O ódio político

Durante a campanha eleitoral à Presidência do Brasil, ano passado, o ódio político, estimulado pela mídia, enveredou pelos mesmos caminhos da pregação fascista do Tea Party, com cristãos fundamentalistas promovendo a execração de Dilma Rousseff. Até os homofóbicos simpatizantes do adversário da candidata passaram a acusá-la do que consideram o pior dos crimes.

Movimento Tea Party e o fascismo à brasileira

Há leis neste país que podem – e precisam – ser usadas contra a onda neonazista que vem promovendo agressões verbais a negros, nordestinos e homossexuais em redes sociais como Orkut, Facebook e Twitter. Lamentavelmente, a liberdade para essas manifestações odiosas ainda é tanta que até mesmo jovens de classe média alta as praticam despreocupadamente, muitas vezes sem perceber que estão cometendo crimes.

Oliver Stone desanca o PIG

“(…) 80% da mídia na Venezuela é privada, dirigida por ricos que falam mal do governo. Chávez brigou pela liberdade de expressão. Alguns canais e revistas convocaram greves e chamaram as pessoas para um golpe de Estado em 2002. Em meu país, se você fizer isso, sua licença [de TV] será retirada (…)”

Oliver Stone