Criminalização de “rolezinhos” gera explosão de racismo na internet

denúncia

A criminalização de que o movimento desorganizado dito “rolezinhos” foi alvo por ação de textos recriminatórios da grande imprensa e da decisão judicial que permitiu aos shoppings de São Paulo promoverem, sob critérios obscuros, triagem de quem podia ou não ingressar nesses empreendimentos comerciais gerou uma onda de racismo nas redes sociais.

Essa mesma criminalização dos “rolezinhos” foi a senha a estimular jovens a postarem comentários com termos como “Negrada” e “baianada” (forma como classe média paulista se refere a nordestinos) naquelas redes sociais sem demonstrarem qualquer preocupação

Em 1951, foi promulgada a Lei 1390/51, mais conhecida como Lei Afonso Arinos. Proposta por Afonso Arinos de Melo Franco, proibia a discriminação racial e a separação de “raças” diferentes que, até então, era aceita.

A lei Afonso Arinos acabou se revelando ineficiente por faltar rigor nas punições que previa mesmo em casos explícitos de discriminação racial em locais de trabalho, em estabelecimentos comerciais, em escolas e nos serviços públicos.

Em 1989, o governo José Sarney promulgou a Lei 7716/89, mais conhecida como “Lei Caó”. Proposta pelo jornalista, ex-vereador e advogado Carlos Alberto Caó Oliveira dos Santos, essa lei determinou a igualdade racial e o crime de intolerância religiosa.

Apesar de ser menos usada do que deveria, a lei 7716/89 inibiu fortemente o racismo explícito no país por tê-lo tornado inafiançável. Contudo, a leniência da Justiça mesmo com os casos mais graves continua estimulando o racismo aberto em vários setores da sociedade e, sobretudo, em regiões específicas do país – sobretudo no Sul e no Sudeste.

Onde andará o Ministério Público e a mesma Justiça que foi tão ágil em dar permissão aos shoppings para barrarem a entrada daqueles que essa “juventude” chama de “negrada” e de “baianada”? Com a palavra, o doutor Rodrigo Janot, Procurador Geral da República Federativa do Brasil.

*

Veja, abaixo, alguns dos milhares de crimes de racismo que estão sendo cometidos na internet enquanto você lê este texto.

211 comments

  • São Paulo foi refúgio dos fascistas fugidos, que deixaram seus descendentes e sua cultura espalhados por aí. Uma desgraça sem solução. Estou MUITO pessimista em relação ao povo da minha cidade, só vai piorar e ninguém faz nada, quando tenta, a “justiça” não deixa. Aliás, Edu, e o programa Braços Abertos, não merece um post?

    • Dezenas de milhões de brasileiros melhoraram de vida na era do lulismo #Fato! ….. Os shopings no Brasil são em torno de 500 e idealizados para um público de cerca de 40 milhões de brasileiros (não interessam 150 milhões…) ……….. Temos, retomando, milhões de pessoas antes muito pobres sendo chamada de “a nova classe média” querendo ir aonde a “classe média tradicional” habita ………………………………. Só tem uma coisa. A classe média tradicional tem horror de pobre e preto e só os aceitam se “ficarem no seu devido lugar” e está sofrendo muito por ter que conviver com ex-pobres nos aeroportos, nas faculdades, nas estradas, nas praias e até no exterior ….além de terem dificuldades de conseguir empregada e funcionários que queiram trabalhar a salário de miséria em época de PLENO EMPREGO……. Invadirem também os shopings. Ah! Isso eles NÃO tolerarão!!! …. É por isso tudo e muito mais que eles ODEIAM de todo coração o Lula e ascensão social considerada hedionda que o Lulo-Dilmismo produziu ……………. Além de tudo tem vergonha de se assumirem “de direita”, racistas, segregadores e elitistas usando mil argumentos para esconder que, no fundo, tem HORROR A POBRE…

      • Muito bom, Andrauss, que se manifestou em 16/01/2014 • às 20:53.

        Você acertou em cheio na análise dos fatos e da reação dessa direita conservadora.

        A parte que você lembra deles não terem mais os pobres se humilhando por emprego à base de salário mínimo é das maiores raivas que exprimem em seus comentários sobre os governos de Lula e Dilma.

        • Andraus, continuo achando excelente o seu comentário. Retrata a mais pura verdade. Mas o fato é que assim como nas manifestações passadas, infiltrados diversos tais como pessoas ligadas ao tráfico e outros patrocinados por alguns políticos, como aconteceu no Rio, podem criar o cáos. Aproveitam-se dos jovens que passam a ser inocentes úteis para a direita e também para certos partidos de esquerda radical. Isso prejudica qualquer governo. Canso de ver várias pessoas consideradas nova classe média em shoppings, comprando normalmente ou passeando e sem problema. Mas se um grupo enorme de jovens entrarem juntos num shopping, acredito que assustará, pois a lembrança das barbaridades cometidas nas manifestações, ainda está muito forte na cabeça dos cidadãos. Acho que até as eleições, muita barbaridade acontecerá. Já comecei a receber repasses feitos por brasileiros que moram nos States, insuflando de todas as maneiras contra o país, Lula e Dilma. Estão começando a atuar.

          • Concordo também com tua análise, Laurita. Eles, como disse Lula, têm ódio a ele não pelo que ele – Lula – fez de errado, mas do que fez certo. O odeiam pelo que acertou. Eles odeiam o pobre, a inclusão social, o Mais Médicos, o Bolsa-Família, o ganho do salário mínimo, o Minha Casa, o ProUni. Talvez não odeiem o Fies, nem o Ciencia sem Fronteiras, porque nestes, o filho do classe média pode estudar quase que sem nada pagar, muito menos o Ciencia sem Fronteiras que é a oportunidade dos filhos dessa classe mesquinha estudar – COM NOSSO DINHEIRO! – lá fora.

            Eles se pautam pela globo, veja, folha e estadão. E de quem é a culpa por termos hoje uma classe média não apenas conservadora e elitista, mas mesquinha e odiosa?

            Com a palavra a nossa Gestora (Presidenta é a Cristina). Cadê a ley de medios? Quantas vezes ela vai a TV e ao rádio falar da importância da distribuição de renda?… E que isso é solidariedade?!

            Quantas vezes, Laurita, ela e até mesmo o Lula, voaram na jugular do pig para desmoraliza-los e desmascara-los ante suas previsões erradas e sua torcida para que o país e o povo se explodam?

            Quem coloca e mantem helena chagas na Comunicação e paulo (hi)bernardo no mini-com, quer mesmo é apanhar como uma vassala dos seus “patrões”.

      • Eu sou extremamente de direita, defendo na verdade o livre mercado, com mais oportunidades ao livre empreendedorismo e um país com menos intervenção do governo e discordo de absolutamente de tudo o que você disse.
        Conseguiu misturar racismo, com política, com economia e não saiu nada. O seu raciocínio é igual o da maioria e a maioria está aí, fazendo esse estrago no Brasil.
        Não tenho ódio do Lula, apenas acho que ele governa com interesses próprios e partidários. Investir em ações sociais é propiciar ao rico visitar a favela, investir em ações comerciais é dar oportunidade de quem tem menos visitar o shopping… e comprar. E é isso o que a direita realmente quer. A real direita não tem medo de pobre, muito pelo contrário, a esquerda cria dificuldades para vender facilidades.
        Mas é muito mais bonito soltar o seu verbo socialista e esperar tudo do estado. Parece que você está sempre ao lado de quem tem menos, defendendo as minorias (que são bem a maioria no Brasil). Parece ser muito mais tranquilizador para a mente, não?

        E só para o seu conhecimento eu não sou rica, nem branquinha, nem segregadora (palavrinha da moda!).

        • Então você é da minoria da minoria. Pessoas como vc me fazem acreditar em um Brasil com uma direita nacionalista e com visão de futuro e de sociedade… Não essa direita raivosa, escravagista, entreguista e excludente que plaga este país há mais de 500 anos !!!!!!!!! Se todos da direita fossem como você EU seria de direita !!!!! Por exemplo, a MERITOCRACIA é o melhor meio de se promover uma sociedade competitiva e funcional, especialmente em países onde as oportunidades são para todos, como na Finlândia, não num Brasil onde filho de rico estuda em colégio particular e filho de pobre em “lixões” públicos e depois vem falar em igualdade de condições no vestibular… (e na vida!)

          • Andrauss, o importante não é o nome que damos as coisas. A palavra liberal, por exemplo, é usada por partidos políticos, o que foge totalmente do sentido de liberdade e da mudança que eu esperaria da nossa sociedade, por exemplo.
            Ter uma direita liberal no poder ou ainda uma esquerda socialista em nada vai mudar o quadro do Brasil hoje, pois as alianças políticas, as burocracias e as estratégias para alcançar e preservar o poder vão continuar as mesmas.
            Estamos aí com um governo do PT e com um vice do PMDB. E a gente dicutindo idéias para melhorar o país enquanto eles brigavam por cargos na semana passada. Está aí o ponto. E isso acontece com PSDB e PcdoB e Partido Verde… E vai…
            Nós precisamos desse tipo de governo?
            Eu também fui bombardeada com idéias socialistas, principalmente quando era estudante e realmente acreditei nelas. Até que tive a oportunidade de conhecer Cuba.
            Vou te contar um pouquinho das minhas experiências e longas conversas por lá.
            – No avião, indo para Cuba, conheci um senhor inglês que levava medicamentos para o país. Ele me contou sobre a precariedade do sistema de saúde no país. Existem muitos médicos, mas os hospitais estão deteriorados e não há medicamentos. Como a importação desses medicamentos não acontece, mas também há tempos não se investe no setor, existem voluntários que os levam ao país. Ou seja, o país é totalmente dependente da boa vontade.
            – As pessoas tem medo de conversar sobre política, acham o tempo todo que estão sendo vigiadas ou ainda que eu sou uma infiltrada. Só depois de insistência e paciência que conseguimos “tirar” a real opinião deles.
            – O povo tem o direito sim de escolher sua profissão, de estudar. E dizem que a educação é boa no país. Mas depois que se formam não tem o direito de escolher onde vão trabalhar. Se o seu sonho é se formar em turismo e trabalhar no Hotel Nacional, esqueça… O governo decide para onde você irá.
            – Existem dois tipos de moedas, uma para os turistas (que podem comprar até coca-cola) e outra para a população. Um dia encontrei uma senhora na porta da farmácia me pedindo ajuda, pois o dinheiro que ela tinha direito, por trabalhar, não podia comprar uma fralda descartável para seu filho, por se tratar de um produto importado. O país não produz, não permite a importação e, se importa, o coloca em lojas e simplesmente proíbe o seu povo de comprá-lo.
            – O salário médio do cubano é de R$ 100. Não importa o quanto uma pessoa se esforce, ou não…

            É esse o tipo de sociedade que queremos? E qual o motivo de eu estar aqui contando sobre Cuba, uma vez que parece que nada tem a ver com o tema? Apenas parece que não.
            Mas enquanto brigarmos por intervenções e serviços do governo, estamos pedindo intervenções e, quanto mais intervenções, menos liberdade.

