Reduzir maioridade penal é golpe de políticos para enganar otários

Opinião do blog

Toda vez que a sociedade é colocada diante da impossibilidade física de impedir o crescente aumento da violência e da criminalidade que o nosso modelo de organização social gera, políticos incompetentes logo aparecem com uma “solução” que sabem que irá demorar para ser adotada, se vier a ser, e que, assim, poderão usar como desculpa ad infinitum.

Mais uma vez, um crime hediondo, cometido por um grupo de rapazes – entre os quais só um é “menor” –, vai sendo usado por certas autoridades e por certa imprensa como “evidência” de que haveria algumas panaceias que teriam o condão de impedir que atrocidades análogas continuem se repetindo com a exasperante frequência que se conhece.

O horror e a estupefação que o caso da dentista queimada viva por assaltantes em São Bernardo do Campo (SP) gerou são mel na chupeta para políticos demagogos e espertalhões.

Funciona assim: governantes e “jornalistas” acumpliciados a eles aproveitam algum caso emblemático como esse – que tenha um menor de idade envolvido – e logo lhe atribuem a característica de “prova” de que se a maioridade penal for reduzida de 18 para 16 anos, por exemplo, estará resolvida a crise de segurança em que a sociedade brasileira está mergulhada.

A comoção diante de um crime aterrorizante como esse, digno de filme de terror, impede a sociedade de pensar logicamente e instila nela, em vez de raciocínio, um irracional desejo de vingança a qualquer preço, um sentimento animalesco que não resolve nada.

A imprensa mancomunada com esse tipo de político vigarista faz a sua parte. Na Folha de São Paulo de sábado, 27 de abril, uma carta de leitor leitor mostra como se pode espalhar ideias absurdas, dignas de um verdadeiro quadrúpede, como se tivessem uma réstia de lógica. Confira abaixo.

—–

FOLHA DE SÃO PAULO

27 de abril de 2013

Painel do Leitor

Maioridade penal

Sobre a celeuma em torno da mudança da maioridade penal, deve-se deixar claro que não são todos os adolescentes de 16 e 17 anos que irão para a cadeia, apenas aqueles que infringirem as leis. Ou seja, assim como funciona hoje com os adultos.

Luis Coutinho (Valinhos, SP)

—–

Dá vontade de chorar, não? Ainda bem que esse indivíduo avisou que ninguém propôs prender todos os adolescentes de 16 e 17 anos… Parece piada, mas não é. A burrice virou matéria-prima do “jornalismo” partidarizado de São Paulo, que trabalha dia e noite para impedir que a sociedade local reflita sobre como é governada.

Dessa forma, esse crime contra a pobre mulher de São Bernardo do Campo veio a calhar para o governador Geraldo Alckmin e para jornais e jornalistas sabujos. É praticamente impossível não sentir ganas de estrangular com as próprias mãos os rapazes que fizeram aquilo. E agora que foram presos, a imagem deles nas tevês, jornais e internet acirrará tal sentimento.

Não é à toa que, após a prisão dos suspeitos, praticamente todas as notícias sobre o crime, até aqui, destacaram que foi “o menor” quem acendeu o isqueiro que ateou fogo ao corpo da vítima embebido em álcool, como se a idade de quem cometeu a atrocidade fosse a responsável pelo sucedido.

Ao que se sabe, quatro rapazes assaltaram a dentista. É óbvio que foram os maiores que envolveram o menor, quem, muito provavelmente, se realmente foi quem ateou fogo ao corpo dela o fez porque quis mostrar aos mais velhos a sua “capacidade” de se igualar a eles ou até de superá-los em ferocidade e frieza.

Vender como solução para essas tragédias a redução da maioridade penal, como fez Alckmin, é um ato vil, desumano. É enganar a sociedade em um momento de fragilidade como esse em que está o povo de São Paulo, acuado pela incompetência de quem governa o Estado.

Quem assistiu ao filme Cidade de Deus, do diretor Fernando Meirelles, certamente se lembra do garoto Dadinho, quem, mais tarde, tornar-se-ia o traficante Zé Pequeno. O filme mostra como o criminoso cometeu seu primeiro assassinato coletivo aos 10 anos de idade, se tanto, e como crianças até menores já se envolviam com o crime há décadas.

Se reduzíssemos a maioridade penal para 16 anos, como quer Alckmin, quando ficasse claro que não teria adiantado nada logo o governador demagogo ou políticos e “jornalistas” tão demagogos quanto ele logo diriam que a “solução” seria acabar com a maioridade penal, e tome um outro debate infindável.

Quando o Brasil começasse a jogar crianças de 8, 9, 10 anos junto a criminosos altamente perigosos nas masmorras medievais em que encarceramos os que infringem a lei, aí seria a pena de morte a panaceia da vez.

Resta saber o que irão propor quando não restarem mais panaceias e a criminalidade estiver cem vezes pior. Talvez comecem a apelar para a cor da pele, por exemplo, já que, como se pode constatar todo dia nos tais programas policialescos, suspeitos negros e mestiços aparecem muito mais neles do que aparecem os brancos.

*

O hino da Classe Média

263 comments

  • Edu,

    Fico pensando, será que esses menores não tem pai e mãe.
    Por que não responsabilizá-los? Por que Chuchu não lança essa ideia , uma vez que ele não tem vagas na Fundação Casa.
    Por que não ouvir Padre Julio Lancelotti .
    Senão precisarão passar a maioridade penal para 14, 12, 10 e finalmente intrauterino.

    • O pai e mae desta crianca creceu em uma familia tao destrurada quanto que a oferecida ao menor infrator, portanto, neste caso, o prinipal culpado foi o Estado, que nao deu condicoes favoravel aos antecessores desta familia para que o resultado fosse o que estamos presenciando na atualidade.

        • Jorge, neste caso a falha é dos pais. Um desses erros – talvez o mais importante – é o de não permitir que os filhos entrem no mercado de trabalho. Com isso, os filhos adultos viram crianças más. Certamente foi o triste caso de Suzanne Von Richtofen.

          Mas note-se que, quando um menor de idade de classe média ou alta comete um crime, não há vozes clamando pela redução da maioridade penal.

          Assim como não há vozes clamando pela internação compulsória dos viciados em crack moradores de Higienópolis. A internação compulsória só vale para viciados pobres.

          • Lembrei do indigena queimado em Brasilia. Como ficou mesmo as consequencias para os criminosos?

          • Por favor, nos lembre um caso em que um jovem rico cometeu algum ato de barbaridade como o caso da dentista ou a tortura (pior do que qualquer na ditadura militar) que Champinha e seus lacaios fizeram a quase 10 anos?

            Ora, eu posso falar do caso do rapaz que atropelou um ciclista e arrancou o seu braço. O cara foi esculhambado em tudo que é lugar. Até mesmo a “associação dos ciclistas” teve uma reunião com o prefeito.

          • Pode-se entender, então, que rico não comete crimes… Mas e se ficar pobre, começa a cometer? Ou é tudo uma questão de cor da pele, pra você?

          • Voce estah enganado Locatelli.

            No caso da dentista que foi queimada viva, um dos acusados foi identificado justamente porque usou o carro da mae durante a pratica do ato criminoso. Um veiculo da marca Audi.

          • Ao marcrj:
            Vou fazer uma pergunta bem ao estilo do meu falecido pai:
            O que o cú tem a ver com as calças?
            O tal ‘audi’ não é prova alguma de que o cretino ou sua familia tenham posses.
            Aliás, se quiser vir a SC te mostro a quantidade de boçais que moram de aluguel em pocilgas e andam em SUV’s.

    • Isso não está longe de acontecer não. Afinal, existe uma tendência entre fascistas tucanos, como em São Paulo, da aplicabilidade da visão neomalthusiana com a população, onde o lema sobre o controle de natalidade mais conhecido era: “é melhor matar um pobre na barriga de sua mãe, que tê-lo que matar no asfalto”.

  • Triste mesmo. E mais triste ver como várias pessoas da sociedade engole e aplaudem este tipo de idéia.
    Recentemente estudando sobre a instituição da pena de privação da liberdade fiquei conhecendo que esta instituição nasceu com a necessidade de mão de obra para a indústria, e com a criminalização da “vagabundagem”.
    Assim, criminalizando a “vagabundagem”, as pessoa foram obrigadas a trabalharem a preço vil (a opção era a cadeia). (Sei há uma simplificação excessiva na descrição, mas contém a essência).
    De forma que me vem a pergunta: quando esta mídia diz que se são maiores para votar, deveriam ser maiores para serem penalizados, SERÁ que não está esta mídia se preparando para dizer: SE PODEM votar e serem penalizados, podem entrar no mercado de trabalho formal!
    Assim, não estaria apenas o velho sistema se preparando para “resgatar de volta” esta parcela importante para a exploração capitalista?
    Não sei, foram abstrações que me vieram a mente, com toda esta história de reduçao da maioridade.
    E concordando com o EDU: É golpe! apenas não sei se é de políticos, ou de uma determinada parcela da elite capitalista!

  • Toda essa demagogia dos políticos paulistas são, na verdade, pretexto para atingir Dilma em 2014 como única responsável pela insegurança pública nos grandes centros urbanos.
    Lava as mãos das PM’s, principalmente a de São Paulo, que a única competência que possui é o extermínio de pobres e a cumplicidade com o crime organizado. Vide Abadia e Denarc.

  • Boa noite, Eduardo

    Essa questão de maioridade penal é muito polêmica, mesmo.
    Não é reduzindo a maioridade penal para 16, 14, 12, 10, … que iremos solucionar o problema da violência praticada por menores.
    Você coloca bem a questão quando lembra que os políticos e os jornalistas demagogos teimam no debate focando a violência do “menor” por causa da idade, para que a população não perceba que a causa da violência do “menor” é outra e não a sua idade, que gera impunidade.
    Enquanto não resolvermos a violência praticada pelos adultos, políticos demagogos e mídia venal, não teremos solução para a violência do “menor”.
    Um abraço.

  • Quando esses imbecis e demagogos falam essas besteiras, a mídia partidária entra de sola, mas quando os professores entram em greve e fazem passeatas, não aparece nadica de nada no jornal nacional, na folha, na veja etc. Então é essa liberdade de imprensa que eles querem? Malditos!!!!

  • sabe de quem é a culpa disso?da sociedade alienada q foi na onda dessa imprensa e votou nesse atual governador de São Paulo.essa imprensa com esse governador querem é isso.depois são os mesmos q”se chocam”.

  • Edu, em principio (no sentido de a primeira impressão) sou a favor da redução da menoridade penal, porem eu entendo o que você passa no texto, ou seja, que as autoridades (especialmente de São Paulo) estão usando deste artificio culpando o menor para aliviar a responsabilidade que são SIM das autoridades “competentes” em responder pelo aumento da violência. Não adianta simplesmente modificar a lei rebaixando a menoridade penal se nao vier acompanhada do aumento efetivo da responsabilidade do estado em prover a segurança de todos, eu disse TODOS e nao apenas uma pequena parcela da população, assim posso dizer que em principio sou favorável mas para ai.. pois nada vai adiantar passando a responsabilidade penal ao menor de 18 anos se amanhã ou depois vai continuar a violência só que com os menores de 16 anos (como sabemos muitos destes menores tb tem menos de 16 anos) então eu entendo sua preocupação com essas “medidas” demagógicas dos políticos e da mídia, na verdade como está próxima as eleições do ano que vem, estes mesmos politicos e mídia jogam pra torcida tentando buscar nesta demagogia seu prováveis eleitores.
    abraços!

  • Primeiro… Se eu encontrar um desses sujeitos na rua, um dos responsáveis por este ato animalesco, eu vou matá-lo com as minhas próprias mãos. Que não dá mais, simplesmente não dá mais de engolir essa situação.

    Segundo, não adiantaria diminuir a “maioridade penal” para 15, 10, 8 anos que seja. O CERTO É NÃO TER MAIORIDADE PENAL. Cometeu um crime então paga por ele, INDEPENDENTE da idade do criminoso. E devo frisar que isso NÃO vai resolver o problema da criminalidade “magicamente” (seres humanos são terríveis para pensar fora do 8 ou 80), mas vai AJUDAR EM MUITO a combater o problema.

    • Ô sabichão, por que você não aproveita que está inspirado e propõe cadeia para crianças que fazem escândalo nas lojas, supermercados e nos shoppings porque querem alguma porcaria?

  • Eu não costumo gostar das soluções tucanas e piguentas pelo “populismo de classe média alienada” que costumam carregar, mas esse caso me preocupou.

    O fato é que um menor esteve diretamente envolvido nesse crime horrendo. Sendo que possivelmente ele matou a mulher por vontade própria, sem ter sido coagido. Pelo menos é o que parece.

    Há poucas semanas ocorreu outro homicídio perpetrado por menor. Matou o estudante a queima-roupa, na maldade mesmo.

    O que fazer? Mandá-los para medida sócio-educativa na fundação CASA, para depois de 1 ou 2 anos estarem livres? E quem segura essas feras depois? Terão que morrer mais vítimas? Será que esses sujeitos vão parar de delinquir porque fizeram 18 anos? Ou vão arrumar outro menor para assumir a culpa?

    Não sei o que dizer, mas independente das questões sociais (que devem ser tratadas, SIM), pessoas de alta periculosidade não poderiam ficar à solta jamais. Quem paga o preço da violência é o povo mais simples, porque os ricos se protegem com carros blindados e seguranças particulares.

    Estou passado…

  • Eduardo,
    Eu não sei o q pior…. Se as drogas, liberando a consciência de qq controle; ou se a imbecilidade. controlada de certas pessoas, tais como o governador alkiminho, q se liberam, conforme necessidades, particulares, vantajosas.
    As drogas são um dos problemas mais importantes, no âmbito mundial, q precisam ser equacionados e resolvidos, num prazo, marcado e minimamente adequado. As drogas são um problema mundial e, consequentemente, devem ser encarados, em conformidade.
    A produção, as políticas de repressão ao tráfico e ao consumo despendem uma soma enorme de dinheiro e, por isso, só fazem evoluir, em números. E, tal situação deveria ser “decretada” como inaceitável….
    É incrível a produção de drogas; é incrível o consumo de drogas. É incrível, ainda, a apreensão de droga, pelas autoridades. Agora, mto mais incrível, é q o volume apreendido, mais o consumido, não fecha com o produzido…. Por essa razão, o problema tem de ser resolvido à nível, mundial; num formato severo.
    Qto ao consumidor e o traficante; isso, deveria ser fato criminoso, de trato, local.
    A participação do familiar no fato, bem como o nível da responsabilidade do Estado precisam ser caracterizados e delimitados, definitivamente.
    Meu caro, o consumidor, o traficante e o produtor são, todos, criminosos. Qto àquelas pessoas envolvidas, de alguma, outra forma, com esse comércio, criminoso – q penaliza à todos, deverá ser enquadrado, devidamente.
    Eduardo, não é possível q uma leva de drogas, apreendida, volte ao mercado consumidor, novamente. Autoridades envolvidas em desvios, da natureza, deveriam ser enquadrados, severa e sumariamente; da mesma forma, autoridades, políticas, q falseiam situações, escamoteando suas responsabilidades na atividade criminosa… escapem de ser encaradas.
    Obrigado

  • Eu tambem achava que pena de morte era coisa de loucos. Hoje sou favoravel e gostaria de vê-la implantada já.
    A bandidagem cresceu tanto em todos níveis da sociedade que está insuportável.
    Pena de morte deve ser implantada imediatamente oara todos tipo de crimes que ameaçam a paz social.
    Incluo aí como um desses crimes, a corrupção e quero, peço, imploro, pena de morte para corruptos e corruptores já. Esse crime é o pior de todos, pois é sem dúvida a causa da grande maioria de todos outros.
    Maioridade penal nem deveria existir. Crime é crime não importa quem praticou e deve ser julgado conforme os parametros de sua execução, tenha o infeliz criminoso a idade que tiver de zero a 1000 anos de idade.
    MINHA CAMPANHA É ASSIM:
    CÂNCER É UMA DOENÇA QUE MATA SE NÃO FOR TRATADA NO ÍNICIO E SE VIRAR METASTESE ACABA COM TODO O ORGANISMO.
    BANDIDAGEM DE QUALQUER TIPO É UM CÂNCER SOCIAL E SE NÃO FOR ESTIRPADO NO INICIO PODE VIRAR METÁSTESE E MATAR O ORGANISMO SOCIAL.

    PENA DE MORTE JÁ

    • E tu devia ser o primeiro a ser enforcado!!!!!!!…….ah, dá licensa, corrupção é um crime que não atenta contra a vida humana, e ainda por cima pra provar isso é uma novela.Ou tu tá chegando agora no pedaço, quero dizer, no Brasil, ou tu não ligou a TV naquilo que vc deve conhecer como Mensalão:aí tu botaria o JD, JG, DS e outros mais na forca????????….inocententemente?….

      • Você não tem noção de quanto dinheiro publico é roubado pelos corruptos., Voce ssnão tem noção do porque falta dinheiro para segurança, saúde, educação, etcc…..
        SE INFORME MELHOR SOBRE ISSO E DEIXE SUA IMAGINAÇÃO RELIGIOSA DE LADO. SEJA REAL E FACTUAL.

    • Apoiado! Precisamos reagir ou teremos em cada família alguém morto brutalmente. Hoje não se está seguro nem dentro da própria casa. O despeito à ordem e à lei é um negócio absurdo no Brasil. Mas os exemplos vêm de cima. Vide o caso dos mensaleiros. A certeza da impunidade está por todo lado. Além disso, uma justiça que é feita quatro, cinco, dez anos depois do crime não é justiça. Nenhum processo deveria durar mais que um ano.

        • Edu, os crimes nunca acabarão.
          Meu avô já dizia que no Eden, o paraíso biblico, haviam 4 pessoas e uma já era criminosa.
          Uma coisa tenho absoluta certeza, se eliminarmos os cânceres já detetados, novos focos não aparecerão, isto é, as FEBEMs da vida perderão seus mestres instrutores e aí talvez, os políticos do momento passarão a usar as verbas não gastas para dar escolaridade bandidística aos menores em reedecução dos pequenos infratores e educação melhor para todos brasileiros.

        • Eu sou totalmente favorável à redução da maioridade penal!

          e o seu argumento (?) de q isso não acabará com a violência é de uma tolice ímpar…

          Se seguirmos esse “raciocínio”, podemos acabar com qualquer tipo de pena, pois, como podemos perceber, nenhuma delas acabou com a violência!

          dizer q, nos dias de hj, uma PESSOA (não uma criança) de 16 anos não é responsável por atos de barbaridade q venha a cometer é não conhecer o mundo q vivemos.

          • Na Inglaterra, há talvez 10 anos, um menino de 11 anos e um de 13 (se não me engano) foram condenados à prisão por terem assassinado um outro menino de 5 anos com requintes de crueldade…

            exames psicológicos são capazes de dizer se um adolescente tem ou não a consciência do crime q cometeu!

            Se um marginal de 15 anos cometer um crime e tiver consciência dos seus atos, deveria sim responder criminalmente por eles!

            seguindo a sua “lógica” poderíamos abolir QUALQUER pena, pois NENHUMA delas foi capaz de reduzir a violência, não é?

    • Isso aí. Pena de morte para corruptos, corruptores e sonegadores de impostos!
      Imagine só, desaparecem todos os leitores da Veja.

      Mas falando sério: esses desequilibrados falam de pena de morte, corrupção, mensaleiros, moralidade e tal, mas nunca vi reclamarem dos sonegadores.

  • QUANDO É QUE OS VIGARISTAS, BANDIDOS, CRIMINOSOS DE PSDB do Chuchu, do CHEIRADOR de CACAÍNA, e o TRAÍRA, terão corangem de apresentar qualquer número comparativo?

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  • Caro Edu,

    Li outro dia um post que dizia: Os menores infratores que o sr. Picolé de Chuchu quer mandar para a cadeia, nasceram e cresceram nos 20 anos do governo do PSDB, em São Paulo, do qual nem eles, nem suas famílias, receberam qualquer tipo de APOIO, EDUCAÇÃO, CIVILIZAÇÃO. Agora que o serviço está pronto, os criadores querem dar sumiço em suas criaturas. De pensar, não??

