Ruptura do Estadão com a ditadura é história pra boi dormir

denúncia

 

A morte do jornalista Ruy Mesquita, diretor do jornal O Estado de São, na noite de terça-feira (21), ensejou matérias em telejornais e portais de internet que estão divulgando uma das mais antigas conversas moles dos autores intelectuais de uma ditadura sangrenta, selvagem e degenerada que se abateu sobre o Brasil durante mais de duas décadas.

Um aviso: este artigo nada tem que ver com o cidadão Ruy Mesquita, de quem o Blog lamenta a morte como lamentaria de qualquer ser humano, mas com uma tentativa malandra de revisionismo histórico que o passamento do dito cujo desencadeou.

O Jornal Nacional, por exemplo, apresentou assim o papel do Estadão durante a ditadura militar que, ao menos, o telejornal reconheceu que foi apoiada em seus primeiros momentos pelo jornal que Ruy Mesquita dirigiu até morrer:

—–

Jornal Nacional

Edição de 21 de maio de 2013

Reportagem sobre a morte de Ruy Mesquita

Ao lado do pai, Júlio de Mesquita Filho, e já como jornalista, [Ruy Mesquita] apoiou o golpe de 1964, mas a família rompeu com o regime no ano seguinte [1965], quando as eleições foram canceladas [pela ditadura]”

—–

História para boi dormir, isso sim.

Nos momentos que antecederam o golpe, Ruy Mesquita, filho do dono de O Estado de S. Paulo, era vinculado à UDN. Na redação de seu jornal, semanalmente eram feitas reuniões conspiratórias com civis e militares tão interessados quanto aquele barão da mídia em tramar o golpe.

Contudo, a ruptura que teria ocorrido em 1965 – um ano após o golpe – entre o Estadão e o regime que o jornal ajudara a implantar, não era para valer. Não passava de uma forma de o veículo disfarçar seu apoio a medidas da ditadura que se coadunavam com a sua visão político-ideológica.

O Estadão, por exemplo, apoiou a censura aos movimentos de esquerda e até a peças de teatro que entendia como “propaganda comunista”. Editorial desse jornal publicado em junho de 1968, portanto bem depois de sua suposta “ruptura” com o regime, deixa ver que sua alardeada luta contra a censura não passava de fachada.

Abaixo, trecho daquele editorial:

—–

O ESTADO DE SÃO PAULO

Editorial

 (…) Foi uma oportuna manifestação a que se registrou recentemente na Assembléia Legislativa, pela palavra do deputado Aurélio Campos, sobre os excessos que se tem verificado em representações teatrais no terreno do desrespeito aos mais comezinhos preceitos morais.

O mundo teatral – tanto os atores e atrizes como os autores – vêm movendo uma campanha sistemática contra a censura, e como esta nem sempre é exercida por autoridades à altura de tão graves e, às vezes, tão delicadas questões, a tendência de muitos é cerrar fileiras entre os que combatem.

O que na censura geralmente se vê é uma ameaça à liberdade, o que assume a feição particularmente antipática quando à liberdade ameaçada é a artística. Carradas de razão, entretanto, teve o parlamentar acima referido ao assinalar, a propósito de peça teatral a cuja representação assistira, que a censura, longe de se mostrar rigorosa no escoimá-la de seus exageros mais escandalosos, o que revelou foi uma complacência que não pode deixar de ser severamente criticada (…).

—–

O editorial considerou “branda” a censura dos ditadores a peça teatral que o jornal considerava esquerdista demais. Ora, alguém é capaz de explicar que ruptura é essa que pedia que aqueles com os quais teria rompido intensificassem a censura a peças teatrais?

Esse pedido do jornal ao regime para que intensificasse a censura provocou intensa comoção entre a classe artística, a ponto de o crítico teatral Sabato Magaldi dar entrevista comunicando o repúdio dos artistas àquele editorial do Estadão.

Artistas de São Paulo e do Rio de Janeiro, então, no mesmo dia da publicação do editorial mandam chamar a imprensa a fim de anunciar que os prêmios “Saci” (premiação que o Estadão conferia anualmente aos melhores da produção brasileira de cinema e teatro) seriam devolvidos ao jornal em protesto contra o tal editorial, considerado pelos artistas “totalmente favorável à censura ditatorial”.

Os prêmios “Saci” foram devolvidos ao Estadão pelos seguintes artistas: Cacilda Becker, Walmor Chagas, Fernanda Montenegro, Maria Della Costa, Sérgio Mamberti, Odete Lara, Jorge Andrade, Lélia Abramo, Etty Fraser, Ademar Guerra, Fauzi Arap, Augusto Boal, Flávio Império, Flávio Rangel, Gianfrancesco Guarnieri, José Celso Martinez Corrêa, Liana Duval, Paulo Autran e Tônia Carrero.

E nem vamos falar da demissão da psicanalista Maria Rita Kehl pelo Estadão em 2010 por “delito de opinião”, ou seja, por ter escrito artigo que o jornal, que apoiava abertamente a candidatura José Serra, considerou que era favorável à candidatura Dilma Rousseff. Afinal, o foco é esse jornal e a ditadura.

Nesse aspecto, há até uma densa obra acadêmica entre as várias que denunciam a promiscuidade entre jornalões como o Estadão e a ditadura militar para muito além de 1965.Trata-se do livro da historiadora Beatriz Kushnir, feito a partir de sua tese de doutorado, intitulado “Cães de Guarda – Jornalistas e Censores do AI-5 à Constituição de 1988” (Editora Boitempo).

