Para ajudar Temer, PM e Datafolha não apuram tamanho do protesto em SP

O último domingo (4/9) marcou uma nova etapa da escalada fascista, golpista e ditatorial que teve início lá em 2005 e se acirrou em 2013; a direita paulista perdeu de vez o pudor e, agora, já reprime manifestações pacíficas. Além disso, a censura está ganhando espaço. A mídia golpista não cobriu os atos contra Temer e PM e Datafolha não divulgaram estimativas de público sobre o mega protesto da capital paulista. Conheça, pois, minha proposta para enfrentar a ditadura temerária que se abateu sobre o Brasil.

“Rock da Ditadura” estreou nos atos fascistas de domingo

Já que chorar não adianta, o jeito é rir. Como resido a algumas quadras da avenida Paulista, domingo (31/7) fui passear lá com a família e dei de cara com um grupelho de malucos de um tal movimento “Vem Pra Rua” que se manifestava pedindo volta da ditadura militar. Em cima de um trio elétrico, um dos cretinos entoava algo que pretendia ser rock’n roll. A letra pedia a volta da ditadura. Assista ao vídeo e ria, é só o que resta fazer.

O crime de Lula foi reduzir a pobreza. Jamais irão perdoá-lo

Não se fala em outra coisa: o “sorteio” que jogou o caso de Lula na mão de seu desafeto Gilmar Mendes foi uma armação e graças a ela Moro poderá prender o ex-presidente na semana que entra. Se essa conspiração infame vingar, nunca mais um governante tentará ajudar o povo de verdade. Os políticos terão sempre presente o seguinte ensinamento: o único político que tentou de fato melhorar a vida do povo, acabou encarcerado.

Protestos de ricos contra petistas deixam pobres desconfiados

Matéria da rede pública de televisão alemã Deutche Welle (Onda Alemã) marcou um enorme tento ao expor a opinião daquela massa imensa de brasileiros que desde 2002 votou quatro vezes no PT, mas que parou de votar. DW explica por que só havia burguês nesses protestos e, mais ainda, por que a direita midiática tem que prender Lula a qualquer preço. É porque, solto, ele se elege presidente em 2018. Quem não leu essa matéria, tem que ler. Quem leu, tem que refletir sobre ela a partir da perspectiva proposta.

Não comemore vaia a tucanos; quem vaiou prefere Bolsonaro

Manifestantes que diziam protestar contra a corrupção elegeram um ídolo, no domingo: Jair Bolsonaro, do partido mais envolvido na Lava Jato, o PP. Quanto a Alckmin e Aécio serem vaiados, não chega a ser um alento. A massa que está pautando a política prefere Bolsonaro. É como trocar Berlusconi por Mussolini. Se a esquerda não se unir, quem garante que o pior não acontecerá em 2018?

Manifestação fascista foi mais do mesmo; confira ato no Instituto Lula

Apesar de impopularidade de Dilma seguir alta, quantidade imensa de pessoas concluiu que manifestações fascistas não merecem apoio, já que, em 15 de março, juntaram, segundo o Datafolha, 1,7 milhão de pessoas, e, em 16 de agosto, 750 mil. Ou seja, quase um milhão de pessoas – ou quase 2/3 do total de 1,7 milhão de manifestantes de 15 de março – decidiu abrir mão da “agradável” companhia de toda sorte de lunáticos que acorreu às ruas no último domingo. A grande novidade do dia, pois, foi a primeira reação da esquerda a esses psicopatas, traduzida pelo expressivo ato no Instituto Lula, o qual você pode conferir neste post.

Enquanto houver Marietas Severo, Faustões não passarão

Foi um domingo de efervescência política, mas, à diferença de outros domingos assim que o país tem vivido, o último teve oposição à intolerância, ao ódio e à estupidez. Se Faustão fez um discurso derrotista e paranoico, Marieta Severo contrapôs lucidez e esperança; se imbecis agrediram Guido Mantega, o restaurante os expulsou e um pensador escreveu uma bela reflexão que quase compensa aquela burrice; se um grupelho fascista quis melar a inauguração da ciclovia da avenida Paulista, uma maioria esmagadora tomou o local e fez uma festa justificada por bela matéria do Estadão.

Agressão ao filho de Noblat: direita começa a colher o que semeou

No domingo, Guga Noblat, filho do blogueiro e colunista de O Globo Ricardo Noblat, chegava em casa com a esposa e filha, bebê de colo. A família foi agredida por dementes que batiam panela contra o PT próximo ao prédio em que mora. O que gente como Noblat e tantos outros “jornalistas” da grande mídia estão semeando é um horror do qual só se darão conta quando a desgraça lhes bater à porta. E que ninguém se engane, isso ocorrerá. Cedo ou tarde.