  • Caro Edu,
    Já que o assunto é segurança pública, vai aí meu ponto de vista:

    Hão dois tipos de polícia: a repressiva e a investigativa. No estado de São Paulo, por ser o estado mais rico do país, deveria, em tese, ser a melhor remunerada, certo? Pois é 2a. pior remunerada, a ponto de todos, eu disse todos, os membros da corporação têm que fazer bicos para sobreviver, sem contar que têm que ”viajar” todos os dias de serviço, pois é impensável morar ao lado da unidade que serve. Só esses 2 itens já daria um debate e tanto. Neste setor vou ficar por aqui. Agora quanto a polícia investigativa… sim a Polícia Civil. A polícia Civil do Estado de São Paulo se encontra em estado de total sucateamento. Mal remunerada, desmotivada, desaparelhada, sem esperança a curto prazo. Li recentemente que apenas 8% dos casos são investigados, pois não há ferramentas para e interesses para que toda e qualquer ocorrênvia seja investigada. Apenas os de grande comoção ou que se origine de ocorrências que envolvam alguém de posses ou famosas. Os pobres, negros e p… nem são entrevistados por investigadores. As ocorrências, quando são lavradas, apenas servem para estatísticas. Taí algo que se o Sr. Governador quizesse, promoveria uma verdadeira revolução em termos de justiça. Seria dar em primeiro lugar alguma dignidade aos policiais. Em menos de 6 meses, as estatísticas despencariam. Mas se isso acontecesse, muitos reporteres perderiam seus empregos, ou teriam que mudar de pauta. Muitas horas, hoje ocupadas por esses programas sensacionalistas teriam de ser extintos e, talvez, em seu lugar teriam que colocar algo mais inteligente e profícuo. Aí já é sonhar demais… não Caro Edu?
    Douglas Quina
    Mogi Guaçu – SP

  • Episódio digno dos defensores dos Direitos Humanos clamarem por pena dessa quadrília.
    Cadê eles agora?….estão escondidos atras de sua hipocrisia?Por isso que eu digo e não tenho medo nessa hora até mesmo de ser chamado de facista:
    -Bandido bom é bandido morto e enterrado em pé pra não ocupar espaço.

  • Mas por que não responsabilizar qualquer indivíduo por determinados crimes que tenha cometido, independente da sua idade? Acredito que estupro, homicídio, latrocínio, têm que ser respondido de forma igual por qualquer indivíduo que o tenha cometido.

  • Quando o mal se mostra em toda a sua crueldade, os seguidores, como você, atendem as determinações superiores para atacarem os que querem debater o que fazer, como se esta discussão fosse um linchamento. Comparar o confronto democrático dos pontos de vistas divergentes a um desejo irracional de vingança demonstra claramente a escala de valores típicas dos progressistas. Um militante torturado por motivos políticos é um mártir eterno, devendo os seus algozes serem perseguidos até o final dos tempos. Um trabalhador destroçado por motivos materiais é apenas dado estatístico.

    Queimar viva uma mulher, pois ela não atendeu as expectativas do valor do que esperavam saquear, é menos grave os atos monstruosos praticados nos porões da ditadura militar?

    Para vocês sim. Exigem a punição para crimes praticados há mais de trinta anos como exemplo para que tais fatos não voltem a ocorrer, enquanto apoiam que para os cometidos hoje o tratamento seja brando.

    “A comoção diante de um crime aterrorizante como esse, digno de filme de terror, impede a sociedade de pensar logicamente e instila nela, em vez de raciocínio, um irracional desejo de vingança a qualquer preço, um sentimento animalesco que não resolve nada.”

    Também não existe sentimento de vingança, ou melhor, de retribuição, ao exigirem a supressão da Lei da Anistia para que os criminosos que se aproveitaram da impunidade da tirania militar sejam condenados ao cárcere?

    • Só um psicopata compara jovens idealistas que lutaram para libertar o Brasil de vermes como você, que estupraram a democracia, estupraram meninas e torturaram até bebês de colo, com bandidos sanguinários que cometem um crime hediondo como o praticado contra a dentista. E note bem, animal: eu jamais preguei que bandidos em potencial como você fossem mortos ou torturados por terem praticado ou compactuado com os crimes da ditadura. Eu e todos os que querem passar aquele período de trevas a limpo só queremos envergonhar vocês para sempre, nos livros de história, para que as futuras gerações saibam de vossos crimes.

      • Eu comparei as vítimas do passado com as de hoje e os monstros de ambas as épocas. Onde no meu comentário eu fiz o contrário?

        Comparação 1: Um militante torturado por motivos políticos é um mártir eterno, devendo os seus algozes serem perseguidos até o final dos tempos. Um trabalhador destroçado por motivos materiais é apenas dado estatístico. ( ativistas do passado X vítimas atuais )

        Comparação 2: Queimar viva uma mulher, pois ela não atendeu as expectativas do valor do que esperavam saquear, é menos grave os atos monstruosos praticados nos porões da ditadura militar? ( assaltantes assassinos de hoje X torturadores da ditadura )

        Como pode estas descrições darem margem a confusão entre vítimas e algozes da ditadura no meu comentário?

        … atos monstruosos praticados nos porões da ditadura militar …

        … Exigem a punição para crimes praticados há mais de trinta anos como exemplo para que tais fatos não voltem a ocorrer …

        … exigirem a supressão da Lei da Anistia para que os criminosos que se aproveitaram da impunidade da tirania militar …

    • Quem tortura barbaramente, estupra, dá choque elétrico em bebê, mata com requintes de crueldade, deveria ser punido exemplarmente, seja de que lado estiver.

      Cremos que algumas pessoas que trabalhavam para o Estado brasileiro nos tempos da ditadura fizeram isso. Entretanto, uma coisa é defender a lei, outra é estuprar, é dar choque em bebê de um ano de idade. Fizeram isso, sabia? Para pressionar seus pais a falar.

      Você por acaso está de acordo com esse tipo de barbaridade?

  • Ato vil, desumano é matar uma pessoa com fogo. Desculpe, mas você perdeu totalmente a noção. Você sabe o que é uma pessoa morrer queimada? Este post é simplesmente lamentável. Representa um desrepeito a dor da família. Nunca deveria ter sido escrito. O Brasil não pode mais tolerar essa violência. É preciso conter esses criminosos. Eu queria ver se fosse uma pessoa da sua família. Uma pessoa digna, que estudou, se esforçou na vida para ter uma profissão, é morta dessa forma brutal e você acha que não é importante reduzir a maioridade penal? Essa moça estava apenas trabalhando, exercendo dignamente sua profissão. Pelo amor de Deus, nem trabalhar as pessoas podem mais e você acha que é mais um ataque da mídia golpista contra os pobrezinhos? Tem de reduzir já! É inacreditável. Vá à Arábia Saudita. Sabe o que esse crime renderia lá? Procure saber… Põe lá no Google, você vai poder ver… Sabe quantos crimes se cometem na Árabia Saudita? Só há uma língua que esse criminosos entendem: olho por olho, dente por dente. Só assim acabaremos com a violência no Brasil. Você acredita mesmo que hoje em dia alguém com 17 anos é ingênuo? Não sabe o que faz? É influenciável? Com internet, educação pública para todos, acesso a todos os meios de informação? Que pode votar? Que faz sexo? Cara, tenha dó. Redução da maioridade penal já! Para 12 anos! É o que eu defendo.

  • Já me envolvi em discussões intermináveis em família, sendo sempre contra a diminuição da maioridade penal.

    Mudei de ideia há tempos.

    Na minha opinião, em se tratando de crimes envolvendo morte dolosa, ou seja, homicídio doloso e latrocínio, ou ainda sequestro ou estupro seguidos de morte, o criminoso deve ser punido com o maior do rigores, independente da idade.

    Deus do céu, todos sabemos da imaturidade adolescente, etc…todos fomos jovens e erramos, mas espere aí! Eu com 17 estava entrando na faculdade, assim como milhares de outros.

    Ora, vai dizer que com 17 anos vc não sabe que não pode incendiar outra pessoa???

    DE NOVO: nem falei em tráfico, etc..Não defendo uma diminuição de maioridade irrestrita. Mas em casos de assassinatos dolosos (com intenção de matar), sou a favor que se puna até menores de 16 anos.

    Outro dia li um artigo muito bom, acho que na Carta Maior, dizendo que a esquerda já enfrentou quase todos os grandes temas deste Brasil, desde a educação, igualdade de gêneros, saúde, etc. Falta uma abordagem ampla sobre a violência, pois já descambamos para a bárbarie.

    Olha Eduardo, trabalho no Judiciário e acredite, às vezes nos deparamos com menores que dão mais medo do que muito marmanjo do crime por aí. Psicopatas adolescentes que debocham do promotor, do juiz…não estão nem aí pra nada.

    Creio que o Brasi precisa passar uma mensagem aqui dentro e mesmo para o mundo: aqui se valoriza a vida. Matou? Vai pagar caro. Não mate.

    Às vezes assisto a uns programas policiais na TV paga que mostram procedimentos da polícia americana, etc. Porra, os caras vão até o fim quando se trata de homicídio! Às vezes há brigas entre traficantes rivais que resultam em morte e a polícia vai atrás. Gastam dinheiro, tempo, material humano para denvendar a morte de pessoas que, muitas vezes, parecem ser piores que aquele que as matou.

    Mas não é porque são bonzinhos e tm dó do bandido morto. É que lá eles passam justamente essa mensagem: mexeu com a vida, a coisa torna-se séria. Qualquer vida.

    Inclusive lá, não há prescrição para crimes de homicídio. Se vc matou alguém há 30 anos e é descoberto hoje, vai responder por isso. Se houvesse algo parecido no Brasil, nem estaríamos discutindo sobre os assassinos que mataram na ditadura!

    Talvez seja hora de parar de gastar recursos com o (fracassado) combate ao tráfico de drogas, e dirigir os esforços para reduzir crimes bárbaros como este do qual falamos.

    Enfim: o assunto é sério. Merece ser tratado a fundo pelos governos, independentemente das cores políticas.

    É óbvio que a direita mais radical está errada com o mote de “bandido bom é bandido morto”. Isso não resolve.

    Mas a esquerda precisa aprofundar um pouco mais o assunto. Reduzir o problema apenas à questão da desigualdade social não resolve. Esta é um dos fatores, talvez o mais importante, mas longe de ser o único, que levam à criminalidade.

    Impunidade também é um desses fatores, e deve ser considerado.
    __________________________________

    Por fim, lanço duas questões aos comentaristas:

    – se matar bandido resolvesse, o Brasil seria um Jardim do Eden, pois o que nossa polícia mais faz é matar.. e estamos cada vez pior no quesito criminalidade.

    – de outro lado, o Brasil desde 1993 com Itamar, passando por FHC e principalmente com o PT a partir de 2003, atravessou o melhor momento em termos de ascensão econômica de sua gente. É inegável que as condições de vida hoje são muito melhores que na década de 80, por ex.

    Aí pergunto: caindo a miséria, não deveria ter caído a violência também? Trata-se de um fenômeno de melhoria social que já dura 20 anos! Só com o PT, que maximizou a distribuição de renda, já se vão 10 anos!

    Essa besta humana que matou a dentista, com 17 anos, já nasceu sob esse Brasil mais justo.

    A equação não fecha! Onde está nosso erro?

    • Achar que reduzir a maioridade penal vai reduzir os crimes, ou que a pena de morte resolverá alguma coisa, é um autoengano, a busca de uma solução mágica. Em nenhum lugar onde esse recurso foi adotado houve uma redução satisfatória da criminalidade. Tudo não passa de demagogia destinada a desculpar a incompetência do Estado e a irresponsabilidade social deste

      • Não considero como uma “solução mágica”, Eduardo, mas como uma ação ESSENCIAL para tentar evitar que a situação piore ainda mais. Notou como cada vez mais em crimes brutais o “besta-fera” do grupo é sempre o “de menor”? E mesmo quando não foi ele o autor da bestialidade, ele é que assume a culpa pois sabe que está praticamente impune (mesmo que tenha causado uma chacina), o pior que vai acontecer com ele é “medidas socioeducativas” e no máximo três anos de “internação”, mesmo que ele tenha cometido crimes dignos de receberem a pena de morte.

        Não é uma “solução mágica para acabar com a criminalidade com uma canetada”, é uma tentativa de evitar o pior dado que na atual situação estamos praticamente dando “carta branca” para os menores agirem como animais cientes de que não serão punidos.

        P.S: Na verdade tinha-se é que acabar com essa idéia ridícula de “maioridade penal”. O certo é o sujeito pagar pelos crimes que cometeu independente da idade que ele tenha

        • Em nenhum lugar do mundo esse tipo de medida reduziu o impediu a criminalidade. Nos EUA, vários estados adotaram pena de morte e redução da maioridade penal e depois aboliram porque não funcionou, não adiantou nada. Vamos extinguir a maioridade penal e implantar a pena de morte. Aí a criminalidade permaneceria igual e acabariam as desculpas dos políticos

      • demagogia é achar q uma pessoa de 16 anos não é maduro o suficiente para entender q matar é errado!

        demagogia é ficar falando q a redução da maioridade penal não vai diminuir a violência, pois NADA isoladamente diminuirá a violência!

        • O que diminuirá a violência? O Brasil já tem pena de morte – segundo a ONU, somos campeões em execuções extra-judiciais pela polícia. E nem por isso a criminalidade cai. Vamos ver o que você acha que diminuiria a violência.

          • ao contrário!

            quem está falando q a redução da maioridade penal não vai diminuir a violência é vc, como se uma única ação (QUALQUER ação) fosse capaz de diminuir a violência…

            Sua vez, portanto, de dizer o q diminuirá a violência!

    • Hoje não acredito mais que qualquer assalto é por motivo famélico. O motivo é o consumo de drogas. Ainda fica a eterna pergunta, cadê os grandes traficantes? Se até um ex-governador cheira (mas faz, segundo o pessoal do seu estado, isso eu ouvi), ele é conivente com o tráfico e ainda quer governar o Brasil, e se conseguir, aqui vai virar um Paraguai. Os políticos graúdos, os juízes e policiais, são coniventes? Se onde o “grande irmão do norte” exerce sua influência, há um recrudescimento no consumo e comércio de drogas, estariam tais autoridades influenciadas, monetariamente?

  • Acho que deveríamos adotar uma solucão parecida com a Holandesa, onde não existe uma idade única de maioridade penal.

    Partindo do principio de que cada pessoa amadurece num ritmo diferente, a Holanda estabelece uma faixa, entre os 14 e 21 anos, na qual um infrator pode receber o tratamento diferenciado.

    ***

    A coisa funciona mais ou menos assim:

    * Um jovem de 14 a 18 anos é julgado como menor.

    * Um jovem de 18 a 21 anos é julgado como adulto.

    ***

    Mas, em casos especiais, dependendo do crime e das circunstâncias:

    * Um jovem de 18 anos e um mês (por exemplo, que cometa um crime leve) pode ser julgado como menor

    * Um jovem de 17 anos e 11 meses (por exemplo, que cometa um crime hediondo) pode ser julgado como adulto

    ***

    Finalmente, dependendo do crime e das circunstâncias:

    * Um jovem de 18 anos e 6 meses… um jovem de 19 anos… 20 anos… 21 anos… pode receber o benefício de ser julgado como menor.

    * Um jovem de 17 anos e 6 meses… 17 anos… 16 anos… 15 anos… 14 anos… pode perder o benefício de ser julgado como menor.

    ***

    Como você pode ver, esse sistema leva em conta o fato de que não existe uma idade mágica a partir da qual a pessoa se torna adulta e responsável; o que existe é uma faixa etária, que deve ser analisada com cuidado.

    A lei Holandesa beneficia os jovens ao admitir que eles estão em formacão até os 21 anos de idade; mas não engessa a lei, ao permitir que jovens possam ser responsabilizados por seus atos, dependendo da gravidade dos crimes cometidos.

  • Edu, eu entendo perfeitamente quando a família e os amigos das vítimas desses tipos de crime se reúnem e saem às ruas para pedirem a redução da maioridade penal. Eu compreendo que os que perdem seus entes queridos, tomados pelo choque, peçam que os governantes tomem medidas extremas. O lado deles é compreensível. O que me dá nojo é que o Alckmin peça a redução da maioridade penal. Isso é demagogia tosca e torpe. Ora, quem está no governo de SP há mais de 19 anos? Que governo destruiu a educação, concentrou renda, pagou mal seus policiais e professores? Tudo isso é culpa do governo tucano, que destruiu nosso Estado. A violência só cresceu durante o governo tucano e apontar a redução da maioridade penal como a solução é hipocrisia. Que esses tucanos se olhem no espelho e vejam que o caos em que chegamos é culpa da política insana deles.

  • O crime organizado, no Rio, está deixando as favelas. Por que? Porque nos últimos 12 anos, o Estado deu condições para que um menino ou menina da favela tenham alguma possibilidade de uma vida melhor, sem ter que entrar para o tráfico.

    Nos tristes tempos do ex-presidente THC, ou mesmo antes, o morador de favela tinha duas opções: entrar para o mundo do crime ou continuar pobre até o fim da vida. Hoje isso mudou, devido ao aumento do nível de emprego e de acesso à educação superior. Resultado: o índice de criminalidade está diminuindo no Rio, permitindo que a Polícia ocupe as favelas, o que antes era impossível. Não defendo as ações por vezes truculentas da PM do Rio, mas o fato é que o estado paralelo dos traficantes está sendo demolido.

    O crime é resultado da própria sociedade. Pessoas como esses bandidos cruéis de São Bernardo têm que ser presas para a proteção da sociedade. Se houver um menor envolvido, ele tem que ser recolhido à Fundação Casa. Essa fundação teria que cumprir seu papel de reabilitar os menores, coisa que ela não faz. Assim como nossas prisões não reabilitam.

    Países que adotaram pena de morte não conseguiram reduzir a criminalidade. Como dizem juristas respeitados (Dalmo de Abreu Dallari, por exemplo) o que inibe o criminoso é a certeza da punição. Com nossas políciais civis desaparelhadas e sucateadas, o que ocorre é que os criminosos têm grandes chances de escaparem sem punição.

    Então, a situação é essa: 1) alto índice de corrupção nas PMs, com os soldados virando bandidos; 2) prisões que não reabilitam, ao contrário, são escolas de crime; 3) polícia civil sucateada, desaparelhada e desmotivada. E aí vem uns oportunistas e dizem que a solução mágica é reduzir idade penal.

    • Bem… Notou que a questão da maioridade penal é EXATAMENTE algo que deixa o “de menor” impune e portanto sem medo de praticar crimes? É esse o fundamental problema da idéia de maioridade penal, é o equivalente à “passar a mão na cabeça” do criminoso ao invés de puní-lo como deveria ser punido. Aí o adolescente ciente que será no máximo “repreendido” barbariza e mata à vontade.

      • Pelo amor de Deus, Daniel: Quatro psicopatas queimaram uma dentista viva. Um era menor. A maioridade não impediu três deles. Por que impediria o menor? Como não vai acontecer nada? Os “de maior” tiveram medo? Pela sua lógica, só menor cometeria crimes. Que tal passar uns dias na fundação Casa pra você ver como é bom, lá. Caramba, as notícias dos horrores que acontecem lá estão todo dia no jornal. Não é possível que você não saiba disso. Nem vou mais te responder, pois é um leitor antigo e vou acabar perdendo a paciência.

  • Sem a necessidade de ir-se muito longe, cabem alguns questionamentos:
    -Como a arma vai parar na mão do menor que pratica o crime?;
    – É de fabricação nacional?;
    – quando foi fabricada? para quem foi vendida? Verifica-se a cadeia de vida dessa arma?
    – Existem estatísticas de armas comercializadas x apreendidas?
    – E todas essas pessoas envolvidas nesta cadeia são menores?
    Sem falarmos da cadeia do tráfico de drogas e de campanhas políticas.
    Há sim que se vislumbrar uma forma de responsabilidade ao menor criminoso, mas não como mote da solução dos problemas de violência sob o prisma da comoção.

  • Eduardo trabalho com reeducandos do semi-aberto,e 60% tá nessa faixa de 18 a 25 anos.A situação está critica.4 intituições estão falhando.Familia,Executivo,Legislativo,Judiciário.

  • Como bem o Gerson Carneiro colocou no seu tuiter
    18 anos foi o tempo que o PSDB ficou no governo de São Paulo. Essa foi o resultado de sua gestão de 18 anos de desgoverno.

    Se tivesse cuidado dos pobres, certamente esse menor estaria hoje na escola e não nas ruas cometendo crime.

    Edu, realmente o governador é um grande demagogo, quer desviar a atenção como bem você colocou. Era um grupo onde só 1 era menor. Então mais uma vez a mascara do Alckmim cai…O menor foi levado ao ato criminoso, com certeza a ideia de roubar e depois matar não saiu de sua cabeça e sim daqueles que ele SEGUIA.

    MAIS SIMPLES, IMPOSSÍVEL.

  • Esta discussão é recorrente. Pena de morte e redução da maioridade legal. A sociedade muda seus hábitos e leis de acôrdo com a conveniência. Estamos numa situação em que o amparo pessoal do cidadão médio repousa na estatística. Se o percentual de atingidos pala violência é X, então minha família e eu temos Y chances de sermos atingidos. Claro que existem ajustes de acôrdo com a classe sócioeconômica. Foi noticiado recentemente que uma jovem escapou de um assalto graças ao carro blindado. Eu que não tenho carro blindado já fui assaltado três vêzes e tive a memorável experiência de viajar no meu próprio portamalas. Nas vilas, pessoas são expulsas de casa quando os traficantes decidem usá-la como ponto comercial.
    Assim fico com a impressão de que o humanismo das opiniões acima reflete a sensação de pessoas ainda intocadas pela criminalidade seja por sorte ou por poder pagar por segurança.
    Temos uma Constitução cidadã que distribuiu direitos e garantias como contraponto a uma ditadura. Nossa legislação permite chicanas legais e a postergação de penas ad nauseam como se vê diariamente no noticiário.
    Hoje, num plebiscito abrangente, tenho certeza de que seriam aprovados pena de morte, prisão perpétua, açoite e lapidação.

