Assista ao vivo a entrevista de Dalmo Dallari ao programa Contraponto

entrevista

dallari

 

Ao 83 anos, Dalmo Dallari gera uma certa inveja em muito jovem na casa dos vinte. Já o entrevistei 3 ou 4 vezes – deveria me lembrar quantas foram devido à importância do entrevistado, mas a natureza não me favoreceu com a mente privilegiada que deu a ele – e sempre me impressiona a agilidade de sua mente, que se traduz na fluência de suas palavras.

Suas obras são estudadas em cursos de Direito de todo país. A mais conhecida é Elementos da Teoria Geral do Estado, disciplina do Direito que estuda origem, formação, estrutura, organização, funcionamento e finalidades do Estado.

Professor emérito da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, USP, em 1996 tornou-se o professor catedrático da UNESCO na cadeira de Educação para a Paz, Direitos Humanos e Democracia e Tolerância.

Há dez anos, exatamente em 8 de maio de 2002, a Folha de S. Paulo publicava artigo de Dallari que geraria grande polêmica. Com o título “Degradação do Judiciário”, ele questionava firmemente a indicação de Gilmar Mendes para o Supremo Tribunal Federal (STF).

No texto, Dallari criticou o então o presidente Fernando Henrique Cardoso ao qualificar como “afoiteza e imprudência muito estranhas” da parte dele ter indicado Gilmar Mendes para membro do Supremo Tribunal Federal. Afirmou, também, que aquela indicação era uma verdadeira declaração de guerra do Poder Executivo federal ao Poder Judiciário, ao Ministério Público, à Ordem dos Advogados do Brasil e a toda a comunidade jurídica.

Dallari, então, fez um aviso que, à luz dos fatos atuais, pode ser considerada uma profecia que se realiza. Disse ele, sobre Gilmar:

Se essa indicação [de Gilmar Mendes para o STF] vier a ser aprovada pelo Senado, não há exagero em afirmar que estarão correndo sério risco a proteção dos direitos no Brasil, o combate à corrupção e a própria normalidade constitucional”.

O que perturbava Dallari, naquele momento, é que, naquele momento, ocorrera um episódio envolvendo o então advogado-geral da União do governo FHC, Gilmar Mendes, que facilitava perceber em que se converteria o ministro do Supremo que estava para ser nomeado.

Dallari avisou:

Derrotado no Judiciário em outro caso, [Gilmar Mendes] recomendou aos órgãos da administração que não cumprissem decisões judiciais. Medidas desse tipo, propostas e adotadas por sugestão do advogado-geral da União, muitas vezes eram claramente inconstitucionais e deram fundamento para a concessão de liminares e decisões de juízes e tribunais, contra atos de autoridades federais. Indignado com essas derrotas judiciais, o dr. Gilmar Mendes fez inúmeros pronunciamentos pela imprensa, agredindo grosseiramente juízes e tribunais, o que culminou com sua afirmação textual de que o sistema judiciário brasileiro é um manicômio judiciário“.

Dallari devotou sua vida ao Estado de Direito. Foi advogado de Lula e dos demais dirigentes do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo, presos em 1978 quando de uma greve por aumento de salários.

Bem-humorado, costuma relatar que durante a ditadura militar, ao ser “convidado” por policiais armados a acompanhá-los ao Dops, relatou que respondeu aos brucutus do regime que “Um convite desses não se discute” e lá foi com eles para a prisão.

Ao chegar, foi saudado por Djalma Bom, vice-presidente do sindicato: “Que bom. Está aqui o nosso advogado”. O que Djalma não sabia era que Dallari chegava ao Dops também preso. Porém, foi solto no mesmo dia. Segundo relata, ao ser informado pelo delegado responsável que deveria firmar uma declaração, perguntou: “Que declaração?”. A resposta do delegado: “Não sei. Escreva aí o que o senhor quiser que eu o solto. Aliás, nem sei por que o senhor foi preso”.

Outra história que costuma contar é sobre quando sequestrado por policiais, durante a ditadura, e levado para um terreno baldio, espancado e abandonado no local. Apesar de tudo, fez questão de comparecer à missa no dia seguinte. Estava em cadeira de rodas e com partes do corpo enfaixadas. “Considerei importante não deixar de ir. Era minha obrigação”, disse o jurista ciente de que sua simples presença naquelas condições seria uma denúncia das condições em que vivia o país.

Nos últimos meses, Dallari vem sustentando que não acredita que ocorra o impeachment de Dilma Rousseff. Segundo vem afirmando reiteradamente em uma profusão de entrevistas que vem dando, não haveria condições de interromper o mandato da presidente da República sem violar o processo legal e a ordem democrática.

Em entrevista recente ao Blog da Cidadania, chegou a qualificar a pretensa derrubada de Dilma de “fantasia política”.

Sempre disposto a dar sua contribuição ao país apesar de seus 83 anos, na semana passada Dallari iria participar da volta do programa Contraponto, iniciativa deste blogueiro, do Centro de Estudos de Mídia Barão de Itararé e do Sindicato dos bancários de SP que foi interrompida em 2014 e retorna agora, indo ao ar, por web TV, uma vez ao mês, sempre às segundas-feiras.

Porém, por razões pessoais Dallari precisou adiar sua participação para esta semana. Desse modo, nesta segunda-feira, 21 de setembro, às 19 horas, o jurista estará ao vivo aqui neste Blog, na Rede Brasil Atual e em outros blogs respondendo a perguntas de uma bancada de blogueiros e, também, de leitores deste e de outros blogs.

Se você quiser fazer uma pergunta ao professor Dallari, deixe via comentário, que, na medida do possível, será feita no ar. Como não será possível fazer todas as perguntas ao vivo, as que não forem respondidas serão encaminhadas a ele e este Blog se compromete a fazer um apanhado das questões parecidas e publicar a resposta dele em novo post.

106 comments

  • Como posso eu, legalmente, garantir meu voto? Cabe ação no Supremo do eleitor que se sentir lesado no seu direito, qual seja, ter como Presidente o eleito legitimante pelo seu voto?

  • Também acho que não. Mas o fato de estar na mídia o assunto já não causa uma sensação de derrota sobretudo para os militantes do PT e para aqueles que defendem o governo ? Não fica aquela sensação de dúvida e de insegurança quanto ao futuro da democracia no país?

    • Para os militantes, fica a sensação de que o PT está no caminho certo, já que a direita deseja tanto tirá-lo do governo federal.
      “Se a caminhada está difícil, é sinal de que estamos subindo”.