Sobre a autora, vale relatar que é mestre em História pela Universidade Federal Fluminense (UFF) e diretora do Arquivo Geral do Rio de Janeiro, que possui um dos maiores acervos sobre o regime militar. Sua tese foi apresentada ao Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

O livro relata que jornalistas de formação passaram a integrar o Departamento de Censura de Diversões Públicas (DCDP) e trata dos policiais que atuaram como jornalistas sob anuência inclusive dos donos do Estadão.

Segundo a autora, os donos de jornais como Folha de São Paulo, Jornal do Brasil, o Estado de São Paulo e outros “acatavam” os bilhetinhos da repressão sobre o que se podia e o que não se podia publicar.

Os jornalistas colaboracionistas que gente como os Mesquita instalaram nas redações ganharam até apelido, ficando conhecidos como “gansos”.

O ponto alto do livro é o que trata do jornal Folha da Tarde (FT), do Grupo Folha, de Octavio Frias. Foi o jornal que prestou os maiores serviços à repressão. Era chamado pelos jornalistas independentes de “delegacia” ou “orgão oficial da OBAN”.

Contudo, o livro de Kushnir aborda, também, a postura de muitos outros veículos naquele período. Relata que todos os grandes órgãos de imprensa transmitiam a versão do Estado na luta contra a guerrilha, ocultando a tortura, os assassinatos, os desaparecimentos e as mortes dos oposicionistas.

Além do grupo Folha, foco do livro, patrocinaram e sustentaram o golpe também os Diários Associados, de Assis Chauteaubriand; o Estado de São Paulo e o Jornal da Tarde, da família Mesquita; a Rádio Eldorado; a TV Record; a TV Paulista; o Jornal do Brasil; o Correio do Povo; a Tribuna de Imprensa, de Carlos Lacerda; o Noticias Populares, de Hebert Levy; e as Organizações Globo, de Roberto Marinho.

“Cães de Guarda” relata, por exemplo, a posição do escritor Frei Betto sobre o comportamento do Estadão naquele período. Ele criticou as notícias de culinária no lugar das matérias censuradas no Jornal da Tarde e no Estado de São Paulo.

Para Frei Betto, as receitas culinárias “Atenuavam a cumplicidade do Estadão com a mentira oficial publicando, nos espaços censurados, receita de bolos ou poemas de Camões”, mas, segundo o escritor, “Os acólitos do regime adaptavam-se, substituíam o noticiário cortado, antecipavam-se à tesoura do censor”.

A morte de Mesquita, como já foi dito, é lamentável como a de qualquer ser humano. Mas que não venham agora veículos como a Globo, que lamberam as botas da ditadura e a ajudaram a matar e a torturar inocentes, tentar apagar os crimes que esses barões da mídia cometeram naqueles anos de chumbo. Não vamos esquecer.

88 comments

  • Este barão ja vai tarde, pessoas como estes Mesquitas teriam que erem punidas Ate depois de mortas. Que a terra Seja bastante pesada pra este verme.

  • Edu, O Brasil precisa julgar e condenar os culpados. Mostrar para o mundo e para àqueles que não viveram essa época, a verdade dos fatos, apontando os verdadeiros responsáveis por tamanha atrocidade. Precisamos limpar o país dessa mancha que envergonha a todos os seres pensantes,e conscientes desse lindo país chamado BRASIL.

  • e o CIVITA parece que esta ruim tb

    Só falta a direita começar a falar de inoculação do câncer também ..eu hein, I can see people, e você ?

    e por se falar em história pra boi dormir ..”..lamentar a morte de qq ser humano..” ..pra mim tem uns que vão é tarde, ou já deveriam ter ido antes de condenarem MILHÕES à miséria (tipo Bushs e Sharon por ex ..Maluf, pra citar UM brasileiro)

    ..o SERRA não, este é inocente segundo a Policia Federal da DILMA ..resando o terço já deveria estar o Amauri pelas “mentiras” ditas

    e olha o que PATRICIA POETA – outra santinha – tentou dizer ontem no JN ..tentou naquelas tentativas de transformar SUCESSO em tragédia

    “..a economia brasileira criou 197 mil empregos em abril ..foi o PIOR resultado pro mês em 4 anos (completou)..”

    PQP depois dessa TRAGÉDIA grifada e realçada, acho melhor mesmo fazermos as malas e irmos pra Europa ou pros EUA ..quem vem ?

    http://g1.globo.com/jornal-nacional/

    • Foi maldoso o Jornal Nacional dizer que o crescimento do emprego em abril foi o pior em quatro anos, muito patético….

      21/05/2013 16:55 – Portal Brasil

      Desde janeiro de 2011, o crescimento de empregos representou aumento de 9,39%, ou seja, foram criados 4.139.853 postos de trabalho

      Em abril, foram criados 196.913 empregos com carteira assinada no País, o que representa aumento de 0,49% em relação ao mês anterior, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados nesta terça-feira (21).

      O desempenho positivo é resultado da geração de 1.938.169 admissões e 1.741.256 desligamentos, os maiores para o período. Entre janeiro de 2011 e abril de 2013, o crescimento de empregos representou +9,39%, o que traz um aumento de 4.139.853 postos de trabalho.

      Para o ministro do Trabalho e Emprego, Manoel Dias, os dados demonstram a retomada no aumento do emprego formal. “Os números são otimistas, pois demonstram crescimento em praticamente todos os setores da economia”, avalia o ministro, reiterando a expectativa do ministério do Trabalho de que o país gere 1,5 milhão de vagas em 2013.

