Victoria não estaria viva se Temer governasse há mais tempo

Victoria Guimarães, de 17 anos, só está viva hoje porque, em um período crucial de sua vida, o Brasil não era governado por Michel Temer e, assim, o ministro da Saúde não era Ricardo Barros, deputado federal pelo PP paranaense, eleito graças a financiamento de planos de saúde e que quer impedir que recorramos à Justiça quando essas empresas criminosas recusam procedimentos de pessoas às portas da morte, como aconteceu com Victoria 7 anos atrás. Leia e divulgue essa história dramática para que os brasileiros entendam o perigo que correm sob um governo de bandidos como o de Temer e companhia.

Um gorila na diplomacia, um carrasco na Justiça e um charlatão na Saúde

Não há um só dia, um mísero dia após o fatídico 12 de maio de 2016 em que o país não tenha sido surpreendido por alguma ideia grotesca vomitada por um dos vários gangsteres que compõem a equipe do “presidente” de facto Michel Temer. Mas essas “ideias” vem sendo negadas em seguida pelo titular do bando, tal o nível de imbecilidade que contém. Nesses cinco dias após o golpe, o país sofreu cinco pauladas desse governo golpista e ilegítimo. Confira.

CPI das pesquisas poderia impedir novos abusos nas próximas eleições

No dia 9 de outubro de 2014, pesquisa Datafolha dava conta de que a campanha eleitoral para presidente em segundo turno começava com a candidata do PT e o candidato do PSDB tecnicamente empatados – Dilma aparecia com 44% e Aécio, com 46%. Um dia antes, porém, a revista Época divulgara sondagem de um tal instituto Paraná que mostrava Dilma com 46% e Aécio com 54% (8 pontos percentuais de diferença). Dois dias depois, a revista IstoÉ divulgou pesquisa do instituto Sensus que ampliava a vantagem de Aécio sobre Dilma para incríveis 17 pontos percentuais (Dilma 41,2% e Aécio, 58,85).