Ao noticiar massacre em Suzano, imprensa estrangeira destaca decreto de armas adotado por Bolsonaro

Ao noticiarem o massacre de Suzano (SP), nesta quarta-feira, 13, jornais estrangeiros mencionam a mudança nas regras sobre posse de arma adotada pelo governo de Jair Bolsonaro e o elevado índice de violência no Brasil. Também lembram outra tragédia em escola brasileira, a de 2011 em Realengo (RJ).

“É o primeiro fato deste tipo da presidência de Bolsonaro, e tem um antecedente dramático no Rio de Janeiro, onde em 2011 um ex-aluno matou 12 garotos em uma escola”, informou o Clarín, de Buenos Aires. “As leis sobre armas são extremamente estritas no Brasil, mas não é difícil comprar ilegalmente uma arma. O novo presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, recentemente anunciou que os controles sobre a posse de armas seriam reduzidos”, assinalou o britânico The Guardian.

O mesmo jornal e o francês Le Monde informaram que massacres em escolas são raros no Brasil. Mas ambos acrescentaram que o país é um dos mais violentos do mundo. A agência Deutsche Welle, da Alemanha,também ressaltou o alto nível de violência vivido pelo país nos últimos anos.

“O Brasil é um dos países mais violentos do mundo. Mais de 60.000 pessoas são mortas todos os anos”, diz a reportagem, que ressalta que até agora tiroteios em escolas foram raros. “Recentemente, Jair Bolsonaro modificou a legislação sobre armamentos para facilitar a compra de armas de fogo”, completa o jornal alemão.

O Guardian lembrou especialmente o caso de Realengo, quando o ex-estudante Wellington Menezes de Oliveira, matou 12 garotos na Escola Municipal Tasso da Silveira e se suicidou O jornal El País, da Espanha, igualmente mencionou esse episódio.

“O Brasil acaba de sofrer um desses massacres tão frequentes nos Estados Unidos, mas não em um país sul-americano. O cenário foi uma escola. O acontecimento lembra o massacre há sete anos em um colégio público do Rio de Janeiro, onde um ex-estudante entrou armado e assassinou uma de alunos antes de disparar um tiro contra si”, registrou.

A maioria dos meios internacionais tratou de apresentar a seus leitores os fatos já apurados sobre o massacre de Suzano, sem análises mais profundas sobre o episódio. Os títulos das reportagens, entretanto, não deixam de marcar a tragédia e a aproximação desse episódio aos frequentes tiroteios em escolas dos Estados Unidos.

A rede americana de televisão CNN abriu a notícia, em seu portal, com o título “Massacre em escola no Brasil: ataque mortal em São Paulo”. O jornal argentino La Nación trouxe os fatos com a manchete “Tiroteio escolar em São paulo: dois estudantes mataram oito pessoas e se suicidaram”.

Da Veja

admin

Share
Published by
admin
Tags: armas bolsonaro imprensa estrangeira suzano

Recent Posts

  • Todos os posts
  • Últimas notícias

PM’s suspeitos de matar menina Agatha serão ouvidos

A Delegacia de Homicídios da Capital vai ouvir amanhã (23), no Rio de Janeiro, dois policiais militares que participaram da ação realizada…

% dias atrás
  • Todos os posts
  • Últimas notícias

Moro comenta morte de Ágatha defendendo impunidade policial

No Twitter, Sergio Moro se pronunciou sobre a morte de Ágatha Felix, de 8 anos, e disse que “não há…

% dias atrás
  • Todos os posts
  • Últimas notícias

Filho de Bolsonaro acusa Globo de apoiar “pedofilia”

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) fez um post em sua conta do Twitter em que diz que a Globo…

% dias atrás
  • Todos os posts
  • Últimas notícias

Witzel recusa condolências à família de Ágatha

Até às 15h09, o governador Wilson Witzel (PSC) não havia se manifestado sobre a morte da menina Agatha, 8 anos,…

% dias atrás
  • Todos os posts
  • Últimas notícias

Juiz renuncia após pregar violência policial – nos EUA

O juiz (dos EUA), renunciou ao cargo após postar no Facebook uma foto de um laço de forca, sugerindo que…

% dias atrás
  • Todos os posts
  • Últimas notícias

Réquiem para o Sr. Cloaca

Era uma pessoa doce, culta, sincera, bem-humorada, humilde, extremamente humilde... Deixa saudade aos amigos da mídia progressista.

% dias atrás