            E vamos entrar agora totalmente no tema. Os shoppings, apesar de estabelecimentos abertos ao público são propriedades particulares destinadas a vender produtos e serviços. Eu realmente não acredito que em 2014 estamos discutindo o poder de uma propriedade privada fechar suas portas uma vez que seu objetivo não esteja sendo alcançado. Estamos discutindo aqui muito mais a ação de uma polícia despreparada, também oferecida por esse mesmo Estado falido.

          • Exotic tours….

            Pessoas comparadas a bichos….

            Moça, cê se afundou mais um pouco com estes links.
            E não adianta dizer que muita gente procura, que Michael Jackson foi lá e o escambau.
            Michael Jackson nunca foi ponto de referência pra nada, principalmente quando o assunto é racismo!

          • Inclusão social ou comercial nada tem a ver com racismo. Racismo é crime para ser resolvido com justiça e polícia. E é o que já disse, não podemos esperar isso de um Estado falido.
            As tristes declarações estão aí na internet para qualquer um ver e sabe o que vai acontecer com isso? Nada…

          • É engraçado que quando a pessoa não tem argumentos começa a escrever: “você se afundou”, a chamar de “querida”… Mostre suas idéias, vamos conversar sobre elas! Mas conversar, discutir. Você não precisa concordar comigo ou com tudo o que eu falo. Eu posso concordar com alguns pontos seus, mas não com os “queridas” ou com o “você se afundou”.
            Você disse que rico não queria visitar a favela e eu te mostrei pelo menos 3 links, o mercado está aí, ele existe. E não apenas para turistas de fora do país… Apesar de que acreidto que a clientela mais forte sejam os estrangeiros.

  • Qual nosso maior know how? FESTA/CARNAVAL! Vamos fazer um CARNAVAL FORA DE ÉPOCA EM CADA SEDE DA COPA! Investimos muito! Agora vamos ganhar dinheiro no curto, médio e longo prazo! Conquistando turistas e os fazer voltar! E, ainda, trazendo amigos!!! A Hora de começar a organizar é agora!
    ASSIM FAREMOS A MAIOR COPA DE TODOS OS TEMPOS EM TODOS SENTIDOS!

  • Edu, há várias formas de denunciar os usuários xenófobos e racistas:

    A Polícia Federal disponibiliza de uma página em que as denúncias podem ser feitas online. O denunciante recebe inclusive o número de protocolo para acompanhar providências que foram tomadas pela PF:
    http://denuncia.pf.gov.br/

    As denúncias de racismo, xenofobia, e apologia a crimes contra a vida também podem ser feitas no site SaferNet:
    http://www.safernet.org.br/site/denunciar

    Um lembrete para os que destilam seu ódio na rede e acham que apagar o tweet resolve: todos os tweets, TODOS (inclusive os que você apaga), são armazenados no banco de dados do Congresso Americano.

    • Quem sabe quando VOCÊ for proibido de entrar em algum lugar por preconceito, então entenda o que o Eduardo está dizendo. Se bem que eu acho que é capaz de ser hipócrita ao ponto de reclamar de ser discriminado e discriminar os outros ao mesmo tempo.

      Porque os VERMES CALUNIADORES como você não tem vergonha na cara e portanto não se importam de colocar à mostra toda sua hipocrisia.

    • Garanto que se der guerra civil, eu vou lutar a favor dos discriminados.

      Não só porque são os injustiçados na questão, mas porque são a maioria esmagadora!

      Os seus 6% não dão nem pro cheiro.

    • Acorda, mané!
      Fórum Econômico Mundial alerta para o aumento da disparidade entre ricos e pobres

      Uma crônica disparidade entre ricos e pobres está se ampliando, o que representa o maior risco individual para o mundo em 2014, apesar do início da recuperação de muitas economias, disse o Fórum Econômico Mundial nesta quinta-feira.

      A avaliação anual sobre os perigos globais, que fornece o contexto para a reunião do Fórum na semana que vem em Davos (Suíça), conclui que a disparidade de renda e a decorrente tensão social compõem a questão que provavelmente mais impactará a economia do planeta na próxima década.

      O fórum alertou que há uma geração “perdida” de jovens que chegaram à maturidade na década de 2010 sem ter empregos e qualificação profissional, o que alimenta a frustração represada.

      Isso pode facilmente desencadear uma explosão social, como já ocorreu nas recentes ondas de protestos contra a desigualdade e a corrupção na Tailândia e no Brasil.

      “O descontentamento pode levar à dissolução do tecido social, especialmente se os jovens sentirem que não têm futuro”, disse Jennifer Blanke, economista-chefe do Fórum Econômico Mundial. “Isso é algo que afeta a todos.”

      A pesquisa com mais de 700 especialistas globais identificou eventos climáticos extremos como sendo o segundo fator com maior probabilidade de provocar choques sistêmicos.

      SAIBA MAIS

      REUTERS

  • Eduardo, os “rolezinhos” agora têm um defensor de peso. Quem diria?! Você e o governador mais lindo, ético, xuxu, de bem, honesto, íntegro, idôneo, beleza pura, muito foda, sensacional, eterno no poder, que é o maior caçador de cartéis do mundo etc chegando num consenso (risos). O cara é tão poderoso, que o Yahoo, seguidor da moda reaça chegou a publicar os próximos rolezinhos num mapinha bonitinho, com link para o shopping e para a página no Facebook. Que poder esse homem tem?

    http://br.noticias.yahoo.com/alckmin-fala-sobre–rolezinhos—-eu-dava-rol%C3%AA-na-pra%C3%A7a-170550777.html

    Eu não sou racista, nem tucano, nem reaça. Mas rolezinho, para mim, é merda à vista.

    Os verdadeiros moleques de esquerda, repito, estão tocando guitarra, dançando break, fazendo poesia, descobrindo a literatura ou o amor, e começando no primeiro emprego, ganhando menos que um salario mínimo.

    • Caro Rodrigo SB:
      Você tem razão. A companhia age sempre da mesma forma quando o objetivo é desestabilizar. Com a mão esquerda ela insufla esses movimentos “desorganizados” da periferia (qualquer semelhança com a expressão “protestos pacíficos” usada ad nauseam pela Globo em junho passado, não é mera coincidência). Para isso ela conta com o “auxílio luxuoso” das milícias e crime organizado. Com a direita, ela instiga os proprietários e seus homens de preto para agir com máxima violência. Aí ela consegue a crise tão sonhada. Tem sido assim, não só no Brasil, em junho passado, mas em todo o mundo, durante mais de 6 décadas! Quem ainda acredita em primavera árabe, revolução laranja, verde, cedro, branca, etc., tem necessariamente que acreditar em Papai Noel também. Tudo, sem exceção, é obra da companhia e suas inúmeras agência e ONG’s e fundações afiliadas. Qual a maneira correta de agir diante dessa obviedade? Reconhecer o direito de cada um, claro, mas não deixar de alertar, principalmente aos mais jovens e inexperientes, para o que parece ser a reprodução de um padrão constante de ação da companhia. Afinal, o saco de truques é finito e acaba se repetindo inevitavelmente.

      • Também acho isso, é sempre a primeira suspeita e acaba sendo a correta. Como é? Agora o Alckmin-tiroso (para usar a expressão de um leitor, acho que foi o YACOV) está a favor? Ih, nesse caso, fiquei contra! Aguardemos as cenas dos próximos capítulos. Já fui neutra, já fui a favor, agora estou contra, amanhã é outro dia… Só sei que isso tudo é uma m., deprimente e totalmente contraindicado pra mim. Vou ter que dar um tempo daqui, buáááá……

        • EDD, Cibele, eu postei uma série de vídeos aqui no blog de rolezinhos bárbaros: uma bando de vagabundo chutando a grade do estacionamento (estacionamento de shopping é privado), tirando a roupa, um monte de menina gritando, rebolando de shortinho até o chão. Os seguranças chegaram numa boa e foram humilhados (seguranças de shopping não são ricos, não moram em bairros de classe média alta, certo? E ficam 12 horas por dia em pé para ganhar 1200 reais).

          Num outro vídeo, cada bando de 20 “rolezeiros” se reveza para espancar quase até a morte um segurança. São menininhos da classe pobre, por isso podem ser covardes? Acho que não. Uma tal de Maria Antônia aqui disse que esses meninos não podem ser educados como as elites querem porque os pais são pobres. Minha família inteira é de origem pobre, e apenas dois primos viraram vagabundos, bandidos mesmo, mas que pediam a benção para os tios e falavam bem baixinho (um deles morreu numa perseguição e um outro se regenerou totalmente depois de 14 anos de cana).

          Rolezinho é fascismo. Como a classe baixa não lê, é algo não-politizado. O brasileiro tem uma certa inclinação ao fascismo (note-se nossas torcidas organizadas, esses reaças da classe média, black blocs etc). E esses moleques adoram AZELITE, não o contrário. A abordagem da direita nesse caso também está errada: não é inveja! É amor, é querer ser patrão para pisar no outro.

          O Geraldinho viu nisso uma forma de desestabilizar o governo novamente, daí o sorrisinho falso dele. O mundo dá voltas, quem diria que o Eduardo e o Geraldo concordariam em um ponto!!!!!

          Agora vários comentaristas começam a se dar conta da ingenuidade em enxergar revolução social nisso. Quero ver até quando… Fui xingado de “mané” e de “tonto” quando notei na hora que isso era absurdo.

          • Infelizmente, Rodrigo, é assim mesmo. Não entendo por que razão temos que passar a mão na cabeça dos jovens. Nenhum deles, seja de que classe for. Nosso papel é ensinar, eles estão em formação, certo? E ensinar requer, necessariamente, capacidade de impor limites. Agora que ninguém mais consegue fazer isso, não se sabe no que vai dar. Reitero duas coisas: o racismo nesses e em todos os locais é inegável e a elite brasileira é podre, especialmente a paulista. Só não abro mão do meu direito de divergir, até do Edu, se for o caso. Também vejo que o brasileiro gosta de fascismo. E não ligue, a esquerda tem mania de brigar entre si…

          • Caro Rodrigo SB
            Uma tal de Maria Antônia, não. Porque assim você se refere a todas as Marias Antônias. Eu sou a tal da Maria Antônia Ferreira Monteiro. Sempre respondo pelo que escrevo, falo e penso.

  • O mais contraditório é esse tal de Ítalo se intitular servo de Jesus.

    Tadinho…

    Tadinho de Jesus; um servo desses é uma cruz muuuuito pesada.

    • O Ítalo é fariseu, hipócrita.
      Há 2 mil anos, Jesus, divino (para os que creem) e profeta , já sabia e amaldiçoava gente como Ítalo: “Ai de vós, escribas e fariseus hipócritas. Sois sepulcros caiados, formosos por fora e por dentro cheios de ossos mortos e de toda sorte de imundície. Por fora, pareceis justos aos homens, mas por dentro estais cheios de hipocrisia e de iniquidade.”

    • Que horror! E o que mais me chamou a atenção foi esse tal de Ítalo dizer que Jesus é a vida e a história dele.
      Como ele, existem muitos outros ” adoradores” que andam na contramão do que ele viveu e pregou.
      Além de não ser loiro e de olhos azuis, como sugere o Locatelli, provavelmente, também não deveria ser limpinho e cheiroso.