    • Estimado Rudi
      “Nossa legislação permite chicanas legais e a postergação de penas ad nauseam como se vê diariamente no noticiário”
      Rubem Alves diz que a função nobre da imprensa seria – “Ensinar o povo a pensar”
      Seria necessario então pelo menos mostrar o contraditorio. O Cidadania mostra o que ela não faz.
      Aqui aprendemos a pensar. Exemplo de um Mercadante do PT fulminantemente aqui criticado. Ele já se descupou saindo pela tangente – “Foi uma opinião pessoal” mas assinou a nota como Ministro da Educação.

  • Edu,
    vc pontifica que a redução da maioridade penal não resolveria nada, não seria panacéia, etc e tal. Se for por esse argumento, meu amigo, que se extingam as cadeias, as penas alternativas e todo o arcabouço legal e regulamentar que define o que é crime, o que é a responsabilização e as punições previstas em caso de infração, porque também não estão resolvendo o problema da criminalidade… E aí, vc vai defender a completa descriminalização de tudo?

      • Mas a questão, meu caro, não é impedir o crime. Todo o arcabouço legal e penal não o impede. A questão é de responsabilização.
        Vc acha que o “de menor” – neste presente caso, o da dentista – tem menos consciência dos seus atos do que o de “maior”?
        Vc acha que um jovem de 16 anos que já vota, já pode ser emancipado, já pode antecipar o tratamento para mudança de sexo, não sabe discernir o certo do errado?
        Por que as pessoas que se autointituam de “progressista” só o são quando defendem os direitos das pessoas (dirigir, ser emancipado, poder casar, poder decidir acerca de seu próprio sexo), mas na hora de defender a responder dos atos desses menores se mostram tão condescendentes? E isso sob o argumento de que o crime é reflexo da condição social…
        Será? Pois, pense muito bem, Edu: se assim fosse, TODOS os que estivessem sob as pressões da pobreza e da desestruturação familiar seriam bandidos. Se assim fosse, TODOS aqueles que nasceram em um cenário de riqueza e de estruturação familiar não delinquiriam. E isso NÂO acontece. Bandidos há em todos os meios, em todas as classes. Há um compoenet social, sem dívida, mas ele NÂO é determinante. No máximo, é um agravante.
        Torno a dizer; a redução da menoridade não visa acabar com a criminlidade. E sim tornar uma pessoa que já possui tantos direitos (votar, casar, definir seu próprio sexo), responsável em termos iguais ao de um adulto de 18 anos.
        Estudos neurológicos informam que o cérebro de um “adutlo” na média só se completa aos 25 anos… E aí, será que é plausível aumentar a maioridade penal para essa idade, em função do argumento de completitude do cérebro?

        • O objetivo da pena de privação de liberdade não é punir, é ressocializar. O problema é que sociedades atrasadas entendem as punições da lei como vingança. No crime em tela, havia 4 pessoas. Uma era menor. A maioridade não impediu os “de maior” de cometerem aquele horror. Ou seja: reduzir a maioridade penal só serve para vingança.

          Vá a uma cadeia e verifique o estrato social a que pertence a maioria dos presos. São quase todos pobres, com algumas exceções. Pobre comete mais crimes por que? Porque a pobreza em uma sociedade em que o importante é ter em lugar de ser, revolta jovens sem famílias estruturadas e, revoltados, acabam agindo como loucos. É simples entender, para quem quer entender.

          • Tá, sem entrar muito a fundo na sociologia do crime, os caras agem como loucos e por conta disso fica por isso mesmo, numa discrepância enorme de tratamento entre o ser que tem 17 anos, 11 meses e 28 dias (como foi o caso Deppman) e os que 18 anos completos? Isso é o que deve ser respondido. Vc traz para si uma culpa muito católica – de pecado original – e que se livrar dessa culpa, dessa autoresponsabilização pelas mazelas do mundo, deixando sem punição, ou sem punição adequada, aqueles que agem monstruosamente?
            Cadeia não visa apenas ressocialização; visa SOBRETUDO punição. E está se tratando disso, quando se fala em responsabilização. A ressocialização é que vai distinguir o inferno do paraíso em termos carcerários e ninguém aqui advoga o inferno para os presos. Áí, sim, estar-se-ia tratando de vingança. Aí sim, há a deturpação de conceitos e isso não foi devidamente atacado nem por governos de direita e muito menos – o que é pior, dado o maior compromisso programático – por governos de esquerda.

          • Se baixarem a idade penal para 16 anos, haverá crimes cometidos por adolescentes de 15 anos, 11 meses e 29 dias.

            Você se engana sobre o objetivo das penas restritivas de liberdade. O Direito não busca vingança – punição é vingança -, busca reinserir o indivíduo na sociedade ou protegê-la do indivíduo irrecuperável, mas não busca punir ou vingar o crime.

            A má qualidade da Educação no Brasil constrói pessoas como você, que transformam em fatos o que suas mentes elucubram como sendo o mais provável.

            Não há, portanto, o que faça esse tipo de barbaridade parar de acontecer em proporções tão grandes – acontece em qualquer país, mas nos países civilizados em proporções infinitamente menores, sempre por conta de desvios mentais.

            A banalização da vida tem que ver com uma sociedade mantida na ignorância e na luta ensandecida pelo ter, pois em países como o nosso quem não tem bens materiais não é nada, é um pária, um cidadão de segunda classe.

            Não há assunção de culpa alguma, muito menos por motivos de fé. Seu desconhecimento do funcionamento das sociedades mais civilizadas da face da Terra é muito grande. É difícil discutir com pessoas sem qualquer noção do que são os maiores avanços da organização social.

            Na Holanda estão fechando prisões por falta de criminosos http://diariopaulista.com/tag/holanda-esta-fechando-diversas-prisoes-por-falta-de-criminosos/

            Os holandeses não conseguiram reduzir tanto a criminalidade por serem loiros de olhos azuis, mas por usarem a lógica. Liberaram o uso de drogas – sob controle do Estado, claro – e acabaram com a miséria.

            Como explicar isso a alguém como você? É impossível.

  • Concordo com Edu, pois reduzir maioridade penal é golpe de políticos para enganar otários! Hoje o Estadão que é tucano de carterinha, me veio com a manchete de que um adolescente confessou ter ateado fogo na Dentista. Agora, pergunte para o governo do sr Governador Alckmin se ele tem onde colocar os novos sentenciados que obtiveram a maioridade?

  • Prezado Edu, parece que vocês estão lidando com presos políticos, a ditadura acabou a muito tempo, esses caras que estão matando sem piedade sabem bem o que estão fazendo, e não é culpa só do chuchu, não aqui na Bahia os menores esta fazendo terror junto com os adulto, a solução não é reduzir a idade, o criminoso cometeu o crime vai para a cadeia não importa a idade, esse negócio de matar e ainda ser herói, como vocês estão fazendo é um erro, investigue o comportamento desses adolescentes, eles não tem piedade não, e vamos acabar com esse negócio de 1/6, a lei tem que virar para no mínimo 1/2. A ir eu quero ver marginais comento esse tanto de crimes, eles estão matando sem piedade, então não devemos ter piedade com eles.

  • Realmente, para esses criminosos não deveria ter maioridade penal, e sim a guilhotina. A maioridade não resolve, estou com você. Desde quando a prisão vem resolvendo alguma coisa? Não vejo resultado algum, o que vejo é bandido saindo da cadeia e cometendo mais crime até que seja morto por outro bandido da iguala ou pela policia que não é santa. Guilhotina para o de maior e menor, assim a sociedade estaria mais aliviada, menos pesada, olhe o caso Elisa, 22 anos para o Bola e o advogado vai recorrer e vamos ver quanto tempo realmente vai ficar , uns 3 ou 7 anos, está solto até que a morte o separe de outros crimes, assim vivem os criminosos, não muito longe dos crimes. Viva todos eles e nossa sociedade estupida que não adota a primeira do mundo “olho por olho, dente por dente”. E estaria tudo resolvido, ou pelo menos a consciência mais limpa.

    • Pena de morte acabaria com o crime? Tem certeza? Aí está um bom tema pra abordar. Precisa de leitores que digam que acreditam nisso pra usar no texto. Você acredita?

      • Se realmente a pena de morte acabasse com o crime não haveria criminosos nos E.U.A e entretanto há tanta barbárie. Porém não correríamos o risco de o mesmo criminoso cometer outros crimes após sair das prisões. E muitos pensariam milhões de vezes antes de arquitetar um crime. Os psicopatas não são nada sociáveis e só dá prejuízo a sociedade. Por isso sou a favor da pena de morte, acredito que reduziria o crime.

  • Que o PIG já diz há intenções golpistas quando não conseguiram vencer pelo voto. E é golpismo dizer que o povo que agora vota na esquerda na America Latina, é ignorante e os que votaram no Serra, por exemplo, são os corretos, como quer fazer entender o PIG não criticando Alkimin pelo estado da insegurança atual para criminosos MAIORES DE 18 ANOS.
    Isso é uma ferramenta de uso político partidário – Exercemos poder de cooptação pelo que não noticiamos ( a insegurança geral de 10 aos 110 anos) e sim pela especificica (maioridade aos 16 anos)

    O Foo apresentou um dado de como é na Holanda. Quem diria ser inaceitável, irracional? Mas porque o PIG não estimula um debate serio?. (Obrigado Foo)

    Moro em São Bernardo do Campo. Consensual não podermos agir só pela catarse emotiva natural das famílias envolvidas. A mãe da dentista acha inconcebível a cruedalde cometida. Ela se coloca como sentindo a dor imensurável da filha.

    Conhecemos a postura do lado que o Edu defende. Ele tem lado sim. E tudo que sai no PIG deve ser analisado como um conjunto de ações para fragilizar eleitoramente a esquerda tomando partido da direita, senão vejamos alguns comentários de conhecidos direitistas aqui no Cidadania. É sempre assim: embarcam no coro do PIG. Alguns citam outros países com EUA e Arábia saudita. Mas a regulamentação da mídia dos EUA não é exaltada por eles como necessária.

    Sintetizo dizendo que enquanto a nossa desigualdade de renda familiar não for como na Hollanda e na Noruega, aquela consideração do Foo não pode ser aplicada. Enquanto a diminuição da desigualdade não fosse um consenso. Diria que debates sobre mairidade penal, educação, etc possam ser concomitantes ao prioritário da redução da desigualde porem separado do uso que o PIG faz. É isso que o Eduardo ressalta e proporciona. Parecemos Davis em luta com Golias, mas a nossa “funda” é poderosa – é o Cidadania.com

    • Não podemos nos escudar desse debate – que é altamente necessário – sob o argumento de direita/esquerda. Estamos falando, sim, de cidadania. Cidadania significa termos direitos e DEVERES. Se erramos, pagamos. Se erramos, assumimos nossos erros. Todos nós, independentemente da coloração partidária, temos o direito de viver em sociedade e o dever de agirmos de tal modo para que esse direito seja assegurado. Daí as leis, a definição de crime, a responsabilização e a punição. Está na hora de verificamos se a opção que a sociedade faz, há mais de 60 anos (idade do código penal em vigor) ainda faz sentido frente às mudanças da sociedade. Interditar o debate é que não dá. E a esquerda tende a perder esse debate – até mesmo por omissão – porque simplesmente não há mais como represá-lo.

      • É brincadeira: você não quer o debate “direta/esquerda” e termina atribuindo à esquerda a oposição à redução da maioridade penal. Pois veja que neste post mesmo há vários esquerdistas – que conheço, por serem leitores antigos – que apoiam a redução. Isso porque a sociedade está em pânico com a violência crescente e tende a acreditar em soluções mágicas e “urgentes” para um problema que foi construído ao longo de séculos

        • A redução nem é solução nem é mágica. Ela é a responsabilização de seres que têm direitos de adultos e são tratados como incapazes na hora de se responsabilizar por seus atos. Trata-se de agir com coerência frente à realidade. Muito simples, na realidade.

          • Quem lê essas besteiras vai achar que um menor que comete crimes fica solto. Há regimes diferenciados para menores, mas eles são privados de liberdade. Pare de escrever besteiras.

  • Acredito que nessa discussão tenha uma coisa crucial que são os projetos sociais que uma sociedade oferece de fato para as pessoas. Não é uma coisa que o Estado faça sozinho, embora a responsabilidade do Estado seja maior, porque contribuímos para isso. Na época da ditadura, vi nascer vários grupos de sustentação de direitos básicos com participação religiosa de vários credos nas várias pastorais distribuídas pelo país inteiro, comunidades de mulheres, artistas como Augusto Boal, de Amir Haddad com seu teatro de rua que debatiam com pessoas nas ruas sobre seus próprios problemas cotidianos, grupos de alfabetização pelo método de Paulo Freire. Na volta paulatina à democracia, ainda tão incompleta, as questões sumiram do cenário público, O noticiário, as novelas, os filmes de hoje trabalham na sua grande maioria com emoções violentas, efeitos espetaculares em que corpos são dilacerados a uma velocidade máxima sem que a vítima tenha a menor importância. Pelo contrário, a história se passa à margem da vítima, entre o bem e o mal, entre a autoridade e a criminalidade. No noticiário, intrigas de poder como nos filmes, terrorismos, ameaças, celebridades e esportes. Parece muita coisa, mas é tudo o mesmo do mesmo, a mesma e rasteira lógica. Nada a discutir. Tudo tem que ter um efeito de discurso, um clic e um imediato desligar. O meu também já está no limite do mesmo. Tem muita coisa que é evitada até por tabu. Mas se for discutir isso na Internet, primeiro terá que ter grupos de discussão, para depois grupos de defesa e de ponderação sobre algumas novas leis passarem a atuar junto ao estado, às escolas e ao congresso.Que, com certeza já existem, mas que não são noticiadas, portanto desconhecidas pela maioria dos cidadãos. Mas, para o assunto relativo ao post, no calor da hora, sou contra qualquer mexida na lei antes de nos debruçarmos nos problemas relativo aos nossos menores.

  • PELA DIMINUIÇÃO DA MAIORIDADE PENAL, sim

    Sim, esta provado, depois de mais de uma década de crescimento, de aumento nos programas sociais, de uma maior distribuição de renda e da geração constante de emprego com consequente diminuição do número de desocupados, esta provado que a MISÉRIA não pode ser responsabilizada unica, exclusiva e principalmente pelo aumento e manutenção dos números ABSURDOS, constantes e/ou crescentes nos índices de violência.

    Droga, fatores culturas naturais e importados pela mídia, desestruturação das famílias, coisificação da sociedade, valorização duma existência hedonista, tudo isso pesa, assim como pesa TAMBÉM a hipocrisia trazida pelos ditos defensores dos “direitos humanos” que só sabem ver o lado dos algozes, esquecendo-se invariavelmente dos MILHÕES de vítimas que se amontoam na desesperança de ver entre nós a existência duma verdadeira justiça..

    Afinal, o que queremos quando condenamos alguém ? Que exemplo mais importante deveríamos tirar destas tragédias ? Será que queremos nos igualar aos bandidos, será que queremos nos vingar, torturar, reparar, ou será que queremos dizer que o crime, pra quem os pratica, NÃO COMPENSA, que pra aqueles que ainda se mantem limpos es se sentem TENTADOS, que pra estes queremos dizer que o risco da pena certeira NÃO vale a pena, que não é sensato que por algum ato menos pensado o criminoso corra o risco de também perder a sua própria vida, a sua existência dentro de uma cadeia ?

    Francamente, prum país que não resolve nem 5% dos seus crimes contra a vida ..pra uma terra aonde NENHUM apenado cumpre a sentença promulgada em juízo . .pra uma NAÇÃO que diz que pra se votar, ato supremo de cidadania dentro duma democracia, que pra isso basta se ter 16 anos, mas que a mesma existência faz do indivíduo um ser “INCAPAZ” de pesar seus atos contra a vida do próximo, nosso bem MAIS SUPREMO, sinceramente..

    ..ficar defendendo que estas regras de maioridade atuais são corretas, NO MÍNIMO, é coisa de hipócrita, ou de quem nunca foi, ou se COLOCOU do lado da dor das milhões de vítimas inocentes que se somam a cada ano em nossas famílias.

    ps – sim, tb defendo com o mesmo fervor que todos os condenados tenham um tratamento HUMANO, livre dos presídios masmorras superlotados e ofensivos à dignidade humana que ainda fomos incapazes, mesmo depois de mais de 10 anos de governos pogreCistas”, incapazes de transforma-los.

    BRASIL, sinceramente, se neste ritmo, nem daqui 100 anos

  • Vamos aguardar mais tempo e ver nossas mães serem queimadas vivas e nossos filhos terem os miolos estourados por criancinhas de 17 anoas e 11 meses e ver no que vai dar…

  • Caro Eduardo
    A violência não está só em SP, mas no Brasil todo. Quando a violência atinge alguém da classe média, a mídia sai em sua defesa e procura manipular as emoções. Considero esse crime, no mínimo hodiendo, terrível, falar que eles não sabiam o que estava fazendo, é brincadeira de mal gosto. Vejo, de vez em quando nos jornais, adolescentes que compram carros de amigos, por R$50,00, R$ 200,00 reais, e , quando são parados em blitz policiais, ele dizem que não sabiam que o carro era roubado. O valor não diz nada?!É tudo malandragem. Com a mesma preocupação que vejo esses crimes, mas que se tornam vips, nos noticiários, vejo os crimes de pessoas, que tiram quantias fabulosas do país, e deixam dormindo nos paraísos fiscais.E saem reclamar da violência, como se a deles não fosse.
    Para certos governos, o povo é o bandido, como em outras épocas, negros eram mercadorias.
    Há que se conter extremos, mas não se deve parar por aí.
    Saudações

  • ontem uma coluna social da sociedade de consumo
    me comunicou revoltada que seria erigida uma estátua de 14 milhões pro lula
    cuja ordem já teria sido dada pela dilma
    como a diminuição da idade criminalizada
    a estátua tambem faz parte dos gravetos das mentiras
    constantemente jogados para manter acesas as fogueiras
    religiosamente sopradas pelos cultivadamente CERTOS
    empilhando razões para queimar os ignorantemente ERRADOS
    enquanto os certos tem a disposição
    mãos contratadas para violenta punição
    os errados ateiam seu contra fogo
    com as próprias mãos
    e assim a força como violência
    potencializada
    vai por todo tecido social
    dando lucros
    pro MERCADO…
    …de armas

  • Os discursinhos da tigrada: pela redução da maioridade penal e pela pena de morte… Tudo isso com vistas a lançar uma cortina de fumaça no corrupto e incompetente governo pessedebista de SP. Com a violência descontrolada e um montão de policiais dentro de gabinetes, se tal governo fosse de algum partido de esquerda ou da pseudo-esquerda, a impren$$$a martelaria diariamente, pediria a cabeça do governador e praticaria sua hipócrita histeria… mas, o incompetente é do PSDB, portanto, a culpa, para a imprens$$$a vai sempre estar em elementos externos so governante!

    • Há trouxentos projetos prevendo a redução da maioridade penal paralisados na câmara. Até onde eu sei, a proposta do Alkimin não é de redução de maioridade penal e sim de maior tempo de “internação” aos infratores de determinados crimes. Coisa bem de tucano: fica em cima do muro, dando uma solução mais “delicada” à questão.

  • Eduardo, eu gostaria de fazer um off-topic, se você me permite. Acabei de ler sobre alguns tuítes da Luana Piovani, revoltada com a briga dos poderes em Brasília, chegando ao cúmulo de dizer que vai “matar esses mensaleiros desgraçados”. Pra quem não viu, tá aqui: https://twitter.com/sigapiovani/status/327392521502216192 E continua com muitas outras pérolas, que nem vou me dar ao trabalho de reproduzir aqui.

    E aí, liberdade de expressão não tem limites?

    Um abraço!

  • Foram poucas as vezes que discordei de você Eduardo Guimarães, esta é uma delas.
    1) Você está completamente enganado sobre a capacidade de discernimento, inteligência e força física de um rapaz de 16 anos.
    2) Nosso código penal está ultrapassado.
    3) Não se trata apenas de diminuir a idade penal, claro que outras medidas serão tomadas.
    4) Ao completar 16 anos um jovem tem o direito de decidir civilmente sobre os destinos da Nação, portanto, não é nenhuma criança e deve responder por seus atos.
    5) Se as prisões não oferecem condições para a acomodação de jovens criminosos, então, que façam reformas em suas instalações.