      • Meu questionamento não põe dúvida sobre a postura do partido e/ou do governo – os defendo diante da posição golpista da oposição -, mas o que eu questiono é sobre a sensação que fica para a opinião pública de que o país está vivendo a pior situação de todos os tempos. Como se portar diante disso, tanto os militantes e defensores do governo quanto o próprio partido, pensando na sustentação do governo e da democracia.

        • A opinião pública está dando mostras de estar ficando saturada das manobras golpistas.

          Pode-se enganar a maioria durante algum tempo, mas não o tempo todo. Mentiras continuadas acabam desgastando o mentiroso, principalmente quando desmentidas pelos fatos reais.

          Acredito que essa radicalização extrema é um tudo ou nada da direita que está arriscando muito em uma estratégia desesperada que vai resultar em nada para eles. Nada além de desgaste e um refluxo da opinião pública contra eles.

          Já ví a demonização do PT pela mídia diversas vezes e o fato é que eles não conseguem manter as mentiras por muito tempo e quanto mais radicalizam, menos tempo conseguem manter a comoção artificial que criam. Ainda mais hoje em dia quando a própia mídia está em crise com o aparecimento de alternativas antes inexistentes fazendo-os perder o monopólio da comunicação.

  • Oi Edu, parabéns pela inciativa!

    aqui vai a minha pergunta, acredito que é a pergunta de muitos outros:

    -Por que os outros ministros do STF se omitem e se calam diante de comportamentos de certos ministros que chegam a ser criminosos, como no caso de Gilmar Mendes e Joaquim Barbosa?

    valeu!

    • Concordo, faço a mesma pergunta, informando que sinto-me muito constrangida com o comportamento de Gilmar Mendes, principalmente pelo fato de há muito tempo, tomarmos conhecimento de sua nebulosa trajetória como juiz. Ouso afirmar que, Gilmar Mendes, obscurece a Suprema Corte. Uma vergonha para o STF e para o país!

  • Prezado Dr. Dalmo Dallari,

    Um servidor público federal, na eventualidade de um golpe ou impeachment da Presidente da República, pode invocar o inciso VIII do artigo 5º da Carta Magna, ipsis litteris, “VIII – ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei”, e declarar greve (política) até que haja o retorno da Presidenta ou solução constitucional?

    No caso, poder-se-ia configurar uma afronta à convicção política ao ordenamento jurídico-político, pois estaria ocorrendo uma ruptura ocasionada por um “coupe d’état”?

    Qual deve ser a conduta do servidor público federal diante de uma afronta à República e à Democracia brasileira, a fim de garantir uma greve política e o direito de manifestar contra o golpe? Tem que impetrar um mandato de segurança? Ou um mandato de injunção?

    Grato pelos esclarecimentos.

    Atenciosamente,
    Fabio.

  • Caro Dr. Dalmo Dallari, uma pergunta que nunca tem resposta: por que os líderes da oposição, principalmente do PSDB e DEM nunca são citados oficialmente pela justiça ou indiciados por seus inúmeros crimes, todos vastamente documentados e provados ?
    Grata,
    Mirian

  • :

    : * * * * 23:13 * * * * Ouvindo As Vozes do Bra♥S♥il e postando:

    ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥

    Ley de Medios Já ! ! ! ! Lula 2018 neles ! ! ! !

    ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥

  • Dr. Dallari,

    O Sr. afirma que se houvesse a interrupção do mandato da presidenta Dilma, seriam violados o processo legal e a ordem democrática.
    Então os processos que solicitam o impeachment da Presidenta são inconstitucionais ? Ou não tem conteúdo para o pedido ?
    Um forte abraço,
    Nilton Viscaino Júnior – São Paulo – SP

  • Caro Eduardo,

    sobre o impedimento de Dilma, sabemos que não existe nenhum fato que possa levar e a tal impedimento. Queria fazer suas perguntas se possível: A primeira a elite arriscaria num golpe ilegal? Diante da postura de Dilma, com estes ajustes, parece que ela cedeu às chantagens, o que pensa Dalmo Dallari sobre isso?

  • ♫ Ulysses Guimarães dizia que um homem pode mudar de casa, do time para o qual torce, de mulher e de outras coisas, mas NUNCA de partido político. Compare-se Dalmo Dallari ao velhinho bicudinho, coitado, que ficou jajunja alguns anos atrás. Terá sido um AVC ou foi apenas deterioração da mioleira?
    Sou pela segunda hipótese; vendo que o o PT não lhe atribuía a importância que ele acreditava ter, bicudinho foi se emputecendo, emputecendo, até que pirou e desandou a falar mal da cria que ele AJUDOU a fundar. Se não me engano, terminou até em contubérnio com a Olívia Palito esverdeada, sucateada seja ela. Os dois se merecem. Quem não os merece é o povo brasileiro; já chegam o FH-Gá, o Zé Chirico e – last but not least – o Aébrio Never…

  • Professor Dallari: Gilmar Mendes é passível de impeachment? Se sim, os meios legais são os mesmos daqueles para um presidente da República?

  • Professor Dalmo Dallari,
    Não acredito na “justiça” brasileira. Contudo, sei da existência de homens como o senhor, que têm as leis como objeto e instrumento da manutenção dos direitos e deveres dos cidadãos. Embora isso seja um fato, visto que somos uma democracia, por quê juízes como o ministro Gilmar Mendes usam e abusam da lei em prol de seus interesses pessoais, político-partidário como se fora a própria lei? Quem deu tanto poder a esse senhor para que, por mais de uma década, use e abuse do direito de ser aplicador da lei, em causa própria e daqueles que comungam de seus mesmos interesses? Não espero que juízes sejam imparciais, só gostariam que fossem menos abjetamente partidários e menos classistas, portanto, menos imorais!
    Obrigada,
    Maria Antônia

  • 1) Gilmar Mendes é dono de uma escola, o que é proibido pela Lei Geral da Magistratura. O magistrado não pode ter outra fonte de renda que não a magistratura.

    2) Joaquim Barbosa usou seu apartamento funcional como sede de uma empresa (Assas J B Corporation) que ele criou para burlar o fisco dos EUA na compra de um apartamento em Miami. Isso também é proibido pela Lei Geral da Magistratura. O endereço funcional só pode ser usado como residência.

    Pergunta: a Lei Geral da Magistratura vale para uns, mas não vale para outros?

      • Pergunta para Dalmo Dallari: Vamos admitir que Dilma não consiga mais governar devido ao congresso nacional, pressões de toda a ordem, desestabilizando o país, TUDO ORQUESTRADO e ela renuncia. Esta renuncia não veio em condições normais, na realidade é um processo de impeachment psicológico, vamos dizer assim, em que levou a presidente a exaustão emocional. Neste caso onde fica a legalidade deste processo?

