Movimento Tea Party e o fascismo à brasileira

Há leis neste país que podem – e precisam – ser usadas contra a onda neonazista que vem promovendo agressões verbais a negros, nordestinos e homossexuais em redes sociais como Orkut, Facebook e Twitter. Lamentavelmente, a liberdade para essas manifestações odiosas ainda é tanta que até mesmo jovens de classe média alta as praticam despreocupadamente, muitas vezes sem perceber que estão cometendo crimes.

Três dias de fúria midiática – caindo a ficha

Faltando 3 dias para o Brasil ir às urnas dizer o que decidiu depois de meses a fio de troca de acusações, de denúncias de corrupção, de boataria difamatória, de julgamentos morais sumários, de imposição de dogmas religiosos a não convertidos, vai surgindo uma sensação de que a fúria midiática pode estar se perguntando se vale mesmo a pena disparar a última bala de prata contra Dilma Rousseff.

Quatro dias de fúria midiática – forjando a bala de prata

A fúria midiática foi surpreendida por pesquisas mostrando prejuízo para José Serra depois do factóide da suposta “agressão petista” que teria sofrido em comício na zona Oeste do Rio. Pelo visto, o aumento da vantagem de Dilma Rousseff detectado pelos institutos Datafolha, Ibope, Sensus e Vox Populi se deveu à descrença popular na encenação do tucano e na “prova”, forjada pela Globo, de uma segunda “agressão” naquele evento, ou ao aborto de Mônica Serra.

Fita mágica da Globo atinge ‘John Fitzgerald’ Serra

As sucessivas tentativas de Serra de, com ajuda da Globo, converter-se em “vítima” do PT já viraram piada na internet. A hashtag #serrarojas atingiu ontem (21/10) o topo do ranking mundial do Twitter. Acima, a imagem de um joguinho de vídeo game que surgiu em tempo recorde e que está fazendo sucesso na internet, no qual há que acertar uma bolinha de papel no pseudo espertalhão tucano. Como se não bastasse, reproduzo perícia feita por José Antonio Meira da Rocha. Professor de Jornalismo Gráfico da Universidade Federal de Santa Maria, Centro de Educação Superior Norte-RS (UFSM/CESNORS), campus de Frederico Westphalen, Rio Grande do Sul, Brasil. Vale a pena ler.