A ditabranda de Yoany Sanchez

denúncia

A mídia autóctone anda muito interessada em dois assuntos para os quais não costuma dar bola: blogueiros e direitos humanos. Só que não é aqui, mas em Cuba. Enquanto isso, no Brasil, detrata blogueiros e relativiza direitos humanos.

A blogueira cubana Yoany Sanchez é a contemplada por esse apreço inédito da mídia brasileira por ser a maior detratora individual do regime cubano em todo o mundo. Ninguém fala tão mal de Cuba quanto ela, que produz música para os ouvidos dos barões midiáticos.

Yoany, porém, é uma farsa, uma construção anticastrista que se dedica a inventar histórias sobre “violações de direitos humanos” em Cuba, como fez recentemente no caso do dissidente Wilman Villar Mendoza, que faleceu em Santiago de Cuba no mês passado.

A história da blogueira foi a de que Mendoza faleceu devido a uma greve de fome de 56 dias. Ela acusou o governo de seu país por sua morte dizendo-o “negligente”, provavelmente por não ter renunciado para atender às exigências do dissidente.

A verdadeira história, porém, é outra. Mendoza foi preso no fim de 2011 por ter agredido a esposa e quem o denunciou à polícia foi a própria sogra. Preso, teve complicações de saúde e faleceu.

Todavia, a mídia brasileira comprou integralmente a invenção de Yoany. E após o desmentido da família do sujeito de que ele fizera greve de fome, escondeu o fato do público.

As farsas da blogueira cubana são reiteradamente compradas pelos interessados estrangeiros. Como essa, agora, de que quer vir ao Brasil.

A mídia brasileira vende a história de uma revolucionária que luta contra uma ditadura cruel sob condições adversas, mas os fatos mostram que o regime cubano tem sido um pai para sua detratora. A história de Yoany não se encaixa no perfil que inventou.

Yoani María Sánchez Cordero é cubana de Havana, graduada em Filologia em universidade cubana desde 2000, segundo consta em seu blog. Dois anos depois de se formar às custas do erário cubano, casou-se com um alemão e foi viver na Suíça, não tendo tido qualquer dificuldade para emigrar.

Em 2004 decide voltar ao país, tornando-se o primeiro caso de alguém que fugiu de uma ditadura para dentro em vez de fugir para fora.

Se fôssemos tomar por base as condições de vida de Yoany na ditadura cubana, no entanto, concluiríamos que se trata de uma ditabranda.

Para comprovar isso, basta ver o escritório da blogueira na foto acima ou dar uma olhada na cena abaixo, em que ela aparece usando a internet sem fio de um dos hotéis mais luxuosos de Havana para falar mal de seu país em seu blog.

Ora, mas por que Yoany voltou à terrível ditadura Cubana? Porque gosta de sofrer?

A história que o governo cubano conta é bem outra. Na Suíça, a dissidente teria tido enormes dificuldades para encontrar trabalho e viver decentemente. Assim, desesperada, decidiu voltar ao seu país natal, onde teria casa, comida, tudo de graça.

Em Cuba, Yoany progrediu. Leva hoje uma vida confortável e não se sabe de onde vêm os recursos financeiros que lhe permitem morar como mora e gastar dinheiro na caríssima rede hoteleira do país.

Tampouco se sabe como é possível que em uma ditadura como a que pinta consiga falar ao mundo sem sofrer qualquer represália, ainda que faça denúncias vazias como em 2009, quando afirmou que sofreu violências por parte das “forças da ordem cubanas”.

Em 6 de novembro daquele ano, Yoany disse em seu blog que foi sequestrada pelo governo por 25 minutos e que sofreu “golpes e empurrões”, que colocaram um “joelho sobre o seu peito”, que a golpearam “nos rins e na cabeça” e que estava cheia de “marcas roxas”.

Três dias depois, no entanto, a terrível ditadura cubana permitiu àquela que sequestrara receber a imprensa internacional para denunciar o que lhe havia feito. Yoany só não esperava que essa imprensa, supostamente hostil a Cuba, pedisse para ver as tais marcas. Resumindo: não havia marca alguma.

A imprensa brasileira abafou, mas o caso é mundialmente conhecido graças ao jornalista francês Salim Lamranium, que conseguiu entrevistar Yoany. Foi um massacre, por assim dizer. Confira, abaixo, a entrevista.

—–

Entrevista com Yoany Sanches

Por Salim Lamranium, no Rebelión

O encontro com a jovem dissidente de fama controvertida não ocorreu em algum apartamento escuro, com as janelas fechadas, ou em um lugar isolado e recluso para escapar aos ouvidos indiscretos da “polícia política”. Ao contrário, aconteceu no saguão do Hotel Plaza, no centro de Havana Velha, em uma tarde inundada de sol.

O local estava bem movimentado, com numerosos turistas estrangeiros que perambulavam pelo imenso salão do edifício majestoso que abriu suas portas no início do século XX.

Yoani Sánchez vive perto das embaixadas ocidentais. De fato, uma simples chamada de meu contato ao meio-dia permitiu que combinássemos o encontro para três horas depois. Às 15h, a blogueira apareceu sorridente, vestida com uma saia longa e uma camiseta azul. Também usava uma jaqueta esportiva, para amenizar o relativo frescor do inverno havanês.

Foram cerca de duas horas de conversa ao redor de uma mesa do bar do hotel, com a presença de seu marido, Reinaldo Escobar, que a acompanhou durante uns vinte minutos antes de sair para outro encontro.

Yoani Sánchez mostrou-se extremamente cordial e afável e exibiu grande tranquilidade. Seu tom de voz era seguro e em nenhum momento ela pareceu incomodada. Acostumada aos meios ocidentais, domina relativamente bem a arte da comunicação.

Esta blogueira, personagem de aparência frágil, inteligente e sagaz, tem consciência de que, embora lhe seja difícil admitir, sua midiatização no Ocidente não é uma causalidade, mas se deve ao fato de ela preconizar a instauração de um “capitalismo sui generis” em Cuba.

A entrevista

Salim Lamrani – Comecemos pelo incidente ocorrido em 6 de novembro de 2009 em Havana. Em seu blog, a senhora explicou que foi presa com três amigos por “três robustos desconhecidos” durante uma “tarde carregada de pancadas, gritos e insultos”. A senhora denunciou as violências de que foi vítima por parte das forças da ordem cubanas. Confirma sua versão dos fatos?

Yoani Sánchez – Efetivamente, confirmo que sofri violência. Mantiveram-me sequestrada por 25 minutos. Levei pancadas. Consegui pegar um papel que um deles levava no bolso e o coloquei em minha boca. Um deles pôs o joelho sobre meu peito e o outro, no assento dianteiro, me batia na região dos rins e golpeava minha cabeça para que eu abrisse a boca e soltasse o papel. Por um momento, achei que nunca sairia daquele carro.

SL – O relato, em seu blog, é verdadeiramente terrorífico. Cito textualmente: a senhora falou de “golpes e empurrões”, de “golpes nos nós dos dedos”, de “enxurrada de golpes”, do “joelho sobre o [seu] peito”, dos golpes nos “rins e […] na cabeça”, do “cabelo puxado”, de seu “rosto avermelhado pela pressão e o corpo dolorido”, dos “golpes [que] continuavam vindo” e “todas essas marcas roxas”. No entanto, quando a senhora recebeu a imprensa internacional em 9 de novembro, todas as marcas haviam desaparecido. Como explica isso?

YS – São profissionais do espancamento.

SL – Certo, mas por que a senhora não tirou fotos das marcas?

YS – Tenho as fotos. Tenho provas fotográficas.

SL – Tem provas fotográficas?

YS – Tenho as provas fotográficas.

SL – Mas por que não as publicou para desmentir todos os rumores segundo os quais a senhora havia inventado uma agressão para que a imprensa falasse de seu caso?

YS – Por enquanto prefiro guardá-las e não publicá-las. Quero apresentá-las um dia perante um tribunal, para que esses três homens sejam julgados. Lembro-me perfeitamente de seus rostos e tenho fotos de pelo menos dois deles.

Quanto ao terceiro, ainda não está identificado, mas, como se tratava do chefe, será fácil de encontrar. Tenho também o papel que tirei de um deles e que tem minha saliva, pois o coloquei na boca. Neste papel estava escrito o nome de uma mulher.

NOTA DO EDITOR: os fatos que a blogueira denunciou teriam ocorrido em 2009. Até hoje, as fotos dos ferimentos que afirmou ter sofrido e que prometeu que divulgaria um dia, jamais apareceram.

SL – Certo. A senhora publica muitas fotos em seu blog. Para nós é difícil entender por que prefere não mostrar as marcas desta vez.

YS – Como já lhe disse, prefiro guardá-las para a Justiça.

SL – A senhora entende que, com essa atitude, está dando crédito aos que pensam que a agressão foi uma invenção.

YS – É minha escolha.

SL – No entanto, até mesmo os meios ocidentais que lhe são mais favoráveis tomaram precauções oratórias pouco habituais para divulgar seu relato. O correspondente da BBC em Havana, Fernando Ravsberg, por exemplo, escreve que a senhora “não tem hematomas, marcas ou cicatrizes”. A agência France Presseconta a história esclarecendo com muito cuidado que se trata de sua versão, sob o título “Cuba: a blogueira Yoani Sánchez diz ter sido agredida e detida brevemente”. O jornalista afirma, por outro lado, que a senhora “não ficou ferida”.

YS – Não quero avaliar o trabalho deles. Não sou eu quem deve julgá-lo. São profissionais que passam por situações muito complicadas, que não posso avaliar. O certo é que a existência ou não de marcas físicas não é a prova do fato.

SL – Mas a presença de marcas demonstraria que foram cometidas violências. Daí a importância da publicação das fotos.

YS – O senhor deve entender que tratamos de profissionais da intimidação. O fato de três desconhecidos terem me levado até um carro sem me apresentar nenhum documento me dá o direito de me queixar como se tivessem fraturado todos os ossos do corpo. As fotos não são importantes porque a ilegalidade está consumada. A precisão de que “me doeu aqui ou me doeu ali” é minha dor interior.

SL – Sim, mas o problema é que a senhora apresentou isso como uma agressão muito violenta. A senhora falou de “sequestro no pior estilo da Camorra siciliana”.

YS – Sim, é verdade, mas sei que é minha palavra contra a deles. Entrar nesse tipo de detalhes, para saber se tenho marcas ou não, nos afasta do tema verdadeiro, que é o fato de terem me sequestrado durante 25 minutos de maneira ilegal.

SL – Perdoe-me a insistência, mas creio que é importante. Há uma diferença entre um controle de identidade que dura 25 minutos e violências policiais. Minha pergunta é simples. A senhora disse, textualmente: “Durante todo o fim de semana fiquei com a maçã do rosto e o supercílio inflamados.” Como tem as fotos, pode agora mostrar as marcas.

YS – Já lhe disse que prefiro guardá-las para o tribunal.

SL – A senhora entende que, para algumas pessoas, será difícil acreditar em sua versão se a senhora não publicar as fotos.

YS – Penso que, entrando nesse tipo de detalhes, perde-se a essência. A essência é que três bloggers acompanhados por uma amiga dirigiam-se a um ponto da cidade que era a Rua 23, esquina G. Tínhamos ouvido falar que um grupo de jovens convocara uma passeata contra a violência. Pessoas alternativas, cantores de hip hop, de rap, artistas. Eu compareceria como blogueira para tirar fotos e publicá-las em meu blog e fazer entrevistas. No caminho, fomos interceptados por um carro da marca Geely.

SL – Para impedi-los de participar do evento?

YS – A razão, evidentemente, era esta. Eles nunca me disseram formalmente, mas era o objetivo. Disseram-me que entrasse no carro. Perguntei quem eles eram. Um deles me pegou pelo pulso e comecei a ir para trás. Isso aconteceu em uma zona bastante central de Havana, em um ponto de ônibus.

SL – Então havia outras pessoas. Havia testemunhas.

YS – Há testemunhas, mas não querem falar. Têm medo.

SL – Nem mesmo de modo anônimo? Por que a imprensa ocidental não as entrevistou preservando seu anonimato, como faz muitas vezes quando publica reportagens críticas sobre Cuba?

YS – Não posso lhe explicar a reação da imprensa. Posso lhe contar o que aconteceu. Um deles era um homem de uns cinquenta anos, musculoso como se tivesse praticado luta livre em algum momento da vida. Digo-lhe isso porque meu pai praticou esse esporte e tem as mesmas características. Tenho os pulsos muito finos e consegui escapar, e lhe perguntei quem era. Havia três homens além do motorista.

SL – Então havia quatro homens no total, e não três.

YS – Sim, mas não vi o rosto do motorista. Disseram-me: “Yoani, entre no carro, você sabe quem somos.” Respondi: “Não sei quem são os senhores.” O mais baixo me disse: “Escute-me, voce sabe quem sou, você me conhece.” Retruquei: “Não, não sei quem é você. Não o conheço. Quem é você? Mostre-me suas credenciais ou algum documento.” O outro me disse: “Entre, não torne as coisas mais difíceis.” Então comecei a gritar: “Socorro! Sequestradores! “

SL – A senhora sabia que se tratava de policiais à paisana?

YS – Imaginava, mas eles não me mostraram seus documentos.

SL – Qual era seu objetivo, então?

YS – Queria que as coisas fossem feitas dentro da legalidade, ou seja, que me mostrassem seus documentos e me levassem depois, embora eu suspeitasse que eles representavam a autoridade. Ninguém pode obrigar um cidadão a entrar em um carro particular sem apresentar suas credenciais. Isso é uma ilegalidade e um sequestro.

SL – Como as pessoas no ponto de ônibus reagiram?

YS – As pessoas no ponto ficaram atônitas, pois “sequestro” não é uma palavra que se usa em Cuba, não existe esse fenômeno. Então se perguntaram o que estava acontecendo. Não tínhamos jeito de delinquentes. Alguns se aproximaram, mas um dos policiais lhes gritou: “Não se metam, que são contrarrevolucioná rios!”

Esta foi a confirmação de que se tratava de membros da polícia política, embora eu já imaginasse por causa do carro Geely, que é chinês, de fabricação atual, e não é vendido em nenhuma loja em Cuba. Esses carros pertencem exclusivamente a membros do Ministério das Forças Armadas e do Ministério do Interior.

SL – Então a senhora sabia desde o início, pelo carro, que se tratava de policiais à paisana.

YS – Intuía. Por outro lado, tive a confirmação quando um deles chamou um policial uniformizado. Uma patrulha formada por um homem e uma mulher chegou e levou dois de nós. Deixou-nos nas mãos desses dois desconhecidos.

SL – Mas a senhora já não tinha a menor dúvida sobre quem eles eram.

YS – Não, mas não nos mostraram nenhum documento. Os policiais não nos disseram que representavam a autoridade. Não nos disseram nada.

SL – É difícil entender o interesse das autoridades cubanas em agredi-la fisicamente, sob o risco de provocar um escândalo internacional. A senhora é famosa. Por que teriam feito isso?

YS – Seu objetivo era radicalizar- me, para que eu escrevesse textos violentos contra eles. Mas não conseguirão.

SL – Não se pode dizer que a senhora é branda com o governo cubano.

YS -Nunca recorro à violência verbal nem a ataques pessoais. Nunca uso adjetivos incendiários, como “sangrenta repressão”, por exemplo. Seu objetivo, então, era radicalizar- me.

SL – No entanto, a senhora é muito dura em relação ao governo de Havana. Em seu blog, a senhora diz: “o barco que faz água a ponto de naufragar”. A senhora fala dos “gritos do déspota”, de “seres das sombras, que, como vampiros, se alimentam de nossa alegria humana, nos incutem o medo por meio da agressão, da ameaça, da chantagem”, e afirma que “naufragaram o processo, o sistema, as expectativas, as ilusões. [É um] naufráfio [total]”. São palavras muito fortes.

YS – Talvez, mas o objetivo deles era queimar o fenômeno Yoani Sánchez, demonizar-me. Por isso meu blog permaneceu bloqueado por um bom tempo.

SL – Contudo, é surpreendente que as autoridades cubanas tenham decidido atacá-la fisicamente.

YS – Foi uma torpeza. Não entendo por que me impediram de assistir à passeata, pois não penso como aqueles que reprimem. Não tenho explicação. Talvez eles não quisessem que eu me reunisse com os jovens. Os policiais acreditavam que eu iria provocar um escândalo ou fazer um discurso incendiário.

Voltando ao assunto da detenção, os policiais levaram meus amigos de maneira enérgica e firme, mas sem violência. No momento em que me dei conta de que iriam nos deixar sozinhos com Orlando, com esses três tipos, agarrei-me a uma planta que havia na rua e Claudia agarrou-se a mim pela cintura para impedir a separação, antes de os policiais a levarem.

SL – Para que resistir às forças da ordem uniformizadas e correr o risco de ser acusada disso e cometer um delito? Na França, se resistimos à polícia, corremos o risco de sofrer sanções.

YS – De qualquer modo, eles nos levaram. A policial levou Claudia. As três pessoas nos levaram até o carro e comecei a gritar de novo: “Socorro! Um sequestro!”

SL – Por quê? A senhora sabia que se tratava de policiais à paisana.

YS – Não me mostraram nenhum papel. Então começaram a me bater e me empurraram em direção ao carro. Claudia foi testemunha e relatou isso.

SL – A senhora não acaba de me dizer que a patrulha a havia levado?

YS – Ela viu a cena de longe, enquanto o carro de polícia se afastava. Defendi-me e golpeei como um animal que sente que sua hora chegou. Deram uma volta rápida e tentaram tirar-me o papel da boca.

Agarrei um deles pelos testículos e ele redobrou a violência. Levaram-nos a um bairro bem periférico, La Timba, que fica perto da Praça da Revolução. O homem desceu, abriu a porta e pediu que saíssemos. Eu não quis descer. Eles nos fizeram sair à força com Orlando e foram embora.

Uma senhora chegou e dissemos que havíamos sido sequestrados. Ela nos achou malucos e se foi. O carro voltou, mas não parou. Eles só me jogaram minha bolsa, onde estavam meu celular e minha câmera.

