Ministério da Saúde recomenda “dieta do palhaço”

Crônica

“Super Size Me – A dieta do palhaço” é um documentário antigo, lançado em 2004. Foi escrito, produzido, dirigido e protagonizado por Morgan Spurlock, um cineasta independente norte-americano. Spurlock passou o mês de fevereiro de 2003 inteiro seguindo uma dieta inusitada: fez todas as refeições desse período em alguma lanchonete McDonald’s.

O filme mostra os efeitos sofridos pelo cineasta, que são assustadores. E documenta os malefícios que a comida da rede norte-americana de “fast food” pode causar à saúde física e psicológica. E, apesar de a obra focalizar o McDonalds, o alvo é bem mais amplo: a indústria de “comida rápida” em geral e os efeitos que ela provocou no povo dos Estados Unidos, hoje o mais obeso do mundo.

*

As vítimas preferenciais de McDonalds e congêneres, são as crianças. Aliás, são elas que me fazem publicar este post… Ou melhor, é uma criança específica, a minha neta, Letícia, de dez anos. Só agora, após seus pais se conscientizarem dos perigos de certo tipo de alimentação, a menina começa a deixar o grupo de risco da obesidade infantil.

O que vinha acontecendo com a minha neta é um fenômeno que, de alguns anos para cá, passou a atingir o Brasil. Incontáveis estudos dão conta do aumento do peso do brasileiro, sobretudo das crianças, e da ameaça de obesidade que a alimentação de nosso povo lhe gerou, ameaça fortemente estimulada por cadeias de “comida rápida” como o McDonalds.

*

Apesar disso, recentemente a jornalista Conceição Lemes, do site Viomundo, publicou matéria estarrecedora que denunciou que o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, andou posando para fotos com o presidente da rede McDonalds no Brasil, Marcelo Rabach, de uma forma que insinua que avaliza a política da empresa que você pode ver ou rever assistindo…

SUPER SIZE ME – A DIETA DO PALHAÇO!

Parte 1/2

Parte 2/2

54 comments

  • Ainda bem que minha filha não gosta destes fast food,ela gosta de uma comida caseira.Quanto a atitude do ministro,lamentável,vergonhosa.

    • zcarlos,
      O ministro só voltou atrás pela repercussão negativa dos fatos tornados públicos. Se não fosse pelas pesadas e justas críticas, a união estaria selada e ano que vem o McDonald iria doar alguns milhares de dólares para alguma campanha eleitoral próxima ao Ministro Padilha.

  • Ai está mais um ministro da saude… Ops, acho que ele pode ser qualquer coisa menos ministro da SAUDE… Tai um ministro qualquer coisa que devia levar uma vassourada da DILMA.

  • O mais engraçado dos usuàrios ( sim, a palavra certa é esta!) do McDonalds, é que estes lotam as lojas da rede em dia de Mclanche Feliz, em nome de uma boa-ação pars as instituições que cuidam do câncer infantil. Porém, o mais irônico da coisa é que na verdade eles estão promovendo o ingresso de mais pacientes ao aumentar o consumo deste tipo de comida. É a clássica fábula do porquinho feliz por virar salsicha….

  • ” Spurlock passou o mês de fevereiro de 2003 inteiro seguindo uma dieta inusitada: fez todas as refeições desse período em alguma lanchonete McDonald’s.”

    Já imaginou se passasse o mes inteiro comendo feijoada?
    Ou mesmo Pizza?
    Ou bananas?

    Cinestas americanos são maus.
    Macdonald é mau.
    Cieneastas americanos que falam mal da macdonald são bons!

    Quanto à caca do Ministro, trivial…
    Se a besteira que ele fizer durante seu expediente diario for só essa, de posar ao lado de diretor da rede de fast foods, estaremos no lucro….

    PS- Não gosto de Macdonalds. Como em ultimo caso. E olhe lá!, por que sou muito liberal em minha alimentação. Como quase tudo, sem problemas…
    Ja meu neto adora! Está um pouco acima do peso. Mas não culpo o bonequinho da Macdomnald por isso. Muito menos culparei o Ministro da Saude…
    Ele ( meu neto) tem pai, mãe e AVÓS, que devem ser responsabilizados pelas escolhas que fazem por ele, enquanto ainda não maduro o suficiente para tomá-las sozinho…

    Mas é isso… Tenho um problema?
    O culpado é o outro….