      No acumulado do ano, o emprego cresceu 1,39%, um acréscimo de 549.064 postos de trabalho.

      País criou mais de 110 mil vagas de empregos formais no mês de março
      Mais de 28 mil empregos formais foram criados em janeiro de 2013
      Brasil gerou 1,3 milhão de empregos formais em 2012

      Crescimento generalizado

  • Disse tudo Gerson, esse tucano infiltrado no PT deve estar chorando à socopa.Daqui a pouco ele vai escrever uma carta dizendo que esse sujeito foi o mais democrata e o que mais lutou contra a ditadura nesse país.

  • O que eu lamento e eles terem sete palmos de terra sobre a cara, como qualquer ser humano, antes de verem suas empresas tb irem para a sepultura. Isso se aplica ao agonizante dono de Veja tb.

    O que queria saber e o que essa gente ja fez pelo pais.Pessoas mesquinhas, maledicentes, hipócritas, manipulações que, quando morrem, querem transforma los em santo. A essas pessoas, lamento enquanto ser humano, mas nao vejo o que tenham feito de relevante para o pais a nao ser distorcer a justiça, manter seus privilégios e a pose de libertários. Sinceramente, qualquer um desses aí, para mi ja vai tarde.

  • Já foi tarde! Logo após a morte dpo ditador assassino Jorge Videla, bate as botas o capacho da ditadura Ruy Mesquita! Por sinal, se há algo a “lamentar” na morte de Mesquita, é o mesmo que pode ser dito de Videla : do argentino gostaria que tivesse continuado vivo para SOFRER MUITO, PAGANDO UM POUCO NA CADEIA OS HORRORES QUE COMETEU A MILHARES DE SERES HUMANOS NA ARGENTINA(EMBORA POR MAIS QUE APODRECESSE NO XILINDRÓ, NÃO CHEGARIA NEM PERTO DE PAGAR TODAS AS MONSTRUOSIDADES DE QUE É CULPADO). QUANTO A MESQUITA, AFIRMO O MESMO : SÓ LAMENTO QUE NÃO TENHA CONTINUADO VIVO PARA VER A CÍNICA “LEI DE ANISTIA” SER REVERTIDA E TODOS OS QUE COMETERAM ATROCIDADES NA DITADURA SEREM PUNIDOS, APODRECENDO NA CADEIA PELAS BARBARIDADES DE QUE SÃO RESPONSÁVEIS, INCLUINDO-SE NESSES “TODOS” NÃO SOMENTE OS TORTURADORES DE BAIXÃO ESCALÃO E SEUS COMANDANTES DIRETOS, MAS JUNTO COM ELES OS EMPRESÁRIOS CAPITALISTAS E OS BARÕES DA MÍDIA; QUE COMO MESQUITA APOIARAM A DITADURA IDEOLOGICA E FINANCEIRAMENTE, CHEGANDO MESMO ATÉ A PARTICIPAR DE SESSÕES DE TORTURA, COMO APONTAM AS “AGENDAS” DO DOI-CODI RECENTEMENTE DIVULGADAS. Assim, não serei hipócrita para lamentar em nada a morte desse miserável; que continuava a sabotar o país nos dias atuais, usando o seu jornalzinho para destruir os Governos Lula e Dilma, apenas apoiando a reação da mídia alternativa para desmascarar a tentativa dos conservadores de impor um discurso histórico mentiroso, destinado a esconder a cumplicidade que os coroneis midiáticos tiveram com os horrores daquele período, cumplicidade que veio desde a campanha de sabotagem que empreenderam com o objetivo de derrubar o Presidente João Goularth, democraticamente eleito, e impor uma ditadura civil-militar atroz em seu lugar; até o apoio e participação nos horrores praticadois pelo regime, não apenas escondendo-os, mas colaborando e patrocinando sua realização. Desmentir os cúmplices de Mesquita, que tentam livrá-lo da participação em uma ditadura da qual todos eles; Mesquita, Marinho, Civita, Frias, Chatteubriand; foram apoiadores, e de onde somente “saltaram fora” quando lhes era interessante(para que assim fôsse preservado o mesmo status quo cujo perpetuação foi o objetivo do golpe) é tarefa indispensável para que os brasileiros compreendam o que essa gente representa, o quanto é nocivo o controle da opinião e da informação por tais bandidos, e engajem-se na luta para que paguem pelo que fizeram.

  • Acho desgastante e patética essa sua missão brancaleonica contra a grande imprensa brasileira. Parece que , para você, nada presta no jornalismo a não ser que defendam José Dirceu ou Genoino.
    Seu blog é, como já li algumas vezes, para o aplauso de uns poucos e quem, como eu, ousar criticar, é escorraçado.
    Acho que a critica é salutar e necessária, mas tornar o assunto uma investida obcecada é ruim e afasta aqueles que querem debater.

    • olha, sobre as preferências do Mesquita eu não me oponho, apenas advogo, debato, tento convencer e/ou me permito mudar de opinião se for o caso ..agora, o que critico e condeno é quando pra fazer valer suas idéias ele, e OUTROS, passam a mentir, ofender, diminuir e a incitar, a fantasiar

      Por acaso vc se lembra de LEME ? ..aqui, e em outros exemplos é que pega, compreende ?

