Haverá “vazamentos” no inquérito da PF sobre FHC?

A jornalista Mirian Dutra, pela qual FHC se encantou nos anos 1990, cobria política em Brasília. Era, como dizem, uma “raposa”. Conhece até hoje todos os bastidores, todas as tramoias demo-tucano-midiáticas da época em que foi exilada na Europa. E muitas outras. A boca pequena, espalhou que tem muitos documentos. Muitos mesmo. E será a primeira pessoa que a PF irá ouvir. Em breve.

Cartel midiático culpa PT até pelos “malfeitos” de FHC

Colunistas do cartel midiático que assola o país começaram a tratar como “fato” que o PT esteja por trás das revelações da ex-namorada ressentida de FHC. A insinuação é uma enormidade: ela teria sido paga pelo partido para dizer o que disse sobre o homem responsável por seu exílio, por seu confinamento por décadas em uma gaiola dourada e, finalmente, pela demolição de sua honra. A estratégia de defesa do tucano, portanto, é usar esses pistoleiros para acusar o PT pelos próprios crimes. É mole?

PF investigará FHC se “um civil” pedir… Só se for agora

A ex-namorada de FHC afirma ter documentos que provam que ele fez remessas ilegais de dinheiro para o exterior enquanto ainda era presidente. Além disso, recentemente ele deu dois apartamentos de presente (para o filho da ex-namorada e para a nova esposa). Os presentes somam 2 milhões de reais. De onde FHC tira tanto dinheiro? A boa notícia é que qualquer um pode pedir à PF que investigue. Alguém acha que essa investigação precisa ser feita?

Campanha de aniquilação de petistas inviabilizará a política brasileira

O objetivo primordial da política não existe mais. Ao menos no Brasil atual. Os rancores e o ódio nortearão a disputa pelo poder. Uma geração inteira de brasileiros será gerida pelo ódio. E o ódio não sumirá após a direita voltar ao poder. Quanto àqueles que acham que poderão esmagar os adversários quando voltarem ao poder, lembrem-se do nazismo. Hitler foi o último grande cretino que achou que poderia esmagar qualquer um que a ele se opusesse. O PSDB e sua mídia vão provar do próprio remédio.

Lula usa sitio de amigo e FHC usa apartamento de amigo em Paris. E daí?

Não, FHC não tem (ao menos oficialmente), um apartamento em Paris. Assim como Lula usa sítio de um amigo em Atibaia, o tucano usa apartamento de um amigo em Paris – gente fina é outra coisa. Esse amigo de FHC, porém, é metido até o pescoço com as empreiteiras envolvidas na Lava Jato. E ninguém diz nada. Inclusive que empreiteiras deram milhões a FHC, de mão beijada, quando ele ainda era presidente. As mesmas empreiteiras da Lava Jato. A mídia tucana esconde isso, mas nós mostramos. Clique no link para ver.

Tratamento a Lula e FHC no caso Cerveró revela que estamos em uma ditadura

A forma como a mídia tratou as denúncias do ex-diretor da Petrobrás Nestor Cerveró contra Lula e FHC confirma, de uma vez por todas, que, no Brasil de hoje, a lei está sendo aplicada de formas diferentes para pessoas contra as quais pesam as mesmas acusações. Isso só existe em ditaduras. A questão, agora, é como vamos lidar com essa ditadura da minoria vigente no país. Com flores?

Mais escândalos tucanos para a Justiça engavetar

No mês passado, o programa Roda Viva entrevistou o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, de quem se soube, neste fim de semana, que recebeu 1 milhão de reais da Odebrecht por palestra que não deu. Naquele programa, o tucano acusou e criticou Lula por receber dinheiro dessa mesma empreiteira por palestra não proferida. Confira o vídeo de mais um escândalo tucano que a Justiça terá o “enorme” trabalho de engavetar.

TSE aprovou R$ 10 milhões de caixa 2 para FHC em 1998

A postura do TSE que se vê hoje contra Dilma não é produto de melhora daquela Corte, mas de piora. Porque ser austera com alguns e leniente com outros é pior do que ser leniente com todo mundo, pois significa que o Estado está sendo usado para perseguições políticas, o que sugere, até, que pode haver um complô para prejudicar a presidente da República. Leia, clicando na imagem, o relato da tolerância do TSE com “rolos” das campanhas do PSDB. Chega a ser inacreditável.

Dados macroeconômicos mostram que a crise não é econômica, é política

Além de estarmos exportando mais que importando, a dívida externa, que sob FHC batia em 118,03% do PIB, hoje – e só após as recentes altas do dólar -, está em 51,74% do PIB. O problema, basicamente, é crise de confiança por conta da situação política. Se o país equilibrar receita e despesa e puser fim a delírios golpistas, a economia tende a retomar o ritmo, com efeitos positivos emprego e valor dos salários. Trocando em miúdos: se pararem de sabotar o Brasil, tudo se ajeita.