Internet: veja como o fim da neutralidade de rede poderia lhe afetar

Destaque, Reportagem, Todos os posts

O Federal Communication Commission (FCC, uma espécie de Anatel norte-americana) decidiu pelo fim da “neutralidade de rede”. Isso vai mudar radicalmente a sua relação com a internet. quase duas centenas de milhões de brasileiros serão afetados e a produção de conteúdo independente pode simplesmente desaparecer.

Em janeiro, as empresas de telefonia baterão à porta do Ministério das Comunicações de Michel Temer – que está cedendo a tudo e a mais um pouco que o dito “mercado” quer. E quando se fala em “mercado”, fala-se em grandes conglomerados econômicos que querem tirar mais dinheiro do consumidor, entre outros ataques ao interesse coletivo.

Se você é de esquerda, de direita, de centro ou muito pelo contrário, tem interesse em se posicionar contra isso. Este post mostra como ficaria a sua vida digital com o fim da neutralidade de rede. Se você não for rico, será ruim para você. Vai pagar exponencialmente mais caro para pôr ou tirar conteúdo da internet.

O que fazer? Estamos às portas de um ano eleitoral. Se espalharmos isso para toda a população, ela ficará furiosa e obrigará os pré-candidatos a cargos eletivos a se posicionarem contra. Mas, para isso, você precisa divulgar informações como esta. Enquanto dá tempo.

Confira, abaixo, como o fim da neutralidade da rede afetará a todos os internautas.

O princípio da neutralidade prevê que todos os pacotes devem trafegar nas mesmas condições, sem bloqueios ou faixas preferenciais.

Para entender o que é neutralidade de rede, basta imaginar a internet como uma grande rede de estradas, por onde trafegam, em vez de carros, pedaços de informação — os chamados pacotes de dados. O princípio da neutralidade prevê que todos os pacotes devem trafegar nas mesmas condições, sem bloqueios ou faixas preferenciais.

Velocidade: A neutralidade é quebrada quando, por exemplo, o administrador dessas estradas — neste caso, o provedor de internet — decide que determinado pacote não vai trafegar pela rede porque não é de seu interesse que aquele conteúdo circule por ali. Ou então o contrário: determina que alguns pacotes podem trafegar mais rapidamente, mediante pagamento de uma taxa extra.

Cobrança: O princípio da neutralidade faz diferença no dia a dia do usuário. Sem a neutralidade, uma operadora pode, por exemplo, fazer um acordo com um serviço de streaming de vídeo para garantir que seu conteúdo terá preferência na rede. E poderá cobrar mais por isso, repassando esse custo para o consumidor.

Concorrência: A neutralidade impede que uma empresa dona da infraestrutura de rede dê preferência ao tráfego, pela internet, do conteúdo produzido por outra companhia de seu grupo. Ou que deixe em velocidade mais lenta, propositalmente, o conteúdo produzido por alguma empresa rival. Advogados e especialistas alertam para os riscos do fim da neutralidade na rede, principalmente em um momento em que há a chamada verticalização do setor. Ou seja: donas de infraestrutura (provedores de internet) buscando parcerias com produtoras de conteúdo. A compra da Time Warner pela operadora AT&T por mais de US$ 80 bilhões, em análise pela Justiça americana, é exemplo dessa tendência no mercado.

Inovação: Especialistas alertam que a neutralidade de rede também garante igual acesso a empresas que queiram lançar serviços e produtos na internet. Sem o princípio da neutralidade, os provedores de internet poderão decidir que sites os usuários podem acessar, e a que velocidade. Assim, “entrantes” no mercado, ou seja, novos sites, novos aplicativos, novas ferramentas, poderão ser forçados a negociar antes com os provedores a velocidade do acesso a seus serviços e até mesmo a permissão para oferecê-los. Isso é um bloqueio à inovação.

Marco Legal: Nos EUA, a regra da neutralidade da rede estava em vigor desde 2015. No Brasil, este princípio está previsto no Marco Civil da Internet, sancionado em 2014. A regra brasileira prevê algumas exceções. Chamadas de emergência passam na frente no fluxo de dados pela internet. A neutralidade também pode ser rompida temporariamente em caso de congestionamento da rede.