    • Concordo em termos quanto a outra fonte de renda. Neste particular quanto a ser proprietário é proibido, mas todo magistrado pode dar aulas em faculdades e universidades, bem como fazer palestras.

  • Professor Dalmo Dallari, porque um juiz de primeira instancia tem “tantos poderes”.Agindo como inquisidor da idade media,ele manda prender e usa esta prerrogativa como tortura psicologica ate o indiciado confesse.E isto baseado em informações de de reus confessos de corrupção.Ninguem na magistratura não toma providencias contra estes abusos,a midia é temida pela magistratura ?

  • Professor Dalmo Dallari.Como o nosso encastelado Poder Judiciário, que se comporta como um braço de nossa colonial elite, como não pensar que o golpe passara?

  • Esse assunto já nos tirou bilhões de investimentos este ano e continuarão usando este tema até 2016, ano eleitoral. O PMDB, através de Themer, já conseguiu ocupar os principais cargos do Governo Federal, e ainda quer mais, fragilizando a representação do Partido dos Trabalhadores e partidos de esquerda.

    Supondo que o assunto do impeachment serve e servirá apenas para ocupação de espaços políticos dentro e fora do Congresso, de que maneira o povo poderá reagi para que o governo não se obrigue a comprar voto de deputado logo no início do processo?

  • Também sou contra uma deposição de Dilma: se tirar ela vai colocar quem no lugar? A classe política como um todo está podre (está configurada de tal maneira que, SE uma pessoa quiser ser um político 100% honesto nunca passará de vereador) – não vejo perspectivas, não vejo uma luz no fim do túnel… 🙁

  • Questionar pra ajudar a MUDAR e transformar, e não para confortar e amansar

    Evidente que caso se pretenda aprofundar o saber e conhecimento jurídico, formular perguntas pertinentes ao direito a este ilustre jurista é oportunidade ímpar ..porém
    .
    Porém como aqui é um espaço político – e a política é realmente, dentre todas as nossas atividades, a que planta o futuro – então, muitas vezes pra mim vale mais a VONTADE e o desejo de se querer mudar e não necessariamente o de se alinhar com as regras e com o poder/status quo constituído (aliás, fosse sempre assim e a escravidão, por um dia constar em letra, estaria ainda presente e altiva, né mesmo ?)

    dito isso ..em CARÁTER particular, como cidadão, só pra que eu consiga ter mais uma medida da dimensão dos valores morais que carrega este ilustre brasileiro, em caráter pessoal, livre do julgo das Corporações e das letras contidas nas atuais leis, eu gostaria se saber o que ele pensa sobre :

    – O que o sr acha dos direitos exclusivos como prisão e foro especial ?

    – O que devemos pensar dum Poder aonde seus supremos são eternizados no trono ? ..aonde eles se definem dos ganhos – que hoje vale cerca de 50 SM/mês – , estes que indiretamente ainda sofrem correções disfarçadas negadas a quase todos os demais cidadãos (auxílio educação de R$ 2,8 mil/mês dados aos filhos de juízes, promotores e procuradores federais ..auxilio vestimenta ..auxilio moradia mesmo quando a pessoa reside em imóvel próprio etc etc) ?

    – o sr não achou que foi um GOLPE e/ou casuísmo, uma IMORALIDADE a lei da bengala, ela que acabou beneficiando diretamente os atuais entronados ?

    – por já ter emitido diversas opiniões e p´re julgamentos, o Ministro Gilmar não deveria estar IMPEDINDO de julgar qq causa que envolva o PT, ou mesmo o PSDB – partido da sua simpatia ?

    – o sr acha que o Poder Judiciário nesta terra vale mesmo o quanto pesa ?

    – Diante do nosso quadro CAÓTICO aonde processos chegam a levar mais de 10 anos pra serem terminados ..diante dos custos MORAIS e materiais que isso implica pra esta e pras futuras gerações, o que o sr acha do nosso atual modelo, de suas fugas processuais, da letargia na informatização dos autos, dos excesso de recursos, do direito a MENTIRA comumente derivado da associação entre cliente e advogado, da litigância protelatória, da falta de PRAZO que é dado aos chamados pedidos de vistas, entre outros ?

    – Se provado o crime de responsabilidade contra DILMA, o sr, pessoalmente, acha sensato livrar do “impeach” a RE eleita (ou qq outro político) só porque as ilicitudes teriam sido cometidas no 1o mandato que acabou tendo sequência ? ..seria bom pra um país saber que esta sendo governado por um transgressor que apenas teria se valido dum lapso nas letras que confronta diretamente a intenção do legislador ?

    …reitero, nem tudo que é moral é legal, e nem tudo que é legal é justo ..assim, em caráter pessoal e político, a mim interessa mesmo saber o que pensa o EU do indivíduo ..então, se possível, agradeço se algumas de minhas curiosidades forem saciadas

    grato

  • A Constituição Federal permite o impedimento de um ministro do STF pelo Senado Federal, com um processo cada vez maior da judicialização da política esse instrumento de controle dos poderes não teria sua eficácia interditada caso tentasse impedir um ministro do STF devido a falta de limites do judiciário e da negação da política pelo executivo e legislativo?

  • Edu, bom dia!
    Mais uma bela reportagem e como deve ser bom conversar com o Prof. Dallari. Suas palavras nos deixam mais confiantes.
    Infelizmente também podemos constatar que foi previsto por ele está confirmado e aí cabe uma pergunta: que ministro é este?
    Vai ser lembrado como o pior ministro que o STF e o Fux ainda o elogia. Esta indicação só podia sair de um
    FHC mesmo.

  • Prezado Professor Dallari,

    Em suas recentes declarações o Ministro Gilmar Mendes tem usado um neologismo e parece ter gostado muito de sua cunha – sem trocadilho – em que afirma que o Governo é formado por ladrões. Em suas palavras estamos sob uma “cleptocracia” e o PT teria desviado cerca de 2 bilhões de reais da Petrobras em seu proveito. É lícito a um magistrado pronunciar-se dessa forma pela imprensa? Há algum julgado condenando o governo ou o Partido dos Trabalhadores para que GM assim se expresse? Não estaria ele atropelando o artigo 5º, inciso LVII da Constituição Federal?
    E também: em caso de golpe, seja de que modalidade for, o Senhor não acha que os movimentos sociais e mesmos pessoas que não façam parte desses movimentos mas que apoiam o governo eleito democraticamente vão resistir à quebra institucional? Estaríamos a caminho do confronto, caso o golpe se concretize?
    Forte abraço, Mestre.

