Para Maia, culpa das candidaturas laranja é do judiciário e das cotas para mulheres

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), defendeu em entrevista que o fenômeno de proliferação de laranjas entre as candidaturas femininas da última eleição deve-se à interferência do Judiciário na interpretação sobre a aplicação dos recursos do fundo eleitoral. Em maio do ano passado, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu que 30% do financiamento público dos partidos deveria ser destinado à candidatas mulheres (assim como os horários de propaganda eleitoral na televisão e no rádio).

O PT nunca morrerá porque ideias são imortais

Não há dia em que a morte “iminente” do PT não seja anunciada. Coloquei-me, então, a pensar na possibilidade (a meu ver, impensável) de o partido deixar de existir. Ocorre que o PT não é um partido, é uma ideia, um estado de espírito, uma forma de ver o mundo que nenhum outro partido político abriga. E ideias não podem ser mortas. Podem ser ocultadas por algum tempo, mas permanecerão vivas. Sobretudo quando de interesse universal como são a distribuição de renda e de oportunidades que o PT simboliza.