    • “Cinestas americanos são maus. Cineastas americanos que que falam mal do MacDonald’s são bons”
      Não entendi. Isto é uma crítica ao post, ao Edu, à esquerda?
      Acho que esse é um comentário fast-food. Sem nenhum contéudo “nutricional”. E o pior é o sr.Marcio, que acha o máximo consumir tal coisa

    • Já imaginou se passasse o mes inteiro comendo feijoada?
      Ou mesmo Pizza?
      Ou bananas?

      —————————————————-

      Que eu saiba, a rede Mac tem uma ampla variedade de pratos.

      Passar um tempo comendo Mac’s, não significa comer apenas um único alimento, como banana, feijoada, ou Pizza, mas sim comer vários tipos de refeições variadas, que podem ser saborosos, mas nada saudáveis.

  • Vi o documentário no cinema, quando saiu, e lembro que, à época, o McDonald’s se manifestou com a resposta óbvia: os lanches deles não são feitos para se ingerir três vezes ao dia durante um mês. Um pai que deixa seu filho comer isso todos os dias é irresponsável.

    Tenho 28 anos, como McDonalds desde os 15, uma vez por semana, no máximo. E nunca tive problema de obesidade ou de saúde graves. Quer dizer, é tudo uma questão de bom senso. Mas a tendência hoje no mundo é combater a indústria e exigir que o Estado faça algo, enquanto que as pessoas deveriam ser mais responsáveis consigo mesmas e com seus filhos.

    • A tropa de segurança das corporações comparece em peso, mas esquece que seu argumento é dito no filme. Assim mesmo, essa tropa não consegue enxergar o óbvio: a política do Mcdonalds estimula as pessoas a comerem mais e mais. Sobretudo as crianças. Os americanos engordaram porque são um bando de irresponsáveis ou porque nunca receberam corretamente a informação de que a comida dessa e de outras redes é danosa? Eu consigo entender tudo. Que gente como você, que duvido de que seja um ricaço, defenda os políticos representantes dos setores mais abastados, até entendo. Não consigo entender como são incapazes de refletir um minuto que seja sobre o que é de interesse de todos, inclusive vosso mesmo. Andam com o dispositivo de discordância do “inimigo” ligado. Se eu disser aqui que suicídio faz mal à saúde, com certeza discordarão. E se surgir uma corporação oferecendo pacotes para suicídio, com certeza apoiarão.

      • Edu, não discordamos na questão, discordamos da forma como lidar com ela. É consenso que McDonalds não é nutritivo nem bom para a saúde. Discordamos da forma como lidar com isso: minha visão de mundo é a de que deve-se informar as pessoas e deixá-las agir livremente, sempre. Quer dizer, ao Estado cabe informar que comer McDonalds demais faz mal. Isso não quer dizer que o fabricante seja “do mal”, como implicam as visões de esquerda. O fabricante faz um produto para diversão/entretenimento e que as pessoas gostam — taí as milhares de lanchonetes pra comprovar.

        O mesmo ocorre com o cigarro: faz mal, mas é um prazer que milhões de pessoas cultivam. O fabricante é vilão por proporcionar esse prazer?

        Na minha visão de mundo diferente da sua, o Estado deve informar o cidadão e este deve ser, a partir daí, responsável por seus atos.

        Uma vez um zé ruela te chamou de “primário”. Eu acho que quando afinamos a discussão e superamos a dicotomia do “bom” lutando contra o “mal”, nos afastamos desta crítica.

        • Veja bem, caro Haroldo. O filme em momento algum afirma que o MacDonald’s propõe que se faça todas as refeições do dia somente lá. O diretor faz uso da estratégia do exagero, da caricatura, para apontar algo que de outra forma acaba por passar desapercebido pelo grande público.
          Para deixar isso bem claro, pode-se fazer a seguinte comparação. Se o sujeito passar um mês comendo apenas na lanchonete Uno & Due que eu frequento no trabalho, com certeza não estará bem alimentado do ponto vista nutricional, mas também não estaria a beira da morte como foi o caso do diretor no filme. A lanchonete Uno&due também não merece ser “parceiros da saúde”, mas para ser mais direto, não vendem junkfood, ou seja comida lixo. O McDonald’s é um atentado a saúde e isso é o que o filme mostra.

      • como proibir uma droga e glamourizar a outra? Está provado que o uso abusivo de maconha ou big mag, ambos causam mal. Aliás, o big mac talvez cause mais

        • Uma não vicia a outra sim.

          Maconha cocaina crack e afins são drogas que viciam, que os mais fracos usam como “muleta”.