  • Professor, mais uma operação pela PF, cujo nome é bem interessante:”Ninguém Dorme”, e procura apenas mais alguma mixaria de 20 milhões saídos da Diretoria Internacional da PETROBRAS. A vinda da CPMF não reflete o desarranjo, o descaso do Executivo com o dinheiro público? Não seria interessante começar a repensar na privatização da PETROBRAS? Questionou-se muito isso há tempos atrás e amplamente foi contraditado pelo atual governo… Sugaram as propriedades da estatal e nos deram os ossos de brinde. É possível afirmar que a menina dos olhos de Getúlio foi “pro brejo”?
    Obrigado.

    • Caro, Calio, acho que é exatamente isso que os que são contra o Estado queiram que aconteça: vender tudo. a Petrobrás é hoje uma das maiores empresas do mundo, investiu em infraestrutura e tecnologia e descobriu petróleo. Como poder estar falida e/ou coisa parecida. Como aformou o próprio ministro Gilmar Mendes, a “Lava a Jato” não passa de um esquema da oposição para frear o projeto de perpetuação do PT no poder. O que, aqui pra nós, não passa de uma calúnia do ministro.

    • Claro que não, sr. Calio. Privatizar a Petrobrás é tudo que eles querem. O pré-sal é do povo brasileiro e não para enriquecer outros povos. O dinheiro do pré-sal deve ser revertido para a nossa educação, a nossa saúde. Caso vendam a Petrobrás, somente os que estão querendo isso é que vão ganhar dinheiro com sua privatização. O governo FHC vendeu a Vale, vendeu o Banespa e o que ganhamos com isso? Nada. Mas o pessoal que promoveu a privataria ganhou muito com ela. É só investigar, mas como investigar se “eles” não deixam? E outra, estou lendo muito que, com o encerramento do financiamento das campanhas eleitorais pelas empresas, haverá a volta do chamado “caixa 2”. Aí, eu acho que seria muito bem vinda a CPMF, pois com ela iriamos fiscalizar todas as movimentações financeiras suspeitas, tanto de pessoas físicas como das pessoas juridicas, tal como acontecia na época da vigência da CPMF. Como bem lembrou o blogueiro Esmael Morais, “na época (em que se cobrava a CPMF), o Coaf exigia que se informasse ao governo todas as movimentações financeiras de pessoas físicas e jurídicas que ultrapassassem o volume de R$ 5 mil a R$ 10 mil por semestre. Era um horror para os sonegadores contumazes. A volta da CPMF seria um reforço contra à corrupção e facilitaria operações como a Lava Jato”.

  • No caso de reprovação das contas de Dilma pelo TCU e depois pelo Congresso, o impeachment ainda seria golpe ou nesse caso seria constitucional?

    Se a campanha de Dilma foi financiada com dinheiro da corrupção sua eleição pode ser considerada ilegítima?

    Se o PT (que já teve dois tesoureiros presos) usa recursos oriundos de corrupção por que a legenda não é cassada?

    • As contas do governador de São PAulo, Geraldo Alckmin, que foram rejeitadas pelo TCE são motivo para seu impeachment? Ou os argumentos dos direitistas só valem quando atacam petistas e para os tucanos tudo pode e nada vem ao caso?

    • No caso de reprovação das contas de Dilma pelo TCU e depois pelo Congresso, o impeachment ainda seria golpe ou nesse caso seria constitucional?

      Golpe, porque as pedaladas existem desde muito tempo e sempre foram aceitas. Além do mais, o que se tenta aprovar são contas do mandato passado, coisa que não vale para este mandato, ou seja, se fosse para ser acusada de crime de responsabilidade, só vale para o mandato atual.

      O TCU é um repositório de políticos decadentes do DEM, da extrema direita deste país. Políticos estes que agem de acordo com sua conveniência: “Aos amigos, todas as garantias das leis, e aos inimigos, o arbítrio”.

      Se a campanha de Dilma foi financiada com dinheiro da corrupção sua eleição pode ser considerada ilegítima?

      Não, tudo o que Dilma recebeu foi declarado no TSE. E se for por corrupção, teria que ser provado que o partido recebeu dinheiro de forma irregular, provocado por ele mesmo, coisa que não foi provada. Não houve caixa 2. Se for por este lado, seria injusto considerar a chapa de Dilma corrupta e a de Aécio não, pois Aécio recebeu mais dos empreiteiros da Lava Jato. Teria também que considerar a candidatura de Aécio e de Marina ilegítimas também.

      Se o PT (que já teve dois tesoureiros presos) usa recursos oriundos de corrupção por que a legenda não é cassada?

      Um dos tesoureiros já foi condenado no julgamento de exceção, que chamo de mentirão. E o outro não foi condenado ainda. A legenda ainda não foi cassada porque não é tão simples assim, eles – os juízes de direita – querem cassar a legenda, mas sabem que suas arbitrariedades e seus vícios podem ficar muito expostos, sabem também que eles podem causar uma grande insegurança jurídica com este tipo de coisa, sabem que a luta contra uma militância grande pode ser difícil e pode pegar mal no mundo. Eles já cometeram barbaridades demais com as prisões sem provas. Pode não parecer, mas observadores externos tão de olho, e eles sabem do caráter golpista das direitas na América Latina.

  • Bom dia, Eduardo pergunta ao Dr.Dalmo por que o poder judiciário brasileiro atua de maneira paralelo, digo ate o presente momento somente petistas e desmoralizados, o caso do companheiro Zé Dirceu. Enfim nenhuma tucanos aecim cerra ou FHC.

  • Qual seria o caminho para um possível impechmant de Gilmar Mendes,a quem caberia decidir sobre isso, e se os fatos cometidos por ele até agora não cabe impeachment. Se cabe por que ninguém faz nada nesse sentido

  • A minha pergunta ao professor Dallari é sobre sua avaliação do judiciário brasileiro da atualidade. Muito se fala que esse estamento da sociedade é conservador. Tem preconceito contra movimentos sociais, é elitista, e o pior de tudo, lê o pig.
    Se isso é verdade e o próprio professor é uma exceção, até que ponto essa posição ideológica contamina as decisões jurídicas? É isso que explica a ação de um Moro? Que tucanos fiquem impunes?
    Eu de minha parte acho ser possível que o magistrado seja conservador sem necessariamente ser seletivo. O professor vê isso ocorrer em seu meio? Ou é muito raro?

