos, deveres e vedações, ficando os indivíduos vinculados aos comandos legais, disciplinadores de suas atividades. A lei dirá o que é CRIME.

          Os chamados crimes de responsabilidade correspondem às infrações político-administrativas cometidas no desempenho da função presidencial, desde que definidas por lei federal. Estabelece a Constituição Federal como crimes de responsabilidade condutas que atentam contra a Constituição e, especialmente, contra a existência da União, o livre exercício dos Poderes do Estado, a segurança interna do País, a probidade da Administração, a lei orçamentária, o exercício dos direitos políticos, individuais e sociais e o cumprimento das leis e das decisões judiciais (CF , art. 85).

          Evidentemente, essa enumeração do art. 85 não é exaustiva, mas, sim, meramente exemplificativa, podendo outras condutas ser enquadradas na definição de crime de responsabilidade, desde que haja definição legal, por meio de lei federal, no caso, a Lei 1.079 /50, especialmente em seu artigo 4º.

          Veja bem coxinha, a lei é CLARA, DESDE QUE HAJA DEFINIÇÃO POR LEI FEDERAL.

          PEDALADA FISCAL NÃO É CRIME DEFINIDO POR LEI. Mas o coxinha analfabeto poderia perguntar: poderia se enquadrar em crime contra a probidade na administração?

          O art. 9º da lei 1079/50 explica que são crimes de responsabilidade contra a probidade na administração: “1 – omitir ou retardar dolosamente a publicação das leis e resoluções do Poder Legislativo ou dos atos do Poder Executivo; 2 – não prestar ao Congresso Nacional dentro de sessenta dias após a abertura da sessão legislativa, as contas relativas ao exercício anterior; 3 – não tornar efetiva a responsabilidade dos seus subordinados, quando manifesta em delitos funcionais ou na prática de atos contrários à Constituição; 4 – expedir ordens ou fazer requisição de forma contrária às disposições expressas da Constituição; 5 – infringir no provimento dos cargos públicos, as normas legais; 6 – Usar de violência ou ameaça contra funcionário público para coagi-lo a proceder ilegalmente, bem como utilizar-se de suborno ou de qualquer outra forma de corrupção para o mesmo fim; 7 – proceder de modo incompatível com a dignidade, a honra e o decôro do cargo.”, a presidente Dilma não cometeu nenhum desses crimes, pelo menos isso não é apontado pelo parecer do TCU.

          Insistindo o coxinha que quer porque quer o GOLPE pegunta: E no crime contra a lei orçamentária?

          E o artigo 10° da lei 1079/50 tipifica como crimes de responsabilidade contra a lei orçamentária: “1- Não apresentar ao Congresso Nacional a proposta do orçamento da República dentro dos primeiros dois meses de cada sessão legislativa; 2 – Exceder ou transportar, sem autorização legal, as verbas do orçamento; 3 – Realizar o estorno de verbas; 4 – Infringir, patentemente, e de qualquer modo, dispositivo da lei orçamentária. 5) deixar de ordenar a redução do montante da dívida consolidada, nos prazos estabelecidos em lei, quando o montante ultrapassar o valor resultante da aplicação do limite máximo fixado pelo Senado Federal; 6) ordenar ou autorizar a abertura de crédito em desacordo com os limites estabelecidos pelo Senado Federal, sem fundamento na lei orçamentária ou na de crédito adicional ou com inobservância de prescrição legal; 7) deixar de promover ou de ordenar na forma da lei, o cancelamento, a amortização ou a constituição de reserva para anular os efeitos de operação de crédito realizada com inobservância de limite, condição ou montante estabelecido em lei; 8) deixar de promover ou de ordenar a liquidação integral de operação de crédito por antecipação de receita orçamentária, inclusive os respectivos juros e demais encargos, até o encerramento do exercício financeiro; 9) ordenar ou autorizar, em desacordo com a lei, a realização de operação de crédito com qualquer um dos demais entes da Federação, inclusive suas entidades da administração indireta, ainda que na forma de novação, refinanciamento ou postergação de dívida contraída anteriormente; 10) captar recursos a título de antecipação de receita de tributo ou contribuição cujo fato gerador ainda não tenha ocorrido; 11) ordenar ou autorizar a destinação de recursos provenientes da emissão de títulos para finalidade diversa da prevista na lei que a autorizou; 12) realizar ou receber transferência voluntária em desacordo com limite ou condição estabelecida em lei.”.

          Aqui seria, em tese, discutível a pratica de crime de responsabilidade, pois segundo o parecer do TCU a presidente, pois a presidente teria descumprido parcialmente o item “6”, do artigo 10°. Apenas em tese, pois o artigo 86, parágrafo 4o, da Constituição, tem redação muito clara quando dispõe: “o Presidente da República, na vigência de seu mandato, não pode ser responsabilizado por atos estranhos ao exercício de suas funções”.
          Ou seja, a intenção do legislador constituinte foi excluir a hipótese de responsabilização do Presidente por atos que não tenham sido praticados no exercício do mandato corrente, ou seja, na vigência do mandato que esteja exercendo. Assim, pois, a eventual circunstância de o Presidente já ter exercido mandato anterior não tem qualquer relevância para a correta aplicação do preceito do parágrafo 4o. O que importa, exclusivamente, é que o ato questionado tenha sido praticado durante a vigência do mandato corrente, ou seja, como estabelece a Constituição, durante a vigência de seu mandato. Se a mesma pessoa tiver exercido mandato anteriormente trata-se de outro Presidente e outro mandato e não do mandato vigente. O que a oposição quer é o caos.

    • VERA LUCIA DE OLIVEIRA

      A QUADRILHA QUE ESTAVA NO PODER FOI ESCORRAÇADA EM 2002!!!

      #PSDBandidosNuncaMais
      #CunhaNaCadeiaJÁ
      #AébrioNarcotraficanteNaCadeiaJá
      #FgagáCnaCadeiaJÁ
      #CalaAbocaTucanOTÁRIAburro
      #AlkimintirosoNaCadeiaJá
      #SerraFichaSujaNaCadeiaJá
      #BolsonaziNaCadeiaJá
      #MoroTucanalhaNaCadeiaJá

    • VERA LUCIA DE OLIVEIRA

      A QUADRILHA QUE ESTAVA NO PODER FOI ESCORRAÇADA EM 2002!!!!
      #PSDBandidosNuncaMais
      #CunhaNaCadeiaJÁ
      #AébrioNarcotraficanteNaCadeiaJá
      #FgagáCnaCadeiaJÁ
      #CalaAbocaTucanOTÁRIAburro
      #AlkimintirosoNaCadeiaJá
      #SerraFichaSujaNaCadeiaJá
      #BolsonaziNaCadeiaJá
      #MoroTucanalhaNaCadeiaJá

    • Maria Antônia Ferreira Monteiro

      José,
      FIAT LUX!!! JENIALLLLL!!!
      Quem apoia a “quadrilha” que está no governo desde 2003 é cega?! E os que apoiam o bando de malfeitores e ladrões que assaltam o País material e psicologicamente desde 1530, portanto há cinco séculos, não são cegos não?! Caquinha de mucuim, tu aprendeu a argumentar com quem?! Reinaldo Azevedo, Augusto Nunes, Merval Pereira, Constantino, Lobão, Roger, Bruno Henrique de Moura…?! Qual desses jênios tem a tua predileção, ou todos são assíduos infestadores de teus coitados neurônios?!
      Maria Antônia

    • Ricardo Lima

      José, pode ter certeza que sua cegueira é muito maior. Aliás, eu diria que beira a esquizofrenia. Vocês defendem a queda do governo seja a que custo for. Ao custo, por exemplo, de se ter Temer à frente do poder executivo. Ao custo de eventualmente ter-se um Renan à frente do executivo – pra não mencionar o herói do impeachment de vocês, o Cunha (ou vocês já se esqueceram das fotos com o “V”da vitória em reunião de líderes na Câmara?). Vocês votaram em Aécio e não tem a menor dignidade de fazer o Mea Culpa. Vocês votaram em um político com 6 delações, e nada acontece. Não se escuta uma única palavra de vocês quanto a isso. A grande verdade que vocês não querem admitir é que vocês odeiam o PT e, provavelmente, qualquer político ou partido que sinalize, minimamente que o seja, alguma mudança no status quo. Eu fui criado com bom senso. Palavra que virou um palavrão, pois vocês da elite não precisam do bom senso; vocês têm a proteção do establishment. Se o que Dilma fez com o orçamento não foi bom senso, às favas esta política de merda que vocês defendem. Vocês jamais pediriam (ou pediram) o impeachment de um presidente que tivesse o mesmo “bom senso” para o mercado financeiro. O problema Freudiano de vocês chama-se ascensão social e casta. Por fim, guardem bem no fundo da alma de vocês: vocês destruiram o Brasil! E pior, não foi a primeira vez. São burros ou do mal. Meio termo não há…

    • Zanchetta

      Matou a pau José Alayon… Crime só é crime se a “gente” achar que é…

      • Belle Vox

        Não tomou o PROZAC hoje? Corre lá, ainda dá tempo.

    • Nádia

      José, sua cara de pau é de espantar até mesmo o maior malandro do planeta, então os tucanos podem fazer o que bem entender e você na maior cara de pau só acusa PT, vá orar, e tem que orar muito para que nosso mestre Jesus tenha piedade de você.

    • Ivo Costa

      eita cara golpista, aceita que dói menos.

    • Ei jurista alayon, voçê jura que é jurista,seus argumentos tem tanto fundamento que até afundou,ninguém tem culpa por você ter votado, no AÉCIO BRANQUINHA DAS NEVES, junte se ao alati, que vive a(lantindo), sempre que defeca algum comentário, e venham participar do convescote pró impeachment, na Av. Paulista que será realizado em frente o prédio da FIESP, vocês terão direito ao VALE-COXINHA, e poderão pernoitar dentro do PATO,com tudo pago pelo GOLPISTA PAULO SKAF.

  • Adilton Jorge Ferreira Cruz

    Caro Edu,
    tem algo de muito grande por trás desses serviçais direitistas, sem contar o ódio ao povo mais pobre.
    Grande abraço.

  • Daniel

    Estou bastante preocupado.

    Li por ai que ARMÍNIO FRAGA será ministro da fazenda em um governo Temer. Vem ai arrocho e mais arrocho.

