CPI de Brumadinho é instalada no Senado

Quarenta e sete dias depois da tragédia em Brumadinho (MG), o Senado fará, nessa quarta-feira, a primeira reunião da comissão parlamentar de inquérito ( CPI ) que investigará causas e responsabilidades pelo rompimento da barragem da vale. A instalação ocorre um mês e meio depois do início dos trabalhos legislativos, porque senadores e deputados não se entendiam sobre a criação de colegiados.

Lideranças petistas querem CPI para investigar relação de clã Bolsonaro com milícias

Flávio Bolsonaro é suspeito de envolvimento com as milícias cariocas e o uso de ‘laranjas’ para desviar recursos do fundo eleitoral, destinado a campanhas políticas. O senador também é acusado de envolvimento no escândalo do seu ex-motorista Fabricio Queiroz, que teve movimentação atípica de R$ 1,2 milhão na conta. Queiroz recebeu dinheiro de servidores que atuaram no gabinete do então deputado estadual Flávio Bolsonaro.

Petistas e movimentos sociais querem urgência em CPI para investigar crime da Vale em Brumadinho

A instalação da CPMI das Mineradoras, para investigar as causas da tragédia de Brumadinho é prioridade absoluta dos deputados petistas da Bancada Mineira. Nesta terça-feira (19), às 13h, eles recebem representantes de movimentos sociais e entidades da sociedade civil na Liderança do PT, para definir estratégias de ação a fim de acelerar a instalação da CPMI, que já conta com o apoio de 32 senadores e 178 deputados.

CPI para investigar ativismo judicial perde força no Senado

A proposta de criação de uma comissão parlamentar de inquérito (CPI) contra o “ativismo judicial” em tribunais superiores, apelidada de “CPI da Lava Toga”, não tem mais as assinaturas necessárias para ser instalada no Senado Federal. Dois parlamentares retiraram, nesta segunda-feira (11), o apoio que haviam dado à investigação, sugerida pelo senador Delegado Alessandro Vieira (PPS-SE). Caso ele não consiga “repor” essas assinaturas, a CPI deve ser enterrada de vez.