  • Eu só tenho uma pergunta e um questionamento a fazer ao Sr Dalmo Dallari, e gostaria de, se possível, ouvir sua resposta. A pergunta é;

    Já que a ordem jurídica está ameaçada no país ( e isso não sou eu que afirmo, mas muitos) com a presença de um juiz declaradamente político no STF como o Gilmar Mendes – é bom lembrar que ele, por ter um lado claro, não tem credibilidade para julgar causas e processos de determinados pessoas do PT, cidadãos como qualquer outro na sociedade – não caberia à ele um impeachment, uma vez que aquela instituição requer juízes neutros e dissociados psicologicamente, emocionalmente e umbilicalmente dos casos?

    Em outras palavras; até quando vamos assistir ao circo político de Gilmar acabando de vez com a reputação do STF?

  • Minha pergunta é:

    Se os deputados federais não respeitarem o voto dos eleitores de Dilma Roussef, armando a farsa de um impeachment casuístico e sem a menor base legal, como esperam que sejam respeitados os votos dos seus próprio eleitores e com eles manterem-se no cargo? Sem o respeito ao voto será possível manter a democracia funcionando ou vamos para um a situação em que o poder vai se impor pela força e pelo uso da violência?

  • O ministro Dias Toffoli, como é sabido, até porque a mídia neste caso sempre lembra, tem origem bastante próxima ao.PT. Gilmar Mendes, por sua vez, é uma invençao do PSDB, tendo ambos, cada qual a seu tempo, ocupado o mesmo cargo, respectivamente em governo petista e tucano. A diferença é que Tofolli nao tem a mesma postura e conduta de Gilmar Mendes de fazer pré-julgamentos e reiteradamente declarar ódio ao PT fora do processo e em processos em que nao se esta a julgar qualquer ato do PT. Como se dá o julgamento de um pedido de suspeiçao de um ministro do STF, quando este nao se declara suspeito? Por que os demais ministros do STF pelo menos nao alertam Gilmar Mendes sobre sua postura frontalmente oposta, no mínimo, a imagem de isençao e imparcialidade da Corte, parencendo todos subservientes a Gilmar?

  • Prezado Prof. Dallari
    O senhor considera que o Gilmar Mendes já reuniu elementos suficientes para encaminhamento de seu impedimento? Se sim, quais seriam os procedimentos?
    Att
    José Guilherme

  • Prof Dallari,

    1)O sr acredita que seria possível outras nações, tais como os Brics, Mercosul, a Unasul , a União Européia, os EUA se posicionarem antecipadamente, através de suas chancelarias, sobre a eminência de um “golpe paraguaio”, como este que tantos golpistas fazem crer?

    2)Autor da denúncia do impeachment de Fernando Collor, em 1992, o advogado Marcelo Lavenère afirmou que durante a Constituinte, o ministro Celso Mello, deu uma contribuição importante à redação do capítulo do impeachment,. que diz que um presidente só pode ser julgado por fatos ocorridos durante o seu mandato. Para falar claramente: se descobrirem que a Dilma matou 50 crianças antes de 2015, isso não pode ser usado contra ela antes do fim do mandato. Ela vai responder por seus atos, mas apenas depois. O que sr acha?

  • Ainda repercute na minha mente a proposta bobagenta , ambiciosa e sem pé nem cabeça que o Cunha expôs na entrevista de segunda em entrevista a folha de São Paulo.
    Também fico pensando de como nossa mídia escreve coisas absurdas sobre o Parlamentarismo no Brasil. Como diria Cazuza: “são caboclos querendo ser ingleses”.
    O Parlamentarismo (outro modelo é o Presidencialismo) é classificado como Sistema de Governo, modo pelo que se exerce o Poder que o Estado detém. Este sistema está bastante ligado à Forma de Estado e à forma de governo.
    No caso inglês a forma do estado é unitária, a brasileira é federalista. Ou seja, não existem províncias ou estados federados na Inglaterra. A forma de governo é Monarquia, a nossa é República.
    A forma como funciona o sistema de governo inglês é resultado histórico de conquistas de direitos individuais, ex: a Magna Carta de 1215, a Petition of Right, que surgiu para a proteção dos direitos pessoais e patrimoniais, de 1628, a Acta de Habeas Corpus, de 1679, que proibiu a detenção das pessoas na falta de um mandamento judicial, e, em 1689, a Declaration of Rights, que realizou a confirmação de muitos direitos que já estavam consagrados em textos legais anteriores além do poder do Parlamento (Câmara dos Comuns)
    Não há Constituição na Inglaterra, muito menos um documento como o nosso.
    Você pode até dizer que alguns países moldaram esse sistema à sua realidade (Alemanha, Itália, Espanha), mas eles guardam uma distância enorme da nossa realidade.
    Contudo, daqui a pouco vai ter um monte de gente que lê a veja, folha etc… repetindo estas baboseiras sem saber o quanto significa uma mudança destas no Brasil.
    Depois escrevo sobre efeitos práticos que traria essa mudança de Presidencialismo para Parlamentarismo aqui.
    A mudança de Presidencialismo para Parlamentarismo aqui é muito mais drástica do que parece, senão vejamos:

    1) Imagino que uma das possibilidades é que se tente mudar o art. 76 da CF “Art. 76. O Poder Executivo é exercido pelo Presidente da República, auxiliado pelos Ministros de Estado”

    A confusão já começa daí. Como se sabe,a nossa Constituição é muito extensa, extremamente detalhista e pela nossa própria forma de Estado (Federal) existem inúmeras atribuições ao Senado, à Câmara e ao Presidente.

    A primeira briga começaria daí. O senado jamais se sujeitaria a uma posição menor que a Câmara. Haveria revezamento de quem seria o primeiro Ministro? Seria o primeiro ministro escolhido pelo Congresso Nacional?
    Outro problema, ao suprimir, modificar ou coisa que o valha o art. 76,quem seriam os auxiliares do Primeiro Ministro? Ele escolheria os hoje chamados de Ministros de Estado? O toma-la-da-ca seria maior ainda.

    O que seria reservado à figura do Presidente da República? Chefe de Estado, apenas? Para isso precisaria se mudar uma boa parte do texto Constitucional (já que existem muitas atribuições privativas e exclusivas do Presidente).

    Coimo nosso modelo é meio americano, o próprio presidencialismo exprime esta característica. Quer um exemplo? Quem declara intervenção federal nos estados? Este instituto é típico do Presidencialismo. Seria o primeiro Ministro? Seria o Presidente do Congresso, já que o Senado representa os Estados.

    Quem indicaria os Ministros do STF? Um Cunha da vida? Quem indicaria os Ministros do TCU, órgão ligado ao próprio poder legislativo. E quem indicaria o PGR? Um cara tipo Renan?

    Quem declararia Estado de Sítio e guerra? Haveria Medida Provisória ainda? Precisa de Vice-Presidente?

