Apoiadores da ditadura, EUA ofereceram 5 mil dólares por morte de Marighella

Para o historiador Daniel Aarão Reis, estudioso do período da ditadura e ex-militante do Movimento Revolucionário Oito de Outubro, o MR8, o plano de oferecer uma recompensa pelo guerrilheiro comunista não é um ponto fora da curva na política externa norte-americana. “É uma tradição antiga nos Estados Unidos dar gratificações em dinheiro para pegar aqueles considerados inimigos do Estado”, afirmou. “De acordo com seus interesses, os americanos acionam diplomatas e agentes para colher informações.”

Saiba como laboratórios identificam restos mortais de desaparecidos na ditadura

Trabalhos de reparação, justiça de transição, direito à memória e à verdade foram intensificados após a condenação do Brasil na Corte Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) em 2011. Na sentença do chamado Caso Gomes Lund, o País foi condenado por negligenciar violações cometidas pelos militares durante o combate à guerrilha do Araguaia, de 1967 a 1974.

O poder emana do povo, mas o brasileiro ainda não sabe disso

O que estão fazendo com o maior líder político mundial do século 21, Luís Inácio Lula da Silva, é ignominioso. Na eventualidade de sua morte, devida aos suplícios que lhe têm sido impostos por delinquentes usurpadores dos poderes da república, esta gente inconsequente, inculta e estúpida pagará um preço alto, pois chegará o dia que as massas dirão “basta, acabou para vocês”.

Brasil vive 2º capítulo de história iniciada na ditadura

“A universidade é um locus de debate. Formamos cidadãos.” Em outro contexto, essas palavras do reitor da Universidade de São Paulo, Vahan Agopyan, enunciadas em entrevista desta semana, passariam por uma constatação trivial sem maiores consequências. Hoje, ela expressa uma posição corajosa a respeito da pluralidade e da liberdade inerentes à universidade como projeto. Leia coluna de Vladimir Safatle.