SL – Voltaram para devolver seu celular e sua câmera?

YS – Sim.

SL – Não lhe parece estranho que se preocupassem em voltar? Poderiam ter confiscado seu celular e sua câmera, que são suas ferramentas de trabalho.

YS – Bem, não sei. Tudo durou 25 minutos.

SL – Mas a senhora entende que, enquanto não publicar as fotos, as pessoas duvidarão de sua versão, e isso lançará uma sombra sobre a credibilidade de tudo o que a senhora diz.

YS – Não importa.

A Suíça e o retorno a Cuba

SL – Em 2002, a senhora decidiu emigrar para a Suíça. Dois anos depois, voltou a Cuba. É difícil entender por que a senhora deixou o “paraíso europeu” para regressar ao país que descreve como um inferno. A pergunta é simples: por quê?

YS – É uma ótima pergunta. Primeiro, gosto de nadar contra a corrente. Gosto de organizar minha vida à minha maneira. O absurdo não é ir embora e voltar a Cuba, e sim as leis migratórias cubanas, que estipulam que toda pessoa que passa onze meses no exterior perde seu status de residente permanente.

Em outras condições eu poderia permanecer dois anos no exterior e, com o dinheiro ganho, voltar a Cuba para reformar a casa e fazer outras coisas. Então o surpreendente não é o fato de eu decidir voltar a Cuba, e sim as leis migratórias cubanas.

SL – O mais surpreendente é que, tendo a possibilidade de viver em um dos países mais ricos do mundo, a senhora tenha decidido voltar a seu país, que descreve de modo apocalíptico, apenas dois anos depois de sua saída.

YS – As razões são várias. Primeiro, não pude ir embora com minha família. Somos uma pequena família, mas minha irmã, meus pais e eu somos muito unidos. Meu pai ficou doente em minha ausência e tive medo de que ele morresse sem que eu pudesse vê-lo. Também me sentia culpada por viver melhor do que eles. A cada vez que comprava um par de sapatos, que me conectava à internet, pensava neles. Sentia-me culpada.

SL – Certo, mas, da Suíça, a senhora podia ajudá-los enviando dinheiro.

YS – É verdade, mas há outro motivo. Pensei que, com o que havia aprendido na Suíça, poderia mudar as coisas voltando a Cuba. Há também a saudade das pessoas, dos amigos. Não foi uma decisão pensada, mas não me arrependo.

Tinha vontade de voltar e voltei. É verdade que isso pode parecer pouco comum, mas gosto de fazer coisas incomuns. Criei um blog e as pessoas me perguntaram por que eu fiz isso, mas o blog me satisfaz profissionalmente.

SL – Entendo. No entanto, apesar de todas essas razões, é difícil entender o motivo de seu regresso a Cuba quando no Ocidente se acredita que todos os cubanos querem abandonar o país. É ainda mais surpreendente em seu caso, pois a senhora apresenta seu país, repito, de modo apocalíptico.

YS – Como filóloga, eu discutiria a palavra, pois “apocalíptico” é um termo grandiloquente. Há um aspecto que caracteriza meu blog: a moderação verbal.

SL – Não é sempre assim. A senhora, por exemplo, descreve Cuba como “uma imensa prisão, com muros ideológicos”. Os termos são bastantes fortes.

YS – Nunca escrevi isso.

SL – São as palavras de uma entrevista concedida ao canal francês France 24 em 22 de outubro de 2009.

YS – O senhor leu isso em francês ou em espanhol?

SL – Em francês.

YS – Desconfie das traduções, pois eu nunca disse isso. Com frequência me atribuem coisas que eu não disse. Por exemplo, o jornal espanhol ABC me atribuiu palavras que eu nunca havia pronunciado, e protestei. O artigo foi finalmente retirado do site na internet.

SL – Quais eram essas palavras?

YS – “Nos hospitais cubanos, morre mais gente de fome do que de enfermidades. ” Era uma mentira total. Eu jamais havia dito isso.

SL – Então a imprensa ocidental manipulou o que a senhora disse?

YS – Eu não diria isso.

SL – Se lhe atribuem palavras que a senhora não pronunciou, trata-se de manipulação.

YS – O Granma manipula a realidade mais do que a imprensa ocidental ao afirmar que sou uma criação do grupo midiático Prisa.

SL – Justamente, a senhora não tem a impressão de que a imprensa ocidental a usa porque a senhora preconiza um “capitalismo sui generis” em Cuba?

YS – Não sou responsável pelo que a imprensa faz. Meu blog é uma terapia pessoal, um exorcismo. Tenho a impressão de que sou mais manipulada em meu próprio país do que em outra parte. O senhor sabe que existe uma lei em Cuba, a lei 88, chamada lei da “mordaça”, que põe na cadeia as pessoas que fazem o que estamos fazendo.

SL – O que isso quer dizer?

YS – Que nossa conversa pode ser considerada um delito, que pode ser punido com uma pena de até 15 anos de prisão.

SL – Perdoe-me, o fato de eu entrevistá-la pode levá-la para a cadeia?

YS – É claro!

SL – Não tenho a impressão de que isso a preocupe muito, pois a senhora está me concedendo uma entrevista em plena tarde, no saguão de um hotel no centro de Havana Velha.

YS – Não estou preocupada. Esta lei estipula que toda pessoa que denuncie as violações dos direitos humanos em Cuba colabora com as sanções econômicas, pois Washington justifica a imposição das sanções contra Cuba pela violação dos direitos humanos.

SL – Se não me engano, a lei 88 foi aprovada em 1996 para responder à Lei-Helms Burton e sanciona sobretudo as pessoas que colaboram com a aplicação desta legislação em Cuba, por exemplo fornecendo informações a Washington sobre os investidores estrangeiros no país, para que estes sejam perseguidos pelos tribunais norte-americanos. Que eu saiba, ninguém até agora foi condenado por isso.

Falemos de liberdade de expressão. A senhora goza de certa liberdade de tom em seu blog. Está sendo entrevistada em plena tarde em um hotel. Não vê uma contradição entre o fato de afirmar que não há nenhuma liberdade de expressão em Cuba e a realidade de seus escritos e suas atividades, que provam o contrário?

YS – Sim, mas o blog não pode ser acessado desde Cuba, porque está bloqueado.

SL – Posso lhe assegurar que o consultei esta manhã antes da entrevista, no hotel.

YS – É possível, mas ele permanece bloqueado a maior parte do tempo. De todo modo, hoje em dia, mesmo sendo uma pessoa moderada, não posso ter nenhum espaço na imprensa cubana, nem no rádio, nem na televisão.

SL – Mas pode publicar o que tem vontade em seu blog.

YS – Mas não posso publicar uma única palavra na imprensa cubana.

SL – Na França, que é uma democracia, amplos setores da população não têm nenhum espaço nos meios, já que a maioria pertence a grupos econômicos e financeiros privados.

YS – Sim, mas é diferente.

SL – A senhora recebeu ameaças por suas atividades? Alguma vez a ameaçaram com uma pena de prisão pelo que escreve?

YS – Ameaças diretas de pena de prisão, não, mas não me deixam viajar ao exterior. Fui convidada há pouco para um Congresso sobre a língua espanhola no Chile, fiz todos os trâmites, mas não me deixam sair.

SL – Deram-lhe alguma explicação?

YS – Nenhuma, mas quero dizer uma coisa. Para mim, as sanções dos Estados Unidos contra Cuba são uma atrocidade. Trata-se de uma política que fracassou. Afirmei isso muitas vezes, mas não se publica, pois é incômodo o fato de eu ter esta opinião que rompe com o arquétipo do opositor.

As sanções econômicas

SL – Então a senhora se opõe às sanções econômicas.

YS – Absolutamente, e digo isso em todas as entrevistas. Há algumas semanas, enviei uma carta ao Senado dos Estados Unidos pedindo que os cidadãos norte-americanos tivessem permissão para viajar a Cuba. É uma atrocidade impedir que os cidadãos norte-americanos viajem a Cuba, do mesmo modo que o governo cubano me impede de sair de meu país.

SL – O que acha das esperanças suscitadas pela eleição de Obama, que prometeu uma mudança na política para Cuba, mas decepcionou muita gente?

YS – Ele chegou ao poder sem o apoio do lobby fundamentalista de Miami, que defendeu o outro candidato. De minha parte, já me pronunciei contra as sanções.

SL – Este lobby fundamentalista é contra a suspensão das sanções econômicas.

YS – O senhor pode discutir com eles e lhes expor meus argumentos, mas eu não diria que são inimigos da pátria. Não penso assim.

SL – Uma parte deles participou da invasão de seu próprio país em 1961, sob as ordens da CIA. Vários estão envolvidos em atos de terrorismo contra Cuba.

YS – Os cubanos no exílio têm o direito de pensar e decidir. Sou a favor de que eles tenham direito ao voto. Aqui, estigmatizou- se muito o exílio cubano.

SL – O exílio “histórico” ou os que emigraram depois, por razões econômicas?

YS – Na verdade, oponho-me a todos os extremos. Mas essas pessoas que defendem as sanções econômicas não são anticubanas. Considere que elas defendem Cuba segundo seus próprios critérios.

SL – Talvez, mas as sanções econômicas afetam os setores mais vulneráveis da população cubana, e não os dirigentes. Por isso é difícil ser a favor das sanções e, ao mesmo tempo, querer defender o bem-estar dos cubanos.

YS – É a opinião deles. É assim.

SL – Eles não são ingênuos. Sabem que os cubanos sofrem com as sanções.

YS – São simplesmente diferentes. Acreditam que poderão mudar o regime impondo sanções. Em todo caso, creio que o bloqueio tem sido o argumento perfeito para o governo cubano manter a intolerância, o controle e a repressão interna.

SL – As sanções econômicas têm efeitos. Ou a senhora acha que são apenas uma desculpa para Havana?

YS – São uma desculpa que leva à repressão.

SL – Afetam o país de um ponto de vista econômico, para a senhora? Ou é apenas um efeito marginal?

YS – O verdadeiro problema é a falta de produtividade em Cuba. Se amanhã suspendessem as sanções, duvido muito que víssemos os efeitos.

SL – Neste caso, por que os Estados Unidos não suspendem as sanções, tirando assim a desculpa do governo? Assim perceberíamos que as dificuldades econômicas devem-se apenas às políticas internas. Se Washington insiste tanto nas sanções apesar de seu caráter anacrônico, apesar da oposição da imensa maioria da comunidade internacional, 187 países em 2009, apesar da oposição de uma maioria da opinião pública dos Estados Unidos, apesar da oposição do mundo dos negócios, deve ser por algum motivo, não?

YS – Simplesmente porque Obama não é o ditador dos Estados Unidos e não pode eliminar as sanções.

SL – Ele não pode eliminá-las totalmente porque não há um acordo no Congresso, mas pode aliviá-las consideravelmente, o que não fez até agora, já que, salvo a eliminação das sanções impostas por Bush em 2004, quase nada mudou.

YS – Não, não é verdade, pois ele também permitiu que as empresas de telecomunicaçõ es norte-americanas fizessem transações com Cuba.

Os prêmios internacionais, o blog e Barack Obama

SL – A senhora terá de admitir que é bem pouco, quando se sabe que Obama prometeu um novo enfoque para Cuba. Voltemos a seu caso pessoal. Como explica esta avalanche de prêmios, assim como seu sucesso internacional?

YS – Não tenho muito a dizer, a não ser expressar minha gratidão. Todo prêmio implica uma dose de subjetividade por parte do jurado. Todo prêmio é discutível. Por exemplo, muitos escritores latino-americanos mereciam o Prêmio Nobel de Literatura mais que Gabriel García Márquez.

SL – A senhora afirma isso porque acredita que ele não tem tanto talento ou por sua posição favorável à Revolução cubana? A senhora não nega seu talento de escritor, ou nega?

YS – É minha opinião, mas não direi que ele obteve o prêmio por esse motivo nem vou acusá-lo de ser um agente do governo sueco.

SL – Ele obteve o prêmio por sua obra literária, enquanto a senhora foi recompensada por suas posições políticas contra o governo. É a impressão que temos.

YS – Falemos do prêmio Ortega y Gasset, do jornal El País, que suscita mais polêmica. Venci na categoria “Internet”. Alguns dizem que outros jornalistas não conseguiram, mas sou uma blogueira e sou pioneira neste campo. Considero-me uma personagem da internet. O júri do prêmio Ortega y Gasset é formado por personalidades extremamente prestigiadas e eu não diria que elas se prestaram a uma conspiração contra Cuba.

SL – A senhora não pode negar que o jornal espanhol El Paístem uma linha editorial totalmente hostil a Cuba. E alguns acham que o prêmio, de 15.000 euros, foi uma forma de recompensar seus escritos contra o governo.

YS – As pessoas pensam o que querem. Acredito que meu trabalho foi recompensado. Meu blog tem 10 milhões de visitas por mês. É um furacão.

SL – Como a senhora faz para pagar os gastos com a administração de semelhante tráfego?

YS – Um amigo na Alemanha se encarregava disso, pois o site estava hospedado na Alemanha. Há mais de um ano está hospedado na Espanha, e consegui 18 meses gratuitos graças ao prêmio The Bob’s.

SL – E a tradução para 18 línguas?

YS – São amigos e admiradores que o fazem voluntária e gratuitamente.

SL – Muitas pessoas acham difícil acreditar nisso, pois nenhum outro site do mundo, nem mesmo os das mais importantes instituições internacionais, como as Nações Unidas, o Banco Mundial, o Fundo Monetário Internacional, a OCDE, a União Europeia, dispõe de tantas versões de idioma. Nem o site do Departamento de Estado dos EUA, nem o da CIA contam com semelhante variedade.

YS – Digo-lhe a verdade.

SL – O presidente Obama inclusive respondeu a uma entrevista que a senhora fez. Como explica isso?

YS – Em primeiro lugar, quero dizer que não eram perguntas complacentes.

SL – Tampouco podemos afirmar que a senhora foi crítica, já que não pediu que ele suspendesse as sanções econômicas, sobre as quais a senhora diz que “são usadas como justificativa tanto para o descalabro produtivo quanto para reprimir os que pensam diferente”. É exatamente o que diz Washington sobre o tema.

O momento de maior atrevimento foi quando a senhora perguntou se ele pensava em invadir Cuba. Como a senhora explica que o presidente Obama tenha dedicado tempo a lhe responder apesar de sua agenda extremamente carregada, com uma crise econômica sem precedentes, a reforma do sistema de saúde, o Iraque, o Afeganistão, as bases militares na Colômbia, o golpe de Estado em Honduras e centenas de pedidos de entrevista dos mais importantes meios do mundo à espera?

YS – Tenho sorte. Quero lhe dizer que também enviei perguntas ao presidente Raúl Castro e ele não me respondeu. Não perco a esperança. Além disso, ele agora tem a vantagem de contar com as respostas de Obama.

SL – Como a senhora chegou até Obama?

YS – Transmiti as perguntas a várias pessoas que vinham me visitar e poderiam ter um contato com ele.

SL – Em sua opinião, Obama respondeu porque a senhora é uma blogueira cubana ou porque se opõe ao governo?

YS – Não creio. Obama respondeu porque fala com os cidadãos.

SL – Ele recebe milhões de solicitações a cada dia. Por que lhe respondeu, se a senhora é uma simples blogueira?

YS – Obama é próximo de minha geração, de meu modo de pensar.

SL – Mas por que a senhora? Existem milhões de blogueiros no mundo. Não acha que foi usada na guerra midiática de Washington contra Havana?

YS – Em minha opinião, ele talvez quisesse responder a alguns pontos, como a invasão de Cuba. Talvez eu tenha lhe dado a oportunidade de se manifestar sobre um tema que ele queria abordar havia muito tempo. A propaganda política nos fala constantemente de uma possível invasão de Cuba.

SL – Mas ocorreu uma, não?

YS – Quando?

SL – Em 1961. E, em 2003, Roger Noriega, subsecretário de Estado para Assuntos Interamericanos, disse que qualquer onda migratória cubana em direção aos Estados Unidos seria considerada uma ameaça à segurança nacional e exigiria uma resposta militar.

YS – É outro assunto. Voltando ao tema da entrevista, creio que ela permitiu esclarecer alguns pontos. Tenho a impressão de que há uma intenção de ambos os lados de não normalizar as relações, de não se entender. Perguntei-lhe quando encontraríamos uma solução.

SL – A seu ver, quem é responsável por este conflito entre os dois países?

YS – É difícil apontar um culpado.

SL – Neste caso específico, são os Estados Unidos que impõem sanções unilaterais a Cuba, e não o contrário.

YS – Sim, mas Cuba confiscou propriedades dos Estados Unidos.

SL – Tenho a impressão de que a senhora faz o papel de advogada de Washington.

YS – Os confiscos ocorreram.

SL – É verdade, mas foram realizados conforme o direito internacional. Cuba também confiscou propriedades da França, Espanha, Itália, Bélgica, Reino Unido, e indenizou estas nações. O único país que recusou as indenizações foram os Estados Unidos.

YS – Cuba também permitiu a instalação de bases militares em seu território e de mísseis de um império distante…

SL – …Como os Estados Unidos instalaram bases nucleares contra a URSS na Itália e na Turquia.

YS – Os mísseis nucleares podiam alcançar os Estados Unidos.

SL – Assim como os mísseis nucleares norte-americanos podiam alcançar Cuba ou a URSS.

YS – É verdade, mas creio que houve uma escalada no confronto por parte de ambos os países.

Os cinco presos políticos cubanos e a dissidência

SL – Abordemos outro tema. Fala-se muito dos cinco presos políticos cubanos nos Estados Unidos, condenados à prisão perpétua por infiltrar grupelhos de extrema direita na Flórida envolvidos no terrorismo contra Cuba.

YS – Não é um tema que interesse à população. É propaganda política.

SL – Mas qual é seu ponto de vista a respeito?