    • Ai, ai,

      Qualquer semelhança com meus parentes ‘evangélicos aqui de SC é mera coincidência.
      Chego a pensar que todo este povo que fica a invocar Jesus a toda hora nada tem de cristão…

    • Não tem o dedo da direita tradicional, isso não. É um fenômeno novíssimo: essas famílias que entraram para a classe média no governo Lula, seja por meio das bolsas (Prouni, Bolsa Família) ou pelo simples esforço, são agora os novos reacionários, os novos direitistas. Não são articulados, são burros na verdade, pois lhes faltam estudo, mas sabem em que políticos votar (no PSDB), porque isso lhes confere o tão almejado status de “classe média”. Zoar no shopping é só um novo tipo de diversão, já que eles já podem comprar um Big Mac e depois sair gritando na praça de alimentação.

      Eles estão praticando um culto ao consumismo, à ostentação. É uma festa, um louvor ao capital, já que eles estão felizes por poderem consumir.

      A classe média tradicional não compreendeu isso. Mas o Geraldo, esperto, sim! Ele soube de pronto que esses rolezeiros são seus novos soldados.

  • existe muita semelhança entre todo o processo que tornou as manifestaçoes pacificas de junho passado com essas manifestaçoes de agora, os tais rolezinhos; ambos começaram em sao paulo onde em junho, via executivo estadual, e agora, via judiciario estadual ocorreram reaçoes desmedidas para o desvirtuamento das manifestaçoes brasil afora, descambando pra violencia e a baderna; claro que pode ser simples coincidencia, mas é preciso considerar a quem interessa um clima de instabilidade geral no pais nesse ano de eleiçoes; certamente nao seria o grupo que esta no poder e que é franco favorito a continuar no poder; ja em relaçao ao governo de s.paulo……

    • Bastam três perguntas:
      “A quem interessa um clima de instabilidade no país como em junho do ano passado?”
      “Quem está atiçando isso?”
      “Quem despencou nas pesquisas depois das manifestações de junho”?

      Chega de ingenuidade, gente!

    • Caro Carlos,
      de fato, a quem interessa poltizações dessa natureza?
      Tenho cá as minhas suspeitas, uma vez que é usual a esquerda chacoalhar e chacoalhar as árvores e depois tentar se alavancar com os frutos caídos no chão.

  • Esta a nossa juventude e não uma negrada ou baianada ou goianada
    Eu mesmo acabei de fazer meu rolezinho, que chamo de spinzinho, de spin Sistema Poético Informativo Nato
    E durante meu rolezinho spinzinho coletei tantos sinais, hum,,,dá prá fazer várias obras de arte
    E vi a imprensa manipuladora tentando fundir a juventude do rolezinho com os coxinhas, será que essa imprensa escravocrata conseguirá ludibriar nossa juventude mais uma vez

  • Edu,

    “Não basta ensinar ao homem uma especialidade. Porque se tornará assim uma máquina utilizável, mas não uma personalidade. É necessário que adquira um sentimento, um senso prático daquilo que vale a pena ser empreendido, daquilo que é belo, do que é moralmente correto. A não ser assim, ele se assemelhará, com seus conhecimentos profissionais, mais a um cão ensinado do que a uma criatura harmoniosamente desenvolvida. Deve aprender a compreender as motivações dos homens, suas quimeras e suas angústias para determinar com exatidão seu lugar exato em relação a seus próximos e à comunidade”.

    (Albert Einstein)

  • Interessantíssimo como a grande mídia endeusa os BLACK BLOCKS coxinhas criminosos que vandalizam e promovem quebra-quebra, mas criminalizam o ROLEZINHO, que é um movimento pacífico, e até o momento, além de escandalizar algumas sensibilidades e ofender o senso estético das nossas elites medrosas e preconceituosas OFFSHORE, não produziu nenhuma violência ou crime. Cercear a liberdade de ir e vir de qualquer cidadão sem motivação justa é que é crime, pois INCONSTITUCIONAL, e se esse cerceamento se dirige a uma classe de pessoas, no caso a população de jovens negros/mulatos da periferia, aí está configurado o crime de RACISMO.

    ANOS tuKKKânus LEWINSKYânus NUNCA MAIS !!! NO PASSARÁN !! VIVA GENOÍNO !! VIVA ZÈ DIRCEU !! VIVA A LIBERDADE, A DEMOCRACIA E A LEGALIDADE !! VIVA LULA !! VIVA DILMA !! VIVA O PT !! VIVA O BRASIL SOBERANO !! LIBERDADE PARA JULIAN ASSANGE, BRADLEY MANNING E EDWARD SNOWDEN JÁ !! FORA YOANI e MÉDICOS COXINHAS !! ABAIXO A DITADURA DO STF DE 4 PARA A GLOBO !! ABAIXO A GRANDE MÍDIA CORPORATIVA, SEU DEUS ‘MERCADO’, LACAIOS & ASSECLAS !! CPI DA PRIVATARIA TUCANA, JÁ !! LEI DE MÍDIAS, JÁ !! “O BRASIL PARA TODOS não passa no SISTEMA gloBBBo de SONEGAÇÃO – O que passa SISTEMA gloBBBo de SONEGAÇÃO é um braZil-Zil-Zil para TOLOS”

  • AUTOINFORME: JANEIRO/2014 PODE SER O MELHOR DA HISTÓRIA NA VENDA DE CARROS

    […] Para um ano em que fabricantes e revendedores traçam perspectivas pouco otimistas em relação às vendas de carros (a Anfavea prevê crescimento de 1,1% e a Fenabrave um quadro entre aumento de 0,21% e queda de 3,6%), a primeira semana de janeiro pode ser considerada excepcional.
    A média diária de vendas nos primeiros dias do ano já é a melhor dos últimos 13 meses e a melhor da história para o primeiro mês do ano. Foram vendidos até a última sexta-feira (10) 113.175 carros e comerciais leves, o que representa 16.168 por dia. Esse número é maior do que todas as médias diárias de 2012 e só está abaixo da registrada em dezembro de 2012, quando foram vendidos 17.189 carros por dia. […]

  • Grande Eduardo!!!

    Olha, o que essa dita imprensa de negócios privados,
    fizeram com essa dita classe média burra. Que,quer ser europeia..

    Olha, o que o tal do ensino privado fez dessa gente.(verdadeiros monstros),
    e…ainda falam em nome de jesus.(só pode ser piada).

    Olha, a educação familiar dessa gente.Se..os filhos são assim,imagina os pais.

    Onde anda o Tal ministério público.

    Onde anda a OAB.

    As mascaras estão se derretendo e mostrando que o racismo aqui,
    é muito mais violento do que na África do Sul,do que nos E.U.A.

    Aqui ele é cínico,embutido.Todos fingem que não são racistas.E,isso
    o torna mais perverso.

    A nossa Tv, a publisidade em geral, o Nosso cinema toda a linguagem
    visual é padrão europeu..Isso é criminoso.E,esse crime é cometido
    nas concessões publicas.

    Sem democratizar a mídia,possivelmente iremos pra um estado de guerra
    civil logo,logo.

    Talves assim possamos sublimar 400 anos de escravidão.E acabar de vez
    com essa sociedade hipócrita e escravagista.

    • Waldyr a justiça desse país só tem uma preocupação, cuidar para que os caciques do PSDB não sejam condenados pelos assaltos aos cofres públicos e vença a eleição em 2014 . Dr. Janot quer que o MP que é tucano decida sobre crimes eleitorais, só que é competência do TSE. Quanto aos adolescentes da periferia que querem apenas ter assegurado o seu direito de entrar em qualquer lugar público, são tratados como marginais. Se a OAB, PGR, STF estivessem preocupados com a justiça não permitiriam os abusos do Sr. Barbosa ,que está de férias patrocinadas pelo STF.

  • Acho estranho o cara falar “Jesus é minha vida” “servo de Jesus”, e ao mesmo tempo ter ódio do próximo por causa de sua cor da pele, classe social ou tipo de cabelo. Certamente ele xinga e logo após pede perdão ao “seu Deus”. Vai entender essa bipolaridade…

  • Texto do Blog do Dirceu. Esquerda deste país, uni-vos!!

    Engana-se quem menospreza a ofensiva da direita

    A ofensiva da direita conservadora, aliada a parte da imprensa, atravessou 2013 e chegou a 2014 ampla, intensa e ferozmente. A tentativa de desconstrução do governo – como denunciou aqui neste blog diversas vezes o ex-ministro José Dirceu – se mantém como instrumento preferencial da oposição em busca do poder neste ano eleitoral.

    É fundamental – e aqui apenas repetimos o que Dirceu sempre ressaltou – que o PT, o governo e a esquerda reajam contra essa campanha. Que enfrentem a luta política.

    A “guerra psicológica”, expressão usada pela presidenta Dilma Rousseff para se referir a tal ofensiva, envolve, além de boa parte da mídia, “analistas” e instituições que representam o conservadorismo no país.

    A ofensiva é ampla. Para ficar apenas em alguns recentes exemplos, citamos a manutenção do terrorismo com a política fiscal, o alarmismo com a inflação, os permanentes ataques à política social, a campanha contra os impostos e a carga tributária, contra a Copa e contra o grau de investimento do país.

    E ela não fica só plano federal. Na capital paulista, cuja prefeitura é do PT, tivemos recentemente a derrubada –via politização do judiciário – do reajuste do IPTU em São Paulo, a decisão do Tribunal de Contas do Município de barrar a criação dos corredores de ônibus e a determinação judicial para criar 150 mil vagas em creches. Este último ponto exige mais investimentos, no entanto a mesma Justiça suspendeu o reajuste do IPTU…

    A cara da direita

    Um amigo deste blog lembrou recentemente um clássico artigo no qual Roberto Schwarz diz que, se no final da década de 1960, um estrangeiro viesse ao Brasil, entrasse numa livraria, fosse ao banco, ouvisse uma música ou assistisse a um debate, ele teria a ilusão de que o país era governado pela esquerda, e não pela direita.

    Hoje, disse esse mesmo amigo, acontece a mesma coisa, mas com sinal trocado. Se alguém entrar em uma livraria, ouvir um debate, dedicar-se a ler jornais, revistas e ouvir rádio e TV, vai acreditar que o Brasil é governado pela direita, e não pela esquerda.

    Apenas um parêntese: nesse mesmo clássico ensaio, Schwarz deixa claro que, apesar da hegemonia da esquerda na produção cultural no fim da década de 60, nos meios de comunicação havia a hegemonia da direita. Isso até hoje não mudou.

    Imaginário conservador

    Engana-se quem menospreza a ofensiva da direita. O argumento de que ela não surtirá efeito prático – dado que a maioria do país vê um cenário diferente do que lhe é apresentado, com emprego e renda em alta, portanto não se deixaria manipular eleitoralmente – não convence.

    O que está em jogo é mais do que isso. As campanhas midiáticas e, em determinados casos, institucionais contra o governo pode ter consequências na formação de um imaginário conservador. Nãos e trata apenas de melhorar a vida da população – como vem sendo feito nos últimos 11 anos –, mas também de mostrar a representação de um país em mudanças. Sem isso, as próprias mudanças podem se perder.

    Não podemos mais assistir a tudo isso na defensiva, estáticos diante de uma enxurrada de comentários conservadores.