          Mac é uma droga de comida, que os fracos consomem por “moda”.

          Mac é um mal hábito não um vicio.

    • Você está errado; tudo em excesso é nocivo, mas o estado é responsável por proibir comidas não saudáveis. Há substâncias que não têm índice seguro de absorção no organismo, como corantes em sucos e refrigerantes, e estabilizantes em leite de caixa que são cancerígenos e destróem as microvilosidades do intestino delgado.

      Eu sei porque aconteceu comigo: uma diarreia crônica que durou uns 2 ou 3 meses devido a ingestão de leite de caixa com conservantes e estabilizantes. Hoje posso tomar o leite tipo A. A anvisa não deveria permitir que restaurantes e supemercados oferecessem comidas desse tipo.

      Um pão com peito de frango e salada é saudável sempre. O problema são os aditivos invisíveis a olho nú que estão misturados neles. Hoje as pessoas não sabem mais o que estão comendo, a não ser que comam sempre comida caseira.

      Para tentar driblar esse problema, as empresas inescrupulosas colocam uma tabela chamada “Valores Nutricionais” o que dá a impressão errada de que tudo ali é saudável, é nutriente, mas escondem os efeitos nocivos desses químicos que nunca deveriam ser consumidos… NUN-CA, em qualquer quantidade.

  • Se a questão é saúde, não deveríamos comer no MacDonalds NUNCA. Comer fast food “só de vez em quando” faz menos mal, mas faz mal à saúde, sim.

    O Ministério da Saúde é um órgão de visibilidade pública. A foto do ministro ajudando o executivo da MacDonalds a segurar o quadro com o “M” amarelo é bem icônica, assim como Lula vestindo o boné do MST, que é um movimento social (gostemos dele ou não). Naquele caso, a mídia espumou de raiva. Mas no caso do ministro amigo do palhaço, a mesma mídia acha que tudo bem.

  • O ministro após esta visita do representante da MacDonalds já estava fazendo as contas para campanha eleitoral ano que com a bem vinda doação da empresa americana.

  • O que essa malfadada rede fornece é de baixo valor nutritivo e com o exagero de gordura, sal, açúcar e outros ingredientes contribui em larga escala para a epidemia de obesidade que grassa na parte ocidental do mundo.
    Quando a Anvisa quis regulamentar a propaganda de “produtos alimentícios” como esses dessa rede eos fabricantes de falsos “remédios” diversos ( Inclusive os embelezadores e rejuvenescedores que tanto enganam as mulheres ingênuas), a grita da ABIA, ABERT, CONAR, ABP, etc., foi enorme, com a dedicada ajuda do PIG. Para eles, a saúde do povo que se dane, o importante são os seus sagrados lucros, que não dispõem de Lucrômetros ( nem sonegômetros ) para medí-los com exatidão…

  • Olá.

    Você já leu o livro: O livro negro do açucar. É estarrecedor. Vá no google e digite esse título. Como o açúcar, que está presente em praticamente todos os produtos que comemos está deixando os nossos jovens e adultos doentes. Dê uma conferida.

    Também tenho uma filha de 7 anos e é nossa preocupação diária. E como essas comidas e açucares viciam as crianças e adultos.

    Abraços
    Vitorino Schram

  • Eu não como no mc donalds. Aliás, eu não como hamburguers, vegetariano que sou.
    Porém, a atividade do mc donalds é lícita.
    Sendo lícita, não vejo mal numa empresa que pretende divulgar nos seus produtos orientações corretas sobre alimentação.
    Não vi nada no Governo estimulando o consumo do Mc donalds.
    Muito barulho por nada.

    • Você está errado. Empresas que vendem substâncias nocivas e cancerígenas para o consumo, em qualquer quantidade, não deveriam ser lícitas. E se a constituição brasileira permite que sejam, deveria ser substituída por outra que não oferece democracia para crime ou práticas inescrupulosas.

  • A Souza Cruz também é lícita, os fabricantes de bebida e a Taurus também são lícitas. Mas o Poder Público tem a obrigação de alertar a população ( como faz com os cigarros e remédios, além de limitar a certos horários a propaganda de bebidas) sobre os malefícios que a ingestão exagerada desses produtos faz à saúde

  • Qualquer um que passe 30 dias bebendo apenas Coca Cola, para repor liquidos, terá sérios problemas de saúde, porém, uma coquinha vez por outra não mata ninguém, e se matar, o defunto levará um sorrizinho de satisfação pro caixão.