O Blog da Cidadania tem uma mensagem importante para você, mas está em outro post. Por favor, clique AQUI para ler após assistir ao vídeo abaixo.

  • Romanelli

    Esquece ..isso faz parte do GOLPE em andamento no mundo ..parte da seletividade ocorrerá por ideologia tb ..quem viver verá

    Os EUA, frente ao avanço da CHINA, resolveu se posicionar e reiterar sua influência e domínio pelo quintal da América Latrina

    “Se é bom pros EUA é bom pro Brasil” ..é isso o que as inúmeras Agencias de Regulação, Privateiros e Grandes Corporações propagam e acreditam ..se antes nos colocaram de joelhos com o FMI, hoje alegam, que não temos grana pra investir (ainda mais com o povo não conseguindo poupar e as grandes empresas tendo sido LIQUIDADAS ou adquiridas por transnacionais)

    Eventual reposicionamento e adiamento por vontade política é questão de tempo pra cair

    QQ inciativa contrária só teria sucesso se o POVO se mexe-se diz vc ..mas aqui, até diante dum GOLPE PORNOGRÁFICO e explícito, violento, vemos uma passividade digna dos MAIORES COVARDES florescer

    Se nem por LULA o povo foi à rua, não será por isso ..a não ser se a classe média se mexer

    ..em tempo – aposto que os grandes sites de noticias do PIG garantirão o acesso irrestrito a qq plano oferecido ..faz parte da estratégia ..uma só voz, uma só opinião ..a unanimidade decantada em editoral do JN e da Band

    • Blog da Cidadania

      E devemos “esquecer”?

    • Marcus Rodrigues

      Nao evemos esquecer, Edu.. mas que inexoravel…

  • Juliano Santos

    Nos EUA aconteceu isso agora. Edu, voce tem mais detalhes do que como era e será agora lá?

    • Blog da Cidadania

      Está no post, Juliano. O que estou dizendo que pode acontecer aqui é o que está acontecendo por lá

  • Juliano Santos

    Edu, só agora li o texto, tinha ido direto para o vídeo. Estou ainda surpreso com que aconteceu nos EUA. Lá o cidadão tem mais consciência de seus direitos. Menos que Europeu, mas com certeza mais que brasileiro.

    • Blog da Cidadania

      Eles estão na mesma vibe dos brasileiros, mas logo, logo, vão acordar

  • Romanelli

    Veja como é a vida

    Até bem pouco, movidos por sentimentos nobres, pessoas de boa índole, de qq corrente política, censuravam-se diante de tragédias pessoais dos seus contrários

    Foi assim que vimos pessoas se posicionarem contra os que comemoravam o câncer de DILMA ou de LULA ..a morte da Marisa ou da Ruth Cardoso ..o definhamento físico do Covas e assim por diante

    bem ..hoje, tudo indica, TEMER – o GOLPISTA e agressor – tudo indica, tem mais do que uma simples “obstrução” das vias urinárias

    deus do céu ..gente.. sei lá ..confesso que não tô conseguindo ter compaixão por esse cara não

    ..e até chego a pensar que se tomado por um câncer agressivo, melhor castigo não poderia ter-lhe sido uma GRANDE e merecida PEÇA promovida pelo Sr Destino

  • robertoAP

    Se acabarem com a Internet legal, entraremos para a DARK WEB, e conseguiremos com algumas senhas, cliques e uma antena de 30 cm, ver tudo que vemos hoje, ainda mais barato. Quem vai ganhar serão os hackers,que vão instalar a DARK WEB em todas as casas, por apenas 100 reais, ou menos, e os bandidos golpistas e vigaristas que pensam que são espertos ,vão ficar com o mico.

  • Trazibulo Meireles de Souza

    Com um presidente que assaltou o poder e, com a sua ilegitimidade, está seguindo os conselho do publicitário Guanaes, é possível acontecer a negação da internet ao povo brasileiro, o direito a informação de forma plural. Para quem está negando o direito a sobrevivência aos pobres, com o preço do gás, direito elementar, internet é fichinha! Acorde povo!