    Como ressaltou o economista Paul Singer em recente artigo na Folha de S.Paulo, “os que reagimos aos excessos do neoliberalismo temos em vista, acima de tudo, preservar e enriquecer a democracia em nosso país, como garantia de que a luta por uma sociedade mais justa poderá prosseguir até que seus frutos possam ser usufruídos por todos”.

    É preciso ir à luta política. É preciso fazer o enfrentamento político.

  • Uma boa ideia seria uma denúncia e processo contra uma meia dúzia desses babacas. Tipo punição exemplar para os demais, com bastante repercussão na interne. Esse Ítalo Campos, por exemplo, pode ter cometido crime inafiançável.

  • Vcs estão colhendo o que plantaram, no final de tanto incentivo ao ódio entre classes, cores, etc…vão colher o que semearam. Se tudo descambar para uma bagunça generalizada agora ou na copa, a conta e o onus vai para dona dilma.

    • Sr. Leandro, quem disse que nordestino não era gente e pediu para matar afogado foi a eleitora do Serra, Mayara Petruso e o país inteiro tomou conhecimento.

    • Bom mesmo é quando o ódio de classe é monopólio da classe mérdia né?

      Veja os tuítes acima: puro ódio de classe, o mesmo de sempre, da mesma “classe” de sempre. Não que eu ache ruim, afinal, de uns bons anos para cá, esse pessoal surtou geral, não se envergonha de mostrar publicamente a carranca. É bom assim. A gente identifica mais facilmente.

    • A culpa não é do senhor Serra, não, né? Só pra saber. Acontece que ele faz parte do grupo dos ininputáveis, tinha me esquecido. Tão fácil seu discurso, tente algo melhor, você consegue!

  • Tenho um pé atrás nesse movimento prefiro aguardar mais para frente, vale lembrar que o PSOL, PSTU E MPL deram o ponta pé ao movimento do dia 18 de junho e que após a repressão da PM se espalhou e a direita se infiltrou e convocou os manifestantes do dia 20.

    • Por incrível que pareça vemos hoje unidos os partidos radicais de esquerda de braços dados com a direita. Jamais pensei assistir tal descalabro. Lamentável.

    • Concordo, Marcos. Estou com um pé e meio atrás. Despolitização e violência juntas, não vai dar coisa boa. Gente, eles empurram as pessoas na escada rolante, isso é agressão e é perigoso. Garanto que o Edu não levaria suas netas ou a Vitória pra um ambiente desses. Pode até ir, mas é um risco. Tem que ver as imagens, não adianta brigar com os fatos. Eles são vítimas do estado e da sociedade racista, é lógico, mas não estão no caminho certo! Temos que fazer algo pela educação de nosso povo, isso sim! Tenho umas ideias, acho que não seria tão difícil assim colocá-las em prática. Apoiar movimento funk ostentação, jamais! Isso é o meu limite. Sou totalmente contra e, para mim, isso é obra do “capeta” chamado C… já sabem, né?

  • QUANDO O FUNK OSTENTAÇÃO TORNA-SE AMEAÇA

    O desconforto em ver pobres ocupando um lugar em que não deveriam estar, como o de consumidores de certos produtos que deveriam ser mais exclusivos. É um tipo de espanto, que indaga: “Como eles, que não têm dinheiro, querem consumir produtos que não são para a posição social e econômica deles?”. Estes “outros” são os considerados “subalternos”. Podem ser funkeiros, pobres e pardos da periferia, mas podem ser também as empregadas domésticas, os motoboys, os pichadores, entre outros “outros”, que muitas vezes são utilizados como bode expiatório das frustrações de uma parcela considerável da classe média.

    Os rolezinhos não são protestos contra o shopping ou o consumo, mas afirmações de: “Queremos estar no mundo do consumo, nos templos do consumo”. Entretanto, por serem jovens pobres de bairros periféricos, negros e pardos em sua maioria, e que ouvem um gênero musical considerado marginal, eles passam a ser vistos e classificados pela maioria dos segmentos da sociedade como bandidos ou marginais. Vamos pensar que, na própria concepção do shopping, não está prevista a presença desse público, ainda mais em grupo e fazendo barulho. Pergunto-me se fosse em um shopping mais nobre, com jovens brancos de classe média alta, vestidos como se espera que um jovem deste estrato social se vista, se a repercussão seria a mesma, se a criminalização seria a mesma. Talvez fosse considerado apenas um flash mob. Há uma tendência, por parcela considerável da classe média, da mídia e do poder público de perceber os jovens pobres a partir de três perspectivas, quase sempre exclusivistas: a do bandido, a da vítima e a do herói.

    http://outraspalavras.net/outrasmidias/capa-outras-midias/rolezinho-quando-o-funk-ostentacao-torna-se-ameaca/

    • por isso que falo:esses jovens são vitimas da PRÓPRIA IMPRENSA! e para piorar,aparece o seu Ronaldinho Gaucho numa bela ostentação que humilhou nosso país lá fora com um todo!

      • falo da foto que o mesmo está numa piscina com 5 Mulheres de De biquini beijando os seus pés. que voce faça isso reservadamente,tudo bem. mas o problema foi que a foto pegou muito mal. humilhou nossa mulher Brasileira e nosso país lá fora!

    • Você já ouviu algum funk ostentação? O Neymar ama isso, e faz até clipe com esses moleques. O Neymar é considerado marginal?

      Ouça um funk ostentação primeiro.

      Você está confundindo o antigo PROIBIDÃO, que era marginal e revoltado, como o ostentação, que parece Anitta e Naldo e fala de carrões.

      • Juro que acabei de ver uma menina negra, de uns oito ou nove anos, gritando que tinha visto uma limusine e dizendo: “É minha, é minha”, mas ela estava deslumbrada. Vocês tinham que ver, na hora lembrei desta nossa discussão. Além disso, um pouco antes (estávamos em uma praça), ela comentava com uma amiguinha sobre uma música que falava “vou te encoxar, vou te encoxar”. Isso é comum, as próprias escolas incentivam meninas de sete, oito, nove anos a dançar funk. Não dá, isso me deixa arrasada. Saiam à rua de vocês e vejam, por favor! Isso é um golpe cultural, minha gente.

  • Vou a SP daqui a uns dias. Pagar uma dívida com a Senhora de Aparecida. Desço em Guarulhos, vou à rodoviária do Tietê; pego o ônibus e chego em Aparecida. De taxi rumo para a basílica, faço minha oração; pego o taxi de volta à rodoviária; o ônibus de volta ao Tietê e, dali, sigo para Cumbica. Pego meu avião e volto à civilização, correndo, sem sequer olhar pros lados. Não quero, não tenho conta, não suporto sequer ouvir o sotaque de paulista. É o povo mais provinciano que conheço. E olha que já fui a meio mundo.

    • Ótima essa. Sou de sp e é isso mesmo. Às vezes, dá uma angústia enorme. Quando saio de casa, procuro fazer a mesma coisa, é como se eu não fosse daqui…

  • Tenha certeza absoluta de que todos esses animais estavam nas “manifestações” reacionárias de junho, tentando dar um golpe no Governo Dilma e impedir a ascensão dos pobres que tanto odeiam. Afinal, essas éguas pretendem imitar seus vovôs e dar o mesmo golpe militar de 64, dessa vez com uma falsa capa “modierna” de “manifestações populares”(que de populares não têm nada, já que foram compostas por menos de 1% da população, retirado de um extrato social específico, aqueles 15% de privilegiados ou aspirantes ao privilégio que tiveram oportunidades para conseguir um curso superior). Portanto, é esse bando de fascistas, que não representam nada numericamente, e muito menos em termos de ideias, palavra que desconhecem por serem compostos de uma única odiosa mistura de ignorância e preconceito, que tentam perpetuar o atraso no Brasil, muito bem comandados por seus papais e vovôs da classe dominante e pelo “grande chefe” EUA, e pretendem condenar os rolezinhos, sabotar a Copa e impedir a reeleição de Dilma. São o que existe de pior na Sociedade, nossos inimigos de primeira hora e devemos combatê-los em todas as esferas, tanto na ideológica-informativa, quanto organizando a Sociedade para defender-se do vandalismos que esses bandidos de marca tentarão promover na Copa. Só um engano em seu texto, o racismo está presente em todo o Brasil, principalmente entre as classes média e alta(já que os pobres são compostos majoritariamente por negros e mulatos). Posso falar isso de cátedra, pois sou nordestino, branco e de classe média e observo como a discriminação social e racial caracteriza as pessoas de meu entorno, direcionada contra os pobres, seja na rua, no trabalho, nas lojas, nos locais públicos, nas festas populares. E tenha certeza, os pobres sentem muito bem essa discriminação e a percebem claramente. Tanto que os “nordestinos” discriminados por esses doentes mentais são sempre os pobres, que emigraram no passado para São Paulo, quando FHC tentava destruir o Nordeste(hoje o progresso de minha região é que atrai os “sulistas” para trabalharem aqui). Os nordestino brancos, de classe média e ascendência europeia não são objeto do ataque desses doentes, alguém imagina Tasso Jereissati, Marco Maciel ou Sérgio Guerra discriminados!!!!!!!?? Ao contrário, eles estão ao lado dos que discriminam(o que não torna menos grave a discriminação, pois ao atacarem uma região e um povo, atacam sua cultura, tradições e identidade, portanto atacam todos). Faço essas constatações não para tornar mais “palatável” a discriminação social, racial e regional desses psicopatas, mas para explicar qual a raiz desse preconceito, raiz essa que também especifica o quanto os rolezinhos são importantes. Refiro-me à desigualdade econômica, e sua faceta racial. É ela que criou em todo o o Brasil uma “elite” branca, nos 26 estados da federação; ignorante, preconceituosa, racista, truculenta e agressiva, que tenta derrubar o PT desde 2003, alimenta-se diariamente das mentiras e estereótipos vendidos pelo PIG(os “nacionais”, que alcançam todo o Brasil e seus “filiados” locais), promoveram as “manifestações” de junho, que no país inteiro foram isso, brancas, das classes média e alta, arrogantes, truculentas e reacionárias; e agora condenam os “rolezinhos”, tanto onde eles já ocorrem, com em São Paulo, como em outro locais em que poderão ocorrer. Manchete da Folha de Pernambuco de ontem(um dos três jornais do estado, junto com o Jornal do Commercio e Diário de Pernambuco. Todos sem exceção escandalosamente reacionários)já prognosticava não apenas a realização de rolezinhos nos shoppings de Recife, mas vangloriava-se de que a PM já estava pronta para combatê-los. Ou seja, um jornal de brancos, feito para a “leitura” ignorante, simplista, preconceituosa, desinformada e superficial da “elite” branca do estado(como o são exatamente do mesmo modo todos os jornais impressos de todos os estados do Brasil)já estigmatizava os rolezinhos, que ainda nem sequer aconteceram aqui, como caso de polícia e “gabava-se” de que as forças da repressão; sempre prontas para atacar os “suspeitos” de sempre, negros e pobres; estavam “preparadas” para combatê-las. ‘PREPARADAS” PARA QUÊ, CARAS PÁLIDAS!!!!!!!!?????? PARA COMBATER UM BANDO DE GAROTOS IMBERBES, QUE JÁ PAGAM PENA DE VIDA DIARIAMENTE PELA EXCLUSÃO QUE AINDA OS PERSEGUE APESAR DAS MELHORAS DE VIDA QUE VÊM OCORRENDO NO BRASIL E QUE PRETENDERIAM COMETER O “TERRÍVEL” CRIME DE PASSEAR EM SHOPPINGS CHEIOS DE BRANCOS QUE, COMO ERAM AS UNIVERSIDADES DE TODO O BRASIL ANTES DE LULA, MAS PARECEM CIDADES EUROPEIAS INCRUSTADAS NO MEIO DO BRASIL, TÃO GRITANTE É A DIFERENÇA ENTRE O PERFIL ÉTNICO DOS QUE ALI SE ENCONTRAM EM RELAÇÃO AO “BRASIL REAL”, QUE ENCONTRA-SE, OU ENCONTRAVA-SE, DO OUTRO LADO DA PORTA DE SAÍDA DE ESTABELECIMENTOS(OU SERIAM TEMPLOS DEDICADOS AO RACISMO E PRECONCEITO?). Essas são nossas classes média e alta(as tais “elites” só em recurso, já que são moralmente sórdidas e intelectualmente retardadas e deprimentes)em todo o Brasil, não somente no estados do Sul e Sudeste, pelos quais não guardo nenhuma simpatia especial, mas que não posso deixar de reconhecer não possuírem a exclusividade da imbecilidade e do ódio no Brasil. Essas são doenças de toda uma Nação, submetida há mais de 500 anos a um modelo de formação econômico-social que foi a grande responsável pela construção dessa Sociedade desigual em que vivemos, da qual tais demência são um evidente fruto. No máximo, podemos dizer que, como nesses extratos sociais também existem pessoas saudáveis, que lutam por um Brasil mais justo e pela mudança da ordem econômico-social excludente que ainda nos aflige, talvez entre os “sulistas” o percentual de pessoas saudáveis nas classes média e alta seja um pouco menor do que o registrado nessas mesmas classes em outros estados do Brasil, o que poderia advir da ilusão que ainda carregam de serem a parte “desenvolvida” do país, o que um rápida consulta aos índices de crescimento econômico dos últimos anos, principalmente no caso de São Paulo, e ao resultado de suas escolhas políticas, jogará um balde água fria(ou de realidade)em tal ilusão. No mais, a discriminação e o preconceito são problemas que perfazem todo o Brasil, de Norte a Sul, já que todos nós nascemos sobre o mesmo modelo de Sociedade, onde os privilégios de uma minoria(ou os pseudoprivilégios de uma classe média burra que gaba-se de ter o mesmo padrão de vida que qualquer operário tinha outrora nos países antes ‘desenvolvidos”)são sustentados pela miséria de milhões. Modelo esse que por mais que tenha sido atenuado graças à maravilhosa distribuição de renda promovida por Lula e Dilma, ainda é o responsável por uma Sociedade extremamente desigual, da qual o rolezinho e o ódio a esse movimento ingênuo são claros reflexos, sendo que o sucesso desse movimento dos jovens pobres, que só precisam ser orientados para não servirem como massa de manobra dos seus inimigos que querem usá-los para atingir o Governo que vem trabalhando por eles, será um passo importante para a derrocada ao menos das barreiras mentais que ajudam a sustentar esse status quo que tanto nos envergonha. Viva os rolezinhos!