    • o problema é que a propaganda estimula as pessoas a consumirem mais e mais. Se as coisas fossem como você diz, não haveria esse engordamento generalizado. Sobretudo de crianças. Se você cria restaurantes como o McDonalds que faz as crianças implorarem para comer ali tanto quanto for possível, gera o que está acontecendo nos EUA ou aqui. Espanta-me tantos defensores de corporações. E o pior é que tenho certeza de que só fazem isso por picuinha, porque se definem como de direita e acham que sendo de direita têm que colocar o interesse do capital acima da própria saúde e da de suas famílias, sobretudo as crianças.

      • Não é iso Edu, é uma questão de direito de escolha.

        Todos temos que ter responsabilidade e não necessitar que o etado seja o “pai” do cidadão.

        Pode falar mas o MAC encanta e induz o consumo, cabe aos pais e aos individuos terem responsabilidade em não cair no conto.

        Chega de infantilizar o cidadão.

        • Contanto que o cidadão receba informações. Sem informação, não pode fazer nada. Quando o Estado não divulga os problemas daquele tipo de comida e até avaliza, aí o cidadão não tem como se defender ou aos seus filhos. Não nos esqueçamos do déficit cultural/educacional deste povo. No mundo inteiro fumantes obtiveram vitórias contra os fabricantes de cigarro não sendo nem mesmo crianças e sabendo o que estão fazendo. A causa: anúncios publicitários glamourizando o vício. Já descobri o que é o liberalismo: é o que faz o cidadão ficar de quatro para levar do capital um pontapé na bunda. Duvido que você seja um mega empresário que defende a classe. Você é apenas uma marioneta, sempre a postos para defender aqueles que nem sabem que existe

          • Vamo engrossar então, apenas não aceito que o estado seja meu “senhor de engenho”.

            Alegar falta de informação é dizer que o estado é senhor de todo o conhecimento e transferir para ele o destino de bilhões.

            As vezes “vcs” tem a mentalidade de escravo que precisa do “senhor de engenho” para viver, sem ele para dizer como nossos filhos devem serem alimentados não sabemos como cria los, “vcs” não aceitam mesmo que alguns não sejam escravos do estado.

            Tem os que são “nós” e tem o que são “eles”.

            Pq a liberdade assusta tanto os esquerdistas?

            Creio que é costume da escravidão, ou covardia ou pior de alguma forma ganham algo com a escravidão de outros(esta sem duvida é a principal meta da esquerda).

            Ulisses dizendo aos gregos: – “Não é bom ter vários senhores; tenhamos um só”

            Isso lembra o discurso da servidão voluntária de Etienne de La Boétie.

            “Que uma nação não faça esforço algum para sua liberdade, se quiser, mas que ela própria não trabalhe para sua ruína. São os povos, portanto, que se deixam, ou melhor, se fazem manietar, pois quebrariam seus laços recusando-se apenas a servir. É o povo que se sujeita e se degola; que, podendo escolher entre ser súdito ou ser livre rejeita a liberdade e aceita o jugo, que consente seu mal, ou melhor, persegue-o. Eu não o exortaria, se recobrar sua liberdade lhe custasse alguma coisa – se bem que recuperar seus direitos naturais e, por assim dizer, de bicho voltar a ser homem, seja realmente o que deve mais interessá-lo. E, no entanto, não exijo dele tamanha audácia; nem quero que ambicione não sei que segurança de viver mais à vontade. Mas, quê! Se para ter a liberdade basta desejá-la, se para tanto basta o querer, haverá nação no mundo que creia pagá-la caro demais adquirindo-a com uma simples aspiração? E que lamente sua vontade de recobrar um bem que se deveria reaver a preço de sangue, e cuja simples perda torna a vida amarga e a morte benfazeja para qualquer homem honrado? Como o fogo de uma fagulha torna-se grande e sempre aumenta, e quanto mais lenha encontra mais a devora, mas se consuma e acaba, apagando-se por si mesma quando param de alimentá-lo – assim também, por certo, os tiranos, quanto mais pilham, mais exigem; quanto mais arruinam e destroem, mais se lhes oferece, mais o empanturram; eles se fortalecem na mesma medida e estão cada vez mais dispostos a tudo aniquilar e destruir; mas se nada se lhes dá, se não se lhes obedece, sem combatê-los, sem atacá-los, ficam nus e desfeitos – semelhantes à arvore que, não recebendo mais sumo e alimento de sua raiz, em breve é apenas um galho seco e morto.”