YS – Tentarei ser o mais neutra possível. São agentes do Ministério do Interior que se infiltraram nos Estados Unidos para coletar informações. O governo de Cuba disse que eles não desempenhavam atividades de espionagem, mas sim que haviam infiltrado grupos cubanos para evitar atos terroristas. Mas o governo cubano sempre afirmou que esses grupos estavam ligados a Washington.

SL – Então os grupos radicais de exilados têm laços com o governo dos Estados Unidos.

YS – É o que diz a propaganda política.

SL – Então não é verdade.

YS – Se é verdade, significa que os cinco realizavam atividades de espionagem.

SL – Neste caso, os Estados Unidos têm de reconhecer que os grupos violentos fazem parte do governo.

YS – É verdade.

SL – A senhora acha que os Cinco devem ser libertados ou merecem a punição?

YS – Creio que valeria a pena revisar os casos, mas em um contexto político mais apaziguado. Não acho que o uso político deste caso seja bom para eles. O governo cubano midiatiza demais este assunto.

SL – Talvez por ser um assunto totalmente censurado pela imprensa ocidental.

YS – Creio que seria bom salvar essas pessoas, que são seres humanos, têm uma família, filhos. Por outro lado, contudo, também há vítimas.

SL – Mas os cinco não cometeram crimes.

YS – Não, mas forneceram informações que causaram a morte de várias pessoas.

SL – A senhora se refere aos acontecimentos de 24 de fevereiro de 1996, quando dois aviões da organização radical Brothers to the Rescue foram derrubados depois de violar várias vezes o espaço aéreo cubano e lançar convocações à rebelião.

YS – Sim.

SL – No entanto, o promotor reconheceu que era impossível provar a culpa de Gerardo Hernández neste caso.

YS – É verdade. Penso que, quando a política se intromete em assuntos de justiça, chegamos a isso.

SL – A senhora acha que se trata de um caso político?
YS – Para o governo cubano, é um caso político.

SL – E para os Estados Unidos?

YS – Penso que existe uma separação dos poderes no país, mas é possível que o ambiente político tenha influenciado os juízes e jurados. Não creio, no entanto, que se trate de um caso político dirigido por Washigton. É difícil ter uma imagem clara deste caso, pois jamais obtivemos uma informação completa a respeito. Mas a prioridade para os cubanos é a libertação dos presos políticos.

O financiamiento dos dissidentes cubanos pelos Estados Unidos

SL – Wayne S. Smith, último embaixador dos Estados Unidos em Cuba, declarou que era “ilegal e imprudente enviar dinheiro aos dissidentes cubanos”. Acrescentou que “ninguém deveria dar dinheiro aos dissidentes, muito menos com o objetivo de derrubar o governo cubano”.

Ele explica: “Quando os Estados Unidos declaram que seu objetivo é derrubar o governo cubano e depois afirmam que um dos meios para conseguir isso é oferecer fundos aos dissidentes cubanos, estes se encontram de fato na posição de agentes pagos por uma potência estrangeira para derrubar seu próprio governo”.

YS – Creio que o financiamento da oposição pelos Estados Unidos tem sido apresentado como uma realidade, o que não é o caso. Conheço vários membros do grupo dos 75 dissidentes presos em 2003 e duvido muito dessa versão. Não tenho provas de que os 75 tenham sido presos por isso. Não acredito nas provas apresentadas nos tribunais cubanos.

SL – Não creio que seja possível ignorar esta realidade.

YS – Por quê?

SL – O próprio governo dos Estados Unidos afirma que financia a oposição interna desde 1959. Basta consultar, além dos arquivos liberados ao público, a seção 1.705 da lei Torricelli, de 1992, a seção 109 da lei Helms-Burton, de 1996, e os dois informes da Comissão de Assistência para uma Cuba Livre, de maio de 2004 e julho de 2006. Todos esses documentos revelam que o presidente dos Estados Unidos financia a oposição interna em Cuba com o objetivo de derrubar o governo de Havana.

YS: Não sei, mas…

SL – Se me permite, vou citar as leis em questão. A seção 1.705 da lei Torricelli estipula que “os Estados Unidos proporcionarã o assistência às organizações não-governamentais adequadas para apoiar indivíduos e organizações que promovem uma mudança democrática não violenta em Cuba.”

A seção 109 da lei Helms-Burton também é muito clara: “O presidente [dos Estados Unidos] está autorizado a proporcionar assistência e oferecer todo tipo de apoio a indivíduos e organizações não-governamentais independentes para unir os esforços a fim de construir uma democracia em Cuba”.

O primeiro informe da Comissão de Assistência para uma Cuba Livre prevê a elaboração de um “sólido programa de apoio que favoreça a sociedade civil cubana”. Entre as medidas previstas há um financiamento de 36 milhões de dólares para o “apoio à oposição democrática e ao fortalecimento da sociedade civil emergente”.

O segundo informe da Comissão de Assistência para uma Cuba Livre prevê um orçamento de 31 milhões de dólares para financiar ainda mais a oposição interna. Além disso, está previsto para os anos seguintes um financiamento anual de pelo menos 20 milhões de dólares, com o mesmo objetivo, “até que a ditadura deixe de existir”.

YS – Quem lhe disse que esse dinheiro chegou às mãos dos dissidentes?

SL – A Seção de Interesses Norte-americanos afirmou em um comunicado: “A política norte-americana, faz muito tempo, é proporcionar assistência humanitária ao povo cubano, especificamente a famílias de presos políticos. Também permitimos que as organizações privadas o façam.”

YS – Bem…

SL – Inclusive a Anistia Internacional, que lembra a existência de 58 presos políticos em Cuba, reconhece que eles estão detidos “por ter recebido fundos ou materiais do governo norte-americano para realizar atividades que as autoridades consideram subversivas e prejudiciais para Cuba”.

YS – Não sei se…

SL – Por outro lado, os próprios dissidentes admitem receber dinheiro dos Estados Unidos. Laura Pollán, das Damas de Branco, declarou: “Aceitamos a ajuda, o apoio, da ultradireita à esquerda, sem condições”. O opositor Vladimiro Roca também confessou que a dissidência cubana é subvencionada por Washington, alegando que a ajuda financeira recebida era “total e completamente lícita”. Para o dissidente René Gómez, o apoio econômico por parte dos Estados Unidos “não é algo a esconder ou de que precisemos nos envergonhar” .

Inclusive a imprensa ocidental reconhece. A agência France Presse informa que “os dissidentes, por sua parte, reivindicaram e assumiram essas ajudas econômicas”. A agência espanhola EFEmenciona os “opositores financiados pelos Estados Unidos”. Quanto à agência de notícias britânica Reuters, “o governo norte-americano fornece abertamente um apoio financeiro federal às atividades dos dissidentes, o que Cuba considera um ato ilegal”. E eu poderia multiplicar os exemplos.

YS – Tudo isso é culpa do governo cubano, que impede a prosperidade econômica de seus cidadãos, que impõe um racionamento à população. É preciso fazer fila para conseguir produtos. É necessário julgar antes o governo cubano, que levou milhares de pessoas a aceitar a ajuda estrangeira.

SL – O problema é que os dissidentes cometem um delito que a lei cubana e todos os códigos penais do mundo sancionam severamente. Ser financiado por uma potência estrangeira é um grave delito na Franca e no restante do mundo.

YS – Podemos admitir que o financiamento de uma oposição é uma prova de ingerência, mas…

SL – Mas, neste caso, as pessoas que a senhora qualifica de presos políticos não são presos políticos, pois cometeram um delito ao aceitar dinheiro dos Estados Unidos, e a justiça cubana as condenou com base nisso.

YS – Creio que este governo se intrometeu muitas vezes nos assuntos internos de outros países, financiando movimentos rebeldes e a guerrilha. Interveio em Angola e…

SL – Sim, mas se tratava de ajudar os movimentos independentistas contra o colonialismo português e o regime segregacionista da África do Sul. Quando a África do Sul invadiu a Namíbia, Cuba interveio para defender a independência deste país. Nelson Mandela agradeceu publicamente a Cuba e esta foi a razão pela qual fez sua primeira viagem a Havana, e não a Washington ou Paris.

YS – Mas muitos cubanos morreram por isso, longe de sua terra.

SL – Sim, mas foi por uma causa nobre, seja em Angola, no Congo ou na Namíbia. A batalha de Cuito Cuanavale, em 1988, permitiu que se pusesse fim ao apartheid na África do Sul. É o que diz Mandela! Não se sente orgulhosa disso?

YS – Concordo, mas, no fim das contas, incomoda-me mais a ingerência de meu país no exterior. O que faz falta é despenalizar a prosperidade.

SL – Inclusive o fato de se receber dinheiro de uma potência estrangeira?

YS – As pessoas têm de ser economicamente autônomas.

SL – Se entendo bem, a senhora preconiza a privatização de certos setores da economia.

YS – Não gosto do termo “privatizar” , pois tem uma conotação pejorativa, mas colocar em mãos privadas, sim.

Conquistas sociais em Cuba?

SL – É uma questão semântica, então. Quais são, para a senhora, as conquistas sociais deste país?

YS – Cada conquista teve um custo enorme. Todas as coisas que podem parecer positivas tiveram um custo em termos de liberdade. Meu filho recebe uma educação muito doutrinária e contam-lhe uma história de Cuba que em nada corresponde à realidade. Preferiria uma educação menos ideológica para meu filho. Por outro lado, ninguém quer ser professor neste país, pois os salários são muito baixos.

SL – Concordo, mas isso não impede que Cuba seja o país com o maior número de professores por habitante do mundo, com salas de 20 alunos no máximo, o que não ocorre na França, por exemplo.

YS – Sim, mas houve um custo, e por isso a educação e a saúde não são verdadeiras conquistas para mim.

SL – Não podemos negar algo reconhecido por todas as instituições internacionais. Em relação à educação, o índice de analfabetismo é de 11,7% na América Latina e 0,2% em Cuba. O índice de escolaridade no ensino primário é de 92% na América Latina e 100% em Cuba, e no ensino secundário é de 52% e 99,7%, respectivamente. São cifras do Departamento de Educação da Unesco.

YS – Certo, mas, em 1959, embora Cuba vivesse em condições difíceis, a situação não era tão ruim. Havia uma vida intelectual florescente, um pensamento político vivo. Na verdade, a maioria das supostas conquistas atuais, apresentadas como resultados do sistema, eram inerentes a nossa idiossincrasia. Essas conquistas existiam antes.

SL – Não é verdade. Vou citar uma fonte acima de qualquer suspeita: um informe do Banco Mundial. É uma citação bastante longa, mas vale a pena.

“Cuba é internacionalmente reconhecida por seus êxitos no campo da educação e da saúde, com um serviço social que supera o da maior parte dos países em desenvolvimento e, em certos setores, comparável ao dos países desenvolvidos. Desde a Revolução cubana de 1959 e do estabelecimento de um governo comunista com partido único, o país criou um sistema de serviços sociais que garante o acesso universal à educação e à saúde, proporcionado pelo Estado. Este modelo permitiu que Cuba alcançasse uma alfabetização universal, a erradicação de certas enfermidades, o acesso geral à água potável e a salubridade pública de base, uma das taxas de mortalidade infantil mais baixas da região e uma das maiores expectativas de vida. Uma revisão dos indicadores sociais de Cuba revela uma melhora quase contínua desde 1960 até 1980. Vários índices importantes, como a expectativa de vida e a taxa de mortalidade infantil, continuaram melhorando durante a crise econômica do país nos anos 90… Atualmente, o serviço social de Cuba é um dos melhores do mundo em desenvolvimento, como documentam numerosas fontes internacionais, entre elas a Organização Mundial de Saúde, o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento e outras agências da ONU, e o Banco Mundial. Segundo os índices de desenvolvimento do mundo em 2002, Cuba supera amplamente a América Latina e o Caribe e outros países com renda média nos mais importantes indicadores de educação, saúde e salubridade pública.”

Além disso, os números comprovam. Em 1959, a taxa de mortalidade infantil era de 60 por mil. Em 2009, era de 4,8. Trata-se da taxa mais baixa do continente americano do Terceiro Mundo; inclusive mais baixa que a dos Estados Unidos.

YS – Bom, mas…

SL – A expectativa de vida era de 58 anos antes da Revolução. Agora é de quase 80 anos, similar à de muitos países desenvolvidos. Cuba tem hoje 67.000 médicos frente aos 6.000 de 1959. Segundo o diário ingles The Guardian, Cuba tem duas vezes mais médicos que a Inglaterra para uma população quatro vezes menor.

YS – Certo, mas, em termos de liberdade de expressão, houve um recuo em relação ao governo de Batista. O regime era uma ditadura, mas havia uma liberdade de imprensa plural e aberta, programas de rádio de todas as tendências políticas.

SL – Não é verdade. A censura da imprensa também existia. Entre dezembro de 1956 e janeiro de 1959, durante a guerra contra o regime de Batista, a censura foi imposta em 630 de 759 dias. E aos opositores reservava-se um triste destino.

YS – É verdade que havia censura, intimidações e mortos ao final.

SL – Então a senhora não pode dizer que a situação era melhor com Batista, já que os opositores eram assassinados. Já não é o caso hoje. A senhora acha que a data de 1º de janeiro é uma tragédia para a história de Cuba?

YS – Não, de modo algum. Foi um processo que motivou muita esperança, mas traiu a maioria dos cubanos. Fui um momento luminosos para boa parte da população, mas puseram fim a uma ditadura e instauraram outra. Mas não sou tão negativa como alguns.

Luis Posada Carriles, a lei de Ajuste Cubano e a emigração

SL – O que acha de Luis Posada Carriles, ex-agente da CIA responsável por numerosos crimes em Cuba e a quem os Estados Unidos recusam-se a julgar?

YS – É um tema político que não interessa às pessoas. É uma cortina de fumaça.

SL – Interessa, pelo menos, aos parentes das vítimas. Qual é seu ponto de vista a respeito?

YS – Não gosto de ações violentas.

SL – Condena seus atos terroristas?

YS – Condeno todo ato de terrorismo, inclusive os cometidos atualmente no Iraque por uma suposta resistência iraquiana que mata os iraquianos.
SL – Quem mata os iraquianos? Os ataques da resistência ou os bombardeios dos Estados Unidos?

YS – Não sei.

SL – Uma palavra sobre a lei de Ajuste Cubano, que determina que todo cubano que emigra legal o ilegalmente para os Estados Unidos obtém automaticamente o status de residente permanente.

YS – É uma vantagem que os demais países não têm. Mas o fato de os cubanos emigrarem para os Estados Unidos deve-se à situação difícil aqui.

SL – Além disso, os Estados Unidos são o país mais rico do mundo. Muitos europeus também emigram para lá. A senhora reconhece que a lei de Ajuste Cubano é uma formidável ferramenta de incitação à emigração legal e ilegal?

YS – É, efetivamente, um fator de incitação.

SL – A senhora não vê isso como uma ferramenta para desestabilizar a sociedade e o governo?

YS – Neste caso, também podemos dizer que a concessão da cidadania espanhola aos descendentes de espanhóis nascidos em Cuba é um fator de desestabilizaçã o.

SL – Não tem nada a ver, pois existem razões históricas e, além disso, a Espanha aplica esta lei a todos os países da América Latina e não só a Cuba, enquanto a lei de Ajuste Cubano é única no mundo.

YS – Mas existem fortes relações. Joga-se beisebol em Cuba como nos Estados Unidos.

SL – Na República Dominicana também, mas não existe uma lei de ajuste dominicano.

YS – Existe, no entanto, uma tradição de aproximação.

SL – Então por que esta lei não foi aprovada antes da Revolução?

YS – Por que os cubanos não queriam deixar seu país. Na época, Cuba era um país de imigração, não de emigração.

SL – É absolutamente falso, já que, nos anos 50, Cuba ocupava o segundo lugar entre os países americanos em termos de emigração rumo aos Estados Unidos, imediatamente atrás do México. Cuba mandava mais emigrantes para os Estados Unidos que toda a América Central e toda a América do Sul juntas, enquanto que atualmente Cuba só ocupa o décimo lugar apesar da lei de Ajuste Cubano e das sanções econômicas.

YS – Talvez, mas não havia essa obsessão de abandonar o país.

SL – As cifras demonstram o contrário. Atualmente, repito, Cuba só ocupa o décimo lugar no continente americano em termos de fluxo migratório para os Estados Unidos. Então a obsessão da qual você me fala é mais forte en nove países do continente pelo menos.

YS – Sim, mas naquela época os cubanos iam e regressavam.

  • Jussara Lourenco

    Edu,

    Para mim, fica evidente que ela está sendo financiada.
    Muito fraquinha de argumentos essa blogueira.
    Moro fora do Brasil e acompanho muito de perto um caso em que uma canadense casou-se com um cubano há cinco anos e até agora ele não faz questão de sair de cuba. E olha que, casado, ele entraria no Canadá já como residente permanente.
    Sempre penso sobre esse caso: se as coisas são tão difíceis por lá, porque ele não quer vir para cá?
    Grata por partilhar essa entrevista.

  • Cristiano Torres

    Caro Eduardo, sempre prestando belos serviços ao leitor brasileiro.

    Gostaria apenas de dar uma sugestão: evite o uso massivo de negrito e itálico. São formas que exercem certas funções, como por exemplo dar destaque aos títulos (no caso de negrito) ou aos nomes de obras autorais, como o de uma obra literária ou cinematográfica (no caso de itálico). Ressaltar um texto inteíro com itálico, com negrito (com os dois, então!) dificulta a legibilidade e exige mais esforço dos olhos. Para separar o seu comentário de um texto alheio você pode dar mais espaço, fazer uma caixa etc.

    Quanto à blogueira, sem comentários, ela nem merece …

  • Scan

    Nossa! Foi REALMENTE um massacre! E a dona aí deve ter se amaldiçoado por ter aceito a entrevista.
    É porrada a torto e a direito, a troca tintas não sabe nem pra onde ir.
    A cada opinião canhestra, o entrevistador a entope com dados e citações de entidades ISENTAS que devem tê-la deixado sem fôlego e xingando o cara por dentro.
    Demais, Edu, demais!
    Só não entendi porque ela, em seu blog, cita o PSDB, o SSerra e o tucanato paulista:

    “… Em seu blog, a senhora diz: “o barco que faz água a ponto de naufragar”. A senhora fala dos “gritos do déspota”, de “seres das sombras, que, como vampiros, se alimentam de nossa alegria humana, nos incutem o medo por meio da agressão, da ameaça, da chantagem”, e afirma que “naufragaram o processo, o sistema, as expectativas, as ilusões. [É um] naufráfio [total]“. São palavras muito fortes.”

