‘A militância não pode ter medo, lutamos por justiça’, convoca Stedile

“Não estamos preocupados com possíveis perseguições ao MST, porque durante os 34 anos do movimento nós pagamos caro pela nossa luta social. Talvez seja o movimento que tenha mais assassinatos na sua base, mais torturas e prisões. Mas não é isso que nos amedronta ou nos afasta da luta social. Acho que essas ameaças devem nos servir como alerta e ao mesmo tempo devem ser instigadoras para a gente reforçar o trabalho de base, de educação política, e eu digo isso não só para nossa base do MST, mas para a esquerda em geral, que nós temos que voltar a fazer um trabalho especial de base, de formação política, utilizando inclusive os instrumentos culturais com a juventude pobre da periferia das grandes cidades.”

Após atentado, acampamento pró Lula entoa “Bom dia, presidente Lula”

O atentado a bala que feriu duas pessoas não intimidou o acampamento montado pela militância do PT a 750 metros da Superintendência da Polícia Federal em Curitiba. Os militantes, logo cedo, entoam o habitual grito de “bom dia, presidente Lula”, proferido todas as manhãs através de microfones e megafones e e que o ex-presidente ouve de sua cela. Assista

Globo “entrega” estratégia de intrigar Lula e Dilma

Não se pode deixar de reconhecer que a estratégia foi esperta. Atenta ao efeito que produziria a saída de Lula do poder, um sentimento de vazio que poderia produzir sentimentos confusos, a mídia apostou nesses sentimentos, talvez exageradamente fortes em alguns, para promover cizânia entre os que apoiaram a eleição de Dilma Rousseff pintando como “traidora” aquela a quem o ex-presidente confiaria a missão de continuar a própria obra.