2017 foi bom; o golpe foi DESMASCARADO

2016 foi o pior ano da história recente do país. Dirão que 2017 foi igual ou pior, mas esta matéria mostrará que bom porque os golpistas foram DESMASCARADOS. Prova disso é que Lula é o mais forte candidato a presidente e pesquisa recente mostra que o povo acha que o governo Dilma era melhorque o atual. Ou seja, em 2017 o povo acordou. Assista a retrospectiva do Blog da Cidadania

Lula será eleito porque reencarnou a esperança popular

Sabe quais são os únicos candidatos a presidente que estão se fortalecendo eleitoralmente no Brasil? Lula e Bolsonaro. Por que? Porque são os que prometem estancar o empobrecimento que Temer e os tucanos terão gerado. Só que Bolsonaro quer tirar do pobre e dar ao rico e Lula quer tirar do rico e dar ao pobre – não existe almoço grátis: para um grupo ganhar, o outro tem que perder. Essa será a disputa em 2018.

Lula cresce em pesquisas de “esquerda” e “direita” após condenação

No espaço de 10 dias, duas pesquisas sobre a eleição presidencial de 2018 mostram que a condenação de Lula por Sergio Moro fez o petista ganhar votos. Mas o mais interessante é que são duas pesquisas consideradas de vieses distintos. Vox Populi é vista como “petista” e Datapoder 360 como “antipetista”. Ambas mostram que Moro ajudou Lula condenando-o sem provas. E mostram esquerda crescendo em 2018. Confira

Lula não precisa esconder patrimônio que teria renda para comprar

O tríplex “de Lula” custa cerca de R$ 1,2 milhão , o sítio em Atibaia custa cerca de R$ 800 mil. Uma pessoa com renda oficial que pode chegar a 60, 70 mil reais ou mais não pode comprar imóveis que, somados, custariam uns dois milhões? Para que ele arriscaria destruir sua biografia por patrimônio tão pequeno? Como alguém que teve inteligência para sair de onde saiu e chegar aonde chegou seria tão burro a ponto de arriscar tanto por tão pouco? Não cola. Por isso Lula sobe nas pesquisas.

Haddad começa a desmentir pesquisas, como em 2012

Pode estar ocorrendo em São Paulo o que ocorreu em 2012; institutos de pesquisa tentam derrubar Haddad até a última hora e, não conseguindo, nos momentos finais da campanha começam a “ajustar” números. Se a direita paulistana for derrotada por um petista, a direita brasileira sofrerá um golpe mortal. A esquerda local tem que enxergar o momento histórico, unir-se e votar em peso em Fernando Haddad.