    Não sei mais o que esperar. Torço por uma virada, mas o prognóstico está cada vez mais sombrio.

    Temer montou um bunker de conspiração em São paulo aonde conspira com Serra e outros.
    É golpe a luz do dia. Não existe mais nem disfarça.

    • Luís CPPrudente

      Não vai ter golpe. Esses golpistas terão que passar por cima da lei, dos movimentos sociais e da opinião pública internacional (a opinião pública nacional é controlada pela nazista famiglia Marinho).

      • Nádia

        Você tem razão Luiz, vamos por fogo no país se os vigaristas derem o golpe, eles se arrependerão, pois, todos sairão perdendo.

  • RicardoC

    Eduardo,

    A justa causa para demissão de empregado não precisa necessariamente que haja má-fé do demitido. Esse é um ponto.

    Mas se um empregado for pego maquiando o balanço da empresa em que trabalha, isso sem dúvida caracterizaria má-fé sim, e o sujeito não demoraria a ser posto na rua.

    • Maria Libia

      Maquiando balanço da empresa a pedido do dono. Isso é tão comum que conheço determinadas pessoas, para não serem presas, gravam tudo o que o patrão manda fazer. Coletam provas para que não aconteçam com elas o que aconteceu com o contador do Nahaz. A história ensina a toda hora, só não abre os olhos que não quer.

  • revenger

    Quer saber o que vai acontecer no Brasil se os golpistas passarem (não passarão)?

    Basta ver como Alckiminho trata os professores (sem vínculo empregatício), como trata os alunos (à bordoadas),
    como trata os pobres da periferia (PM entra batendo e atirando; não existem obras de infraestrutura pra por exemplo, minimizar as enchentes), como trata das informações sem transparência decretando sigilo pra tudo, como iria tratar os trabalhadores visto que contrata profissionais da saúde e professoras fora da adminstração direta, fazendo-os não ter os mesmos direitos dos estatutários.

    Seria o retrocesso aos anos 40!

    Mas, graças à Deus, não passarão!

    • Luís CPPrudente

      Golpista não passarão, pois não vai haver golpe, o povo não vai deixar.

  • Edu, não sei se alguém daqui já postou os diversos contatos dos parlamentares que farão parte da comissão parlamentar do impeachment. Acho fundamental influenciarmos principalmente sobre os indecisos. Se não há ainda esta iniciativa, sugiro proposta de amigo do facebook. Podemos usar as próprias armas do inimigo. No caso um site criado por coxinhas com informações sobre a posição dos parlamentares de todo o Brasil: se contra, se indeciso, se a favor. Traz também todo tipo de contato.

    Eis o site: mapa.vemprarua.net

    Abraços

    LAERTE

  • Emanoel Lins

    Eduardo, existe ainda um fato a ser considerado no caso Collor. Naquela época, o candidato era responsável pelas verbas da sua campanha fato que somente mudou com FHC. Collor também foi responsabilizado por doações ilegais. Grande abraço.

  • Essas eminências são donas das grande empresas responsáveis pela globalização do nefasto neolliberalismo !!!!

  • Jerônimo Cordeiro

    Acompanhando o desenrolar, atônito! Essa gente não tem idéia do desastre que estão plantando. Os efeitos serão duros para todos. Parece que estamos chegando perto do desfiladeiro sem nada poder fazer.

  • Oi Eduardo

    Estou sempre procurando dar minha humilde contribuição à nossa luta pela Democracia. Ontem enviei este e-mail para a OAB Nacional :

    Não sou advogada, mas tenho muitos advogados na família.
    Estou horrorizada com o apoio da OAB Nacional ao impeachement da Presidente Dilma. E por extensão, apoio a um Golpe de Estado.
    O Brasil jamais teve, em toda a sua História, um Presidente que esteja à altura de Dilma Rousseff.
    Mulher honrada e sabidamente honesta, que teve 55 milhões de votos em eleições limpas e democráticas.
    Mulher que colocou sua própria Vida em risco, pelo ideal da Democracia ! E que viu muitos companheiros seus perderem suas Vidas nesta maravilhosa missão heroica, com altruísmo e desprendimento do Eu pelo bem maior e coletivo do OUTRO.
    Democracia que a OAB está enxovalhando e colocando em risco com seu apoio a um processo de impeachement, desprovido de Legalidade, pois sem amparo nos pré-requisitos da nossa Carta Magna, a Constituição Brasileira. Além disso, este processo está maculado, também, desde a sua origem , uma vez que está sendo conduzido por Denunciados e Réus do Supremo Tribunal Federal.
    Solicito, como cidadã brasileira, Prezado Senhor Claudio Lamachia, Presidente da OAB Nacional, que a posição desta importante entidade de classe que congrega, justamente, os profissionais do Direito, que devem fazer valer, bem como, defender as Leis e a Constituição, seja melhor avaliada, sob pena de, novamente, ficarem no lado errado na História, como aconteceu com o apoio ao Golpe Civil-Militar de 1964.
    Abraço.
    Assinado: Rosa Maria Feijó.
    Uma cidadã brasileira que luta e apoia um Brasil justo,igualitário, independente, democrático e livre. Um Brasil que muitos querem apequenado e subdesenvolvido, mas que eu quero Grande como merecemos todos nós.

    Abraço.

  • Maria

    #impitimégolpe

  • Eu gostaria de sugerir que existe um erro fundamental no raciocínio empregado pelo autor na sua crítica, à saber, na parte (implícita) de seu raciocínio:

    1: NA MINHA OPINIÃO, a Dilma não cometeu nenhum ato que justifique o impeachment.
    2: É impossível eu estar errado quanto a isso.
    3: Não é o caso que sequer um indivíduo que deseje o impeachment possa estar fazendo apenas porque fez uma análise diferente da minha e honestamente chegou a uma conclusão diferente da minha (quanto à Dilma ter feito algo que justifique o imp.)
    4: Logo necessariamente todos que são favoráveis ao impeachemnt são golpistas.

    Ao que me consta, somente a primeira parte é razoável (embora eu sugiro que esteja equivocada).

    Leitura extra sugerida: http://spotniks.com/pare-de-dizer-que-impeachment-e-golpe-voce-esta-fazendo-papel-de-idiota/

    Abraços!

    • Lenita

      Acho melhor o senhor ler de novo o post do Edu pois ele diz que nao ha crime de responsabilidade assim o impeachment no caso da presidenta eh golpe em sua propria formulacao. E eh isso que a presidenta e a maior parte dos juristas nacionais e internacionais dizem. Nao eh uma questao de mera opiniao ou interpretacao.
      O post do Edu nao deixa nenhuma sombra de duvida qto a falacia desse processo sem bases legais que esta sendo encaminhado por ratos vendidos e colonizados. Precisamos sim derrota-los ! NAO PASSARAO ! Nao vai ter golpe, vai ter luta !!

      • Maria

        Não vai ter golpe tornozeleira!

  • Heitor

    Edu, peguei o livro A ditadura militar no Brasil, da Caros Amigos, que tenho em casa. Fui passar os olhos novamente nos fatos que tanto marcaram a vida do país, e novamente me deparei com palavras, termos, modus operandi, figuras midiáticas, interferência americana…etc etc etc….é tudo igual, Edu. Desde a época de Getúlio até hoje com Dilma e Lula. Tudo é perfeitamente igual!!! É impressionante!! É como se estivéssemos em 1954, morte de Getúlio, pra mim o primeiro golpe é contra Getúlio, depois contra Jango.
    A única diferença é que hoje parece (ao menos parece) que os militares tem mais respeito à Constituição.
    Fico triste porque acredito que vão derrubar Dilma e prender Lula, mas fico mais triste ainda quando lembro que Globo e Veja continuam na ativa por culpa do próprio partido e de Lula; o primeiro porque teve medo de brigar na CPI do Cachoeira, o segundo, nosso presidente, porque ajudou a Globo quando Dirceu queria que ela emitisse debentures. Infelizmente sofremos agora pois faltou coragem lá atrás. Abraço!

    • Lenita

      Caro Heitor, o senhor so esqueceu que estamos em 2016 e que Lula e Dilma transformaram o Brasil nestes ultimos 13 anos. Sim, verdade que os ratos sao os mesmos, mas os alvos ja nao sao tao frageis como parecem. A sociedade civil nacional e internacional esta toda mobilizada e alertando para que o STF esteja atento e se atenha com rigor as regras constitucionais. Se nao o fizerem nao conseguirao controlar a revolta que se abatera sobre eles. Se deixarem passar o golpe a luz do dia estarao condenados e serao engolidos pelas feras que estarao protegendo. Lula e Dilma se tornarao herois e conseguirao reverter o processo de forma ainda mais consistente para o lado da democracia. Assim o senhor ja pode gritar : NAO VAI TER GOLPE, VAI TER LUTA !

  • Leo F.

    Muito sombrio o tipo de projeto político e de país, que se aproxima com a tentativa da queda de Dilma sem qualquer base jurídica.

    É a tentativa de empurrar uma agenda (Ponte para o Futuro de Temer ou, Agenda Brasil) que certamente não teria votos, se estivessem respeitando o calendário eleitoral :

    Negociado em acordo coletivo valendo mais do que a CLT; Fim da política de valorização do salário mínimo e desvinculação da Previdência; Acabar com a obrigação dos orçamentos (estaduais, municipais e federal), de terem despesas vinculadas à educação e saúde, pela Constituição.

    O impeachment não é só uma tentativa de “acalmar” as investigações da Lava-Jato e processos na justiça.
    É também, impor aos brasileiros um Estado de “Mal-estar” social goela abaixo, sem voto.

  • Valdir-Ba

    Prezado Eduardo:

    1. “Nesse contexto, as consequências seriam funestas. Os golpistas não têm noção do que irão desencadear se tiverem sucesso. Teriam que lidar com o descrédito do Brasil como democracia e com uma onda de greves e protestos.”

    Pergunto : será que só haverá greves e protestos. Quem der o golpe que se prepare para entregar o corpo às balas, porretes e facadas. Pode crer golpistas.

    2. “Claro que o objetivo do texto não é fazer justiça aos governos Lula e Dilma; o objetivo é dizer que “caiu a última bandeira” do PT, ou seja, de que caiu a última melhora que o partido promoveu na vida dos brasileiros.”

    Pergunto: E quem faz escolas e universidades, envia estudantes para o exterior para cursos de pós graduação e especialização, pensa só no imediato ou no futuro do país? Não lí o editorial mas se o editorialista não disse isso, ele está falsificando a história.