    • Minha querida, não se trata de obsessão do Edu. É que a imprensa – pelo menos os grandes jornais e redes de televisão – passaram a atuar como partidos políticos, e investem diariamente, contra o governo que elegemos. Não para apresentar críticas fundamentadas, que, como você mesma disse, são necessárias e benvindas, mas para distorcer e apresentar versões deturpadas dos fatos. Ou você acha que, num mundo em que as maiores economias enfrentam uma crise renitente, onde o desemprego atinge milhões de trabalhadores, e que se retraem ano a ano, afirmar que a economia nacional cresceu “apenas” 1%, ou informar a criação de 197.000 empregos em abril, mas ressaltar que foi “o pior mês de abril em 4 anos” não é dar cunho político à informação? As informações estão corretíssimas. De fato, a economia cresceu 1%, MAS CRESCEU!; de fato, abril foi o mês em que menos se criaram empregos nos últimos 4 anos. Mas o que isso representa de relevante? Ainda que não tivesse sido criado emprego algum, apenas o fato de NÃO HAVER DESEMPREGO já para ser comemorado, você não acha? Portanto, combater, diariamente, essas ressalvas malévolas que a imprensa comprometida com a direita faz, é a tarefa – exaustiva, acredito eu – que o Edu realiza com enorme competência.

    • Senhora cujo sobrenome – se for real – é uma “sopa de letras”, vá debater juntamente com os seus pares, retrógrados e cínicos, pois, sempre defenderam e defendem o insustentável.
      Aqui ninguém pediu e nem precisa da sua opinião. Vá lá para junto dos Mesquitas, Frias, Civitas e Marinhos.
      Estará no seu habitat.

  • sinceramente Edu?já vai tarde,ainda bem que temos pessoas como vc para lembrar esses fatos,vive na época do chumbo grosso,conheci várias pessoas que tiveram que abandonar suas familias,como sei de gente que apesar das perseguições hoje tem um comportamento duvidoso com relação aos acomtecimentos da época,emfim já foi tarde!

  • Um amigo, cujo nome preservo por ter falecido, antigo funcionário do Estadão, afirmava com todas as letras que os Mesquita receberam armas às vésperas do golpe de 64. Este meu amigo integrava um grupo preparado para explodir pontes e viadutos na Rodovia Presidente Dutra caso o general Zerbini, então comandante legalista da Brigada de Caçapava, tentasse deslocar-se para o Rio de Janeiro para resistir ao golpe. Como só ouvi tais relatos de uma única fonte, gostaria que outras testemunhas aclarassem esse alegado papel do Estadão na conspiração.

  • Pouco a pouco eles vão deixando o mundo pra pagar por seus pecados. Pena que deixam em seus lugares herdeiros não só das fortunas acumuladas as custas do sofrimento do povo, mas também do ideário egoista e desumano que formaram desde sempre, nos salões da casa grande.

  • MÃOS SUJAS DE SANGUE!
    De tantas e tantas pessoas que NUNCA, JAMAIS EMPUNHARAM ARMAS. Só “empunharam” IDEIAS LIBERTÁRIAS. IDÉIAS DEMOCRATICAS E DE BEM ESTAR SOCIAL.
    Ganharam o pau de arara, as perseguições, os choques, os estupros, a loucura e a morte.
    E aquelas que empunharam armas, o fizeram no LEGITIMO DIREITO A RESISTÊNCIA CONTRA GOVERNOS ALINHADOS AO IMPERIALISMO, A ENTREGA DA PÁTRIA a forças satanicas e amaldiçoadas.
    Não dá, não dá para respeitar essa gente. NÃO DÁ!
    OS GRITOS DOS TORTURADOS E ASSASSINADOS, AINDA SÃO OUVIDOS EM TODOS OS LUGARES.
    NÃO HÁ COMO ABAFA-LOS!
    Se o aloisio SEU FRIAS mercadante se achar solitário, FIQUE AO LADO DESSE DEFUNTO, POR TODA ETERNIDADE. Leve o eduardo MTV GLOBO suplicy junto.
    Como já foi dito aqui, QUE A TERRA LHE SEJA PESADA. MUITO PESADA!

  • Acho que o espaço do editorial e das notícias sobre a morte do Dr. Ruy, também deveriam ser ocupados por receitas. De preferencia aquelas que levam abobrinha.

  • A morte não apaga o comportamento passado. Lamento a morte de qualquer ser humano, resta conceituar o que é um ser humano de verdade!!!!

  • Antes com a intrenação do capo da Veja,dizia-se,ou ainda se diz,que haveria uma aproximaçãodesta com o governo,que o sucessor não etria o ódio histórico aos progressistas.Sera que no Estadão,sem a interferncia movida simplesmente por rancores,com uma nova liderança tambem haveria um arrefecimento,o que infelizmente não aconteceu na Globo,aliás só piorou.

  • Essa mídia e sua eterna tentativa de reconstrução da história a partir do seu favorecimento, como no outro post da matéria que “some”, hoje eu sou contra amanhã… talvez… Hoje mesmo, ouvindo a tal rádio Estadão da até nojo, aquele Haisen Abaki é um lixo de jornalista, repetiu várias vezes essa questão que o Doutor sempre lutou contra a ditadura, não seria a melhor fonte, mas o próprio Elio Gaspari na sua “ditadura” tem passagens sobre tal jornal… e durma-se com um barulho desses…

  • Se ele rompeu com a Ditadura brasileira, então Jorge Rafael Videla também rompeu com a Ditadura argentina.
    Isso mesmo, conversa pra boi dormir e deboche.