        • Você está errado, o estado tem que proibir cidadãos de fazerem coisas erradas, como impedí-los de comer substâncias nocivas e empresários de comercializar tais substâncias. O serviço do governo é governar, é administrar o país e não permitir que os cidadãos andem até cair num precipício.

          Deve haver liberdade de escolha para práticas benéficas, como ser engenheiro ou médico ou professor…, não para tudo.

  • Filmaço, e é bom lembrar, o diretor desenvolveu uma cirose hepática, sem tomar um gole de alcool!
    O ministro foi extremamente infeliz. Não há desculpas e a partir de agora ficarei sempre com uma pulga atrás da orelha com esse cara. Lamentável!

  • Coincidência: Ontem numa festinha de aniversário, vi adultos e crianças se empanturrando de guloseimas que sei, perigosas para o futuro da nossa gente. Bob’s e McDonalds.
    Um adulto que me parecia (até ontem), bem esclarecido, disse-me que não bebe água faz muito tempo.
    Pasmem: Bebe seguramente dois litros de coca-cola por dia e se sente muito bem. Seu filho de seis anos não faz outra coisa.
    Engoli em seco e “saí de fininho”.
    Pode-se argumentar alguma coisa com um sujeito assim, gerente de um banco do local?

  • Lamentável a atitude do ministro e espero que não se repita.
    Quanto ao que disse o Haroldo, isso eu não entendi! O fabricante faz um produto para diversão/entretenimento. Juro que eu pensava que era visando o lucro!

  • Infelizmente, os pais morrem de preguiça de fazer e dar uma comida saudável para os seus filhos, e dar essas porcarias dos Macs da vida é mais fácil. É preciso que os pais tenham mais responsabilidade. Só isso.

  • É o policiamento alimentar ao extremo. Em relação ao documentário, é bonzinho, mas bem superficial. O “cineasta” que o produziu sumiu.

    Todos que têm o mínimo de informação sabem que comidas fast food em geral não são saudáveis: Macdonalds, Bob’s, Burger King, Pizzas, etc. Como disse alguém antes, e se o cara passasse um mês comendo ESFIHAS? Ou pizzas? Ou pastéis? É claro que ele iria virar um balão.

    Tenho 4 filhos, a nossa alimentação é bastante saudável no dia-a-dia, mas de vez em quando saio pra comer um pizza, hamburguer ou outra coisa e não me sinto culpado. No cotidiano – que é o que importa – temos uma alimentação saudável.

    Sou pernambucano e quem conhece a culinária tradicional daqui sabe que os pratos não são leves. Hoje,por exemplo, fui para casa da minha mãe e o que tivemos pra comer (entre outros pratos): sarapatel. Queria ver o branquelinho americano passar um mês comendo sarapatel, buchada, tripa de porco frita, rabada, guisado de bode, etc. Ia explodir!

    Então, sejamos menos radicais e patrulhadores!

  • Saber que o Ministro da Saúde posou ao lado do “presidente” dessa multinacional canalha, que enche os estômagos de pessoas pelo mundo com o veneno que produz, é estarrecedor. Por sinal, as vítimas desses bandidos são principalmente crianças e adolescentes, escravizados por “alimentos” que possuem em sua composição química produtos destinados a produzir grande prazer após sua ingestão, o que levaria o consumidor a uma certa “dependência” dessas porcarias, explicando assim o sucesso que conseguem no mundo. É fundamental que a mídia alternativa passe a discutir questões como essa(se queremos um Brasil dominado por essas porcarias, lembrando que a obesidade cresce bastante em nosso país), sem contar outros lixos viciantes, como cigarros e bebidas, principalmente porque a reação aos “fast foods” ainda é mínima, se compararmos às campanhas de conscientização que já existem com relação aos males dos outros dois venenos. Os “Mac Donald’s e congêneres” prosseguem quase intocáveis, principalmente em nosso país, infestando as cidades com seu veneno que, além de não ter nenhum valor nutricional, infesta o corpo das pessoas de susbtâncias tóxicas que irão causar-lhes vários problemas de saúde, além da obesidade. Espero que a mídia independente mergulhe de cabeça neste problema(já que a conservadora é aliada incondicional de todas as multinacionais, incluindo-se as franquias de fast foods)e produza outras ações visando conscientizar a população sobre os malefícios desse veneno.