    3. “O golpe, portanto, como se vê não se resume a usar um instituto legal como o impeachment de forma ilegal; o golpe é ainda mais criminoso por ter sabotado o país para criar clima propício ao golpismo.”
    Lembro que PSDB significa : PARTIDO SABOTADOR DO DESENVOLVIMENTO DO BRASIL.

    Lembro que o golpe de 1964 foi financiado pelo CIA. É só ler o livro O Golpe Começou em Washington, de Edmar Morel, que por sinal tem uma nova edição na praça.

  • Luís CPPrudente

    Usar o instituto do impeachment sem ter nenhum crime é golpe, o Governo Dilma não cometeu nenhum crime, pedaladas fiscais que outros presidentes deram não é crime (só neste momento que os golpistas e PIG dizem que é), governadores e prefeitos também fizeram isto e não foi considerado crime. O que o Parlamento brasileiro quer fazer, com a ajuda do governista e sempre inconfiável PMDB, é golpe sim. O mesmo golpe praticado no Paraguai e em Honduras e com o apoio dos EUA.

    PMDB entra de cabeça no golpe parlamentar. Esse partido de aluguel, o maior partido de aluguel do Brasil não tem honra e nem ética. E tem que ser chamado de partido golpista e traíra.

  • Eugênio José Alati

    PETISTAS, VÃO EMBORA DO BRASIL. VOCÊS SÃO NOCIVOS AO PAÍS. VOCÊS ROUBAM DINHEIRO PÚBLICO PARA ENRIQUECIMENTO PESSOAL E PARA O PT. VOCÊS SÃO PESSOAS DE BAIXO CARÁTER, VENAIS, SEM COMPROMISSOS COM A TERRA NA QUAL NASCERAM. NÃO HÁ MAIS LUGAR PARA VOCÊS NO MEU PAÍS.

    • Avelino

      Eugenio está mais pirado do que aquela mulher que esbofeteou o bispo Dom Odilo.
      É muito Olavo na cabeça.

      • Maria Antônia Ferreira Monteiro

        Avelino,
        O comportamento do Alati, não é piração, é uma mistura de carência com autoritarismo servil. Ele necessita da crença de que tem algum poder para ainda continuar vivo!!! O coitado tem delírios de que é dono do Brasil!!! O pior tipo de escravo é aquele que não sabe que é. Para a elite que ele defende, ele só é zero porque tem Caixa Único!!!
        Abraços
        Maria Antônia

    • Jimmy Cricket™

      ♫ Au, au, au!

    • Luís CPPrudente

      Eugênio Lati, você acha que está na Alemanha Nazista? Este sim era o seu país.

    • Miguel Oliveira

      Seu país???? O que é seu, só seu neste país? Quanto do território brasileiro é seu? É nesse seu território que você manda, se é que é seu mesmo. Deixa de ser presunçoso e arrogante. Você está mais para palhaço do que para dono do Brasil.

    • Lenita

      Atali, o senhor esta tao dominado pelo odio que parece ter encontrado um bode espiatorio para descarregar suas frustracoes. Quem sabe uma viagem para Miami possa ajuda-lo a ficar mais calmo e recuperar um pouco de civilidade. Tente se educar lendo bons livros e muito da historia do Brasil para nao sair arrotando tanta asneira assim. Isso eh muito feio; so pessoas sem o menor berco e educacao se comportam de maneira assim violenta. Viva o maravilhoso povo brasileiro que com sua inteligencia inegavel defendem e apoiam Lula, Dilma, e a democracia no Brasil ! Viva o PT !!

      • Lenita

        Correcao: expiatorio.

        • Lenita, não precisa corrigir, pois COXINHA NÃO SABE LER. O alati é o atual mandatário do BRASIL, o mesmo está em todas as farmácias do Brasil, se quiser conhece-lo basta você procurar pelo XAROPE, estou achando que esse cara é fugitivo de algum manicômio.GOLPE SÓ DE AR.

    • Nádia

      Senhor Alati, já te aconselhei para que reveja sua vida, pois já é um senhor de idade, ou seja, a morte está batendo na sua porta, se cuide senhor, pense em Deus, peça ajuda ao nosso mestre Jesus, esse seu ódio irá levá-lo ao umbral. O senhor está praticando o crime da calúnia, e mais outras que o senhor sabe muito bem. Muita oração, quem sabe ainda tem chance.

    • Belle Vox

      Depois me perguntam porque eu sou contra as drogas…olha pra isso, o cara tá totalmente fora da casinha….

  • Vicente
  • Eduardo Vieira51

    ZZZZZZZZZZZZZZzzzzzzzzzzz

  • A mídia sempre escondeu isto de você, mas, agora, eu revelo:
    FHC, O GENOCIDA!!!
    Saiba, porque, muito além dos escândalos de corrupção que patrocinou em seu governo, este Sr. OBSCENO, deveria estar trancafiado a SETE CHAVES!
    https://rebeldesilente.wordpress.com/2016/03/24/fhc-o-genocida/

  • Renata

    Na minha opinião baseada em intuição, antipatia, leitura dos livros sobre a pirataria tucana e nas atitudes da figura, o intermediário é um traidor da pátria que age no escuro como rato: José Serra.

  • Fábio Lima

    A estupidez do blogueiro chega a ser comovente; “A Operação Lava Jato paralisou o setor da economia que movimenta mais dinheiro”, a CORRUPÇÃO !

    • Maria Antônia Ferreira Monteiro

      Jenial Fábio Lima,
      Se eu entendi você está dizendo que o advogado da Casa Grande Sérgio Moro, a PF e o MPF estão mentindo?! A tal “Operação Xepa” encontrou documentos na casa do diretor da Odebrecht, na sexta-feira passada, que provavam que o Marcelo Odebrecht continuou pagando propina de dentro da cadeia. Qual foi mesmo a corrupção que foi parada pela lava esquerdista?! Cinismo pouco é bobagem!!!
      Maria Antônia

  • Roberto de Paulo

    Escrevi dois comentários sobre o Ministro Teori,procurei e nada,porque?

  • valéria PE

    A direita quer o golpe para se safar. Vamos para a rua dia 31 . Golpe nunca mais.

    • Luís CPPrudente

      Não vai ter golpe!

    • Lenita

      Vamos la brasileiros trabalhadores de todas as cores e classes sociais, dia 31 vamos exigir respeito ao Estado Democratico de Direito. NAO VAI TER GOLPE, VAI TER LUTA ! DILMA FICA E LULA AJUDA O PAIS !! Essa e nossa agenda, e ponto !!!

  • Luiz Beethoven

    Eduardo. Na minha interpretação, e não vi nem ouvi alguém utilizar tal analogia – e podendo EU estar enganado – a ‘pedalada fiscal’ fica mais clara como a utilização do cheque especial ou, melhor ainda, como a utilização do popular cartão de crédito. Com efeito, sabemos que nosso dinheiro chegou ao fim neste mês e que precisamos nos manter ou adquirir novos bens; como sabemos também que no início do mês seguinte o dinheiro virá, adquirimos bens e serviços via cartão de crédito ou utilizando-nos do cheque especial. Somos todos criminosos por isto? Ou estamos, apenas, fazendo uso das ‘maravilhas’ do capitalismo, que, sabidamente, nos mantém presos em dívidas futuras através de seus (mais uma vez) ‘maravilhosos’ instrumentos de prisão, pressionados pelos nossos desejos ou deveres? Gostaria de saber se você e os leitores amigos ou alguém já pensou nesses termos e se tem cabimento. Para mim é claro como a vivência que tenho com cartões de crédito. No entanto, sou bom pagador e continuo utilizando-o, até que restabeleça minha independência dele. Acho até que, para uma pessoa independente dos cartões de crédito, quando pode adquirir bens a preços promocionais, divididos prestações teoricamente sem juros, é inteligente, e não ilegal ou irresponsável, fazer uso dos instrumentos que lhe permitem levar a vida adiante. Aguardo resposta de qualquer lado.

    • Ricardo Rodrigues

      Leia o texto completo aqui Sirineu,é bem didático:

      http://www.brasil247.com/pt/colunistas/marcelozero/222736/Na-falta-de-crime-o-STF-pode-barrar-o-golpe.htm

      “O que se alega é que as tais pedaladas fiscais seriam operações de crédito que a União teria contraído com bancos públicos, algo que é vedado na lei orçamentária.

      Ora, a Lei do Impeachment, que rege todo o processo, fixa como crime de responsabilidade estritamente a realização de operações de créditos com entes federativos (art. 10, n. 9). Entes federados são os Estados, os Municípios e o Distrito Federal. Bancos públicos não são entes federados. Mesmo que a Lei de Responsabilidade Fiscal permita tal equiparação, a lei orçamentária e a Lei do Impeachment, cuja violação seria crime de responsabilidade, não o permitem.

      Mas o contra-argumento principal não é esse. A questão central é que as tais pedaladas não são operações de crédito. Aliás, o TCU confessa que considera as pedaladas como operações que se assemelham, por mera analogia, a operações de crédito. Portanto, o próprio TCU admite que as pedaladas não são operações de crédito.

      As tais pedaladas são não mais que atrasos no repasse do Tesouro a bancos públicos encarregados da operação financeira de alguns programas. Em lato sensu, pode-se até argumentar que isso gera algum tipo de crédito com o banco público. Mas isso não é uma operação de crédito. A operação de crédito implicaria alguns requisitos, como a prévia autorização orçamentária, a necessidade de lei específica e o controle exercido pelo Senado Federal. Assim, não se pode confundir operação de crédito com o surgimento de um crédito, em sentido amplo, decorrente de um atraso, de um inadimplemento contratual, os quais não estão submetidos às mesmas restrições legais.

      Mutatis mutandis, seria a mesma coisa que se dizer que, se ao se atrasar o pagamento de seu aluguel, o locatário estaria fazendo, ipso facto, uma operação de crédito, um contrato de crédito, com o locador. “

      • Luiz Beethoven

        Grato pelo esclarecimento. Se todos, contra ou a favor do impeachment, se dessem o trabalho de consultar o que significa a validade do que está em jogo, creio que os acontecimentos não se desenrolariam como estão, cuja característica tem sido a paixão. Veremos se a técnica premia o direito.

