Chile: pesquisas compradas pela direita falham e país terá 2º turno

Últimas notícias

Se você pensa que é só no Brasil que as pesquisas são fraudadas para inflar a direita nas eleições, o Chile acaba de mostrar que não é bem assim.

As empresas que fazem pesquisa no país vizinho são, entre outras, a Cerc-Mori, Centro de Estudios Públicos (CEP) e Criteria, que, coincidência das coincidências, vinham dando vitória folgada do candidato de direita, Sebastián Piñera, sobre os esquerdistas Alejandro Guillier e Beatriz Sanchéz.

Com 99,89% dos votos apurados oficialmente, Piñera tinha 36,6%, seguido de Guillier, com 22,7%.

A primeira surpresa da noite foi a votação mais baixa do ex-presidente, para quem as pesquisas projetavam 45% dos votos e até mesmo a chance, ainda que pequena, de que vencesse a eleição já no primeiro turno.

A segunda “surpresa” foi a boa votação que obteve a terceira colocada, a candidata da recém formada coalizão esquerdista Frente Ampla, Beatriz Sánchez, 46. As pesquisas lhe davam ao redor de 12% dos votos, mas ela acabou tendo 20,3%, e quase tirando o próprio Guillier do páreo.

A participação ficou dentro do esperado, baixa, em apenas 43% do padrão eleitoral.

Era muito estranha a preponderância do ex-presidente Piñera, que foi chutado pelos chilenos após o primeiro mandato (2010-2014), marcado por greves estudantis gigantescas e por aumento da pobreza, da desigualdade e de tudo mais de ruim que a direita acarreta quando chega ao poder.

A boa notícia é que a votação de Beatriz Sánches e a de Alejandro Guillier somam 43% dos votos, enquanto que a votação de Piñera somada à do candidato de extrema-direita José Antonio Kast (7,9%) chega, apenas, a 44%.

Ou seja, o favoritismo do candidato conservador já não existe.

  • Estevão Rodrigues

    Acho que tudo é cíclico. Assim como a direita teve sua parcela na formação da economia do Chile (que por muito tempo foi a economia mais desenvolvida da América Latina) agora a esquerda dará sua parcela de contribuição. E quando ela “falhar” a direita voltará até “falhar” de novo. Porque a tendência do ser humano é sempre a acomodação. A renovação, a alternância do poder, é saudável e democrática.

    • Jimmy Cricket™

      ☺ Para mim, esse papo de “alternância do poder” é conversa mole da direita que só toma atarraxada…

    • Carlos

      .

    • Renata

      Desde o fim da ditadura do Pinochet, que foi cinco anos depois da nossa, 1990, esta é a 7a eleição presidencial e com exceção do governo do Piñera, 2010-2014, a coalizão de centro-esquerda ganhou todas as eleições. Se a esquerda se unir agora em torno do senador socialista no 2o turno, será o 7o presidente da coalização de centro-esquerda.

  • Ed Garcia

    Que no Chile já comecem a nos dar esperança de que dias melhores virão e afastem os governos sombrios da direita longe de nossos lares.

  • Marcos Doniseti

    Na verdade, Edu, o resultado para o Piñera foi ainda pior. A Esquerda se dividiu no 1o. turno entre 6 candidaturas. Somadas, elas chegaram a 55,5% dos votos. Assim, caso o Alejandro Guillier procure forjar acordos com as outras forças progressistas, ele se tornará o grande favorito.

    Piñera apostou no 1o. turno e por isso as pesquisas tentaram forçar a sua vitória no 1o. turno, mas fracassou.

    Portanto, Guillier é o grande favorito para vencer o 2o. turno e se tornar o novo Presidente do Chile.

    Além disso, a votação do direitista radical Kast também foi superior ao que as pesquisas estimavam, chegando a 8% dos votos (as pesquisas lhe davam 4%).

    A Esquerda chilena criou uma Frente Ampla, muito semelhante à do Uruguai, e a candidata Beatriz Sánchez da FA foi muito bem votada, chegando a 20,3%, sendo que as pesquisas lhe davam entre 8% e 9%.

    E a bancada de congressistas de Esquerda aumentou bastante no Congresso Nacional.

    Assim, mesmo no caso improvável de Piñera vencer, dificilmente ele terá maioria parlamentar para aprovar os seus projetos.

    Um ótimo site chileno para acompanhar os fatos do país é o ‘La Tercera’. Recomendo.

  • Alex

    Eduardo comenta a fraude eleitoral perpetrada pelos institutos de pesquisa chilenos, davam Piñeira se elegendo em primeiro turno (Buscando o voto útil) e a companheira Sanchez apenas com 8 % quando na real ela fez 20%, Piñeira 36 e o candidato de centro 22%….Ingerência dos institutos forjou um segundo turno entre o candidato de centro e o de extrema direita. É importante comentar opor que o modus operandi será o mesmo aqui no Brasil nas vésperas da eleição de 2018… #GloboMENTE

    • eduguim

      Companheiro, você está comentando em um post que fala disso…

      • Jimmy Cricket™

        ☺ Lembrei-me dos bordões do imortal personagem do Ronald Golias: “Bartolomew…”, “… Guimarães…”, “Já começou o programa?”, “Foi…”
        É cada uma que eu leio…

      • Carlos A N Alergaria Barreto

        Vocês verão se repetir no Chile que” Viralatismo ” é a doença da américa latina produzida pelo governo americano.