    • como mais um exemplo, no bairro proximo a meu, sp, ha duas igrejas catolicas separadas por coisa de 1.5 km.Um de classe media media,com raizes ali de uns 40 anos na região e seus filhos. Outro bem mais modesto. Na primeira frequentam uns 95% pra mais do extrato medio branco tradicional e tenho contado os afro: não dá 3% todas as vezes checadas. Nao ha engano, o numero é perto desse mesmo.
      Na segunda. 70 pct pessoas classe media baixa e humilde, dentre os quais uns 25 a 30 pct de etnia negra e seus mix. Esse é o panorama, é local calmo e veja bem, ambientaçao e atmosfera religiosas. As vastas perdas catolicas no item proselitismo e convencimento devem ter algo a ver com isso, (alem de com a destruiçao planejada e por décadas efetuada da teologia da libertaçao pelo vatikano)será q não?

  • A entitulada “TURMA DO BEM” do Padim Cerra vivem com ranço no coração.
    Não têm escrúpulos, nem compaixão.
    E vêm de braços dados com os Marinistas coxinhas “Black boçal”.
    Não têm discursos, nem propostas, só ódio e amargura.
    São hipócritas e muitos ainda, acreditam que falam em nome de Deus.
    Querem exclusividade.
    Não enxergam um palmo na frente do nariz e só olham para o próprio umbigo.

  • Acho que não podemos cair na onda do “se o Alckmin é a favor, então eu sou contra”.

    O nobre governador Geraldo Alstom está sob pressão. Ele não terá o apoio do PSB à sua candidatura. Também não terá o apoio do PSD (Kassab será candidato). O PSDB paulista nunca foi para uma eleição estadual com um quadro tão desfavorável. Nessas horas, vale tudo. Até fingir-se favorável ao rolezinho.

    • Pensando por aí, até pode ser. Sei lá, Roberto, acho que ele está vendo se consegue tirar algum proveito, então, não podemos dar brecha. O importante é votarmos no Padilha e na Dilma logo! Não vejo a hora de outubro chegar, podia ser amanhã!

    • Eu sou otimista. Essa molecada destila ódio, e portanto causam espanto e barulho, mas acredito serem minoria perto da maioria que ou apóia os rolezinhos ou não veem importância neles.

      Gostei dos comentários do Haddad, vão a encontro do que foi dito por um estudioso americano dos “Flash Mobs”, os rolezinhos que já acontecem nos Estados Unidos há anos. Ao invés de reprimir os jovens, deve-se sim procurar entendê-los e levar lazer a eles. Os rolezinhos são a busca de lazer por jovens não encontram em seus bairros.

      E se eles quiserem ir ao shopping, que tenham esse direito preservado, e que se garanta a segurança dos jovens e dos lojistas, afinal, grandes aglomerados de pessoas sempre atraem mau intencionados, não tem nada a ver com a grande maioria dos jovens que ali estão.

  • Nessas horas sinto falta de um teatro jornal coordenado por um autor/diretor como Augusto Boal.Ou um bom teatro de rua feito pelo grupo de Amir Haddad. Fazer disso uma cena para ser pensada por todos: os da periferia e os jovens da elite.Para esses que também nunca assistiram peças como “Eles não usam black tie”, ou” Dois perdidos numa noite suja”, “Escuta, Zé Ninguém”, ” Os pequenos burgueses”. Esses que não viram filmes como West Side Story, nem Juventude transviada, nem O garoto da motocicleta. Um melhor ainda para entender a passagem do absurdo para um cotidiano sem sentido nenhum como o experimentado hoje é o filme O anjo exterminador. Ou nunca ouviram nem prestaram atenção às músicas de Raul Seixas. Nem leram poemas de D. Pedro Casaldálida.

    • Pobres garotos e garotas. Você me fez pensar nisso, Maria Rita. Até que ponto podemos culpá-los? E até que ponto os culpados não são os que os educaram?

      • Edu, os garotos do meu tempo eram discriminados por usarem topete e gostarem do rock. Minha mãe braba como ela só, ia buscar meu irmão de 13 anos na esquina e dizia que não queria o filho metido em gangues. A cultura insere a juventude em ondas e modismos, para vencer isso só mesmo os contrapontos da cultura popular onde cada jovem se reconhece em alguma realidade. Se o acesso a bens culturais são de qualidade, fica melhor ainda. Isso vem pela escola, pela arte, a música. A gente viu como a arte das ruas modificou a visão sobre os grafiteiros ‘bandidos’. O problema é que nos nossos dias, onde tudo virou negócio,a utopia anda meio esquecida. Em época de eleições e agora, até fora dela, o dinheiro político circula para fazer manifestações, propaganda e para o jovem pobre é a hora de ganhar algum trocado. Várias vezes questionei jovens que conhecia e sabia o que pensavam porque eles faziam propaganda para determinado partido. E eles respondiam: estou defendendo um troco mas não voto nos candidatos deles. Até um familiar que fazia teatro foi fazer uma boquinha num programa de testemunhos de fé (a emissora tem excelente estrutura e pagava atores, estudantes e profissionais). Eu ficava horrorizada com isso. Mas isso é um testemunho, as pessoas pensam que é verdade. Eu é que fui ingênua, as pessoas que querem ser enganadas, se deixam enganar. Tudo está se reduzindo a dinheiro. Se os mais pobres dão rolézinho nos shoppings, os ricos e novos ricos dão rolézinho na Europa e nos pontos de comércio em cidades frequentadas pelos brasileiros, aliás com péssima reputação de barulhentos, mal-educados. É como um comentarista falou: qual a diferença entre os jovens do rolézinho e o rei do camarote?? Não é à toa que tem um programa novo sobre consumo. Consumo explícito, diga-se de passagem. Porque no marketing, sabemos que tudo é mesmo consumo, Desde o inocente Rei Leão com todos os subprodutos a ele vinculados, desde a Barbie até as marcas que estão envolvidas com trabalho escravo aqui e em todas as partes do mundo. No princípio era o caos e Deus criou o mundo. Agora, depois de tanta barbárie, de tantos sacrifícios, a teoria do caos ainda prevalece e ainda vira moda.

  • O que disse não vale para os meninos do rolézinho. Acabei de ler no Azenha sobre os movimentos culturais dos jovens da periferia. Como não saí na mídia corporativa ficamos com a imagem capenga dos julgamentos apressados da própria mídia. Muita boa a matéria e os jovens ali retratados melhores ainda.A gente está precisando saber mais das culturas populares e menos dos megaeventos como rock in rio e outras cositas consumistóides. Gostaria até de saber o que o Amir Haddad pensa do rolézinho.

  • Eu sou o dijoseh da postagem. Fiquei surpreso de ver meu nome relacionado a ofensas a negros e nordestinos, visto que sou negro, nordestino e de classe média pobre. No entanto sou contra essa onda de depredação, roubos e bagunças que ocorrem. Não xinguei e não ofendi ninguém. Se quiserem ver meu perfil do Twitter podem visualizar. O editor do texto cometeu uma grande injustiça me colocando ao lado de pessoas que ofendem meus conterrâneos nordestinos que vivem em SP.

      • Me referi aos que roubaram as lojas. Quanto ao “negrada”, na minha região utilizamos essa palavra pra nos referimos a pessoas, plural, não exclusivamente a pessoas negras. Falamos “vamos, negrada”, significa “vamos, gente”. Não existe esse teor discriminatório que vc colocou no texto.
        obviamente que concordo com o que vc disse na postagem com relação ao preconceito de alguns usuários, xingamentos e ofensas. Também me revolto quanto a isso, por esse motivo que achei um absurdo meu nome no meio às ofensas racistas.