  • Srs.,
    De fato, ministo nenhum pode ficar posando em foto com quem quer que seja, porque, de boa intenção o inferno tá cheio!
    Quanto a comer, beber, fumar, jogar, se jogar da ponte, etc., cada um, cada um.
    Tem gente praticando ‘esportes radicais’ e dizendo que é saudável… até a hora em que perde um braço ou perna.
    Só fico com pena dos pais, mães, filhos e netos dos que comem, bebem, jogam e praticam os tais esportes radicais depois que a m.. acontece. É duro ter que cuidar de doente que procurou a doença.
    Daí uma certa razão pra controlar estas coisas de comida, bebida, vicios, etc.
    Bom, que vos escreve perdeu o pai com 69 anos por causa de alcoolismo. Precisa dizer mais?

  • A respeito do documentário, o objetivo do Spurlock era criticar e alertar os americanos sobre o tipo de comida que eles, a grande maioria, come o tempo todo! Para isso, submeteu-se às “delícias” do macdonald, mas poderia ter sido de qualquer outra rede. Esse tipo de comida (des)nutre os americanos, seja fora ou dentro de suas casas; até inventaram o drive-trhu para agilizar a compra do alimento rápido. O problema é que não há uma contrapartida oriunda de nenhum outro lugar, então, as pessoas perdem o livre arbítrio, são fortemente influenciadas pelas propagandas e pelo sabor, assim como peixes que mordem a isca.

  • Eu não entendi porque a Dilma não deixou o Temporão, um ótimo ministro. Esse aí… sei não… que interesses ele defende… ou melhor, agora eu sei.
    Aliás, por que a Dilma tirou o Celso Amorim? por que tirou o Frankilin? por que deixou esse anta, chamado Johnbim? o que será que guia a mão da Dilma de vez em quando? será o poderio do pmdb?
    O verdadeiro câncer do Brasil chama-se PMDB; está sempre no poder, desde 85… manda e desmanda, é uma filial dos tucanos; quando nos livraremos dele? olhem o Cabral filho…há alguém mais reacionário do que ele? e vive dando milhões para a globo, para o teixeira.

  • Durante o semestre passado, trabalhei com meus alunos da rede pública municipal de São Paulo num projeto em que debati com eles sobre a influência da mídia; a exibição deste filme foi o ponto principal
    do projeto. Mesmo mostrando os efeitos maléficos do referido produto e a cena em que Spurlock vomita
    após comer uma refeição Super Size completa, algumas crianças ainda se confessavam “com fome” por
    verem os sanduíches do Mac Donalds. Também, pudera ! A maior parte dos alunos ingere balas, doces e salgados compulsivamente durante o período ; é difícil controlar a ingestão destes venenos em sala de aula, mesmo a escola oferecendo almoço na hora do intervalo e um lanche na hora da saída. Acho que alguns se
    conscientizaram, mas a exposição maciça à mídia, oferecendo produtos ricos em açúcar, sal e calorias é mais forte. Mesmo assim, fiz a minha parte.

  • Eu particularmente não gosto de mac, a minha neta de quase 3 anos adora porque a mãe e o pai ofereceram e de vez em quando levam.
    A minha neta começou a não querer comer saladas, verduras e legumes e logo descobri uma maneira de mudar isso levando ela pra cozinha comigo e dando algumas folhinhas, cenoura e tudo mais para ela ir cortando,(brincando) não me atrapalha e ela voltou a comer e ainda se acha chefe de cozinha.
    Saio sempre para almoçar fora com ela aos sábados e sempre vira uma farra em volta da mesa, porque o prato dela tem um certo colorido, sem frituras e ela come bem um arroz com feijão, geralmente crianças de 3 anos dão trabalho para comer.

    Acho que Mec e toda essa porcariada que engorda e faz tanto mal a saúde, não deveria ser incentivado, mas como ninguém é forçado a comprar e comer, fica a criterio de cada um e principalmente dos pais saber negociar, acho que o problema é sempre o excesso ( de qualquer coisa) Rs,rsssssssssssssssss

  • EU SEMPRE DIGO ISTO AQUI COM A MINHA FAMÍLIA, OS SANDUÍCHES DO MAC DONALD SÃO HORRÍVEIS ENTÃO PORQUE SÃO TÃO CONSUMIDOS NO MUNDO INTEIRO? É NO MÍNIMO ESTRANHO NÃO ACHAM?

  • Baixar o Documentário – A Dieta do Palhaço – Dublado – O diretor Morgan Spurlock decide ser a cobaia de uma experiência: se alimentar apenas em restaurantes da rede McDonald´s – Documentário vencedor de inúmeros prêmios. – http://mcaf.ee/4sfjh

Deixe uma resposta