    • Wilson, eu não disse em nenhum momento que um jovem de 17 anos não tem discernimento. O problema é que a sociedade está traumatizada e começa a criar coisas na própria cabeça e transforma em realidade. Você, agora, acaba de ler algo que não escrevi. Além disso, há, sim, responsabilização para menores – estão aí as infernais Fundações Casa, de São Paulo, piores do que qualquer prisão. Só que a ideia é que menores sejam internados em regimes diferenciados e que até determinada idade lhes seja dada uma chance maior de recuperação. É uma falácia que divulgam e muita gente compra sem raciocinar. Você parece acreditar que um rapaz de 17 anos pode delinquir e nada acontece. E o pior é que sabe, mas a comoção o deixa incapaz de raciocinar. Isso é trágico, pois o conheço (virtualmente) e sei que não é um reacionário. Dói muito ver pessoas como você serem ludibriadas assim.

  • Edu,

    O Alckmin deveria era renunciar, já que esses hoje menores de 18 atuando no crime em SP cresceram sob o manto governista do PSDB, que sucateou a educação, emburreceu a sua população infanto-juvenil, criou cidadãos sem futuro, sem perspectiva, sem vida útil (a não ser para o crime, onde são SEMPRE úteis).

    Ao invés de propor medidas de encarceramento, por que o FDP do Alckmin não diz que vai implementar programas que melhorem a educação, de preferência em tempo integral, com um turno de esporte, arte, culinária, artesanato e ensino técnico para que esses jovens tenham um preparação e criem perspectiva de uma vida melhor?

    Meter jovens nas cadeias de depois anunciar que prende e arrebenta sem limites é muito mais fácil que tirar da miséria esses jovens e suas famílias, além de tirar votos inteligentes das urnas. Presos, não votam, inteligentes, votariam… Em outro!

  • Achar que a redução da maioridade ou a pena de morte resultarão na diminuição da violência é de uma ingenuidade imperdoável.

    Enquanto a classe média continuar comprando as soluções mágicas da Veja e cia. não será feliz.

    Quem já morou na periferia sabe que quem entra para o mundo do crime está ciente de como essa trajetória acaba.

    Quem conhece a realidade das cadeias sabe que muitas vezes a Fundação Casa é PIOR do que as cadeias comuns. Isso já não seria punição suficiente?

    Vejam o crescimento da população carcerária em São Paulo. Vejam a quantidade de presídios que foram construídos na gestão do PSDB……….Isso diminuiu a violência?

    Cabeça não foi feita só pra usar chapéu minha gente…

    No dia que a classe média hipócrita exigir justiça social na mesma medida que exige ações radicais como pena de morte talvez esse lugar seja um pouco melhor para se viver.

  • O crime de SBC é revoltante e, pelo menos em mim, foi capaz de despertar sentimentos brutais. Dá vontade de aplicar o “olho por olho, dente por dente. Mas, passada a revolta, porém sem colocar no baú do esquecimento, temos que agir civilizadamente para não nos tornarmos como os criminosos. Alckmin, de olho no fator mais negativo de sua gestão, e os de sempre estão vendendo o ”elixir da eterna juventude” e muita gente boa está comprando. Como disse o blogueiro, encerradas as alternativas referentes à idade, iremos lançar mão de quê? Do fator genético, talvez?

    Falando em menores, como está Victoria, Edu?

  • Todos sabemos que menores que cometem crimes são internados em instituições do tipo “Fundação Casa”. Mas o tratamento é diferenciado e a responsabilização é diferenciada. O que se está tratando aqui é de responsabilização adequada ao tipo de crime que foi cometido. Se é justificável que um assassino que tenha 17 anos, 11 meses e 28 dias seja apreendido por nos máximo 3 anos e um que tenha 18 anos, 0 meses e 0 dias possa ter uma pena em regime fechado de 30 anos de prisão pelo mesmo crime. Se é entendível que alguém que é tratado como adulto em termos de direitos seja tratado como criança em termos de deveres. Essa é a questão, simples assim.

    • E qual é a idade para prender por 30 anos? 16 anos? E se o criminoso tiver 15 anos e 11 meses? E se for um garoto de 10 anos? É uma desculpa de governos incompetentes. Eles, em vez de admitirem que não estão lidando com a violência como deveriam, jogam a culpa na maioridade penal. Só 1,5% dos internos da Fundação Casa estão presos por assassinato. Enquanto se discute essa inutilidade, o grosso da criminalidade não fica em foco. E os otários caem direitinho nesse golpe

      • Vc, Edu, é muito mal educado quando chama de otários pessoas que têm determinada opinião. Quando crê que essas pessoas não podem ter discernimento e que são uma massa de manobra, teleguiada e incapaz de pensamento próprio.
        E, agora, concordo com vc: NÃO FAZ SENTIDO UMA LIMITAÇÃO DE MAIORIDADE em termos penais. Se a a criatura tem capacidade de disntinguir o certo do errado, que pague por isso. Em alguns países “bárbaros”, isso acontece.

          • Bom…

            a atual legislação não impediu os 3 maiores…

            deveríamos abrir mão dela e abolir qualquer pena?

            Alias, mais uma vez, na sua opinião o q iria IMPEDIR a violência?

            Vc fala q a redução da maioridade penal não iria impedir o menor de cometer esse crime bárbaro, não é?

            Diga o q impediria os 3 maiores de comete-lo!

          • Belo discurso…

            enquanto não tivermos justiça social, devemos fazer o q com a criminalidade?

          • Acha pouco o que já é feito? Temos o pior sistema carcerário do mundo e o Brasil e campeão de execuções sumárias pela polícia

          • o q está sendo feito é, claramente, insuficiente!

            e, parafraseando o seu discurso, não está acabando com a violência…

  • Em minha cidade uma família fez festinha de aniversário de um filho (2 anos), convida as crianças amigas e vizinhas, as brincadeiras rolando, uma das menores (11 anos) convidada vai a cozinha apanha uma faca de serra, se dirige a um dos quartos da casa, encontra uma outra criança (4 anos) dormindo e crava a faca varias vezes no corpo da dorminhoca, morte instantânea. Existe culpado? Quem? Fazer o quê? É um caso pontual? Punir como, onde e quando? Deixa por isso mesmo? Na casa do vizinho pode? Os fatos estão acontecendo em todos os nossos Estados e a sociedade politizando-os. Não seria mais oportuno um discurso pro solução do problema? Observo que não sou trolls e visito o blog diariamente, figura entre os favoritos, tenho aqui visto matérias fabulosas e oportunas. Edu, a violência em nosso país já descambou para muito além do possível e aceitável, se é que é possível a aceitação de tamanho sei lá… não dar para adjetivar. Precisamos dar um basta!

      • Edu, a obviedade desta resposta é tão latente que ofusca o principal foco do problema: A impunidade. As aberrações criminais estão acontecendo em todos os recantos do nosso país, independentemente do partido do governante. Os adultos praticam suas bestialidades (na vida real) não são punidos, as crianças veem, escutam, aprendem e sabem que é assim mesmo, podem até praticar que não vai dar em nada, isso sem contar o que passa na programação da maquininha de fazer doido, na verdade de fazer criminosos. A sociedade fica falando do sexo dos anjos, os Poderes Constituídos (Executivo, Legislativo, Judiciário, mais os que acham que são o quarto poder), agora todos fazem politicagem, pouco se lixam para os problemas reais. Segurança, saúde, educação é dever de Estado, é aqui que está o nó.

  • Discordo da redução da maioridade penal, mas creio que se deva dar um tratamento mais adequado e duro aos criminosos que cometem crimes com alto requinte de violência. Estas pessoas são psicopatas e provavelmente nunca poderão conviver em sociedade sem representar risco. Para mim deveria haver uma divisão entre o criminoso social e o psicopata, pois o rapaz que incendiou esta dentista é um psicopata. Outra coisa neste crime é que vemos ao mesmo tempo a falência do PSDB em dar educação aos jovens e ao dispositivo de segurança pública que só consegue agir depois da merda feita. As penas para crimes violentos devem ser maiores e eles devem ser segregados no sistema prisional. Provavelmente daqui a cinco anos a maioria deles estará nas ruas e reincidirá..

  • Pode ser que reduzir a maioridade penal não seja a solução, mas que aos 17 anos e também aos 16 anos e aos 15 anos e aos 14 anos, uma pessoa tem pela consciência do que significa e quais as consequências de PEGAR UMA GARRAFA DE ÁLCOOL E TACAR FOGO numa pessoa, isso eles tem.

    Eu olho pra cara desses vagabundos da foto e meus instintos mais primitivos são despertados…

    • Essa é a questão. Políticos demagogos usam a sua justa indignação para lhe vender uma fórmula mágica (reduzir maioridade penal) que não resolverá nada. Quatro psicopatas queimaram uma dentista viva. Um era menor. A maioridade não impediu três deles. Por que impediria o menor?

  • Olá Edu,
    Olá a todos.

    Uma coisa o Edu tem razão. Não se pode discutir as coisas sob a influência da emoção e comoção que nos toma a todos. Estamos indignados e entristecidos. Até mesmo envergonhados. Por isso, nosso julgamento está tão comprometido que não podemos nem devemos decidir nada a esse respeito.

    Por outro lado, o Gov. Alckimin esta muito equivocado ao defender a redução da maioridade. Na verdade, ele deveria responder à sociedade a existência de esquadrões da morte dentro da PM e porque o PCC não foi desmantelado até agora. A guerra entre o PCC e a PM é responsável por grande parte dos homicídios dolosos nos últimos anos. O número de casos envolvendo menores é pequeno. Ao que parece, o discurso do Gov.Alckimin só serve para desviar o foco.

    Mas se pensarmos na legislação brasileira, é um fato que ela pune com severidade os crimes contra patrimônio e é proporcionalmente leve contra os crimes contra a pessoa. Quantos foram os casos de assassinos (Pimenta Neves, Gil Rugai, apenas para citar os famosos) que não estão presos por seus crimes? Modificar a maioridade não altera essa realidade vergonhosa.

    Por fim, defendo a redução da maioridade para 17 anos não por causa dos crimes, mas por causa da imensa maioria de jovens que estão na universidade, ou gostaria de um emprego, ou estão aptos a habilitar, etc. A sociedade mudou e um jovem com 17 anos poderia ser considerado pleno.

    Mas o momento não é nada oportuno para discutir alteração da maiioridade.

    • Quatro psicopatas queimaram uma dentista viva. Um era menor. A maioridade não impediu três deles. Por que impediria o menor? Vamos extinguir a maioridade penal e implantar a pena de morte. Aí a criminalidade permaneceria igual e acabariam as desculpas dos políticos

      • Olá Edu;

        Como disse, não acredito que a redução da maioridade seja a solução para a criminalidade. Talvez eu não tenha sido claro ou estamos todos tão envolvidos emocionalmente que acabamos nos confundindo.

        A defesa dessa redução hoje não passa de uma cortina de fumaça daqueles que não querem assumir suas responsabilidades. A criminalidade hoje não é causada por menores, mas tem sido os esquadrões da morte da PM e a violência do PCC que são responsáveis pelo maior número de assassinatos. Reduzir a maioridade não altera isso.

        Pior. Discutir essa redução agora, sob o impacto emocional da morte da dentista um erro.

        Por outro lado, caro Edu, nossa legislação falha em punir o crime contra a propriedade de modo rígido (geralmente pobres, pretos….) e dá amplo defesa para o crime contra a pessoa (veja como brancos e ricos com bons advogados nunca são punidos).

        Antes de discutir a redução da maioridade, devemos debater essa questão do rigor da lei para os crimes contra a propriedade e como ela é branda para crimes contra a pessoa…

        • Quatro psicopatas queimaram uma dentista viva. Um era menor. A maioridade não impediu três deles. Por que impediria o menor? Vamos extinguir a maioridade penal e implantar a pena de morte. Aí a criminalidade permaneceria igual e acabariam as desculpas dos políticos.

          • Olá Edu.

            Não estou entendendo suas respostas ao meus comentários.

            Não estou defendendo a redução da maioridade penal nem estou dizendo que são os menores os responsáveis para criminalidade. Estou dizendo que a legislação é branda para crimes contra a pessoa e pesada para crimes contra propriedade. Por causa disso, as prisões estão cheias de pobres que cometeram pequenos delitos e não precisariam estar na cadeia, enquanto isso assassinos condenados com bons advogados não cumprem sua pena.

            E isso não tem nada a ver com a idade de quem comete o crime.

            Assim como você, vejo essa discussão sobre a redução da maioridade como uma cortina de fumaça, principalmente do Gov. Alckimin, para não explicar seu descontrole sobre a PM e o surgimento de esquadrões da morte.

            Principalmente, discutir essa questão agora é um erro dado o impacto da morte da dentista por psicopatas, um fato isolado que tem sido usado para esconder o principal.

      • Esses maiores que estavam com o menor que queimou a dentista, tenho quase certeza que vivem disso desde que eram menores e nunca foram devidamente punidos.
        A impunidade fez deles bandidões maiores e perversos, pois sabem que há impunidade em todos níveis da justiça brasileira.
        PENA DE MORTE JÁ.
        PARA TODAS IDADES.
        INCLUSIVE PARA CORRUPTOS E CORRUPTORES, O MAL MAIOR DA HUMANIDADE.

        • Você conhece algum lugar do mundo em que a pena de morte foi implantada e a criminalidade desapareceu ou sequer diminuiu muito? Nos Estados Unidos – que você deve amar – muitos estados adotaram a pena de morte e depois extinguiram porque não adiantou nada. Pena de morte talvez para cretinos que prejudicam a sociedade fazendo pregações de soluções mágicas – essa pena de morte eu aceitaria, se não tivesse pena de gente como você

    • Qual seria o momento adequado para discutir isso?
      Nunca houve um momento tão bom para essa discussão como o atual.
      É agora ou nunca mais vai haver essa discussão.
      Crime é crime, não importa quem cometeu, ou será que os defensores dos menores terão que sofrer na carne (na família) para mudar de idéia?
      Já vi muita gente que era contra mudar para favorável deopis que o fato ocorreu na família.
      Parece que os do contra pensam como diz o velho linguajar popular; pimenta no dos outros não arde.

      • Discutir redução da maioridade penal quando está todo mundo de cabeça quente é uma barbaridade. Aliás, discutir qualquer assunto afetado por um evento que pende para um dos lados é uma barbaridade. A burrice me deixa doente. Dá vontade de vomitar.

        • Esse assunto não é de só de hoje, já vem de do tempo que a FEBEM mudou de nome para Fundação Casa, para esconder sua finalidade maior que sempre foi dar escolaridade para os bandidinhos e não reeducá-los.

          • Escute, criatura, a Febem ou a Fundação Casa são masmorras, ocorrem torturas, assassinatos, tudo igual à prisão. Vá se informar.

      • Olá

        Não sei dizer quando seria o melhor momento, mas certamente esse é o pior.

        Antes de qualquer discussão, seria bom termos acesso aos estudos que nos dissessem qual a porcentagem de crimes de homicídio doloso praticado por menores, preferencialmente mostrando as faixas, para podermos decidir se existe algum problema aí ou não.. também precisaríamos saber o que aconteceu com os menores que cometeram crimes dolosos nos últimos cinco ou dez anos…. foram reincidentes? o sistema ajudou na recuperação? os psicopatas como Champinha foram identificados? Qual o custo dessa redução e o que deveria ser alterado no sistema para qualquer modificação?

        O problema é colocar uma ideia sem termos os dados para avaliar sua extensão e eficácia…

        Minha hipótese é que a redução da maioridade terá efeito nulo sobre os homicídios dolosos. Primeiro, me parece que o número de casos é muito pequeno comparado aos homicídios praticados por maiores. Também não acredito que alguém com qualquer idade, cometa um crime ou deixe de faze-lo devido a existência de uma pena prevista em lei. Se isso fosse verdade, não haveria assassinos com mais de 18 anos. Mas existem muitos. Inclusive PM´s.

        Por outro lado, a redução da maioridade irá ampliar as prisões por crimes contra o patrimônio, levando um número enorme de jovens para as cadeias, criando um problema muito maior.

  • Edu, os crimes nunca acabarão.
    Meu avô já dizia que no Eden, o paraíso biblico, haviam 4 pessoas e uma já era criminosa.
    Uma coisa tenho absoluta certeza, se eliminarmos os cânceres já detetados, novos focos não aparecerão, isto é, as FEBEMs da vida perderão seus mestres instrutores e aí talvez, os políticos do momento passarão a usar as verbas não gastas para dar escolaridade bandidística aos menores em reedecução dos pequenos infratores e educação melhor para todos brasileiros.

  • Enquanto isso… na Holanda presídios são fechados por falta de “clientela”. O que os demagogos [políticos, jornalistas, “formadores de opinião” em geral] ocultam é que o verdadeiro antídoto, o remédio realmente eficaz contra a violência é a solução do maior problema social: A DESIGUALDADE. Controle da inequidade e de iniquidade!

    • Existem diversas razões pelas quais a Holanda possui baixa criminalidade.

      Uma delas é que eles optaram por um sistema igualitário, onde o salário mínimo equivale a R$ 3 mil.

      Como isso é possível? Simples: qualquer valor acima de 3 salários mínimos paga 52% de imposto. Isso faz com que todo mundo receba entre 1 e 3 salários mínimos, e não existam absurdos como no Brasil, onde um deputado pode receber 40 salários mínimos!

      Outra diferenca na Holanda é o tratamento dado à questão das drogas, particularmente a maconha. A Holanda é uma sociedade pragmática; eles chegaram à conclusão que, se não podem acabar com um problema, o melhor a fazer é reduzir os danos. Preferem permitir o consumo controlado do que proibir e ter que lidar com o tráfico, com a violência e a criminalidade.

      Esse pragmatismo holandês também aparece na maneira como lidam com a responsabilidade penal; como eu mencionei anteriormente, não existe uma idade única, como no Brasil. Eles tratam os jovens entre 14 e 21 anos como um período especial, entre a infância e a idade adulta. Via de regra, eles dão preferência para medidas sócioeducativas; mas a lei permite que o juiz leve em conta a gravidade de um crime.

      É isso o que às vezes falta ao debate no Brasil: nós insistimos nas linhas imaginárias, no preto e no branco, e esquecemos que existem áreas cinzentas.

    • Ah…

      Uma coisa que eu esqueci de comentar:

      Das três medidas acima — reducão da desigualdade, legalizacão das drogas leves, e revisão da maioridade penal — apenas uma delas está em curso no Brasil: a reducão da desigualdade.

      O problema é que essa é uma iniciativa de longo prazo; se continuarmos a avancar no ritmo atual, vamos nos tornar uma sociedade mais justa e igualitária em 20 ou 30 anos — o que é ótimo.

      Mas, e até lá? Não podemos discutir outras iniciativas?

      Infelizmente, o debate parece estar interditado.

      A direita (particularmente a religiosa) não aceita discutir a legalizacão das drogas; e parte da esquerda não aceita falar em revisão da maioridade penal.

      O que falta, de um lado e de outro, é perceber que

      1) a legalizacão não implica em um liberou geral; e

      2) a revisão da maioridade não implica em acabar com as medidas socioeducativas e passar a encarcerar todos os jovens infratores.

      Ou seja: não precisamos de radicalismo, nem para mudar, nem para manter o status-quo.

  • Eduardo, sugiro que devêssemos trazer o debate para a desmilitarização das polícias, conforme prevê diretriz estabelecida na Conferência Nacional de Segurança Pública. Não vejo nem a grande mídia nem os blogs progressistas falarem do assunto. Penso que a PEC37 e a redução de maioridade penal estão muito relacionadas com a falta de uma efetiva polícia judiciária no Brasil, que supra o país de uma lacuna que nos leva a depositar esperanças no Min. Público (para alguns) e na Polícia Militar (para outros). Devíamos debater e fazer um chamamento público pela humanização, democratização e desmilitarização da polícia, pela implantação de uma efetiva e forte polícia judiciária, civil e controlada pela sociedade!

    • Assino embaixo, Flávio.

      Conhecido blogueiro, ex-oficial da PM, disse: “a ditadura militar não acabou, ela continua viva nas PMs de todo o Brasil”.

      É preciso fortalecer as polícias civis, hoje sucateadas e desmotivadas. São polícias preventivas, que investigam. Podem até mesmo investigar crimes de colarinho branco.

      As PMs, por outro lado, se especializaram em assassinar pobres e pretos.

      Por falar nisso, o PIG não noticia mais as chacinas que continuam ocorrendo nos bairros pobres de São Paulo. E, se por acaso alguém resolver testemunhar nos tribunais, morre também.

