Pesquisas apontam as consequências desastrosas com o fim do Mais Médicos

Instituto de Saúde Coletiva, da Universidade Federal da Bahia (UFBA), em colaboração com pesquisadores da Universidade Stanford, nos EUA, e do Imperial College, em Londres, afirmam que a paralisação do programa pode causar 100 mil mortes precoces no Brasil. As principais causas de morte seriam em decorrência de doenças infecciosas e deficiências nutricionais