Josias de Souza: Só a PF pode tirar caso Marielle do rumo do brejo

Um dia depois de afirmar que a polícia civil ofereceu “uma resposta importante” à sociedade na “elucidação de um crime bárbaro” como a execução da vereadora Marielle Fanco e seu motorista Anderson Gomes, o governador Wilson Witzel afastou do caso o delegado Giniton Lages. Ou seja: a “resposta” era cenográfica e a “elucidação” era ficcional.

Operação da PF apura participação de políticos no assassinato de Marielle Franco

Deflagrada na manhã desta quinta, 21, a operação da Polícia Federal relacionada à apuração do assassinato da vereadora aponta para uma eventual participação de políticos no crime – uma linha de investigação diferente da que é seguida pela Delegacia de Homicídios da Polícia Civil do Rio. Autorizados pelo juiz Gustavo Kalil, do 4º Tribunal do Júri, agentes da PF cumprem oito mandados de busca e apreensão.

Com medo, candidata laranja do PSL fugiu para o exterior

A Polícia Federal chamou para depor mulheres que teriam atuado como candidatas- laranjas do PSL em Minas Gerais nas eleições do ano passado. Uma delas, a principal suspeita, está no exterior. Segundo um policial, ela saiu do país por medo, mas já informou que voltará ao Brasil para prestar os esclarecimentos necessários. A apuração do caso ocorre dentro de um procedimento preliminar. Pela lei, a Polícia Federal só pode abrir inquérito sobre o assunto a pedido da Justiça Eleitoral.