      • policia civil não tem nenhuma fiscalização, cada policial faz o que quer, na pm, para cada soldado tem quatro fiscal, a todo momento tem pm sendo demitido, na policia civil, o policial é apenas mandado trabalhar em outra cidade do estado. O problema no brasil é a lei branda demais, a lei de execução penal dá o direito do criminoso ficar apenas um sexto da pena de reclusão preso fechado.Se houvesse punição deixando o criminoso cumprir integralmente a pena de reclusão fechado a violência iria abaixar muito.

  • Uma pena os políticos utilizarem da comoção pública para fazerem politicagem. A maioria da população defende a redução da maioridade penal, mas o fazem mais por sentimento de vingança (“ah, e se fosse sua filha, vc mudaria de ideia…”). Cabe aos governantes pensarem no bem estar da população como um todo e não utilizarem o tema para atacar (mais uma vez) o governo federal ou se autopromoverem. Vergonha alheia do Alckmin, que prova da própria incompetẽncia quando propõe algo assim. Claro que a redução não vai diminuir a criminalidade, mas sim o combate às organizações criminosas (PCC) e acesso à educação. Não tem solução mágica. Aliás, não vi nenhum estudo falando qual a porcentagem de menores que cometem crimes. Muitos, poucos, quando eles têm mais de 18 anos saem da criminalidade? O que os leva a cometer crimes? Por que não se fala em redução da maioridade penal quando um playboy mata alguém?

    • penso que se o adolescente pode vota, ele também pode ser penalizado quando comete crime, só as pessoas que vivem cometendo crimes são contra a policia e contra a justiça. Menor tem de ser punido sim, penso que a partir dos 12 anos.

  • Eduardo, tudo bem? Este tema realmente é polêmico. Minhas opiniões são:

    1] Sou totalmente contra a pena de morte;
    2] Sou a favor da extinção da maioridade penal para crimes hediondos (e só para estes);
    3] Ainda assim, os menores condenados por crimes hediondos devem ter ambientes de reclusão totalmente diferentes dos maiores de idade (juntar maiores e menores de idade em uma cadeia seria um erro total);
    4] A forma de ressocialização e o abrandamento da pena para menores cometedores de crimes hediondos seriam bem mais favoráveis do que seriam para os maiores; e
    5] O Alckmin e o PSDB estão se utilizando de um debate sobre a maioridade penal para camuflarem sua TOTAL INCOMPETÊNCIA no trato com a coisa pública.

    Abs, Fábio Faiad.

  • Ok, vou lhes fornecer uma visão mais fria e lógica da questão.

    Porquê não deveria existir maioridade penal? Porquê isso faz com que deixe de ter a punição proporcional ao crime cometido, que é a base da repressão ao crime. O criminoso comum é preso e passa vários anos na cadeia se matar uma pessoa, mas o mesmo não acontece com o adolescente. O que estamos ensinando aí ao adolescente? Que ele pode cometer crimes, porquê a punição – se houver – será bem mais branda do que a para o adulto. Na ânsia de querer evitar erros e de querer “proteger as crianças”, estamos deixando uma enorme brecha nas leis que os criminosos se aproveitam sempre que podem. E leis com brechas deixam de ter eficácia.

    E deveria existir a pena capital, por uma questão que TODO MUNDO ESQUECE OU FINGE ESQUECER: Assim como existem os criminosos que podem ser recuperados, existem os que não podem. Assim como existem os que só precisam de uns meses na cadeia para pensarem na besteira que fizeram, existem também os que só irão parar de serem ameaças quando estiverem mortos. Devemos tentar recuperar os primeiros mas… o que fazer com o segundo caso? O que fazer quando o sujeito não deveria nunca mais ser solto? Por esta razão que pena de morte é usada, se fosse apenas prisão perpétua não apenas as cadeias ficariam rapidamente lotadas (por terem que conter pessoas até elas morrerem de velhice, um período várias vezes maior do que o infrator comum) como a sociedade ficaria o tempo todo sob o risco do sujeito escapar e começar tudo de novo.

    E finalmente, todo mundo ao pensar na situação se esquece completamente do sofrimento das vítimas e das famílias das vítimas. Pessoas para as quais foi imposta “pena de morte” sem elas terem cometido crime algum, sem direito à qualquer julgamento. Ninguém lembra disso ao definir a pena do criminoso.

    • Reflita: O Brasil já tem pena de morte – segundo a ONU, somos campeões em execuções extra-judiciais pela polícia. E nem por isso a criminalidade cai

      • A criminalidade não cai porquê o criminoso está ciente da sua virtual impunidade, Eduardo. A maioria já fica impune porquê não houve testemunhas ou porquê quem viu morre de medo demais para denunciar (somos uma sociedade de ovelhas, mas isso é assunto para outro dia).

        Quando acontece do criminoso ser pego pela polícia, ou ele é solto por falta de provas (o sujeito é o culpado mas a nossa polícia geralmente não têm os meios para provar isso) ou porquê as leis sempre têm alguma brecha _grave_, como a questão da maioridade penal.

        Ou seja, a chance do criminoso ser punido de acordo com o tamanho do crime que ele cometeu é MÍNIMA, e o criminoso sabe muito bem disso. E, por este motivo, que a criminalidade não diminui.

        A solução para a criminalidade então você perguntaria? Não é “mágica”. É educar para o cidadão não pense em cometer crimes, é ajudar os desesperados que estão em um beco sem saída da vida, é punir – sem ver à quem – os que infringem as regras que nos permitem viver em sociedade e, inclusive, cortar as “ervas daninhas” quando elas aparecem. É tudo isso junto e mais, não é uma ou outra ação sozinha que vai fazer o problema desaparecer magicamente.

        • Olha, a instituição da pena de morte, em caso geral, é impossível atualmente. A constituição federal de 88 já torna isto um ato não permitido de forma alguma, nela já é prevista uma exceção ao direito à vida, a pena de morte para o caso de traição em guerra. Não é permitida nem cogitada a pena de morte na vigência da atual constituição porque o direito à vida assegurado pela constituição é cláusula pétrea, e cláusula pétrea não pode ser contrariada em sua essência, pode ser melhorada para garantir mais o seu sentido.

          A CF de 88 assim instituiu desta forma porque já havíamos passado por um regime de exceção, que o estado pratica tortura e pena de morte, ainda que escondidamente. Além disto, tribunais de exceção eram bastante comuns, de forma a se poder fazer qualquer coisa e condenar ao bel-prazer.

          A única forma de a pena de morte ser instituída é revogando-se esta constituição e criando-se uma nova.

          A solução para a violência é um ato conjunto. O principal é a melhoria das condições sociais, porém uma mudança no código penal, no regime penitenciário e também na sociedade, em relação aos que cumpriram a reclusão penal e voltam à sociedade, mas por medo, não empregam estes indivíduos. Acho que baixar a maioridade penal de 18 para 16 não adiantará. Haddad falou numa mudança do sistema da FEBEM, um certo rigor junto com uma melhora de suas atribuições. É algo complexo que exige um plano maior.

  • Tem uma coisa que ta me intrigando muito, sempre que acontece um crime barbaro como este, logo aparece A Policia a com um “suposto” criminoso de menor. Eu tenho por principio não acreditar na Policia.
    Motivos para isto não falta.

  • Uma amiga professora me contou que fica depressiva todas as vezes que chama uma mãe de aluno “problemático” pra conversar. Ela diz que ouve histórias deprimentes de adolescentes cujos pais estão presos por tráfico de drogas, mães viciadas, filhos que são espancados pelos padrastos etc. Certamente, são esses jovens que mais tarde reproduzirão a violencia sofrida. Estou certa de que, se o Maukimin e demais governadores, em vez de desperdiçar dinheiro público com tantas coisas supérfluas, adotassem a escola de tempo integral de qualidade, e contratassem assistentes sociais e psicólogos para acompanhar essas crianças e adolescentes, oferecendo-lhes a oportunidade de um futuro melhor, eles não se envolveriam com o mundo do crime!!! Mas não, eles preferem expor ao mundo sua INCOMPETÊNCIA, procriando menores-bandidos e atirando-os em suas fétidas e superlotadas escolas do crime!!!

  • Querido Edu: os conservadores têm uma única solução para tudo, a morte. Nunca está nos planos deles, oferecer dignidade para diminuir a criminalidade. Enquanto o nosso judiciário, repleto de corruptos justiceiros, não for reformulado, a indignidade sempre será o que a sociedade terá a oferecer. Quando nosso corrupto judiciário começará a dar exemplos de retidão? Quando prenderá bandidos MAIORES do colarinho branco? Porque, na verdade, quem tira toda a possibilidade de mais investimentos em programas que diminuirão a criminalidade do jovem, está sendo desviada pelo MAIOR do colarinho branco, que nunca é punido pelo corrupto judiciário. Nosso judiciário, é apenas uma judiciaria, um balcão de negócios.

  • Cara, não tem nada a ver com diminuir a CRIMINALIDADE: tem a ver com justiça, palavra que a esquerda detesta, sobretudo se for contra gente de classe menos desfavorecida. A justiça deve ser aplicada para ricos e pobres, mas parece que vocês, esquerdistas, só querem que os ricos vão pra cadeia. Dane-se a renda do indivíduo. O que importa é o crime que ele cometeu e qual é a pena que será aplica.

    Coloque-se na figura do pai de Liana Friedenbach. Você gostaria que o menor ficasse só três anos preso depois de saber o que ele fez com a sua filha?

    Eu não entendo essa paixão da esquerda por bandidos.

    Ah, e outra: a criminalidade em SP caiu bastante de 10 anos para cá, ao contrário do que acontece nos estados do NORDESTE, majoritariamente governados pelo seu partido: PT.

      • Pois é. O pessoal do mensalão é bem rico e está soltinho por aí

        E vocês é que querem ricos soltos, ao contrário da direita que deseja tanto rico quanto pobre presos. A mesma justiça para ambos.

        A partir do momento que a esquerda diz que a criminalidade é resultado da desigualdade social ela está dizendo nas entrelinhas que pobre comete mais crime. É ou não é verdade?

          • Parabéns pelos sues comentarios EDUGUIN….e o pior de tudo que em pleno século 21, existem pessoas que acreditam que existem ricos presos…e não que não exista pena de morte no Brasil…rsrs…mas na prática é isso mesmo, 99,9% dos presos são pobres e pena de morte já existe a muito tempo…pois só morrem Inocentes, Policiais e Criminosos…ou será que as pessoas pensam que os criminosos envelhecem…criminosos só tem 2 caminhos, cadeia ou caixão…então a pena de morte já existe a muito tempo…porém apenas para pobres, pq rico anda de carro blindado e com seguranças, e o Inocente morto por bandidos, o policial e o próprio criminoso são todos POBRES.

          • A criminalidade independe da classe social. Conheço ricos e pobres criminosos. Numa favela, a maioria das pessoas trabalha e leva a vida normalmente, mas alguns se envolvem com o crime, infelizmente. Não acredito que a pobreza leve ao crime. Isso é uma falácia. Se houvesse lógica nisso, todo os pobres seriam criminosos, o que não é verdade. No Canadá, por exemplo, a maioridade penal é de 12 anos, mesmo havendo elevado grau de desenvolvimento humano. Em outros países avançados, pune-se o indivíduo sem considerar a idade mas se levando em conta a gravidade do delito. O país precisa repensar essa questão com urgência.

          • Ta eduardo, mas os mensalleiros são ricos e irão para a cadeia então havera ricos na cadeia, sinal que o pais ta melhorando concorda/????

        • Os ricos não são condenados porque contratam os melhores advogados. O pobre tem de se contentar com um advogado dativo. Por isso quando um rico mata a mulher, é por ”legítima defesa da honra”, e o júri absolve. O pobre, não.

          • Não tenho nada para aprender. Se o Sr. concorda com os termos da música, é seu direito, somos livre para formar nossa convicção. Acho que a vida é um valor em si mesmo, independente de ser o sujeito pobre, rico ou classe média. Mas o mundo não é perfeito, nem igual. Sempre haverão pobres e ricos. O que não se pode admitir que é um sujeito de 17 anos que coloca fogo em alguém ou mate para roubar um celular seja tratado como semi-imputável e cumpra pena de no máximo três anos de internação. O Sr. tem dó de criminosos menores mas e as vítimas? Nesse caso que o Sr. menciona, uma trabalhadora foi morta de forma cruel, queimada viva. Para ela não há compaixão? Para desocupados que vivem para o crime, sim. Difícil entender esse raciocínio. A verdade é que esperar o país possuir penitenciárias, igualdade social como os países ricos para que então a maioridade penal seja revista me parece um depropósito. A injustiça social não pode ser desculpa para isentar criminosos de responder por seus crimes.

        • “Pois é. O pessoal do mensalão é bem rico e está soltinho por aí

          E vocês é que querem ricos soltos, ao contrário da direita que deseja tanto rico quanto pobre presos. A mesma justiça para ambos.”

          Bem, esperemos para ver se o pessoal bem rico do mensalão ainda será preso, os recursos infringentes ainda vão ser analisados.

          Nós somos bem diferentes de vcs direitóides, nós queremos ver ricos e pobres cumprindo suas devidas penas se houver PROVAS contra eles. Agora, vcs só querem ver desafetos seus presos a todo custo, se for do PT, aí sim que deve ser preso, mesmo sem provas.

          Agora, vcs não querem ver os ricos do mensalão do PSDB, da privataria, da prevaricação, de possível e muito provavelmente comprovado ministro do STF que recebeu propina, e de outros coisas envolvendo a direita presos.

    • Aqui na rua de casa toda noite sexta um bando de meninos de degladia na porrada no meio da rua. Todos alcoolizados. São brancos, cheirosinhos, ricos que vêm nas festinhas de debutantes dum buffet que tem aqui.
      Seus pais apoiam a redução da maioridade penal?
      A polícia nem aparece por aqui quando chamamos

    • Sua ignorância política e geográfica é imensa. O dó…

      RS – Tarso Genro…………………..região sul
      DF – Agnelo Queiroz…………………..região centro-oeste
      AC – Tião Viana…………………..região norte
      BA – Jaques Wagner…………………..região nordeste
      SE – Marcelo Deda…………………..região nordeste

      Seus herois cuidam da maior parte do restante.

    • Olá Cassio

      Nunca é bom fulanizar uma discussão. Todas as famílias que tiveram perdas por um ou outro motivo, terão motivos pessoais para manifestar sua dor. Não apenas aquelas que tiveram pessoas assassinadas por menores, mas também aquelas que tiveram perdas por acidente de transito, assassinatos por esquadrões da morte da PM, erro médico, câncer… etc.

      Esses eventos serão sempre um drama pessoal e não existe nada que possa aliviar o sentimento de perda.

      Contudo, por mais humano e justo que seja, esse sentimento de perda não pode ser usado como referência para fazermos escolhas corretas.

      Devemos buscar dados consistentes a partir de pesquisas amplas. Pergunto qual o perfil majoritário dos homicídios dolosos? Quantos foram feitos por adultos em confronto com a PM ou como resultado de violência doméstica? Quantos homicídios dolosos foram cometidos por vingança ou por acerto de contas?

      Não tenho esses números, mas imagino que os casos envolvendo menores são poucos e pontuais, geralmente executados por psicopatas, o que inevitavelmente transcende a questão da idade.

      Não podemos e não devemos tomar decisões baseadas em suposições e sob intensa comoção.

  • Aqui na rua de casa toda noite sexta um bando de meninos de degladia na porrada no meio da rua. Todos alcoolizados. São brancos, cheirosinhos, ricos que vêm nas festinhas de debutantes dum buffet que tem aqui.
    Seus pais apoiam a redução da maioridade penal?
    A polícia nem aparece por aqui quando chamamos.

  • Edu, seu post é lúcido e contem uma opinião fortemente embasada. Entretanto, sofre de viés político. O governador apenas propõe maior tempo de internação aos menores infratores. Nem essa medida, nem redução da maioridade penal, nem pena de morte… Nada resolveria o problema da criminalidade. Mas chega de tanta impunidade, ninguém aguenta mais… Por mais que a Febem seja uma masmorra, passar três anos lá jamais traria a punição necessária para um animal que queima um ser vivo. Pensemos em nossas famílias. Os pais da dentista podem cruzar com o animal na rua em breve, de ficha limpa. Todos sabemos que reduzir a desigualdade é caminho. Mas num pais como o Brasil, nem daqui a mil anos isso acontecerá a ponto de minar a violência urbana. Isso porque, como muitos comentaristas já disseram aqui, o pais nunca foi menos desigual do que é hoje, e a taxa de homicídios só aumenta ano após ano. A situação é triste.

  • Edu peço licença para abordar um outro assunto neste espaço, ontem estive lendo o blog do Azenha e vi um comentário do Sr. Ramalho que achei muito pertinente no qual ele aborda a questão do público e privado, no caso ele comentou no assunto sobre a PEC 33 de autoria do Deputado do PT Nazareno Fonteles, então eu pedi autorização a ele para poder replicar o comentário dele pois eu penso exatamente como ele explicou no texto (eu nao sou bom em palavras, mas o que ele explicou eu concordo plenamente), abaixo vai o texto dele:
    “As críticas rasas da oposição, como as que você faz, assentam-se em uns poucos pilares, e um deles é o tal do dinheiro público: como o dinheiro é público, tudo o que o governo fizer com ele é errado, pois, para ela, este dinheiro foi apropriado indevidamente pelo Estado (a turma acha que o Estado é capaz de viver de vento). Tal apropriação marcaria todo o dinheiro destinado ao Estado com uma espécie de pecado original, o que condenaria a priori qualquer uso que faça dele.
    Contudo, para esta mesma oposição, o que as entidades privadas (representadas pela oposição) fazem com o dinheiro que vai para elas não é passível de crítica, pois tratar-se-ia de uso acima de qualquer julgamento moral.
    Ora, todo dinheiro é público porque tem origem na sociedade (o público), e, como todo o dinheiro tem origem nela, qualquer dinheiro é público. Assim, o dinheiro que paga supermercado, propaganda de televisão, colunista econômico, retiradas de donos de redes de TV, rendimentos de rentistas, de banqueiros etc. é tão público quanto o que paga os impostos.
    As retiradas milionárias dos controladores, dos âncoras de jornal de TV, o dinheiro gasto em festas nababescas dos capitalistas, o que paga a corrupção são usos do dinheiro público tão passíveis de crítica quanto o uso do dinheiro para pagar altos vencimentos de ascensoristas do Senado, de ministros do Supremo, de fiscais de renda, pois o dinheiro que banca a farra privada também sai do nosso bolso.
    Quem ganha R$5.000,00/mês é taxado na alíquota de 27,5%, e quem ganha R$500.000,00/mês, também. Sob o primado do dinheiro público, isto é passível de crítica, pois a diferença entre o que o ricaço deveria pagar e o que efetivamente paga é coberta com dinheiro público, o nosso dinheiro (pois a turma dos que ganham fortunas não está entre nós).
    Criticar gastos excessivos de organizações privadas pode, hoje, soar estranhamente, uma vez que – depois da repetição ad nauseam da tese de que capitalistas têm direito divino a um laissez faire concedido especialmente a eles pelo Estado (se houver Estado) – todos nós acreditamos, uns mais, outros menos, em que essa gente pode ganhar e gastar o quanto quiser, cometer todos e quaisquer excessos, pois o dinheiro público a ela destinado seria privativamente dela.
    Nem sempre se pensou assim. No passado, antes da demonização do Estado e santificação de tudo que é privado promovidas por neoliberais, oportunistas e estúpidos, o uso do dinheiro público destinado à área privada era acompanhado pelo Estado em nome da Sociedade. Aqueles do setor privado que cometiam os chamados crimes contra a economia “popular” eram chamados de TUBARÕES, e com razão: sonegavam impostos, cometiam sobrepreço, fraudavam produtos, organizavam-se em oligopólios, roubavam na quantidade vendida, exploravam empregados, forçavam aumentos de preços sonegando produtos, praticavam propaganda mentirosa etc., mas os TUBARÕES não fazem mais isto, não é mesmo?
    Hoje, depois da lavagem cerebral da qual somos quase todos vítimas, houve uma subversão (esta sim, verdadeira): os TUBARÕES tornaram-se detentores exclusivos da eficiência, competência, moralidade, e muitos de nós acreditam na potoca. De fiscalizados pelo Estado, passaram a fiscais do Estado. Não dão satisfação a ninguém do que fazem com o dinheiro público, e tomam satisfações de todo mundo, incluindo a Sociedade. Atribuem-se o papel de xerifes e de condutores ideológicos de todos nós, e ai daqueles que não sigam estritamente sua ideologia: são linchados legalmente por um Judiciário aparelhado por eles, os TUBARÕES.
    Os TUBARÕES, tem-se de reconhecer, estão agindo competentemente. Disfarçam seus interesses como se fossem os da Sociedade e aproveitam a tendência à infantilização da qual ela padece – que é a de culpar o governo (substituto dos pais) pelos próprios fracassos e malfeitos. Aparelham o governo desde sempre, mas dizem que quem o aparelha são os outros. Ganham rios de dinheiro público, muitas vezes ilegalmente, mas ofendem-se com os vencimentos de funcionário furreca e com o Bolsa Família, por exemplo. Dominam a mídia e altas instâncias do Judiciário, como vangloriou-se de fazê-lo Daniel Dantas (o que os fatos mostraram ser verdade) e, assim, dominam o Estado e a Sociedade. A cereja do bolo é posarem de detentores exclusivos da competência, da moral e da eficiência.
    Os TUBARÕES ganham rios de dinheiro sangrando o Estado e a Sociedade, mas a escumalha, isto é, quase todos nós, acha que a culpa é nossa e do governo.”