  • Este é um grande documento. Só precisa ser veiculado para mais gente e os meios são escaços.
    Caso contrária a grande mídia ¨etica¨ é qua vai impor a sua verdade.

  • Sensacional vídeo de Gerivaldo Neiva, Juiz de Direito na Bahia em Congresso Internacional sobre drogas, leis, saúde e sociedade pescado no Blog do Saraiva. Imperdível. Começa lendo o texto de sua autoria quando do recolhimento pela policia de drogados nas ruas: Eu quero ter direito ao inferno…
    http://saraiva13.blogspot.com….

    • então ..diz o juiz expositor que ele, o nóia que ele copia, “quer o direito ao inferno”

      tudo bem, e eu o DIREITO de não pagar pela farra, omissão e irresponsabilidade da sociedade na questão ..não lhe parece justo ?

      todos querem direitos, mas se esquecem dos deveres e responsabilidade para com o outro e o mundo ..pqp quanto egoísmo

      quero ver a hora que liberar e MULTINACIONAL americana vir aqui bancar a nóia e o monopólio da nossa juventude

      e vocês viram que interessante ..foram só as UPPs existirem pra marginalidade descer e aumentar as ruas ..ao menos é o que estão falando as autoridades responsáveis ..ou seja, se é por falta de ocupação, que tal os retermos e darmos emprego em obra pública pra essa turma ?

      aqui esta assim, não conseguimos educar as nossas jovens e meninas pra que deixem de ser objeto, que tenham RESPONSABILIDADE diante do sexo ..então libera o aborto libidinoso, pô !!!

      Não estamos dando presídios, libera geral ..não damos conta de construir moradias, de o VALE aluguel e libera a invasão ..não conseguimos construir transporte de massa, barato e de qualidade, de forma rápida e sem corrupção, então financia a industria automobilística internacional

      se juiz é corrupto, policiais também e políticos, porque não abolirmos a punição a qq tipo de crime tb ?

      vc é capaz de destruir um muro com um pontapé ..já de levantá-lo e adquirir do material, isso são outros quinhentos ..ser uma sociedade madura, democrática e respeitosa exige responsabilidade, contrapartida de direitos, cumprimento dos deveres

      Ser contra a proibição e/ou permitir pedir para o ESTADO intermediar o viciado e traficante nesta dança macabra e infernal que é o consumo de drogas pesadas e/ou TURBINADAS pela tecnologia recente (diferente do álcool e cigarro por exemplo), drogas que visam a fuga e o barato hedonista, destrutivo de si e potencialmente de outrem, sem duvida é mais um vez lavarmos as mãos, é capitularmos diante da missão de que temos que encontrar e inovar nas formas e caminhos que nos levem a verdadeiras soluções ..a libertação do homem fragilizado diante do astuto e poderoso.

      Dos viciados que conheço, se eles não tivessem sob efeito e impotentes, escravos diante da fissura, eu até poderia achar que era uma opção a decisão de interná-los ..mas diante da realidade, sem poesia, desculpe, inclusive pra ajudar suas famílias desesperadas por uma solução, desculpe mas não !!!

      ..e por favor, não me chame de hipócrita, pois antes de tudo, antes de condenar o traficante da droga e defender a internação compulsória, antes disso eu ACUSO, denuncio a irresponsabilidade da nossa sociedade e dos governoS diante dos diversos temas que afligem e afetam estes dramas.

  • Essa gente não tem vergonha do que fez: derrubaram um governo constitucional, eleito pelo povo, para instalar uma ditadura sanguinária subserviente a Washington. Eles não se envergonham de seus atos. Mas têm medo do julgamento popular. Por isso tentam reescrever a História.

  • Margaret Thatcher, General Videla e agora o Mesquitão….tudo isso num espaço de pouco mais de 1 mês. O ”coiso” tá tendo trabalho lá embaxio

  • OLHA mais uma imoralidade

    As mulheres pensionistas ..aquelas herdeiras dos abusos e ARBÍTRIOS assistencialistas, arbítrios que as permitem receber, por exemplo tipo a MAITE PROENÇA, receber enquanto vivas a pensão pela morte do pai, desde que elas não estejam casadas em regime de União estável, e sim solteiras ..enfim, estas moçoilas, muitas sexagenárias, estão recorrendo à Justiça contra a Rioprev por conta deste órgão estar exigindo que elas ASSINEM que não são casadas nem que possuem outra fonte de renda que impeça do benefício

    e sabe o que elas alegam ? que a LEI as protege no quesito de não terem que gerar provas contra si .p..pois é, aqui se pode mentir na cara dura enquanto a viúva banca a conta

    oras francamente ..só por isso, pra mim isso já seria prova de CONFISSÃO

    mas aqui, é aquilo, tudo termina em samba mesmo

    fonte
    http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/rj/2013-05-22/pensionistas-vao-a-justica-contra-corte-de-6092-pensoes-de-filhas-solteiras.html

    http://www.youtube.com/watch?v=-rtuDvG4ktk

  • Boa Edu,

    Estes Hipócritas precisam ser Desnudado. O pior e saber que essa gente ainda POSA DE ILIBADOS E PALADINOS DA MORALIDADE E ÉTICA. SÃO FARISEUS HIPÓCRITAS E TRAIDORES DA PÁTRIA.

  • Eduardo. Você critica tanto as ditaduras militares ao mesmo tempo que vive elogiando as ditaduras socialistas que dizimaram ao longo do século XX pelo menos 100 milhões de vidas ao redor do mundo.