    Ou será que fiz alguma confusão? Rsrsrs…

  • Helder

    Há muitos desse naipe na grande mídia nacional, escrevem bobagens e são financiados, se bobear pelos mesmos americanos e europeus que bancam a fulana aí.

  • Yoany é uma farsa. Essa farsa só se mantém porque a mídia internacional (salvo raras exceções) é conivente com ela.

    O jornalismo verdadeiro está praticamente extinto. Se não fosse assim, essa mulher teria que trabalhar para viver, ao invés de ser sustentada por dinheiro que lhe mandam do exterior.

    • Anonimo

      Voce ja conheceu a Yoani Sanchez? Conhece Cuba, vivio em Cuba com salario de usd 20.00 por mes?

      • Jaime Rodrigues

        Caro leitor anônimo: O sr também já esteve lá? Deixe de ser enrustido!

      • Precisa conhecer a farsante pra saber que ela é uma farsa?

        Precisa viver em Cuba e sofrer os efeitos do embargo estadunidense pra saber que ela é uma farsa?

        Não, não precisa. A direitalha continua com esses argumentos infantis que apenas mostram o quanto lhes faz falta um cérebro.

  • Fabio Amaral Di Fini

    Essa jovem é só uma detratora “freelancer” do regime de Cuba, muito bem paga; seu “trabalho” é o mesmo que o de todos os outros “detratores profissionais” que a imprensa brasileira emprega regularmente, não só para desmerecer o governo popular de Cuba, como também qualquer outro governo popular e, principalmente, aquele do próprio Brasil. Espero que não venha ao Brasil, pois desse blá-blá-blá já temos demais por aqui. Certamente, seria mais interessante recebermos um ex-prisioneiro da base militar americana de Guantánamo, ou do complexo de Abu-Ghraib no Iraque, local das tristemente célebres fotos tiradas pelos próprios soldados americanos, onde cidadãos iraquianos suspeitos (reitero, apenas SUSPEITOS) de serem simpatizantes de Saddam Hussein ou da Al-Qaeda, eram sistematicamente humilhados, coagidos e vilipendiados, para não dizer TORTURADOS… Ou talvez, sem precisar trazer ninguém de fora, a grande imprensa brasileira poderia dar voz a um membro da Comunidade do Pinheirinho, em São José dos Campos… Há assunto para muitas edições, case se investigue a fundo o que ocorreu por lá no final de semana passado… Será que o “Estadão”, a “Folha”, o “Globo”, a “Veja” e similares teriam algum interesse nisso?

  • Avelino

    Caro Eduardo
    É de perder o folego essa entrevista, que massacre, dos dois lados, elas tentando se esquivar de que é uma oposição comprada, e ele, ao desmentir cada argumento que ela usava para defender suas posições.
    Que ela é uma bandoleira, só a direita não sabe, por que a própria direita vive disso, é a oposição que agrada a Miami e a direita do Brasil e do mundo.
    Pena que não haja mais entrevistas com ela nesse nível, o desmoronamento é total.
    Saudações

  • H.Pires

    Essa FILHA DA…… SIP(sociedade interamericana de imprensa/globo), é mais uma das PROSTITU..pretendentes a se JUNTAR a qualquer um da midia paulista e irem felizes, em AJUNTAMENTO nupcial, morar nos novos empreendimentos a se erguer em PINHEIRINHO. Terá ampla cobertura jornalistica, esse ajuntamento, da ELITE MIDIATICA GLOBO/AMAURY JUNIOR. As MULHERES RICAS, da elite paulistana que, de tanto champagne, farão “strip-tese”, como de costume, em cima das mesas dessa festa. Também em COMEMORAÇÃO A EXPULSÃO DOS POBRES que, ousadamente, queriam morar lá no PINHEIRINHO. Padrinhos do AJUNTAMENTO NUPCIAL: NAZI-NAHAS, JUIZA MATHEY, ALCKIMIM E SENHORA DONA DAS LU ALCKIMIM e várias outras personalidades da ELITE PAULISTANA. A segurança, da festa, será efetuada pela incorruptivel PM PAULISTA. Ao final, serão distribuidas, AOS SERVIÇAIS, CARNE DOS CACHORROS ABATIDOS NO PINHEIRINHO. UM LUXO SÓ. Sendo que, estas festas da ELITE, sempre são “abençoadas” por (asmo) DEUS, que é o deus deles. Parabéns a eles.

  • Gerson Carneiro

    Yoani Sanchez é a Soninha Francine de Cuba. Óbvio, mais famosa por conta de quem a patrocina.

    Vindo ao Brasil terá emprego garantido no PIG. Não é difícil imaginar a Yoani Sanchez integrado o quado do Manhattan desConnection ao lado dos desConnections Boys, ou sentada nas poltronas do Saia Justa ao lado da Soninha e da Maitê.

    • Juliano Santos

      Gerson, pode até parecer piada o que você fala, mas não é não. Se ela vier ao Brasil, o que duvido, vai direto para o sofá do saia justa.
      Mas acho mais provável que vá para New york, integrar a parte calsinha do “Cueca justa” Connectiion, onde fará um par inacreditável com o Mainardi. Sem contar o sionista “matem cientistas iranianos” Caio Blinder.
      A Soninha cubana não virá ao Brasil, apenas pediu “asilo” presumindo que lhe seria negada, pois acreditando no pig, acha que o Lula instaurou uma ditadura bolivariana pós-castrista no país.
      Isto lhe daria um bom upgrade em seu currículo de “perseguida politica”

      • Marcelo Pinheiro

        Ou vai ficar com frescuras com o Jô Soares no programa dele!

  • Wilsoleaks Alves

    Pensando bem, até compreendo porque Cuba não costuma autorizar a saída de Yoany Sanchez para o exterior: creio ser para que o mundo não tenha uma má impressão dos cubanos.

  • Romanelli

    resumindo o que já foi dito, ela é pau mandado e esta a serviço de outras correntes, portanto, qq de seus ditos tem que ser observado com um baita filtro (ela e tipo uma Soninha, entende?)

    por se falar nisso, vc viu que Kassab (o cavalo de Tróia) vai presentear a família “da Silva”, o painho, pra ver se consegue apoio e teta ? ..pronto, só faltava, será que agora no PT valerá a máxima, “quem a meu filho agrada minha boca adoça” ..ahhh, se a moda pega ?

    mas voltando ..lembro que aqui, antigamente, filho de escravo nascia escravo ..e em Cuba, hoje, sequer eles praticam a lei do sexagenário, muito menos a do ventre livre

    me diga, independente dos pecados, como ainda se justifica um Estado manter ilhado pessoas que não querem mais ali permanecer ?

    será que lá, no latifúndio de Cuba, será que quem nasce, só por nascer, já nasce devendo ? ..mas isso, do que sei, contraria até o direito mais básico de qq rebento, o de não assumir as dividas e pecados dos pais

    não, desculpe, em que pese os méritos da Revolução (na alimentação mínima, saúde, educação e moradia) penso que os comandantes” pararam no tempo ..e tudo aquilo, aliás, antes que falem, tal qual o modelo dos EUA, tudo aquilo cheira a mofo mesmo, barbárie

    Penso que um ser humano NÃO pode nem deve ser tido apenas como um insumo ou instrumento de uma ideologia, um BEM do Estado (ou de um grupo de homens) que se acharia no direito de fazer dele o que bem entendesse ..isso tem nome, chama-se CARCERE DO ESTADO

    em tempo, ontem o STF decidiu que JUIZ é “inademitido”, ou seja, quando pego de calças arreadas e fazendo mal feito pra cima do cidadão, o filho desta república, no máximo, poderá ser aposentado tendo direito a aposentadoria proporcional ..ahhh que beleza, não ?!

    Brasil, se continuar assim, até os ETs vão desistir

    • Ja respondi essa menma pergunta em outro comentário seu.

      E repito a pergunta: o que faria vc?

      Deixaria as fronteiras abertas para que o embargo econômico, combinado com a promessa de cidadania automática nos EUA, provocasse um êxodo maciço?

      Permitiria que os agentes financiados pelos EUA pudessem viajar pra aprimorar seus métodos?

      Deixaria que aqueles que a sociedade cubana educou a grande custo social deixasse o país logo depois de formados em troca dos privilégios que receberão nos EUA e aliados incondicionais?

      Ou sacrificaria essa liberdade pra manter todas as demais, que ruiriam sob o peso do êxodo, devolvendo Cuba aos herdeiros de Batista e à condição de mero satélite estadunidense?

  • Edu,
    Foi essa entrevista que me abriu os olhos para a realidade cubana.Foi dela que comecei a perceber que tudo o que se dizia de Cuba era 99% uma grande mentira.

    Olha bem a casa dessa blogueira, que tem seus rendimentos apenas nos trabalhos do seu blog, do dinheiro liberado pelo senado dos EUA. Para o padrão cubano pode-se dizer que é luxuosa.

    Tornei-me defensora feroz de Cuba depois dessa matéria. Ninguém fala mal de Cuba e principalmente de Fidel na minha frente sem ouvir um grande e chato discurso.

    • Anonimo

      Abaixo a dictadura dos Castros!Eles roubaram e saqueram o pais inteiro!

  • Cleiry

    Esse post de hoje mostra o quanto poderemos perder se de fato a internet passar a ser censurada… De fato, a ditabranda.

    http://coisasmiudasegraudas.blogspot.com/2011/11/salve-internet-do-planeta.html#links

  • Gerson Carneiro

    Hummmm… essa camisa branca, cheia de babados, me lembra alguém do PSOL aliada ao supra sumo da Direita atacando o Lula. Parece que é uniforme universal.

  • Marat

    Essa mulher é uma farsa bastante conveniente aos “donos da verdade” ocidentais… ganham esmolas de luxo para repetir o que o patrão manda. Ridícula essa mulher! Ao que tudo indica não gosta de trabalhar…

  • luiz

    Mude-se para Cuba caro blogueiro, e leve junto Lula, Dirceu e toda essa cambada.
    Limpem o Brasil.

    • eduguim

      Dez entre dez filhotes de nazistas como você só sabem dizer isso quando colocados diante de provas de que tudo o que sabem e dizem de Cuba é mentira

      • luiz

        Vou lhe dizer, não tenho nada contra Cuba e até admiro Fidel e sua revolução. Já li sobre Cuba, livros e artigos, sempre me interessou.
        Detestável são vocês, mentirosos, defenderem ladrões como Lula, Dirceu e toda a fábrica de mentira do PT e tentarem apregoar que Cuba é um paraíso m que o Brasil deveria se espelhar.
        O que vocês querem, na verdade, não é seguir o modelo de Fidel, vocês querem é perpetuar-se no poder, como Fidel.
        Se Fidel soubesse………………………………………..

        • eduguim

          Seria bom que lesse Privataria Tucana para saber quem são os ladrões. Aliás, nem precisa ler, pois ficará sabendo de tudo pela CPI. Inclusive, seu comentário só revela que não sabe como rebater o massacre dessa farsa que é Yoany Sanchez pelo jornalista francês. Mas isso você não sabe porque, como bom energúmeno, comentou este post sem ler

          • Clóvis

            Edu, ainda vc foi complacente com o troll, chamando-o de “bom energúmeno”.. Eu já não teria tanta paciência, com esse filhote da direita…

          • Adilton Jore Ferreira Cruz

            Caro Edu.
            Não precisa publicar, pois quando fico indignado costumo ser um pouco agressivo, mas, na verdade, a entrevista é longa demais para que pessoas como esse Sr. Luiz possam ler e entender. Para eles, tem que ser publicado frase por frase, com a devida explicação da mesma (explicação às vezes acompanhada de desenhos, claro). Ah, comece por explicar-lhe o que significa “energúmeno”. Prepare todo um arsenal de palavras, desenhos, parábolas, etc., pois sou professor e sei do que estou falando.
            Abraços.

          • Panambi

            Caro Eduardo, ao ler comentário absolutamente idiota como este do Sr. Luiz , dá até saudades dos antigos troll´s que destilavam suas idiotices por aqui…os comentários deste aí não dá para chamar de idiotas, seria um elogio…

        • LUIZ!!!! O que está fazendo aqui no Brasil? já tá tarde arrumas sim a sua mala e levas contigo toda sua “amargura” SR. EDUARDO!!! Essa cara YOANI É A VERDADEIRA CARA DE PAU!!!!!! Ela acredita nas mentiras dela e pensas que todos pegam carona nas suas mentiras !!!!! como escreve o nosso nobre amigo CARLOS HENRIQUE!!!! BOBA DA CORTE!!!!!!!!!!!! JAMAIS “EUZINHA ” cuspiria no prato que comi” VIVA MEU…NOSSO BRASIL” VIVA NOSSA PRESIDENTA DILMA que cada dia que passa tenho mais orgulho a alegria de ter votado nela!!!!!!!!

          • luiz

            Cara Sirlei, também estou orgulhoso da Dilma.
            Não votei nela, mas estou gostando de ver como ela vai, aos poucos, afastando-se do PT.
            Basta ela ter um pouco de âncora política e o Lulinha não vai mais conseguir palpitar em nada.
            TODO o ministério que o lulinha deixou, Dilma está afastando, e afastando o lulinha (safado) também.
            Dilme mostra um enorme constrangimento em aparecer ao lado do Lula. Mas evidentemente que você não consegue perceber isso.
            Para você o PT é religião e Lula é seu deus. Diante disso é natural a sua cegueira. Você não conseguirá enxergar o mar de lama do PT.
            E ADEMAIS CARO BLOGUEIRO, nunca havia postado em um blog em que o próprio moderador ofende os comentaristas.
            Diante disso posso apostador, ENERGÚMENO É VOCÊ.

          • Juliano Santos

            “Dilme mostra um enorme constrangimento em aparecer ao lado do Lula.”
            O sujeito diz isso e não quer ser chamado de energúmeno.
            Caraca, esses trolls querem transformar o blog do Edu num humorístico tipo “Zorra Total”

        • Carlos Veloso de Figueiredo Leitão

          Luiz, volte para seu ninho meu camarada…. aproveite que ainda resta um pouquinho dele (até outubro) em São Paulo…..

        • Anonimo

          Cuba e uma estafa, uma mentira! O povo cubano e escravo.

        • Caro LUIZ!!!!!O PT e nenhum partido que exista será o MEU DEUS!!!, Pois sei que nenhum partido é cem por cento correto : Sei também que existem safados por todo lado, e adoro quando são desmascarados, sejam de qual for o partido!!! Nao vivo de ilusão nem tampouco sou cega. AGRADEÇO DE CORAÇÃO QUANDO FALAS DE BEM DA DILMA PRESIDENTA , ela é merecedora!!!! desculpa se te ofendi , mas que essa cara aumenta ….ah…e como aumenta!!!! aumenta e inventa!!!! ficas com DEUS!!!!!!!

    • Marcelo Pinheiro

      Prezado Luiz,

      Refestele-se contidamente em sua ignorância e poupe-nos de estupidez!

    • Jacó do B

      E você mude para os Estados Unidos para os marines “refrescarem” você……democráticamente! Democracia pra você é aquilo lá, né?

    • El Cid

      proselitismo político para os tucanos… coerência com você passou longe, cidadão !!

      tsc, tsc, tsc…

  • Paulo Geroldo

    Não tive paciência de ler toda a entrevista, mas pelo que vi nenhum argumento da Yoani tem sustentação quando são feitas algumas perguntinhas básicas. Nossa mídia quando dá atenção demais a essa mulher, só prova cada vez mais o quanto é patética.