      • Me referi aos que roubaram as lojas. Quanto ao “negrada”, na minha região utilizamos essa palavra pra nos referimos a pessoas, plural, não exclusivamente a pessoas negras. Falamos “vamos, negrada”, significa “vamos, gente”. Não existe esse teor discriminatório que vc colocou no texto.
        obviamente que concordo com o que vc disse na postagem com relação ao preconceito de alguns usuários, xingamentos e ofensas. Também me revolto quanto a isso, por esse motivo que achei um absurdo meu nome no meio às ofensas racistas

        • Sinceramente, o sujeito posta “essa negrada do rolezinho que apanhou da polícia foi pouco, deveria pegar mais porrada”, e não quer ser incluído na lista dos facistas e racistas? Pior ainda que o sujeito em questão é negro e nordestino. Enquadra-se como diz o Wilso na categoria “capitão-do-mato”.
          Sei que referir-se a “negrada” nem sempre é racista. Mas vejo o contexto, rapaz! Voce fala a “negrada tem que apanhar da polícia”. Num país em que a polícia senta o cassete no preto em “atitude suspeita” e pergunta depois, isso quando pergunta.
          Não é possível que voce não saiba disso. Rapaz, não se iluda, voce pode ter os mesmos valores que a Casa Grande, mas não faz parte dela. A Mayara, que quis te afogar, essa sim, faz parte

          • Muito bom, Juliano. Mas só uma coisa: os meninos do rolezinho também tem verdadeira adoração pela Casa Grande, e não o contrário, digo, e não inveja ou ódio de classes. Tanto que eles estão no shopping!

        • Diogo, cheg a ser ridículo observar você querendo que as pessoas avaliem com bom senso e consideração uma mensagem sua tratando as pessoas sem o menor bom senso e sem nenhuma consideração.

          Sua mensagem é nojenta. Você pede mais violência policial, mais agressões gratuitas e ainda usa um termo racista, sem se preocupar se os agredidos tinham ou não culpa e sem ligar que mesmo quem tem culpa não deve ser submetido à tortura (surra da polícia também é tortura, antes que você venha querer achar algum pelo em ovo para diferenciar os termos utilizados).

          É muita cara-de-pau.

          Para os outros você quer porrada generalizada sem diferenciar quem fez o que (e quem não fez nada) mas para si mesmo vocÊ pede um tratamento diametralmente oposto.

          Não tem vergonha de se comportar com tanta mesquinharia e cinismo? Vai a merda!

    • “Essa negrada do rolezinho”

      Você achou foi pouco, Diogo?

      Você não é o primeiro negro que nega as origens e age como capitão do mato, mas você pode se recuperar, afinal, ainda é jovem. Pior é quando o sujeito já está velho, carregado de poder e se acha o rei da cocada preta, aí sim, aí é muito pior.

      • Meu querido, aqui no meu estado o termo “negrada” não se refere aos negros nem a um conjunto de negros, não tem conotação racial. Fala-se negrada pra se referir a uma conjunto de pessoas ou em alguns casos a uma única pessoa. Vocês estão pegando uma linguagem, uma forma de expressão local e forçadamente iinserindo valor racional. De qualquer forma chamar alguém de negro, se o estivesse fazendo, não deve ser tratado como ofensa, ao menos não deveria ser. Se o autor tivesse se dado ao trabalho de checar meu perfil e ver de onde sou seberia que não me referia a cor de pele de novembro ninguém.

        • É preciso ter discernimento. O termo é inapropriado. A internet não é lugar para usar termos amplamente considerados depreciativos. Atinge o mundo inteiro

  • Bom.. Colocaram meu nome ne chamando de Racista! Mas pra mim o favelado não é aquele que mora em comunidades! E sim aquele que acha que ao incomodar as pessoas é o certo a se fazer! É legal! É maneiro!… Eu não acho legal e não sou obrigado a me retirar de um shopping ou de um local público por causa de um bando de adolescentes que não recebem educação! Eu fui educado e sei me portar em todos os lugares! Se eles querem se encontrar pra conversar ou só pra passear que se encontrem! Mas que não perturbem as outras pessoas, espero que vocês que me acham racista entendam que pra mim o Favelado é aquele que perturba,é aquele que escuta músicas sem o fone em locais proibidos,é aquele que não sabe se portar como um adolescente ou adulto,é aquele que quebra coisas que não lhe pertencem só por diversão! Esses sim são favelados pq os que moram em comunidades são pessoas iguais a mim! Conheço várias pessoas que moram em comunidades e que são pessoas de bem! Mas aí ninguém pode chamar uma pessoa de favelado que vocês já vem atacando com “Racista” e “Preconceituoso” mas na verdade os preconceituosos são vocês que ao escutarem a palavra “favelado” já acham que estamos falando de quem mora em comunidades. Raciocinem um pouco!

    • Voce não tem cara de favelado, Nolan. Eu vi, é louro de olho azul, parece ariano. Fique tranquilo, não te chamarão para participar de rolezinho, não faz o perfil.
      E o fato de não querer ser incluído entre os racistas é um atenuante. O faz um racista, mas não muito. Assim como a moça está grávida, mas não muito

    • Quanta firula para defender o preconceito!

      O termo favelado foi usado de forma pejorativa pelos imbecis que fizeram os comentários denunciados pelo Eduardo.

      É exatamente o mesmo que o uso do termo negro. Se você usa o termo da maneira correta para defiir uma etnia (ex. “dia da conciência negra”), não tem conotação pejorativa, mas se você usa o termo para discriminar a pessoa (ex. “negrada mal-educada”) aí tem conotção pejorativa baseada na raça e portanto é racismo.

      O termo favelado foi usado nas mensagens escrotas dos idiotas com forte conotação pejorativa, configurando preconceito social que também é proibido na Constitição, juntamente com o preconceito racial.

  • O racismo no BRASIL contemporâneo foi REINTRODUZIDO na sociedade através do populismo esquerdopata do LULISMO (que não tem nada de socialismo) ..ele que dentre tantas afiançou-nos o método dos EUA, importado por correntes ligadas a THC, ela que nos ajudou a Instituir-nos as cotas RACISTAS em detrimento das sociais, a mesma que hoje OBRIGA a todos os brasileiros a terem que informar a sua cor ..que absurdo !!!! *(aliás, tal qual os NAZI obrigavam vc a informar a sua religião e origem)

    Pior que de tão ridículo, hoje ainda vemos as mesmas cotas eugenistas sendo adotadas pra CONCURSO PÚBLICO, acabando aqui de vez com a meritocracia e com a oferta do melhor profissional para determinado cargo ..isso como se fossemos uma Austrália ou Africa do Sul que até recentemente impediam seus “coloridos” de prestarem até concurso.

    Quem planta vento colhe tempestade, dizia a minha avó

    INFELIZMENTE foi por causa destas políticas RACISTAS (fora as pernadas na economia) que eu desiste de defender a esquerda brasileira, e hoje me sinto órfão em saber pela inexistência de qq corrente que minimamente me represente ..

    OS ROLEZINHOS NUNCA tiveram motivação racista, ninguém aqui é proibido de frequentar qq lugar, NEM mesmo representa a nossa tragédia sócio-econômica, ou PIOR, de luta de classes como inescrupulosos tentam agora forçar

    ..infelizmente, ba falta de capacidade de implantação e inovalção, ao verem suas f´ormulas sendo colocadas uma a uma no chão, tem gente que esta novamente escolhendo um tema pra desciar a atenção

    • Faz muito tempo que não leio o Romamalla. Resolvi fazê-lo agora por curiosidade. Só fui a até a parte que diz que o racismo foi “reintroduzido” no Brasil pelo Lula. Foi logo na primeira frase. Que bom, me poupou tempo. Ele já está num estágio avançado nesse problema que ele tem

      • Pois é, Juliano…

        A frase REINTRODUZIR o racismo pelo lulismo, de forma oculta, indica que outrora havia racismo no Brasil e que esse racismo havia sido extirpado, maaas os seguidores do Ex-Presidente Lula tornaram a implantá-lo.

        Pergunta 1: quando foi que o racismo deixou de existir em nosso País?

        Pergunta 2: quando foi que a questão racial foi tão amplamente tratada quanto é agora?

        Esse Romanélli é tão manjado que você levou tanto tempo pra ler suas bobagens e já no começo de seu texto percebeu que não havia perdido nada.

        Grande abraço, companheiro Juliano.

      • Juliano, a mesmíssima coisa aconteceu comigo.
        Agora precisamos descobrir o médico que faz exame de toque no ‘mala’ e pedir que ele ‘reintroduza’ algo no dito-cujo que o faça parar de escrever estas tolices….

  • Grande Eduardo!!!

    Na tentativa de negar que são racistas se revelam
    mais racistas.

    Associam pobre e pretro a ladrão e a pessoas mal educadas.

    Dizer que se referem a favelados e a negradas de forma genérica,
    é muita cara de pau.

    mas, adoram flash-mob.
    acham o maior barato a zona que os” estudantes”(brancos)
    ditos classe média fazem.

    O nó, é que esse pessoal não sabem da história do seu pais.

    São verdadeiros analfabetos funcionais.

    Terminam fazendo o trabalho sujo da dita classe dominante escravagista.

    Ninguém ver filho de banqueiro,industrial,pecuarista etc. expondo o seu ÓDIO,
    eles delegam essa tarefa para os seus soldadinhos de chumbo. A dita classe MÉRDIA.

    • Voce foi no ponto, caro Waldir. E serão eles, tal qual a Mayara Petruso, que terão que responder criminalmente. Não há dúvida que está tipificado o crime de incitação ao ódio de classe e a ofensa de cunho racista

  • Edu, tudo neste país sempre foi ódio de classe e preconceito racial. Rico versus pobre, patrão versus empregado, branco versus negro. O Brasil é um país onde se diz que não exixse preconceito. Todos querem que o pobre seja feliz. Mas tem que ser feliz no lugar dele. Não querem que o pobre seja feliz nos aeroportos, nos shoppings, com seus carros nas ruas ocipando o espaço dos carrões. Querem que os pobres se virem e sejam felizes nas favelas., nas rodoviárias e nos transportes coletivos.

  • Que me desculpem o blogueiro e os comentaristas, mas a frase do Italo não me parece rascista, pelo contrario na minha cidade do interior e bastante usado por negros e por brancos se dirigindo a brancos ou negros, e isso desde a minha infancia. e nunca se ouviu falar em ódio ou racismo. Agora nos outros comentários sim, pode haver racismo.

    • É uma somatória. O termo “negrada” é absolutamente inaceitável. Quer usar em seu meio, duvido do gosto mas tudo bem. Internet não é lugar para dizer essas coisas.

    • Não só contra a “negrada”, mas também contra os nordestinos: quantas vezes ouvimos os termos “ceará”, “paraíba”, “bahia” com claro tom pejorativo?