    Fonte: http://www.viomundo.com.br/politica/nazareno-fonteles-reage.html
    Comentário escrito pelo leitor Sr. Ramelho

  • Edu, me permita novamente repassar outro texto off (fora do tema) que acho importante e está no site Brasil247 que é uma verdadeira luva de pelica na INveja rss.

    ENTREGAS DA COPA DERRUBAM PREVISÕES CATASTROFISTAS

    Dois anos atrás, Veja previa, em sua reportagem de capa, que algumas arenas, como o Maracanã, entregue ontem, ficariam prontas apenas em 2038; o Brasil estava condenado a realizar uma Copa do Mundo “meia boca”, com estádios que jamais seriam concluídos segundo “critérios matemáticos”; evento de ontem, no Rio de Janeiro, que reuniu a presidente Dilma e seu antecessor Lula, revela que os que torcem contra o País, mais uma vez, estavam errados
    28 DE ABRIL DE 2013 ÀS 13:16

    247 – Há exatamente dois anos, a revista Veja produziu uma capa antológica. A publicação previa que o Maracanã seria entregue apenas em 2038 e que algumas arenas da Copa, como as de Natal e Curitiba, jamais ficariam prontas.

    O Maracanã, como se sabe, foi reinaugurado ontem, num jogo que contou com as presenças da presidente Dilma e de seu antecessor Lula. Ainda que as condições do Mundial de 2014 não sejam as ideais, o fato é que o ritmo de construção das arenas da Copa é bem melhor do que o que foi previsto por Veja. Já estão prontos, por exemplo, o Mineirão, o Estádio Nacional de Brasília, o Castelão, de Fortaleza, e a Fonte Nova, de Salvador.

    Ao comentar a capa de Veja de dois anos atrás, Reinaldo Azevedo cravou: “Incompetência, megalomania, roubalheira…” (leia mais aqui). Dias atrás, ao participar de um evento relacionado à Copa, em Brasília, a presidente Dilma fez um desabafo contra os que “torcem contra o Brasil”. Será que ela tem razão?

    Confira abaixo o ritmo das arenas e a previsão catastrofista feita por Veja:

    Entrega Previsão de Veja

    Mineirão – Belo Horizonte 21/12/2012 2020

    Estádio Nacional de Brasília Maio de 2013 2021

    Arena Pantanal – Cuiabá 62% concluída 2017

    Arena da Baixada – Curitiba 56% concluída Nunca

    Castelão – Fortaleza 16/12/2012 2013

    Maracanã – Rio de Janeiro 27/04/2013 2038

    Arena da Amazônia – Manaus 56% concluída 2024

    Arena das Dunas – Natal 61% concluída Nunca

    Beira-Rio – Porto Alegre 65% concluída 2017

    Arena Pernambuco – Recife Maio de 2013 2017

    Fonte Nova – Salvador 5/4/2013 2015

    Arena Corinthians 70% concluída Nunca

    Fonte: http://www.brasil247.com/pt/247/247_na_copa/100112/Entregas-da-Copa-derrubam-previs%C3%B5es-catastrofistas.htm?acid=528957&ls-acm0=60

  • Sou filiado ao PT desde 1985. Sou pedagogo de formação e pobre. Tenho mantido minhas posições mais à esquerda que o próprio governo do PT, mas não sou radical até que me convençam do contrário. Me chamam de míope, burro, do que quiserem, aos 16 já tem capacidade suficiente para julgar o certo e o errado. Se faz o errado que seja punido pelo crime que cometeu e não pela idade que tem. E agora? Sou fascista? Burro? Míope? Virei psdb por isto? Sou otário porque tenho uma opinião diferente da maioria de esquerda? Me expliquem como se eu tivesse apenas 5 anos porque a cantilena de sempre não me convence mais.

  • “Jogar crianças junto com criminosos adultos nas masmorras medievais que são as nossas prisões”. Isso seria um tremendo erro. Mas, por outro lado, o que se vê são menores reincidindo em crimes violentos e cooptados por criminosos maiores de idade, para cometerem assassinatos. Punir esses menores de acordo com os crimes cometidos e não de acordo com a idade, e encaminha-los para estabelecimentos especializados (que reconheço ainda não temos), para cumprirem suas penas e serem EFETIVAMENTE RECUPERADOS, acho que seria a melhor solução. As casas de “recuperação” que hoje temos, são uma vergonha. E a certeza da impunidade, pelo pouco tempo de “ressocialização”, acabam sendo um estímulo para esses adolescentes continuarem no crime e nas mãos dos criminosos adultos. Quando é que seremos verdadeiramente COMPETENTES para adotarmos efetivas medidas de recuperação e proteção a esses menores. Deixar tudo como está para ver como é que fica, é sinônimo de incompetência.

  • Concordo que diminuir a maioridade não é a solução.
    Porém oque deve ser feito, então?
    Gostaria de sua opinião sobre oque os políticos devem fazer e não apenas criticá-los. Da mesma forma que esses aproveitam a ignorância para propor medidas pífias, criticar as medias propostas não resulta em nada.

      • Nossa! Que resposta profunda, hein? Estudou em Harvard para poder dá-la? No fim das contas, amigos, a esquerda só sabe criticar e nada propõe, a não ser essas coisas genéricas de redução da desigualdade. Ora, o que se coloca é o porquê de certos países serem muito mais violentos que outros, como é o caso da Venezuela e do Brasil. Mas isso o blogueiro não vai dizer, ou vai soltar um clichê e dizer que é a desigualdade. Aliás, você diz que a desigualdade diminuiu com o governo Lula, mas por que será que a violência aumentou em 90% dos estados? Se você me autorizar eu coloco os dados aqui, Edu.

        • Você não vai publicar dados falsos em lugar nenhum. A desigualdade caiu. Se não caísse, você talvez nem estivesse aqui pra contar a história, porque há uma guerra civil no país. Leia Guerra Civil Estado e Trauma, de Luis Mir – se for capaz de encarar mil e tantas páginas. Estudo o tema, já fui ver as coisas de perto, sei como é a pobreza, a repressão, a desigualdade de tratamento para filhinhos de papai ricos e pobres. Está cheio de vagabundinho de classe média alta fazendo barbaridade todo dia e nunca sai na imprensa, mas quando pobre faz aparece com a cara direto no Aqui Agora ou qualquer outra porcaria daquelas. Não venha querer me ensinar nada porque leio os dados do Ipea, do IBGE, da ONU, da Unesco, e muitos outros. Você não tem nada pra me ensinar. E se acha que sabe mais crie seu blog, consiga um público e vá dizer pra eles. Aqui não é espaço pra você vir com sua malemolência destro-midiática. Aqui é pra gente séria, que quer discutir as coisas sem querer dar uma de espertinho e inventar fatos. A desigualdade é, comprovadamente, a causa da violência. Minha filha mora na Austrália. Quando matam alguém, lá, é notícia nacional. Mas também não há pobreza, os bairros pobres são dignos, uma empregada doméstica pode fazer faculdade, ter carro, viajar pelo mundo a turismo e é o que minha filha faz lá há quatro anos. Resultado: ela vai à praia e deixa o carro aberto – sim, ela é babá e pode ter carro, lá; um ômega completinho. Na praia, deixa carteira e celular na toalha e entra no mar e ninguém mexe. Mas você não vê favelas ou famílias na rua pedindo esmola. O Estado garante a cada cidadão uma vida digna. E igualdade de oportunidades. Aqui não fazemos isso e o preço é o que você está vendo acontecer. E vai piorar. Pode reduzir a maioridade, pode implantar a pena de morte, pode até formar milícia para matar pobre que eles vão vir pra cima, os que tiverem maior situação de exclusão e de desarticulação familiar. Isso, num jovem cheio de hormônios, é fatal. Vivemos numa sociedade que quem não tem não é nada. Aquele jovem pobre, negro, nordestino, desdentado que vê o mauricinho branquinho de olhinho azul passar de carrão com uma linda loira do lado e sabe que a diferença entre eles é só dinheiro, decide ter a qualquer preço. Já ouvi isso de vários jovens pobres desencaminhados, quando visitei comunidades assim, muito pobres. Você não sabe de nada, é um gabola. Perco meu tempo com você não sei porque. Crie seu blog, eu vou combater gente como você neste aqui.

          • Edu, vc tem uma paciência de Jó !!! Se é verdade que “Toda insistencia tiene su recompensa” …..

          • Quem quer ter dinheiro precisa trabalhar como todo mundo. Você acha que o rico é rico por que? Ora, cada família fez seu esforço para conseguir seu lugar. Pois que cada um faça o mesmo. O Estado não tem que dar nada. Isso é um absurdo. Precisamos acabar com os impostos, não o contrário. O Estado tem de se limitar à segurança pública, à justiça e à defesa nacional. Todo o resto tem de ser privado. Ora, conheço várias famílias ricas cujos antepassados vieram para cá com uma mão na frente e outra atrás. Sem nenhum tostão no bolso. Não foi fácil para eles. Trabalharam muito e por isso seus descendentes hoje podem desfrutar de conforto. Foi assim que boa parte das fortunas brasileiras, com exceção da dos polícos, foi construída. É errado achar que o loirinho que está de carrão ou sua família não tenha feito por merecer. Nada é de graça, nada cai do céu.

  • Tenho a impressão que esses crimes hediondos cometidos por menores de idade

    ACONTECEM QUASE QUE SOMENTE EM São Paulo.

    Estranha coincidência!

    E vem o governador do PSDB com aquele discurso idiota.

    Lógico

  • Tenho a impressão que esses crimes hediondos cometidos por menores de idade

    ACONTECEM QUASE QUE SOMENTE EM São Paulo.

    Estranha coincidência!

    E vem o governador do PSDB com aquele discurso idiota.

    Lógico que pra esconder sua incapacidade administrativa,

    sua visão estreita do mundo.

    Pior que estamos nas mãos desse incompetente há …sei lá….15 anos.

    15 anos entre vice e governador.

    E qual o legado que essa figura patética deixa para o Brasil.?

    Pelo contrário: pedágio absurdo, opus-dei, saúde+educação+seg.pública zero,

    cracolândia, imobilidade urbana, metrô pinheiros, etc.

  • Quando os governantes vão se preocupar efetivamente com a falta de segurança na grandes cidades? Em Pernambuco, apesar de muita propaganda, pouco ou nada se tem visto de melhoria nesse sentido .

  • Carece de bons e lógicos argumentos o seu texto, deixa transparecer que a intenção é apenas atacar o Governador Alckim. Com isso, você supôe que não vai melhorar a criminalidade, e tira uma conclusão de que terá crianças de 8 anos presas com criminosos perigosos. Quando se toma premissas equivocadas, acaba chegando a conclusões absurdas.

    Na minha opinião, reduzindo a maioridade para 16 anos, não tem como piorar a situação, pois aumentando a punição a tendência é diminuir a criminalidade.

  • Eduardo, alguns novos comentários que li são muito bons, provocados pelo seu texto. Toda vez que ouço falar nesse assunto lembro do filme do Sérgio Bianchi ‘ Quanto vale ou é por quilo?’ E na capa do vídeo tem o subtítulo que bem ilustra tudo isso ressaltado nas suas respostas: “Mais valem pobres na mão do que pobres roubando”. O vídeo traz como extras alguns depoimentos de historiadores e sociólogos que são muito lúcidos. Inclusive são pessoas que não são convidadas como ‘especialistas’ pela mídia corporativa. Não tenho lido mais nada sobre o Sérgio Bianchi. Os blogues poderiam trazer nesses momentos o contraponto desses profissionais e de outros que, sabemos, cobrem áreas que não são cobertas pelo Estado, governos estaduais e municipais, nem por Ongs. Conheci num seminário, uma psicóloga paulista que denunciava a matança extraoficial da polícia de Alkmin. A realidade da maioria de nós parece saída de fábulas encantadas perto do alto risco do cotidiano da população da periferia. Fico pensando em Pinheirinhos, por exemplo. Quantos daqueles adolescentes e crianças que perderam tudo na marra, já não estão nas ruas sobrevivendo como animais?

    • Olá Maria Rita,

      Hoje, um morador de rua foi assassinado em uma cidade do interior de SP e seu corpo foi queimado. Não sei dizer se foi morto antes de ser queimado, mas a violência é equivalente… contudo, por fazer parte de uma população em situação de risco, marginal à sociedade, não despertou o mesmo clima de comoção.

      Ora, é um ser humano que deve ser tratado com igual dignidade, mas duvido que a cúpula da secretaria de segurança irá se reunir para resolver esse caso.

      • Nem pedirão redução da idade penal se for algum adolescente filho de juiz como alguns daqueles de Brasília, que tocaram fogo no índio. Não teve pedido de redução da maioridade, naquele caso, ainda que houvesse menores, se bem me lembro.

        • Olá Edu,

          Muito bem colocado. Talvez seja o caso de aproveitar o contraponto desse assassinato bárbaro. Aliás, não sabemos nem saberemos quem foi o autor deste homicídio doloso, simplesmente porque a vítima é “apenas” um morador de rua.

          O assassino pode tanto ser outro morador de rua em uma disputa pessoal, ou a serviço de algum comerciante ou morador local para “limpar” a área, ou um psicopata buscando diversão macabra. Pode até ser um PM cumprindo a cota de 10 mortos para cada PM assassinado. Mas nunca saberemos porque a policia não irá fazer nada pois.

          Não há clamor por redução da maioridade. Não há nem clamor pela prisão deste assassino desumano. Provavelmente, amanhã não haverá nem lembrança.

          • A sociedade está doente. O crime, a crueldade, o ódio, a vingança, até mesmo o sentimento de impotência das vítimas, dos parentes, amigos e das pessoas de compaixão, são sintomas, consequências. Sabemos que não houve nem nunca haverá um mundo sem faltas, sem crimes, nem na mitologia, nem nas religiões, nem no ateísmo. O esforço dos filósofos, dos iluministas, dos anarquistas, dos socialistas, dos artistas, dos homens da ciência, dos religiosos, dos poetas e dos mártires de qualquer fé ou ideologia, foi tentar tornar o mundo mais civilizado, mais tolerante, mais amigo, mais afável. Não enxergamos mais o outro. Estamos doente da cabeça e do coração, meu amigo. E veja quanta ironia, a tecnologia e a promessa da bem aventurança já chegou fria, já nasceu mercantilista. Ela transformou tudo num fast qualquer coisa. Vai levar muito tempo para sairmos da barbárie de novo. Isso já é quase um desabafo.Me desculpem.

  • O regime comandado pelo capital já completou sua maioridade faz tempo. Há quem o suspeite senil, inclusive.

    Debaixo de seu guarda-sol seletivo, desenrola-se a tragédia que faz com que os que verdadeiramente suam sejam liminarmente suspeitos: quem manda suar expostos ao sol?

    Aos donos dos meios de produção, a sombra e a eterna isenção de responsabilidade por nossos males.

    São os que “dão emprego”, são os que “empreendem”, consideram-se produtores, mesmo sem produzir propriamente coisa alguma.

    Diante da magnitude do roubo contínuo e escandaloso das horas, da saúde e da alegria dos que suam para produzir o que muitas vezes jamais poderão usar, alguns praticam ações chocantes, sem dúvida.

    Mas o que mais choca é saber que os assassinos finos do capital, assassinos por atacado, passeiam solenemente, fazendo discursos e ilustrando jornais com suas teses de responsabilizar as vítimas pelo que de mal lhes acontece. Eles não têm nada com isso.

    Eles querem a redução da idade para efeito de castigo. O coro é grande. Dá medo.

    Os herdeiros das grandes fortunas, dos seus dezessete, dezesseis ou vinte anos, como se sabe, não delituam. O regime sob o qual o mundo vive, em graus variados, é violento e responsável direto ou – concedo – indireto pela barbárie. Dá medo.

  • Está faltando nestes comentários é o Viés do CRACK,que tem aumentado em muito a violência Juvenil no classe D e E.As classes C,B e A,por melhor condição financeira têm acesso as drogas mais caras,menos descriminatórias como: maconha,heroína,cocaína,haxixe etc…Não precisam ASSALTAR para manter seus VÍCIOS,enquanto a classe pobre na suas crises de Abstinência,fazem qualquer negócio para tê-las.Vamos as causas gente?Essa é uma delas.

  • Eu acho que deve haver mudanças nessas questões relacionadas a crimes praticados por menor. Não dar também, infelizmente, pra ficar do jeito que está, sensação de impunidade. Há sim oportunismo desse tema de poltiicos de Direito, mas acha razoável sim a redução da moioridade penal em caso de crimes contra a vida.

    • Caro Gilberto,

      O problema é a “sensação” de impunidade. Enquanto não tivermos um estudo sobre quem são as vítimas de homicídios dolosos e quem são os assassinos para avaliarmos se esse caso não é meramente um evento desconectado da estatística, não poderemos afirmar nada.

      A mesma sensação de impunidade deveria ter origem nos casos de homicidas condenados que estão livres esperando o julgamento de seus recursos. Perceba por favor, adultos homicidas condenados em primeira instância que estão livres. Por que isso não nos causaria a mesma revolta?

      Ou então, por que não nos revoltamos com o assassinato de um morador de rua, como ocorreu hoje em uma cidade do interior?

      Insisto que devemos decidir somente à luz dos números sobre os homicídios dolosos nos últimos anos e não sobre um fato que pode ser totalmente isolado da realidade.

  • Esse debate todo me deixa apenas com uma duvida…

    A função da pena (e da punição) no direito penal não é a vingança nem a punição em si. A funçao principal é evitar, pela possibilidade de punição, o crime. Em outras palavras, pelo risco de ser punido, o cara nao comete o crime.

    Assim, dentro desse debate da redução da maioriedade, “de menor” comete crime porque sabe que não será punido…. Mas ai vem a duvida: e os “de maior” que comentem crimes? Pra eles o risco da punição não faz eles não comenterem crimes?

    Outra duvida: a redução da maioridade penal seria a panaceia pra acabar com a criminalidade. Mas qual a percentagem de crimes praticados no Brasil que possuem participação de menores? Alguém sabe?

    Não chega a 10%…

    Na realidade o problema do país não é redução da maioridade penal, pena de morte ou aumento da pena. O nosso problema é que a quantidade de punir um crimes no país é muito pequeno, também não chega a 10%… Ou seja, a chance que eu tenho de cometer um delito e de ser punido é de uma em 10.
    Se a chance de ser pego fosse de 09 em 10, eu teria mais medo e ai a pena podia ser até menor. A “ameaça penal” seria mais efetiva. Da forma que está tanto faz aumentar a pena… eu não vou ser punido mesmo…

    • Olá Daniel.

      Na verdade, não sabemos quantos homicídios dolosos são praticados por menores. Se eu fosse chutar um número, seria menor do que 1%.

      Infelizmente, o assassinato da dentista foi de uma crueldade imoral, o que resultou nessa comoção.

      A pior consequência da redução da maioridade penal será sobre os crimes contra o patrimônio. Serão milhares de jovens que serão levados à cadeia por meses ou anos devido a pequenos furtos ou roubos.

      Temos na verdade duas classes de crimes e por isso, duas classes de penas. Temos os crimes contra a pessoa de carater doloso.. . nestes casos, a pena deveria ser de restrição à liberdade porque não podermos aceitar um psicopata convivendo conosco, não pelo potencial de risco de matar novamente, mas porque já matou.

      Do outro lado, temos crimes contra o patrimônio que não causam dano à pessoa. Nestes casos, a pena deve ser de orientação e inserção social. Alguém que rouba uma farmácia ou furta uma carteira não pode ser tratado como um psicopata, mas como alguém que errou e deve ter a chance de se redimir.

    • Para ser mais exato, o problema da maioridade penal é que ela na prática dá “carta branca” para o de menor cometer atrocidades OU os comparsas adultos cometerem atrocidades e depois colocarem a responsabilidade no adolescente (escapando assim da pena mais dura).

      Por exemplo, um criminoso adulto sabe que se roubar e matar alguém irá pegar uma pena bem maior do que roubar, então ele já pensa duas vezes antes de matar. Já o adolescente não, ele sabe que mesmo que ele esquarteje a vítima ele vai pegar a mesma pena branda. Se ele pega uma pena branda por mais cruel que seja o crime, então porquê ele se preocuparia em não matar? E esse pensamento é EXTREMAMENTE perigoso, você cria um criminoso que não têm motivo algum para ser um “animal”, pois entre os iguais dele quanto mais cruel e mais sanguinário, mais “respeito”.