  • Carlos Henrique

    D-E-S-M-O-R-A-L-I-Z-A-D-A!!!!!!!!!!!!!! ESSA SAFADA, AGENTE DO IMPERIALISMO TEVE TODO O CABEDAL DE MENTIRAS QUE A SUSTENTA ESMAGADO PELA VERDADE QUE, COMO UM RAIO DE SOL, PURIFICA TODA A PODRIDÃO DE HIPOCRISIA POR ELA ATINGIDO! O MESMO DESTINO QUE TERIAM OS “JORNALISTAS” AMESTRADOS DA VERDADEIRA DITADURA QUE NOS ATINGE, A CONCRETA DITADURA MIDIÁTICA, SE NÃO VIVESSEM ESCONDIDOS EM SUAS REDAÇÕES E SE PERMITISSEM CINCO MINUTOS DE DEBATE COM AS PESSOAS QUE PENSAM NO BRASIL E ENXERGAM A REALIDADE PARA ALÉM DOS PRECONCEITOS E SIMPLIFICAÇÕES DOS DITADORES DA NOSSA CLASSE DOMINANTE. YOANI SANCHÉZ É UMA FARSA CONHECIDA, UMA AGENTE ESTADUNIDENSE QUE, DEPOIS DE VIVER E SER DOUTRINADA NA SUÍÇA(ONDE ENCONTRAM-SE INÚMEROS AGENTES DA AGÊNCIA DE ESPIONAGEM IANQUE)VOLTOU PARA CUBA PARA SABOTAR SEU PRÓPRIO PAÍS, VIVENDO CONFORTAVELMENTE EM UM LUXUOSO HOTEL(SUSTENTADA POR RECURSOS DE ORIGEM DESCONHECIDA!), DEDICANDO-SE A ATACAR COM SUAS MENTIRAS, SEU AHISTORICISMO E SUA CANALHICE UMA DAS POUCAS, PROVAVELMENTE A ÚNICA, VERDADEIRA DEMOCRACIA DESTE MUNDO, NA QUAL, ALÉM DOS DIREITOS DEMOCRÁTICOS À EDUCAÇÃO E À SAÚDE(NEGADOS À MILHÕES DE PESSOAS NO MUNDO, INCLUSIVE NOS EUA); AS PESSOAS VOTAM(ELEGEM OS MEMBROS DA ASSEMBLEIA NACIONAL, PRINCIPAL ÓRGÃO DIRIGENTE DO PAÍS)E PARTICIPAM POLITICAMENTE, PROPONDO SUGESTÕES E IDEIAS SOBRE O FUTURO DE CUBA, QUE SÃO DIVULGADOS E VOTADOS LIVREMENTE. VERDADES COMO ESSA PODEM SOAR ESTRANHOS PARA A MAIORIA DAS PESSOAS, EXATAMENTE PORQUE VIVEMOS NUMA DITADURA MIDIÁTICA, ONDE A OPINIÃO E A INFORMAÇÃO SÃO CONTROLADAS POR UMA OLIGARQUIA PRIVADA, QUE CENSURA QUAISQUER INFORMAÇÕES QUE DESMORALIZEM AS MENTIRAS POR ELA CONSTRUÍDAS(COMO BEM APONTOU O JORNALISTA FRACÊS COM RELAÇÃO AO SEU PRÓPRIO PAÍS, ONDE MILHÕES DE PESSOAS NÃO TÊM ACESSO À MÍDIA PRIVADA – E LEMBREMOS QUE A FRANÇA TEM UMA FORTE MÍDIA PÚBLICA, DIFERENTEMENTE DAQUI – E NÃO PODE EXPOR SEUS PONTOS DE VISTA NESSA MÍDIA). AO CONTRÁRIO DE CUBA, ONDE YOANI ATACA IMPUNEMENTE O REGIME(GOSTARIA DE SABER SE ALGUM BLOGUEIRO IANQUE, QUE PROPUSESSE O SOCIALISMO NAQUELE PAÍS, EXERCERIA LIVREMENTE SUA ATIVIDADE); E ONDE É PERMITIDO O LIVRE DEBATE, EM REDE NACIONAL, DE QUAISQUER PROPOSTAS REFERENTES À ILHA, INCLUINDO-SE AQUELAS QUE OPÕEM-SE RADICALMENTE ÀS ORIENTAÇÕES GOVERNAMENTAIS. QUAL A VERDADEIRA DITADURA? UM PAÍS ONDE OS OPOSITORES FAZEM PASSEATAS PEDINDO A DERRUBADA DO REGIME SEM SEREM INCOMODADOS(TODOS CONHECEM OS OPOSITORES CITADOS NO TEXTO, QUE VIVEM, E SERVEM DE BOBOS DA CORTE PARA A MÍDIA OCIDENTAL, SEM QUALQUER RESTRIÇÃO NA ILHA), CONTINUANDO A RECEBER OS SERVIÇOS DE UM ESTADO VOLTADO PARA OS INTERESSES DA POPULAÇÃ? – OS FILHOS DA TRAIDORA YOANI ESTUDAM GRATUITAMENTE NUM DOS MELHORES SISTEMAS EDUCACIONAIS DO MUNDO. SERÁ ESSA A DITADURA OU SERÁ AQUI, ONDE POBRES MISERÁVEIS, QUE JÁ NÃO TÊM QUALQUER ASSISTÊNCIA DO ESTADO, SÃO EXPULSOS DAS TERRAS EM QUE VIVIAM, PARA DEVOLVÊ-LAS A UM LADRÃO, POR UMA FORÇA ARMADA QUE OS TRATA DE MANEIRA PIOR DO QUE PAÍSES ADVERSÁRIOS TRATAM-SE EM GUERRA, SENDO TAIS ATROCIDADES ESCONDIDAS PELOS CONTROLADORES DA COMUNICAÇÃO, COMO TAMBÉM CALADAS AS VOZES QUE PRETENDEM OPOR-SE À TAMANHA BARBARIDADE! SEM CONTAR AS SABOTAGENS DIÁRIAS DOS CONTROLADORES DA MÍDIA CONTRA O PROGRESSO DO BRASIL. CONHECER AS REALIDADE QUE SITUADAS PARA ALÉM DAS PSEUDOAPARÊNCIAS CONSTRUÍDAS POR GENERALIZAÇÕES, NOS LEVARÁ A ENXERGAR QUEM SÃO OS VERDADEIROS INIMIGOS E ONDE ESTÃO OS REAIS AUTORITÁRIOS, POR ISSO QUE A DESMORALIZAÇÃO DE YOANI TEM QUE CHEGAR À POPULAÇÃO, ROMPENDO A CENSURA DOS BARÕES DA COMUNICAÇÃO, E AJUDANDO-A A LIBERTAR-SE DE TANTAS OUTRAS PRISÕES MENTAIS CONSTRUÍDAS PELOS DONOS DO PODER.

    • Mario Siqueira

      Prezado Edu Guimarães

      Retire este comentário (do Carlos Henrique). Texto em caixa alta, só ocupa espaço e ninguem lê.
      Parece mais uma tentativa de sabotagem ao blog.

      • Carlos Henrique

        MÁRIO SIMERDEIRA : A ÚNICA TENTATIVA DE SABOTAGEM EM CURSO AQUI É A SUA, SEU TROLL DE MERDA! USANDO A TÁTICA QUE ONZE ENTRE DEZ REACIONÁRIOS PAGOS USAM : TENTAR DESQUALIFICAR ARGUMENTOS QUE NÃO TÊM CONDIÇÕES DE RESPONDER ATRAVÉS DO DESTAQUE EXCESSIVO ATRIBUÍDO A ASPECTOS FORMAIS SEM IMPORTÂNCIA ALGUMA(TAMANHO DE LETRA, PARÁGRAFO). SEU PILANTRA A SERVIÇO DO PSDB, TENHA VERGONHA NA CARA E UM PINGO DE OMBRIDADE E PREOCUPE-SE EM EXPOR ARGUMENTOS(SE É QUE SEU CÉREBRO CONSEGUE ELABORAR UM MÍNIMO PENSAMENTO!)PARA TENTAR SALVAR SUA COMPANHEIRA DE MENTIRAS, A PATÉTICA YOANY SANCHEZ DO DESMASCARAMENTO QUE UMA SIMPLES ENTREVISTA PROPICIOU-LHE. ESTAMOS VENDO UMA FARSA MIDIÁTICA, QUE TENTA DESTRUIR UMA SOCIEDADE MARAVILHOSA COMO CUBA(EXATAMENTE PELAS QUALIDADES DE JUSTIÇA SOCIAL E RESPEITO HUMANO QUE POSSUI, PARA QUE ASSIM OS BILHÕES DE OPRIMIDOS DO PLANETA NÃO PERCEBAM QUE É SIM POSSÍVEL VIVER-SE EM SOCIEDADES DIGNAS E JUSTAS)SER DESMASCARADA, PERMITINDO QUE INÚMERAS OUTRAS POSSIBILIDADES DE CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE AS MENTIRAS QUE SUSTENTAM A EXPLORAÇÃO DE MUITOS POR POUQUÍSSIMOS SEJAM DESPERTADAS, E UM SAFADO COMO VOCÊ(QUE TAMBÉM PERTENCE AO GRUPO OPRIMIDO, MAS É TÃO BURRO QUE DEFENDE QUEM TE FERRA TODO DIA)VEM FALAR EM TAMANHO DE LETRA! DEIXA DE SER CÍNICO! É ASQUEROSO IMAGINAR QUE ALGUÉM SE VENDE A ESSE PONTO POR ALGUNS TROCADOS, PERMITINDO-SE ESTAR AO LADO DE GENTE QUE NÃO VALE NADA! USO E USAREI CAIXA ALTA SEMPRE QUE QUISER EXPRESSAR INDIGNAÇÃO : NÃO ACREDITO EM QUE NÃO SE INDIGNA! OU SEJA, TENHO NOJO DE GENTE COMO VOCÊ QUE, ALÉM DE NÃO SE INDIGNAR COM NADA, TRABALHA PARA DEFENDER OS TORTURADORES QUE MASSACRARAM PINHEIRINHO E É TÃO FROUXO QUE SEQUER TEM CORAGEM DE ASSUMIR QUAL É O SEU LADO!

        • Scan

          Me desculpe, Carlos Henrique, mas você não tem razão.
          O que pretende usando caixa alta?
          Que seu comentário seja “destacado” dos demais?
          Acho uma parvoíce de sua parte querer aparecer usando tal artifício.
          É muito desagradável de se ler e atrapalha bastante.
          Procure ser comedido com caixa alta, utilizando apenas quando quiser salientar alguma coisa no texto.
          Abraço.

          PS – Acusar alguem de troll porque lhe faz uma crítica PERTINENTE (viu?), é de uma infantilidade sem tamanho.

          • Carlos Henrique

            SPIN : INFANTILIDADE E PARVOÍCE É UM IDOTA COMO VOCÊ PERDER TEMPO ATACANDO OS COMENTÁRIOS DOS OUTROS, QUANDO DISCUTIMOS ALGO TÃO IMPORTANTE QUANDO A AÇÃO CÍNICA DE UMA AGENTE DO IMPERIALISMO ESTADUNIDENSE, TENTANDO DESMORALIZAR UMA NAÇÃO QUE LUTA SOMENTE PARA CONSTRUIR UMA SOCIEDADE DIGNA EM SEU TERRITÓRIO, EMBORA ISSO INCOMODE TODOS OS EXPLORADORES DO MUNDO, MESMO QUE CUBA NÃO POSSO AFETAR-LHES DIRETAMENTE OS PRIVILÉGIO. SEU IMBECIL E RETARDADO, O QUE EU ESCREVO, SE É AGRADÁVEL OU NÃO, AS MOTIVAÇÕES DE MEU TEXTO NÃO TÊM IMPORTÂNCIA NENHUMA. SÓ MESMO UM DEMENTE, UM TROLL PAGO PELO PSDB COMO VOCÊ PARA TENTAR DESVIAR O FOCO DAS DISCUSSÕES, EXATAMENTE POR NÃO TER ARGUMENTOS PARA REBATER AS IDEIAS APRESENTADAS NESTE ESPAÇO, FOCANDO EM SUPERFICIALIDADES SEM IMPORTÂNCIA. DIGO E REPITO : VOCÊ E O OUTRO SAFADO SÃO SIM DOIS TROLLS, PAGOS PELA DIREITA, A SERVIÇO DO PSDB E DA CLASSE DOMINANTE, PARA DEFENDEREM OS INTERESSES DE QUEM OS DESPREZA, AINDA QUE ESSES INTERESSES SEJAM TOTALMENTE CONTRÁRIOS AOS SEUS, MAS É MUITO PEDIR PARA O SEU CÉREBRO DISTORCIDO, PRESO AOS PRECONCEITOS, CONSEGUIR ENXERGAR ESSA REALIDADE. ESCREVO E ESCREVEREI DE CAIXA ALTA(E GRITARIA DE CAIXA ALTA NA TUA CARA SE ESTIVÉSSEMOS LADO A LADO)POIS ESSA É A MINHA FORMA DE MOSTRAR INDIGNAÇÃO(NÃO ACREDITO EM SAFADOS QUE NÃO SE INDIGNAM. SE NÃO O FAZEM É PORQUE APOIAM ESSES HORRORES E ESTÃO GANHANDO PARA DEFENDÊ-LOS). CONTINUAREI A EXPRESSAR A MINHA REVOLTA CONTRA A CLASSE DOMINANTE QUE GERA BARBARIDAES COMO A DE PINHEIRINHO, MEU DESPREZO POR ELES E POR VERMES COMO VOCÊ QUE OS SERVEM DE MANEIRA RASTEJANTE.

          • Haroldo Mourão Cunha

            Scan, pare com isso, faça igual que nem qui eu: passo batido!!!

        • Marcio.

          hahahaha…. esse cara é hilário. Não leio nada que ele escreve, principalmente esses testamentos em caixa alta, mas qualquer coisinha que falam com ele gera esse monte de insultos. Muito divertido.

    • Anonimo

      Cuanto jeito de comer merda!

    • Marcio

      Nem li.

  • Sebastião

    Na terrível ditadura daqui nem nos piores anos do Médice e do Geisel as pessoas eram impedidas de viajarem fora do país. Pelo se tinha uma alternativa: se a ditadura tava ruim tinha-se a porta de saída…
    Ja lá em Cuba nem isso. Só fugindo tentando a sorte na jangadinha.
    Aliás existem dificuldades impostas à mobilidade das pessoas até dentro do próprio país. Pessoas não podem mudar de cidade ou província sem permissão do governo. E as que fazem sofrem repressão.
    É um absurdo que você venha aqui defender aquele regime e desmerecer quem o critica. Mesmo que haja um suposto bem estar social não se justifica qualquer regime ditatorial onde seus governantes permanecem por tempo vitalício e que não respeita os mais elementares princípios dos direitos humanos.

    • Gilson Raslan

      Este deve ser mais uma agente da CIA.

    • Juliano Santos

      “Na terrível ditadura daqui nem nos piores anos do Médice e do Geisel as pessoas eram impedidas de viajarem fora do país. Pelo se tinha uma alternativa: se a ditadura tava ruim tinha-se a porta de saída…”
      Sim, para partir dessa para uma melhor. Não sem antes ser torturado de verdade ao contrário da Soninha cubana.
      Edu, está vendo como querem tranformar seu blog no “Zorra Total”? O Tião e o Luizinho parecem aquela dupla de travecos do metrô que só falam barbaridades

    • Aqui as pessoas eram FORÇADAS a sair do país, ou ser torturadas por quem calçava os coturnos que vc adora lamber.

      Aqui não havia um embargo econômico criminosos, levando o país à miséria, por 50 anos. Aqui, não ocorreria o êxodo maciço que ocorreria em Cuba (especialmente com a promessa de cidadania automática nos EUA).

      Em resumo, aqui não havia razão pra proibir a saída de ninguém. Só os da esquerda, procurados por crimes de opinião, eram, na prática, proibidos de sair a menos que se disfarçassem.

  • Ronaldo Sanches

    O Wikeleaks já denunciou que a Yoani Sanches recebeu 200.000 doláres da Cia só no ano de 2009.

  • Marcelo Pinheiro

    Provavelmente essa jovem senhora será contratada pelo PIG.

  • RÔMULO VITA FILHO

    Triturada e moída a blogueira.

  • Luís CPPrudente

    As pessoas que comentam neste blog e se indignam com as atitudes fascistas e arbitrárias do governador fascista Geraldo Alckimim e da juiza dondoca frequentadora da Daslu e marcahdeira do Movimento Cansei devem assinar a petição abaixo que pede para a OEA investigar o caso Pinheirinho.

    http://www.peticoesonline.com/peticao/manifesto-pela-denuncia-do-caso-pinheirinho-a-comissao-interamericana-de-direitos-humanos/353

    • Juliano Santos

      Eu já assinei

  • Heidi Maria

    Edu,

    Essa criatura estranha devia pedir emprego na Veja. Tem todo o biotipo para isso: é autoritária. descarada e sem limites.

  • Edu, veja se pode fazer ou encomendar uma traduçaozinha de um artigo de ontem de Bob chapman, la no
    ‘global research’ sobre a economia dos Eua e europa. Parece meio que apocaliptico e sem meias palavras.
    e bote aqui por favor.

  • H.Pires

    Consta que 10(dez) governadores estão sendo processados e, provavelmente, serão cassados pelo TSE. O mais visado é o governador TIÃO VIANNA DO PT (ACRE). Caso seja comprovado: TSE CASSA MESMO. TEM QUE CASSAR e não importa qual partido. CASSA! Esse tião vianna ja deveria ter sido cassado, quando era senador e sua filha, em viagem de férias a DISNEY WORLD(QUE MIMO NÃO?), gastou 14.000,00 reais de ligações telefonicas do celular e, quem pagou, foi o senado(verba do tião. LÁ SEI). CASSA TODOS TSE. MENOS O MARCO MAIA, QUE FOI PARA A ALEMANHA, e esqueceu de avisar. TSE, CASSA TAMBÉM. Aqui SEUS NAZIS-DIREITAS, vagabundos de toda ordem, ninguem passa a mão na cabeça de ninguem não. SAFADO TEM QUE SER CASSADO. NAZIS-DIREITAS IMUNDOS, voces estão acostumados, junto com sua PODRE E IMUNDA GLOBO, acobertarem todos os SEUS BANDIDOS pois, só através da DESORGANIZAÇÃO SOCIAL, DA DIVISÃO DA SOCIEDADE, que voces SE MANTEM NO PODER. Vão lá, seus NAZIS-DIREITAS, nos bloguinhos dos seus tios e asseclas, acessados por meia dúzia de IMBECIS e se manifestem. A DIREITA, ALÉM DE IMUNDA, É AMADORA.

  • Raimundo Costa

    Já conhecia esta emtrevista!
    Acho que o Brasil equivocou-se em dar o visto pra blogueira sem nenhuma restrição, deveria ter dito a mesma que não poderia fazer proselitismo politico no BRasil e duvido que não se forçará uma audiencia com a presidenta Dilma. Isto será um verdadeiro banquete pra imprensa reacionária do Brasil!!

  • Carlos Veloso de Figueiredo Leitão

    Inacreditável…. nunca ví uma pessoa tão estupida… talvez ela seja mais ingénua e fantoche que qualquer outra coisa.

  • “Em 2002, Yoani decidiu deixar Cuba por razões econômicas e emigrou para a Suíça…” Wikipedia http://migre.me/7LItn /Wiki

    O que a Wikipedia não conta é que, sob o capitalismo, ela deu-se mal, pois não conseguia se sustentar. Voltou para aquela horrível ditadura, onde ela tem casa, educação, saúde e o direito de falar mal de Fidel, de Cuba, de quem ela quiser, recebendo dinheiro de ONGs sustentadas por Washington.

  • P. Ilianovic

    Obrigado por essa entrevista Edu.