    Você não considera isso uma contradição?

    O problema não é você criticar ditaduras militares, pois eu também critico. O problema é você elogiar ditaduras socialistas que em termos de repressão colocam os militares como leigos no assunto.

        • Citar fontes? Isso é o que não falta, camarada. Posso citar dezenas de exemplos para você, mas ficarei com as duas ditaduras socialistas mais sanguinárias do século XX: A ditadura soviética e a ditadura maoista.

          Vai fazer o que agora? Negar as mortes do Hodolomor provocada pelos socialistas soviéticas e os mortos do Grande Salto provocada pelos socialistas chineses?

          Acho que o mitomano aqui é você e o Eduardo, pois negam fatos históricos que nem mesmo os governos desses paises negam atualmente.

      • Eduardo,

        Você nega os milhões de ucranianos que foram mortos no Hodolomor pelos socialistas soviéticos e os milhões de chineses que foram mortos pelos socialistas chineses no Grande Salto em Frente?

        • Como é que é?

          Quer dizer então que o Eduardo é um grande crítico da ditadura cubana? Essa mesma ditadura que foi apoiada nos tempos da guerra fria pelos socialistas soviéticos e esta ideologicamente alinhada com os socialistas chineses, norte coreianos e demais “revolucionários” da esquerda?

          O Eduardo é incapaz de escrever uma única linha sequer denunciando os horrores de ditaduras socialistas.

    • “as ditaduras socialistas que dizimaram ao longo do século XX pelo menos 100 milhões de vidas ao redor do mundo.”

      pode citar a fonte, por favor?

      …eu nem sei porque pedi isso a você, “mitônamo” !!

      • Citar fontes? Isso é o que não falta, camarada. Posso citar dezenas de exemplos para você, mas ficarei com as duas ditaduras socialistas mais sanguinárias do século XX: A ditadura soviética e a ditadura maoista.

        Vai fazer o que agora? Negar as mortes do Hodolomor provada pelos socialistas soviéticas e os mortos do Grande Salto provada pelos socialistas chineses?

        Acho que o mitomano aqui é você e o Eduardo, pois negam fatos históricos que nem mesmo os governos desses paises negam atualmente.

        • Caro Marcelo, ditaduras são ditaduras, não importa o viés, se de “esquerda” ou “direita”. No fundo, trata-se de um bando de prepotentes passando a perna no resto das pessoas e massacrando a oposição aos seus atos. Entretanto, você deveria ter citado outros regimes ditadoriais. Por exemplo, você não citou as ditaduras que caracterizaram a América Latina. A ditadura Argentina, por exemplo. A ditadura chilena. A ditadura nazista. E as demais ditaduras do resto do mundo. Finalizando, nunca vimos Eduardo defendendo, conceitualmente, ditaduras. Creio que você está sendo absolutamente injusto.

          • Olá Luiza,

            Não citei tantas outras ditaduras mencionadas por você, realmente. Mas concordo plenamente contigo.

            Mas na boa, afirmar que o Eduardo nunca apoiou nenhum tipo de ditadura é faltar com a verdade. É extremamente natural dentro do mundo esquerdista o apoio irrestrito à ditadura cubana, por exemplo. E o Eduardo não esta fora dessa e ele mesmo não se sente ofendido quando alguém afirma que ele apoia ditaduras socialistas nos moldes que vemos em Cuba e que, digasse de passagem, não difere tanto de outras ditaduras socialistas em relação aos métodos de governo para permanência no poder e discurso ideológico voltado às massas que podem garantir ao Partido a manutenção e o avanço do processo revolucionário dentro de uma nação.

    • Edu, está no Wiki: “A mitomania (ou mentira obssessivo-compulsiva) é a tendência patológica mais ou menos voluntária e consciente para a mentira. Normalmente, as mentiras dos mitomaníacos estão relacionadas a assuntos específicos, porém podem ser ampliadas e atingir outros assuntos em casos considerados mais graves . Uma menina cujo pai é violento, por exemplo, pode começar a inventar para as colegas como sua relação com o pai é boa e divertida, contando sobre passeios e conversas que nunca existiram. Justamente pelos mitômanos não possuírem consciência plena de suas palavras, os mesmos acabam por iludir os outros em histórias de fins únicos e práticos, com o intuito de suprirem aquilo de que falta em suas vidas. É considerada uma doença grave, necessitando o portador dela de grande atenção por parte dos amigos e familiares.”

  • Aposto que a esmagadora maioria da população que se informa através de veículos como o Jornal Nacional acredita no que é ali divulgado. Se o apresentador diz que o Estadão apoiou a ditadura e depois de um ano rompeu com ela a maioria acredita. Acredita porque não tem ou não quer ter, ou ainda mesmo querendo não pode ter acesso a outras fontes de informação. Felizmente a internet tem começado a furar essa barreira criada a partir do golpe de 64.

  • Quanto a sua análise de, agora, os ‘ajudantes’, ‘auxiliares’ da ditadura militar de 64 quererem dar um novo verniz, como se fosse apenas reescrever duas ou três linhas e tudo bem. A história, contudo, é mais que isso.
    A rede globo, bem que tenta: no seu site memória globo, por exemplo, dão a versão do caso Proconsult (http://memoriaglobo.globo.com/Memoriaglobo/0,27723,5270-p-21750,00.html) coisa que só foi acontecer depois do falecimento de Leonel de Moura Brizola. Enquanto vivo, a rede globo, a memória globo, não se pronunciavam pois a testemunha e protogonista estavam ali para colocar os pingos nos iis.
    A história que esses veículos fazem hoje, com certeza, vão deixar todos envergonhados amanhã.
    Eles não se emendam.

