Advogados de Lula rebatem O Globo e denunciam Lawfare

“O lawfare não é tão visível quanto as guerras convencionais porque o inimigo é atacado justamente sob o pretexto da necessidade de se cumprir a lei e os procedimentos jurídicos — embora resulte na própria negação do Direito. Para viabilizar o lawfare, cria-se uma verdadeira campanha, com o auxílio da mídia e de operações psicológicas, para envolver a população e tornar aceitáveis os abusos que acompanham o fenômeno em busca de combater um imaginário mal maior”.

O Globo escala “professor da FGV ”, funcionário de Moro, para defender a Lava Jato

O fato curioso é que o jornal da família Marinho escondeu uma informação fundamental, neste caso, a respeito do seu autor. Luciano Benetti Timm foi nomeado, em dezembro último, pelo próprio juiz Sérgio Moro, para chefiar a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacom), um órgão do ministério da Justiça, conforme pode ser comprovado no próprio site da instituição.

Ao armar a população por decreto, Bolsonaro é criticado até em editorial do Globo

A aposta enganosa do governo é que armar o cidadão significa garantir o refluxo da violência do crime. É por isso que Bolsonaro, ao abrir a rápida solenidade de assinatura do decreto, citou o “legítimo direito de defesa”, lembrando o plebiscito feito em 2005, conforme previsto pelo Estatuto do Desarmamento, em que a maioria decidiu pela manutenção do comércio de armas e munições.

Não é possível compartilhar com o presidente a certeza de que hoje o resultado da consulta seria o mesmo. Recente pesquisa Datafolha mostrou posição oposta — 61% são contra a posse de armas, e já foi menos.