  • Anonimo

    Cuba e uma grande metira, existe uma dictadura por mais de 53 anos, os cubanos sao escravos de um regimen totalitario militar, nao sao respeitados os direitos humanos. Quem fala em contra do goberno nas ruas e levado a prisao e tratado como presso comun. Nao existe liberdade de prensa, de pensamento e reuniao.
    Os cubanos recebem salrios de USD 20.00 por mes, para salir do pais tem que pedir autorizo ao mal goberno dos Castros e pagar quasse 200.00 usd, o permisso pode ser negado.
    Yoani escreve a realidade do povo cubano, quem tiver duvidas, va para Cuba a viver como cidadadno comun, sem remesas e privilegios.

  • Maria de Fátima

    O jornalista tripudiou no amadorismo da blogueira picareta, arremedo de dissidente. Ele deu corda e ela se enforcou. Genial! Que matéria, Edu. Valeu!

  • O sonho da blogueira cubana é participar do BBB…

  • Antonio Lyra Filho

    Prostituta dos Estados Unidos.

  • pela segunda vez… acho que o sonho da blogueira cubana é participar do BBB. Espero que agora publiquem minha singela opinião…

  • Márcio

    Defendendo uma ditadura… Como o Eduardo pode ir ainda mais baixo? Defendendo a Coréia do Norte? A Revoluçao Cultural chinesa?

    Era menos feio quando vc “só” defendia os corruptos do governo Lula.

    • Juliano Santos

      Edu, agora você defende a Coreía do Norte. A turma “Zorra Total” do blog tá que tá

    • MP

      CORÉIA DO NORTE?! Querido Márcio, como diz Milton Leite do SPORTTV, para vc um sonoro MEU DEUS!!!

  • Marcelo de Matos

    Para ser sincero, não li toda a longa entrevista da blogueira. Fico com a frase inicial do post que diz tudo: “A mídia autóctone anda muito interessada em dois assuntos para os quais não costuma dar bola: blogueiros e direitos humanos. Só que não é aqui, mas em Cuba. Enquanto isso, no Brasil, detrata blogueiros e relativiza direitos humanos”. Verdade: aqui trabalhador, pobre, estudante e favelado leva cacete e blogueiro agredido é coisa habitual. Até José Serra, que não é blogueiro, mas, um mero twiteiro, recebeu uma bolada de papel na careca. Yoany Sanchez, porém, não fará carreira por aqui. Já temos blogueiros direitistas às balaiadas. Nem o grande escritor peruano (prêmio Nobel) Mario Vargas Lhosa conseguiu emprego no PIG. Como ficariam os empregos de Augusto Nunes e Reinaldo Azevedo se Lhosa viesse para cá?

  • Valterlei

    É exatamente isso que me irrita na esquerda. Parece que só a direita produz ditaduras. Na esquerda essas tornam-se outra coisa, haja vista que a causa é mais importante.
    Reconheço neste blog um espaço democrático, mesmo que na maioria das vezes não concorde com as ideias do autor. Mas isso é ótimo. E tanto assim é que nunca tive nenhum comentário não postado.
    Mas parece que em Cuba as pessoas não precisam disso, de liberdade de expressão. Tendo aquela caderneta para comprar comida, já basta. É como se no Brasil dessem uma cesta básica e mandassem as pessoas ficarem quietas.
    É óbvio que em Cuba não há liberdade de expressão e nem de associação. Ser de esquerda e gostar do Fidel não muda isso.

    • O fato da farsante cubana falar mal de Cuba a vontade demonstra, claramente, que há, sim, liberdade de expressão em Cuba. Uma liberdade igualzinha à nossa.

      VCs, da diretia, estão ficando cada vez mais sem argumentos. Devem estar odiando a internet, né não?

  • Marco Aurelio

    Você vê como a esquerda é tolerante,Edu.Essa blogueira ganha muito dinheiro falando mal de Cuba.É o negócio dela.A moça é uma empreendedora.
    Em 2004 ela conheceu um suiço e se mudou com ele para lá.O governo cubano,como qualquer governo democrático(Sim,democrático.Quem somos nós ou os EUA para ensinar democracia a outros povos?) nem deu bola para ela.Quando chegou por lá,o relacionamento com o suiço desandou e Yoani teve de trabalhar no paraíso capitalista para sobreviver.Em pouco tempo estava ela,de volta à “ditadura cubana”,recebida pelo regime que a “perseguia” fugida do paraíso capitalista suiço.Em suma: ela não aguentou ficar sem a teta cubana que tina e tem,ou seja:ganhar dinheiro dos EUA para trair o próprio país.
    É uma oportunista da pior espécie.

  • lucio PB

    Respostas insanas.

  • alex

    GREVE DE FOME DE PADRE VALE COBERTURA DA MÍDIA.
    DO PEDRO RIOS, NA PORTA DA GLOBO, NÃO!
    CADÊ A IMPRENSA…CADÊ LETÍCIA SABATELLA, VEREZA E OSMAR PRADO?

    O jovem ativista Pedro Rios Leão está, desde domingo, algemado na calçada em frente à TV Globo. Está fazendo greve de fome. Alguém viu isso nos jornais, nos telejornais, naquela rádio “que diz tocar a notícia”? Alguém viu este caso estampado no UOL, G1, Terra, Estadão?

    Artistas preocupados com sustentabilidade saíram em defesa do ativista? Eu não vi. PIOR:

    Pedro Rios está fazendo uma greve de fome para chamar a atenção da Imprensa sobre o Caso Pinheirinho. Isso não é notícia gente? Ninguém quer entrevistar o sujeito? O cara quer chamar a atenção da Imprensa. Mas esta quer ficar bem longe dele!

    O bispo Cappio fez greve de fome contra a transposição do São Francisco. Mídia montou um circo na Bahia para cobrir o caso. Cadê Letícia Sabatella e Osmar Prado que foram no Senado e choraram pela vida do bispo? Do Carlos Vereza que botou a boca no mundo.

    E agora, todos os globais em silêncio. Para Artistas, greve de gente igual ao Rios não vale?
    Talvez, nem morrendo de fome na porta da Globo, Pedro Rios será notícia.

  • Grande Eduardo! Alguém tinha de traduzir para o português essa entrevista histórica do Samir. Você o fez!
    Grande, grande Eduardo!

    • eduguim

      🙂

  • Juliano Santos

    Fui só até a metade. Mais ou menos naquela parte em que ela fala que agarrou o policial do Fidel pelos testículos. Imagina se ela faz isso com um policial do Alkmin? Não teria a menor dificuldade em mostrar marcas roxas, osso quebrados e que tais.
    Interessante também é que o pig noticia greve de fome muito da fajuta de cubano protestando por “direitos humanos”. Mas não dá a menor bola para o rapaz que faz uma de verdade em frente à Globo, em protesto contra o evento Pinheirinho.

  • Gilmar

    Edu

    Parabens pelo texto.

    Gilmar

  • EDU
    NA EDIÇÃO DE HOJE DO ESTADÃO, ENCONTRAMOS UMA DAS RESPOSTAS DE ONDE A BLOGUEIRA CUBANA GANHA DINHEIRO PARA SUSTENTAR SEU LUXO EM HOTEIS DE HAVANA, ALA RECEBE POR “TRABALHOS” DA MIDIA FORA DE CUBA, VEJA O QUE ESTA ESCRITO LÁ: De Havana, onde edita seu blog Generación Y, a dissidente cubana e colunista do Estado Yoani Sánchez disse na quarta-feira, 1º, à rádio Estadão ESPN…EM SUMA, NOS QUE PAGAMOS SUAS MORDOMIAS.

  • Marcelo Ramos

    Bicho, quem será que “financia” essa “pobre coitada” que escorrega mais que sabonete?

  • Murilo

    Parabéns Edu, mais uma imbecil e inutil desmascarada! Chega a dar dó da entrevistada, ela apanha do entrevistador do começo até o final. Como o figura é francês e o povo diferenciado adora tudo que vem do Norte, poderíamos pedir para o mesmo realizar uma entrevista nestes moldes com o Geraldo Alckimin, Serra, Soninha e cia para vermos onde ia parar a conversa. Seria bem interessante e divertido! Entre em contato com o figura e faça a sugestão! De qualquer forma, parabéns, cada dia fico mais fã de seu blog! Como diz o PHA, a casa grande está pegando fogo…CPI da Privataria já!!!
    grande abraço
    Murilo

  • Jacó do B

    O “relato” dela dá um longa metragem de……25 minutos! Yoany, vai catar coquinho!!

  • Jacó do B

    Parabéns ao Governo Cubano por ter formado, tudo às custas do povo, cidadãos cultos e poliglotas, como essa agente da CIA! Essa blogueira é tão verdadeira como wiskie do Paraguai!

  • Edu, essa mulher não vai ficar nem um mês no Brasil, ela não vai aguentar a internet banda larga (???) do Ministro Bernardo. Desculpa, sei que o post foi sério, mas eu não podia perder a piada.

  • rosanA

    A “mocinha” foi desmascarada. Não conhece nem mesmo a história do país que tenta detratar. Não tem argumentos. É uma IDIOTA TECNOLÓGICA.

    • rosanA

      IDIOTA TÉCNOLÓGICA ganhando muita grana para fazer o serviço sujo.
      Pelo que conheci do povo cubano, essa daí só vai conseguir mesmo, é ter destaque no PiG internacional. Essa aposta dos EUA para destruir a revolução cubana vai fracassar mais uma vez.

  • FabioT

    nem sonsinha nem heloisa helena, é o reinaldo azevedo de cuba ( e de saias)

    • Giou

      Reinaldo Azevedo até tem argumentos. Essa mulher é muito fraquinha, muito fake. Ela usa argumentos que até podem ser reverberados pela imprensa golpista mundial – principalmente a Veja, já que essa revista de fofocas publica qualquer coisa mesmo – mas, se expostos à luz de argumentos históricos e lógicos, são facilmente derrubados.

      Culpa de uma sociedade que não debate.

  • Wilsoleaks Alves

    Oh! Sequestraram-me por 25 minutos, puxaram-me os cabelos, deram piparotes em meus dedos, bateram em meus rins e ainda por cima ajoelharam sobre meu peito.
    Por que lhe fizeram isso, dona Yoany?
    Ah, deve ser porque naquele dia eu iria falar mal do Governo Cubano.
    Mas a senhora fala mal do Governo Cubano todos os dias, então, não deveria estar sendo sequestrada com mais frequencia?
    E qual foi o pedido de resgate do sequestro se nem sua bolsa e celular ficaram de posse dos sequestradores?
    É… Mas eu tenho a prova de que fui sequestrada.
    É?! Qual?
    Tenho um papelzinho com um nome embebido em minha saliva.
    É uma prova cabal!
    É possível que seja mesmo, dona Yoany… Lá no Brasil temos algo similar: o DNA de uma careca numa bolinha de papel.

  • Jurema

    Ela toma lexotan vencido

  • Jose Eduardo Dyonisio

    Li a entrevista inteira, com o maior prazer. Aprendi muita coisa. Primeiro, o nív el do jornalista francês, que

    arrebentou com a cubamericana. Também, porque os argumentos da coitada são todos falsos,

    mentirosos. Depois, mesmo sabendo que o pig manipula, é impressionamente quanta coisa eles

    escondem da população. E meus parabéns por esse trabalho de alto nível, deixando a turma do esgoto

    se virar do avesso pra tentar embassar a verdade, porém são tão grotescos quanto a blogueira vendida.

  • Maria José dos Santos Rêgo

    Esta entrevista mostra quem realmente é a blogueira Yoany Sanchez, musa da velha e corrupta mídia brasileira, de que ela não passa de uma “made in USA”.

  • Jacó do B

    O Salim nocauteou essa farsante. Ela deve ta com hematoma nos ouvidos! Toma!

  • Essa entrevista foi maravilhosa. Muito mais informativa do que todos os textos da farsante e de suas entrevistas anteriores.

    Ficou claro que ela é um ignorante. Se, segundo ela, a educação cubana é muito ideologizada e manipula as informações apresentando uma versão da história divorciada da realidade (e que país do mundo não faz isso? O que se ensina nos EUA, por exemplo, sobre a guerra do Vietnã? Ou sobre a revolução cubana?), como ela conseguiu julgar isso sem acesso às informações “reais”?

    Mais, como ficou claro, as informações que ela considera “reais” não o são. Dizer que havia liberdade de expressão em Cuba durante a ditadura de Fulgêncio, por exemplo, é coisa que ela só pode ter “aprendido” lendo uma versão ainda mais manipulada e falsa da história “real”. Suas informações sobre as conquistas cubanas, etc estão completamente furadas, e são a base da sua crítica!

    Ela apenas repete a versão da extrema direita que ela leu em alguma página na internet (que parece sofrer uma censura “intermitente”, como demonstra a entrevista), ou com a qual foi alimentada pelos próprios agentes financiados pelos EUA que ela tanto defende (inclusive como um direito! O que mostra claramente que ela pensa que vender a pátria é um meio de vida).

    E é incrível como ela foge de questões cruciais, fingindo desconhecer o financiamento dos agentes da cia presos em Cuba. Ela finge que eles são presos políticos, mas ficou claro que ela tem consciência de que são agentes estrangeiros – e seriam presos como tal em qualquer país que se prese no mundo, INCLUSIVE nos EUA. Os 5 presos cubanos que ela faz questão de não comentar por “não interessar aos cubanos” (diferente dos agentes financiados pelos EUA em Cuba, que devem ser, segundo o raciocínio dela, “do interesse dos cubanos”) são uma prova incontestável, uma admissão clara de que o que guia sua pena não são os “interesses de Cuba”, mas os dos EUA.

    Realmente, uma entrevista irretocável, e comentá-la exigiria um espaço imenso. Se, ao menos, toda a imprensa, cúmplice dos EUA em sua tentativa absurda de coagir Cuba a aceitar ser um de seus muitos satélites, fosse tão correta com ela e com toda a sua corja…

    Como escrevi antes, Cuba é um exemplo do que se pode fazer quando se separa o Estado do poder econômico, mesmo sob uma pressão enorme e um embargo econômico brutal. Esse exemplo não interessa à imprensa cúmplice, que tanto critica o Gramna, mas faz ainda pior. Esse exemplo não interessa à direita, pois mostra que tudo o que ela defende leva à construção de uma sociedade baseada em privilégios de poucos, e não direitos de todos.

    Por fim, essa farsante claramente descobriu uma mina de ouro, e não vai abrir mão dela. Se ela, e todos os demais que agem como ela, querem criticar Cuba, que o façam de forma honesta, considerando a influência do embargo – que ela, incrível e hipocritamente, considera abominável, mas apenas um argumento para a repressão política, e MENTE ao dizer que o condena em suas entrevistas, pois jamais a vi falar sobre isso em nenhuma delas, mesmo nas não editadas.

    Se o embargo acabasse e Cuba continuasse na situação econômica e social de hoje, até eu a criticaria. Mas, muito pelo contrário, o fato de Cuba não ter quebrado completamente diante desse embargo é uma prova de eficiência. NENHUM país do mundo resistiria a isso por tanto tempo, e muito menos um país pequeno, uma pequena ilha, como Cuba.

  • eduardo barroso castanheira

    SE CUBA É TÃO BOM, PORQUE VOCE NÃO SE MUDA PRÁ LÁ? VOCE VAI APROVEITAR MUITO BEM A FALTA DE DINHEIRO QUE EXISTE NA ILHA. ME POUPA, TÁ LEGAL! TEM UM DITADO LATINO QUE SERVE MUITO BEM PARA O SENHOR: “CAPSICUM ALTER RECTUM REFRIGERIUM NOSTER EST”. APROVEITE.

    • eduguim

      Será que algum dia aparecerá um reacionário com uma frase diferente quando o assunto é Cuba?

      • Jacó do B

        Depende. Se saír na veja………………….

    • Swamy Santos

      E vc, boçalóide, mude para os states, se é que tem c… para isso.
      Valeu Salim, nocauteou a mocréia, assim como Dilma vem nocauteando o PIG.

    • Antonio José Di Túlio Abreu

      Coitado, sua mente está turbinada pelo PIG, que vexame!

    • Denise

      boboca

  • Muchacho

    Putaquelamerda, a CIA e os PIGs estadunidenses e brasileiro estão muito mal de agentes, essa moça é muito fraquinha…..lembrei me do Maxuel Smart, o atrapalhado agente 86 !!!

  • Luciano Bastiani

    É, meu povo, ah se tivéssemos por aqui JORNALISTAS com a tarimba deste francês.
    Como dizem uns certos por aí, o sujeito fez a lição de casa antes de ir pra entrevista com a toupeira da madame…
    Aprendam, seus reporteres boçais do sistema PIG de Burrice Auto-estimulada…..
    E vcs trolls também. antes de invadirem a área, estudem, leiam, aprendam, se informem com verdades, não com as ‘informações verídicas’ da nossa velha imprensa venal.
    Assim não correm o risco de levar uma matéria destas na cara.
    Como diria meu pai:
    Boa, Edu!!!!!!

    • eduguim

      valeu

  • Luciano Bastiani

    Ô Pierri, pra acrescentar ao seu comentário, é só lembrar que nos livros de história do Brasil a guerra do Paraguai é cantada em verso e prosa, como uma coisa heróica; os bandeirantes eram figuras romanticas; D. Pedro gritou Independência ou Morte em cima de um cavalo branco (cavalo?), e mais um monte de asneiras que só servem pra deixar as crianças mais embromadas ainda.
    Alguém aí se lembra da tal ‘terra roxa’ do estado de São Paulo, muito própria pra plantar café? Não sei quem foi o ‘sábio’ que traduziu ‘rossa’ (vermelha, em italiano) pra roxa…. Tá lá, nos nossos ilustres livros de história do Brasil varonil.
    E a figurona vem dizer que só em Cuba acontece isso.
    Brasil, il , il, il, il, il, il

  • antônio claret carvalho

    Me engana que eu gosto!
    Esta blogueira Yoany é um pessoa dissimulada, pode enganar os piguentos mas a mim não engana não. O Salim Lamranium deu um banho de conhecimento sobre ela e sobre Cuba. Coitada, muitas vezes ficava sem responder à pergunta dele.
    Ela serve mesmo só para o imperialismo estadunidense e para o PIG. Se Cuba é tão ruím, por que ela não vai embora de lá?
    Abraços.