  • A pura verdade. Se a comissão da verdade for completa, há de mostrar que a grande imprensa toda foi cúmplice da ditadura.
    Pediu, apoiou e colaborou com tudo, tortura, censura, sequestros e assassinatos. Não que se peça que prendam os caras, mesmo porque estão morrendo.
    Mas que fique claro, ao contrário do que eles dizem, a grande imprensa nunca sofreu censura, e nunca foi vítima da ditadura. Muito pelo contrário.
    Dito isso, Edu, temos que admitir que o Estadão quando nas mãos do patriarca, era menos ruim. No sentido que deixava sua opinião nos editoriais, e procurava ter um mínimo compromisso com a verdade factual. Isso com a Abertura, claro. Ao contrário da Folha e do O Globo, mentirosos e deturpadores

  • Nunca tinha ouvido falar que o Estadão rompeu com a ditadura. Só os parvos não perceberam o golpe de fazer de conta que criticava a criminosa ditadura que mergulhou o país nas trevas. Mesquitas, Frias e Marinhos não enganam ninguém.

  • Tenho pra mim q o Estadao sempre foi conservador – era do café no sec. 19 e 20, era pro arte tradicional e contra a revoluçao na semana de 1922, era contra getulio vargas e tudo o que representava…, contra o trabalhismo de j foulart, contra a construçao de Brasilia nova , pro golpe de 64 por muito tempo etc. Mas sempre teve uma certa consistencia nisso…
    Depois que descobriu que o PT nao era só um partido “bonitinho e radical” mas tomara o poder e redirecionara o cofre, entao passou a xerocopiar , (eu disse isso?/) as machetes globais, folhentas e a de NIUYORK com muita coerencia. Diria que é um exercicio diário.
    E nessa tá ate hoje e promete mais.

  • Mesquitas, Frias, Marinhos etc… patrocinaram abertamente a Ditadura Militar. Praticavam a auto-censura como todos nós sabemos. A CNV e o povo brasileiro se encarregará de colocá-los em seus devidos lugares.

  • DISCURSO DE COLLOR CHAMANDO JB NA ‘CHINCHA’

    Apenas um trecho…

    “O país exige que o Ministro Joaquim Barbosa tenha compostura, liturgia do cargo e dever cívico. Nenhum juiz pode dar entrevistas, se filiar a um partido político ou se candidatara um mandato público.
    Como pode um magistrado, presidente da Suprema Corte, manifestar antecipadamente suas ideia. E que ideias! Juiz deve opinar sobre leis, o direito, e sempre nos autos dos processos. Jamais pode expressar-se politicamente. Não faz parte de suas atribuições.

    http://www.conversaafiada.com.br/brasil/2013/05/22/collor-refuta-opinioes-desrespeitosas-de-barbosa/

    • Alex sabe o que é duro?

      É ter que aplaudir o Collor!

      Jamais pensei em viver tanto tempo para isso!

      Justo o Collor, pqp, pare o mundo, vou descer na próxima!!!

  • “Homem mata a mulher para ficar com a sogra”
    Tao bizarra… e extraordinaria como essa fazia tempo,ne . E terá sido la em Apucarana, PR.
    Como vcs, vi manchetinha e logo pensei nos piramidais indices de homicidio etc.aqui em Sampa. Se a moda pega, ao menos no quesito sogricídio, iamos ter um alivio.

  • É incrível como aqueles que detêm o monopólio da informação escrevem a história como bem entendem. Sem qualquer apreço pelos registros, pelos documentos, pelos testemunhos. Dizem o que querem, e pronto. Quem quiser, que acredite. Eu, particularmente, aprendi a desconfiar sempre das versões pasteurizadas da mídia, em especial quando se trata dela mesma.

  • Pelo que sei e presenciei, a Folha e Estadão deixaram de apoiar a ditadura quando esta dava os últimos suspiros. Precisamos nos moblizar para exigir do ministro Afif Domingues apoio para micro-empresas no campo das novas mídia, ou será que só tem pros blogs limpinhos da Casa GRande

    • Me corrijo: Eu era diretor de um sindicato que assinava a Folha por ter um certo posicionamento pelo retorno da democracia mas, como disse, isso aconteceu quando dos últimos suspiros da ditadura. Quanto ao Estadão, esqueçam o que eu disse

  • O Estadão sempre posou de liberal, mas o que nunca deixou de fazer foi conspirar contra governos que mostrassem algum interesse pela sorte dos desassistidos sociais. Já estava quebrado na década de 1940 quando sofreu intervenção do governo de Getúlio Vargas. O interventor Abner Mourão recuperou editorial e comercialmente o jornalão, que voltou meio que na mão-grande ao controle dos Mesquita quando Vargas caiu e subiram ao proscênio novos atores no plano federal e estadual em SP. Essa parte o Estadão omite em qualquer narrativa de sua trajetória histórica, mas está muito bem contada pelo jornalista Mylton Severiano no livro “Nascidos para perder”, pela editora Insular. Alias, sobre Augusto Nunes, esse miliciano fascista do jornalismo, que já foi editor do jornal dos Mesquita, se encontra o seguinte dito por Rui Mesquita Filho: “Augusto Nunes não tem caráter, é amoral, manipulador de notícias e isso eu provo confrontando o noticiário do Jornal da Tarde e do Estado durante a campanha presidencial de Collor. Ele tentou de todas as formas contratar uma equipe paralela em Brasília para fugir do controle da Agência Estado e com isso fazer todo o tipo de maracutaia. Nunca pôs a mão na massa. Não gosta de trabalhar, só de aparecer. Mais: disse a ele numa reunião com meus primos e meus irmãos, além do Elói Gertel e do Sandro Vaia, que o problema dele não era o que estávamos discutindo naquela hora, mas sim que ele 
é um desprovido completo de uma coisa que qualquer homem sério tem: caráter. Esse foi o fim do Augusto aqui no Estado”. (in “Nascidos para perder”, de Mylton Severiano, pág.209, editora Insular).
    Interessante, não é ?