    • “Negrada”, no caso dos rolezinhos, é racismo puro.
      É patético a pessoa postar comentários preconceituosos na internete, descobrir que um blogueiro fez uma matéria a respeito e vir aqui tentar consertar o inconsertável.
      Um chama um grupo de negros de negrada e quer justificar que é desculpável por ele ser negro, nordestino, pobre e pelo fato de que na sua terra o termo negrada tem este ou aquele significado e blá, bla´, bla´…
      O outro indigna-se, ao ser convidado para um rolezinho, pois sente a sua superioridade ariana aviltada por quem o convidou. Ai tenta, numa sofisma sofrível, justificar que o “favelado” do post dele é outra coisa e não uma pessoa favelada. Alguém com a educação diferenciada que ele teve não chama um favelado de “favelado”, pois todos deveríamos saber que quando ele diz “favelado”, não esta referindo-se a um favelado e sim a um “favelado”, ora.
      Mas o que me chama a atenção é seres que se consideram superiores escreverem de forma tão tacanha e expressarem-se com este palavreado chulo. Como todo o bom cochina são insuportáveis. Eu gostaria de entender o fenômeno sociológico de um coxinha suportar o outro coxinha. Eles demostram tão monstruoso egoismo e culto fanático a individualidade e competição, que o destino deles é a auto destruição. Conheço-os apenas pela web, talvez pessoalmente sejam diferentes. Ou, por outro lado, o que seria pior, talvez na web sejam verdadeiros.

  • Duzentos ciganos acampam em praça na Espanha (local público). Polícia vai lá com uma ordem judicial, com base no uso coletivo da praça, e os retira à força pois se recusam a sair pacificamente: preconceito contra ciganos?

    Cem orientais são presos ao promoverem um ato previamente proibido pela Justiça em um local qualquer (estádio, shopping, restaurante, etc.) de um país qualquer. Ao resistirem à prisão, polícia acaba usando de força e coação. Preconceito contra orientais?

    Mil esquimós resolvem fazer um ato inocente, porém ruidoso, banhado a aguardente e churrasco de rena, em uma praça na Groenlândia. Acionada por vizinhos, Justiça proíbe em nome do resto da coletividade que usa a mesma praça (crianças, idosos, etc igualmente esquimós ou não esquimós) e de questões ecológicas. Ao resistirem a deixar o parque em nome do seu direito ilimitado e absoluto de estarem ali e de se manifestarem sem restrições, esquimós são reprimidos. Discriminação contra esquimós?

    • Seu comentário encerra a premissa de que alguns tem mais direitos do que outros. Se a praça é pública, quem quiser ir lá se manifestar tem todo o direito. Por isso vocês reclamam até hoje a volta da ditadura, pra que uns voltem a ser mais iguais do que outros

  • 5000 torcedores ‘hoolligans’ apoiadores do Liverpool e pertencentes em sua maioria à classe operária inglesa resolvem fazer um ato com ruidosas cantorias e brincadeiras nas barcas que circulam entre a Inglaterra e a Europa continental. Autorizada pela Justiça, polícia reprime a bebedeira e os excessos do ato. Preconceito contra hooligans ou contra operários?

    • O que você não entende é que reprimir atos reprováveis que já aconteceram é diferente de reprimi-los antes que aconteçam. Imagine se colocam fiscais nas tais barcas para que decidam quem tem cara de quem vai fazer arruaça. O fiscal olha na cara do sujeito e fala: “você tem cara de arruaceiro. Aqui você não entra”. É isso o que fizeram no shopping. Só que o critério foi, acima de qualquer outro, a cor da pele.

      • Os policiais ingleses fazem sim esse tipo de abordagem que você está falando. Inclusive as maiores “riots” (as revoltas violentas) que aconteceram em Londres ocorreram por causa de assassinato de negros: na década de 80 e no ano de 2011, em bairro negros e mulçumanos. Tem vários documentários sobre isso, em inglês porém sem legenda.

  • Caro Eduardo,

    Me lembrei que vc um dia postou uma aula em que citou o cidadão Ali Kamel, autor de um livreco. Segundo o
    mesmo não há racismo no Brasil. Será que com os elementos atuais, o mesmo ainda teria coragem que repetir suas teses?

    http://www.blogdacidadania.com.br/2011/02/eua-dizem-que-somos-racistas-sim

    E… novamente quero registrar uma crítica: – Está havendo uma verdadeira repetição das mesmas pessoas, simplesmente para rebater algo que alguém discordou. Acredito que uma vez publicada uma opinião, a mesma seja absorvida por outrem, acrescida de algum comentário e nada mais. Nada de replicar, treplicar, pois isso seria melhor numa sala de chat, num twiiter, num what’s up…

    Douglas Quina
    Mogi Guaçu – SP

  • Para defender os rolezinhos, petista Eduardo Guimarães cria novas raças: baianos, pobres, favelados, etc.

    http://lucianoayan.com/2014/01/17/para-defender-os-rolezinhos-petista-eduardo-guimaraes-cria-novas-racas-baianos-pobres-favelados-etc/

    Vamos esclarecer toda essa bagunça criada por Guimarães.

    A partir do momento em que a opinião pública entendeu o racismo como algo abjeto (com muita justiça, diga-se de passagem), grande parte da esquerda optou por “ressignificar” o termo de forma ridícula e descabida. Basicamente, o que eles fazem é esvaziar o termo racismo de sentido de forma que, quase sempre que ouvimos eles gritarem “racismo”, já podemos suspeitar de embuste. Como sempre, a esquerda presta um desserviço aos grupos que finge defender.

    Na ótica estapafúrdia de Guimarães, os protestos contra os rolezinhos são “racismo”. É evidente que na imagem citada por Guimarães vemos uma ou outra instância de preconceito racial, mas totalmente descompromissado e geralmente baseado em provocação juvenil – que existe de todos os lados, como, por exemplo, esquerdistas criticando “brancos de olhos azuis”. O mais risível surge quando, segundo ele, pobres, favelados, baianos, nóias e funkeiros são raças, o que é absolutamente patético.

    Um pouco sobre a questão da zoação de alguém devido ao estado em que nasceu. Qualquer paulista, gaúcho ou mineiro já foi satirizado por alguém que mora em outro estado. O mesmo pode ocorrer com baianos. Em muitos casos, as pessoas se sentem incomodadas com essas brincadeiras. Mesmo que exista o incômodo, não temos um caso de de racismo, pois não existe raça baiana, paulista ou mineira.

    Em relação a serem pobres e favelados, é verdade que muitos praticantes de rolezinhos são moradores de favelas e pobres. Mas é exatamente por isso que deviam dar o exemplo e pararem de invadir shoppings para fins que não os de consumo. Enfim, cidadãos pobres e favelados precisam de uma melhor representação do que os adeptos de rolezinhos.

    Seja lá como for, confundir a maioria das críticas feitas aos adeptos de rolezinhos como “racismo” é uma demonstração cabal de que a capacidade que um esquerdista radical possui de maquiar a realidade parece realmente não ter fim.

  • Estou um tanto desesperançado (cansado) com o BRASIL. Passados mais de 100 anos da libertação dos ESCRAVOS parece que a situação não tende a mudar. Negros e brancos convivem teoricamente nos mesmos espaços físicos (mas não conseguem se integrar, verdadeiramente), parece haver ÓDIO não declarado. Louvo a atitude dos BRANCOS progressistas que se juntam aos negros nessa luta quase que inglória. Mas ao mesmo tempo entendo que tanto estes, quantos a maioria dos negros e sobretudos os BRANCOS racistas não conseguem apresentar a ÚNICA solução possível no Brasil com vistas a solucionar de forma rápida a questão do PRECONCEITO DE RAÇA. Parece que o cinismo e a hipocrisia nacional não permitem. Respeitador da constituição do País me reservo neste espaço ao direito de não citar essa solução.

    • Peço desculpas pelo mal entendido, mas essa expressão aqui no nosso estado é bem coloquial quando nos referimos á várias pessoas. Não tem sentido depreciativo. Sou do Ceará, nordestino, pardo e pobre. Como posso ser racista, xenofóbico ou qualquer outra coisa? Pelo amor de Deus, vamos ser mais cuidadosos. Por favor retire minha page do site por gentileza. E mais uma vez perdão pelo uso da palavra que para nós cearenses não há sentido racial. Todo cearense fala isso todo dia.

      • Caro Italo, transformar a cor da pele e a naturalidade de uma pessoa em um xingamento é o que, se não o puro resquício de um comportamento etnocentrico e racista?

        • O Ítalo não colocou a cor da pele como forma de xingamento. Também sou cearense e posso atestar que o termo negrada, ou negada, não tem absolutamente nenhuma conotação racista. Se um cearense for se referir a vários noruegueses é muito provável que os chame de negada. Claro que o Eduardo não poderia saber desse uso, já que é paulista, mas é injustiça acusar um cearense de racista por chamar várias pessoas de negrada ou negada.

          • Pois é, eu também uso negada pra tudo e sou “branco”, talvez eu deva rever também, é cultural. E o cara começa com moçada, da pra sentir no tom que o “negrada” foi uma espécia de sinônimo de “molecada”, “galera”, etc…
            Apesar que dizer vão trabalhar também não ajuda. Quem disse que os “rolezeiros” não trabalham? e se parte não trabalha é porque são adolescentes. E olha que adolescente de classe média-alta só trabalha depois da faculdade, e vive só curtindo shopping e tal. Por que os filhos da classe C não podem curtir a adolescência no shopping?

          • Opa…

            Vai me desculpar mas foi no ceará que os coxinhas estavam chamando os médicos negros de escravos…

            Vocês são coloquiais demais para termos racistas…ou isso ou ignorantes…

            Tenho certeza que não falam por todos os cearenses que aliás poucos são negros de fato, a maioria é só pobre (portanto confundido com negro).

            Se fosse um cearense branco, preto ou negro daria no mesmo…

      • Sou Pernambucano, esse termo negada é usado no Nordeste como coletivo de pessoas, sem cunho racial. Me parece que o erro do rapaz foi só apoioar a proibição dos rolezinhos, se é que isso pode ser considerado erro. Sou contra qualquer tipo de preconceito, mas me parece injusto colocar o rapaz no mural.

        • Sou pernambucano e isso é uma meia verdade, está mais para “verdade” dissimulada. Esse termo é de fato usado no Nordeste para designar-se uma “turma” ou grupo de pessoas. Todavia sua origem é racista e, só para não perder a “coerência” inicial, ELE TAMBÉM TEM UMA SEGUNDA UTILIZAÇÃO, DE CONOTAÇÃO RACISTA, FEITA GERALMENTE QUANDO AS CLASSES MÉDIA E ALTA QUEREM REFERIR-SE PEJORATIVAMENTE A LOCAIS FREQUENTADOS POR PESSOAS QUE CONSIDERAM “INFERIOR” OU “DE BAIXO NÍVEL”. Conheço bastante essa segunda utilização, pois infelizmente já a vi sendo empregada. Portanto, o mauricinho em questão pode muito bem, e é nessa hipótese que acredito, ter utilizado o termo com esse segundo sentido(sempre usado quando se trata de referir-se aos pobres e negros)e agora está dando para trás; tentando esconder-se atrás de um jogo de palavras sustentado por uma “meia” verdade, já que realmente também existe esse outro sentido da palavra, utilizado quando a referência não pretende denegrir os citados(pode parecer complicado para quem é de fora, mas o contexto e o tom em que o termo é usado nos fazem perceber claramente a diferença. NO CASO EM QUESTÃO, O CONTEXTO É BASTANTE CLARO). Afinal, dissimulação e disfarce são a cara desses “manifestados”, que sempre acharão melhor colocar máscaras e manter-se no anonimato dos “protestos” fascistas. Acho que você não deveria retirar a foto dele.