    E como ficaria esta reforma política nojenta aprovada recentemente na Câmara em primeiro turno?

    São tantas questões que se o Cunha se desse ao trabalho de pensar um porquinho jamais mencionaria uma proposta destas em público.

  • Olá, Edu

    Hoje 21/09 fiquei muito indignado com uma pesquisa para o IBOPE que está correndo aqui no RJ. Pura manipulação. Totalmente preparada para como opção de presidencia ?
    Perguntam sobre situação economica , pessoal em relação a economia , a Dilma e aí vem colocam o Vice na roda da entrevista como , ” Vc confia no Vice caso a Dilma não termine o Mandato ?” Que tipo de pesquisa é essa ? que assunto é esse ? Isso é fato ? E por aí vai ……
    Quem for perguntado se aceita participar , fique ligado. Pura Manipulação das mais rateiras. Só uma empresa concessionária de serviços público de comunicação para fazer uma canalhice destas., A Globo , lógico esta´por trás mais uma vez.
    Abraços ,edu

  • Minha pergunta para o Jurista Dalmo Dalleri : Se nos EUA um Ministro do STF fizesse o quê Gilmar Mendes está fazendo no Brasil, o quê aconteceria com ele?

  • Edu

    Minha pergunta ao Prof. Dallari: Ao seu ver, se o Poder Judiciário brasileiro carece de reformas importantes, quais seriam elas?

    Grato pela oportunidade.

  • Dr. Dallari:
    Pelo andar da carruagem, ou seja, pela ausência total de fatos concretos que justifiquem o impeachment da presidente Dilma, me parece que a única forma de derrubar o governo seria através de uma decisão política do Congresso. É por aí que viria o golpe.
    O Sr. não acha que , nesse caso, o governo não deveria impelir aqueles que não aceitam o golpe a fazerem gigantescas manifestações de repulsa a essa situação? E com isso amedrontar os deputados e senadores golpistas, já que a votação será aberta?

  • Como é possível uma ação popular para botar o Aecio e outros na roda da investigação da lava jato? Eles são citados e nada acontece. As provas são muitas e ninguem dá bola, ninguem investiga. Como desarquivar o engavetamento da ação do aecioporto? E o dinheiro desviado da Saude? O que devemos fazer? Assim, do jeito que está, a gente cada vez mais descre da justiça. Não é pedir que condene mas que investigue honestamente, diligentemente.

  • Minhas perguntas para o Dr Dallari seriam as seguintes:

    Não continuamos a viver em um estado de exceção, onde “alguns são mais iguais que outros”?

    Qual o movente que leva este nosso judiciário a ações tão escancaradamente antidemocráticas?

    Que mecanismos existem para dar segurança a sociedade, e impedir a “ditadura de toga” que estamos assistindo?

    E por fim: se existem, por que raios não foram acionados ainda?

  • Prezado Eduardo:
    “Nos últimos meses, Dallari vem sustentando que não acredita que ocorra o impeachment de Dilma Rousseff. Segundo vem afirmando reiteradamente em uma profusão de entrevistas que vem dando, não haveria condições de interromper o mandato da presidente da República sem violar o processo legal e a ordem democrática.”

    Todo e qualquer golpe seja civil e/ou militar em qualquer lugar do mundo não respeita a ordem constituida desde que esta ordem tenha como fundamento eleições livres . Golpistas que agem contra governos eleitos em um regime democrático em eleições livres só respeitam uma coisa,ou melhor, não respeitam, temem uma boa bala nos peitos para mandá-los para o reino dos infernos. O que caracteriza um golpe é exatamente o desrespeito às regras do jôgo e já que as regras são quebradas, nada resta aos oprimidos lutarem com as armas que têm contra os opressores e golpistas. Em uma democracia quando se dá um golpe contra um governo é porque os golpistas estão sendo insuflados e financiados por elementos que desejam implantar uma nova ordem e consequentemente merecem pagar com a própria vida a sua vilania.
    O professor Dallari respeita os principios democráticos mas os golpistas não querem saber desses princípios

  • Prof. Dalmo, o que fazer ou a quem recorrer quando um poder fechado em si (no caso, o judiciário) comete excessos respaldado por uma minoria com quase toda a “grana” e seus lacaios?

  • 1. Ele acha necessária a reforma do judiciário? Se sim, em que termos?
    2. O que ele pensa sobre o sistema de remuneração dos servidores e magistrados?

    Sobre a 2ª pergunta levantei no site do STJ: Analistas e técnicos aposentados ganham Líquido de 8 a 22 mil (acima do salário-base atual). Pensionistas, a maioria mulheres, 2 a 23 mil, mas uma chega a ganhar 29 mil.

    Salário base Analista em 2015 = 4 a 7 mil, mas os praticados em 2012 (não há tabela atual) é 13 a 23 mil. Técnico: salário base 2015 = 3 a 4 mil, praticados em 2012 = 8 a 15 mil.

    O salário final dos servidores e magistrados não dá para saber (não achei o total) pois são acrescentadas várias coisas: REMUNERAÇÃO: – vencimento, gratificação de atividade judiciária, vantagem pecuniária individual (VPI), adicional de qualificação, gratificação de atividade externa (GAE), gratificação de atividade de segurança (GAS), “além de outras parcelas desta natureza”. VANTAGENS pessoais nominalmente identificadas (VPNI), adicional por tempo de serviço, quintos, décimos, abono de permanência, etc. INDENIZAÇÕES – auxílio-alimentação, auxílio-transporte, auxílio-pré escolar, auxílio-saúde, auxílio-natalidade, auxílio-moradia, ajuda de custo, “além de outras parcelas desta natureza”. VANTAGENS EVENTUAIS – gratificação natalina, serviço extraordinário, etc.

    Além disso, há cessão a título precário (o particular utiliza bem público com exclusividade, de forma gratuita) de prédios do STJ a Associação dos Servidores do STJ e CJF e Associação dos Servidores Aposentados!

  • Edu, o grande golpista deste movimento contra Dilma é a mídia do PIG, comandada pela Globo, que vem sabotando o Brasil e levando o povo e as empresas a uma crise de confiança, adubando o desejo da oposição de voltar ao poder de qualquer jeito!
    Que podemos fazer contra estes veículos de mídia, que diuturnamente, usando o seu palanque natural, incita o povo contra o governo do PT?
    Há quem não acredite, mas o povo vai pras ruas, eu também, rechaçar estes golpistas que, como em 64, não respeitam a democracia e o voto dos que elegeram Dilma.
    O Brasil vai entrar em uma comoção, depois digam que é coisa de comunistas!

