STF deve ao Brasil relatoria da Lava Jato isenta de politicagem

O Poder Judiciário como um todo está ameaçado de total desmoralização a depender da “solução” que o presidente Michel Temer e a ministra Carmén Lúcia derem para a substituição do relator da Lava Jato naquela Corte. Do primeiro não se espera nada, da segunda não se espera muito. Além disso, a Lava Jato de Teori Zavascki não era a Lava Jato de Gilmar Mendes ou de Sergio Moro. Resta sabe se Temer e Cármen querem que a Lava Jato no STF se torne uma completa farsa como a Lava Jato da 13ª vara de Curitiba.

Janot esfregou a lei na cara de Gilmar. Foi de lavar a alma

Está passando batido que o Procurador Geral da República passou uma dura carraspana em Gilmar Dantas. Se você não viu, tem que ver. E curtir. Não é sempre que alguém diz a Gilmar o que ele merece. Isso não apaga ou justifica eventuais decisões erradas que eu e outros como eu acham que o PGR tomou, mas mostra que nem todo mundo está disposto a ser desrespeitado por ele. Janot disse, em resumo, que Gilmar tentou proteger Aécio de investigação só porque ele pediu, desconsiderando a lei. Não é pouco, hein!

O crime de Lula foi reduzir a pobreza. Jamais irão perdoá-lo

Não se fala em outra coisa: o “sorteio” que jogou o caso de Lula na mão de seu desafeto Gilmar Mendes foi uma armação e graças a ela Moro poderá prender o ex-presidente na semana que entra. Se essa conspiração infame vingar, nunca mais um governante tentará ajudar o povo de verdade. Os políticos terão sempre presente o seguinte ensinamento: o único político que tentou de fato melhorar a vida do povo, acabou encarcerado.

Gilmar Mendes, o “antídoto” da mídia contra o direito de resposta

As associações de classe dos impérios de mídia (ABERT e ANJ) anunciam que vão ao STF contra o Direito de Resposta contra os ataques que fazem, recém-sancionado por Dilma Rousseff. Em algum momento desse processo, ele passará por Gilmar Mendes. E assim como ele segurou por um ano e meio a proibição de doações eleitorais de grupos econômicos a políticos, quando tiver que opinar sobre o direito de resposta não há dúvida de que pedirá vista do processo e irá segurá-lo em sua gavetona por quanto tempo puder. A sociedade tem que reagir a isso. É um deboche o que esse sujeito faz naquela Corte.

“Deixa o Gilmar falando sozinho”, diz professor de Lewandowski e Rosa Weber

Clicando na imagem deste post você poderá assistir à íntegra da entrevista do jurista Dalmo Dallari ao programa Contraponto, da tevê dos Bancários de SP, na última segunda-feira. Mas o melhor não foi ao ar. Foi obtido quando fui buscá-lo em casa e levá-lo de volta. Desse modo, convido você a experimentar um sopro de ar fresco, um papo com Dallari, que, junto com o vídeo do programa, ofereço a você. Bom alento.

Gilmar Mendes debocha da estátua em frente ao STF

Ao abrigar um magistrado como Gilmar Mendes, o Supremo Tribunal Federal deveria mandar retirar da entrada de sua Sede a estátua de granito de mais de três metros de altura da deusa Themis, esculpida em 1961 por Alfredo Ceschiatti. A “cegueira” da deusa da Justiça simboliza isenção, o que, obviamente, vai de encontro ao partidarismo suarento e escrachado desse pseudo magistrado

STF que barrou Gilmar no financiamento eleitoral, barrará o golpe

Ao isolar Gilmar Mendes na questão do financiamento privado de campanhas, derrotando, assim, seu histrionismo, seu partidarismo, seus arroubos que beiram o tragicómico, o STF se credencia para deliberar sobre a manifesta intenção da presidente Dilma Rousseff, recém anunciada, de levar àquela Corte qualquer ação golpista que venha a ser encetada na Câmara dos Deputados. Alvíssaras!

Janot que arquivou caso Anastasia – que PF quer reabrir – também é “petista”?

Gilmar acusou Janot de ser “advogado do PT”. No dia seguinte, a PF pede para STF reabrir investigação contra o tucano Anastasia que Janot pedira para arquivar. E aí, Gilmar, Janot também advoga para o PSDB? Que Gilmar Mendes aprenda com Rodrigo Janot que para cobrar isenção de alguém é preciso ser isento, coisa que atos, palavras e biografia do ministro do STF e do TSE não lhe permitem dizer que tem.

Rodrigo Janot e Joaquim Barbosa dizem que não vai ter golpe

Foi com surpresa que entusiastas e adversários da derrubada de Dilma receberam a recusa do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, a investigar as contas de campanha da presidente a pedido de Gilmar Mendes. Porém, mais surpreendente é que o carrasco-mor do PT, Joaquim Barbosa, acaba de declarar que não vai – e não deve – ter golpe nem no TCU nem no TSE. E que querer derrubar Dilma seria “Um abalo sísmico nas instituições”. Confira os efeitos práticos da decisão do procurador-geral da República, segundo juristas e constitucionalistas consultados pelo Blog.

Jurista Dalmo Dallari chama derrubada de Dilma pelo TSE de “fantasia política”

Provocou comoção no país a recente decisão do Tribunal Superior Eleitoral de dar prosseguimento a ação do PSDB que pede que Dilma Rousseff seja tirada do cargo e aquele que ela derrotou em segundo turno assuma o poder. Setores da mídia estão afirmando que o golpe já está concluído e que Dilma será derrubada e Aécio Neves será empossado. O Blog da Cidadania consultou um dos mais jurístas e constitucionalistas brasileiros, Dalmo de Abreu Dallari, que diz que esse processo é uma “fantasia política’, que não será assim tão fácil e poderá “durar anos”. Ele diz que a aceitação da reabertura do processo não quer dizer nada.