Folha diz que, para acusar Temer, delatores têm que mostrar provas

Análise, denúncia, Todos os posts

Em um país em que as pessoas só leem manchetes sem sequer passar os olhos nas matérias a que essas manchetes remetem – e isso acontece tanto nos veículos impressos quanto no Facebook –, as primeiras páginas dos jornais se tornaram quase que veículos de comunicação à parte.

Então vamos falar de primeiras páginas. A da Folha de São Paulo deste sábado 16 de setembro, por exemplo.

Mais uma vez, esse jornal volta a defender Michel Temer relativizando as acusações de delatores e as provas materiais contra ele – e, sim, trata-se do mesmo jornal que defendeu furiosamente o impeachment de Dilma Rousseff por conta de uma manobra contábil praticada por ela que era corriqueira nos governos anteriores…

A relação da Folha de São Paulo com Temer anda esquisita faz muito tempo. Em julho, o jornal noticiou em manchete também de primeira página o resultado de uma perícia particular que ela mesma contratou que apontava edição do áudio entre Temer e Joesley Batista, no qual o presidente cometeu vários crimes, segundo a Procuradoria e a lógica mais comezinha…

Temer reuniu-se com Joesley de madrugada na residência oficial do governo brasileiro para tratarem da inquietude do presidiário Eduardo Cunha e dos riscos que essa inquietude representaria para o político e o empresário, entre outros.

O laudo da Folha foi divulgado dois dias após a gravação de Joesley, no auge da repercussão. “Áudio de Joesley entregue à Procuradoria tem cortes, diz perícia”, destacava manchete do jornal que Temer usou para se defender:

Logo, porém, o trabalho do perito contratado pela Folha ficou desacreditado. O laudo foi feito em um dia. Perícias oficiais sobre o áudio levaram semanas. Depois, descobriu-se que o períto da Folha usou equipamento de baixa qualidade, produziu um texto com erros de português.

Detalhe: além de “perito”, soube-se que o sujeito inflava seu currículo com informações falsas. E ele não se apresenta apenas como perito, mas, também, como “corretor de imóveis”…

Esse episódio é útil para entender a primeira página da Folha deste sábado e até do editorial que publica na mesma edição. Tudo feito para livrar a cara de Temer.

Na primeira página, o jornal remete a reportagem que afirma que as investigações nas quais o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, baseou-se para acusar Temer pela segunda vez não estão concluídas. O jornal só se esqueceu de dizer que Janot também acusou Lula com base em investigações que não foram concluídas.

Em editorial, na mesma edição, o jornal trata de relativizar a nova denúncia contra Temer e de afirmar que não vingará.

Mas o mais bizarro mesmo é a primeira página no do jornal na edição deste sábado. Na primeira página, a Folha insinua que as acusações de delatores contra Temer não teriam provas e que, pela lei, para delações valerem têm que fazer acompanhar de provas. Na mesma primeira página, o jornal repercute acriticamente acusações sem provas de delatores contra Lula.

A manchete principal de primeira página diz que “De acordo com a lei, a delação serve só como meio de obtenção de prova” e que “Os delatores precisam mostrar documentos que possam corroborar os fatos narrados”.

Aleluia! Pelo menos o jornal confirma o que veículos como esta página vêm dizendo sobre delações…

Agora, porém, surge a pergunta inevitável: qual é o documento, por exemplo, que o ex-ministro Antonio Palocci apresentou para fundamentar suas acusações contra Lula? Alguém sabe dizer? Não? Claro que não, porque não apresentou nada.

Porém, enquanto na mesma primeira página a Folha diz que delações contra Temer não valem porque os delatores não apresentaram provas – e apresentaram, sim, senhor –, o jornal crava as seguintes manchetes sobre Lula:

Em tempo:

Deixe uma resposta