Moro confessa que mentiu ao STF sobre áudio entre Lula e Dilma

Em março de 2016, o juiz Sérgio Moro pediu desculpas pela divulgação ilegal que fizera pouco antes de áudios contendo conversas particulares entre o ex-presidente Lula e a então presidente Dilma Rousseff. Nesta segunda-feira (27/11), em evento da revista Veja, Moro diz que nunca errou na Lava Jato e que vazaria aqueles áudios de novo. Moro mentiu ao STF

STF deve ao Brasil relatoria da Lava Jato isenta de politicagem

O Poder Judiciário como um todo está ameaçado de total desmoralização a depender da “solução” que o presidente Michel Temer e a ministra Carmén Lúcia derem para a substituição do relator da Lava Jato naquela Corte. Do primeiro não se espera nada, da segunda não se espera muito. Além disso, a Lava Jato de Teori Zavascki não era a Lava Jato de Gilmar Mendes ou de Sergio Moro. Resta sabe se Temer e Cármen querem que a Lava Jato no STF se torne uma completa farsa como a Lava Jato da 13ª vara de Curitiba.

Lava Jato pode acabar para Temer, Serra, Aécio, Alckmin e caterva

Ninguém deve ter medo de exigir esclarecimentos cabais sobre a morte do ex-relator da Lava Jato no STF, Teori Zavascki. O delegado da Lava Jato Marcio Adriano Anselmo, entidades da magistratura como Ajufe e Anamatra, o filho de Teori e, segundo pesquisa Paraná, 83% dos brasileiros acham que há algo suspeito na morte do juiz que os antipetistas atacavam por ter tomado decisões favoráveis a petistas, incluindo Lula e Dilma. Essa morte só beneficia os golpistas, sobretudo o golpista-mor.

Quem matou Teori Zavascki…

O avião que caiu com o ex ministro do STF Teori Zavascki é um Hawker Beechcraft King Air C90 prefixo PR-SOM pertencente o grupo Emiliano Empreendimentos. É considerado um excelente avião. É o único bimotor pequeno que o serviço secreto norte-americano autoriza o presidente dos Estados Unidos a usar. Teori estava para liberar delações contra políticos com foro privilegiado. Um deles, por exemplo, foi citado 43 vezes em uma só delação.

Um golpe “belo, recatado e do lar”

Todo mundo está perplexo com o oportunismo da defenestração de Eduardo Cunha pelo STF – às vésperas do golpe parlamentar contra Dilma Rousseff. O pretenso efeito dessa decisão oportunista – correta no mérito, não no timing – é conferir ares de funcionamento normal às instituições na antevéspera de uma decisão do Senado que jogará no lixo 54 milhões de votos. Querem travestir o golpe com supostos atributos morais e estéticos da mulher do conspirador-mor da República. Será um golpe “belo, recatado e do lar”