  • Junior-RP

    O Rui Falcão disse hoje que o PT adora a paz mas também está pronto para a guerra. Temos muitos governadores, o MST, movimentos sociais, uma tropa pronta para o combate. Com o apoio da esquerda consciente, estaremos muito mais preparados e organizados do que 2002. E a internet deu voz e forma a esses movimentos sociais, invisíveis na mídia. Os golpistas podem ganhar no tapetão mas não levarão.

  • Luiz Beethoven

    O que me incomoda mais no momento que nos impuseram desde a derrota nas urnas é que os perdedores inauguraram, apenas inauguraram, um modo de agir que julgam válido e justo, que, a rigor, ninguém praticou aqui no país, desse modo, nem nos piores momentos: querer que um vencedor, reconhecidamente pela maioria, tem que concordar em ceder seu lugar para os perdedores. Se isto viesse a acontecer, parece que não, a partir de então já saberíamos a nova regra do jogo. Passaria, então, a vigorar para a sequência desta chapa atual. Aí, creio, a atual situação tem mais ‘know how’ para protestos e pressão e a tendência seria uma alternância de posse/pressão/queda/posse/pressão/queda cuja projeção é das piores, e com final previsível. Então torna-se necessária o aborto desse golpe insensato e a volta da normalidade institucional, voltando os poderes da república a exercerem seus mandatos para os quais foram eleitos – não falemos do Judiciário, por enquanto – e trabalharem para a concretização do projeto vencedor. Perdedores de fora e trabalhando para apresentarem outro projeto que passe pelo crivo das urnas!

  • Zenaido

    Edu,

    Gostaria que fizesse uma análise da recente noticia. “STF desarquiva ações contra ministros de FHC por improbidade”. O arquivamento teve a decisão do Ministro Gilmar. Sera que os outros Ministros não estão mais aguentando a imparcialidade do colega?

  • Aldo

    É suicidaram o policial mineiro que denunciava Aécio Neves!!!

    É queima de arquivo, o PSDB não brinca em serviço! Mataram o homem minha gente!

    • Luís CPPrudente

      É a Gestapo tucana, com a conivência da nazista famiglia Marinho.

    • Eduardo Vieira51

      É? E quanto ao caso Celso Daniel? O que você tem a dizer? Nada?
      Quantos já foram “suicidados” lá?

    • Pedro Accioli

      Se mataram o Policial Civil Lucas Gomes Arcanjo é porque estão com medo de revelarem as falcatruas do PSDB (que é blindado pela mídia e protegido pela justiça).

  • Eduardo Guimarães, tenho posicionamentos políticos distintos do senhor, porém não sou fascista por pensar diferente e me ofendo com isso. Tenho capacidade de reconhecer avanços e fracassos deste e de outros governos anteriores. Creio que o senhor também. Ambos somos brasileiros e mesmo com visões diferentes queremos um país melhor e mais justo. Gostaria que me respondesse as perguntas abaixo para saber seu posicionamento.

    1) O senhor realmente acredita que o governo não é mal administrado e que os problemas decorrem simplesmente de sabotagem?

    2) Quando o Lula e o PT eram oposição e votavam sempre contra o governo, e em muitos casos contra o país, era sabotagem?

    3) Quando o Lula e o PT gritavam fora FHC e pediam seu impeachment sem crime de responsabilidade era golpe ou ato legítimo por estar previsto na CF/88?

    4) O ex-presidente quando pregava (e ainda prega) o “nós contra eles” tinha a intenção de dividir os brasileiros ou era simples retórica populista?

    5) O senhor concorda que o ódio político, que não beneficia a ninguém, é propagado por adeptos e contrários ao governo indistintamente, ou provém somente da direita isentando a esquerda de tudo?

    Felicidades aos familiares.

    Obrigado pela atenção.

  • Heitor

    Edu, quero compartilhar o email do deputado e antigo ministro aliado, Edinho Araújo, do PMDB. Recebi um email no lixo eletrônico discorrendo que ele vai votar pelo sim no impeachment e talz…e eu respondi com poucas e boas…com certeza não chega nas mãos dele mas já serve como uma pressão..se achar por bem publicar, fique a vontade: edinho@edinhoaraujo.com.br

  • José do Ceará

    Dia 31 , estaremos lá nas manifestações ….Não vai haver Golpe !
    Á propósito, Foram desarquivadas ações contra o PSDB ..virá chumbo grosso contra os golpistas…

  • Trazibulo Meireles de Souza

    O pior de tudo é quando uma ministra do STF que logo, logo ocupara a presidência dessa Corte Constitucional se apresenta para criticar a Dilma por denunciar o Golpe (impeachment) à imprensa Internacional. Recebendo o Prêmio “Faz a Diferença”, da Globo, por coincidência, o mesmo que o juiz todo poderoso de 1ª instância Moro recebeu. Ate quando isso é ético, ministra?

  • Guilherme Soares Pinto

    Vc mente!

    Mente quando diz q O impeachment de Collor teria sido, de alguma forma, diferente do de Dilma!

    Nada, absolutamente nada, foi PROVADO contra Collor (infelizmente)… Ele foi absolvido de TODAS as acusações feitas contra ele, na justiça!

    O impeachment é um processo político e não jurídico!

    Na verdade, há mais “provas” contra Dilma do q contra Collor…

    Pedaladas, decretos q não poderiam ser feitos sem passar pelo congresso, delações de uso de propina na campanha (se bem q isso está sendo tratado pelo TSE, q vai cassar a chapa Dilma/Temer se não houver impeachment) e por último, a tentativa comprovada de comprar o silêncio de Delcídio (gravação do Mercadante) e a tentativa de obstruir a justiça dando “foro privilegiado” pra Lula!

    Golpe seria deixar essa quadrilha no poder…

    Mas isso não acontecerá!

  • Eduardo Vieira51

    Dudu mentiroso cara de pau como todo petista. Querendo pôr a culpa dos desmandos da economia na lava jato, no Moro e na oposição. Vergonha alheia. Estoque de óleo de peroba interminável.
    A economia está assim porque gastaram demais tudo o que tinha e o que não tinha. Aqueles que tem um mínimo de miolo no cérebro sabem disso. Só mesmo a bugrada que pensa com o bucho e se vende por uma mortadela ainda acredita nessas patetices que os sargentos do exército mortadela e patrulhadores e doutrinadores esquerdopatas escrevem.

    Esse governinho moribundo fim de feira dá seus últimos estrebuchos. Tá faltando só o último peteleco pra cair de podre no chão.

  • NÃO É GOLPE!

    Ôba! Impeachment não é mais golpe! Ganhamos mais uma. Agora só faltaa apeá-la do cargo e botar o outro na cadeia!

    • Roberto de Paulo

      Coxinha idiota,colocar quem?A oposição inteira é larapia,só sobra você,burro político.

  • Maria

    O policial denunciou muita gente. Muita corrupção geral. Ver na NET. No caso haveria quase centenas de suspeitos.

  • Cláudio

    :
    : * * * * 04:13 * * * * .:. Ouvindo A(s) Voz(es) do Bra♥♥S♥♥il (e do mundo) e postando: Um vídeo muito interessante de Socialista Morena, sobre PROPAGANDA – The Western Propaganda Exposed – Legendado, longo mas imperdível e muito bom:
    *
    *
    OBS.: Leia antes (ou depois) a respectiva postagem da Cynara Menezes em #CineMorena. O “link” que segue é direto do YouTube:
    :
    https://www.youtube.com/watch?v=G7FAn3JZ7NQ#t=73
    *
    * 1 * 2 * 13 * 4
    ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥
    * * * * * * * * * * * * *
    * * * *
    Por uma verdadeira e justa Ley de Medios Já ! ! ! ! Lula 2018 neles ! ! ! !
    * * * *
    * * * * * * * * * * * * *
    ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥

  • Jorge Graciano

    ESSE É O HINO A SER CANTADO PELA NAÇÃO BRASILEIRA LEGALISTA.

    Hino Da Independência Brasileira
    .
    Já podeis, da pátria filhos
    Ver contente a mãe gentil
    Já raiou a liberdade
    No horizonte do Brasil
    Já raiou a liberdade
    No horizonte do Brasil

    Brava gente brasileira!
    Longe vá… Temor servil
    Ou ficar a pátria livre
    Ou morrer pelo Brasil
    Ou ficar a pátria livre
    Ou morrer pelo Brasil

    Os grilhões que nos forjavam
    Da perfídia astuto ardil
    Houve mão mais poderosa
    Zombou deles o Brasil

    Brava gente brasileira!
    Longe vá… Temor servil
    Ou ficar a pátria livre
    Ou morrer pelo Brasil

    Não temais ímpias falanges
    Que apresentam face hostil
    Vossos peitos, vossos braços
    São muralhas do Brasil

    Brava gente brasileira!
    Longe vá… Temor servil
    Ou ficar a pátria livre
    Ou morrer pelo Brasil

    Parabéns, ó brasileiro
    Já com garbo varonil
    Do universo entre as nações
    Resplandece a do Brasil

    Brava gente brasileira!
    Longe vá… Temor servil
    Ou ficar a pátria livre
    Ou morrer pelo Brasil

  • Osvaldo

    Não entendo o porquê da Dilma não entrar com uma ação no STF para que ele responda se pedalada fiscal é crime de responsabilidade.

    Seria um banho de água fria nos fascistas, pois, mesmo com ministros assumidamente anti petistas no STF como Gilmar e mais alguns outros ( o que envergonha a Corte e iguala-a a de países de 5ª categoria , pois juízes têm que ser imparciais ), a maioria, creio, teria que se posicionar ao lado da Constituição e da Lei.

  • ENEM

    Reaberto processo contra Serra. O STF tomando nova forma.

  • Nigro

    Ela merece. Os outros? Também.
    Mas que fique claro. As cifras são enormemente maiores com Dilma.
    Eduardo, se você aprontar uma manobrazinha contábil ilegal na sua empresa, corre risco de ser multado. É a lei.

    Mas não é só por isso. É o conjunto da obra…. Delcídio, Odebrecht, Cerveró, Valério, as gravações telefônicas expondo a imundície de Lula.

    Todo mafioso precisa cair por algum motivo. É difícil prender esses caras. Apega-se ao que existe. Seja um simples sítio ocultado em nome de laranjas. Seja um trambique contábil.

    Lembre de quando José Dirceu, Lula e o resto da gangue apresentou pedido de impeachment contra FHC. Lula estava lá. Era “brincadeira”? Ou era o uso “golpista” da ferramenta do impeachment?