    • eduguim

      abs

    • Denise

      É isso aí! Vamos todos fazer o mesmo no blog desta dissimulada. Detonar com sua inconsistência colossal.

  • Heloisa

    Edu, parabéns! Obrigada pela entrevista!

  • Breno

    Essa blogueira já foi desmascarada uma segunda vez… se restou alguma dúvida na primeira, aí vai o link para a segunda: http://lapupilainsomne.wordpress.com/2012/01/29/quem-e-yoani-sanchez/#more-22369

    A mulher mente compulsivamente.

  • Marcelo Rodrigues

    Esta entrevista mostra aquilo que os antigos jornalistas queriam dizer quando falavam em se preparar para a entrevista, que era tão só inteirar-se da história e do contexto do entrevistado.

    Hoje em dia os jornalistas do PIG vão preparados para obter exatamente as mentiras que os mentirosos querem propagar.

  • Fernando

    é uma traidora e agente da CIA e muito Burra mesmo para argumentar….só é esperta para embolsar os dólares de Washington!!!!

  • Adhemar Santos

    Esse Salim Lamranium é um notório defensor do regime cubano. A blogueira já respondeu sobre essa entrevista, dando a entender que foi manipulada (ver em http://www.desdecuba.com/generaciony/?p=3269). E pelo que se sabe, até agora o jornalista não apresentou o áudio da entrevista para refutar as acusações da Yoani.

    “La otra entrevista

    llave_de_paso

    No me gusta ir por la vida defendiéndome de ataques, quizás porque me he pasado la mayor parte de ella bajo el fuego cruzado de la crítica. He aprendido que a veces es mejor digerir el insulto y seguir adelante, pues denigrar ensucia más a quien lo hace que a la víctima. Sin embargo, todo tiene un límite. Algo bien distinto es que pongan en mi boca frases que yo no dije, tal y como ha ocurrido con la entrevista publicada por Salim Lamrani en Rebelión. Al comenzar su lectura, no noté mucho la tergiversación, pero ya en la segunda parte me era imposible reconocerme. Es cierto que la introducción trataba de generar aversión en los lectores hacia mi persona, pero ese es el derecho que tiene cada entrevistador de narrar cómo ve al objeto de sus preguntas.

    La gran sorpresa ha sido constatar -en la medida en que avanzaba el texto- enormes omisiones, distorsiones y hasta frases inventadas atribuidas a mí. Todo hubiera quedado en otro intento –entre tantos miles- de adjudicarme posturas que no tengo y afirmaciones que jamás he dicho, si no fuera porque los medios oficiales cubanos se aprestaron rápidamente a hacerse eco de la reacomodada entrevista. Ayer, cuando vi al presentador del más aburrido programa de la televisión oficial referirse –sin mencionar mi nombre- a una serie de preguntas que “me desnudaban”, comencé a comprenderlo todo. La razón para la adulteración ya no era la premura al transcribir ni el deseo de un periodista de probar a toda costa su hipótesis aún distorsionando para ello las palabras del entrevistado. Algo mayor se está fraguando con ese texto semi-apócrifo y hago ahora un alto en el camino de mi blog para advertirlo.

    Tengo una memoria muy vívida de aquella tarde de hace casi tres meses –curiosamente el señor Lamrani ha tardado todo este tiempo en hacer pública nuestra conversación- y de las palabras que intercambiamos. Recuerdo sus preguntas estereotipadas y por momentos desinformadas sobre nuestra realidad que muy poco se parecen a estas -tan documentadas- que él ha vuelto a redactar para parecer un especialista. No me caracterizo por responder con monosílabos, de ahí que me cuesta trabajo identificarme entre tanta parquedad. En la medida en que el intercambio que tuvimos en el hotel Plaza avanzaba, se podía notar como la simpatía de él hacia mi posición aumentaba. Al final, sentí que todas las barreras se habían derrumbado y el comprendía que no éramos contrincantes, si acaso personas que veían un mismo fenómeno desde ópticas diferentes. Un abrazo final de su parte me lo confirmó. Pero, evidentemente, pudo más la disciplina a “la causa” que su ética periodística y el profesor de la Sorbonne terminó –visiblemente en la segunda porción de la entrevista-por adulterar mi voz. En su modernísimo Iphone mis moderadas frases debieron ser como un virus informático royendo los estereotipos, un llamado a terminar con esa confrontación que personas como él prefieren alimentar.”

    • eduguim

      Isso é conversa fiada. O que você faria se desse uma entrevista, ela fosse gravada e o jornalista que o entrevistou tivesse adulterado as suas palavras? Você apenas ficaria resmungando que há manipulação ou entraria na Justiça e exigiria legalmente que a gravação fosse apresentada? Não faltam recursos a Yoany e a Justiça francesa ou de qualquer outro país jamais negaria a requisição. Yoany faz com a entrevista o que fez com as fotos de seus ferimentos. Ela não precisaria pedir coisa alguma, poderia exigir e ainda punir o jornalista. Ela não faz isso pela mesma razão que não apresenta as fotos.

      • Adhemar Santos

        Entraria em qual justiça? Na cubana? Hahahaha. O blogueiro só pode estar brincando….

        • eduguim

          Na Justiça francesa, meu filho. Leia direito a matéria depois você comenta. Assim não me dá trabalho e não paga mico.

          • Adhemar Santos

            O blogueiro é quem está pagando mico, aliás um King Kong. Vivendo num regime ditatorial, que nem a deixa sair do país, e ganhando uma miséria naquel país, o blogueiro pode explicar como a Yoani contrataria e pagaria um advogado na França para processar o jornalista? Como ela compareceria as audiências (na França)?

    • Carlos Lenin Dias

      Tadinha,ela é sempre a “coitadinha” -foi torturada tbém pelo reporter?!

      • Denise

        Ela foi bombardeada pelas verdades nuas e cruas EXPOSTAS PELO JORNALISTA de forma articulada e inteligente. Sua (dela) inconsistência flagrante não resistiu. EM TERMOS DO DEBATE ELA SAIU COM FRATURAS EXPOSTAS. SERÁ QUE ELA VAI DENUNCIAR ESTE NOCAUTE?

    • Haroldo Mourão Cunha

      Sr. Adhemar Barros, quero dizer, Santos, uma pergunta: aqui no Brasil os reporteres não manipulam as falas da presidenta Dilma? Eles são profissionais isentos? Não espionaram o Josè Dirceu? E a faca no pescoço? Cara, são tantos casos envolvendo nossa santa imprensa vestal que nem sei…

    • Breno

      A blogueira deve ter dito em quais partes foram manipuladas e inventadas em outra ocasião, porque nessa aí… ficou uma acusação genérica.

      Agora, o jornalista poderia mostrar o áudio, aí não ficaria nenhuma dúvida.

    • Denise

      “No me gusta ir por la vida defendiéndome de ATAQUES”

      Veja como ela começa sua resposta!!!!!! Denomina ATAQUE a uma entrevista com argumentação fundamentada, com apresentação de leis, artigos (até lidos para ela); exposição de fatos; refutações consistentes. O jornalista foi firme sem ser deselegante. O OS DOIS NEURÔNIOS DELA ANALISAM COMO ATAQUES. POSTE AS FOTOS YOANY!!!

  • Carlos Lenin Dias

    Obrigado,Edu.Ném é preciso ser de esquerda p/ constatar a “verdade factual” -Yoany é farsante,além de uma ignorância q n sustenta o cinismo.Como ela consegue ser famosa?!Alguém citou agente 86 -na mosca!O q realmente chama a atenção,é o entrevistador -demolidor!E aí confirmamos a pequenez dos escribas de nosso PIG

  • Vivian

    A parte de por que Obama teria lhe dado preferência foi de uma desfaçatez assombrosa!PORQUE TU FALAS MAL DO TEU PAÍS,sua traidora.Justamente com quem impõem sanções criminosas e nunca aceitou a liberdade de escolha de Cuba.Uma pena que esse tipo ainda tenha quem acredita nela.Uns por conveniência.Como a nossa imprensa.Vá de retro,satanás.

  • Mauro Silva

    Caro Eduardo
    Até as tais fotos podem ser forjadas por ela e parceiros-financiadores.
    Algumas marcas de bordoadas ficam de graça como paga para quem vive em hotéis caros e se presta a outras humilhações ‘luxuosas’.
    Curiosa foi, na minha opinião, a parte do relato “Ninguém pode obrigar um cidadão a entrar em um carro particular sem apresentar suas credenciais. Isso é uma ilegalidade e um sequestro”.
    Curioso porque no Estado de São Paulo, no governo de Geraldo Alkmin do PSDB, meganha fardado exige documentos de cidadão-professor, mas se recusa a se identificar.
    E esse é o fato curioso: a “ativista” anti-castrista reclama que “Ninguém pode obrigar um cidadão a entrar em um carro particular sem apresentar suas credenciais” porque isso não é democrático, mas ela não acusa (apenas “imaginava”, ao responder se eram policiais a paisana) que os supostos agressores seriam agentes do governo porque teria que provar.
    Dessa entrevista, concluo que, em Cuba, sob aquela ‘ditadura sangrenta’, os policiais se identificam ao abordarem cidadãos. Já no Estado de São Paulo, os policiais se recusam a se identificar quanto instados por cidadãos-universitários, brandindo suas pistolas em resposta, e aqui é que seria um exemplo de democracia.
    Isso explica a fala da Presidente Dilma quando apontou o telhado de vidro daqueles a cobrar “democracia” dos outros.

  • Luiza

    Primeiramente, o entrevistador deu um banho. Nota 1000. Que preparo!

    Quanto à moça, não tem conteúdo. Muito ruins as respostas dela, credibilidade zero. Essa audiência que ela tem deve ser fajuta, ou então de gente que entra uma vez no blog dela para nunca mais voltar.

  • PedroCosta

    Sensacional! Meu sábado ficou mais luminoso com o desmascaramento dessa figura deprimente, quinta-coluna! Já repassei para o maior número de pessoas que frequento.

    • Denise

      Eu também! Ela é a bolinha de papel do Cerra: uma farsa!
      Merecia um sambinha,uma marchinha de carnaval

  • leandro

    O sonho de vcs, fanáticos de esquerda, é ver essa mulher sendo fuzilada no paredón, né? No blog do nassif teve um que já confessou isso… admitam, vamos…

  • Denise

    VAMOS TODOS ACESSAR DIARIAMENTE O BLOG DELA E PEDIR QUE PUBLIQUE AS FOTOS. QUE TAL? SOMOS MUITOS E NÃO SOMOS TOLOS.

  • Denise

    ELA É A URUBÓLOGA DE CUBA, SÓ QUE MUITO MAIS BEM PAGA POR ISTO.

  • Denise

    UMA CRETINA, ESTA MULHER! MAS MUITO BEM PAGA

  • Denise

    Ela foi bombardeada pelas verdades nuas e cruas EXPOSTAS PELO JORNALISTA francês de forma articulada e inteligente. Sua (dela) inconsistência flagrante não resistiu. EM TERMOS DO DEBATE ELA SAIU COM FRATURAS EXPOSTAS. SERÁ QUE ELA VAI DENUNCIAR ESTE NOCAUTE?

  • Denise

    ELA VOLTOU PARA CUBA PORQUE FOI UM EXCELENTE NEGÓCIO! PARA ela é claro!

  • Denise

    Este JORNALISTA com todas as letras maiúsculas, NOCAUTEOU E VARREU PRO CANTINHO!!!!!
    PÕE BANCA, QUEM TEM COMPETÊNCIA!!!

  • Denise

    ELA É A BOLINHA DE PAPAEL DO CERRA: TAMBÉM NÃO TEM HEMATOMA!

    Merecia um sambinha,uma marchinha de carnaval

  • Martin

    Prezado Eduardo Guimarães !

    Passei a semana “debatendo” com conhecidos meus, neoliberais assumidos, e com paciência fui derrotando seus argumentos em favor dos 1% que dominam o planeta… Cuba, pela viagem de nossa LÍDER, foi o tópico central !! …Mas ontem recebi este link que me causou certo espanto… Gostaria de sua avaliação !!

    Att.
    Martin

    http://www.che-guevara.noradar.com/traicaodefidel.htm

    Traição de Fidel Castro

    Entrevista retirada da revista ISTOÈ.

    ISTOÉ – A traição do comandante – 8/10/1997

    A traição do comandante

    Num relato inédito, o ex-chefe da espionagem cubana e maior amigo de Che na guerrilha revela como Fidel isolou Guevara na Bolívia, negou-lhe armas e o conduziu para a morte.

    ROSELY FORGANES, DE PARIS

    Às vésperas do 30º aniversário do assassinato de Ernesto “Che” Guevara, neste 9 de outubro, seu mais próximo companheiro de jornadas revolucionárias acusa: Fidel Castro traiu o amigo de Sierra Maestra e o mandou para a morte nas selvas da Bolívia. Os serviços secretos cubanos mentiram para Guevara e fizeram com que ele caísse numa armadilha. Fidel poderia ter tirado o Che da enrascada boliviana, mas preferiu abandoná-lo à própria sorte. Mais ainda, os restos do Guevara que foram encontrados em junho na Bolívia teriam passado 12 anos em Cuba antes de serem enterrados novamente para ser “descobertos” a tempo das comemorações dos 30 anos. Ou então não são os restos do guerrilheiro. Quem dispara essa metralhadora giratória de graves acusações é ninguém menos que Dariel Alarcón Ramírez, o “comandante Benigno”, cubano, 58 anos. Hoje historiador exilado na França, ele é um dos três guerrilheiros que ainda estão vivos, entre os cinco que sobreviveram à campanha do Che na Bolívia. “O que Cuba está fazendo com a comemoração da morte do Guevara é uma vergonha, um insulto à memória e ao ideal de um homem que deu tudo, até a própria vida, em busca de um mundo melhor. Eu me pergunto como Fidel tem coragem e cinismo para fazer isso”, acusa. “Já exploraram a memória do Che, seu exemplo, sua coragem, seu idealismo. Agora, vão explorar seus ossos.”

    está fazendo com a comemoração da morte do Guevara é uma vergonha, um insulto à memória e ao ideal de um homem que deu tudo, até a própria vida, em busca de um mundo melhor. Eu me pergunto como Fidel tem coragem e cinismo para fazer isso”, acusa. “Já exploraram a memória do Che, seu exemplo, sua coragem, seu idealismo. Agora, vão explorar seus ossos.”

    Por causa de seu prontuário de revolucionário impecável, as acusações de Benigno têm o efeito de uma bomba atômica para o regime cubano. Toda sua vida foi ligada à do Che. Camponês analfabeto, Alarcón entrou para a guerrilha aos 17 anos, lutou na Sierra Maestra ao lado de Guevara e de Camilo Cienfuegos. Até o nome de guerra “Benigno” foi inventado pelo Che, que o considerava um homem bom e leal. Ele aprendeu a ler e escrever com Guevara na selva, chegando até o nível do ginásio com exames passados entre dois combates. Foi guarda-costas do Che em diferentes épocas, lutou novamente ao seu lado na fracassada operação do Congo e foi escolhido por ele para formar a elite dos guerrilheiros na Bolívia. “O último cubano com quem Guevara falou antes de morrer fui eu”, conta Benigno, que conseguiu escapar da Bolívia ferido, com cinco companheiros, com a cabeça a prêmio e duas divisões de “rangers” do Exército boliviano atrás deles. Depois de uma fuga espetacular através do Chile em 1968, Benigno voltou a Cuba e ocupou altos postos na hierarquia do regime comunista até dezembro de 1995, quando se exilou na França. Atualmente, mora no Sul da França, mas recebeu ISTOÉ num apartamento na periferia de Paris.

    Por que Fidel Castro trairia Guevara? “O Che era, junto com Fidel, o homem mais popular de Cuba e o único que podia discordar dele, dizer o que pensava”, conta. “Fidel foi muito esperto. Guevara era duro na queda. Ele era o revolucionário mais inteligente de Cuba, brilhante, incorruptível, adorado pelo povo. O Che nunca foi visto como um estrangeiro (ele era argentino de origem), era mais cubano do que nós. Não dava para inventar mentiras sobre ele, prendê-lo, assassiná-lo, provocar um acidente, nada. A única maneira de se livrar dele era fazer o que Fidel fez.” Segundo Benigno, a traição começou quando Fidel instigou o Che a lutar fora de Cuba. “Em abril de 1964, Guevara se reuniu com Fidel para dizer o que pensava dos rumos da revolução e da dependência cada vez maior de Cuba em relação aos soviéticos. A reunião durou 24 horas. Ninguém sabe exatamente o que foi dito, mas ao sair do encontro Che decidiu deixar Cuba. Ele não foi para o Congo para cumprir uma missão de Fidel, mas sim porque não tinha alternativa. Sua lealdade a Fidel impedia que ele lhe fizesse oposição publicamente.”

    A missão africana foi um fiasco completo e muita gente até hoje não entende como o comandante guerrilheiro, com tanta experiência militar, foi se meter numa aventura daquela. “A verdade é que não havia nada preparado. Foi uma surpresa para os africanos e até para nós, os cubanos que o acompanhavam”, conta Benigno. “Quando o Che foi para o Congo, Fidel pediu que ele escrevesse uma carta, que pudesse livrar a responsabilidade dele diante dos soviéticos e não comprometer Cuba.” Nessa carta, o número dois do regime se despedia do povo cubano, renunciava à nacionalidade, aos cargos, aos títulos, a tudo. “A condição foi imposta por Fidel, embora os termos não tenham sido ditados por ninguém.” Benigno diz que o acordo era que aquela mensagem só seria divulgada se o Che morresse ou se chegasse à vitória em algum país. “Foi só Guevara virar as costas e Fidel divulgou a carta. Ele sabia exatamente o que estava fazendo. Nós não tínhamos percebido isso. Estávamos no Congo, ouvindo o rádio e quase chorando de emoção com a carta que Fidel estava lendo quando Guevara, furioso, deu um chute no rádio e praguejou: ‘O culto da personalidade não acabou com Stálin. Intencionalmente ou não, eu acabo de desaparecer da cena internacional.’ E foi sentar num canto, visivelmente abalado, sem falar com ninguém”, diz Benigno.