  • Discordo amigo Edu. Sou professor do Estado de SP e me deparo todos os dias com problemas relacionados aos jovens, e posso garantir a você e aos seus leitores que a diminuição da maioridade penal é um remédio amargo, mas necessário. Já fui contra, mas, hoje, sou a favor.

  • Quantos otários aqui, já levaram cano na cara de “criancinhas”? Quantas vezes? Respondam aqui abaixo… Esquerda de LUXO não sebe nem o que tô “falando”………

    • Eu já levei cano na cara de crianças, minha mulher já levou. Subiu o vidro elétrico do carro, prendeu a mão do menino, uns doze anos. Saiu do carro, conversou com ele, foram ao McDonalds. Ele chorou muito. Depois ela o deixou no Heliópolis – nós moramos na região da avenida Paulista. Eu, porém, morei uns anos na periferia, quando casei. Fui carregador de caixas em estoque. Vi e vivi a pobreza apesar de ter nascido em família rica. Caí lá no mais fundo que você possa imaginar. Passei fome, eu e ela, minha companheira valente e humana. Você não tem nada para nos ensinar, pode ter certeza.

      • Excelente dica! Vamos recomendar a todos que levem delinquentes ao MacDonald’s (que ironia um esquerdista propor isso!) após sermos assaltados que eles vão emendar de vida! É cada idiotice que a gente lê!

        • Não é idiotice. Apenas contei o que aconteceu com minha mulher. O garoto estava mais assustado do que ela. Não duvido que um dia cometerá outra atrocidade. Provavelmente um perto de você vai te pegar, um desses que você acha que pondo na cadeia vai protegê-lo, sem lembrar que de onde vem esse há muitos mais e um deles vai acabar pegando a todos nós se continuarmos achando que podemos intimidá-los, matá-los ou prender a todos.

  • Neste ponto, sou completamente a favor, nenhum adolescente pode cometer um latrocínio, estupro comandar quadrilha ou qualquer crime hrdiondo e depois “passarem a mão na cabeça” sob a velha desculpa de que punir “não resolverá o problema da violência” , tem que punir sim,
    como é feito na maioria esmagadora dos paises civilizados. A parte penal do ECA é uma piada.

  • O nível atual de criminalidade no Estado de São Paulo é consequencia de quase 20 anos de governos tucanos que humilham e zombam das classes trabalhadoras e se encastelam em confortáveis escritórios nos Jardins enquanto a população sofre com a falta de saúde, educação e transportes dignos. Muitos ainda irão morrer para que Alckimn e seus asseclas continuem cometendo atos criminosos no poder.

  • Então, Edu, essas conversas todas, vão dar em nada,
    porém, seria muito bom que todos nós, contra ou a favor
    disso ou daquilo, ver o que a Física Quântica tem em
    haver com isso tudo. Acreditem ou não, àquele menino
    que morreu arrastado no Rio, se eu não me engano
    chama-se João Helio, baixou em um centro espirita,
    lá no Rio e informou aos seus familiares que estava bem
    pois, declarou que ele mesmo arrastou os seus assassinos, na antiga
    Roma quando arrastou-os em uma bina, e isso acon-
    ceu por diversas vezes em diferentes anos na História.
    Agora o pior crime que se comete, e o de ser
    exímio materialista, e aí, viu Edu, nem as esquerdas nem
    oa de direita escapam.

  • Queria ver estes que defendem cadeia para adolescentes porque puseram fogo em uma pobre mulher, defendendo cadeia para quem botar fogo em um País, como Capriles tentou na Venezuela e os barões da mídia reacionária tentam aqui.

  • Eduardo, concordo com você no que diz respeito a políticos demagogos que aproveitam a comoção social para propor a redução da maioridade penal. Mas só nesta parte.
    Como não sou político nem jornalista sabujo, permito-me dar o meu pitaco.
    Penso que não devia haver menoridade penal, como ela é tratada hoje.
    EXPLICO: se um menor de 18 e maior de 12 anos cometer um “crime”, deve ele ser submetido a uma avaliação psicológica para ver se ele é capaz de “entender o caráter criminoso do fato e de determinar-se segundo esse entendimento. Sendo negativo, que se lhe dê o tratamento do ECA. Sendo positio, que se lhe dê o tratamento do Código Penal, como ocorre na Inglaterra, berço da democracia.

  • Vocês que estão se declarando a favor da redução da maioridade penal, o fazem porque se deixam levar pela “cantilena” do fascismo eterno de São Paulo. Ora, fiquem assistindo os Dapenas da vida, chorando e se martirizando inutilmente, depois deixem-se tomar pelo ódio, porque é mais fácil mesmo. Fiquem dando audiência para os criminosos inimputáveis. Quem não sabe que o ser humano está falido? Só vocês, que se acham… Vão se catar!

  • Eduardo, penso que a segurança é um tema complexo e que envolve um coquetel de medidas. E precisa de recursos, em alguns casos. Acredito que os três Poderes precisam ser envolvidos, conforme exemplifico abaixo:

    1) Judiciário – Como é que um sistema que deixa um processo se arrastar por tanto tempo (por vezes, mais de 10 anos) pode ser considerado eficaz e justo? O ex-jornalista Pimenta Neves, por exemplo, assassinou brutalmente sua ex-namorada, Sandra Gomide, e levou uma década para pegar alguns dias de cana. Infelizmente, o Judiciário é moroso, ineficiente e, ainda por cima, nos chamados crimes de colarinho branco, livra a cara de quem pode pagar advogado bom. Mesmo criminosos brutais, se puderem pagar advogado bom, podem ser dar bem.

    2) Executivo – as polícias precisam ser valorizadas, bem preparadas e integradas. O policial é alguém que arrisca a vida, precisa ser psicologicamente preparado e acompanhado. Precisa ter carreira, remuneração. As cadeias e penitenciárias precisam passar por uma reforma em regra. Do jeito que funcionam, não recuperam os casos recuperáveis. Precisa ter grana, investimento em ativos humanos e físicos.

    3) Legislativo – precisam ser aprovadas leis mais duras com respeito a determinados crimes. Por exemplo, o ex-goleiro Bruno e seus asseclas mereceriam prisão perpétua, sem direito a perdão. Suzane Richhoffen idem. O casal Nardoni, idem. Guilherme de Pádua idem. E la nave va.

    Sobre a redução da idade penal, não tenho opinião formada, mas acredito que psicopatas mirins e juvenis existem. É preciso saber como abordar e tratar os casos, por que essas pessoas não podem ameaçar a sociedade.

    Finalizando, não se discutem essas coisas de forma séria e profissional. Até o momento em que ocorre um crime hediondo. Aí, no calor da emoção, surgem os paliativos sem discussão séria.

    • Eu queria aproveitar para dizer que estou lendo (comprei há tempos) o livro “A Outra História do Mensalão”, de Paulo Moreira Leite. Li, neste final de semana, aproximadamente 1/3 do livro. Gostaria de elogiar o excelente trabalho do PML, jornalisticamente falando.

      Conforme o livro acima citado conta, não conseguiram provar nada contra José Dirceu. A única coisa contra ele é a palavra de Roberto Jefferson. O livro comenta que o STF, ao longo décadas, fez o seguinte:

      1) Mandou Olga Benário para os nazistas, grávida, e ela morreu num campo de concentração.
      2) Validou a ditadura militar de 1964.
      3) Livrou a cara de Fernando Collor, impugnando provas obtidas no acervo de PC Farias.
      4) Condenou José Dirceu sem uma mísera prova.
      5) Não satisfeito com isso, passou por cima da Constituição e decidiu (quando quem deveria decidir é o Congresso) que os deputados condenados pelo dito mensalão deveriam perder o mandado.

      É uma pena. Tomara que a presidenta Dilma Roussef equilibre o STF e coloque ali pessoas comprometidas com a Constituição e não medrosas.

  • Concordo que a redução da maioridade não resolve o problema.

    Hoje o Brasil está bem, ninguém precisa apelar para o crime para sobreviver(o que eu mais vejo ultimamente são plaquinhas de precisa-se). O problema é a cultura da malandragem, do bandido-herói, que consegue muito dinheiro fácil traficando, roubando e matando. Essas idéias acabam fazendo a cabeça dos jovens e muito pouco é feito para combater-se isso.

    É preciso de mais investimento para levar educação e cultura principalmente para as crianças de comunidades carentes que são mais expostas a essa influência.

    Seria também interessante que houvesse pena bem maior para quem comete crimes junto com menores, para desincentivar a prática.

    Mas ressalto, a cultura da malandragem não afeta só pobre. O noticiário já mostra muito playboy na criminalidade, geralmente assaltando condomínios em áreas nobres.

    Por isso, acho que além de educação e cultura, é preciso endurecer as leis. É necessário extinguir/reduzir alguns benefícios do apenado como o crime continuado e a progressão de pena. O bandido parece ter perdido o medo de ir para a cadeia. Só os benefícios fazem muito bandido perigoso que pega 10 anos, sair em dois, três… os políticos parecem mais preocupados em diminuir a superlotação das cadeias do que proteger a população, então dão um jeito de por na rua quem não pode estar nela, afinal, isso é mais fácil do que construir mais cadeias.

    Quanto a segurança SP está um caos, estou com cada dia mais medo, e infelizmente não vejo ninguém trabalhando para solucionar isso.

  • Você trata a redução da maioridade penal como uma guerra de classe, onde os ricos querem se livrar dos pobres. Você está totalmente errado. Os ricos mesmo, os da elite, não sofrem com a violência. Eles não estão nem aí para isso. Eles andam com seguranças onde quer que vão, usam carros blindados e vivem em condomínios que mais parecem fortalezas de tão protegidas por segurança empresarial. A violência raramente os atinge. As vítimas da violência são justamente os mais pobres e a classe média baixa. Vá à noite um bairro da periferia de São Paulo. As pessoas lá vivem em verdadeiras prisões, sob a lei do cão, com toque de recolher, pena de morte em julgamento sumário e tudo mais. A redução da maioridade penal é uma necessidade justamente para se fazer justiça aos mais pobres e dar a eles alguma perspectiva de segurança. A vida é o principal bem de um homem, não importa se seja rico ou pobre. Até a vida dos animais deve ser valorizada. Uma pessoa não pode morrer dessa forma e tudo se limitar a uma punição de alguns meses do ECA, depois de anos de processos, milhares de papéis, infidáveis recursos e o diabo. A vida não pode valer apenas isso. Os ricos não estão nem aí. Para eles, o país pode entrar em guerra civil que mesmo assim eles não estão nem aí.

  • Que a esquerda tem dificuldades com o tema segurança isto não há menor dúvida.
    Mas a verdade é : se a elite pudesse aprovar dois Códigos Penais: o atual, com penas brandas e comprovadamente ineficiente ,aplicado somente para esta mesma elite e um outro, com o necessário rigor que o Brasil precisa , mas somente aos pobres, parte dos problemas estariam resolvidos. Como isto não é possível e este é o país dos hipócritas e covardes, tudo fica como sempre foi. E dá-lhe teorias sociólogicas inuteis.

  • Golpe? Disso o PT entende. Basta ver aquela nojenta proposta que é a PEC 33/2011 que é um golpismo do mais rasteiro, imundo e vagabundo. Tudo isso só por que o STF condenou bandidos?

  • Em países civilizados, basta que um homicida tenha consciência do ato que praticou para ser enquadrado na legislação que, no Brasil, só pune ─ quando pune ─ quem é maior de idade. No Reino Unido, por exemplo, dois meninos de 10 anos que assassinaram um garotinho de dois foram condenados a 18 de cadeia. Em Luxemburgo, a responsabilidade penal começa no dia do nascimento. Neste grotão sul-americano, a Justiça é tão gentil com matadores adolescentes quanto impiedosa com as vítimas.
    E’ hora de pensar nos brasileiros sem culpa permanentemente expostos à perversidade da bandidagem que sabe o que faz ─ e faz porque sabe que, enquanto for menor de idade, será sempre tão inocente quanto qualquer bebê de colo. A imprensa não pode sequer publicar o nome e a foto do matador adolescente. Só os mortos devem ser identificados. Só a dor dos parentes e amigos está liberada para as câmeras.
    É compreensível que o governo que só protege, absolve e acolhe criminosos de estimação torça pelos vilões e contra o xerife. Inexplicável é a bovina mansidão da plateia castigada pela conversa fiada dos defensores de jovens assassinos impunes. Brasileiro só descobre que sempre foi um alvo, fixo ou ambulante, depois que a tragédia bate à sua porta. É tarde.

  • – Nossas prisões são medievais, nelas não há praticamente recuperação.

    – A pena de morte já existe no Brasil. Nossas PMs matam milhares todos os anos, principalmente pobres e pretos. Quem, por azar, testemunhar uma execução, morre também.

    – A tal “Fundação Casa” (antiga FEBEM) é um antro de promiscuidade, maus tratos e corrupção.

    – A corrupção na PM é enorme, mas poucos PMs são punidos.

    – as polícias civis, que são essencialmente preventivas, estão sucateadas, com investigadores desmotivados.

    No entanto, nossa mídia e nossos políticos silenciam sobre todos os itens acima.

    • Estamos vivendo um momento GRAVÍSSIMO, de EXAGEROS, um em que cultivamos a existência duma sociedade mergulhada na inconsequência e na impunidade, no assistencialismo sem contrapartida de deveres e/ou reconhecimento pelo mérito.

      Nossas leis não punem, nossas polícia não prende, isto desde sempre, e os presídios não reabilitam (aliás, NUNCA foram feitos pra isso, nem aqui nem alhures, inclusive nem pra TORTURAR e humilhar como fazem hoje)

      Sem apenamento para crimes graves (que envolvem morte) as vítimas se sentem abandonadas e os bandidos inimputáveis ..fora que a sociedade tem a sensação de que não existe justiça nem PARâMETRO de comportamento e/ou ordenamento ..HÁ que reavivarmos a máxima de que o benefício do crime NÃO compensa a pena

      EVIDENTE que as razões para a violência são múltiplas e uma só medida não oferece a solução, MUITO menos ficarmos filosofando e esperarmos alcançar desenvolvimento duma SUIÇA pra não agirmos numa direção

      claro que a violência é multidisciplinar, inclusive descendo à escuridão da alma e frustração humana ..mas convenhamos, SADISMO, frieza e torpeza, cinismo, PLANEJAMENTO para crimes contra a vida por motivos FÚTEIS, pra isso TEMOS SIM que mandar um sinal claro de que agora CHEGA, pois afinal, esta provado, na raiz deste tipo de delinquência a miséria pouco ou nada pesa

  • Sempre fui, sou e sempre serei de esquerda,sempre votei e voto no PT…amo o Lula e a Dilma…
    Mas, acho um absurdo um HOMEM com 16 anos ou mais, ser tratado como uma criancinha….
    Sou a favor da maioridade penal aos 16 ano.s..um cara com essa idade já sabe o que está fazendo, assim como têm os que podem votar…

  • BOM DIA A GRANDE POLEMICA DA MAIORIDADE PENAL E TAO SERIA QUE O CONGRESSO NACIONAL FICA EM UM BECO SEM SAIDA POS SE ELES APROVAREM ESTA MEDIDA PODEM COLOCAR MUITOS DE SEUS FILHOS NA CADEIA POS TEM MUITO FILHINHOS DE POLITICOS POR AI AFORA QUE PINTA E BORDA NESTE PAIS E ELES FAZEM VISTA GROSSA GENTE FAZEM QUANTO TEMPO DO CASO JOAO HELIO NO RIO DE JANEIRO QUANDO ESTOURO NO PAIS A ONDA DE APROVAÇAO DA MAIORIDADE PENAL E O CONGRESO NACIONAL NA SUA INFANTILIDADE OU FALTA DE CORAGEM POLITICA NAO APROVARAM A EMENDA SE FOSSE PARA APROVAR ALGUMA VANTAGEM FINANCEIRA PARA ELES JA TERIA SIDO APROVADA A MUITO TEMPO TODOS NOS SABEMOS QUE SE DEPENDER DO CONGRESSO NACIONAL ESTA MEDIDA NAO SERA APROVADA POS ELES EM LUGAR DISTO QUEREM DESTRUIR OU DESMORALISAR O MINISTERIO PUBLICO GUARDIAO DE LEI E DA CONSTITUIÇAO EXISTE MUITA COISA QUE NAO VEJO COM BONS OLHOS NOS MPS PELO PAIS AFORA MAIS SE ACABAREM COM O MP COM TODA DERROTA O QUE SERA DE NOS AS PESSOAS POBRES E MENOS FAVORECIDAS A QUESTAO DA MAIORIDADE PENAL DEVERIA TER SIDO APROVADA ASIM QUANDO APROVARAM O DIREITO AO VOTO POR PARTE DOS MENORES ATE OS 16 ANOS QUANDO E PARA FAVORECER OS POLITICOS CORUPTOS E BANDIDOS QUE EXISTEM NESTE PAIS QUE NAO SAO TODOS ELES APROVAM AS LEIS QUE QUEREM MAIS QUANDO E PARA FAVORECER AO POVO BRASILEIRO EM GERAL ELES DAO AS COSTAS EXISTEM MUITAS PECS NO CONGRESSO NACIONAL QUE E PARA BENEFICIAR AS CLASSES TRABALHADORAS DE SERVODRES PUBICOS E OUTRAS CATEGORIAS QUE ESTAO INPANCADAS NO CONGRESSO NACIONAL A QUESTAO TDA MAIORIDADE PENAL DEVERIA SER UMA COISA PARA SEREM DISCUTIDAS NO PLENARIO DA CORTE SUPREMA DE JUSTIÇA DESTE PAIS E NAO POR POLITICOS QUE NAO SABE O QUE JUSTIÇA E NEM SABE O QUE E O AMOR DE PAIS E FILHOS E FAMILIAS PORQUE ELE SO AMAM O PODER O DINHEIRO E A MENTIRA POS E ISTO QUE ELES FAZEM DURANTE OS SEU 4 ANOS DE MANDATOS E DEPOIS VOLTAM PARA AS RUAS MENTIR E ENGANAR AS PESSOAS EM BUSCA DE REELEIÇAO.E NOS FICAMOS A MERCER DE BANDIDOS DE ALTA PERICULOSIDADE E PIOR MENORES DE IDADE QUE MATA COM O APOIO DE UMA CARTILHA CHAMADA ECA QUE OS FAVORECE POR POR FORÇA DE LEI ATE OS 18 ANOS

  • Essa imbecilidade latida pelo canalha Geraldo Alckmin e seus “jornalistas” amestrados deveria ao menos ser exposta da forma correta, a que traduz a verdadeira intenção desses nazistas : redução da “maioridade” penal para negros e pobres. Afinal, são esses os que seriam atingidos pela demagógica redução, que visa esconder a verdadeira causa da criminalidade em nosso país, que é a brutal concentração de renda que ainda vige no Brasil, onde apesar de termos conseguido uma inegável desconcentração do Índice Gini(responsável por aferir a concentração de renda), graças aos dez anos de Lula e Dilma, num momento em que ele piora no mundo outrora “desenvolvido”, ainda possuímos mesmo com essa melhora uma das Sociedades mais injustas do planeta Terra. Basta ver a cor dos assassinos da jovem(dois garotos paulistas, negros, pertencentes às camadas mais pobres que, em seu estado e em todo o Brasil, são compostas quase que exclusivamente por negros e mestiços). OU ALGUÉM ACHA QUE OUTRO CASO DE HOMICÍDIO, O DO JOVEM POBRE E MESTIÇO QUE FOI ATROPELADO PELO IRRESPONSÁVEL PLAYBOYZINHO THOR BATISTA(ATÉ O NOME EVIDENCIA A MEGALOMANIA E O MAU GOSTO DOS DONOS DO PODER NO BRASIL), LEVARIA NOSSA MÍDIA E NOSSOS POLÍTICOS DE DIREITA A “REFLEXÕES” DESSE TIPO OU SEMELHANTES A ELA(THOR NÃO É MENOR DE IDADE, MAS POR QUE NÃO APARECEU UM ALCKMIN PARA EXIGIR POR EXEMPLO MAIS RIGIDEZ NAS AVALIAÇÕES PARA OBTENÇÃO DA CARTEIRA DE MOTORISTA OU PENAS MAIS SEVERAS PARA OS CRIMES DE TRÂNSITO, OS QUAIS, NÃO SÃO COMETIDOS PELOS POBRES, PORQUE ELES NÃO POSSUEM CARRO!!!!!!!!!?????????). Um dos argumentos usados em seu texto, é repetido por mim com frequência para destruir essa ideia fascista de redução da maioridade penal : se reduzirmos a maioridade(lembrando que só uma ínfima minoria dos crimes são praticados por menores, o problema é que a mídia superdimensiona esse número pequeno ao apenas expor crimes em que aparecem menores, com o óbvio objetivo de criminalizar os jovens, reduzir a maioridade penal e aniquilar progressivamente, na quantidade suficiente para não prejudicar a exploração capitalista deles, a maior parte desse grupo social com potencial revolucionários e contestador, cumprindo assim um das táticas higienistas da direita de cortar o “mal” da subverção popular pela raiz, seguindo à risca a cartilha nazista); pois bem, se passarmos a redeuzir a maioridade penal como forma de “reprimirmos ” a violência toda vez que ela nos assusta, sem investir na verdadeira causa dela, em breve estaremos discutindo a redução da maioridade para 15 anos, depois para menos, até que daqui a algumas décadas até os nascituros serão criminalizados por algum “William Bonner” ou Alckmin do futuro, sem que se ataque o modelo social excludente que é o verdadeiro responsável pela criminalidade. Contudo, questões como essas não podem ser debatidas através de argumentos sensatos, simplesmente porque ainda vivemos na medieval situação em que o controle das comunicações está nas mãos de uma oligarquia, que impõe uma visão única dos fatos através da censura do contraditório e, no combate a essa forma de opressão horrenda, sem descuidar de outras igulamente fascistas, entraremos na raiz da modificação dessa ordem excludente que ainda vige no Brasil, ou seja, na possibilidade de darmos aos cidadãos ao menos a chance de poderem escolher verdadeiramente a Sociedade em que querem viver, o que só lhes será possível quando souberem que existe sim um mundo possível e muito melhor do que aquele único que conhecem através do pensamento monocromático do Jornal Nacional.