    E o STF? Mercadante diz que vai falar com Lewandowsky. Lula fala da “nossa ministra”. Dilma se encontra às escondidas com Lewandowsky no exterior. Barroso faz um voto claramente estapafúrdio pró-PT. Gilmar arquiva ações contra Tucanos que serão desarquivadas.

    Claro que nada vamos mudar pra valer, no que se refere à corrupção. É inerente ao sistema. Numa remota possibilidade, uma nova constituição seria uma chance. Mas há o risco de ficar ainda pior, enchendo as leis de crendices e frescuras tipo Rosário.

    Eu achava que o impeachment não prosperaria. Estou mudando de idéia.

  • Caro Eduardo,

    Caso os opositores do Brasil (e não oposição) consigam isso, não caberia ao STF anular por falta de “crime de responsabilidade”?

    Seguimos na luta pela DEMOCRACIA e na divulgação das verdades!

    Grande abraço!

    #NãoVaiTerGolpe

  • Maria Rita

    Apesar de saber que o Brasil ficará menor diante do mundo se o golpe for concluído, minha preocupação real está aqui dentro. Sem autoridade moral, um governo pós-golpe será um verdadeiro horror. O desmantelamento de nossa economia, já em curso na situação atual, com governos estaduais abandonando suas responsabilidades previstas na CF, destituindo direitos básicos de trabalhadores diretos e indiretos do estado e de municípios que atuam na educação, saúde, administração e de outros setores, com prejuízos imensos para a sociedade. O caos está sendo provocado dia após dia para aumentar o medo da população que, sem saída, aceitaria qualquer coisa que dê trégua à sua sensação de insegurança. Olhemos ao redor do mundo: Grécia destruída, Síria em guerra, aumento de refugiados de toda a parte que fogem do caos instalado da mesma forma calculada pelo sistema financeiro global em seus países. Vivi o tempo do medo e da censura dos anos de chumbo, acompanhei incessantemente os processos semelhantes ocorridos na AL e América Central. Li a literatura e a obra de historiadores de todos os lugares, aqui, na Europa, nos EUA, Oriente Médio, Ásia, antiga União Soviética e África. Tenho na memória uma série enorme de grandes documentários que atestam a história de nossa humanidade.Como poderia fingir que isso aqui é apenas um problema transitório? Isso é parte de um problema que nunca foi solucionado: as Diretas Já não acabou porque ela nunca começou. O acordo feito é que foi provisório. Temos que acabar, de ir até o fim para termos DEMOCRACIA DE FATO.

  • Sirineu A. da Silva

    Caro Eduardo Guimarães

    Na minha opinião, após a experiência de Honduras e Paraguai, com apoio dos EUA. Ficou evidente que a partir dali havia na América Latina outro instrumento legal, para impedir governos contrários ao apetite ganancioso de certas elites locais, que era o chamado golpe JUDICIÁRIO. De forma que usar o recurso do impeachment como a oposição está propondo agora no Brasil, mesmo constando na Constituição essa possibilidade, É GOLPE SIM. É golpe, porque não existe crime de responsabilidade, e não é só isso, desde que foi revelado o resultado eleitoral com a vitória de Dilma em 2014, que os perdedores vem ameaçando melar a vitória da presidente. Tudo muito parecido com a declaração de Lacerda, antes da vitória nas urnas de Juscelino Kubitschek nos anos 50. De que fariam tudo para não deixar que ele fosse eleito, e caso eleito, não governaria, porque não permitiriam. No caso Dilma, só não ver quem não quer, desde o início do seu segundo mandato, os perdedores golpistas, estão fazendo de tudo para impedir que ela governe: chantagens, ameaças, intimidações, sabotagens, jogo sujo, pautas bombas no congresso sob o comando de um mafioso como Cunha e seus asseclas, etc

  • Rodrigo Catoquini

    O grande problema nesta situação toda é que grande parte da população brasileira é leiga no que tange ao que está sendo colocado em curso para o processo contra Dilma…

    As chamadas “pedaladas fiscais” estão além da compreensão técnica por grande parte da população… Então o debate acaba sendo rasos, e os argumentos mais rasos ainda…

    Eu como leigo, procuro ficar como uma geladeira pequena dentro de uma cozinha de apartamento, ou seja, procuro otimizar o espaço útil de minha mente raciocinando sobre o que é mais importante… como ajudar a educação pública desse país

    Obrigado

  • Maria

    Não ao golpe tornozeleira. Ainda há homens probos embora poucos.

  • Eugênio José Alati

    Os petistas revelaram-se infames e vulgares. Devem ser marginalizados pelo povo brasileiro.
    Eugênio José Alati
    27/03/2016.

    • Lenita

      O unico infame e vulgar eh voce Atali que deve ter perdido tb os neuronios. So fala m….

  • Luiz

    Falam tanto de ética, mas a ética desse impeachment é no mínimo confusa. Só discordo da foto. Claro que o governo estadunidense tem interesses estratégicos e econômicos na região, mas os americanos que vem financiando, promovendo e plantando ideais de direita na região não são governo por aqui e sim corporações e bilionários ligadas à área de energia como os Koch Brothers. Fazem parte da oposição ao Obama.

    Esse é um caso em que o todo é claramente maior do que a soma das partes e qualquer comparação com o Collor é falsa, porque o Collor foi derrubado horas antes de ser condenado por crime de responsabilidade e não tinha apoio nem da mãe dele. No caso da Dilma, o impeachment vem sendo anunciado desde que abriram as urnas. Sim, é golpe.

  • John J.

    . http://www.viomundo.com.br/denuncias/policial-que-denunciou-aecio-e-encontrado-morto-a-versao-oficial-e-de-suicidio-mas-nao-se-descarta-retaliacao.html
    MATARAM O POLICIAL QUE DENUNCIOU AÉCIO NEVES VÁRIAS VEZES.

    ASSIM COMO MATARAM A MODELO MINEIRA QUE ERA A MULA QUE TRANSPORTAVA AS MALAS DE DINHEIRO DE FURNAS PARA OS ELEMENTOS DA QUADRILHA TUCANALHA.
    LISTA DE FURNAS – https://www.youtube.com/watch?v=13AS0HJDmWE
    – MORTE DA MODELO MULA DE FURNAS. – >>http://www.midiaindependente.org/pt/red/2013/12/527556.shtml
    COM ESSES BANDIDOS NÃO SE PODE BRINCAR. JUSTIÇA NELES.
    ELES TEM ATÉ MINISTRO E EX-MINISTRO DO STF COMO ELEMENTOS QUE GARANTEM SUAS AÇÕES.
    LISTA DE FURNAS : https://www.youtube.com/watch?v=13AS0HJDmWE
    – MORTE DA MODELO MULA DE FURNAS. – >>http://www.midiaindependente.org/pt/red/2013/12/527556.shtml
    https://goo.gl/4CzAiw

  • Eliseu Leão

    Esse post pretende alargar a compreenção do post do Eduguim.

    A ”Guerra Híbrida” não é novidade e foi concebida com outro nome logo depois da Segunda Guerra Mundial por gente como Dean Acheson e Paul Nitze, dois gangsters, expoentes de uma classe dominante usurpadora e terrorista, obcecada na manutenção a qualquer custo do domínio adquirido pelos EUA. O conflito mundial servira para enfraquecer e destruir rivais, triplicando a produção da então maior economia industrial que nem sequer sofrera ataques no seu territorio. Acheson foi autor do Memorando 68 do Conselho de Segurança Nacional que propunha uma estratégia que fomentaria, inicialmente, as sementes da destruição dentro da URSS.

    No video documentario NATO’S SECRET ARMIES, escrito por Andreas Pichler e Vania Del Borgo, publicado em 2009 pela MIR Cinematografica, vários analistas fazem saber que a Casa Branca sempre temeu que a Italia escapasse da esfera de influência da OTAN caso o Partido Comunista Italiano chegasse ao poder. Em 1965, num luxuoso hotel de Roma, a CIA reunira radicais da direita, do Estado Maior das FFAA, dos Serviços de Inteligência e analistas politicos pra discutirem o assunto. Aquele encontro mudou radicalmente até hoje, para pior, a sociedade italiana. O grupo que ficou conhecido como ”Instituto Polio” concebeu o que chamou ”guerra de quarta geração” para se diferenciar da primeira (terrestre), segunda (naval) e terceira (aérea). E’ o entrevistado, Vincenzo Vinciguerra, ex-terrorista de extrema direita, que explica: a ”guerra de quarta geração atua na conquista das mentes e corações através de conflitos de baixa intensidade com ações terrorísticas, criando instabilidade e suportação da repressão e militarização como condição necessaria para solucionar o problema e restabelecer a tranquilidade social.

    Korybko explica que a guerra de quarta geração, hoje chamada ” híbrida” é sempre precedida por um precondicionamento: os EUA empurram o governo alvo a agravar as várias diferenças políticas. Pode ser que a inércia ou suportação por parte do governo Dilma corresponda, em parte, à estratégia de não cair na armadilha das forças golpistas comandadas pela Casa Branca.

    Nota dos tradutores: Bom exemplo é a ‘discussão’ que a mídia comercial dominante está promovendo no Brasil nesse momento, em torno de “Impeachment é golpe”/”Impeachment é legal”. Evidentemente, impeachment sem causa criminosa comprovada é golpe; e impeachment como definido na Constituição Federal, que exige causa criminosa comprovada, também evidentemente é legal e não é golpe. Sem explicar nenhuma dessas realidades, a mídia comercial põe-se a recolher opiniões de magistrados, o mais recente o ex-ministro do STF Eros Grau, que ‘declaram’ que “impeachment não é golpe”, sem nada acrescentar. – Assim, precisamente, é o golpe que se ‘ensina’ que não haveria. A confusão é total e, como se explica nesse artigo, é buscada. É golpe.

    “Guerras Híbridas”
    Abordagem adaptativa pós-tudo da ‘mudança de regime’

    Fonte: Andrew Korybko, http://orientalreview.org/2016/03/04/hybrid-wars-1-the-law-of-hybrid-warfare/
    
Tradução do Vila Vudu



    Nota: ”Em 1964, tudo que aí se lê era arroz com feijão, e as famílias discutiam essas questões à mesa, em casa, no trabalho, na universidade, na feira (pelo menos, com certeza, em Porto Alegre/RS), e todo mundo sabia que a razão pela qual não há golpes nos EUA, é que nos EUA não há embaixada dos EUA. Mas, hoje, analfabetizadas na/pela universidade da ditadura dos anos 70-80 e na/pela universidade da tucanaria da privataria nos anos 80-90, 2000, as pessoas já não conhecem, sequer, o Manual de Golpes da CIA, que se atualiza, mas, melhorar, não melhora. 