  • Pergunta: disse o cara lá da UTC doou à campanha de Dilma por medo de perder contratos, certo?

    Mas, se me lembro, as pesquisas apontavam bem próximo as eleições, outros candidatos.

    Como fica a situação de uma pessoa que doa, mas ela acha que poderia ser prejudicada, sem mostrar provas disso?

  • Meu caro Eduardo me explique se possível. O Vacari foi condenado pelo Juiz de Primeira Estância o Sergio Moro a 15 anos de prisão. Ele ficará preso até a sentença confirmada em Segunda Estância e depois os advogados ainda podem levar o processo para o Supremo?
    Estou confuso com esses processos da Lava Jato.
    Um grande abraço.

  • Caso um imporvável pedido de impeachment vier a ser aprovado, como ficaria a situação do país diante do resto do mundo? Não cairíamos em profundezas, que levariam centenas de anos pra nos recuperar? Não seria uma situação vexatória que causaria enormes prejuizos morais a nós, brasileiros, e aos que patrocinam o golpe?

    • Mais uma ressalva:Caso o processo passe na Câmara, como uma provável liminar dada pelo STF terá legitimidade, já que o clima estará totalmente montado contra a presidente?

    • Claro ! Nosso Brasil iria se transformar num pais de quinta categoria em nível internacional. Eles sabem disso, querem é só sangrar mesmo. São uns safados.

  • Pergunto:

    Seria uma boa ideia que o STF ou parte dele fosse eleito por voto popular ?

    Existe algo parecido com isso em algum outro país ?

    Grato pela oportunidade Edu e parabéns pelo seu trabalho.

  • Prof. Dallari, há algum tempo vemos juristas renomados como o senhor afirmarem que não haverá impeachment, mas por outro lado também vemos outros juristas tomando a iniciativa de medidas concretas nesse sentido, como o fizeram agora Hélio Bicudo e Miguel Reale Jr. e anteriormente Ives Gandra.

    Não há medidas de fato concretas que se possa tomar para pelo menos neutralizar essas investidas que, a despeito de serem inconsistentes como o senhor diz, trazem grande prejuízo e ansiedade à sociedade brasileira e alimentam “ad eternum” o clima de caos?

  • Edu,
    Pergunte ao Eminente Jurista se há cabimento jurídico para pedido de impitmam para magistrado do STF que não é imparcial, indolente, negligente e que costumeiramente coloca em perigo o Estado Democrático de Direito.

  • Edu,
    Melhor dizendo: Pergunte ao Eminente Jurista se há cabimento jurídico para pedido de impitmam para magistrado do STF que não é parcial, indolente, negligente e que costumeiramente coloca em perigo o Estado Democrático de Direito.

    • Engano seu Marcita, o Brasil entrará em guerra civil, ou você acha que deixaremos os vigaristas darem o golpe sem reagir? O recado tá dado, se houver golpe, Brasil se tornará Síria, quem quiser paz terá que fugir do país.

  • :

    : * * * * 19:13 * * * * Ouvindo A Voz do Bra♥S♥il e postando:

    ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥

    Ley de Medios Já ! ! ! ! Lula 2018 neles ! ! ! !

    ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥

  • Pros idiotas q dizem q as “pedaladas” não são motivo suficiente para um pedido de impeachment:

    “Júlio Marcelo de Oliveira, procurador de contas junto ao TCU, deu entrevista à BBC Brasil. Na entrevista, o procurador afirma que as pedaladas fiscais são, sim, fundamento jurídico para o pedido de impeachment e mostra como é mentira do governo Dilma Rousseff que elas foram praticadas também no período FHC.

    Leiam trecho da entrevista:

    BBC Brasil – Voltando ao julgamento do TCU, o governo argumenta que as práticas que estão sendo questionadas agora já foram aplicadas em outros anos, sem ter levado à reprovação de contas. Na visão do governo, uma mudança de avaliação significaria um julgamento político. Como o senhor vê essa crítica?

    Oliveira – Esse argumento é absolutamente improcedente. O que aconteceu a partir do fim de 2013, e que marcou todo exercício de 2014, é algo totalmente inédito. Os gráficos do comportamento do pagamento de benefícios – de abono salarial, seguro-desemprego, Bolsa Família – demonstram isso. E todos os gráficos que mostram o relacionamento do governo com a Caixa Econômica têm um comportamento normal, desde 2002 até o meio de 2013. A partir do segundo semestre de 2013, o governo simplesmente para de mandar dinheiro para a Caixa e começa a usar a Caixa como cheque especial.

    BBC Brasil – O que é inédito é o volume, certo?

    Oliveira – O volume, o uso e a intenção clara de se financiar, de usar a Caixa como meio de financiar outras políticas do governo.

    BBC Brasil – Mas as pedaladas já tinham sido usadas antes em volumes menores, esporadicamente, não?

    Oliveira – Não, não mesmo. Você tem uma carga de suprimentos (dinheiro) para pagar benefícios, recursos que o Tesouro Nacional manda para a Caixa. Por exemplo, esse mês vamos pagar R$ 500 milhões de seguro-desemprego, que é uma estimativa (de quanto será necessário) segundo a série histórica (de pagamentos desse benefício). Chega o dia de pagar os benefícios. Se naquele dia aparecerem pessoas para sacar R$ 505 milhões, a Caixa não vai fechar o guichê às 15h40 e dizer que não tem dinheiro. Ela paga, no dia seguinte ela comunica ao Tesouro, o Tesouro repõe o valor. É uma coisa imediata. Não é uma coisa que o governo possa ficar usando como empréstimo.

    O que aconteceu, a partir de meados de 2013 e ainda em 2014 inteiro, é que o governo não mandava os R$ 500 milhões. A Caixa pagava tudo e o governo ficava usando os R$ 500 milhões que tinha que mandar para lá em outros programas que ele queria turbinar, sem ter dinheiro para isso, sem ter arrecadação suficiente.