  • Matéria do próprio Estadão já diz tudo…:

    “Ruy Mesquita … acreditava na função política do jornal. Ele foi celebrado pelos editoriais, que foram ‘um norte para a economia e a política do País’, nas palavras do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin. … Além do governador, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, os ex-ministros Celso Lafer e Maílson da Nóbrega … , entre outras autoridades, prestaram suas condolências … .”

    Era um prócer da chamada “imprensa burguesa”.

  • A tampa do esgoto da grande mídia está aberta há muitos anos, na internet.

    E não acontece nada.

    Não vejo acontecer nada, nada.

    Que poder a extrema direita tem neste país !

    Cadê a CPI da Privataria?

    A CPI da Veja foi enterrada.

    Cadê o julgamento do mensalão tucano ( este, com provas e sem domínio de fato )

    Onde está o Cachoeira?

    Tripudiam, debocham de nós. Podem tudo. Mentem sem parar e fica tudo por isso mesmo.

    Há notícias aqui e ali de que arapongas grampeiam todo mundo ( menos da extrema direita ).

    Não acontece nada.

  • Na época da ditadura os militares alteraram o esquema de professores irem a salas de aula para os alunos é que tinham que procurar seus professores, ou seja, o professor ficava na sala a espera de seus alunos. A idéia era fazer com que os alunos não tivessem tempo de se organizar, como se isso fosse possível. Pois bem, eu frequentava a São Francisco como abelhuda e assistia as aulas em companhia de um amigo deficiente. No meio de uma aula apareceram os soldados da Marinha (uns armários) e puseram todos para fora da faculdade. No outro dia saiu no ESTADÃO uma reportagen com fotos e denunciando o quebra geral que houve no dia anterior, acusando os alunos de vandalismo, coisa que nunca aconteceu, pois eu estava lá. Todos os alunos tiveram que sair as pressas, pois os armários não tinham muita sutileza. O ESTADÃO MENTIU. Como não sou como o Edu, estou satisfeita com a morte deste crápula. A Morte é a maior representante[[[ da Democracia, pois leva a todos, nem um miserável fica.

  • Seria importante a Comissão da Verdade estabelecer a realidade sobre o papel da mídia na ditadura. Farão isso?

    E seria bacana se a própria mídia fizesse o “mea culpa”, reconhecendo o que houve e pedindo desculpas à sociedade em relação aos seus eventuais errros. Infelizmente, o que a mídia tenta é convencer as pessoas de que a ditadura foi “ditabranda”; ou então, escamotear a realidade.

    Passando a limpo o passado o passado, a caminhada na direção do futuro é sempre mais confiável.

  • A ditadura na época que ocorreu foi um rermédio amargo para o nosso país, ou voçês queriam que os comunistas assumissem o poder!Aliás,a maioria daqueles guerrilheiros estão aí no poder e pelo jeito querem perpetuar no trono!O que não devia era os principais meios de comunicação deturparem os fatos e levarem vantagens com o apoio ao regime!As atrocidades da época não mudam muito com as de hoje, o país está uma lama de violência e corrupçôes!A difernça é a liberdade que temos para nos expressar,como eu estou fazendo agora!

    • Rémedio amargo uma pinóia! O golpe militar foi um veneno mortal para o país, que começava a sinalizar com mudanças estruturais fundamentais para torná-lo mais justo e democrático para milhões de brasileiros. Não se pode esquecer as atrocidades cometidas por tal regime nem os canalhas que o sustentavam, colhendo todas as benesses de uma relação nefasta e simbiótica.

  • É fácil julgar os veículos de comunicação na época do regime militar, agora que tudo está “sob controle”. Muitas questões levantadas no texto podem ter sentido, agora culpar a mídia por ser omissa sobre as torturas e crimes do Estado, eu não concordo. Acredito que o senhor, Eduardo Guimarães não estava dentro das redações e não sofreu ameaças para não poder falar a verdade, como jornalista. O senhor também não teve as mãos quebradas por escrever o censurado, muito menos foi torturado. Caso sim, não estaria ofendendo estes tantos jornais que voz informa. Não estou defendendo os Mesquita, os Frias, nem os Marinho, mas como jornalista, defendo a luta pela democracia e o sofrimento daqueles que não puderam gritar pela verdade. Se eles fossem tão vilões assim, hoje não estaríamos aqui comentando nesse blog, que se diz contra a mídia, mas só pauta assuntos divulgados por ela.

  • Voce pode, por favor, me dizer exatamente de quando é este editorial? Sou pesquisador do período da ditadura e preciso ver isso.

    Valeu.

    PS: se der, mande por email.

Deixe uma resposta