Guinada à direita afunda Brasil e Argentina

Tanto no Brasil quanto na Argentina, governos conservadores sucederam governos progressistas. A paralisia econômica gerada pela crise política – que, no Brasil, começou em 2013 – descontentou o eleitorado desses países antes de trocarem de comando. Lá, como aqui, os conservadores chegaram ao poder em 2016 prometendo milagres. E lá, como aqui, estão destruindo a economia e tirando do povo todos os avanços que conseguira pela esquerda.

Onda conservadora na América do Sul é só um soluço e passará logo

Apesar de a onda conservadora existir no Brasil, na Argentina, na Venezuela, no Equador, no Peru, o que a direita conseguiu na Argentina e na Venezuela pode nem se concretizar nos outros países sob ameaça dessa catarse reacionária que a crise econômica internacional instalou na região. Isso porque a nova administração argentina fará aquele povo ter saudade da era Kirchner e mostrará aos povos da região que a direita não é alternativa em países como esses.

Argentina e Venezuela mostram que regulação da mídia não é panaceia

Quando se fala em regulação da mídia, surgem vários equívocos. Frequentemente, regulação é confundida com censura. Quando a mídia faz alguma denúncia manipulada contra o governo, logo dizem que se Lula e Dilma tivessem regulado a mídia isso não estaria acontecendo. Mesmo que tivessem podido fazê-lo, porém, basta olhar para países que fizeram duras leis para regular a mídia para ver que não é bem assim. Regulação da mídia é medida civilizatória e necessária, mas não é panaceia (solução para todos os males).