          • Só se for em Pernambuco, porque no Ceará não existe esse outro sentido, usamos negada indistintamente para qualquer grupo, sem nenhuma conotação racial ou social. Agora é engraçado você escrever o que escreveu e usar a palavra denegrir com o sentido que usou. A propósito, Edu, se encontrar algum cearense nas redes dizendo que o rolé tinha um “horror de gente” não pense que é um adjetivo para atacar os participantes. “Horror” aqui no Ceará é sinônimo de muita. Quando um cearense diz que tem um horror de gente na praia está dizendo que tem muita gente na praia.

        • Eu sou simplesmente humano, e na minha opinião, essa treta de “sou mais pobre que fulano e uso tal termo sem querer ofendê-lo” e “sou fulano, mas nem todo fulano faz essas coisas não” é tudo uma questão de ética. A partir do ponto no qual alguém inocente, em relação ao assunto x, se sente ofendido por algo mencionado sobre praticantes de x, é de pleno direito ser considerado preconceito. Sou contra esse preconceito e também contra outros humanos que agem prejudicando.

        • Eu sou simplesmente humano, e na minha opinião, essa treta de “sou mais pobre que fulano e uso tal termo sem querer ofendê-lo” e “sou fulano, mas nem todo fulano faz essas coisas não” é tudo uma questão de ética. A partir do ponto no qual alguém inocente, em relação ao assunto x, se sente ofendido por algo mencionado sobre praticantes de x, é de pleno direito ser considerado preconceito. Sou contra esse preconceito e também contra outros humanos que agem prejudicialmente aos outros.

          A questão é que esses “rolezinhos”, seja o que for, prejudicam não só as próprias lojas, como também quaisquer grupos de adolescentes inocentes. Shoppings aqui não permitem adolescentes desacompanhados durante certas noites, pro exemplo. Tudo na sociedade é uma questão de como isso interfere na vida de alguém, pois se não interferir esse alguém não se importará.

      • Pode até ser que vc não tenha dito como forma de xingamento, mas aqui no brasil o racismo é tão natural que esta em expressões e piadas que seriam engraçadas. Não acho legal mandar a negrada trabalhar, só negro tem que trabalhar?!!!

        • Negros e brancos tem que trabalhar. Eu era bem mais pobre do que muitos negros… Não tive mais ou menos oportunidades do que eles e minha ascensão social não foi facilitada pela minha cor.

          Ao contrário, estudei muito, inclusive em escolas públicas. Assim como muitos negros eu cresci por meios lícitos. Não precisei de cotas nem muito menos meus amigos negros.

          O que a sociedade brasileira não sabe diferenciar é alarde de crime. Encara tudo como uma ofensa pessoal e se faz de vítima o tempo todo.

          Conheço negros médicos, juízes empresários e esses que eu conheço vieram de baixo.

          Agora, se acham que gritando vão conseguir alguma coisa significativa, acho que não! Vão somente encher bolso de ong’s que na verdade não estão lutando por seus direito e vão perder um tempo imenso em vez de estudar e trabalhar.

          Procurem suas melhoras. Parem de esperar pelo Estado. Quando fizerem isso e pararem de se vitimizar, com certeza as coisas vão melhorar para vocês. Sejam egoístas e pensem um pouco mais em si e deixem de se ofender com qualquer coisa. Usem essa revolta para crescerem na vida.

          A mídia todo sábado, ou melhor, TODO DIA, faz de heróis um bando de atleta que até deve ter algum reconhecimento, mas em minha opinião, são endeusados e a sociedade engole esse engodo.

          Herói é o branco e o negro que saem de manhã para trabalhar, ambos pobres em ônibus lotados, catando lixo, AMBOS…

          Quando lutarem contra quem realmente quer o mal da sociedade, ai talvez as coisas melhorem.

          • Quer dizer, então, que você conhece “negros médicos”? Assim mesmo, no plural? Gozado, não conheço nenhum. Sei que há, em algum lugar. Mas procure se informar se uma etnia que de acordo com o IBGE é maioria no Brasil se tem mais do que 1% ou 2% de representação entre a classe médica. Nas classes de medicina da USP, por exemplo, entre dezenas de alunos muitas vezes só há um negro, às vezes dois.

            Quer dizer que quem não sobe na vida é por que não trabalha? Gozado que então os negros devem ser todos preguiçosos, não? Você já viu as estatísticas? Acompanha o trabalho do IBGE? Sabe o que é a PNAD? Os negros são os mais pobres entre os pobres. Muitas vezes mais numerosos entre os pobres do que os ricos. Os salários dos negros são menores, os negros têm mais mortes violentas…

            Por que, se não existe discriminação?

            Muitos nunca sequer tiveram condição de estudar. Escolas que naõ ensinam. Se você é um superdotado – e isso é você quem diz – que veio de baixo e subiu, você não é regra, é exceção. Você tenta negar o inegável: o caráter racista da pobreza brasileira. Nega contra estatísticas, nega até contra o que está diante dos olhos de qualquer um.

            Lamentável

      • No Rio de Janeiro, as pessoas usam o termo “neguinho” com sentido genérico. Ou seja, “neguinho” é qualquer cidadão. Tipo “neguinho não vai votar no Aécio” = “as pessoas não vão votar no Aécio”

      • Engraçado, porque seu perfil, comentário racista e idiotice veio a publico ai vc pede desculpa né?
        Ainda se diz cristão um sacana desse. Quero ver descer as favelas dizendo o que disse, vamos ver se seu jesus te livre de um sacode.

    • Existem uma série de bilionários e milionários no mundo da internet, seja na Europa, Asia, América do Sul, e aqui mesmo no Brasil, posso citar alguns exemplos, como o Alexandre Mandic que vendeu o IG nos anos 90 por 10 milhões…., Marcos Moraes que comprou e revendeu o Cadê por 300 milhões de dólares, Cláudio Marcellini que vendeu parte da FrankiaVirtual por USS 230 milhões,….até empresas americanas lucram com investimentos no Brasil, como Merryl Linch Bank que investiu e vendeu sua parte de 97% do Buscapé por 700 milhões de reais, sem contar aqueles pequenos negócios de 2, 3, 5 milhões, muita gente mesmo tem aproveitado as oportunidades do mundo digital.
      Parabéns pelo Blog, estou recomendando no meu Face.

  • Não quero parecer nenhum bairrista nem nada. Mas esse tipo de coisa, pelo menos nos círculos que vivo, é muito difícil de encontrar. Aqui no RS, obviamente como qualquer UF deste país, tem diversos racistas. Mas eles ficam nas sombras do anonimato. Dificilmente fazem declarações como essa mostrando a cara. No meio que convivo (que vai de pessoas pobres até abastadas) esse tipo de alegação é um tanto repudiada e normalmente quando tem um engraçadinho que faz “piada” com o tema, é recriminado. Posso ter a sorte de não conviver com pessoas majoritariamente racistas e ser uma exceção, mas esse racismo desmiolado está me parecendo algo bem específico vindo de SP. Sempre lembro das eleições de 2010, e também dos “colonistas” da veja. Algo me diz que SP está precisando de uma injeção pesada de temas progressistas. Mas um estado que tem um tucano como senador pelo PT (Suplicy), acho um caminho bem longo e difícil de trilhar.

    • Alguns ainda têm aquela ideia de que há muito racismo no Rio Grande do Sul. Se isso fosse verdade, Alceu Collares não teria sido eleito governador do estado.

    • Julio…

      Se Deus e os paulistas quiserem Padilha será o governador de São Paulo a partir de 2015.

      Na verdade Deus já quer e só está faltando, agora, convencer os paulistas, mas isso, nosso Lula providenciará.

      Grande abraço.

        • Cara amiga Cibele…

          Não se pode enganar muitos por muito tempo, portanto, o Paulista refutará os tucanos nessa próxima eleição.

          Quanto a Deus: Ele já nos ouve, desde 2002.

          Grande Abraço, companheira.

          • Valeu, irmãozinho Wilso. Acho que Deus não está ouvindo muito bem o clamor dos resistentes de SP. Temos que falar mais alto!!! Legal esse negócio de ter amigo virtual, tô começando a gostar. Também, é quase que o único jeito hoje em dia por aqui… Abraços, amigo!

  • Alceu Colares foi eleito governador única e exclusivamente pela força política de Leonel Brizola, assim como Celso Pita foi eleito por Paulo Maluf. E quanto ao vc W. Alves, eu não quero nada eu só relatei o que ocorre e qual a solução no meu entender. Eu quero é ser feliz, assim como os brancos o são, nada mais. Eles não deixam. Só coloquei o debate. Se vc se incomodou, isso é bom. Veja a extensão territorial do Brasil. Não preciso ficar junto a vc. Então proponha aos seus uma solução verdadeira. Do jeito que tá eu só perco, mano.

  • Cambada de retardados !!!!
    Exalam o podridão da humanidade!!!!!
    “Pobres crias de almas sujas!!!!
    Se fossem meus filhos , certamente eu seria a mãe mais triste deste mundo!!!!!!!!!!!

  • ♫ Ainda bem que eles vão aos shoppings, porque Guarujah continua abominavelmente abarrotada com a escumalha emergente que teve sua (dela) vida facilitada recentemente. A culpa é toda do Abominável Homem de Garanhuns e sua (dele) acólita! Mas ainda espero que D. José Chirico Trains-Alagón convença seu (dele) evanescente partido a abandonar o poeirento dipsomaníaco de Minas Gerais ao futuro incerto, seja candidato à presidência neste ano e devolva essa hidra ao locus de onde jamais deveria ter erguido as horrendas cabeças…

  • Eduardo, acompanho seu blog desde 2010, e 4 anos depois caiu a ficha: o Brasil está dominado pelo ódio, e este ódio é fomentado por estes grupos minoritários. O Brasil é um país cristão, um povo que mais de 90% acredita em Deus e que vive de sua fé. Esses ideais ateístas, materialistas, abortistas e gayzistas vindos da Europa e financiados pela ONU nunca serão benvindos aqui. Isso só vai criar ódio e quem mais vai perder com isso é o PT, que tem apoiado estes grupinhos. Lentamente vejo que a população tem acordado pra criticar esse falso pensamento politicamente correto que tem dominado a mídia e os partidos de esquerda, como o PT. Antes eu achava que chamar alguém de nego era ofensa, já não penso mais assim. Antes eu defendia cotas, e fiz minha monografia de conclusão de curso sobre ação afirmativas e hoje sou contra e tenho vergonha por ter sido um dia a favor. Felizmente o país inteiro vai acordar pra verdade, que vem do ALTO, e se o PT continuar do lado desses movimentos satânicos o Brasil vai colocar este partido para correr. Chega de tanta frescura, chega de mentiras politicamente corretas. Hoje a midia está anunciando que o primeiro HOMEM deu a luz a um filho na Argentina. Se fosse 3 anos atrás eu iria seguir essa ideologia de gênero, mas graças a Deus a LUZ VEIO NAS TREVAS e hoje eu enxergo que os rumos que o PT tem tomado e os grupos que ele tem apoiado estão todos indo contra a verdade e contra a essência do povo brasileiro. Espero que mudem, pois senão o Brasil mesmo vai mudar o PT a força. Para nunca mais voltar.

Deixe uma resposta