    • Pesquisa realizada pela NEV – Núcleo de Estudos da Violência da USP, em convênio com o Instituto da Mulher Negra diz que: “Quanto aos réus e seus direitos, resultados preliminares indicaram maior incidência de prisões em flagrante para réus negros (58,1%) comparativamente aos réus brancos (46,0%)”; “não há diferenças entre o “potencial” para o crime violento revelado pelos réus negros comparativamente aos réus brancos”. Portanto, se aprovada, a redução da maioridade atingiria também muito branco. Tenho uma casa na praia que foi visitada por dois jovens que levaram tudo. Os rapazes, irmãos, de 19 e 21 anos, foram surpreendidos pela polícia que até os levou à delegacia. Como o proprietário da casa não estava presente, não houve flagrante e soltaram os jovens. Pessoas com quem comentei o fato perguntavam – Eram negros? Não, eram brancos, respondia. Isso porque eu já havia feito a mesma pergunta ao escrivão. Para concluir: lugar de bandido é mesmo na rua. As cadeias estão lotadas e não há lugar nem para os “de maior”, quanto mais para os “de menor”.

  • Eduardo, vejo as drogas como um dos problemas urgentes a serem enfrentados, ela está fornecendo os jovens viciados para o crime organizado (PCC). Eles para sustentarem seu vício, acabam sendo usados pelos traficantes, realizam roubos, assaltos para sustentar seu vício e o judiciário ainda o consideram como os verdadeiros traficantes jogando cada vez mais jovens no sistema penitenciário que é a escola do crime. Tem que se investir não só no social, mas também na cultura, precisamos cultuar outro valores, sentidos mais nobre para a vida, não cair nessa armadilha de materialismo cego do sistema capitalista.

    • De Marcelo para Marcelo: você tocou no ponto crucial. As drogas realmente potencializam a criminalidade. Agora começou o nhenhenhém da internação compulsória. Como se tivéssemos condições de internar mais gente. Imagino que a única solução no caso do crack, como o é nos casos da dengue e da AIDS, é a prevenção. No caso, teria de haver um esforço de todos os países da América para eliminar as fontes de produção da cocaína e de seu subproduto, o crack. Impossível? Pode ser. Acredito que as rotas da droga servem também para escoar as armas contrabandeadas de vários países. O UOL publica hoje que “Os Estados Unidos, que discutem restrições ao comércio de armamentos, adquiriram 7,9 milhões de armas de fogo do Brasil nos últimos 40 anos, e 59% desse total foi exportado durante o governo Lula (2003-2010)”. Acredito que essas armas não fiquem somente por lá. Podem vir parar no porto de Santos ou Paranaguá, em contêineres fechados destinados ao Paraguai. Ou não? De lá retornariam a Pindorama.

  • Vou dar minha opinião aqui livre de coloração política. Falo como cidadão. De antemão já deixo claro que sou favorável às questões e causas de esquerdas. Defendo políticas de desiguladades sociais e vejo isso como um fator que pode, de fato, reduzir a criminalidade.

    Posto o acima, sou favorável à diminuição da maioridade penal para 16 anos. Não que eu ache que isso vai reduzir a criminalidade de forma consistente, talvez tenha uma leve diminuição estatisticamente pelo fator de repreensão (com penas mais duras, pensarão duas vezes antes de cometer delitos).

    Sou favorável à diminuição da maioridade penal por questão de justiça. Porque uma pessoa com 16 anos de idade tem sim formação pra saber o que é certo e o que é errado. Porque uma pessoa de 16 anos de idade nesse país já pode votar e escolher os rumos do país. Inclusive ajudando a eleger verdadeiros demagogos insensíveis como esse Geraldo Alckmin que agora sai pela tangente para vender soluções fáceis quando pouca coisa faz pela segurança pública.

    Contudo, não é possível e aí se nota uma falha grande da justiça, quando vemos um monstro de 17 anos de idade atear fogo numa pessoa sem dó nem piedade. Em pouco tempo estará nas ruas aprontando das suas novamente.

    Simplesmente não dá pra dizer que o que esse monstro fez é subproduto da desigualdade. Ele não simplesmente roubou, mas torturou e matou friamente com requintes de crueldade. Isso não é questão de política, é justiça e enquanto ficarmos nesse ambiente de política nada será feito.

    Simplesmente não podemos tolerar monstros desse tipo ainda que sob argumento de ter sido um pária produzido pela desiguladade social. A questão de desiguldade sim, se resolve com política.

    Sou de esquerda sim, com muito orgulho, contudo nessa questão da redução da maioridade penal bato de frente sim. Por justiça, não por política.

  • Em uma enquete do UOL sobre a redução da maioridade penal, 93,64% votaram a favor. Vários jornais fizeram esse tipo de enquete e o resultado foi semelhante. A pena de morte é outro tema que gozaria de semelhante aprovação popular. Claro que os doutos condenam tanto uma quanto outra. Há quase uma unanimidade na comunidade jurídica sobre isso. O apresentador Datena diz que a pena de morte já existe: é aplicada pelos bandidos, inclusive mirins. Verdade que a bandidagem também é eliminada por executores anônimos. Portanto, existe de fato, não de direito. Esse é, portanto, o tipo de assunto em que, como dizem os réus, “eu me reservo o direito de permanecer calado”.

  • Detalhe: quem hoje tem até 18 anos deveria ter tido uma boa Educação fornecida pelo PSDB que está há 20 anos no Poder no Estado de São Paulo, não?

    Criminalidde se combate com Educação.

    Como não educou, agora quer encarcerar.

    A tal progressão automática nas escolas foi a maneira que o Estado encontrou de se livrar rapidamente da responsabilidade de educar os jovens.

    Criminalidade: esse monstro tem pai.

      • Nenhuma matéria escolar me ensinou que se deve torturar e/ou MATAR alguém .

        Sou egresso de escolas públicas (quando não havia “progressão” continuada).

        • Trabalho com jovens deliquentes. Não tenho certeza se a maioridade penal para 16 anos seria o ideal ou não, mas as atuais leis para os infratores nessa idade, após 21 anos de aplicação do ECA-Estatuto da Criança e do Adolescente, não apenas NÃO tem surtido efeito mas tem piorado em numero e crueldade os crimes praticados por pessoas nessa faixa etária. O quesito mais importante que tenho verifcado nos mais de 06 anos de experiência, não é a educação, que é deveras importante, e muito menos a pobreza, mas sim a DESAGREGAÇÃO familiar. Torna-se quase impossível uma mãe sozinha ou um pai sozinho dar carinho e educação a um filho ou mais, quando passa o dia trabalhando para o sustento deles e assim ficam educação e carinho ao “Deus dará”. A cantilena dos pais quando chegam na Vara da Infância é uma só: “Ele(a) se envolveu com más companhias”. Se a educação representasse mais do que representa, como alguns consideram em importância para se evitar a criminalidade, nos países ricos praticamente não haveriam delinquentes. As prisões dos EUA estão abarrotadas; como isso se explica no país mais rico e com excelência em educação no mundo? Um outro ponto: Se nos países mais ricos e com excelência em educação, por que lá se aplicam leis aos menores iguais aos dos adultos? E como aqui no Brasil se copia tudo dos países ricos e por que não se copia a aplicação das leis aos menores como lá? O NOME DO GRANDE PROBLEMA, PARA MIM, CHAMA-SE “DESAGREGAÇÃO FAMILIAR” …. – “EU CASO HOJE, SE NÃO DER CERTO, EU ME SEPARO”. Pergunto: e os filhos como ficam?

          • EM TEMPO: Referi-me no texto acima como “educação” aquela dada na escola, para não fugir do contexto, mas a escola apenas instrui, que educa é a família.

          • Não ficam, porque parte da sociedade brasileira não está nem aí para nada, vão tendo filhos igual cães de rua tem filhotes, não se fala em controle de natalidade porque o país é socado de maravilhosas igrejas cristãs desinteressadas neste tema, não se incentiva o amadurecimento social porque nossa classe política deita e rola sobre a ignorância popular e depois “paga de bonzinho” com ideias do tipo ” sou contra”, vamos dar bolsa para isso, bolsa para aquilo, moeda de voto entre outros! A ditadura pode até ter acabado…. mas a ditadura da alienação popular ainda permanece meu caro e o pior….. nós pagamos por tudo e ainda somos assaltados e com sorte não somos assassinados!

  • Eduardo, os “letrados” que se dizem de direita, mas na vaerdade não sabem nem a diferença básica entre direita e esquerda, são burros e alienados demais, pois entre outras coisas, vivem utilizando o argumento de que o homicídio diminuiu em SP e se esquecem ( tenho certeza que de propósito, mas também desconfio que não sabem o que significa ) que o número de Latrocínios disparou, nunca esteve tão alto na cidade e no Estado de SP.

    JN diz e Veja publica, pronto é verdade verdadeira.

    Não se dão nem ao trabalho de procurar outras fontes para verificar tão informação. é a mesma coisa quando se fala em Bolsa Família ou o Auxílio Reclusão. Só criticam e não se dão ao trabalho de verificar as condicionalidades para obter ou manter tais benefícios.

    BURROS DEMAIS !

  • A série de reportagens do jornalista Luiz Carlos Azenha intitulada, “Infância Perdida”, exibida um mês antes da proposta irresponsável do Geraldo Alckmin, denunciando marmanjos, pedófilos poderosos no Norte do Brasil (protegidos até pela própria Justiça, às vezes até membros do Judiciário envolvidos diretamente), não despertou o clamor da imprensa para reação em defesa das crianças violentadas.

  • O crime contra essa pobre dentista é apenas mais uma, entre inúmeras provas de que vivemos numa sociedade que está putrefata até sua essência mais mínima e em avançado estado de decomposição. Inexistem sequer um mínimo de princípios, sequer uma sombra de valores humanos. É onde a “maravilhosa” sociedade de consumo e o capitalismo desenfreado nos levaram. Faltam a base moral e os fundamentos éticos essenciais para que se construa um código mínimo de conduta. Vivemos na mais plena selvageria, onde imperam a lei do mais forte e da vantagem imediata, independentemente de qualquer consequência nefasta sobre quem quer que seja. Estamos involuindo, em vez de progredir e crescer; e isto, não só no plano moral, ético e filosófico em geral; mas também em muitas outras vertentes que envolvem a existência humana. Fico espantado ao ler minhas próprias palavras, pois têm muita similaridade ao que dizem muitas entidades reacionárias ou certos extremistas conservadores que pululam por aí… Mas elas expressam exatamente o que venho sentindo nos últimos tempos. Enquanto continuarmos a cultuar a ignorância, dando sempre preferência às “soluções” mais fáceis, como essa proposta pelo almofadinha que dizem governar nosso estado, certamente não mudaremos de rumo. Estamos num ponto de virada: ou redirecionamos nossa sociedade, prática e cultura agora, ou nosso futuro será incerto e muito além de temerário…

  • Alguém lembra de uma alta funcionária da justiça do Rio de Janeiro (não lembro se era desembargadora ou procuradora), que foi denunciada por espancar e xingar uma criança de uns 4 anos adotada por ela?Como alguém fez essa pergunta em relação aos menores, eu pergunto: ela aprendeu isso na escola, na universidade, na sua experiência profissional? Foi a empregada que denunciou e tudo foi confirmado e aquela criatura da lei foi presa. Não sei se ainda está. Provavelmente não. Com certeza muita gente deve pensar que esse é só um caso. Provavelmente, muito provavelmente também não é. Rico, maior ou menor, geralmente não mata, paga para um outro matar. Jovenzinho rico não tortura, faz experiência incendiando índios, dando sustos nos desafetos, tipo ‘lições’, ‘ajudam mendigos saírem ‘dessa para melhor’, brinca com fantasias de skinhead, coisinhas à toa. E quando mata, a família rica superprotege, manda para o exterior até o crime expirar, ou protegem o nome da família com bons advogados como no caso daquele menino da Rua Cuba em São Paulo, aquele que matou os pais e que se livrou porque a família tem uma banca de advocacia de prestígio. Tão meigo o rapaz, foi flagrado falsificando documentos na faculdade anos mais tarde, conforme notícia publicada na época. Poucos são os que são apanhados e julgados como nos casos de Suzanne e dos Nardonni. O Plebiscito vai acabar como aquele sobre o armamento, vai ser guiado pelas paixões e espetacularização dos dramas pelas ordinárias Vejas da vida. E assim, precisamos lembrar que os ricos também amam, matam, assim como os pobres. Mas todo pré-julgamento é perigoso. Daí, a necessidade de encarar coisas complicadas como essas, com debates, buscas de soluções e ações efetivas e honestas, não ações maquiadas para inglês ver, e muito menos resolver no tapetão com um plebiscito rasteiro e da hora. Porque não fazem um plebiscito para decidir se acaba com as PMs, por exemplo? Não, não, isso não!

  • O Filósofo Socrates ja disse “Educar as Crianças e nâo precisa aCastigar os Homen”
    Deviámos mesmo era ser mais justos com relação a lei para todos ricos e pobres, Educação e profissionalisação, um plano de governo voltado para o social. que se encontra a muinto marginalisada porque deveria comprir o dever de proteger.

    os governos de Lula e Dilma ate que fiserao alguma coisa, no entanto, gostaria de saber porque permitem que a saude continue como estar.

  • Em grande número de países a maioridade penal é bastante reduzida em anos – existem países, onde até menores 8,9 anos são punidos no rigor da lei. O Brasil é a favor, haja visto que nos países civilizados, e de primeiro mundo ja a adotaram. Então, vamos recusar e assistir que menores deitem e rolem em cima dos cadáveres dos brasileiros que mataram, por pura crueldade,bestialidade e apostando na impunidade. Dizer que é manobra política é falta de visão. Vamos torcer que a família de quem é contra encontre um enor infrator pela frente, e sustente a idéia. O menor pode votat, escolher até presidente da república,governador,deputados e vereadores, pode dirigir e não pode pagar pelos seus crimes? faça-me uma piada.

    • Você quer copiar o modelo penal dos países que encarceram crianças de 8 anos, mas não quer copiar o modelo de justiça social, o modelo de educação, o índice de desenvolvimento humano e, acima de tudo, as prisões civilizadas. Saia desse mundinho cor de rosa e vá conhecer o sistema prisional brasileiro. Se continuar dizendo asneiras depois disso, serás um caso perdido.

  • Enquanto não chega a educação de qualidade para melhorar o povo brasileiro, vamos aplicar a lei com rigor para os menores infratores, o que não pode é a sociedade se tornar refém de um bando de menores que matam dando risada, por que sabe qe não terá punição devida, e em 2 ou 3 anos estarão de ficha limpa matando,estuprando,sequstrando e traficando, numa boa, tendo aaté gente que os defendem. CADEIA NELES – e que a sociedade civil dê a sua resposta. Ladrão bom, é ladrão morto. Grandes estudiosos da mente criminosa provam que muitas mentes criminosas são irrecuperáveis-são psicopatas que matam de forma fria,sem arrependimento. E as quadrilhas, sejam elas organizadas, ou não, sempre recrutam o menor-o que vai atirar, o que vai torturar, o que vai matar – por que não haverá punição para os adultos, nem para o menor. Apostar na educação, e so, é uma piada.

    • Então você quer lei punitiva depois da lei educativa? Primeiro mata e depois pergunta? Essa direita está cada dia mais fascista mesmo

  • Na minha humilde opinião, o que causa todas estas questões é o fato de não existirem leis mais rígidas para punir cidadãos que atualmente agem como bem querem, matando, roubando, estuprando, incendiando. Tudo o que se comenta em blogs e outros afins é muito bonito, pois normalmente quem posta comentários não são aqueles que tiveram suas casas roubadas, suas mulheres estupradas, suas filhas assassinadas…. Só quem sofreu “no coro” este tipo de violência é que pode realmente dizer . Acredito que a sociedade precisa parar de ser hipócrita e politiqueira e assumir que a violência no país está afetando a economia. Tem donos de restaurantes em ” maus lençóis” porque os clientes sentem medo de sair e serem assaltados enquanto comem, de terem seus pertences roubados quando muitas vezes pagam por eles com sacrifício, ou até não. Agora me digam uma coisa? Com que direito alguem pode roubar, humilhar, matar, destruir a paz da sociedade por quaisquer motivos que sejam???? Por acaso o crime agora se tornou ser rico? Ter celular ou carro de ultima geração? Crime agora é ter bolsa cara, é jantar em restaurantes? Oras me poupem! Enquanto este enfadonho pensamento de povinho existir na cabecinha dos Brasileiros não chegaremos a lugar algum. Sou à favor de leis mais rígidas sim, para menores, maiores e idosos infratores, sem distinção de raça, cor ou classe social. O que não admito é trabalhar o mês inteiro, pagar centenas de impostos, correr o risco de ser estuprada por uma ” criancinha” que vai sair impune “pobrezinho”. Educação? É muito bonito se falar em educação, o que não se fala é que ela só é acessível a quem realmente deseja recebe-la, indiferente da classe social. Socialismo? Outra hipocrisia de políticos alienadores. Gostam de socialismo, querem ter ideias comunistas? Peçam asilo na Coreia do Norte e sejam muito felizes!!!!!

  • O Governo Dilma é BIPOLAR e age de forma contrária aos seus princípios e trata patrões e empresários, políticos e a sociedade pobre e carente, de maneira anacrônica ao pensamento social democrático.
    Quero deixar o próprio PT falar o que o povo brasileiro esta gritando nas ruas:
    “Numa sociedade como a nossa, baseada na exploração e na desigualdade entre as classes, os explorados e oprimidos têm permanente necessidade de se manter organizados à parte, para que lhes seja possível oferecer resistência séria à desenfreada sede de opressão e de privilégios das classes dominantes.
    O povo brasileiro está pobre, doente e nunca chegou a ter acesso às decisões sobre os rumos do país. E não acreditamos que esse povo venha a conhecer justiça e democracia sem o concurso decisivo e organizado dos trabalhadores, que são as verdadeiras classes produtoras do país.
    É por isso que não acreditamos que partidos e governos criados e dirigidos pelos patrões e pelas elites políticas, ainda que ostentem fachadas democráticas, possam propiciar o acesso às conquistas da civilização e à plena participação política a nosso povo.
    1. A sociedade brasileira vive, hoje, uma conjuntura política altamente contraditória e, sob muitos aspectos, decisiva quanto a seu futuro a médio e longo prazo.
    Já está demais evidente que o novo governo militar pretende manter a continuidade dessa mesma política econômica ditada pelo capital financeiro internacional, agravada agora pelos planos de austeridade e recessão que já se esboçam. Isso significa que o sofrimento, a miséria material e a opressão política sobre a população trabalhadora tenderão a se manter e aprofundar.
    O Partido dos Trabalhadores entende que a emancipação dos trabalhadores é obra dos próprios trabalhadores, que sabem que a democracia é participação organizada e consciente e que, como classe explorada, jamais deverão esperar da atuação das elites privilegiadas a solução de seus problemas.
    O PT afirma seu compromisso com a democracia plena, exercida diretamente pelas massas, pois não há socialismo sem democracia nem democracia sem socialismo.
    A Comissão Nacional Provisória
    1º de Maio de 1979”
    http://www.pt.org.br/arquivos/cartadeprincipios.pdf

    Sérgio Alberto Bastos da Paixão
    http://www.facebook.com/sergio.paixao.35

Deixe uma resposta