Então aí vai: ABC de golpe, hoje chamado “Guerra Híbrida”.
E o Brasil estamos no olho do furacão, mais uma vez.

    O grande objetivo por trás de toda e qualquer Guerra Híbrida é esfacelar projetos multipolares transnacionais conectivos, mediante conflitos de identidade provocados de fora para dentro (étnicos, religiosos, regionais, políticos, etc.), dentro de um estado de trânsito tomado como alvo.
    Uma vez que os EUA tenham identificado seu alvo, começam a procurar por vulnerabilidades estruturais que explorarão na Guerra Híbrida vindoura: características sociopolíticas a serem manipuladas para enfatizar ‘sedutoramente’ uma dada ‘fissura’ de demografia no tecido nacional existente e, assim, ‘legitimar’ a revolta dos envolvidos, provocada de fora do país, contra as autoridades locais. 

————————————————————————–

    
1. A lei da Guerra Híbrida

Guerra Híbrida é um dos mais significativos desenvolvimentos estratégicos que os EUA jamais promoveram ou encabeçaram, e a transição das Revoluções Coloridas para Guerras Não Convencionais certamente dominará as tendências a serem empregadas para desestabilizar países, nas próximas décadas.

Os não habituados a abordar a geopolítica a partir da perspectiva da Guerra Híbrida podem ter alguma dificuldade para compreender onde devem ocorrer as próximas, mas na verdade é fácil identificar as regiões e os países mais expostos ao risco dessa nova modalidade de agressão pelos EUA. 

A chave para acertar nessa previsão é aceitar que Guerras Híbridas são conflitos assimétricos, cuja meta é sabotar interesses geoeconômicos concretos. A partir desse ponto, torna-se relativamente fácil apontar onde os EUA atacarão a seguir.



    Essa série de artigos começa por expor os padrões que há por trás da Guerra Híbrida, conduzindo o leitor na direção de compreender melhor seus contornos estratégicos. Depois, demonstrarei que o quadro previamente elaborado já foi posto em ação durante as guerras dos EUA contra a Síria e a Ucrânia – os dois primeiros estados vítimas da Guerra Híbrida dos norte-americanos. Na parte seguinte, revisarei todas as lições que já devemos ter aprendido até aqui, e as aplicarei para prever os próximos teatros de Guerra Híbrida movida pelos EUA e, neles, os gatilhos geopolíticos mais vulneráveis e expostos. Artigos futuros portanto serão dedicados àquelas regiões, para mostrar por que são estrategicamente e sociopoliticamente tão vulneráveis a se tornarem as próximas vítimas da guerra pós-moderna que os EUA já fazem contra o mundo.



    O padrão geral da Guerra Híbrida

Primeira coisa — nunca, em tempo algum, haverá Guerra Híbrida contra aliado dos EUA ou em lugar onde os EUA já tenham implantado interesses infraestruturais. Os processos caóticos disparados durante o golpe pós-moderno para mudança de regime não podem ser plenamente controlados e, potencialmente, poderiam gerar o mesmo tipo de revide geopolítico contra os EUA que Washington tenta direta ou indiretamente canalizar na direção de seus rivais multipolares. 



    Correspondentemente, aí está a razão pela qual os EUA jamais tentarão Guerra Híbrida onde haja interesses seus definidos como “grandes demais para falir”, embora essa avaliação seja sempre contemporaneamente relativa e possa mudar rapidamente, conforme as circunstâncias geopolíticas. Ainda assim, a regra geral a não esquecer é que os EUA jamais sabotarão intencionalmente seus próprios interesses, a menos que haja algum benefício de terra arrasada numa retirada; nesse contexto, pode-se pensar numa destruição da Arábia Saudita, se algum dia os EUA forem expulsos do Oriente Médio.



    Determinantes geoestratégico-econômicos

Antes de tratar dos fundamentos geoeconômicos da Guerra Híbrida, é importante registrar que os EUA também têm objetivos geoestratégicos (por exemplo, prender a Rússia num atoleiro predeterminado). O “Brzezinski Reverso”, como o autor o tem chamado, é aplicável simultaneamente à Europa Oriental, através do Donbass; ao Cáucaso, através de Nagorno-Karabakh; e à Ásia Central, através do Fergana Valley, e se for sincronizado mediante provocações cronometricamente coordenadas, nesse caso essa tríade de armadilhas podem-se comprovar letalmente eficientes para manter permanentemente enredado o urso russo. 

Esse esquema maquiavélico sempre permanecerá como um risco, porque se baseia numa realidade geopolítica irrefutável, e o melhor que Moscou pode fazer é tentar impedir a conflagração concomitante de sua periferia pós-soviética, ou rapidamente e adequadamente responder, no momento em que elas emergem, às crises que os EUA provocam.

    

Os elementos geoestratégicos da Guerra Híbrida são portanto de algum modo não explicáveis a partir dos elementos geoeconômicos, especialmente no caso da Rússia. De fato, para tornar o padrão examinado mais amplamente pertinente a outros alvos, como China e Irã, é preciso omitir o estratagema “Brzezinski Reverso” como pré-requisito e, em vez de focar nele, dar mais atenção às motivações econômicas que os EUA têm em cada caso.

O grande objetivo por trás de toda e qualquer Guerra Híbrida é esfacelar projetos multipolares transnacionais conectivos, mediante conflitos de identidade provocados de fora para dentro (étnicos, religiosos, regionais, políticos, etc.), dentro de um estado de trânsito tomado como alvo. 

Esse padrão pode ser claramente visto na Síria e na Ucrânia, e é a Lei da Guerra Híbrida. As específicas táticas e tecnologias sociais utilizadas em cada desestabilização podem variar, mas o conceito estratégico permanece fiel a essa concepção básica. 



    Tomando em conta esse objetivo final, é agora possível andar do teórico ao prático, e começar a traçar as rotas geográficas de vários projetos sobre os quais os EUA querem fazer mira. 

Para qualificar, os projetos multipolares transnacionais conectivos a serem tomados por alvo podem ser (a) de base na energia, ou (b) projetos institucionais ou (c) econômicos, e quanto mais essas três categorias se superpuserem, mais provável que um cenário de Guerra Híbrida esteja sendo planejado para aquele determinado país.



    Vulnerabilidades sociopolíticas estruturais

Uma vez que os EUA tenham identificado seu alvo, começam a procurar por vulnerabilidades estruturais que explorarão na Guerra Híbrida vindoura. Contextualmente, essas vulnerabilidades não são objetos físicos a serem sabotados, como usinas de energia e estradas (embora essas também sejam listadas, mas por diferentes equipes de desestabilização), mas características sociopolíticas a serem manipuladas para enfatizar ‘sedutoramente’ uma dada ‘fissura’ de demografia no tecido nacional existente e, assim, ‘legitimar’ a revolta dos envolvidos, provocada de fora do país, contra as autoridades locais.

    

As vulnerabilidades estruturais abaixo listadas são as que mais se veem relacionadas à preparação para uma Guerra Híbrida; e se cada uma dessas puder ser associada a uma específica área geográfica, cresce a probabilidade de que seja usada para galvanizar os polos opostos na construção de uma Revolução Colorida e para demarcações territoriais preliminares para a Guerra Não Convencional:


    * etnicidade;

    * religião;

    * história;

    * regiões administrativas;

    * desigualdades socioeconômicas;
    
* geografia física.

    Quanto maior a sobreposição que se possa obter entre esses diferentes fatores, mais potente a energia potencial da Guerra Híbrida; e cada variável que se sobrepõe multiplica exponencialmente a viabilidade geral de toda a campanha e sua chance de ‘permanecer no poder’.



    Precondicionamento societal e estrutural

    

As Guerras Híbridas são sempre precedidas por um período de precondicionamento societal e estrutural. O precondicionamento societal tem a ver com aspectos informacionais e de soft power que maximizam a aceitação, por grupos demográficos chaves, da desestabilização que logo terá início, e os levam a crer que algum tipo de ação (ou aceitação passiva de ação empreendida por outros) é indispensável para alterar o presente estado de coisas 
[A frase já viralizada, que Aécio Neves/seus marketeiros distribuíram pelo Twitter: “Isso é inadmissível” – tão perfeitamente oca de significação relevante quanto o “Eu amo muito isso”, da propaganda das lojas McDonald –, é exemplo de ação que aspira a precondicionar a sociedade para uma ‘mudança’ suposta necessária e inadiável (NTs)].

    O segundo tipo de precondicionamento, aqui dito “estrutural” tem a ver com os variados truques aos quais os EUA recorrem, para empurrar o governo alvo a agravar, sem que essa seja sua intenção, as várias diferenças políticas que já tenham sido identificadas, com o objetivo de criar clivagens de ressentimento identitário que, então, tornam todo o grupo mais suscetível ao precondicionamento societal e à ação subsequente de ONGs que coordenarão a organização política (a grande maioria das ONGs encarregadas dessa parte do ‘projeto’ são ligadas à Soros Foundation e/ou ao National Endowment for Democracy, do Congresso dos EUA).

    
[Aqui, bom exemplo é a ‘discussão’ que a mídia comercial dominante está promovendo no Brasil nesse momento, em torno de “Impeachment é golpe”/”Impeachment é legal”. Evidentemente, impeachment sem causa criminosa comprovada é golpe; e impeachment como definido na Constituição Federal, que exige causa criminosa comprovada, também evidentemente é legal e não é golpe. Sem explicar nenhuma dessas realidades, a mídia comercial põe-se a recolher opiniões de magistrados, o mais recente o ex-ministro do STF Eros Grau, que ‘declaram’ que “impeachment não é golpe”, sem nada acrescentar. – Assim, precisamente, é o golpe que se ‘ensina’ que não haveria. A confusão é total e, como se explica nesse artigo, é buscada. É golpe (NTs).]

