O que você acha de denunciar Moro ao CNJ por mentir ao STF?

Sergio Moro confessou que mentiu ao STF ao pedir desculpas por grampear a então presidente da República. E não fez só isso: omitiu informações do STF e furtou da Corte suprema da Justiça brasileira a decisão sobre o que fazer com áudios envolvendo a presidente. O Blog da Cidadania considera representar Moro ao CNJ por isso e quer a opinião do leitor sobre tal medida.

Dilma: “Expulsão de Katia Abreu do PMDB é uma violência”

A senadora por Tocantins, Katia Abreu, já foi execrada pela esquerda. Em dezembro de 2014, intelectuais de esquerda e representantes de movimentos sociais criaram um abaixo-assinado no qual cobraram de Dilma Rousseff “coerência” entre o discurso de campanha e as práticas de governo.  Esse abaixo assinado, inclusive, foi usado pelos movimentos de extrema-direita para desencadear o discurso do “estelionato eleitoral”. Agora, tudo mudou. Katia foi a aliada mais fiel de Dilma fora do PT. E acabou defenestrada do PMDB por criticar o golpismo e a corrupção no partido.

Porta-voz de juristas anti golpe desdenha carta de Temer e confia no STF

A importância que está sendo dada à carta de Michel Temer é exagerada, na visão do jurista Luiz Moreira, porta-voz do grupo de 30 juristas que esteve no Palácio do Planalto na última segunda-feira apresentando a Dilma Rousseff pareceres que escancaram a falta de fundamento legal do processo aberto por Eduardo Cunha. Moreira e seu grupo consideram que se a Câmara, por moto próprio, não interromper esse processo ilegal e carente de “justa causa” (termo jurídico), o STF irá tomar uma atitude. Leia a entrevista que o jurista Luiz Moreira deu ao Blog sobre o encontro dele ontem com a presidente da República.

Levandowski dá tiro de misericórdia no golpe numa sexta-feira 13

Eis, portanto, que o golpe falece em uma sexta-feira 13. Nesse dia, durante palestra em uma faculdade de Direito da capital paulista, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Ricardo Lewandowski, mostrou que o jurista Dalmo Dallari sabia muito bem o que dizia quando classificou as pretensões golpistas como “fantasia política”. O Brasil termina esta semana melhor do que começou. Comemore!

Reforma ministerial puxou tapete dos golpistas e gerou otimismo na economia

O governo Dilma conseguiu usar a única arma que lhe restava para melhorar a economia e extirpar a sabotagem política e o golpismo: a caneta. A reforma ministerial foi uma medida legítima e que, ao fim e ao cabo, será melhor para todos. Leia o post e cobre este blogueiro, no futuro, se a medida não fizer a economia melhorar e se não puser fim aos delírios golpistas.

Só 11 presidentes que o país elegeu terminaram o mandato

Em tempos de arreganhos golpistas, vale lembrar que o golpismo é uma praga nacional que fez este país vagar errático pelo século XX, perdendo o bonde da história várias vezes. Desde 1889, quando foi instaurada a República, o Brasil foi comandado por 42 presidentes. Porém, apenas 18 foram eleitos pelo povo e só 11 concluíram seus mandatos. Confira como é pífia a democracia brasileira, como foram poucas as oportunidades em que o povo pode escolher, e por que, mais uma vez, nossa democracia está sob ameaça.

Gilmar Mendes volta a dar razão a Joaquim Barbosa

O pedido de Gilmar Mendes ao Procurador Geral da República para investigar as contas de campanha de Dilma não passa de encenação para criar um fato político. Parece lícito supor que tenha combinado isso na reunião que teve com Eduardo Cunha no mês passado, quando a imprensa disse que ambos discutiram o impeachment de Dilma. Gilmar volta a dar razão a Joaquim Barbosa, que o acusou de “estar destruindo a credibilidade do Judiciário brasileiro”

Fiscalismo do TCU: querem derrubar Dilma pelo que ocorre desde FHC

Sabe o que é que o TCU está fazendo, leitor? Se não fosse o casuísmo de condenar no governo Dilma o que vem sendo admitido em todos os governos pós adoção da Lei de Responsabilidade fiscal, poder-se-ia dizer que aquela Corte adota “fiscalismo”, termo que o dicionário Houaiss bem define como “Busca do equilíbrio fiscal em detrimento dos aspectos sociais e políticos da tributação”. Trocando em miúdos: é golpismo.