    De volta a Cuba, Guevara foi para Piñar del Rio preparar a nova luta, na Bolívia. “Mas os serviços secretos cubanos o enganaram em tudo. Eles garantiram que o Partido Comunista Boliviano (PCB) aderiria em massa ao projeto revolucionário. Só que Mario Monje, o secretário-geral do PCB, não queria saber de luta armada, muito menos do Guevara e tinha deixado isso bem claro aos dirigentes cubanos.” Para Benigno, Monje pode ser um covarde, mas não um traidor, como geralmente se acusa. “Ele foi praticamente forçado pelo governo cubano a dizer que aceitava o plano guerrilheiro, senão não deixavam que saísse de Cuba”, diz. “Guevara chegou na Bolívia crente que ia encontrar Mario Monje assim que desembarcasse. Pensou que haveria toda uma logística à nossa espera – comida, remédios, armas, contatos, comunicações. Tudo o que nós encontramos foi uma casa coberta de zinco e um forno. Para comer, tivemos que fazer uma horta. Até os mapas da região que o Che tinha eram imprecisos ou incorretos”, lembra. “O Monje foi passear num festival na Bulgária e, na volta, impediu os membros do PCB de se juntar à guerrilha. Os 60 combatentes do partido, que foram treinados em Cuba e deveriam ter sido recebidos por Tânia, foram ‘desviados’ por Monje e nunca chegaram.” Tânia era o codinome de Tamara Bunke, agente cubana de origem alemã que se incorporou à guerrilha do Che.

    Segundo o relato de Benigno, a guerrilha do Che na Bolívia rapidamente se revelou a crônica de uma morte anunciada. “Nossos esforços para entrar em contato com Cuba eram patéticos. Nós tentávamos, desesperadamente, pelo rádio ou através das pessoas que deveriam servir de agentes de ligação. Nada, nunca”, lembra. “Só quando o Che já estava na selva ele se deu conta de que caíra numa armadilha. Era evidente, mas ele não dizia nada a ninguém. Esse era um defeito dele, nunca ter discutido isso conosco, seus homens, que estavam lá arriscando a pele com ele. Alguns, que tinham feito parte dos serviços secretos e sabiam do que estavam falando, chegavam a dizer: ‘Estávamos incomodando, eles nos mandaram para cá para se livrar de nós.’ Quando íamos muito longe nas críticas, o Che resmungava: ‘Vocês não acham melhor parar de falar tanta merda?’ e ia embora. O que era inconcebível, visto como ele era severo”, lembra Benigno. “Ele nos colocava de castigo por coisas bobas, imagine por estar questionando a revolução em voz alta. Isso nos dava a certeza de que ele estava de acordo, embora não admitisse em público. Foi fiel a Fidel até as últimas consequências, ao preço da própria vida, demonstrou lealdade absoluta, inclusive a quem o traiu e o enviou à morte”, se emociona Benigno.

    O ex-comandante diz que os agentes do serviço de informações cubano sumiram assim que eles chegaram à Bolívia. “O último a desaparecer foi Renán Montero, que vivia legalmente na Bolívia, com todos os documentos em ordem. Ninguém nem sabia que ele era estrangeiro, os documentos diziam que ele era de Cochabamba. Então, Renan diz que tem que ir a Paris renovar os documentos. Você já viu alguém renovar documentos bolivianos em Paris? Mesmo que fosse necessário renovar alguma coisa, na Bolívia, com um punhado de dólares você faz documentos verdadeiros, nem falsificar precisa. E ele desaparece durante meses! Ficamos incomunicáveis desde os primeiros momentos. O rádio que nos deram não funcionava e Renán, que foi para Paris, de onde podia falar com Cuba, sabia perfeitamente disso”, acusa. “Ele mesmo ficou de comprar outro transmissor, que nunca chegou. Enquanto isso, a rádio cubana continuava pedindo que mandássemos notícias! E Renán esteve em Cuba, com Fidel, que deu ordem para que ele não voltasse à Bolívia.”

    O comandante Benigno não tem dúvidas de que era possível tirar Che Guevara da armadilha boliviana. “Se Fidel quisesse, ele poderia, nem que fosse para tirar só o Che. Nós teríamos aceitado sem pestanejar. Cuba poderia ter colocado um, dois, três milhões de dólares na mesa e comprado as pessoas certas. O governo boliviano estava dividido. Mas isso nem era necessário. A Bolívia até hoje é um país onde você entra e sai como quer, por onde quer. Imagine então em 1967”, compara. “Nós, os cinco sobreviventes das guerrilhas, provamos que era possível. Sozinhos, feridos, exaustos, com duas divisões do Exército atrás de nós, conseguimos caminhar três mil quilômetros, sem ajuda de ninguém, e sair pelo Chile.”

    Um périplo sinistro – Fugindo do Exército boliviano em outubro de 1967, Benigno estava a menos de 200 metros do local onde Che Guevara foi assassinado, na escolinha do paupérrimo povoado de La Higuera, a quase 800 quilômetros de La Paz, sem saber que seu líder e amigo se encontrava ali. Ao perceber a aproximação dos soldados, os guerrilheiros se separaram em três colunas para facilitar a fuga. Benigno chegou a ouvir os tiros que mataram Guevara, mas só mais tarde soube o que aconteceu. Durante anos, ele desconfiou da história do desaparecimento do cadáver do Che. Utilizou suas relações nos serviços secretos cubanos para investigar. Em maio último, esteve na Bolívia, pouco antes de os restos serem encontrados junto com os de outros seis guerrilheiros. “Desde que se começou a falar no cadáver do Che Guevara, logo depois de sua morte, foi dito que ele estava enterrado no final da pista do aeroporto de Vallegrande. Mas também sempre se falou em três corpos, não em sete: ‘Willi’ (Simeón Cuba), o ‘Chino’ (Juan Pablo Chang Navarro) e o Che”, diz.

    Entre 8 e 9 de outubro de 1967 morreram sete combatentes da guerrilha, mas o que ninguém lembra é que quatro morreram no dia 8: ‘Pacho’, ‘Antônio’, ‘Arturo’ e ‘Aniceto’.” Eles morreram de manhã, na quebrada do Churo (local onde Guevara foi capturado). Os corpos foram levados a Vallegrande à tarde. No dia 9, os quatro foram sepultados ao lado do grupo de Joaquín (líder da outra coluna da guerrilha, que tinha se perdido do grupo principal. Ele e os oito guerrilheiros que o acompanhavam foram mortos numa emboscada do Exército no dia 31 de agosto).

    “Por um acaso terrível eu estava a 200 metros de onde eles estavam sendo assassinados, sem saber que estavam lá. Ouvi a primeira rajada às 12h30 e depois fiquei sabendo que era o Chino. Às 12h45 foi a vez de Willi. Mataram o Che às 13h. Seu corpo foi levado de helicóptero para Vallegrande, onde chegou à tarde, e colocado na lavanderia do hospital. Che só foi sepultado ao amanhecer do dia 11, junto com os dois outros, Chino e Willi. Você pode me explicar como é que agora os restos do Che foram encontrados junto com seis ossadas (identificadas como sendo as de Willi, Chino, Aniceto, Antonio, Pacho e Arturo)?”

    A operação de retirada do corpo de Guevara para enviá-lo a Cuba nada fica a dever aos contos de Edgar Allan Poe. Essa história nunca foi contada antes. Pouquíssimas pessoas participaram da sinistra empreitada, 12 anos atrás, e Benigno levou anos para juntar os pontos. “Em 1985, com a ajuda de um padre, cujo nome não posso revelar por razões de segurança, foi feita a exumação dos restos do Che no mais estrito segredo. Esse padre mostrou o lugar exato onde ele estava enterrado. Sem o conhecimento do governo boliviano, é claro. Os restos do Guevara chegaram a Cuba numa mala diplomática”, para serem identificados. Segundo Benigno, essa mala foi parar no Departamento Américas do Comitê Central, em mãos do comandante Manuel Piñeiro Lozada. “Eu não posso garantir se, nesse momento, Fidel sabia da operação. Acredito que não, que Piñeiro quis fazer uma surpresa a Fidel. Para manter o segredo absoluto, Piñeiro convocou um médico de sua confiança, o dr. Damian, conhecido por sua mediocridade. Ele era tão incompetente que não conseguiu identificar os ossos e simplesmente determinou que não se tratava do Che. Então, os restos foram colocados numa valise e não sei mais o que aconteceu.”

    Benigno considera que esses ossos encontrados agora em Vallegrande são os do Che? “Para mim não, mas eu não sou especialista. E também não posso garantir que os restos levados em 1985 não voltaram por alguma via miraculosa, nem sei onde teriam ficado guardados. Podem ser verdadeiros e ter sido reunidos aos ossos dos outros guerrilheiros. O que eu posso garantir é que os restos do Che foram tirados da pista do aeroporto em 1985. Eu sei, inclusive, que isso causou problemas entre os governos boliviano e cubano. E agora deve sair uma lista com os nomes das pessoas que teriam participado dessa maquinação. Parece que houve negociatas e Bánzer (o presidente Hugo Bánzer) mandou investigar.” Qual seria o objetivo do governo cubano com essa manobra macabra? Benigno não sabe responder, mas garante que a descoberta dos ossos agora foi planejado. “Este é o ano do Che Guevara e de seus companheiros. Os restos apareceram no momento exato. Eles foram encontrados em junho passado. No próximo dia 8 de outubro vai ser inaugurado o Mausoléu de Santa Clara, em Cuba (onde os restos de Guevara serão depositados). Me desculpe, mas uma coisa assim não se projeta em poucos dias. É evidente que esse monumento já estava preparado há muito tempo. O objetivo é levar turismo a Cuba”, acusa Benigno. “O mausoléu vai se transformar num centro turístico mundial – e em dólares que vão diretamente para o bolso de Fidel, não para o povo.”

    A lenta desilusão – Nos últimos 38 anos, entre uma guerrilha e outra, o comandante Benigno integrou a burocracia do Partido Comunista que dirige Cuba com mão-de-ferro desde 1959. Foi diretor da Logística das Forças Armadas, chefe da Polícia Militar de Havana, diretor das prisões (que, segundo ele, tentou humanizar), fez parte do serviço de informações e da contra-espionagem. Também dirigiu as “escolas especiais” (centros de treinamento de guerrilheiros para lançar a revolução mundial, os mil Vietnãs de que falava o Che) desde sua criação em 1962. Nessa qualidade, ele treinou combatentes do mundo inteiro, inclusive brasileiros.

    Mas depois de tudo o que ele viveu no Congo e na Bolívia, por que Benigno retornou a Cuba? Como acreditou novamente em Fidel Castro?

    O ex-comandante suspira, sacode a cabeça, abre os braços. “Você tocou no ponto essencial. Até hoje eu não me perdôo, tenho raiva de mim mesmo. Fidel tem um poder de persuasão incrível. Eu, como todo mundo, o adorava. Mesmo com a minha desconfiança, eu não imaginava que ele fosse capaz daquela traição. Na época, eu punha a culpa em Miguel Piñeiro, responsável da América Latina. Eu achava que Fidel também estava sendo enganado. Ele falava do Che com uma admiração, uma paixão, que nós ficávamos de boca aberta. Você ficava se achando mesquinho de desconfiar dele”, conta Benigno.

    Para o ex-guerrilheiro a desilusão final com o regime que ele ajudou a criar só veio com o caso do general Arnaldo Ochoa, amigo dele desde Sierra Maestra. Ochoa foi fuzilado em 1989 junto com os irmãos La Guardia, acusados de narcotráfico. “Eu não podia mais fechar os olhos. Eu sabia que absolutamente tudo o que eles faziam era a mando de Fidel, que foi amigo deles a vida toda. Ochoa era um dos homens mais populares de Cuba, um herói nacional. Os gêmeos La Guardia também, e desde a vitória da revolução eles faziam pesca submarina – o que Fidel gosta mais na vida –, um de cada lado dele. E Fidel fuzila os dois! Aí decidi: tenho que ir embora.” Mas a ruptura só ocorreria seis anos depois. “Aceitei um convite para vir a Paris, no dia 30 de setembro de 1995, para um encontro de escritores, consegui trazer minha família e fiquei por aqui.” Hoje em dia Benigno não chega a viver na clandestinidade, mas o próprio governo francês pediu para que ele tomasse cuidado. Um grupo de contra-espionagem cubano – um general e mais de 20 oficiais – esteve na França recentemente tentando localizá-lo. O antigo companheiro do Che tem recebido ameaças e foi objeto de uma campanha de difamação. “Eu sei que a minha saída abalou muito Fidel Castro. Ele ficou furioso, inclusive porque eu não fui para Miami me juntar aos outros resistentes ou ganhar dinheiro nos EUA. Se Fidel Castro puder provar, com fatos, que não traiu o Che, que não o abandonou na Bolívia, eu volto a Cuba e me entrego para receber o castigo merecido. E assino um documento reconhecendo meu erro”, desafia Benigno.

    O veterano revolucionário teme que a morte do comandante mergulhe a ilha num verdadeiro banho de sangue porque o sucessor designado, o primeiro-irmão, Raúl Castro, “é um bêbado e incompetente e seria tentado a se impor pela força”. Benigno diz que Fidel está muito mal de saúde. “Ele tem problemas respiratórios e pulmonares graves, não se sabe se é câncer ou não. Ele foi proibido totalmente de fazer uma das coisas que mais gosta na vida, a pesca submarina”, revela. “Também está proibido de fumar e, nos últimos tempos, evitar ao máximo falar em público. As pessoas se perguntam por que num país tão quente Fidel anda sempre de casaco. É que ele precisa esconder uma camisa térmica, que usa desde os anos 70, para esquentar os pulmões e os brônquios. Pelo que se sabe, o fígado também foi atingido e está afetando o cérebro, o que faz com que ele perca a razão. Também está com mal de Parkinson.”

    E o ex-guerrilheiro reserva a estocada final para o dirigente cubano: “Depois de trair Guevara, de ser o responsável pela sua morte, Fidel Castro tenta ainda utilizar o cadáver do Che, como vem fazendo há 30 anos. Todo mundo já entendeu que cada vez que Fidel agita o retrato de Guevara é para obrigar o povo cubano a apertar mais o cinto. É triste que tenha que ser um cubano a dizer isso, mas essa comemoração é uma ofensa à memória e aos princípios nobres pelos quais morreu o Che. Ele ficaria revoltado com o que está acontecendo em Cuba.”

  • Martin

    Estou pedindo auxílio para melhor avaliar essa reportagem… Mas seria MUITO ESTRANHO que Fidel, só por “ciúmes” de algo que publicamente nunca houve, tentasse MATAR Che Guevara, prejudicando TODO o PROJETO (Maior do que os 2 Líderes !!) da LUTA CONTRA o IMPERIALISMO !!

  • ANTONIO AMARAL

    O cara é francês mas deu uma aula sobre Cupa a essa blogueira idiota.

  • Mas, são cretinos demais!!!

    É preciso ser muito louco para não enxergar que a crise econômica mundial ora em curso é do socialismo (= Estado gigante e distributivista). Há um evidente esgotamento do modelo socialista pela exaustão provocada pelo excesso de endividamento público, que chegou ao nível do impagável, e de cobrança exagerada de impostos. A engenharia econômica socialista, fundada no roubo tributário, encontrou seu próprio limite. O desmonte socialista está em toda parte, a começar pela Grécia. Falar em crise do capitalismo não é simples ignorância: essa gente alucinada não quer ver as coisas como elas são.

    O mesmo pode ser dito do que chama justiça social. A locução é um pleonasmo, posto que toda justiça é social. Esta palavra está aí para reafirmar o programa socialista de criar privilégios para os que não querem trabalhar, às custas dos que trabalham. Insistem na locução porque ela é usada para reafirmação de sua ética de afanação do alheio. A palavra social serve de slogan para mobilizar os interessados em se apropriar do butim roubado.

    • eduguim

      Você diz que EUA, epicentro da crise, é socialista e ainda chama os outros de cretinos?

    • Pedro1

      Uhum. Só me diz o que voce fumou que eu quero um pouco. Vir falar de socialismo no auge do neoliberalismo é dose.

  • Boa esta entrevista que desmascara a falsa blogueira e a coloca no seu devido lugar de agente da CIA e do PENTAGONO.
    E’ claro que a imprensa reacionaria e da direita brasileira expande o quanto pode a propaganda ideologica dessa blogueira porque lhes interessa contribuir para destratar a REVOLUCAO CUBANA e esconder as miserias do Brasil e as mazelas da DIREITA e da EXTREMA-DIREITA brasileiras…
    E so a boa e correta imprensa estrangeira e o que fazem os bons blogs brasileiros para que se consiga ter acesso a verdade, sempre escamoteada pelos VENTRILOQUOS da imprensa, da TV e do radio brasileiros, atraves de nossos MEDIOCRES jornalistas, verdadeiros BOCAS ALUGADAS e “ipso facto”, verdadeiros VENTRILOQUOS, em sua essencia e nos seus pessimos escritos e mal-fadadas falas e imagens diarias, por todos as midias bradileiras…
    FELIZMENTE, ha blogs como este qye nos permitem conhecer um pouco mais de mais VERDADES!

  • o que me impressiona é o poder absoluto que a midia PIG internacional possui.

    Até a tv Brasil, cujo senso jornalistico deveria ser mais apurado, repete a ladainha comandada pelos ‘donos do mundo’ acriticamente. Seja sobre Cuba, sobre a Líbia, o Irão, a Síria…

    Lamentável e que algo que nos enche de desesperança.

    E essa elementA Yoany, que lixo ‘humano’ !

    Cínica, desprezível, egoísta, agente descarada e mentirosa patológica sustentada pelo grande capital internacional. Realmente, deve ser vergonhosa a cidadania de um país onde nenhuma criança dorme na rua ou não possui educação… por isso, vivam os “Pinheirinhos”!

    É tudo muito nojento…