  • Enquanto isso, segue a novela Operação Lava Jato, criada isto sim por uma quadrilha composta pelo PIG (Globo, Veja, Época, Folha, Estadão), com o apoio do grande capital, tendo como personagens centrais: ministro Gilmar Mendes, juiz Sérgio Moro, e procuradores um tal de Magnol, ou Magnólia, e um outro com cara de ET, de barbicha branca, que diz com todas as letras que a corrupção foi criada no governo Lula. Tudo segue um script minuciosamente elaborado, que começou no final do primeiro mandato da Dilma, se estendeu durante toda a campanha presidencial, e segue a todo vapor desde o primeiro dia do segundo mandato da presidenta. O sucesso da novela Lava Jato até aqui é incontestável, conseguiu encurralar o Governo, o PT e suas principais lideranças Lula e Dilma, quando se pensa que vai arrefecer a operação mostra um vigor inesgotável que não a tiram das manchetes do dia. Os irmãos metralha Marinho estão a frente desta operação até porque é a Globo que dá visibilidade a Lava Jato e não a deixam sair do noticiário, o que eles mais queriam já conseguiram desmoralizar o PT, manter a Dilma sob a ameaça do Impeachment e o Lula sob a ameaça de prisão iminente. O próprio ministro Gilmar Mendes, no seu afã e ansiedade de criminalizar o PT, acabou entregando o esquema quando na leitura de seu extenso voto a favor das doações privadas disse “bendita Operação Lava Jato que possibilitou se chegar no esquema criminoso do PT de se perpetuar no poder”. Com o desprestígio do Governo mais gente vai aderindo ao esquema, que tem na Lava Jato o seu carro-chefe, como o PMDB, que não deixa dúvida que trabalha nos bastidores pela derrubada de Dilma, assim como setores da indústria que sabotam qualquer tentativa da economia se reeguer, Fica difícil para o Governo e o PT reagir agora já que passa por um momento de baixa popularidade e não o fez quando estava em alta e surfava com o sucesso econômico, resta a nós esperar por um milagre ou um bala de prata para mudar esse quadro desfavorável, já que a novela do PIG não vai parar se o justiceiro Moro está acima da lei e prende petista em tempo recorde, como agora com Vaccari.

  • Tenho admiração pelo Prof. Dallari por perceber sua natureza honrada, mas acho ingênua sua crença absoluta em regras jurídicas que, quando os dominadores acham necessário; de forma escancarada, as esquecem de lado em nome de seus interesses. E é em cima desse questionamento, sobre o quanto as “regras” jurídicas sustentam-se em cima dos interesses mais poderosos, que questiono Dallari. Gostaria que ele explicasse como pode ter tanta convicção de que, dentro do processo de luta de classes que constitui a História e sendo a estrutura jurídica nada mais do que um reflexo da superestrutura de dominação de classes, de que essa estrutura jurídica não seria abandonada por seus próprios criadores se tiverem a oportunidade, determinada pela correlação de forças, de eliminar Dilma, o PT e Lula e restabelecer a dominação conservadora no Brasil. Os exemplos de como jogam essas regras na gaveta são recentes; os absurdos jurídicos do “mensalão” e da Lava Jato, que estupram princípios elementares conhecidas por qualquer calouro de Direito, são uma prova do quanto nossa briga não é nas regras, mas na luta de classes, ou seja nas ruas.

    • Oi Carlos
      Também achei ingênua certas respostas do Prof Dallari.
      A resposta que ele sobre, a não reação dos demais ministros, de por que eles não reagem às atitudes grotescas do Gilmar, foi muito fraca, acredito longe da verdade.
      Mas foram esclarecedoras.
      Saudações

  • Edu, boa noite, estava trabalhando quando me dei conta que a entrevista já devia ir longe, tentei assistir pelo blog mas não conectou, procurei na Rede Brasil Atual e no site dos bancários e nada.
    A entrevista será logo disponibilizada no youtube?
    Obrigada, abç

  • :

    : * * * * 21:13 * * * * Ouvindo As Vozes do Bra♥S♥il e postando:

    .:. Muito interessante a entrevista com o eminente jurista Dalmo Dallari. Boas as participações do prezado blogueiro Eduardo Guimarães (deste valoroso Blog da Cidadania) e dos jornalistas Luiz Carlos Azenha, do Viomundo, e Kiko Nogueira, do Diário do Centro do Mundo, ancorados muito bem pelo também percuciente Paulo Salvador, da TV dos Bancários. Assisti à entrevista por quase uma hora, finalizando após as 20:13 horas. Só não concordo com a observação de que Gilmar está anulado por seus pares e que estes todos sejam verdadeiramente constitucionalistas, defensores, guardas da Constituição, embora tivesse de ser essa a expectativa mas há, creio, outras maçãs podres no Supremo. Já no final, a história da descontinuidade de sua participação no grande jornal para o qual escrevia regularmente mostra como a mídia trata os interesses que se contrapõem aos seus quase sempre escusos e vis objetivos. Valeu, muito bom. Uma personalidade verdadeiramente admirável o insigne jurista Dalmo Dallari, bem como os nobres entrevistadores. Também creio que ele contemporizou um pouco na sua apreciação do papel do Moro, que não parece ser apenas um deslumbrado pela ribalta da mídia mas um agente ativo de interesses quase sempre (não tão) ocultos. De qualquer maneira, fiquei mais tranquilo com a negativa do entrevistado para a possibilidade de golpe via impedimento. Pareceu-me muito seguro e firme em tal consideração.

    ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥

    Ley de Medios Já ! ! ! ! Lula 2018 neles ! ! ! !

    ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥

  • Enquanto não acontecer um enfrentamento judicial à altura, que ponha equilíbrio a uma investigação claramente contra o governo, não adianta dizer que as doações foram legais. Porque para essa força tarefa o PT será sempre culpado, Vejo com muita gravidade a fala do procurador quando diz que há uma conexão no mensalão, no petrolão concentrado na casa civil desde o governo Lula. É uma imputação gravíssima.
    Para que de fato a credibilidade das investigações mostre sua imparcialidade, que é a essência da justiça, deixem de lado a perseguição política e faça uma investigação de verdade contra a corrupção que sempre esteve instalada nos partidos da direita que buscam através do golpismo derrubar o governo. Se o povo brasileiro não pode mais confiar numa ” justiça” que representa apenas um lado do eleitorado, a quem vamos apelar? Pelo visto só a justiça divina, porque aqui no Brasil a “justiça” dos homens é parcial, partidária, injusta e só é implacável contra o PT. Prende e condena sem nenhuma materialidade do fato. Não é mais possível aceitar “agentes públicos” que ao fazer parte de um jogo político, arbitram, prejulgam, condenam e fazem valer o seu poder de juiz para decidir injustamente sobre as vidas das pessoas. É uma violação tão injusta, tão imoral, tão desumana que nos coloca numa posição de escravos da “justiça”, submetidos a uma única ordem: condenados por ser do PT. Não precisa de prova, basta o desejo do legislador.

  • o Juiz Moro esta escolhendo a dedo os petistas, para dar o golpe e derrubar uma presidente eleita democraticamente, os da oposição ninguem fala nada, é como se a presidente não tivesse poder para investigar esses juízes tucanos, onde esta o Zé, aquele que se diz da justiça

Deixe uma resposta