  • César Hernani

    Vocês falam das falhas das pesquisas e que são falsas e manipuladoras. Até aí, ok. Mas mais manipuladores ainda são vocês que demonizam a direita e fazem questão de não reconhecer e fechar os olhos que foram essas políticas que possibilitaram que o Chile fosse o país com a melhor qualidade de vida da América Latina, com um IDH superando inclusive Portugal. O país latino mais “neoliberal”, como vocês gostam de chamar, teve o melhor desempenho no PISA entre todos nós e tem uma expectativa de vida invejável de 82 anos, superando países como Alemanha e Dinamarca. Tudo isso é culpa do “neoliberalismo” e a direita malvada. Quanto retrocesso, não?

  • César Hernani

    Vocês falam das falhas das pesquisas e que são falsas e manipuladoras. Até aí, ok. Mas mais manipuladores ainda são vocês que demonizam a direita e fazem questão de não reconhecer e fechar os olhos que foram essas políticas que possibilitaram que o Chile fosse o país com melhor qualidade de vida da América Latina, com um IDH superando inclusive Portugal. O país latino mais “neoliberal”, como vocês gostam de chamar, teve o melhor desempenho no PISA entre todos nós e tem uma expectativa de vida de 82 anos, superando países como Alemanha e Dinamarca. Tudo isso é culpa do “neoliberalismo” e a direita malvada.

    • eduguim

      Essa é uma bobagem histórica O Chile já tinha índices admiráveis na Educação antes de Pinochet. Eu sei que é a ele que você se refere, mas por ser um monstro não diz seu nome. O Chile foi massacrado pela ditadura Pinochet, mas não tem nada de neoliberal. Os cuidados do país com direitos sociais voltou a ser grande após a defenestração votada de Pinochet. Ele foi mandado para a aposentadoria pelos chilenos – grande parte queria mandá-lo mesmo era para a cadeia – por conta do mal que fez ao país.

      • César Hernani

        Não citei Pinochet porque mesmo depois dele, o Chile ainda continua sendo o país mais liberal da América Latina, o que ninguém pode negar. Além disso, não quis focar nos personagens, mas sim nas medidas econômicas. Vamos aos fatos, se “os índices admiráveis na Educação” eram bons antes de Pinochet, as políticas de direita apenas melhoraram.

        • eduguim

          Isso é o que você formulou em sua cabeça para retorquir, mas eu conheço o Chile profundamente. Durante 30 anos viajei àquele país 4 vezes por ano. Tenho amigos lá, se for ao país não precisarei de hotel. E a verdade é que o Chile decaiu muito após Pinochet. Antes, o Chile era nação a caminho da industrialização. Pinochet acabou com tudo, transformou o Chile em um entreposto comercial para produtos importados. Abriu as portas a todo tipo de importação que impactava a indústria local e esta quebrou em mil pedaços. A indústria calçadista, por exemplo. E eu tinha uma trading, meu caro. Meu negócio era comércio exterior. Ia ao Chile vender autopeças. As condições de vida no Chile decaíram com o golpe de 1973 e nunca mais se recuperaram

          • César Hernani

            Rapaz, contra fatos não há argumentos. Chile ainda é o país mais liberal e economicamente aberto da América Latina e tem a melhor qualidade de vida. Lidem com isso!

          • eduguim

            Só porque você pensa assim não significa que possa decretar que outros aceitem sua opinião. Eu digo que não têm maiores diferenças positivas pra eles. Têm uma população que cabe duas vezes na Grande São Paulo e um país que não produz nem um prego. Ê um Paraguai de luxo

          • Estevão Rodrigues

            A bem da verdade a indústria calçadista decaiu em toda a América Latina, principalmente por causa da concorrência asiático, como ocorreu décadas atrás com a indústria calçadista europeia por causa da concorrência latina… e aqui ela nunca mais se recuperou, nem depois de 3 governos de esquerda (petistas)… a indústria calçadista daria um tópico a parte. Acho que seria legal um dia discutirmos sobre isso, Eduardo. Abraços…

          • eduguim

            Você não entendeu: a indústria calçadista chilena não “decaiu”, ela acabou. E não foi só a indústria calçadista chilena, foi toda e qualquer indústria que acabou no Chile porque Pinochet abriu as portas do país aos produtos estrangeiros sem imposto de importação e, assim, quebrou toda indústria nacional. HOJE o Chile importa até prego e caixa de fósforo. Mas como é um pais minúsculo em termos populacionais, dá pra manter um mínimo de qualidade de vida

  • JonesR

    “pesquisas são fraudadas para inflar a direita nas eleições…”

    Oi? o que aconteceu? … Ah.. é… Piñera ganhou… o Foro de SP está desmoronando..