    Para expandir as táticas de precondicionamento estrutural, um dos meios mais frequentemente empregados e globalmente reconhecidos são as sanções. O objetivo implícito das sanções (embora nem sempre alcançado) sempre foi “tornar a vida mais difícil” para o cidadão médio, de tal modo que ele/ela torne-se mais permeável à ideia da mudança de regime e, assim, possa ser mais facilmente induzido/a a agir movido/a por impulsos que lhe foram instilados de fora. 

Menos conhecidos, contudo, são os métodos mais oblíquos para alcançar esse objetivo, mas hoje implementados praticamente em todo o planeta, que envolvem o poder que os EUA têm para afetar algumas das funções orçamentárias dos estados-alvos de golpe, a saber, a renda com que podem contar e em que, precisamente, essa renda é gasta.



    A queda global nos preços da energia e das commodities atingiu com extraordinária dureza os estados exportadores, muitos dos quais são desproporcionalmente dependentes da venda daqueles recursos para cumprir suas metas fiscais; e a queda na renda, em quase todos os casos, leva a cortes em gastos sociais.

Paralelamente, alguns estados enfrentam ameaças à sua segurança fabricadas nos EUA às quais são obrigadas a responder com urgência, o que exige deles ainda maios gastos não previstos, dessa vez para seus programas de defesa, dinheiro que, sem as ‘ameaças à segurança’ seria gasto e programas sociais.

    

Individualmente tomadas, cada uma dessas ‘trilhas’ visa a forçar o estado-alvo de golpe a ter de cortar gastos, o que cria dificuldades novas e serve como incubadora para as condições de médio prazo necessárias para o sucesso de uma Revolução Colorida – primeiro estágio de uma Guerra Híbrida. 


    No caso de um estado entrar em situação de, ao mesmo tempo, redução na arrecadação e aumento não planejado de gastos para defesa, que force cortes de gastos sociais, pode acontecer de a Revolução Colorida converter-se em projeto não mais de médio, mas de curto prazo, dependendo da severidade da crise doméstica resultante e do sucesso que as ONGs inspiradas e mantidas pelos EUA alcancem na organização política de blocos de oposição ao governo.******

  • Heitor

    Encham os emails dos deputados. Eu já mandei para PSB e PTB:

    http://www.mapadademocracia.org.br/

  • Guilherme Soares Pinto

    Não há lei q impeça o choro dos petistas… Claro!

    Sendo assim, podem gritar “GOLPE” aos 4 ventos!

    Serão apenas ridículos.

    Mas o fato de os petistas gritarem “golpe” não altera em nada o fato do impeachment ser um processo legal, democrático e constitucional!

    Gostaria q alguém me mostrasse alguma diferença entre o processo de impeachment de Dilma e de Collor!

    O PT participou de um golpe pra depor Collor?

    Pros q dizem não haver crime: Há sim acusações de crime!

    Pedaladas fiscais, decretos assinados por Dilma q teriam q ter passado pelo Congresso, uso de dinheiro de propina na campanha (se bem q isso está a cargo do TSE, q irá cassar a chapa Dilma/Temer se não houver impeachment), tentativa de comprar o silêncio do Delcídio (gravação do Mercadante) e, por último, tentativa de obstruir a justiça, com a manobra de colocar Lula na Casa Civil!

    Se isso não for motivo pra impeachment, o q seria?

    Se Dilma vai ser condenada pelos seus crimes, ninguém sabe! Depende da Justiça!

    Mas impeachment é um processo POLÍTICO e não JURÍDICO!

    Basta lembrar q Collor foi absolvido de TODAS AS ACUSAÇÕES q foram feitas contra ele… Sendo assim, no cadso de Collor, COMPROVADAMENTE, não houve crime!

    Pra um Presidente ser “impeachmado”, ele precisa perder a Presidência da Câmara, precisa perder não só a maioria do Congresso mas não ter apoio nem de 1/3 dele!

    Convenhamos: Isso só acontece em casos excepcionais, onde o Presidente merece mesmo cair fora!

    Sendo assim, podem gritar “golpe”… Sem problema nenhum… Chorar é um direito de quem perde!!

  • Eliseu Leão

    Texto complementar que fecha o post anterior.
    E’ do brasileiro Pepe Escobar, a tradução é do coletivo Vila Vudu.
     
    “Se o veneno, a paixão, o estupro, a punhalada

    não bordaram ainda com desenhos finos
    
a trama vã de nossos míseros destinos,

    é que nossa alma arriscou pouco ou quase nada.”

    As flores do mal [1857], Charles Baudelaire
    
_______________________________________________________

    Brasil e Rússia sob ataque de “Guerra Híbrida” [1] 
    de Pepe Escobar
    https://www.rt.com/op-edge/337411-brazil-russia-hybrid-attack/#.Vvkx54-TEU8.facebook

    
Revoluções Coloridas nunca bastariam. O Excepcionalistão vive à procura de grandes atualizações de estratégia capazes de garantir a hegemonia perpétua do Império do Caos. 

A matriz ideológica e o modus operandi das revoluções coloridas já são, hoje, assunto de domínio público. Mas não, ainda, o conceito de Guerra Não Convencional (GNC) [orig. Unconventional War (UW).

Essa guerra não convencional apareceu explicada no manual das Forças Especiais para Guerra Não Convencional dos EUA, em 2010. O parágrafo chave é:

    
”1-1. A intenção dos esforços de GNC dos EUA é explorar vulnerabilidades políticas, militares, econômicos e psicológicos de um poder hostil, mediante o desenvolvimento e sustentação de forças de resistência, para alcançar os objetivos estratégicos dos EUA. (…) Para o futuro previsível, as forças dos EUA se engajarão predominantemente em operações de guerra irregular”

    
”Hostil” não se aplica apenas a potências militares; qualquer estado que se atreva a desafiar alguma trampa importante para a “ordem” mundial Washington-cêntrica – do Sudão à Argentina –, pode ser declarado “hostil”.



    Hoje, as ligações perigosas entre Revoluções Coloridas e Guerra Não Convencional já desabrocharam, como Guerra Híbrida: caso pervertido de Flores do Mal. Uma ‘revolução colorida’ é apenas o primeiro estágio do que, adiante, será convertido em Guerra Híbrida. E Guerra Híbrida pode ser interpretada, na essência, como a teoria-do-caos armada – paixão conceitual dos militares dos EUA (“política é a continuação da guerra por meios linguísticos”). No fundo, meu livro de 2014, Empire of Chaos rastreia as miríades de manifestações desse conceito.
    

Os detalhados e bem construídos argumentos [de Andrew Koribko, um dos capítulos já traduzidos, e outros em tradução (NTs)] dessa tese em três partes esclarece perfeitamente o objetivo central por trás de uma grande Guerra Híbrida:
    
”O grande objetivo por trás de toda e qualquer Guerra Híbrida é esfacelar projetos multipolares transnacionais conectivos, mediante conflitos de identidade provocados de fora para dentro (étnicos, religiosos, regionais, políticos, etc.), dentro de um estado de trânsito tomado como alvo.”

    
Os BRICS – palavra/conceito de péssima reputação em Washington e no Eixo de Wall Street – teriam de ser os alvos preferenciais de Guerra Híbrida. Por incontáveis razões, dentre as quais: o movimento na direção de comerciar e negociar em suas próprias respectivas moedas, deixando de lado o dólar norte-americano; a criação do Banco de Desenvolvimento dos BRICS; o confessado interesse na direção da integração da Eurásia, simbolizada pelos projetos: Novas Rotas da Seda – ou, na terminologia oficial, Um Cinturão, uma Estrada [ing. One Belt, One Road (OBOR)] liderados pela China; e União Econômica Eurasiana (UEE) liderada pela Rússia.

    

Implica que a Guerra Híbrida mais cedo ou mais tarde atingirá a Ásia Central: o Quirguistão é candidato ideal a laboratório primário para experimentos tipo revolução colorida, do Excepcionalistão.

No estado em que estamos hoje, a Guerra Híbrida está muito ativa nas fronteiras ocidentais da Rússia (Ucrânia) mas ainda é embrionária em Xinjiang, no extremo oeste da China, que Pequim microadministra como falcão. A Guerra Híbrida também já está sendo aplicada para impedir um gambito crucial do Oleogasodutostão: a construção do Ramo Turco. E também será acionada de pleno para interromper a Rota da Seda dos Bálcãs – essencial para os negócios/comércio da China com a Europa Ocidental.

    Dado que os BRICS são o único real contrapoder ante o Excepcionalistão, foi preciso desenvolver uma estratégia para cada um dos principais atores. Jogaram tudo contra a Rússia – de sanções à mais total demonização; de ataque contra a moeda russa até uma guerra dos preços do petróleo, que incluiu até algumas (patéticas) tentativas de iniciar uma revolução colorida nas ruas de Moscou. 

Para nodo mais fraco no grupo BRICS, teria de ser desenvolvida estratégia mais sutil. O que afinal nos leva até a complexíssima Guerra Híbrida que se vê hoje lançada com o objetivo de conseguir a mais massiva e real desestabilização política/econômica do Brasil.



    No Manual dos EUA para Guerra Não Convencional lê-se que fazer balançar as percepções de uma vasta “população média não engajada” é essencial na rota do sucesso, até que esses “não engajados” acabem por voltar-se contra os líderes políticos. 

O processo inclui de tudo, de “apoiar grupos insurgentes” (como foi feito na Síria) até implantar “o mais amplo descontentamento, mediante propaganda e esforços políticos e psicológicos para desacreditar o governo” (como no Brasil). E, à medida que uma insurreição vá crescendo, deve-se “intensificar a propaganda e a preparação psicológica da população para a rebelião”. Assim, num parágrafo, está pintado o caso do Brasil.



    Precisamos de um Saddam para chamar de nosso 

O principal objetivo do Excepcionalistão é quase sempre conseguir um mix de revolução colorida e guerra não convencional. Mas a sociedade brasileira e sua vibrante democracia sempre seriam sofisticadas demais para uma abordagem de Guerra Não Convencional hardcore, como sanções ou o conto da “Responsabilidade de Proteger” (R2P).

Não surpreende que São Paulo tenha sido convertido em epicentro da Guerra Híbrida contra o Brasil. São Paulo, o estado mais rico do Brasil, onde está também a capital econômica e financeira da América Latina, é o nodo chave numa estrutura de poder interconectada nacional/internacional.



    O sistema da finança global centrado em Wall Street – e que governa virtualmente todo o Ocidente – simplesmente não poderia de modo algum permitir qualquer ação de plena soberania nacional, num ator regional com a importância do Brasil.

A ‘Primavera Brasileira”, de início, foi virtualmente invisível, fenômeno exclusivamente das mídias sociais – como na Síria, no início de 2011.

Então, em junho de 2013, Edward Snowden vazou aquelas sempre as mesmas práticas de espionagem da Agência de Segurança Nacional dos EUA. No Brasil, a ASN-EUA espionava a Petrobrás por todos os lados. E então, de repente, sem mais nem menos, um juiz regional, Sergio Moro, baseado numa única fonte – depoimento de um corretor clandestino de câmbio no mercado negro (“doleiro”) – teve acesso a uma grande lixeira de documentos da Petrobrás. Até agora, a investigação de corrupção que já dura dois anos, “Operação Car Wash”, ainda não revelou como conseguiram saber tanto sobre o que os próprios investigadores chamam de “célula criminosa” que agiria dentro da Petrobrás.

    

O que realmente interessa é que o modus operandi da revolução colorida – a “luta contra a corrupção” e “em defesa da democracia” – já estava posta em andamento. Foi o primeiro passo da Guerra Híbrida.

Assim como o Excepcionalistão inventou terroristas “bons” e terroristas “maus” cujos confrontos criaram a mais terrível confusão e agitações por todo o “Siriaque”, no Brasil surgiu a figura do corrupto “bom” e do corrupto “mau”.

    

Wikileaks também revelou como o Excepcionalistão classificava o Brasil como “ameaça à segurança nacional dos EUA”, porque poderia projetar um submarino nuclear [esse Wicki-telegrama é de 2009, o mesmo ano do ‘curso’ que o juiz Moro fez no Rio de Janeiro. Só pode ter sido por acaso (NTs)]; como a empresa construtora Odebrecht estava-se tornando global; como a Petrobrás desenvolvera, a própria empresa, a tecnologia para explorar os depósitos de petróleo do pré-sal (a maior descoberta de petróleo confirmada desse início do século 21, da qual o Big Oil foi excluído por, ninguém mais, ninguém menos, que o presidente Lula. [2]



    Adiante, por efeito das revelações de Snowden, o governo Rousseff passou a exigir que todas as agências governamentais usassem empresas de tecnologia estatais, para atender todas as necessidades do governo. Significaria que as empresas norte-americanas do setor perderiam, em dois anos, ganhos já previstos de $35 bilhões, se fossem alijadas dos negócios de tecnologia da 7ª maior economia do mundo – como o grupo Information Technology & Innovation Foundation rapidamente descobriu.



    O futuro acontece agora

A marcha na direção de Guerra Híbrida no Brasil pouco tem a ver com direita ou esquerda política. Consiste, basicamente, de mobilizar algumas famílias ricas que realmente governam o país; subornar fatias imensas do Congresso; pôr sob estrito controle as principais empresas de mídia; pôr-se a agir como senhores de engenho de escravos do século 19 (as relações sociais da escravidão ainda permeiam todas as relações na sociedade brasileira); e legitimar a coisa toda com discursos de uma tradição intelectual robusta, mas oca. 

Todos esses dariam o sinal para mobilizar as classes médias altas.



    O sociólogo Jesse de Souza identificou um fenômeno freudiano de “gratificação de substituição”, pelo qual as classes médias altas brasileiras – que, em grandes números vivem agora a exigir mudança de regime – imitam os poucos muito ricos, ao mesmo tempo em que são cruelmente exploradas por eles, mediante montanhas de impostos e taxas de juros estratosféricas.



    Os 0,0001% mais ricos e as classes médias altas precisavam de um Outro para demonizar – à moda do Excepcionalistão. E ninguém seria mais perfeito para o complexo judicial-policial-midiático-velhas-elites-comprador, que a figura que tratariam de converter num Saddam Hussein tropical: o ex-presidente Lula.



    “Movimentos” de ultradireita financiados pelos nefandos Koch Brothers repentinamente começaram a surgir nas redes sociais e em movimentos de rua. O advogado-geral do Brasil visitou o Império do Caos chefiando uma equipe da “Operação Car Wash para entregar informações da Petrobrás que talvez levassem a uma acusação formal pelo Departamento de Estado.

A “Operação Car Wash” e o – imensamente corrupto – Congresso brasileiro, o mesmo que, agora, vai decidir sobre um possível impeachment da presidenta Rousseff, já se mostram absolutamente indistinguíveis, uma e outro.



    Àquela altura, os autores do roteiro estavam certos de que já havia uma infraestrutura implantada para mudança de regime no Brasil na numa massa-crítica antigoverno, o que pode levar ao pleno desabrochar da revolução colorida. E assim se pavimentou a trilha para um golpe soft no Brasil – sem nem ser preciso recorrer ao letal terrorismo urbano (como na Ucrânia). 

Problema hoje é que, se o tal golpe soft falhar – como agora já parece pelo menos possível que falhe –, será muito difícil desencadear golpe hard, de estilo Pinochet, com recursos de Guerra Não Convencional, contra o governo sitiado de Rousseff; vale dizer, completar o ciclo de uma Guerra Híbrida Total.



    Num plano socioeconômico, a “Operação Car Wash” só seria plenamente “bem-sucedida” se levasse a um afrouxamento das leis brasileiras sobre exploração de petróleo, abertura do país ao Big Oil dos EUA. Paralelamente, todos os gastos em programas sociais teriam de ser esmagados.



    Mas, diferente disso, o que se vê agora é a mobilização progressiva da sociedade civil no Brasil contra esse cenário de golpe branco/soft em cenário de golpe/mudança de regime. 

Atores crucialmente importantes na sociedade brasileira estão agora firmemente posicionados contra o impeachment da presidenta Rousseff, da Igreja Católica a grandes igrejas evangélicas; professores universitários respeitados; pelo menos 15 governadores de estados; artistas, massas de trabalhadores da ‘economia informal’, sindicalistas; intelectuais públicos; a grande maioria dos principais advogados do país; e afinal, mas não menos importante, o “Brasil profundo” que votou e elegeu Rousseff legalmente, com 54,5 milhões de votos.



    Ainda não acabou e só acabará quando algum homem gordo na Suprema Corte do Brasil cantar. O que é certo é que já há pensadores brasileiros independentes que começam a construir as bases teóricas para estudar a “Operação Car Wash” não como mera ‘investigação’ ou ‘movimento’ massivo “contra a corrupção”; mas, isso sim, como legítimo caso exemplar, a ser estudado, de estratégia geopolítica do Excepcionalistão aplicada a ambiente globalizado sofisticado, com ativas redes sociais e dominado pelas TIs. 

Todo o mundo em desenvolvimento muito tem a ganhar, se se mantiver com os olhos bem abertos – e aprender as lições que dali brotem, porque é bem possível que o Brasil venha a entrar para a história como caso exemplar de Guerra Híbrida (só) Soft. *****

    Notas
    [1] traduzido no Blog do Alok.

    * Epígrafe acrescentada pelos tradutores.

    [2] Esse telegrama intitulado “BRAZIL’S NEW DEFENSE STRATEGY – STRATEGY FOR DEVELOPMENT”, datado de 9/1/2009, classificado como “confidencial” e assinado pelo embaixador Clifford M. Sobel, é muito importante. Ali se lê, dentre outras coisas, que o então Ministro para Questões Estratégicas do governo Lula, Professor Roberto Mangabeira Unger é, dito em inglês, com detalhes, perfeito demônio perigosíssimo, com mania de “independência”. O principal perigo é o seguinte: “Ao conectar a reforma do setor de segurança, com a visão mais ampla de desenvolvimento do governo Lula, a Estratégia põe os militares, pela 1ª vez, desde o fim da ditadura militar em 1985, em lugar de destaque na agenda nacional e reivindica mais recursos para os ministérios militares [A agenda foi assinada e oficializada pelo presidente Lula dia 18/12/2008; o ‘curso’ do qual o juiz Moro participou no RJ, dado pela Embaixada dos EUA aconteceu dias 4-9/10/2009. Só coincidências, evidentemente (NTs)]

  • Ivan

    “Nada. Dilma não cometeu crime de responsabilidade. Querem derrubá-la porque utilizou uma prática contábil para pagar programas sociais que todos os seus antecessores usaram e que, enquanto você lê este texto, milhares de prefeitos e muitos governadores estão usando.”

    O que é certo é certo, mesmo que ninguém esteja fazendo. O que é errado é errado, mesmo que todo mundo esteja fazendo.

    “Um governo Michel Temer aplicaria desmonte de programas sociais e supressão de direitos trabalhistas, com volta da privataria. Tudo isso trataria de mostrar ao pais o engano fatal que cometeu.”

    Tem como provar isso? PMDB não é PSDB.

    • Nando

      Tem razão PMDB não é PSDB, É BEM PIOR!!!!!!

  • Alexandre

    Acontece amigo que o fato de outros presidentes terem usado essas “práticas contábeis” não torna essas práticas legais. A lei veda explicitamente a utilização de bancos públicos (Caixa e BB) p/ financiar custeios do governo. A prática foi ilegal em todas as vezes que foi utilizada.
    E o mais grave é que esse “empréstimo” não foi algo formal, não teve contrato e nem garantias de pagamento, o governo simplesmente deu a ordem aos bancos p/ pagar os programas sociais e pendurar a conta… E isso é ILEGAL.

    • eduguim

      Não existe lei que só vale para um, que os seus amigos possam burlar e os seus inimigos não possam. Para você, aos amigos tudo e aos inimigos a lei. Ou alei vale para todos ou não vale para ninguém. Todos os governadores usam pedaladas. Isso que vocês querem fazer é uma barbaridade.

      • André Faria

        Concordo que a lei deva valer para todos. Entretanto, se no passado, as instituições não faziam essa fiscalização independente do motivo, não significa que um dia não possa começar a trabalhar de forma correta. Não é porque no passado tudo foi pra “debaixo dos panos” que não podemos começar a fazer a “varredura” de forma correta, legal e justa. Isso serve, sim, para Dilma, Lula, Aécio, José Serra, e quem quer que seja.
        Outra coisa, A lava jato é comandada pelo Juiz Sergio Moro junto do Ministério Publico Federal e Procuradoria Geral da República, que estão investigando crimes de ordem “federal”, portanto, atos ilícitos praticados por Governadores nada tem a ver com este caso. É outra esfera de poder e a investigação é de responsabilidade de outra instância.